Neuroses

2.656 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.656
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neuroses

  1. 1. Neuroses Apostila elaborada pela Profa. Juliana Nutti
  2. 2. Definição de Neurose é uma afecção de origem psicológica em que os sintomas funcionam como forma de expressão simbólica de um conflito psíquico que tem suas raízes na história pessoal e que constitui um compromisso entre o desejo e a defesa
  3. 3. Sintomatologia Segundo a Psicanálise, a neurose relaciona-se a uma organização de sintomas fixa e irreversível que implica a existência de um superego internalizado que levaria o ego a mobilizar constantes defesas frente ao impulso reprimido
  4. 4. Diferenciação de sintomas Os sintomas de nível neurótico podem ser confundidos com os sintomas situados: - no nível adaptativo: quando os sintomas indicam que a criança ainda não possui o equipamento neurofisiológico ou a maturação psicológica necessários para a realização daquilo que uma criança mais velha já é capaz de fazer; - no nível reativo: quando os sintomas traduzem a existência de pressões, exigências ou solicitações inadequadas do ambiente para a criança.
  5. 5.  Sintomas relacionados ao nível neurótico → incidência significativamente inferior em relação aos sintomas relacionados ao nível adaptativo e reativo, especialmente em crianças até 4 anos. Se a condição para o aparecimento de sintomas de nível neurótico é a presença de superego predominante, só se pode falar em neurose infantil após o período edipiano, na fase de latência ou na puberdade, ou seja, após os 4-5 anos
  6. 6. Critérios para determinar umsintoma ao nível neurótico: - o sintoma deve ser persistente, mesmo que as condições ambientais já tenham sido modificadas - não devem existir relações estreitas entre o sintoma e as pressões ambientais ou determinados momentos evolutivos
  7. 7.  Comparação entre o comportamento da criança normal, neurótica e psicótica em relação às funções psicológicas e ao brincar
  8. 8. Adequação à realidade Normal: Boa capacidade de adaptação Neurótica: Reconhecimento parcial; distorções em função dos conflitos Psicótica: Carece de adequação por falta de discriminação da realidade como tal
  9. 9. Escolha de brinquedos ebrincadeiras Normal: Em função de necessidades e interesses próprios da idade Neurótica: Determinada pela área conflitiva Psicótica: Responde a uma intencionalidade de estrutura psicótica
  10. 10. Capacidade simbólica Normal: Possibilidade de expressar as fantasias através da atividade simbólica com maior riqueza Neurótica: Compulsão à repetição: não diversifica as possibilidades de expressão Psicótica: Atuação direta das fantasias
  11. 11. Modalidade de brincadeiras Normal: Rico - fluido - plástico Neurótica: Alternância em função das defesas predominantes Psicótica: Estereotipia - perseverança - rigidez
  12. 12. Tolerância à frustração Normal: Boa capacidade de tolerância Neurótica: Baixo limiar de tolerância Psicótica: Mínima capacidade de tolerância; predomínio do Princípio do Prazer
  13. 13. Referências bibliográficas: BOSSA, N. A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000 LAPLANCE, J., PONTALIS, J. B. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1986 ROCHA, Z. Curso de psiquiatria infantil. Petrópolis: Vozes, 1985

×