SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
DESENVOLVIMENTO FÍSICO
E PSICOMOTOR NA
1a INFÂNCIA
Fundamentos psiconeurológicos
do desenvolvimento
Conceitos básicos
 A partir da concepção, o organismo
humano possui uma “lógica biológica”, a
qual implica numa organização interna e
num calendário maturativo;
 O desenvolvimento psicomotor está sujeito
a uma série de leis biológicas estreitamente
relacionadas ao calendário maturativo;
 O desenvolvimento psicomotor não é
apenas uma mera realidade biológica, pois
está aberto à interação e à estimulação do
meio.
 O crescimento físico é um processo altamente
organizado, ocorre de maneira contínua e paulatina e não
aos saltos e pode ser comparado a um foguete espacial
sem tripulação com trajetórias prefixadas dirigidas por
sistemas e controles internos;
O mais importante controle interno são os
chamados Processos de Recuperação – através do
controle genético e de mecanismos corretores há uma
tendência do organismo a recuperar o caminho perdido
quando um problema desvia o crescimento de sua
trajetória prevista. Exemplo: quando o tamanho corporal
previsto para o feto é maior que o espaço do útero da
mãe este nascerá menor que o previsto e continuará a
crescer fora do útero até alcançar o tamanho previsto;
 Problemas que podem desviar a trajetória do
desenvolvimento: naturais/internos (gestações
múltiplas) ou ambientais/externos (desnutrição e uso
de drogas);
 Tendência secular do crescimento: processo
influenciado por fatores externos – aceleração que
se observa em alguns aspectos do crescimento
quando se comparam dados coletados em períodos de
tempo muito distantes (séculos) – mudança na idade
em que termina o crescimento da altura dos
indivíduos; idade da menarca (primeira menstruação).
Esta aceleração deve-se a melhorias nas condições de
vida, na alimentação, no tratamento das doenças,
etc;
 Os fatores externos têm influência importante, mas limitada
devido à margem de reação ou variação de reação: o
que a herança genética prevê não é um valor fixo e
fechado. Exemplo: a altura não é prevista em forma de um
valor absoluto - há uma margem de poucos centímetros a
mais e a menos em que deverá se situar a altura final;
 Aspectos do meio que podem influenciar o crescimento:
rotinas da vida cotidiana (alimentação, hábitos de sono e
repouso, exercícios, estado de saúde, etc); influências
psicológicas (“nanismo por privação”- crescimento
anormalmente baixo na estatura e peso devido a privações
afetivas prolongadas) – somente um diagnóstico profundo é
capaz de revelar se há algum outro elemento determinante
dessas características;
A curva do desenvolvimento
 O crescimento é normal quando os valores se situam dentro
do padrão de variação esperado, quando não deixa de
ocorrer e nem é interrompido de maneira irrecuperável – a
curva de crescimento e cada indivíduo deve ser coerente
consigo mesma – as pessoas pequenas não tem
exatamente o mesmo ritmo de crescimento das pessoas
maiores;
 Dimorfismo sexual: outro aspecto típico da curva de
crescimento – são as diferenças entre o crescimento
masculino e feminino – as meninas adiantam-se em relação
aos meninos quanto à cronologia do crescimento – meninas
entram na puberdade antes dos meninos, o que as fazem
crescer mais rápido que eles, mas depois os meninos as
alcançam e as ultrapassam na curva de crescimento;
 Teto de crescimento: meninas – de 14 (16) a 18 anos;
meninos – de 16 (18) a 20 anos;
O crescimento pré-natal
O crescimento tem sua própria lógica
endógena, pois o crescimento intra-
uterino ocorre seguindo uma
determinada seqüência de eventos
que se repetem em todos os seres
humanos – etapa embrionária e
fetal;
Etapa embrionária
 da 2a até a 8a semana de fecundação. Neste período
muitos embriões não prosperam e são descartados
pelo próprio organismo, pois qualquer anomalia
provoca abortos espontâneos. É a etapa em que
ocorrem os processos de:
 morfogênese – progressiva diferenciação das partes
do corpo: cabeça, ombros, braços, pernas, etc) e
 histogênese (diferenciação das células em tecidos
especializados – tecido epitelia e nervoso). No final
desta etapa, tem-se uma criatura com cabeça,
braços, pernas, coração com batimento, sistema
nervoso capaz de algumas reações rudimentares.
Tamanho: aprox. 3 centímetros;
Etapa fetal
 Nesta etapa o crescimento ocorre com muita
velocidade. O corpo termina de se formar (a
cabeça é tão grande quanto o corpo e essa
desproporção vai se corrigindo aos poucos). O
feto pára de crescer assim que ocupa todo o
espaço disponível no útero (entre o 8º e 9º
meses de gestação). Devido aos processos de
recuperação, os fetos que tenham que
suspender o seu crescimento por falta de
espaço continuarão a crescer após o
nascimento até recuperar a curva de seu
crescimento;
 Em relação ao crescimento do embrião e do
feto, ocorre o duplo efeito da lógica interna e
das influência externas:
 Quanto às influências externas, o organismo humano
é sensível a várias influências como a desnutrição, a
exposição à radiação, a ingestão de drogas e certas
doenças da mãe como a rubéola e a toxoplasmose. A
rubéola e a radiação têm maior influência no período
embrionário pois afetam os órgãos e tecidos no
momento de sua constituição.
 Nas mulheres não-imunizadas, se a rubéola é contraída
no início da gestação, a taxa de malformações
congênitas no nascituro pode ser estimada em cerca de
20%, sendo mais elevada se a doença é conhecida no 1º
mês e caindo bastante no 2º e 3º meses para no 4º mês
de gestação ser comparável à observada na população
em geral.
O nascimento e a 1a infância
 No processo do parto, a ocorrência mais relevante
que pode comprometer o crescimento físico é a
anoxia neonatal – dificuldade respiratória no
momento da passagem à respiração aérea
independente por parte da criança, geralmente
relacionado a problemas no cordão umbilical;
 A dificuldade respiratória decorrente da anoxia
acarreta uma absorção insuficiente de oxigênio, que é
um elemento essencial para a sobrevivência dos
neurônios. As anoxias mais graves deixam seqüelas
na forma de atrasos maturativos, lentidão no
desenvolvimento psicomotor, etc;
Reflexos básicos ao nascer
 Reflexo de sucção: capacidade inata de sugar que é ativada
semrep que um objeto entra em contato com os lábios da criança;
 Reflexo de enraizamento: quando a bochecha do bebê é
estimulada ele tende a girar a cabeça levando a boca até a direção
do estímulo;
 Reflexo palmar (grasping): quando se coloca um objeto em
contato com a palma da mão da criança, esta fecha-a com força,
agarrando-se ao objeto;
 Reflexo de Moro: conseqüência de uma mudança brusca de
estimulação que produz um sobressalto (barulho forte, sensação
de cair) e manifesta-se como uma reação de susto (abre os braços
jogando-os para trás e fechando-os sobre si mesmo como se fosse
um abraço);
 Reflexo de marcha: se segurarmos um bebê pelas axilas e
colocarmos as plantas de seu pé em uma superfície lisa e plana, a
criança começa a movimentar as pernas como se estivesse
caminhando.
O crescimento do cérebro
 O cérebro é a base física de todos os processos psíquicos. No
nascimento, as partes mais maduras do cérebro são as mais
internas, ou seja, as mais próximas da conexão do cérebro com a
medula – aí encontra-se o controle dos automatismos como os
reflexos. A parte mais evoluída do cérebro é o córtex que se
encontra pouco desenvolvida no recém-nascido. O
desenvolvimento do cérebro dependerá do processo de
telencefalização - desenvolvimento progressivo do centro para a
periferia;
 A conduta do recém - nascido está repleta de automatismo e
movimentos incontrolados. Á medida em que vai ocorrendo o
processo maturativo (do centro para a periferia) que o elemento
automático vai se transformando em voluntário e o incontrolado
em controlado;
 A maturação que ocorre no interior do cérebro tem uma relação
estreita com a evolução do controle postural e do autocontrole
motor. Exemplo: a criança controla mais cedo o movimento dos
braços, pois as partes do cérebro que controlam esse movimentos
amadurecem antes das que controlam os movimentos das pernas;
As bases do desenvolvimento
psicomotor
 Psicomotricidade - área relacionadas às implicações psicológicas
do movimento e da atividade corporal na relação do organismo
com o meio em que se desenvolve - Relações psiquismo-
movimento e movimento psiquismo;
 Na Psicomotricidade há componentes maturativos relativos ao
calendário maturativo cerebral e componentes relacionais que se
relacionam ao fato de que é através de seus movimento e ações
que a criança entra em contato com pessoas e objetos com os
quais se relaciona de forma construtiva;
 A meta do desenvolvimento psicomotor é o controle do próprio
corpo - este controle envolve um componente externo ou práxico
(a ação) e um componente interno ou simbólico (a
representação do corpo e de suas possibilidades);
 Nos 2 primeiros anos de vida o desenvolvimento psicomotor
transforma a criança num ser que não controla e coordena os
próprios movimentos a um ser que possui movimentos controlados
e coordenados, que controla a posição do próprio corpo e dos
segmentos corporais mais importantes (braços, pernas, tronco e
que é capaz de andar e correr;
 O progressivo domínio do controle postural ocorre segundo
duas leis fundamentais: a lei céfalo-caudal e a lei
próximo-distal;
 Lei céfalo-caudal - as partes do corpo que estão mais
próximas da cabeça são controladas antes;
 Lei próximo-distal - as partes que estão mais próximas
do eixo corporal são controladas antes das que se
encontram mais afastadas do eixo;
 O controle das partes mais afastadas do eixo corporal
(punhos e dedos) não ocorre na 1a infância, sendo atingido
nos anos pré-escolares e posteriores;
 “Psicomotricidade fina” - relacionado à coordenação
motora de pequenos gestos; é muito especializada e
complexa. Ex: movimento de pinçar. “Psicomotricidade
grossa” - relacionado à coordenação motora de grandes
grupos musculares envolvidos na locomoção, equilíbrio e
controle postural global;
Marcos maturativos
 controle da cabeça: 3-4 meses;
 coordenação olho-mão: 3-4 meses;
 posição sentada: 4-5 meses com apoio e 6-7 meses
sem apoio;
 locomoção antes de andar: 8 meses;
 manter-se em pé: 9-10 meses com apoio e 12
meses sem apoio;
 caminhar com apoio: 10-11 meses com 2 pontos de
apoio e 11-12 meses com 1 ponto de apoio;
 andar: 12-14 meses;
 correr: até 18 meses;
 pequenos saltos: 20-21 meses

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula sobre vygotsky
Aula sobre vygotskyAula sobre vygotsky
Aula sobre vygotsky
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget Interaccionismo
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento PsicomotorDesenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento Psicomotor
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piagetO desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
 
Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1
 
O desenvolvimento humano
O desenvolvimento humanoO desenvolvimento humano
O desenvolvimento humano
 
Piaget completo
Piaget completoPiaget completo
Piaget completo
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
 
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 

Destaque

Desenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorDesenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorbecresforte
 
O desenvolvimento sócio afetivo da criança
O desenvolvimento sócio afetivo da criançaO desenvolvimento sócio afetivo da criança
O desenvolvimento sócio afetivo da criançaDiana Sousa
 
Desenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento PsicomotorDesenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento Psicomotorcrmartins
 
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anosDesenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anoslorrayne nunes
 
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolarO desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolarWagner Luiz Garcia Teodoro
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilkeillacr
 

Destaque (6)

Desenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorDesenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motor
 
O desenvolvimento sócio afetivo da criança
O desenvolvimento sócio afetivo da criançaO desenvolvimento sócio afetivo da criança
O desenvolvimento sócio afetivo da criança
 
Desenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento PsicomotorDesenvolvimento Psicomotor
Desenvolvimento Psicomotor
 
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anosDesenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
 
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolarO desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantil
 

Semelhante a Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância

Psicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxPsicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxAximenesMarcos
 
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptx
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptxDESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptx
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptxBrunaCristina692263
 
Fatores e parâmetros docrescimento pós
Fatores e parâmetros docrescimento pósFatores e parâmetros docrescimento pós
Fatores e parâmetros docrescimento pósEDSON ALAN QUEIROZ
 
Manual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. iManual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. iJoão Patrício
 
Aula 4 crescimento
Aula 4 crescimentoAula 4 crescimento
Aula 4 crescimentolu_adas
 
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpo
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpoA velocidade do crescimento das diferentes partes do corpo
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpoVan Der Häägen Brazil
 
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoVan Der Häägen Brazil
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaEDSON ALAN QUEIROZ
 
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagemPaulo Robson
 
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...Van Der Häägen Brazil
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptfabzfab476
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptfabzfab476
 
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Van Der Häägen Brazil
 
Reprodução joao afonso lll
Reprodução joao  afonso lllReprodução joao  afonso lll
Reprodução joao afonso lllCarla Gomes
 
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cogniçãoO genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cogniçãoVan Der Häägen Brazil
 
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃOO GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃOVan Der Häägen Brazil
 
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...Van Der Häägen Brazil
 
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educa
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educaAspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educa
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educaAntonio Carneiro
 
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vida
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vidaFases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vida
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vidaVan Der Häägen Brazil
 

Semelhante a Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância (20)

Psicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxPsicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptx
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptxDESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptx
DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA.pptx
 
Fatores e parâmetros docrescimento pós
Fatores e parâmetros docrescimento pósFatores e parâmetros docrescimento pós
Fatores e parâmetros docrescimento pós
 
Manual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. iManual de formação psi mod ss. i
Manual de formação psi mod ss. i
 
Aula 4 crescimento
Aula 4 crescimentoAula 4 crescimento
Aula 4 crescimento
 
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpo
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpoA velocidade do crescimento das diferentes partes do corpo
A velocidade do crescimento das diferentes partes do corpo
 
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológicoBaixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
Baixa estatura;deprivação materna ou nanismo psicológico
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem
5 teorias do_desenvolvimento_e_da_aprendizagem
 
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
Determinantes do Crescer e Maturação Crianças,Infantil,Juvenil e Subst. Metab...
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
 
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.pptCRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO_032326.ppt
 
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
Estirão em Infantil Juvenil, compatível com crescer pré e pubertário na menar...
 
Reprodução joao afonso lll
Reprodução joao  afonso lllReprodução joao  afonso lll
Reprodução joao afonso lll
 
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cogniçãoO genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
O genesis do crescimento infanto juvenil é parceiro da cognição
 
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃOO GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
O GENESIS DO CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL É PARCEIRO DA COGNIÇÃO
 
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
Crescer normal, salto de qualidade na fase infantil juvenil adolescente signi...
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educa
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educaAspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educa
Aspectos psicológicos, sociológicos e filosóficos da educa
 
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vida
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vidaFases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vida
Fases de crescimento normal ocorrem em diferentes ocasiões durante a vida
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarUNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 

Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância

  • 1. DESENVOLVIMENTO FÍSICO E PSICOMOTOR NA 1a INFÂNCIA Fundamentos psiconeurológicos do desenvolvimento
  • 2. Conceitos básicos  A partir da concepção, o organismo humano possui uma “lógica biológica”, a qual implica numa organização interna e num calendário maturativo;  O desenvolvimento psicomotor está sujeito a uma série de leis biológicas estreitamente relacionadas ao calendário maturativo;  O desenvolvimento psicomotor não é apenas uma mera realidade biológica, pois está aberto à interação e à estimulação do meio.
  • 3.  O crescimento físico é um processo altamente organizado, ocorre de maneira contínua e paulatina e não aos saltos e pode ser comparado a um foguete espacial sem tripulação com trajetórias prefixadas dirigidas por sistemas e controles internos; O mais importante controle interno são os chamados Processos de Recuperação – através do controle genético e de mecanismos corretores há uma tendência do organismo a recuperar o caminho perdido quando um problema desvia o crescimento de sua trajetória prevista. Exemplo: quando o tamanho corporal previsto para o feto é maior que o espaço do útero da mãe este nascerá menor que o previsto e continuará a crescer fora do útero até alcançar o tamanho previsto;
  • 4.  Problemas que podem desviar a trajetória do desenvolvimento: naturais/internos (gestações múltiplas) ou ambientais/externos (desnutrição e uso de drogas);  Tendência secular do crescimento: processo influenciado por fatores externos – aceleração que se observa em alguns aspectos do crescimento quando se comparam dados coletados em períodos de tempo muito distantes (séculos) – mudança na idade em que termina o crescimento da altura dos indivíduos; idade da menarca (primeira menstruação). Esta aceleração deve-se a melhorias nas condições de vida, na alimentação, no tratamento das doenças, etc;
  • 5.  Os fatores externos têm influência importante, mas limitada devido à margem de reação ou variação de reação: o que a herança genética prevê não é um valor fixo e fechado. Exemplo: a altura não é prevista em forma de um valor absoluto - há uma margem de poucos centímetros a mais e a menos em que deverá se situar a altura final;  Aspectos do meio que podem influenciar o crescimento: rotinas da vida cotidiana (alimentação, hábitos de sono e repouso, exercícios, estado de saúde, etc); influências psicológicas (“nanismo por privação”- crescimento anormalmente baixo na estatura e peso devido a privações afetivas prolongadas) – somente um diagnóstico profundo é capaz de revelar se há algum outro elemento determinante dessas características;
  • 6. A curva do desenvolvimento  O crescimento é normal quando os valores se situam dentro do padrão de variação esperado, quando não deixa de ocorrer e nem é interrompido de maneira irrecuperável – a curva de crescimento e cada indivíduo deve ser coerente consigo mesma – as pessoas pequenas não tem exatamente o mesmo ritmo de crescimento das pessoas maiores;  Dimorfismo sexual: outro aspecto típico da curva de crescimento – são as diferenças entre o crescimento masculino e feminino – as meninas adiantam-se em relação aos meninos quanto à cronologia do crescimento – meninas entram na puberdade antes dos meninos, o que as fazem crescer mais rápido que eles, mas depois os meninos as alcançam e as ultrapassam na curva de crescimento;  Teto de crescimento: meninas – de 14 (16) a 18 anos; meninos – de 16 (18) a 20 anos;
  • 7. O crescimento pré-natal O crescimento tem sua própria lógica endógena, pois o crescimento intra- uterino ocorre seguindo uma determinada seqüência de eventos que se repetem em todos os seres humanos – etapa embrionária e fetal;
  • 8. Etapa embrionária  da 2a até a 8a semana de fecundação. Neste período muitos embriões não prosperam e são descartados pelo próprio organismo, pois qualquer anomalia provoca abortos espontâneos. É a etapa em que ocorrem os processos de:  morfogênese – progressiva diferenciação das partes do corpo: cabeça, ombros, braços, pernas, etc) e  histogênese (diferenciação das células em tecidos especializados – tecido epitelia e nervoso). No final desta etapa, tem-se uma criatura com cabeça, braços, pernas, coração com batimento, sistema nervoso capaz de algumas reações rudimentares. Tamanho: aprox. 3 centímetros;
  • 9. Etapa fetal  Nesta etapa o crescimento ocorre com muita velocidade. O corpo termina de se formar (a cabeça é tão grande quanto o corpo e essa desproporção vai se corrigindo aos poucos). O feto pára de crescer assim que ocupa todo o espaço disponível no útero (entre o 8º e 9º meses de gestação). Devido aos processos de recuperação, os fetos que tenham que suspender o seu crescimento por falta de espaço continuarão a crescer após o nascimento até recuperar a curva de seu crescimento;  Em relação ao crescimento do embrião e do feto, ocorre o duplo efeito da lógica interna e das influência externas:
  • 10.  Quanto às influências externas, o organismo humano é sensível a várias influências como a desnutrição, a exposição à radiação, a ingestão de drogas e certas doenças da mãe como a rubéola e a toxoplasmose. A rubéola e a radiação têm maior influência no período embrionário pois afetam os órgãos e tecidos no momento de sua constituição.  Nas mulheres não-imunizadas, se a rubéola é contraída no início da gestação, a taxa de malformações congênitas no nascituro pode ser estimada em cerca de 20%, sendo mais elevada se a doença é conhecida no 1º mês e caindo bastante no 2º e 3º meses para no 4º mês de gestação ser comparável à observada na população em geral.
  • 11. O nascimento e a 1a infância  No processo do parto, a ocorrência mais relevante que pode comprometer o crescimento físico é a anoxia neonatal – dificuldade respiratória no momento da passagem à respiração aérea independente por parte da criança, geralmente relacionado a problemas no cordão umbilical;  A dificuldade respiratória decorrente da anoxia acarreta uma absorção insuficiente de oxigênio, que é um elemento essencial para a sobrevivência dos neurônios. As anoxias mais graves deixam seqüelas na forma de atrasos maturativos, lentidão no desenvolvimento psicomotor, etc;
  • 12. Reflexos básicos ao nascer  Reflexo de sucção: capacidade inata de sugar que é ativada semrep que um objeto entra em contato com os lábios da criança;  Reflexo de enraizamento: quando a bochecha do bebê é estimulada ele tende a girar a cabeça levando a boca até a direção do estímulo;  Reflexo palmar (grasping): quando se coloca um objeto em contato com a palma da mão da criança, esta fecha-a com força, agarrando-se ao objeto;  Reflexo de Moro: conseqüência de uma mudança brusca de estimulação que produz um sobressalto (barulho forte, sensação de cair) e manifesta-se como uma reação de susto (abre os braços jogando-os para trás e fechando-os sobre si mesmo como se fosse um abraço);  Reflexo de marcha: se segurarmos um bebê pelas axilas e colocarmos as plantas de seu pé em uma superfície lisa e plana, a criança começa a movimentar as pernas como se estivesse caminhando.
  • 13. O crescimento do cérebro  O cérebro é a base física de todos os processos psíquicos. No nascimento, as partes mais maduras do cérebro são as mais internas, ou seja, as mais próximas da conexão do cérebro com a medula – aí encontra-se o controle dos automatismos como os reflexos. A parte mais evoluída do cérebro é o córtex que se encontra pouco desenvolvida no recém-nascido. O desenvolvimento do cérebro dependerá do processo de telencefalização - desenvolvimento progressivo do centro para a periferia;  A conduta do recém - nascido está repleta de automatismo e movimentos incontrolados. Á medida em que vai ocorrendo o processo maturativo (do centro para a periferia) que o elemento automático vai se transformando em voluntário e o incontrolado em controlado;  A maturação que ocorre no interior do cérebro tem uma relação estreita com a evolução do controle postural e do autocontrole motor. Exemplo: a criança controla mais cedo o movimento dos braços, pois as partes do cérebro que controlam esse movimentos amadurecem antes das que controlam os movimentos das pernas;
  • 14. As bases do desenvolvimento psicomotor  Psicomotricidade - área relacionadas às implicações psicológicas do movimento e da atividade corporal na relação do organismo com o meio em que se desenvolve - Relações psiquismo- movimento e movimento psiquismo;  Na Psicomotricidade há componentes maturativos relativos ao calendário maturativo cerebral e componentes relacionais que se relacionam ao fato de que é através de seus movimento e ações que a criança entra em contato com pessoas e objetos com os quais se relaciona de forma construtiva;  A meta do desenvolvimento psicomotor é o controle do próprio corpo - este controle envolve um componente externo ou práxico (a ação) e um componente interno ou simbólico (a representação do corpo e de suas possibilidades);  Nos 2 primeiros anos de vida o desenvolvimento psicomotor transforma a criança num ser que não controla e coordena os próprios movimentos a um ser que possui movimentos controlados e coordenados, que controla a posição do próprio corpo e dos segmentos corporais mais importantes (braços, pernas, tronco e que é capaz de andar e correr;
  • 15.  O progressivo domínio do controle postural ocorre segundo duas leis fundamentais: a lei céfalo-caudal e a lei próximo-distal;  Lei céfalo-caudal - as partes do corpo que estão mais próximas da cabeça são controladas antes;  Lei próximo-distal - as partes que estão mais próximas do eixo corporal são controladas antes das que se encontram mais afastadas do eixo;  O controle das partes mais afastadas do eixo corporal (punhos e dedos) não ocorre na 1a infância, sendo atingido nos anos pré-escolares e posteriores;  “Psicomotricidade fina” - relacionado à coordenação motora de pequenos gestos; é muito especializada e complexa. Ex: movimento de pinçar. “Psicomotricidade grossa” - relacionado à coordenação motora de grandes grupos musculares envolvidos na locomoção, equilíbrio e controle postural global;
  • 16. Marcos maturativos  controle da cabeça: 3-4 meses;  coordenação olho-mão: 3-4 meses;  posição sentada: 4-5 meses com apoio e 6-7 meses sem apoio;  locomoção antes de andar: 8 meses;  manter-se em pé: 9-10 meses com apoio e 12 meses sem apoio;  caminhar com apoio: 10-11 meses com 2 pontos de apoio e 11-12 meses com 1 ponto de apoio;  andar: 12-14 meses;  correr: até 18 meses;  pequenos saltos: 20-21 meses