SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
* Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da
Faculdade de Araraquara – UNIESP
Didática, currículo e cultura escolar*
Em sentido amplo, o currículo escolar abrange todas as experiências de aprendizagem vivenciada
pelos alunos na escola. Em sentido restrito, o currículo escolar é o conjunto de matérias a serem
ministradas em um determinado grau ou modalidade de ensino: implica a idéia de se regular e controlar a
distribuição do conhecimento pois, além de expressar os conteúdos do ensino, estabelece a ordem de sua
disposição, através de planos de estudos e programas de ensino.
O currículo é visto como um meio para a veiculação de pressupostos, concepções, valores e visões
da realidade. Possui uma dimensão processual, pois as idéias que o fundamentam e os conteúdos culturais
que são declarados vão se transformando gradativamente em práticas, a partir de um processo de
mediação. Assim, a cultura do currículo é uma cultura mediatizada.
O currículo possui várias dimensões:
 Currículo prescrito: documentos curriculares oficiais como os Parâmetros Curriculares Nacionais;
 Currículo a ser consumido: livros - texto, materiais didáticos;
 Currículo restrito: programas ou planos feitos na escola;
 Currículo em ação: tarefas e atividades dentro da sala de aula;
 Currículo oculto: é o conteúdo implícito, geralmente inconsciente, que acompanha o ensino dos
conteúdos escolares.
As relações entre currículo e cultura escolar se dão na medida em que a cultura escolar supõe
necessariamente uma seleção entre os materiais culturais disponíveis num determinado momento histórico
e social. Ela realiza um trabalho de reorganização, reestruturação e “transposição didática” para tornar estes
conteúdos assimiláveis pelos alunos. Outro elemento constitutivo da cultura escolar é a interiorização pois,
segundo Forquin, a cultura escolar trata o saber de forma que este se incorpore ao indivíduo sob a forma de
esquemas operatórios ou de habitus.
Os problemas relativos à cultura escolar que têm estado presentes nas políticas educativas, na
formação de professores, nas propostas curriculares e nas escolas são os relativos à seleção e organização
dos conteúdos das diferentes áreas curriculares e seu tratamento didático - pedagógico. No entanto, as
abordagens utilizadas em muitos casos tem se revestido de uma perspectiva acrítica, pretensamente
técnica, sem que sejam trabalhados os pressupostos político - sociais e ideológicos do currículo.
Dessa maneira, julga-se necessário compreender como o currículo oculto interfere no universo das
práticas escolares e na vida dos alunos de uma escola, para que as relações entre didática, currículo e
cultura escolar possam ser compreendidas de forma mais crítica.
Se a cultura contida no currículo é uma cultura mediatizada, isto significa que a mediação torna-se
fonte de distorção dos propósitos originais declarados externamente e de influências acrescentadas,
procedentes dos contextos e das práticas que interferem nesse processo.
Para os alunos, o contexto de mediação por excelência do qual recebem influências é o ambiente
escolar. Para que se possa explicitar o currículo concreto que o aluno recebe é necessário considerar uma
outra dimensão que não está evidente: o currículo oculto.
* Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da
Faculdade de Araraquara – UNIESP
O currículo oculto funciona de forma subterrânea ou inconsciente e está ao lado daquilo que se diz
que se ensina, ou seja, do currículo manifesto.
Para entender o currículo da perspectiva de quem aprende convêm entende-lo como o conteúdo de
toda a experiência que o aluno tem no ambiente escolar. Na situação de escolarização, o aluno tem
experiências diversas: aprende conhecimentos, habilidades, comportamentos diversos, a sentir, a se
adaptar e a sobreviver, a pensar, a valorizar, a respeitar.
As relações sociais, a distribuição do tempo e do espaço, as relações de autoridade, o uso de
prêmios e castigos, o clima de avaliação, fazem parte do currículo oculto que o aluno deve superar se quiser
avançar com sucesso pelo percurso escolar. Assim, ao lado do currículo “oficial”, há uma dimensão não
evidente que se revela como muito importante quando o aluno não responde às exigências que colocam a
ele, resistindo a se comportar como as situações escolares lhe pedem. Desta forma, o currículo oculto tem
uma relação mais estreita com as dificuldades do aluno do que com os seus sucessos.
As normas de comportamento escolar não são geradas como algo autônomo, ainda que a escola
elabore seus próprios ritos, mas tem uma relação com valores sociais e com formas de entender o papel
dos indivíduos nos processos sociais. O currículo oculto das práticas escolares tem uma dimensão sócio -
política que se relaciona com as funções de socialização que a escola tem na sociedade.
As análises mais objetivas sobre o currículo oculto provem do estudo social e político das
experiências escolares. Hábitos de ordem, pontualidade, correção, respeito, competição - colaboração,
docilidade e conformidade são, entre outros, aspectos inculcados consciente ou inconscientemente pela
escola que denotam um modelo de cidadão. A socialização do cidadão nas escolas não se reduz à
reprodução que se produz pela transmissão da cultura explicitamente declarada nos currículos aos
conhecimentos e às disciplinas.
No entanto, mesmo que as mensagens contidas no currículo oculto estejam à margem, coerentes ou
em contradição com as intenções declaradas, não são alheias aos conflitos sociais mais amplos em um
determinado momento histórico e político: a sexualidade, o exercício do poder, a distribuição da riqueza, a
posição de grupos religiosos, políticos e sociais.
As obrigações que o currículo oculto impõe aos alunos são tão importantes para o sucesso escolar
quanto as do currículo manifesto. Os problemas de inadaptação e conduta escolar e o próprio abandono da
escola podem ser provocados pela resistência dos alunos frente às mensagens e às exigência do currículo
oculto.
A diferenciação entre currículo manifesto e oculto pode explicar muitas contradições existentes nas
práticas escolares, como por exemplo, apesar do currículo manifesto propor que o processo de
aprendizagem seja significativo e prazeroso para o aluno o que realmente acontece na sala de aula é que
os alunos são submetidos a exercícios tediosos e repetitivos.
Na experiência escolar, o “oculto” é muito mais amplo e sutil do que o manifesto e sem essa
compreensão, os professores não podem entender o que é realmente a prática que estão desenvolvendo.
Com relação à didática, o entendimento acerca do currículo oculto é importante para:
1) auxiliar a reflexão sobre o que se pretende fazer daquilo que realmente está sendo feito: teoria x
prática. Analisar as condições escolares, a partir da análise das condições do meio, a arquitetura, o
* Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da
Faculdade de Araraquara – UNIESP
mobiliário, a disposição do espaço e seu uso, a vida social da escola, as relações professor - aluno,
os métodos, o tipo de comportamento que se exige no cumprimento das tarefas e de como essas
mediatizam as pretensões explícitas do currículo que se pretende alcançar;
2) compreender a cultura como conteúdo do currículo mais em termos antropológicos, políticos e
sociais do que em termos estritamente acadêmicos. A cultura, em uma abordagem antropológica, é
concebida como muito mais do que conhecimentos sistematizados, e sim como um conjunto de
significados, convenções, crenças, comportamentos, usos e formas de se relacionar nos grupos
humanos. Assim, nas aulas e na escola, há muito mais do que uma “alta cultura”, pois ali se
desenvolve todo um processo de socialização dos alunos.
Referências Bibliográficas
CANDAU, V. M. F. (Org.) A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 2010.
PILLETI, C. Didática Geral. Ática. 2010.
PIMENTA, S. G. Didática e Formação de Professores. Cortez. 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e SilvaTeoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e SilvaLucila Pesce
 
Slaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoSlaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoFátima Rodrigues
 
Tendencia filosofica redentora
Tendencia filosofica redentoraTendencia filosofica redentora
Tendencia filosofica redentoraMara Salvucci
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraHerbert Santana
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARAndrea Lima
 
ReflexõEs Estágio
ReflexõEs EstágioReflexõEs Estágio
ReflexõEs EstágioSocorro
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxDouglasRicardodeAssi
 
Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didáticaKarina Mareci
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor alunoRomes Heriberto
 
Teorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos PedagógicosTeorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos PedagógicosInstituto Consciência GO
 

Mais procurados (20)

Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e SilvaTeoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
Teoria Crítica do Currículo - Moreira e Silva
 
Curso didática geral em um arqujivo unesp
Curso didática geral em um arqujivo   unespCurso didática geral em um arqujivo   unesp
Curso didática geral em um arqujivo unesp
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Slaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educaçãoSlaids fundamentos filosoficos da educação
Slaids fundamentos filosoficos da educação
 
Tendencia filosofica redentora
Tendencia filosofica redentoraTendencia filosofica redentora
Tendencia filosofica redentora
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
 
Políticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas EducacionaisPolíticas Públicas Educacionais
Políticas Públicas Educacionais
 
A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
 
A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
ReflexõEs Estágio
ReflexõEs EstágioReflexõEs Estágio
ReflexõEs Estágio
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
 
Como surgiu a didática
Como surgiu a didáticaComo surgiu a didática
Como surgiu a didática
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
 
Teorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos PedagógicosTeorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
 
A educação grega
A educação gregaA educação grega
A educação grega
 

Semelhante a Didática, currículo e cultura escolar

Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições power point
Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições  power pointPnaic 2a aula curriculo texto com varias definições  power point
Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições power pointtlfleite
 
Pnaic 2ª aula currículo juliana
Pnaic 2ª aula currículo julianaPnaic 2ª aula currículo juliana
Pnaic 2ª aula currículo julianatlfleite
 
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definições
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definiçõesPnaic 2a aula curriculo texto com várias definições
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definiçõestlfleite
 
Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Educação Smed
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2♥Marcinhatinelli♥
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCristina Ferreira
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...christianceapcursos
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...christianceapcursos
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralescolabeatriz
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptThaisJussara
 
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptx
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptxSlide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptx
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptxFtimaCortes4
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAcefaprodematupa
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação spUlisses Vakirtzis
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação spUlisses Vakirtzis
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402maria152302
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteKualo Kala
 
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E HistoriaConcurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E HistoriaFabio Santos
 

Semelhante a Didática, currículo e cultura escolar (20)

Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições power point
Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições  power pointPnaic 2a aula curriculo texto com varias definições  power point
Pnaic 2a aula curriculo texto com varias definições power point
 
Pnaic 2ª aula currículo juliana
Pnaic 2ª aula currículo julianaPnaic 2ª aula currículo juliana
Pnaic 2ª aula currículo juliana
 
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definições
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definiçõesPnaic 2a aula curriculo texto com várias definições
Pnaic 2a aula curriculo texto com várias definições
 
Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
 
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptx
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptxSlide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptx
Slide - Texto 05- PINTO, Humberto de Andrade.pptx
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Concepção Curricular
Concepção Curricular Concepção Curricular
Concepção Curricular
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
 
Pc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagioPc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagio
 
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E HistoriaConcurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
Cap3
Cap3Cap3
Cap3
 

Último

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 

Didática, currículo e cultura escolar

  • 1. * Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da Faculdade de Araraquara – UNIESP Didática, currículo e cultura escolar* Em sentido amplo, o currículo escolar abrange todas as experiências de aprendizagem vivenciada pelos alunos na escola. Em sentido restrito, o currículo escolar é o conjunto de matérias a serem ministradas em um determinado grau ou modalidade de ensino: implica a idéia de se regular e controlar a distribuição do conhecimento pois, além de expressar os conteúdos do ensino, estabelece a ordem de sua disposição, através de planos de estudos e programas de ensino. O currículo é visto como um meio para a veiculação de pressupostos, concepções, valores e visões da realidade. Possui uma dimensão processual, pois as idéias que o fundamentam e os conteúdos culturais que são declarados vão se transformando gradativamente em práticas, a partir de um processo de mediação. Assim, a cultura do currículo é uma cultura mediatizada. O currículo possui várias dimensões:  Currículo prescrito: documentos curriculares oficiais como os Parâmetros Curriculares Nacionais;  Currículo a ser consumido: livros - texto, materiais didáticos;  Currículo restrito: programas ou planos feitos na escola;  Currículo em ação: tarefas e atividades dentro da sala de aula;  Currículo oculto: é o conteúdo implícito, geralmente inconsciente, que acompanha o ensino dos conteúdos escolares. As relações entre currículo e cultura escolar se dão na medida em que a cultura escolar supõe necessariamente uma seleção entre os materiais culturais disponíveis num determinado momento histórico e social. Ela realiza um trabalho de reorganização, reestruturação e “transposição didática” para tornar estes conteúdos assimiláveis pelos alunos. Outro elemento constitutivo da cultura escolar é a interiorização pois, segundo Forquin, a cultura escolar trata o saber de forma que este se incorpore ao indivíduo sob a forma de esquemas operatórios ou de habitus. Os problemas relativos à cultura escolar que têm estado presentes nas políticas educativas, na formação de professores, nas propostas curriculares e nas escolas são os relativos à seleção e organização dos conteúdos das diferentes áreas curriculares e seu tratamento didático - pedagógico. No entanto, as abordagens utilizadas em muitos casos tem se revestido de uma perspectiva acrítica, pretensamente técnica, sem que sejam trabalhados os pressupostos político - sociais e ideológicos do currículo. Dessa maneira, julga-se necessário compreender como o currículo oculto interfere no universo das práticas escolares e na vida dos alunos de uma escola, para que as relações entre didática, currículo e cultura escolar possam ser compreendidas de forma mais crítica. Se a cultura contida no currículo é uma cultura mediatizada, isto significa que a mediação torna-se fonte de distorção dos propósitos originais declarados externamente e de influências acrescentadas, procedentes dos contextos e das práticas que interferem nesse processo. Para os alunos, o contexto de mediação por excelência do qual recebem influências é o ambiente escolar. Para que se possa explicitar o currículo concreto que o aluno recebe é necessário considerar uma outra dimensão que não está evidente: o currículo oculto.
  • 2. * Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da Faculdade de Araraquara – UNIESP O currículo oculto funciona de forma subterrânea ou inconsciente e está ao lado daquilo que se diz que se ensina, ou seja, do currículo manifesto. Para entender o currículo da perspectiva de quem aprende convêm entende-lo como o conteúdo de toda a experiência que o aluno tem no ambiente escolar. Na situação de escolarização, o aluno tem experiências diversas: aprende conhecimentos, habilidades, comportamentos diversos, a sentir, a se adaptar e a sobreviver, a pensar, a valorizar, a respeitar. As relações sociais, a distribuição do tempo e do espaço, as relações de autoridade, o uso de prêmios e castigos, o clima de avaliação, fazem parte do currículo oculto que o aluno deve superar se quiser avançar com sucesso pelo percurso escolar. Assim, ao lado do currículo “oficial”, há uma dimensão não evidente que se revela como muito importante quando o aluno não responde às exigências que colocam a ele, resistindo a se comportar como as situações escolares lhe pedem. Desta forma, o currículo oculto tem uma relação mais estreita com as dificuldades do aluno do que com os seus sucessos. As normas de comportamento escolar não são geradas como algo autônomo, ainda que a escola elabore seus próprios ritos, mas tem uma relação com valores sociais e com formas de entender o papel dos indivíduos nos processos sociais. O currículo oculto das práticas escolares tem uma dimensão sócio - política que se relaciona com as funções de socialização que a escola tem na sociedade. As análises mais objetivas sobre o currículo oculto provem do estudo social e político das experiências escolares. Hábitos de ordem, pontualidade, correção, respeito, competição - colaboração, docilidade e conformidade são, entre outros, aspectos inculcados consciente ou inconscientemente pela escola que denotam um modelo de cidadão. A socialização do cidadão nas escolas não se reduz à reprodução que se produz pela transmissão da cultura explicitamente declarada nos currículos aos conhecimentos e às disciplinas. No entanto, mesmo que as mensagens contidas no currículo oculto estejam à margem, coerentes ou em contradição com as intenções declaradas, não são alheias aos conflitos sociais mais amplos em um determinado momento histórico e político: a sexualidade, o exercício do poder, a distribuição da riqueza, a posição de grupos religiosos, políticos e sociais. As obrigações que o currículo oculto impõe aos alunos são tão importantes para o sucesso escolar quanto as do currículo manifesto. Os problemas de inadaptação e conduta escolar e o próprio abandono da escola podem ser provocados pela resistência dos alunos frente às mensagens e às exigência do currículo oculto. A diferenciação entre currículo manifesto e oculto pode explicar muitas contradições existentes nas práticas escolares, como por exemplo, apesar do currículo manifesto propor que o processo de aprendizagem seja significativo e prazeroso para o aluno o que realmente acontece na sala de aula é que os alunos são submetidos a exercícios tediosos e repetitivos. Na experiência escolar, o “oculto” é muito mais amplo e sutil do que o manifesto e sem essa compreensão, os professores não podem entender o que é realmente a prática que estão desenvolvendo. Com relação à didática, o entendimento acerca do currículo oculto é importante para: 1) auxiliar a reflexão sobre o que se pretende fazer daquilo que realmente está sendo feito: teoria x prática. Analisar as condições escolares, a partir da análise das condições do meio, a arquitetura, o
  • 3. * Texto elaborado pela Profa. Dra. Juliana Z. Nutti para a disciplina Fundamentos de Didática do curso de Pedagogia da Faculdade de Araraquara – UNIESP mobiliário, a disposição do espaço e seu uso, a vida social da escola, as relações professor - aluno, os métodos, o tipo de comportamento que se exige no cumprimento das tarefas e de como essas mediatizam as pretensões explícitas do currículo que se pretende alcançar; 2) compreender a cultura como conteúdo do currículo mais em termos antropológicos, políticos e sociais do que em termos estritamente acadêmicos. A cultura, em uma abordagem antropológica, é concebida como muito mais do que conhecimentos sistematizados, e sim como um conjunto de significados, convenções, crenças, comportamentos, usos e formas de se relacionar nos grupos humanos. Assim, nas aulas e na escola, há muito mais do que uma “alta cultura”, pois ali se desenvolve todo um processo de socialização dos alunos. Referências Bibliográficas CANDAU, V. M. F. (Org.) A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 2010. PILLETI, C. Didática Geral. Ática. 2010. PIMENTA, S. G. Didática e Formação de Professores. Cortez. 2011.