Seminario saude mental

3.906 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario saude mental

  1. 1. Orientação e Memória <br />Layane<br />Carina<br />André <br />Caroline<br />Elis <br />1<br />
  2. 2. Orientação <br /><ul><li> CONCEITO</li></ul>Orientação é um estado psíquico funcional em virtude do qual temos consciência plena, em cada momento de nossa vida, da situação real em que nos encontramos.<br />A orientação depende, antes de mais nada, da integridade psíquica e do estado de consciência e, uma vez perturbada esta consciência, altera a orientação.<br />2<br />
  3. 3. AVALIAÇÃO<br />METODOS DE OBSERVAÇÃO :<br /><ul><li>Por anamnese ,ou seja , história clínica do paciente por conjunto de informações obtidas por meio de entrevista previamente esquematizada.”
  4. 4. Por expressão corporal e verbal;
  5. 5. Por impressões do individuo e ambiente;
  6. 6. A projeção do auto –espelho: </li></ul> -como eu me vejo; <br /> -como a pessoa me vê;<br /> -como eu gostaria que me vissem. <br />3<br />
  7. 7. <ul><li>Avaliação de anamnese:
  8. 8. Tempo:
  9. 9. Pode-se perguntar ao paciente qual é a hora aproximada, dia da semana, do mês, ano, estação e há quanto tempo ele está no hospital.</li></ul>4<br />
  10. 10. <ul><li>Espaço:
  11. 11. Paciente deve ser capaz de descrever o local onde se encontra (consultório, nome do hospital), o endereço aproximado, a cidade, o estado, o país, sabendo também quem são as pessoas à sua volta.</li></ul>5<br />
  12. 12. <ul><li>A própria pessoa:
  13. 13. Deve-se perguntar dados sobre o paciente, como nome, data de nascimento, profissão e o que faz no hospital.</li></ul>6<br />
  14. 14. <ul><li>Demais pessoas:
  15. 15. Deve ser capaz de identificar seus familiares, amigos próximos e pessoal que o atende (médicos, enfermeiras, auxiliares, etc.).
  16. 16. Estas informações devem ser conferidas através de uma fonte confiável, como um familiar hígido.</li></ul>?<br /> ? <br /> ?<br />?<br /> ? <br /> ?<br />?<br /> ? <br /> ?<br />7<br />
  17. 17. <ul><li>Por expressão corporal e verbal;
  18. 18. Expressão facial
  19. 19. Tom de voz
  20. 20. Vocabulário
  21. 21. Gestos
  22. 22. Trajes </li></ul>8<br />
  23. 23. <ul><li>Por impressões do individuo e ambiente;</li></ul>Formas de vestir-se ;<br />Auto-estima ;<br />Modo de se expressar;<br />Como interage no meio em que está ;<br />9<br />
  24. 24. <ul><li>Alterações</li></ul>Quando um paciente fica desorientado, após um quadro de delirium, por exemplo, a primeira noção de orientação perdida é em relação ao tempo, depois espaço e por último em relação a si próprio.<br />A recuperação se dá de maneira inversa: inicialmente o paciente orienta-se em relação à própria pessoa, posteriormente em relação ao espaço e por fim ao tempo.<br />Desorientação: pode ser influenciada por alterações na atenção e consciência.<br />10<br />
  25. 25. <ul><li>Transtornos mais comuns
  26. 26. Síndromes Cerebrais Orgânicas;
  27. 27. psicoses afetivas;
  28. 28. esquizofrenia.</li></ul>11<br />
  29. 29. 12<br />
  30. 30. 13<br />
  31. 31. Síndrome Cerebral Orgânica <br /><ul><li>Na Síndrome Cerebral Orgânica os pacientes freqüentemente mostram flutuação na orientação conforme a hora do dia (piora à noite), podendo ocorrer total desorientação com o aumento da gravidade.</li></ul>Nomes alternativos:<br />síndrome cerebral orgânica crônica, SCO, distúrbio mental orgânico <br />Definição:<br />Termo geral referindo-se aos distúrbios físicos que reduzem a função mental, normalmente não incluindo os distúrbios psiquiátricos. <br />14<br />
  32. 32. 15<br />
  33. 33. Causas, incidência e fatores de risco:<br />A síndrome cerebral orgânica (SCO) é um "diagnóstico" comum da velhice. Embora não seja parte inevitável do processo de envelhecimento, o distúrbio não constitui uma entidade separada, mas representa um termo geral usado para caracterizar as condições físicas que podem causar alterações mentais. <br />Sintomas:<br />Os sintomas variam conforme a doença específica associada. Em geral, as síndromes cerebrais orgânicas provocam graus variáveis de confusão, delírio (perdas da função cerebral, curtas e intensas), agitação e demência (perdas da função cerebral, geralmente progressivas e prolongadas). <br />16<br />
  34. 34. QUAL A IMPORTÂNCIA DE AVALIAR SE O PACIENTE ESTA SUGEITO A UMA SINDROME CEREBRAL ORGÂNICA !!!<br />Os distúrbios associados à SCO incluem, entre outros:<br /><ul><li>distúrbios degenerativos
  35. 35. distúrbios cardiovasculares
  36. 36. lesão cerebral induzida por traumatismo:
  37. 37. demência devida a causas metabólicas
  38. 38. infecções
  39. 39. condições relacionadas ao álcool e às drogas
  40. 40. doença de Parkinson </li></ul>17<br />
  41. 41. Psicoses afetivas<br />Nos Transtornos Dissociativos (fuga) ocorre uma amnésia psicogênica, de maneira que o indivíduo não sabe o seu nome, ou outros dados de identificação ou a identidade das pessoas de seu ambiente, nem o local de onde é proveniente ou reside.<br />18<br />
  42. 42. Transtornos do humor [afetivos]<br />Transtornos nos quais a perturbação fundamental é uma alteração do humor ou do afeto, no sentido de uma depressão (com ou sem ansiedade associada) ou de uma elação. A alteração do humor em geral se acompanha de uma modificação do nível global de atividade, e a maioria dos outros sintomas são quer secundários a estas alterações do humor e da atividade, quer facilmente compreensíveis no contexto destas alterações. A maioria destes transtornos tendem a ser recorrentes e a ocorrência dos episódios individuais pode freqüentemente estar relacionada com situações ou fatos estressantes.<br />19<br />
  43. 43. Episódio maníaco<br />Hipomania<br />Transtorno caracterizado pela presença de uma elevação ligeira mas persistente do humor, da energia e da atividade, associada em geral a um sentimento intenso de bem-estar e de eficácia física e psíquica.<br />Mania sem sintomas psicóticos<br />Presença de uma elevação do humor fora de proporção com a situação do sujeito, podendo variar de uma jovialidade descuidada a uma agitação praticamente incontrolável.<br />Mania com sintomas psicóticos<br />Presença, além do quadro clínico descrito , de idéias delirantes (em geral de grandeza) ou de alucinações <br />20<br />
  44. 44. Transtorno afetivo bipolar<br />Transtorno caracterizado por dois ou mais episódios nos quais o humor e o nível de atividade do sujeito estão profundamente perturbados, sendo que este distúrbio consiste em algumas ocasiões de uma elevação do humor e aumento da energia e da atividade (hipomania ou mania) e em outras, de um rebaixamento do humor e de redução da energia e da atividade (depressão). <br />Episódios depressivos<br />Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente apresenta um rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade. <br />21<br />
  45. 45. Esquizofrenia<br /><ul><li>Pacientes com transtornos psicóticos (TAB ou esquizofrenia) não são tipicamente desorientados, embora, pela apatia, eles possam ter falhas no desempenho das rotinas diárias. </li></ul>A esquizofrenia caracteriza-se por uma grave desestruturação psíquica, em que a pessoa perde a capacidade de integrar suas emoções e sentimentos com seus pensamentos, podendo apresentar crenças irreais (delírios), percepções falsas do ambiente (alucinações) e comportamentos que revelam a perda do juízo crítico.<br />22<br />
  46. 46. Quais os sintomas?<br /> <br />Sintomas iniciais - Os sintomas iniciais ou prodrômicos são facilmente confundidos com depressão e ansiedade.<br />Sintomas positivos - Crenças fantasiosas (delírios) e falsas percepções (alucinações) dominam a consciência da pessoa, que passa a ter dificuldades em discernir a fantasia da realidade<br />Sintomas negativos - Confundidos com preguiça e má vontade, os sintomas negativos são aspectos importantes na doença e que dominam o quadro crônico.<br />Sintomas da cognição - Alterações da atenção e memória, dificuldade de planejamento e para tomar decisões<br />23<br />
  47. 47. Sintomas neurológicos - Trejeitos, tiques motores, atitude mais estabanada ou movimentos finos descoordenados <br />Comportamento - Não é correto associar violência e agressividade à esquizofrenia, pois os portadores da doença não são mais violentos do que as pessoas saudáveis. Alguns comportamentos merecem destaque, como as manias de repetição, os cuidados com a higiene e a aparência e o risco de suicídio... <br />Abuso de drogas - Cada vez mais presente, o uso e abuso de drogas ilícitas agravam muito o curso da esquizofrenia, aumentando o número de recaídas.<br />A esquizofrenia não tem cura, mas com o tratamento adequado a pessoa pode se recuperar e voltar a viver uma vida normal.<br />24<br />
  48. 48. Parte do cabeção do André!!!<br />25<br />
  49. 49. <ul><li>Avaliação da memória imediata</li></ul>Memória imediata:<br />Aquilo que aconteceu ou foi apresentado há apenas alguns segundos antes.<br />Pode-se utilizar os testes simplificados de memória.<br />26<br />
  50. 50. <ul><li>Perguntas relativas à Memória Recente</li></ul>Relacionada ao passado recente. Inicialmente se apresente ao paciente. Em seguida inicie as perguntas.<br />Há quanto tempo está nesta enfermaria (ou neste serviço de saúde, consultório)?<br />Onde durmiu na última noite?<br />Onde estava ontem? E há uma semana? No mês passado?<br />O que comeu ontem? E hoje?<br />A que horas levantou-se da cama?<br />Trabalhou ou estudou ontem? E hoje?<br />Há quanto tempo estamos conversando?<br />Quem sou eu e qual o meu nome?<br />27<br />
  51. 51. <ul><li>Perguntas Relativas à Memória Remota</li></ul>Esse tipo de memória é a que “dura por toda a vida” geralmente relacionada ao significado emocional. Por isso se pergunta de fatos passados de meses a muitos anos atrás.<br />Estado civil?<br />Com que idade casou?<br />Como se chama o seu cônjuge?<br />Que idade tem seu conjuge?<br />Em que idade casou?<br />Tem filhos? Como se chamam? Que idade têm?<br />Como se chamam seus pais? Vivem ainda? Que idade têm?<br />28<br />
  52. 52. Onde você nasceu?<br />Foi à escola? Nome da escola/ faculdade que cursou?<br />Lembra-se do nome de algum professor?<br />De algum colega de escola?<br />Como era a cidade de sua infância e de sua juventude?<br />O que fez, em termos de trabalho ou atividade, no passado?<br />Como aprendeu?<br />Em que eleições você votou?<br />Lembra-se do nome dos últimos presidentes?<br />Se for viúvo, data e causa da morte do conjuge?<br />Se for divorciado (separado), data e motivo do divórcio ?<br /><ul><li>Perguntas Relativas à Memória Remota</li></ul>29<br />
  53. 53. <ul><li>Testes simplificados de memória</li></ul>Testes de Memória Verbal Simples:<br />Pedir ao paciente que preste atenção em quatro palavras aleatórias que serão ditas.<br />Solicitar que ele as repita em seguida, assegurando que prestou atenção e registrou imediatamente o que foi dito. Após 5 a 10 minutos pedir que ele repita as palavras.<br />Deve se lembrar de 3 palavras pelo menos.<br />30<br />
  54. 54. Teste de memória visual:<br />Esconder 4 objetos diante do paciente e pedir para dizer o nome dos objetos e onde estão. Após 10 minutos perguntar novamente onde estão os objetos.<br />Deve se lembrar de pelo menos 3 locais.<br />31<br />
  55. 55. Teste de memória verbal por associação de palavras:<br />Ler devagar e de forma clara para o paciente uma lista de 10 pares de palavras, relacionadas logicamente entre si, pedir que ele preste muita atenção.<br />Em seguida, falar a 1ª palavra e pedir que o paciente diga a palavra correspondente.<br />Deve acertar pelo menos 6 palavras.<br />EX: alto – baixo; rio – água ; sol – verão;<br />32<br />
  56. 56. Teste de memória lógica:<br />Contar uma história simples ao paciente com 15 itens.<br />1) Pedro; 9) dois homens fortes;<br />2) de 23 anos; 10) com revolveres na mão;<br />3) ajudante de mecânico; 11) disseram a uma velha;<br />4) morador de Hortolândia; 12) que entregasse a bolsa;<br />5) foi ao cinema; 13) ela ficou nervosa;<br />6) com a namorada; 14) caiu no chão;<br />7) na saída da sessão; 15) bateu a cabeça e;<br />8) viu um assalto; 16) foi levada para o hospital.<br />Em seguida pedir para o paciente repetir a história inteira. Deve lembrar de pelo menos 5 a 6 pontos importantes.<br />33<br />
  57. 57. Alterações e Transtornos mais comuns<br /><ul><li> Amnésia:
  58. 58. Perda da memória, seja a da capacidade de fixar ou a da capacidade de manter e evocar antigos conteúdos.
  59. 59. Amnésia Imediata:
  60. 60. Geralmente existe um comprometimento cerebral agudo.
  61. 61. Amnésia anterógrada:
  62. 62. O indivíduo não consegue mais fixar elementos a partir do evento que lhe causou o dano cerebral.</li></ul>Ex: o indivíduo não lembra o que aconteceu nas semanas ou meses depois de um trauma cranioencefálico.<br />34<br />
  63. 63. <ul><li>Amnésia retrógrada:</li></ul>A pessoa não se lembra de fatos ocorridos antes do inicio da doença ou trauma.<br /><ul><li>Amnésia Lacunar:
  64. 64. A pessoa se esquece de fatos ocorridos entre duas datas. Por exemplo: não se lembra o que fez no ano de 1995, o ano da sua separação. Eventualmente, o paciente pode preencher estas lacunas com inverdades ou situações não ocorridas, sem dar-se conta. A isto se dá o nome de confabulação, freqüente em pacientes com Demência.
  65. 65. Amnésia Remota: </li></ul>Esquecimento de fatos ocorridos no passado. Pacientes idosos com algum grau de demência. <br />35<br />
  66. 66. Classificação das Amnésias<br /><ul><li>Pela extensão: </li></ul>parciais: esquecimento de um nome, um local, uma língua;<br />total: perda total das lembranças;<br /><ul><li>Pelo mecanismo:</li></ul>De fixação: por falta de reações lógicas, referenciais cronológicos e memorização;<br />De evocação ou psicógena: por inibição emocional da evocação;<br />Conservação: por extinção definitiva das lembranças antigas demais;<br />36<br />
  67. 67. <ul><li>Paramnésias: </li></ul>Déjà vu: a pessoa tem a sensação de que o que esta vendo, ouvindo, pensando ou vivenciando no momento já foi experimentado no passado.<br />Jamais vu: a pessoa, apesar de já ter passado por determinada experiência, tem a sensação de que nunca viu, ouviu, pensou ou viveu aquela situação.<br /><ul><li>Hipermnésia: capacidade aumentada de registrar e evocar os fatos.</li></ul>37<br />
  68. 68. Obrigado pela atenção!!!<br />38<br />
  69. 69. BIBLIOGRAFIA<br /><ul><li> www.entendendoaesquizofrenia.com.br
  70. 70. cid10.datasus.gov.br
  71. 71. adam.sertaoggi.com.br
  72. 72. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais 2°edição ed.2008 Paulo Dalgalarrondo</li></ul>39<br />

×