SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
EMANOELE FREITAS
Fundadora e Presidente da AAPA- Assoc.
Apoio a Pessoa Autista
Escritora, Neurocientista Especializada em
Transtornos do Neurodesenvolvimento e
Psicopatologia
(Formanda em Psicanálise Clínica
Mestranda em intervenção psicológica do
desenvolvimento)
AUTISMO.
AUTISMO
• Definições
• Características
• Diagnóstico
• Terapias
• A família e a escola a importância
de se trabalhar junto
HISTÓRICO DOS
TRANSTORNOS
Melanie Klein (1882-1960), Psicanalista de
origem Austríaca, em 07 de janeiro de
1929, iniciou a primeira atuação no
tratamento de uma criança com 4 anos na
época, chamado Dick, e descreveu suas
características;
“criança desprovida de afeto, indiferente à
presença ou ausência de sua mãe, não
tendo o desejo de se fazer compreender,
olhos fixos.”
Não existia ainda o termo autismo, no
sentido de Kanner, mas anos depois
F.Tustin descreveu e reconheceu como o
primeiro caso de tratamento analítico de
uma criança autista.
 O Estudo científico do autismo começou com um artigo
publicado em 1943 pelo psiquiatra de origem Austriaca, da
equipe do Hospital John Hopkins, Dr. Leo Kanner. Em seu artigo
entitulado “Transtorno Autista do Contato Afetivo” descreveu
um conjunto de sintomas que havia observado em um grupo de
11 crianças, os sintomas eram os seguintes:
1. Extrema solidão e incapacidade para estabelecer relações com
as demais pessoas.
2. Insistência Obsessiva a seguir atividades repetitivas.
3. Memoria excelente. (**)
4. Bom Potencial Cognitivo e, em algumas crianças habilidades
especiais (**)
5. Aspecto físico normal.
6. Hipersensibilidade aos estímulos.
7. Atrasos e alteracões em na aquisição e uso da fala e da
comunicação (comunicação sem uso funcional)
8. Aparecimento desde o nascimento. (**)
Um pouco da História...
os itens 3 e 4 não se enquadra em muitos casos, atualmente sabe-se que é ao contrário, uma % elevada de
autistas apresentam deficit intelectual. Com relação ao item nº 8 ainda se investiga se os síntomas já se
encontram presentes desde o momento do nacimiento ou se manifestam a partir de uma determinada idade.
Hoje em dia se considera o autismo um transtorno Neurobiológico e origem desconhecida.
Um pouco de historia…
 Em 1994, o pediatra austriaco Hans
Asperger escreveu outro artigo titulado
“A psicopatía autística em crianças” onde
descreveu um grupo de 4 crianças que,
apesar de algumas das características que
já havia sido observado por Kanner,
apresentavam outras novas e diferentes:
1. Estranhas expressões de linguagem e
comunicação rígidas.
2. Anomalias prosódicas e pragmáticas da
Linguagem.
3. Compulsividade e carácter obssesivo de
pensamentos e ações.
4. Falta de contato ocular.
5. Problemas de conduta.
5
Um pouco de historia…
 Nos anos 80, o Prof. M. Rutter e cols.
estabelecem as definições específicas a
serem consideradas, dentro de uma
perspectiva evolutiva, o autismo como
un “trastorno do
Neurodesenvolvimento” e estabelecem
os criterios essênciais para o
diagnóstico:
1. Alterações nas relações sociais
2. Alterações na linguagem verbal e nao
verbal.
3. Padrões de conduta, interesses e
atividades restritas, repetitivas e
estereotipadas.
6
Um pouco de historia…
 O conceito de espectro autista tem sua
origem em um estudo que realizado no
final dos anos 70 por Lorna Wing e
Judith Gould.
 Comprovaram que os quadros autistas
não só estavam presentes em persoas
autistas como também em outros
trastornos do desenvolvimento.
 Estudaram um grupo com 35.000
crianças, menores de 15 anos, e
constataram que as alterações na
capacidade de relações social se
encontravam presentes numa
proporción de 22.1/ 10.000 habitantes.
Em contrapartida, os traços
característicos do autismo só se
encontravam en 4.8/ 10.000 pessoas.
7
 Atualmente se utiliza dois grandes sistemas de criterios
diagnósticos:
 DSM- V (2013): Manual diagnóstico e estatístico dos
trastornos mentais. Associação Americana de Psiquiatría,
APA.
 CID-10: Clasificação internacional das enfermidades.
Organização Mundial de Saúde (OMS).
8
Conceitos fundamentais: definição, classificação e
criterios diagnósticos
9
DSM IV- TR (transtornos
generalizados do
desenvolvimento) (2002)
DSM V (Trastornos do Espectro
Autista) (2013)
Trastorno autista (neuro-
evolutivo) AUTISM SPECTRUM
DISORDER
Nível 1 – Leve
Nível 2 – Moderado
Nível 3 - Severo
S. Asperger (neuro-evolutivo)
TGD no especificado (neuro-
evolutivo)
Trastorno desintegrativo infantil
(neuro-degenerativo)
S. Rett (neuro-degenerativo) Se diferencia na classificação
DEFINIÇÃO
As alterações qualitativas que definem este trastornos são
claramente; inadequação no nível de desenvolvimento
cronológico da crianças em comparação a sua idade mental.
É um transtorno que deve apresentar suas caracteristicas até
os 3 anos de idade e em alguns casos acompanhado de atraso
cognitivo.
O autismo pode ocorrer isoladamente (idiópático), ser
secundário ou apresentar condições associadas ( sindrômico),
razão pela qual é extremamente importante a identificação de
comorbidades BIOQUÍMICAS, GENÉTICAS, NEUROLÓGICAS,
PSIQUIÁTRICAS, entre outras.11
Conceitos fundamentais: definição, classificação e
criterios diagnósticos
IDENTIFICAÇÃO PRECOCE
SINAL VERMELHO
no
desenvolvimento
infantil
Sorriso ou outra
expressão calorosa
e alegre até
6 meses
idade
Sem compartilhamento
de sons, expressões
faciais aos
9 meses
idade
Não
balbuciar
12 meses
idade
Nenhum uso de
gestos de ida e volta,
como apontar,
mostrar, alcançar ou
acenar.
Sem expressar
palavras até
18 meses
idade
Não apresentar fala
com duas palavras
significativa até
24 meses
idade.
 o autismo é um disturbio do
NEURODESENVOLVIMENTO, que afeta duas áreas
principais:
13
Conceitos fundamentais: definição, classificação e
criterios diagnósticos
Comunicação
Padrões Restritivos e
Repetitivos de
comportamento e
interesses
Comunicação
14
1 - Déficit de Reciprocidade Social
2 – Déficit em utilizar a
comunicação não Verbal com foco
na interação social
3 – Déficit em iniciar ou manter
uma comunicação socialmente.
Comunicação
1 - DÉFICIT DE RECIPROCIDADE SOCIAL
Na área de reciprocidade social e emocional, você pode ver :
uma abordagem social anormal e uma falha de conversas
normais.
Pode haver um compartilhamento reduzido de
interesses, emoções, afetos e respostas.
Pode haver uma falha em iniciar ou responder a interações sociais.
Déficit em utilizar a comunicação não
Verbal com foco na interação social
Na área da comunicação não-verbal, pode haver:
uma comunicação integrada verbal e não verbal Pobre ou
inexistente
anormalidades com contato visual e linguagem corporal,
déficits na compreensão do uso da comunicação não-verbal.
Pode haver uma falta total de expressão facial ou o uso de
gestos.
Comunicação
Comunicação
Déficit em iniciar ou manter uma
comunicação socialmente.
Na área de desenvolvimento e manutenção de relações socialmente
adequadas, pode haver:
dificuldade em ajustar o comportamento para se adequar a
diferentes situações sociais.
Pode haver dificuldades em compartilhar, em jogos imaginativos e
em fazer amigos.
E para alguns, pode haver uma ausência de interesse em outras
pessoas.
Na área de padrões restritivos e repetitivos de
comportamento e interesse, o indivíduo deve expressar pelo
menos dois subtipos:
movimentos motorizados estereotipados ou repetitivos, no uso de
objetos ou fala,
insistência ou padrão rígido de adesão a rotinas
padrões de comportamento ritualizados ,
interesses altamente fixados restritos, anormais em intensidade ou
foco.
hipo ou hiper reatividade à entrada sensorial ou interesse incomum
nos aspectos sensoriais do ambiente.
Padrões Restritivos e Repetitivos
de comportamento e interesses
Padrões Restritivos e Repetitivos
de comportamento e interesses
Variações em padrões repetitivos de comportamento e
interesse.
 Os movimentos motores repetitivos; estereotipias motoras, como
balançar ou mover as mãos, alinhar ou lançar objetos.
 Poderia haver o presente da ecolália ou discurso repetitivo
ou discurso idiossincrático.
Na área de inflexibilidade e adesão às rotinas, você pode ver:
 dificuldades extremas em pequenas mudanças, dificuldade em
transições,
 padrões de pensamento rígidos,
 rituais relacionados a saudações e a insistência na mesma rota ou
as mesmas escolhas alimentares em cada refeição.
Padrões Restritivos e Repetitivos
de comportamento e interesses
Na área de interesses restritos ou fixados, pode haver:
 um forte apego ou preocupação com objetos incomuns.
Pode haver interesses excessivamente circunscritos ou perseverantes
que o indivíduo pode passar muito tempo falando ou investigando.
 Na área do sensorial, pode haver indiferença à dor ou à
temperatura.
 Pode haver uma resposta adversa a certos sons ou texturas, cheiro
excessivo ou toque de objetos,
 fascínio visual com coisas como luzes ou o movimento de objetos.
TEORIA DAMENTE
 Entender sentimentos e pensamentos alheios
 Entender que outros esperam que seu
comportamento mude dependendo de onde ou
com quem estão
 Prever o que as pessoas irão fazer
 Interpretar gestos ou expressões faciais
 Entender como seu comportamento pode irritar os
outros
 Entender regras sociais
 Expressar emoções de maneira adequada
ASPECTOS E NÍVEIS DO AUTISMO
Devido à variabilidade da expressão de sintomas, o autismo é considerado um distúrbio
do espectro.
Os sintomas podem variar em gravidade, e a quantidade de suporte que um indivíduo
exige também pode variar de acordo com a gravidade dos sintomas.
No novo manual de
diagnóstico e estatísticas
DSM 5, o autismo é
descrito em termos de
níveis de suporte
necessários.
DSM V (Trastornos do Espectro
Autista) (2013)
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTICO
Nível 1 – Leve
Nível 2 – Moderado
Nível 3 - Severo
Alguém que tenha um diagnóstico de nível 1
precisa de apoio Mínimo.
Esses indivíduos podem ser verbais, mas têm dificuldade
em iniciar e manter interações com os outros.
Eles podem ter interesses menores na interação com os
outros, mas o executa ao ser estimulado.
seus comportamentos restritos e repetitivos podem ou
não interferir no funcionamento em um ou mais
contextos.
NÍVEL 1 – LEVE
Alguém com diagnóstico de nível 2 pode requerer apoio
substancial.
Déficit considerável na comunicação verbal e não verbal
Déficits marcados nas interações sociais, mesmo com os apoios
no local.
Os comportamentos restritos e repetitivos são óbvios para o
observador casual e podem interferir no funcionamento em
muitos contextos e podem causar sofrimento quando
interrompidos ou redirecionados.
NÍVEL 2 – MODERADO
Alguém com diagnóstico de nível 3 pode exigir um apoio
muito substancial.
Apresentam déficits graves na comunicação verbal e não
verbal,
Pode ou não apresentar comprometimento Cognitivo.
iniciação e resposta muito limitadas ou nulas às insinuações
sociais dos outros.
E os comportamentos restritos e repetitivos interferem no
funcionamento em todos os contextos.
NÍVEL 3 – SEVERO
Os impactos das taxas crescentes
de autismo.
De acordo com o Centro de Controle de Doenças, a prevalência de
distúrbios do espectro autista no ano de 2014 foi de 1 em cada 68
crianças.
70%
•como
Comorbidade
coexistente
54%
•Possuem
Déficit
Cognitivo
29% •Transtorno de
Ansiedade
28% •Impactos da
Hiperatividade
28%
•Transtorno
Opositivo
Desafiador
2%
•Apresentam
Altas
Habilidades
Simonoff e
colegas, em
2008, indicaram
que cerca de
70% das
pessoas com
distúrbios do
espectro autista
têm pelo menos
uma condição
coexistente.
Etiologia do autismo
Na atualidade, as áreas de investigação científica sobre as causas do
autismo são fisiológicas. Existem várias hipóteses sobre essas
investigações em curso. As principais são:
 Afecção em áreas do cérebro,
 disfunções genéticas,
 consequências dos metais pesados no interior do organismo,
 intolerâncias alimentares assintomáticas.
Entretanto, não há, até o momento, nenhuma causa determinante nem
conclusiva que se derive do conjunto dessas investigações científicas,
ainda que muitos recursos se destinem a buscar uma causa genética
ou fisiológica. Quer dizer, nenhuma investigação científica pode, até
agora, estabelecer a etiologia do autismo.
DIFERENÇAS ENCEFÁLICAS
28
Cerebelo Amídala Hipocampo Septo
Corpo
Caloso
Cérebro
Áreas com menor Fluxo sanguíneo e
absorção deficitária de Glicose.
Geralmente maior e
mais pesado que de
crianças neurotípicas.
1 em 189
meninas
1 em 42
meninos
As crianças brancas ou caucasianas são mais
propensas a serem identificadas com autismo do
que crianças negras ou hispânicas.
1 em
cada 63
crianças
brancas
1 em 81
crianças
negras
1 em 93
crianças
hispânica
PROTOCOLOS PARA DIAGNÓSTICO
PRECOCE
Existem vários instrumentos para a identificação precoce do
autismo por volta dos 2 anos idade, ou mesmo antes, mas
apenas alguns serão revistos aqui, segue dados;
 O M-CHAT (Modified Checlist for Autism) n Toddlers)
(Robins, Fein, Barton, & Green, 2001), que também é um
instrumento de rastreamento, inclui apenas o questionário do
CHAT mais 13 itens que abrangem funções indicadas como
responsáveis pelo autismo em outros estudos, e deve ser
aplicado aos 24 meses de idade com o intuito de identificar
também crianças com possível regressão entre os 18 e 24
meses.
PROTOCOLOS
AVALIAÇÃO
AUTISMO
Os testes de avaliação de autismo incluem:
 ADOS-G (Autism Diagnostic Observation Schedule -
Programa de Observação Diagnóstica do Autismo): teste
de observação usado para identificar comportamentos
sociais e de comunicação atrasados;
 ADI-R (Autism Diagnosis Interview-Revised - Entrevista
para Diagnóstico de Autismo - revisada): entrevista que
avalia as habilidades sociais e de comunicação da criança;
 CARS (Childhood Autism Rating Scale - Escala de
Classificação do Autismo Infantil): teste de observação
para determinar a gravidade do autismo, que utiliza uma
escala de 15 pontos para avaliar as habilidades de
comunicação verbal, audição, uso do corpo e relações
sociais da criança;
CARS
–CHILDHOOD
AUTISM
RATING
SCALE
M-CHAT
Ages & Stages Questionnaires®, Third
Edition
DENVER II
 O DENVER II é usado para
identificar a criança cujo
desenvolvimento parece
estar atrasado em
comparação com o
desenvolvimento de outras
crianças, ou seja, é um
teste de triagem do
desenvolvimento. ... O
instrumento é destinado
para crianças desde o
nascimento até os 6 anos
35
.
Operacional concreto
.
Sensório-motor
.
Operacional
formal
Pré-operacional
0-2 anos
2 – 6
anos
6 - 11
anos
12 anos
....
Método TEACCH
37
 Programa de Carolina del Norte para
o Tratamento e Educação de crianças
autistas e com problemas na
comunicação (TEACCH) tem como
objetivo preparar as crianças com
autismo se adaptar a escola, lugares
e sociedade.
 A característica principal é a
educação estruturada, que aproveita
as capacidades viso-espacial, as
quais sao muito bem preservadas em
crianças autistas.
 O método inclue:
 Estruturação ambiente da sala
 Estruturação do tempo de aula
 Materiais atrativos orientativo Visual
 Combinação de diferentes sistemas
de trabalho : um a um, trabalho
independente, relaxamento etc….
Método TEACCH : Estrutura física da sala
38
http://www.ahrcnyc.org/schools/wp-content/uploads/img/wTEACCHclassroom.jpg
De Acordo com a National Standard Report em 2017 foram classificadas as
intervenções que foram aprovadas através de evidências de eficácia, dados
relevantes a redução dos sintomas e Práticas funcionais para vida adulta.
Foram Classificadas; 14 Intervenções Aprovadas/ 18 Intervenções com
Possibilidades Futuras / 13 Intervenções Não Aprovadas
APROVADAS
39
• Intervenção Comportamental
• Medidas Conjunta de
intervenção Cognitiva e
Comportamental.
• Tratamento Comportamental
Compreensivo
• Treino de Linguagem
• Modelação
• Estratégia de Ensino Natural
• Treino Parental
• Treino de Interação com pares
• Treino de Respostas
Fundamentais
• Roteiro de Rotinização
• Auto-Gestão
• Medidas de Competências
Sociais
• Teoria da Mente
• Narrativa Social.
NÃO APROVADAS
• Terapia Assistida com Animais
• Treino de integração auditiva
• Mapeamento de Conceitos
• DIR ou FLOORTIME
• Comunicação Facilitada
• Dieta Livre de Glúten
• Intervenção de Movimento
• Intervenção com bases
sensoriais
• Medidas de Intervenção
Sensorial
• Terapia de Choque
• Estratégias de Aprendizagem
Comportamento Social
• Intervenção Percepção Social
• Intervenção nível raciocínio
Social.
A ANÁLISE INDIVIDUAL OU PERFIL DE TRABALHO INDIVIDUAL É O
PLANEJAMENTO FUNCIONAL DE ACORDO COM O QUADRO QUE
A CRIANÇA APRESENTA NO MOMENTO DO INÍCIO DA TERAPIA ,E
OU, ATENDIMENTO PROFISSIONAL.
ELE BUSCA TRAÇAR O PERFIL DA CRIANÇA RELACIONANDO O
ESTÁGIO DO MARCO DO DESENVOLVIMENTO QUE A CRIANÇA SE
ENCONTRA NAS PRINCIPAIS ÁREAS DE NECESSIDADES PARA
UMA EVOLUÇÃO NEUROFUNCIONAL ADEQUADA.
PLANO DE ANÁLISE INDIVIDUAL
ÁREAS DO DESENVOLVIMENTO
COGNITIVA
“Cognição refere-se a um conjunto de habilidades
cerebrais/mentais necessárias para a obtenção de conhecimento
sobre o mundo. Tais habilidades envolvem pensamento,
raciocínio, abstração, linguagem, memória, atenção, criatividade,
capacidade de resolução de problemas, entre outras funções.”
Este processo acontece em espiral crescente nos dando a noção de avanços no
desenvolvimento em contínuo crescimento:
[DESENVOLVIMENTO –> ADAPTAÇÃO –> APRENDIZAGEM]
O desenvolvimento cognitivo que pode ser entendido como:
“Um processo pelo qual os indivíduos adquirem conhecimento sobre o mundo ao longo
da vida”.
ÁREA DO DESENVOLVIMENTO
MOTRICIDADE
AMPLA
a motricidade ampla é a primeira ETAPA que
aperfeiçoamos, porque ela permite os movimentos
maiores do nosso corpo: mexer os braços, pernas e mãos,
andar, correr, sentar, se inclinar para frente, carregar,
empurrar, rolar, todos são movimentos da motricidade
ampla. São atividades que utilizam todos os músculos, ou
grande parte deles, para serem realizadas. Se essa
motricidade não for bem exercitada, os movimentos
podem ser desconectados ou muito lentos.
ÁREA DO DESENVOLVIMENTO
MOTRICIDADE
FINA
A motricidade fina exige o uso de músculos
menores do corpo.
Por exemplo, exige a coordenação de mãos
e olhos na hora de escrever, recortar ou
pintar.
Mover os lábios para mandar beijo, sugar e
sorrir também faz parte desse conjunto de
habilidades.
Até mesmo juntar algo leve do chão, como
uma folha, faz parte da motricidade fina.
É uma das competências chave a ser desenvolvida desde PEQUENO.
O desenvolvimento desta competência possibilita futuramente bons resultados na escrita
e na matemática.
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
TREINAMENTO PARENTAL COMO TÉCNICA INTERVENTIVA EM
CRIANÇAS.
(...) os pais são, usualmente, o principal agente de mudança no
processo terapêutico de seus filhos, atuando como mediadores
entre a orientação profissional e a implementação de
contingências favoráveis à mudança da criança em seu ambiente
natural (Coelho & Murita apud Mestre & Corassa, 2002; Silvares,
1995).
 Considerando-se como essencial a relação entre interações
pais-criança, desenvolvimento e aprendizagem, o
Treinamento de Suporte Parental é uma ferramenta que tem
sido muito utilizada nos últimos anos para, segundo Olivares,
Mendez & Ross (2005), atuar na modificação de problemas
comportamentais e emocionais em crianças e adolescentes.
Essas técnicas servem para orientar os pais, de forma didática e prática
sobre os fundamentos da análise aplicada do comportamento, instruí-
los quanto à necessidade de motivar seus filhos a se comportarem
bem, identificar determinantes dos comportamentos disruptivos dos
filhos e aplicar, no dia-a-dia, alguns dos procedimentos básicos de
modificação de comportamento.
TREINAMENTO PARENTAL
No treino parental é a primeira etapa para se poder intervir
de forma generalizada no tratamento de crianças com
Inadequação emocional e comportamental através de
varias técnicas e estratégias como:
1 - Apresentação do modelo de intervenção;
2 - Psicoeducação;
3 - Observação do ambiente natural;
4 - Encontros sistemáticos;
5 - Controle de excessos comportamentais;
6 – Orientação e Supervisão das técnicas Parentais
domiciliar e em ambientes externos.
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
 PSICOLOGIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL
É uma abordagem que é mais específica, breve e
focada no problema atual do paciente. Também
conhecida como TCC, ela explica que o que nos
afetam não são os acontecimentos e sim a forma que
interpretamos.
5 PASSOS DO TCC
1- APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA
2 – ANÁLISE DO (S) PROBLEMA (S)
3 – ANÁLISE DO OBJETIVO
4 – ANÁLISE DOS MEIOS
5 – TESTE E AVALIAÇÃO DOS PASSOS DEFINIDOS.
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
FONOAUDIOLOGIA
É responsável pela promoção da saúde,
prevenção, avaliação e diagnóstico, orientação,
terapia (habilitação e reabilitação) e
aperfeiçoamento dos aspectos fonoaudiológicos
da função auditiva periférica e central, da função
vestibular, da linguagem oral e escrita, da voz, da
fluência, da articulação da fala e dos sistemas
miofuncional, orofacial, cervical e de deglutição.
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
A psicopedagogia é o campo do saber que se constrói a partir
de dois saberes e práticas: a pedagogia e a psicologia.
seu trabalho pode ter um caráter
preventivo ou interventivo -
avaliação, diagnóstico e
intervenção no processo de
aprendizagem.
Os instrumentos de intervenção que mais são usados na psicopedagogia são os JOGOS e
tudo que conhecemos como lúdico.
Os jogos devem ser selecionados de acordo com a dificuldade ou transtorno da
criança/jovem: concentração, memória, linguagem, escrita, leitura, matemática,
motricidade ou qualquer outro transtorno.
PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
TERAPIA OCUPACIONAL
É uma profissão da área da
saúde que promove prevenção,
tratamento e reabilitação de
indivíduos portadores de
alterações cognitivas, afetivas,
perceptivas e psico-motoras,
decorrentes ou não de
distúrbios genéticos,
traumáticos ou de doenças
adquiridas por meio da
utilização da atividade humana
como base de
desenvolvimento.
Processo pelo qual o cérebro
organiza as informações, de
modo a dar uma resposta
adaptativa adequada, para
organizar as sensações do
próprio corpo em relação ao
ambiente.
As nossas capacidades de
processamento sensorial são
usadas para a interação social, o
desenvolvimento de
habilidades motoras para a
atenção e concentração.
INTEGRAÇÃO
SENSORIAL
TERAPIAS E SUAS FINALIDADES
PSICOMOTRICIDADE
É a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em
movimento e em relação ao seu mundo interno e externo.
Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições
COGNITIVAS, AFETIVAS E ORGÂNICAS. É sustentada por três conhecimentos básicos: o
movimento, o intelecto e o afeto.
Quanto à Funcionalidade Terapêutica:
CORPORAL: dispraxia, desarmonia tónico-emocional, instabilidade postural, perturbações
do esquema corporal e da lateralidade, estruturação espacial e temporal, perturbações da
imagem corporal, problemas psicossomáticos.
RELACIONAL: dificuldades de comunicação e de contato, inibição, hiperatividade,
agressividade, limite, afetividade etc.
COGNITIVA: no plano do processamento informacional: défices de atenção, de memória, de
organização perceptiva, simbólica e conceptual.
EDUCATIVA: nas aprendizagens escolares e no afinamento das praxias coordenativas.
AQUÁTICA: nas dificuldades físico-afetivas, onde o espaço aquático proporciona uma
contenção natural do corpo que sente, fala e se comunica.
RECONHECIDA NO
TRATAMENTO DO AUTISTA
ADULTO;
INTERVENÇÃO
COMPORTAMENTAL.
52
É a ciência que trata da relação entre o
uso de drogas (substâncias psicoativas)
e as alterações psíquicas diversas da
ordem do humor, cognição,
comportamento, psicomotricidade,
personalidade em relação ao
aprendizado.
Psicofármacos em conjunto
com reabilitação terapêutica
Medicamentos
Alcançar resultados
terapêuticos
Melhorar a qualidade de vida da
criança/jovem.
Cura de uma doença;
Eliminação ou redução de uma sintomatologia;
Interrupção ou abrandamento do processo patológico;
Prevenção de uma enfermidade ou de uma sintomatologia.
Criança / neurologista
Psiquiatra Pediátrico
Psicofármaco
s
Psicoterapi
as
Sucesso no
Tratamento
Psicofármacos
+
Psicoterapia
ESTIMA-SE QUE
APROXIMADAMENTE
300 MILHÕES DE INDIVIDUOS
NO MUNDO SOFREM DE
ALGUMA DESORDEM DO
NEURODESENVOLVIMENTO.
(national professional development center report).
EMANOELE FREITAS
Neurocientista especialista em transtornos do
Neurodesenvolvimento, Escritora, Palestrante,
Formanda em Psicanálise Clínica
Telefone: (21) 2667-8967 / 97043-8072
E-mail: aapa.emanoele@gmail.com
www.euemeuautista.blogspot.com
FACEBOOK: /emanoelefreitas
Mediador Escolar –
Recriando a Arte de
Ensinar. 2015 Editora WAK
Transtornos do
Neurodesenvolvimento.
2019 Editora WAK

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espectro do Autismo Intervenção - ispa
Espectro do Autismo Intervenção - ispaEspectro do Autismo Intervenção - ispa
Espectro do Autismo Intervenção - ispaJoaquim Colôa
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalCassia Dias
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...Ana Maria Louzada
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteisismaat
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anoscatialipa
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especialAndreia Gomes
 
Apresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagemApresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagemSheilinha1
 
Tapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualTapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualdonnassol
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolamarleneevang
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Conceição Áquila
 

Mais procurados (20)

Espectro do Autismo Intervenção - ispa
Espectro do Autismo Intervenção - ispaEspectro do Autismo Intervenção - ispa
Espectro do Autismo Intervenção - ispa
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de AprendizagemA Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Nee
NeeNee
Nee
 
Apresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagemApresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagem
 
Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem   Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem
 
Tapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualTapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectual
 
Dislexia - Prof. Esp. Vinícius Fagundes dos Santos
Dislexia - Prof. Esp. Vinícius Fagundes dos SantosDislexia - Prof. Esp. Vinícius Fagundes dos Santos
Dislexia - Prof. Esp. Vinícius Fagundes dos Santos
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 

Semelhante a Autismo: Definições, Características e Abordagens

O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento social
O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento socialO cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento social
O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento socialLeonardo Faria
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoFernandaMars1
 
Transtorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaTranstorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaMarilene Pereira
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulClinicaAssis
 
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.pptA Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.pptJatanaelAlves
 
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...Hebert Campos
 
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto FuncionamentoSíndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto FuncionamentoHebert Campos
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoamorimjuvenal
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...Raphaela Marques
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdflojakeuke
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Anaí Peña
 

Semelhante a Autismo: Definições, Características e Abordagens (20)

O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento social
O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento socialO cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento social
O cérebro autista a biologia da mente e sua implicação no comprometimento social
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
Transtorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaTranstorno do espectro autista
Transtorno do espectro autista
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
 
Apostila autismo
Apostila autismoApostila autismo
Apostila autismo
 
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.pptA Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
A Síndrome de Asperger - Encontro com um ser humano fantástico.ppt
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
 
002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01002661 110412120742-phpapp01
002661 110412120742-phpapp01
 
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto FuncionamentoSíndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
Síndrome de Asperger e Austismo de Alto Funcionamento
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Autismo e aprendizagem.pptx
Autismo e aprendizagem.pptxAutismo e aprendizagem.pptx
Autismo e aprendizagem.pptx
 
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Neuropedagogia
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
3459 orru
3459 orru3459 orru
3459 orru
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 

Autismo: Definições, Características e Abordagens

  • 1. EMANOELE FREITAS Fundadora e Presidente da AAPA- Assoc. Apoio a Pessoa Autista Escritora, Neurocientista Especializada em Transtornos do Neurodesenvolvimento e Psicopatologia (Formanda em Psicanálise Clínica Mestranda em intervenção psicológica do desenvolvimento) AUTISMO.
  • 2. AUTISMO • Definições • Características • Diagnóstico • Terapias • A família e a escola a importância de se trabalhar junto
  • 3. HISTÓRICO DOS TRANSTORNOS Melanie Klein (1882-1960), Psicanalista de origem Austríaca, em 07 de janeiro de 1929, iniciou a primeira atuação no tratamento de uma criança com 4 anos na época, chamado Dick, e descreveu suas características; “criança desprovida de afeto, indiferente à presença ou ausência de sua mãe, não tendo o desejo de se fazer compreender, olhos fixos.” Não existia ainda o termo autismo, no sentido de Kanner, mas anos depois F.Tustin descreveu e reconheceu como o primeiro caso de tratamento analítico de uma criança autista.
  • 4.  O Estudo científico do autismo começou com um artigo publicado em 1943 pelo psiquiatra de origem Austriaca, da equipe do Hospital John Hopkins, Dr. Leo Kanner. Em seu artigo entitulado “Transtorno Autista do Contato Afetivo” descreveu um conjunto de sintomas que havia observado em um grupo de 11 crianças, os sintomas eram os seguintes: 1. Extrema solidão e incapacidade para estabelecer relações com as demais pessoas. 2. Insistência Obsessiva a seguir atividades repetitivas. 3. Memoria excelente. (**) 4. Bom Potencial Cognitivo e, em algumas crianças habilidades especiais (**) 5. Aspecto físico normal. 6. Hipersensibilidade aos estímulos. 7. Atrasos e alteracões em na aquisição e uso da fala e da comunicação (comunicação sem uso funcional) 8. Aparecimento desde o nascimento. (**) Um pouco da História... os itens 3 e 4 não se enquadra em muitos casos, atualmente sabe-se que é ao contrário, uma % elevada de autistas apresentam deficit intelectual. Com relação ao item nº 8 ainda se investiga se os síntomas já se encontram presentes desde o momento do nacimiento ou se manifestam a partir de uma determinada idade. Hoje em dia se considera o autismo um transtorno Neurobiológico e origem desconhecida.
  • 5. Um pouco de historia…  Em 1994, o pediatra austriaco Hans Asperger escreveu outro artigo titulado “A psicopatía autística em crianças” onde descreveu um grupo de 4 crianças que, apesar de algumas das características que já havia sido observado por Kanner, apresentavam outras novas e diferentes: 1. Estranhas expressões de linguagem e comunicação rígidas. 2. Anomalias prosódicas e pragmáticas da Linguagem. 3. Compulsividade e carácter obssesivo de pensamentos e ações. 4. Falta de contato ocular. 5. Problemas de conduta. 5
  • 6. Um pouco de historia…  Nos anos 80, o Prof. M. Rutter e cols. estabelecem as definições específicas a serem consideradas, dentro de uma perspectiva evolutiva, o autismo como un “trastorno do Neurodesenvolvimento” e estabelecem os criterios essênciais para o diagnóstico: 1. Alterações nas relações sociais 2. Alterações na linguagem verbal e nao verbal. 3. Padrões de conduta, interesses e atividades restritas, repetitivas e estereotipadas. 6
  • 7. Um pouco de historia…  O conceito de espectro autista tem sua origem em um estudo que realizado no final dos anos 70 por Lorna Wing e Judith Gould.  Comprovaram que os quadros autistas não só estavam presentes em persoas autistas como também em outros trastornos do desenvolvimento.  Estudaram um grupo com 35.000 crianças, menores de 15 anos, e constataram que as alterações na capacidade de relações social se encontravam presentes numa proporción de 22.1/ 10.000 habitantes. Em contrapartida, os traços característicos do autismo só se encontravam en 4.8/ 10.000 pessoas. 7
  • 8.  Atualmente se utiliza dois grandes sistemas de criterios diagnósticos:  DSM- V (2013): Manual diagnóstico e estatístico dos trastornos mentais. Associação Americana de Psiquiatría, APA.  CID-10: Clasificação internacional das enfermidades. Organização Mundial de Saúde (OMS). 8 Conceitos fundamentais: definição, classificação e criterios diagnósticos
  • 9. 9 DSM IV- TR (transtornos generalizados do desenvolvimento) (2002) DSM V (Trastornos do Espectro Autista) (2013) Trastorno autista (neuro- evolutivo) AUTISM SPECTRUM DISORDER Nível 1 – Leve Nível 2 – Moderado Nível 3 - Severo S. Asperger (neuro-evolutivo) TGD no especificado (neuro- evolutivo) Trastorno desintegrativo infantil (neuro-degenerativo) S. Rett (neuro-degenerativo) Se diferencia na classificação
  • 11. As alterações qualitativas que definem este trastornos são claramente; inadequação no nível de desenvolvimento cronológico da crianças em comparação a sua idade mental. É um transtorno que deve apresentar suas caracteristicas até os 3 anos de idade e em alguns casos acompanhado de atraso cognitivo. O autismo pode ocorrer isoladamente (idiópático), ser secundário ou apresentar condições associadas ( sindrômico), razão pela qual é extremamente importante a identificação de comorbidades BIOQUÍMICAS, GENÉTICAS, NEUROLÓGICAS, PSIQUIÁTRICAS, entre outras.11 Conceitos fundamentais: definição, classificação e criterios diagnósticos
  • 12. IDENTIFICAÇÃO PRECOCE SINAL VERMELHO no desenvolvimento infantil Sorriso ou outra expressão calorosa e alegre até 6 meses idade Sem compartilhamento de sons, expressões faciais aos 9 meses idade Não balbuciar 12 meses idade Nenhum uso de gestos de ida e volta, como apontar, mostrar, alcançar ou acenar. Sem expressar palavras até 18 meses idade Não apresentar fala com duas palavras significativa até 24 meses idade.
  • 13.  o autismo é um disturbio do NEURODESENVOLVIMENTO, que afeta duas áreas principais: 13 Conceitos fundamentais: definição, classificação e criterios diagnósticos Comunicação Padrões Restritivos e Repetitivos de comportamento e interesses
  • 14. Comunicação 14 1 - Déficit de Reciprocidade Social 2 – Déficit em utilizar a comunicação não Verbal com foco na interação social 3 – Déficit em iniciar ou manter uma comunicação socialmente.
  • 15. Comunicação 1 - DÉFICIT DE RECIPROCIDADE SOCIAL Na área de reciprocidade social e emocional, você pode ver : uma abordagem social anormal e uma falha de conversas normais. Pode haver um compartilhamento reduzido de interesses, emoções, afetos e respostas. Pode haver uma falha em iniciar ou responder a interações sociais.
  • 16. Déficit em utilizar a comunicação não Verbal com foco na interação social Na área da comunicação não-verbal, pode haver: uma comunicação integrada verbal e não verbal Pobre ou inexistente anormalidades com contato visual e linguagem corporal, déficits na compreensão do uso da comunicação não-verbal. Pode haver uma falta total de expressão facial ou o uso de gestos. Comunicação
  • 17. Comunicação Déficit em iniciar ou manter uma comunicação socialmente. Na área de desenvolvimento e manutenção de relações socialmente adequadas, pode haver: dificuldade em ajustar o comportamento para se adequar a diferentes situações sociais. Pode haver dificuldades em compartilhar, em jogos imaginativos e em fazer amigos. E para alguns, pode haver uma ausência de interesse em outras pessoas.
  • 18. Na área de padrões restritivos e repetitivos de comportamento e interesse, o indivíduo deve expressar pelo menos dois subtipos: movimentos motorizados estereotipados ou repetitivos, no uso de objetos ou fala, insistência ou padrão rígido de adesão a rotinas padrões de comportamento ritualizados , interesses altamente fixados restritos, anormais em intensidade ou foco. hipo ou hiper reatividade à entrada sensorial ou interesse incomum nos aspectos sensoriais do ambiente. Padrões Restritivos e Repetitivos de comportamento e interesses
  • 19. Padrões Restritivos e Repetitivos de comportamento e interesses Variações em padrões repetitivos de comportamento e interesse.  Os movimentos motores repetitivos; estereotipias motoras, como balançar ou mover as mãos, alinhar ou lançar objetos.  Poderia haver o presente da ecolália ou discurso repetitivo ou discurso idiossincrático. Na área de inflexibilidade e adesão às rotinas, você pode ver:  dificuldades extremas em pequenas mudanças, dificuldade em transições,  padrões de pensamento rígidos,  rituais relacionados a saudações e a insistência na mesma rota ou as mesmas escolhas alimentares em cada refeição.
  • 20. Padrões Restritivos e Repetitivos de comportamento e interesses Na área de interesses restritos ou fixados, pode haver:  um forte apego ou preocupação com objetos incomuns. Pode haver interesses excessivamente circunscritos ou perseverantes que o indivíduo pode passar muito tempo falando ou investigando.  Na área do sensorial, pode haver indiferença à dor ou à temperatura.  Pode haver uma resposta adversa a certos sons ou texturas, cheiro excessivo ou toque de objetos,  fascínio visual com coisas como luzes ou o movimento de objetos.
  • 21. TEORIA DAMENTE  Entender sentimentos e pensamentos alheios  Entender que outros esperam que seu comportamento mude dependendo de onde ou com quem estão  Prever o que as pessoas irão fazer  Interpretar gestos ou expressões faciais  Entender como seu comportamento pode irritar os outros  Entender regras sociais  Expressar emoções de maneira adequada
  • 22. ASPECTOS E NÍVEIS DO AUTISMO Devido à variabilidade da expressão de sintomas, o autismo é considerado um distúrbio do espectro. Os sintomas podem variar em gravidade, e a quantidade de suporte que um indivíduo exige também pode variar de acordo com a gravidade dos sintomas. No novo manual de diagnóstico e estatísticas DSM 5, o autismo é descrito em termos de níveis de suporte necessários. DSM V (Trastornos do Espectro Autista) (2013) TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTICO Nível 1 – Leve Nível 2 – Moderado Nível 3 - Severo
  • 23. Alguém que tenha um diagnóstico de nível 1 precisa de apoio Mínimo. Esses indivíduos podem ser verbais, mas têm dificuldade em iniciar e manter interações com os outros. Eles podem ter interesses menores na interação com os outros, mas o executa ao ser estimulado. seus comportamentos restritos e repetitivos podem ou não interferir no funcionamento em um ou mais contextos. NÍVEL 1 – LEVE
  • 24. Alguém com diagnóstico de nível 2 pode requerer apoio substancial. Déficit considerável na comunicação verbal e não verbal Déficits marcados nas interações sociais, mesmo com os apoios no local. Os comportamentos restritos e repetitivos são óbvios para o observador casual e podem interferir no funcionamento em muitos contextos e podem causar sofrimento quando interrompidos ou redirecionados. NÍVEL 2 – MODERADO
  • 25. Alguém com diagnóstico de nível 3 pode exigir um apoio muito substancial. Apresentam déficits graves na comunicação verbal e não verbal, Pode ou não apresentar comprometimento Cognitivo. iniciação e resposta muito limitadas ou nulas às insinuações sociais dos outros. E os comportamentos restritos e repetitivos interferem no funcionamento em todos os contextos. NÍVEL 3 – SEVERO
  • 26. Os impactos das taxas crescentes de autismo. De acordo com o Centro de Controle de Doenças, a prevalência de distúrbios do espectro autista no ano de 2014 foi de 1 em cada 68 crianças. 70% •como Comorbidade coexistente 54% •Possuem Déficit Cognitivo 29% •Transtorno de Ansiedade 28% •Impactos da Hiperatividade 28% •Transtorno Opositivo Desafiador 2% •Apresentam Altas Habilidades Simonoff e colegas, em 2008, indicaram que cerca de 70% das pessoas com distúrbios do espectro autista têm pelo menos uma condição coexistente.
  • 27. Etiologia do autismo Na atualidade, as áreas de investigação científica sobre as causas do autismo são fisiológicas. Existem várias hipóteses sobre essas investigações em curso. As principais são:  Afecção em áreas do cérebro,  disfunções genéticas,  consequências dos metais pesados no interior do organismo,  intolerâncias alimentares assintomáticas. Entretanto, não há, até o momento, nenhuma causa determinante nem conclusiva que se derive do conjunto dessas investigações científicas, ainda que muitos recursos se destinem a buscar uma causa genética ou fisiológica. Quer dizer, nenhuma investigação científica pode, até agora, estabelecer a etiologia do autismo.
  • 28. DIFERENÇAS ENCEFÁLICAS 28 Cerebelo Amídala Hipocampo Septo Corpo Caloso Cérebro Áreas com menor Fluxo sanguíneo e absorção deficitária de Glicose. Geralmente maior e mais pesado que de crianças neurotípicas.
  • 29. 1 em 189 meninas 1 em 42 meninos As crianças brancas ou caucasianas são mais propensas a serem identificadas com autismo do que crianças negras ou hispânicas. 1 em cada 63 crianças brancas 1 em 81 crianças negras 1 em 93 crianças hispânica
  • 30. PROTOCOLOS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE Existem vários instrumentos para a identificação precoce do autismo por volta dos 2 anos idade, ou mesmo antes, mas apenas alguns serão revistos aqui, segue dados;  O M-CHAT (Modified Checlist for Autism) n Toddlers) (Robins, Fein, Barton, & Green, 2001), que também é um instrumento de rastreamento, inclui apenas o questionário do CHAT mais 13 itens que abrangem funções indicadas como responsáveis pelo autismo em outros estudos, e deve ser aplicado aos 24 meses de idade com o intuito de identificar também crianças com possível regressão entre os 18 e 24 meses.
  • 31. PROTOCOLOS AVALIAÇÃO AUTISMO Os testes de avaliação de autismo incluem:  ADOS-G (Autism Diagnostic Observation Schedule - Programa de Observação Diagnóstica do Autismo): teste de observação usado para identificar comportamentos sociais e de comunicação atrasados;  ADI-R (Autism Diagnosis Interview-Revised - Entrevista para Diagnóstico de Autismo - revisada): entrevista que avalia as habilidades sociais e de comunicação da criança;  CARS (Childhood Autism Rating Scale - Escala de Classificação do Autismo Infantil): teste de observação para determinar a gravidade do autismo, que utiliza uma escala de 15 pontos para avaliar as habilidades de comunicação verbal, audição, uso do corpo e relações sociais da criança;
  • 34. Ages & Stages Questionnaires®, Third Edition
  • 35. DENVER II  O DENVER II é usado para identificar a criança cujo desenvolvimento parece estar atrasado em comparação com o desenvolvimento de outras crianças, ou seja, é um teste de triagem do desenvolvimento. ... O instrumento é destinado para crianças desde o nascimento até os 6 anos 35
  • 37. Método TEACCH 37  Programa de Carolina del Norte para o Tratamento e Educação de crianças autistas e com problemas na comunicação (TEACCH) tem como objetivo preparar as crianças com autismo se adaptar a escola, lugares e sociedade.  A característica principal é a educação estruturada, que aproveita as capacidades viso-espacial, as quais sao muito bem preservadas em crianças autistas.  O método inclue:  Estruturação ambiente da sala  Estruturação do tempo de aula  Materiais atrativos orientativo Visual  Combinação de diferentes sistemas de trabalho : um a um, trabalho independente, relaxamento etc….
  • 38. Método TEACCH : Estrutura física da sala 38 http://www.ahrcnyc.org/schools/wp-content/uploads/img/wTEACCHclassroom.jpg
  • 39. De Acordo com a National Standard Report em 2017 foram classificadas as intervenções que foram aprovadas através de evidências de eficácia, dados relevantes a redução dos sintomas e Práticas funcionais para vida adulta. Foram Classificadas; 14 Intervenções Aprovadas/ 18 Intervenções com Possibilidades Futuras / 13 Intervenções Não Aprovadas APROVADAS 39 • Intervenção Comportamental • Medidas Conjunta de intervenção Cognitiva e Comportamental. • Tratamento Comportamental Compreensivo • Treino de Linguagem • Modelação • Estratégia de Ensino Natural • Treino Parental • Treino de Interação com pares • Treino de Respostas Fundamentais • Roteiro de Rotinização • Auto-Gestão • Medidas de Competências Sociais • Teoria da Mente • Narrativa Social. NÃO APROVADAS • Terapia Assistida com Animais • Treino de integração auditiva • Mapeamento de Conceitos • DIR ou FLOORTIME • Comunicação Facilitada • Dieta Livre de Glúten • Intervenção de Movimento • Intervenção com bases sensoriais • Medidas de Intervenção Sensorial • Terapia de Choque • Estratégias de Aprendizagem Comportamento Social • Intervenção Percepção Social • Intervenção nível raciocínio Social.
  • 40. A ANÁLISE INDIVIDUAL OU PERFIL DE TRABALHO INDIVIDUAL É O PLANEJAMENTO FUNCIONAL DE ACORDO COM O QUADRO QUE A CRIANÇA APRESENTA NO MOMENTO DO INÍCIO DA TERAPIA ,E OU, ATENDIMENTO PROFISSIONAL. ELE BUSCA TRAÇAR O PERFIL DA CRIANÇA RELACIONANDO O ESTÁGIO DO MARCO DO DESENVOLVIMENTO QUE A CRIANÇA SE ENCONTRA NAS PRINCIPAIS ÁREAS DE NECESSIDADES PARA UMA EVOLUÇÃO NEUROFUNCIONAL ADEQUADA. PLANO DE ANÁLISE INDIVIDUAL
  • 41. ÁREAS DO DESENVOLVIMENTO COGNITIVA “Cognição refere-se a um conjunto de habilidades cerebrais/mentais necessárias para a obtenção de conhecimento sobre o mundo. Tais habilidades envolvem pensamento, raciocínio, abstração, linguagem, memória, atenção, criatividade, capacidade de resolução de problemas, entre outras funções.” Este processo acontece em espiral crescente nos dando a noção de avanços no desenvolvimento em contínuo crescimento: [DESENVOLVIMENTO –> ADAPTAÇÃO –> APRENDIZAGEM] O desenvolvimento cognitivo que pode ser entendido como: “Um processo pelo qual os indivíduos adquirem conhecimento sobre o mundo ao longo da vida”.
  • 42. ÁREA DO DESENVOLVIMENTO MOTRICIDADE AMPLA a motricidade ampla é a primeira ETAPA que aperfeiçoamos, porque ela permite os movimentos maiores do nosso corpo: mexer os braços, pernas e mãos, andar, correr, sentar, se inclinar para frente, carregar, empurrar, rolar, todos são movimentos da motricidade ampla. São atividades que utilizam todos os músculos, ou grande parte deles, para serem realizadas. Se essa motricidade não for bem exercitada, os movimentos podem ser desconectados ou muito lentos.
  • 43. ÁREA DO DESENVOLVIMENTO MOTRICIDADE FINA A motricidade fina exige o uso de músculos menores do corpo. Por exemplo, exige a coordenação de mãos e olhos na hora de escrever, recortar ou pintar. Mover os lábios para mandar beijo, sugar e sorrir também faz parte desse conjunto de habilidades. Até mesmo juntar algo leve do chão, como uma folha, faz parte da motricidade fina. É uma das competências chave a ser desenvolvida desde PEQUENO. O desenvolvimento desta competência possibilita futuramente bons resultados na escrita e na matemática.
  • 44. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES TREINAMENTO PARENTAL COMO TÉCNICA INTERVENTIVA EM CRIANÇAS. (...) os pais são, usualmente, o principal agente de mudança no processo terapêutico de seus filhos, atuando como mediadores entre a orientação profissional e a implementação de contingências favoráveis à mudança da criança em seu ambiente natural (Coelho & Murita apud Mestre & Corassa, 2002; Silvares, 1995).
  • 45.  Considerando-se como essencial a relação entre interações pais-criança, desenvolvimento e aprendizagem, o Treinamento de Suporte Parental é uma ferramenta que tem sido muito utilizada nos últimos anos para, segundo Olivares, Mendez & Ross (2005), atuar na modificação de problemas comportamentais e emocionais em crianças e adolescentes. Essas técnicas servem para orientar os pais, de forma didática e prática sobre os fundamentos da análise aplicada do comportamento, instruí- los quanto à necessidade de motivar seus filhos a se comportarem bem, identificar determinantes dos comportamentos disruptivos dos filhos e aplicar, no dia-a-dia, alguns dos procedimentos básicos de modificação de comportamento.
  • 46. TREINAMENTO PARENTAL No treino parental é a primeira etapa para se poder intervir de forma generalizada no tratamento de crianças com Inadequação emocional e comportamental através de varias técnicas e estratégias como: 1 - Apresentação do modelo de intervenção; 2 - Psicoeducação; 3 - Observação do ambiente natural; 4 - Encontros sistemáticos; 5 - Controle de excessos comportamentais; 6 – Orientação e Supervisão das técnicas Parentais domiciliar e em ambientes externos.
  • 47. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES  PSICOLOGIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL É uma abordagem que é mais específica, breve e focada no problema atual do paciente. Também conhecida como TCC, ela explica que o que nos afetam não são os acontecimentos e sim a forma que interpretamos. 5 PASSOS DO TCC 1- APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA 2 – ANÁLISE DO (S) PROBLEMA (S) 3 – ANÁLISE DO OBJETIVO 4 – ANÁLISE DOS MEIOS 5 – TESTE E AVALIAÇÃO DOS PASSOS DEFINIDOS.
  • 48. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES FONOAUDIOLOGIA É responsável pela promoção da saúde, prevenção, avaliação e diagnóstico, orientação, terapia (habilitação e reabilitação) e aperfeiçoamento dos aspectos fonoaudiológicos da função auditiva periférica e central, da função vestibular, da linguagem oral e escrita, da voz, da fluência, da articulação da fala e dos sistemas miofuncional, orofacial, cervical e de deglutição.
  • 49. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES A psicopedagogia é o campo do saber que se constrói a partir de dois saberes e práticas: a pedagogia e a psicologia. seu trabalho pode ter um caráter preventivo ou interventivo - avaliação, diagnóstico e intervenção no processo de aprendizagem. Os instrumentos de intervenção que mais são usados na psicopedagogia são os JOGOS e tudo que conhecemos como lúdico. Os jogos devem ser selecionados de acordo com a dificuldade ou transtorno da criança/jovem: concentração, memória, linguagem, escrita, leitura, matemática, motricidade ou qualquer outro transtorno. PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA
  • 50. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES TERAPIA OCUPACIONAL É uma profissão da área da saúde que promove prevenção, tratamento e reabilitação de indivíduos portadores de alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psico-motoras, decorrentes ou não de distúrbios genéticos, traumáticos ou de doenças adquiridas por meio da utilização da atividade humana como base de desenvolvimento. Processo pelo qual o cérebro organiza as informações, de modo a dar uma resposta adaptativa adequada, para organizar as sensações do próprio corpo em relação ao ambiente. As nossas capacidades de processamento sensorial são usadas para a interação social, o desenvolvimento de habilidades motoras para a atenção e concentração. INTEGRAÇÃO SENSORIAL
  • 51. TERAPIAS E SUAS FINALIDADES PSICOMOTRICIDADE É a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições COGNITIVAS, AFETIVAS E ORGÂNICAS. É sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento, o intelecto e o afeto. Quanto à Funcionalidade Terapêutica: CORPORAL: dispraxia, desarmonia tónico-emocional, instabilidade postural, perturbações do esquema corporal e da lateralidade, estruturação espacial e temporal, perturbações da imagem corporal, problemas psicossomáticos. RELACIONAL: dificuldades de comunicação e de contato, inibição, hiperatividade, agressividade, limite, afetividade etc. COGNITIVA: no plano do processamento informacional: défices de atenção, de memória, de organização perceptiva, simbólica e conceptual. EDUCATIVA: nas aprendizagens escolares e no afinamento das praxias coordenativas. AQUÁTICA: nas dificuldades físico-afetivas, onde o espaço aquático proporciona uma contenção natural do corpo que sente, fala e se comunica.
  • 52. RECONHECIDA NO TRATAMENTO DO AUTISTA ADULTO; INTERVENÇÃO COMPORTAMENTAL. 52
  • 53. É a ciência que trata da relação entre o uso de drogas (substâncias psicoativas) e as alterações psíquicas diversas da ordem do humor, cognição, comportamento, psicomotricidade, personalidade em relação ao aprendizado. Psicofármacos em conjunto com reabilitação terapêutica
  • 54.
  • 55. Medicamentos Alcançar resultados terapêuticos Melhorar a qualidade de vida da criança/jovem. Cura de uma doença; Eliminação ou redução de uma sintomatologia; Interrupção ou abrandamento do processo patológico; Prevenção de uma enfermidade ou de uma sintomatologia.
  • 56. Criança / neurologista Psiquiatra Pediátrico Psicofármaco s Psicoterapi as Sucesso no Tratamento Psicofármacos + Psicoterapia
  • 57. ESTIMA-SE QUE APROXIMADAMENTE 300 MILHÕES DE INDIVIDUOS NO MUNDO SOFREM DE ALGUMA DESORDEM DO NEURODESENVOLVIMENTO. (national professional development center report).
  • 58. EMANOELE FREITAS Neurocientista especialista em transtornos do Neurodesenvolvimento, Escritora, Palestrante, Formanda em Psicanálise Clínica Telefone: (21) 2667-8967 / 97043-8072 E-mail: aapa.emanoele@gmail.com www.euemeuautista.blogspot.com FACEBOOK: /emanoelefreitas Mediador Escolar – Recriando a Arte de Ensinar. 2015 Editora WAK Transtornos do Neurodesenvolvimento. 2019 Editora WAK