O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Semiologia psiquiátrica
ALUNOS: ISADORA SOUZA RIBEIRO E JOÃO HERCOS NETO
PROFESSOR: TIAGO BUCCI
CURSO DE MEDICINA DA UNIVE...
Variáveis da entrevista psiquiátrica...
Entrevistador:
• Crenças, valores;
• Estado emocional;
• Formulação da
pergunta;
•...
Tipos de entrevista
• Entrevista aberta:
 Não segue roteiro predeterminado;
 Curso da entrevista determinado pelo pacien...
Avaliação psiquiátrica
• Começa antes do início da entrevista
expressão facial, trajes, movimentos, maneira de se apresent...
História clínica psiquiátrica
1. Identificação;
2. Queixa principal:
 Quem encaminhou, de quem foi a iniciativa de buscar...
História clínica psiquiátrica
4. Antecedentes – história médica e psiquiátrica:
• História médica:
 Doenças, cirurgias e ...
História clínica psiquiátrica
5. Antecedentes – história pessoal:
• História pré-natal/nascimento:
 Gestação e parto, pes...
História clínica psiquiátrica
6. Antecedentes – história familiar:
• Informações sobre pais e irmãos;
• Saúde mental;
• Hi...
História clínica psiquiátrica
7. Personalidade pré-mórbida:
 Preocupações excessivas com ordem, limpeza, pontualidade;
 ...
Exame do estado mental
• Avaliação do funcionamento mental do paciente, no momento do exame;
• Observações durante a entre...
Apresentação geral
• Aparência:
 Aparência quanto à idade e saúde;
 Presença de deformidades e peculiaridades físicas;
...
Linguagem e pensamento
• O examinador tem um acesso indireto ao pensamento do paciente, através do discurso do
mesmo duran...
Linguagem e pensamento
2. Progressão da fala: velocidade da verbalização do paciente, durante a entrevista.
 Linguagem qu...
Linguagem e pensamento
3. Forma do pensamento:
 Circunstancialidade: objetivo final da fala é longamente adiado, pela inc...
Linguagem e pensamento
4. Conteúdo do pensamento: investigam-se os conceitos emitidos pelo paciente durante a
entrevista e...
Senso-percepção
• Avaliar se as sensações e percepções do paciente resultam da estimulação esperada dos
correspondentes ór...
Afetividade e humor
• Inclui a expressividade, o controle e a adequação das manifestações de sentimentos,
envolvendo a int...
Atenção e concentração
• Capacidade de focalizar e manter a atenção em uma atividade, envolvendo a atenção/distração,
fren...
Memória
• Memória Remota: avalia a capacidade de recordar-se de eventos do passado.
• Memória Recente: avalia a capacidade...
Orientação
1. Autopsíquica: reconhecimento de si
 Saber o próprio nome;
 Reconhecer as pessoas do seu meio imediato, atr...
Consciência
• Sonolência: lentificação geral dos processos ideacionais, com predisposição para dormir.
• Obnubilação da co...
Capacidade intelectual
• Estimativa do nível de desempenho intelectual esperado, em função da escolaridade e do nível
soci...
Juízo crítico da realidade
• Objetiva verificar se as ações do paciente são determinadas por uma avaliação coerente da
rea...
28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 24
Referências bibliográficas
1. Zuardi AW, Loureiro SR. Semiologia Psiquiátrica. Rev Medicina, Ribeirão Preto [internet].
Ja...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Semiologia psiquiátrica

Aula de semiologia psiquiátrica

  • Entre para ver os comentários

Semiologia psiquiátrica

  1. 1. Semiologia psiquiátrica ALUNOS: ISADORA SOUZA RIBEIRO E JOÃO HERCOS NETO PROFESSOR: TIAGO BUCCI CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE FRANCA 1º SEMESTRE/2017
  2. 2. Variáveis da entrevista psiquiátrica... Entrevistador: • Crenças, valores; • Estado emocional; • Formulação da pergunta; • Tom de voz usado; • Olhar, gestos Interação entrevistador- paciente: • Objetivos de cada um; • Eclosão de sentimentos. Ambiente: • Local; • Duração; • Disposição espacial dos participantes; • Privacidade. Paciente: Motivação (espontânea ou forçado) 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 2
  3. 3. Tipos de entrevista • Entrevista aberta:  Não segue roteiro predeterminado;  Curso da entrevista determinado pelo paciente;  Vantagens: acesso mais fácil ao material inconsciente (ordem, associação, interrupções, respostas);  Limitações: discordância entre entrevistadores, dificuldade de formular diagnósticos consistentes e tempo imprevisível. • Entrevista estruturada:  Roteiro pré-determinado;  Vantagens: confiabilidade diagnóstica; concordância entre profissionais;  Limitações: pequena flexibilidade (prejudica colaboração do paciente). • Entrevista semiestruturada:  Estruturação maior ou menor, mais flexível na sequência e forma de formular perguntas.  Mais utilizada. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 3
  4. 4. Avaliação psiquiátrica • Começa antes do início da entrevista expressão facial, trajes, movimentos, maneira de se apresentar. •Inicialmente pouco diretiva, posteriormente mais direcionada; • Adaptar a entrevista ao paciente, e não ao contrário; •Atentar-se ao que o paciente diz, como se expressa e o que faz enquanto fala. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 4
  5. 5. História clínica psiquiátrica 1. Identificação; 2. Queixa principal:  Quem encaminhou, de quem foi a iniciativa de buscar ajuda e com que objetivo. 3. História da moléstia atual:  Início, fatores precipitantes, evolução, impacto na vida do paciente;  Descrição, frequência, duração, flutuações, cronologia. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 5
  6. 6. História clínica psiquiátrica 4. Antecedentes – história médica e psiquiátrica: • História médica:  Doenças, cirurgias e internações;  Alterações do peso, sono, intestinais e menstruais;  Medicamentos em uso abuso. • História psiquiátrica: • Tratamentos prévios. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 6
  7. 7. História clínica psiquiátrica 5. Antecedentes – história pessoal: • História pré-natal/nascimento:  Gestação e parto, peso, anoxia, icterícia, distúrbio metabólico. • Infância e desenvolvimento:  Doenças, sono, alimentação, aquisições de habilidades e vida escolar. • Adolescência:  Interesses, vida escolar, relacionamentos, sexualidade, menarca, uso de álcool e drogas;  Atitude frente ao crescimento, isolamento, delinquência. • Idade adulta: • Situações e atitudes frente ao trabalho, vida familiar e conjugal, sexualidade, relacionamentos e situação sócio-econômica. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 7
  8. 8. História clínica psiquiátrica 6. Antecedentes – história familiar: • Informações sobre pais e irmãos; • Saúde mental; • História de adoção, suicídio, violação da lei ou dos padrões sociais; • Ambiente familiar. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 8
  9. 9. História clínica psiquiátrica 7. Personalidade pré-mórbida:  Preocupações excessivas com ordem, limpeza, pontualidade;  Estado de humor habitual;  Capacidade de expressar os sentimentos;  Nível de desconfiança e competitividade;  Capacidade para executar planos e projetos;  Maneira como reage quando se sente pressionado. 8. Exame físico:  Descartar condições orgânicas. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 9
  10. 10. Exame do estado mental • Avaliação do funcionamento mental do paciente, no momento do exame; • Observações durante a entrevista pode variar; • Organizado por áreas. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 10
  11. 11. Apresentação geral • Aparência:  Aparência quanto à idade e saúde;  Presença de deformidades e peculiaridades físicas;  Modo de vestir-se e cuidados pessoais;  Expressão facial. • Psicomotricidade:  Comportamento e atividade motora (velocidade e intensidade);  Atividade motora (hiperatividade, hipoatividade, tremores, maneirismos);  Sinais de catatonia (flexibilidade cérea, obediência automática, resistência passiva e ativa, negativismo, estupor e catalepsia). • Situação da entrevista/interação:  Situação da entrevista: local, outros participantes e intercorrências;  Interação: cooperação, oposição, indiferença, negativismo. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 11
  12. 12. Linguagem e pensamento • O examinador tem um acesso indireto ao pensamento do paciente, através do discurso do mesmo durante a entrevista. 1. Características da fala: se a fala é espontânea, mutismo, o volume da fala e se ocorre algum defeito na verbalização: afasia disartria, gagueira, rouquidão, etc 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 12
  13. 13. Linguagem e pensamento 2. Progressão da fala: velocidade da verbalização do paciente, durante a entrevista.  Linguagem quantitativamente diminuída: restringe sua fala ao mínimo necessário, com respostas monossilábicas  Fluxo lento: longas pausas entre as palavras e/ou latência para iniciar uma resposta.  Prolixidade: fala muito, discorrendo longamente sobre todos os tópicos  Fluxo acelerado: fala, continuamente, e com velocidade aumentada. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 13
  14. 14. Linguagem e pensamento 3. Forma do pensamento:  Circunstancialidade: objetivo final da fala é longamente adiado, pela incorporação de detalhes irrelevantes;  Tangencialidade: objetivo da fala não chega a ser atingido ou não é claramente definido;  Perseveração: repete a mesma resposta à uma variedade de questões;  Fuga de ideias: sempre na presença de um pensamento acelerado;  Pensamento incoerente: perda na associação lógica entre partes de uma sentença ou entre sentenças;  Bloqueio de pensamento: interrupção súbita da fala, no meio de uma sentença;  Neologismos: cria uma palavra nova e ininteligível para outras pessoas;  Ecolalia: repetição de palavras ou frases ditas pelo interlocutor. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 14
  15. 15. Linguagem e pensamento 4. Conteúdo do pensamento: investigam-se os conceitos emitidos pelo paciente durante a entrevista e sua relação com a realidade • Ansiosos: preocupações exageradas consigo mesmo; • Depressivos: desamparo, desesperança, ideação suicida; • Fóbico: medo exagerado ou patológico diante de algum tipo de estímulo ou situação; • Obsessivos: pensamentos recorrentes, invasivos e sem sentido; • Logicidade do pensamento, ou o quanto o pensamento pode ser sustentado por dados da realidade do paciente. (supervalorização, delírios) 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 15
  16. 16. Senso-percepção • Avaliar se as sensações e percepções do paciente resultam da estimulação esperada dos correspondentes órgãos do sentido (conversar consigo mesmo, rir sem motivo); • Despersonalização: refere-se à sensação de estranheza, como se seu corpo, ou partes dele não lhe pertencessem, ou fossem irreais; • Ilusão: interpretação perceptual alterada, resultante de um estímulo externo real; • Alucinações: percepção sensorial na ausência de estimulação externa do órgão sensorial envolvido: auditivas ,visuais táteis olfatórias e gustativas. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 16
  17. 17. Afetividade e humor • Inclui a expressividade, o controle e a adequação das manifestações de sentimentos, envolvendo a intensidade, a duração, as flutuações do humor e seus componentes somático; • Tonalidade emocional; • Modulação: Refere-se ao controle sobre os afetos; • Importante: observar a presença de manifestações ou risco de auto e heteroagressividade, tais como idéias ou planos de suicídio, ou ainda idéias ou projetos de homicídio ou agressão voltada para o meio. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 17
  18. 18. Atenção e concentração • Capacidade de focalizar e manter a atenção em uma atividade, envolvendo a atenção/distração, frente aos estímulos externos ou internos; • Dizer os dias da semana e os meses do ano, realizar cálculos simples. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 18
  19. 19. Memória • Memória Remota: avalia a capacidade de recordar-se de eventos do passado. • Memória Recente: avalia a capacidade de recordar-se de eventos que ocorreram nos últimos dias. • Memória Imediata: avalia a capacidade de recordar-se do que ocorreu nos minutos precedentes. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 19
  20. 20. Orientação 1. Autopsíquica: reconhecimento de si  Saber o próprio nome;  Reconhecer as pessoas do seu meio imediato, através de seu nome ou de seu papel social;  Saber quem é o entrevistador. 2. Alopsíquica:  Orientação no tempo: o ano, o mês, o dia da semana, o período do dia;  Orientação no espaço: informar onde se encontra no momento, nomeando o lugar, a cidade e o estado. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 20
  21. 21. Consciência • Sonolência: lentificação geral dos processos ideacionais, com predisposição para dormir. • Obnubilação da consciência: diminuição do nível de vigília, acompanhado de dificuldade em focalizar a atenção • Estupor: permanece em mutismo e sem movimentos, com preservação relativa da consciência. • Delirium: quadro agudo caracterizado por diminuição do nível de vigília + alterações cognitivas; • Estado crepuscular: ocorre, predominantemente, em estados epilépticos. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 21
  22. 22. Capacidade intelectual • Estimativa do nível de desempenho intelectual esperado, em função da escolaridade e do nível sociocultural; • Observar: o vocabulário, sua propriedade e nível de complexidade, e a capacidade de articular conceitos, de abstrair e generalizar; • Diagnóstico diferencial com alterações orgânicas. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 22
  23. 23. Juízo crítico da realidade • Objetiva verificar se as ações do paciente são determinadas por uma avaliação coerente da realidade, do ponto de vista do funcionamento mental e da capacidade adaptativa, incluindo o nível realista dos projetos e da avaliação das próprias realizações. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 23
  24. 24. 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 24
  25. 25. Referências bibliográficas 1. Zuardi AW, Loureiro SR. Semiologia Psiquiátrica. Rev Medicina, Ribeirão Preto [internet]. Jan/Mar 1996 [citado em 27 Abr 2017]; 29: 44-53. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/1996/vol29n1/semiologia_psiquiatrica.pdf 28/04/2017 SEMIOLOGIA PSIQUIÁTRICA 25

×