SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Tiques e…
Transtorno de Tique
 Transtorno de Tique Motor ou Vocal Persistente (F95.1)
 Apenas com tiques motores;
 Apenas com tiques vocais;
 Transtorno de Tique Transitório (F95.0)
 Tiques motores e/ou vocais, únicos ou múltiplos.
TIQUES
 Um tique é um movimento motor ou vocalização
repentino, rápido, recorrente e não ritmado, (DSM V);
 Podem ser definidos como movimentos, gestos ou
vocalizações que surgem de forma súbita, imitando uma
atividade normal e que se repetem de forma estereotipada.
São de curta duração e, às vezes, podem ocorrer agrupados.
TIQUES
São representados por atividades motoras repetitivas
(piscar os olhos, deslocamento rápido da cabeça ou dar de
ombros, franzir o nariz, entortar a boca, morder a bochecha,
morder objetos ou gola de camisa) ou emissões fônicas
pouco usuais (tosse seca, arrotos, pigarros, grunhidos, sons
nasais inspiratórios ou expiratórios, como se promovendo
“limpeza” nasal).
TIQUES
Tiques são vivenciados como
irresistíveis, mas podem ser
controlados durante períodos
variáveis de tempo; geralmente têm
curta duração e tendem a ocorrer em
ataques, com curtos intervalos.
Todas as formas de tiques podem ser
exacerbadas pelo estresse e
atenuadas por atividades que
demandam atenção (como leituras) e
são marcadamente diminuídas
durante o sono.
CLASSIFICAÇÃO
1 – MOTORES
 Caracterizado por contrações, abalos rápidos ou movimentos,
tais como, piscar de olhos ou abalos rápidos da cabeça de um
lado para o outro;
 Embora qualquer parte do corpo
possa estar afetada, as áreas mais
comuns são face, pescoço e
ombros;
 Durante semanas ou meses os
tiques motores aumentam ou
diminuem e os tiques antigos
podem ser substituídos por outros
totalmente novos.
CLASSIFICAÇÃO
1 – MOTORES
 SIMPLES: qualquer movimento rápido, breve e sem sentido
que ocorra em ataques como um excessivo piscar de olhos ou
olhar de soslaio (olhar de lado);
 COMPLEXOS: qualquer movimento rápido,
estereotipado (sempre feito da mesma maneira),
semi-intencional (o movimento pode parecer um
ato expressivo, porém, às vezes, pode não estar
relacionado com o que está ocorrendo no
momento, por exemplo: dar de ombros sem
contexto para isso), que envolve mais do que um
agrupamento muscular. Existe a possibilidade de
haver múltiplos movimentos, como caretas
juntamente com movimentos corporais e vocais.
CLASSIFICAÇÃO
2 – FÔNICOS
 Começam, geralmente, após o início dos tiques motores;
 São caracterizados por súbita emissão de sons, como pigarrear ou
fungar;
 Vários tiques ocorrem sem aviso prévio
e podem não ser percebidos pela pessoa que
os faz. Outros são precedidos por uma
sensação, desconforto ou incômodo, de
difícil descrição (como um formigamento);
 Alguns podem ser complexos, tais como
a emissão de obscenidades (coprolalia) ou a
repetição do que outra pessoa disse
(ecolalia).
CLASSIFICAÇÃO
2 – FÔNICOS
 TIQUES VOCAIS SIMPLES: sons e ruídos sem significados.
 TIQUES VOCAIS COMPLEXOS: emissão de palavras ou
frases, repetitivas, sem sentido ou de afirmações que estão fora de
contexto, sendo que a recorrência pode ser voluntariamente
suprimida apenas por curtos períodos de tempo.
CAUSAS
 Os tiques são transtornos geralmente temporários, associados à
distúrbios emocionais provenientes de dificuldades na vida
familiar, escolar ou no desempenho profissional, em que a auto-
estima, frequentemente, está comprometida;
 Tiques como reflexo de defesa:
Tiveram origem como reflexos de defesa e,
depois permaneceram como hábitos. Tiques
de esfregar os olhos, podem ter começado
como movimentos úteis, surgidos quando a
criança sofreu uma irritação ocular
(conjuntivite) e que permaneceu após a
cura. Tiques de fungar e esfregar o nariz,
podem ter começado quando a criança
esteve muito resfriada.
CAUSAS
 Tiques por Imitação: Outros tiques aparecem por
imitação consciente do comportamento de outras crianças e,
depois, permanecem por muito tempo, mesmo quando não há
mais lembrança de como começou.
CAUSAS
 Tiques psicogênicos: Tanto em adultos, como em crianças
os tiques podem resultar do recalcamento de manifestações
agressivas e sexuais. Sendo formas substitutivas desses
impulsos. Em outros casos, os tiques podem servir para
chamar atenção dos adultos sobre a criança que os pratica.
Sucção do Polegar
 O uso de chupetas ou a sucção do polegar
podem ser referentes a sensação de prazer que a
criança quer continuar a sentir, depois de sugar o
seio materno ou o bico da mamadeira;
 A sucção dos dedos ocorre também
quando há insuficiência alimentar; ela
indica que a criança está subalimentada e
a dieta precisa ser reajustada;
 É mais frequente nos 6 primeiros anos
de vida;
 A sucção é um sintoma de privação de
qualquer espécie, afetiva ou material.
Roer Unhas (Onicofagia)
 É frequente entre as crianças e pode
persistir por toda a vida;
 Há também formas mais simples, podendo ser um hábito
adquirido na escola, por imitação ou ligada a causas afetivas;
 As formas de onicofagia são
numerosas. Algumas podem ser
patológicas, podendo aparecer entre
outros sintomas de doenças mentais;
 Em alguns casos a apresentação desse
tique é passageira, em outros, pode
desaparecer, porém aparecer novamente,
quando a pessoa tiver que enfrentar
situações difíceis;
Roer Unhas (Onicofagia)
 Geralmente aparece por volta dos 4 anos
de idade, mantendo-se até a puberdade,
quando tende a desaparecer. Pode ser
considerada como uma continuação da
sucção do polegar.
CORREÇÃO
 Atualmente é muito mais indicado o uso da indiferença;
 Toda repressão do tique está fadada ao fracasso e serve apenas
para agravar o problema;
 Não tentar corrigir a criança, com ameaças e proibições. Isso
só aumentará o sentimento de culpa e angústia;
 Não chamar atenção da criança para o tique. Fingir ignorar os
tiques. Muitas vezes as crianças usam os tiques para chamar
atenção dos adultos;
 Para corrigí-los, deve-se começar descobrindo suas causas,
investigando cuidadosamente se resulta de causas orgânicas,
psíquicas ou ambientais; ou ainda, se é sintoma de alguma doença
mental ou um reflexo de defesa que virou hábito.
Transtorno de Tique
 Código: F95.2 (DSM V)
A Síndrome de Tourette (ST) é um transtorno
neuropsiquiátrico caracterizado pela presença de tiques motores e
vocais, tendo sua idade de início geralmente na infância ou antes
dos 18 anos, que causam limitação significativa ao
funcionamento social ou ocupacional do paciente. No início
apresenta crises passageiras de tiques motores simples como, por
exemplo, piscar os olhos. À medida que a síndrome se
desenvolve, instalam-se tiques motores complexos e,
posteriormente, tiques fônicos simples ou complexos, como
grunhidos, pigarros e expressões silábicas, entre outros.
Transtorno de Tourette
Transtorno de Tique
Critérios Diagnósticos – TRANSTORNO DE TOURETTE
A. Múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais estiveram
presentes em algum momento durante o quadro, embora não
necessariamente ao mesmo tempo;
B. Os tiques podem aumentar e diminuir em frequência, mas
persistiram por mais de um ano desde o início do primeiro
tique;
C. O início ocorre antes dos 18 anos de idade;
D. A perturbação não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma
substância (p. ex., cocaína) ou a outra condição médica (p. ex.,
doença de Huntington, encefalite pós-viral).
PREVALÊNCIA
 Tiques são comuns na infância, embora transitórios na maioria
dos casos;
 A prevalência estimada de transtorno de Tourette varia de 3 a 8
a cada 1.000 crianças em idade escolar;
 O sexo masculino costuma ser
mais afetado do que o feminino, com
a proporção variando de 2:1 a 4:1;
 Um levantamento nacional norte-americano estimou como
sendo 3 por 1.000 a prevalência de casos clinicamente
identificados. A frequência de casos identificados foi mais baixa
entre afro-americanos e hispano-americanos, o que pode ter
relação com diferenças no acesso a atendimento.
Fatores de Risco e Prognóstico
 TEMPERAMENTAIS: Os tiques pioram com ansiedade,
excitação e exaustão, melhorando durante atividades calmas e
focadas. Os indivíduos podem ter menos tiques quando envolvidos
em trabalhos escolares ou tarefas profissionais do que quando
relaxando em casa após a escola ou ao anoitecer. Eventos
estressantes/estimulantes (p. ex., fazer um teste, participar de
atividades excitantes) costumam piorar os tiques.
Fatores de Risco e Prognóstico
 AMBIENTAIS: Observar
um gesto ou som em outra
pessoa pode fazer um indivíduo
com transtorno de tique realizar
um gesto ou som similar, o que
pode ser percebido,
incorretamente, por outros
como algo proposital. Isso pode
ser um problema particular
quando o indivíduo está
interagindo com figuras de
autoridade (p. ex., professores,
supervisores, policiais).
Fatores de Risco e Prognóstico
 GENÉTICOS E FISIOLÓGICOS:
Fatores genéticos e ambientais
influenciam a expressão e a gravidade dos
sintomas de tique. Variantes genéticas
raras em famílias com transtornos de tique
foram identificados. Complicações
obstétricas, idade paterna avançada, baixo
peso ao nascer e tabagismo materno
durante a gestação estão associados a
piora da gravidade dos tiques.
Consequências Funcionais
 Muitos indivíduos com tiques de gravidade leve a moderada
não vivenciam sofrimento ou prejuízo no funcionamento e podem,
inclusive, não perceber seus tiques;
 Indivíduos com sintomas mais graves geralmente têm mais
prejuízos na vida diária, mas mesmo aqueles com transtornos de
tique moderados ou até graves podem funcionar bem.
Consequências Funcionais
 De modo menos comum, os tiques
perturbam o funcionamento nas atividades
diárias e resultam em isolamento social,
conflitos interpessoais, vitimização pelos
pares, incapacidade para o trabalho ou escola
e baixa qualidade de vida;
 O indivíduo pode, ainda, ter sofrimento psicológico substancial;
 Complicações raras do transtorno de Tourette incluem lesão
física, como lesões nos olhos (decorrentes de golpear o próprio
rosto), e lesões ortopédicas e neurológicas (p. ex., doença
envolvendo discos vertebrais relacionada a movimentos forçados
de cabeça e pescoço).
Comorbidade
 Muitas condições médicas e psiquiátricas foram descritas como
comórbidas com transtornos de tique;
 TDAH e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) são
particularmente comuns;
 Os sintomas obsessivo-
compulsivos observados no
transtorno de tique tendem a ser
caracterizados por sintomas de
simetria e ordem mais agressivos;
Comorbidade
TOC - Compulsões: Atos (lavar as mãos, organizar,
verificar) ou rituais mentais (orar, contar ou repetir palavras em
silêncio) realizados geralmente em resposta a uma obsessão, para
prevenir alguma situação temida. Entretanto, esses
comportamentos ou atos mentais não têm uma conexão realista
com o que visam neutralizar ou evitar ou são claramente
excessivos.
Comorbidade
 Crianças com TDAH podem demonstrar comportamento
disruptivo, imaturidade social e dificuldades de aprendizagem
capazes de interferir no progresso acadêmico e nas relações
interpessoais, levando a prejuízo maior do que o causado por um
transtorno de tique;
 Indivíduos com transtornos de tique podem, ainda, ter outros
distúrbios do movimento e transtornos mentais, como transtornos
depressivo, bipolar ou por uso de substância.
Comorbidade
 Labilidade Emocional,
Impulsividade e Agressividade:
Alguns pacientes ST têm significantes
problemas com labilidade emocional,
impulsividade e agressão dirigida a
outros. Atos como gritar, socar paredes,
ameaçar outras pessoas, bater, morder e
chutar, são comuns a tais pacientes;
 Alterações do Sono: Sonambulismo,
insônia e outros transtornos dos
mecanismos do sono já foram relatados
em uma proporção substancial de
pacientes com ST.
Comorbidade
 Problemas de Aprendizagem: Dificuldades do aprendizado
estão presentes em 36% das crianças e adolescentes com a ST,
incluindo dificuldades na leitura, matemática e grafismo. Parte
destas dificuldades pode estar relacionada à sintomatologia da ST,
como por exemplo, o fato dos tiques afetarem a dinâmica da sala
de aula, participação em discussões ou mesmo o grafismo.
CAUSAS
 Neuroquímica: A mais intensiva pesquisa
em relação à etiologia, esteve focalizada nas
alterações neuroquímicas do cérebro
(dopamina, serotonina, gaba, etc.);
 Genéticos: Hereditariedade;
Fatores não Genéticos: Os fatores não
genéticos que têm sido implicados incluem
processos estressantes ou eventos durante o
período pré-natal ou perinatal, ou fetos
expostos à drogas ou outras toxinas.
TRATAMENTO
 A forma de tratamento dependerá do grau de interferência que
o tique ou a ST está exercendo no desenvolvimento normal da
criança, ou da habilidade do paciente adulto em funcionar
produtivamente. Ao se tratar uma criança, a ênfase primária deve
ser de ajudá-la a desenvolver normalmente as tarefas para ela se
sentir competente na escola, desenvolver amizades, confiar em si
mesma, em seus pais e aproveitar as aventuras da vida.
TRATAMENTO
 TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO: (casos mais
leves)
 Psicoeducação;
 TCC (Individual e familiar).
 FARMACOLÓGICOS:
 Quando há muita interferência na rotina do indivíduo;
 Melhora em 80% dos casos de Sd. Tourette.
TRATAMENTO
 Neurologista: que consegue o controle dos sintomas em 80%
dos casos, utilizando haloperidol isolado ou associado com
pimozida;
 Psicologia para orientação familiar. A orientação psicológica
busca transformar a impressão familiar de que a presença dos
tiques seja voluntária e com intenção provocativa. Visa, ainda,
confortar a família com a possibilidade dos transtornos não serem
rigidamente progressivos e que, normalmente tendem a melhorar
na idade adulta;
 Fonoaudiologia: para o acompanhamento do desenvolvimento
escolar que costuma ser abaixo do esperado frente a desatenção e
dificuldade específica no aprendizado de leitura e escrita;
A ESCOLA
 Os professores devem ser orientados para agir com maior
compreensão e moderação frente aos episódios de tiques que
podem ter características de alta impetuosidade e agressividade
(física e/ou vocal). Por ocasião das provas, devido ao estresse e
consequente acentuação dos tiques, permitir sua realização em
ambiente isolado dos outros alunos ou priorizar as provas orais. Os
colegas de classe devem receber orientação especial para evitar
caçoar da criança;
 A escola estará auxiliando muito a
combater os tiques proporcionando à
criança jogos, esportes e outras atividades
motoras agradáveis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeCaio Maximino
 
Síndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoSíndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoFisioterapeuta
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemMaristela Couto
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoNilson Dias Castelano
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoPatricia Nunes
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaRosângela Gonçalves
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoalpisveredas
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaClaudia Paola Aguilar
 
DISTURBIOS DO SONO
DISTURBIOS DO SONODISTURBIOS DO SONO
DISTURBIOS DO SONOartemiselima
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de CondutaCassia Dias
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lMarcelo Borges
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Psicoses
PsicosesPsicoses
Psicoses
 
Síndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoSíndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - Revisão
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na Escola
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e Adolescência
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
 
DISTURBIOS DO SONO
DISTURBIOS DO SONODISTURBIOS DO SONO
DISTURBIOS DO SONO
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-lroteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
roteiro-de-entrevista-anamnese-para-avaliacao-psicologica-l
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 

Destaque

Sindrome de Tourette
Sindrome de TouretteSindrome de Tourette
Sindrome de TouretteHerch
 
Sindrome de tourette simone helen drumond
Sindrome de tourette simone helen drumondSindrome de tourette simone helen drumond
Sindrome de tourette simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Síndrome de Tourette
Síndrome de TouretteSíndrome de Tourette
Síndrome de Tourettecarolina4008
 
Sindrome de tourette . p p t
Sindrome de tourette . p p tSindrome de tourette . p p t
Sindrome de tourette . p p tSamuel Medina
 
Síndrome de tourette pp
Síndrome de tourette ppSíndrome de tourette pp
Síndrome de tourette ppRedxx1
 

Destaque (7)

Sindrome de Tourette
Sindrome de TouretteSindrome de Tourette
Sindrome de Tourette
 
Síndrome de Tourette
Síndrome de TouretteSíndrome de Tourette
Síndrome de Tourette
 
Sindrome de tourette simone helen drumond
Sindrome de tourette simone helen drumondSindrome de tourette simone helen drumond
Sindrome de tourette simone helen drumond
 
El gusto
El gustoEl gusto
El gusto
 
Síndrome de Tourette
Síndrome de TouretteSíndrome de Tourette
Síndrome de Tourette
 
Sindrome de tourette . p p t
Sindrome de tourette . p p tSindrome de tourette . p p t
Sindrome de tourette . p p t
 
Síndrome de tourette pp
Síndrome de tourette ppSíndrome de tourette pp
Síndrome de tourette pp
 

Semelhante a Tiques e Síndrome de Tourette

Semelhante a Tiques e Síndrome de Tourette (20)

Tiques
TiquesTiques
Tiques
 
Autismo 1º encontro
Autismo 1º encontroAutismo 1º encontro
Autismo 1º encontro
 
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdfdiferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
 
Bate-papo LIPSAM - Síndrome de Tourette
Bate-papo LIPSAM - Síndrome de TouretteBate-papo LIPSAM - Síndrome de Tourette
Bate-papo LIPSAM - Síndrome de Tourette
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
 
04 cartilha abda
04 cartilha abda04 cartilha abda
04 cartilha abda
 
Cartilha ABDA sobre TDAH
Cartilha ABDA sobre TDAHCartilha ABDA sobre TDAH
Cartilha ABDA sobre TDAH
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
 
Alteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicasAlteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicas
 
Sensorimonitor ocd slide
Sensorimonitor ocd slideSensorimonitor ocd slide
Sensorimonitor ocd slide
 
Indicações para exclusão de crianças com doenças infetocontagiosas das c...
Indicações para exclusão de crianças com doenças infetocontagiosas das c...Indicações para exclusão de crianças com doenças infetocontagiosas das c...
Indicações para exclusão de crianças com doenças infetocontagiosas das c...
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
 
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTILGRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
 
Toc2
Toc2Toc2
Toc2
 
Toc neurofisiologia
Toc   neurofisiologiaToc   neurofisiologia
Toc neurofisiologia
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 

Mais de Cassia Dias

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalCassia Dias
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaCassia Dias
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da FalaCassia Dias
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoCassia Dias
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemCassia Dias
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorCassia Dias
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIACassia Dias
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasCassia Dias
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaCassia Dias
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Cassia Dias
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCassia Dias
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalCassia Dias
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia VisualCassia Dias
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemCassia Dias
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoCassia Dias
 

Mais de Cassia Dias (18)

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da Aprendizagem
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
 

Último

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Tiques e Síndrome de Tourette

  • 2. Transtorno de Tique  Transtorno de Tique Motor ou Vocal Persistente (F95.1)  Apenas com tiques motores;  Apenas com tiques vocais;  Transtorno de Tique Transitório (F95.0)  Tiques motores e/ou vocais, únicos ou múltiplos.
  • 3. TIQUES  Um tique é um movimento motor ou vocalização repentino, rápido, recorrente e não ritmado, (DSM V);  Podem ser definidos como movimentos, gestos ou vocalizações que surgem de forma súbita, imitando uma atividade normal e que se repetem de forma estereotipada. São de curta duração e, às vezes, podem ocorrer agrupados.
  • 4. TIQUES São representados por atividades motoras repetitivas (piscar os olhos, deslocamento rápido da cabeça ou dar de ombros, franzir o nariz, entortar a boca, morder a bochecha, morder objetos ou gola de camisa) ou emissões fônicas pouco usuais (tosse seca, arrotos, pigarros, grunhidos, sons nasais inspiratórios ou expiratórios, como se promovendo “limpeza” nasal).
  • 5. TIQUES Tiques são vivenciados como irresistíveis, mas podem ser controlados durante períodos variáveis de tempo; geralmente têm curta duração e tendem a ocorrer em ataques, com curtos intervalos. Todas as formas de tiques podem ser exacerbadas pelo estresse e atenuadas por atividades que demandam atenção (como leituras) e são marcadamente diminuídas durante o sono.
  • 6. CLASSIFICAÇÃO 1 – MOTORES  Caracterizado por contrações, abalos rápidos ou movimentos, tais como, piscar de olhos ou abalos rápidos da cabeça de um lado para o outro;  Embora qualquer parte do corpo possa estar afetada, as áreas mais comuns são face, pescoço e ombros;  Durante semanas ou meses os tiques motores aumentam ou diminuem e os tiques antigos podem ser substituídos por outros totalmente novos.
  • 7. CLASSIFICAÇÃO 1 – MOTORES  SIMPLES: qualquer movimento rápido, breve e sem sentido que ocorra em ataques como um excessivo piscar de olhos ou olhar de soslaio (olhar de lado);  COMPLEXOS: qualquer movimento rápido, estereotipado (sempre feito da mesma maneira), semi-intencional (o movimento pode parecer um ato expressivo, porém, às vezes, pode não estar relacionado com o que está ocorrendo no momento, por exemplo: dar de ombros sem contexto para isso), que envolve mais do que um agrupamento muscular. Existe a possibilidade de haver múltiplos movimentos, como caretas juntamente com movimentos corporais e vocais.
  • 8. CLASSIFICAÇÃO 2 – FÔNICOS  Começam, geralmente, após o início dos tiques motores;  São caracterizados por súbita emissão de sons, como pigarrear ou fungar;  Vários tiques ocorrem sem aviso prévio e podem não ser percebidos pela pessoa que os faz. Outros são precedidos por uma sensação, desconforto ou incômodo, de difícil descrição (como um formigamento);  Alguns podem ser complexos, tais como a emissão de obscenidades (coprolalia) ou a repetição do que outra pessoa disse (ecolalia).
  • 9. CLASSIFICAÇÃO 2 – FÔNICOS  TIQUES VOCAIS SIMPLES: sons e ruídos sem significados.  TIQUES VOCAIS COMPLEXOS: emissão de palavras ou frases, repetitivas, sem sentido ou de afirmações que estão fora de contexto, sendo que a recorrência pode ser voluntariamente suprimida apenas por curtos períodos de tempo.
  • 10. CAUSAS  Os tiques são transtornos geralmente temporários, associados à distúrbios emocionais provenientes de dificuldades na vida familiar, escolar ou no desempenho profissional, em que a auto- estima, frequentemente, está comprometida;  Tiques como reflexo de defesa: Tiveram origem como reflexos de defesa e, depois permaneceram como hábitos. Tiques de esfregar os olhos, podem ter começado como movimentos úteis, surgidos quando a criança sofreu uma irritação ocular (conjuntivite) e que permaneceu após a cura. Tiques de fungar e esfregar o nariz, podem ter começado quando a criança esteve muito resfriada.
  • 11. CAUSAS  Tiques por Imitação: Outros tiques aparecem por imitação consciente do comportamento de outras crianças e, depois, permanecem por muito tempo, mesmo quando não há mais lembrança de como começou.
  • 12. CAUSAS  Tiques psicogênicos: Tanto em adultos, como em crianças os tiques podem resultar do recalcamento de manifestações agressivas e sexuais. Sendo formas substitutivas desses impulsos. Em outros casos, os tiques podem servir para chamar atenção dos adultos sobre a criança que os pratica.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Sucção do Polegar  O uso de chupetas ou a sucção do polegar podem ser referentes a sensação de prazer que a criança quer continuar a sentir, depois de sugar o seio materno ou o bico da mamadeira;  A sucção dos dedos ocorre também quando há insuficiência alimentar; ela indica que a criança está subalimentada e a dieta precisa ser reajustada;  É mais frequente nos 6 primeiros anos de vida;  A sucção é um sintoma de privação de qualquer espécie, afetiva ou material.
  • 16. Roer Unhas (Onicofagia)  É frequente entre as crianças e pode persistir por toda a vida;  Há também formas mais simples, podendo ser um hábito adquirido na escola, por imitação ou ligada a causas afetivas;  As formas de onicofagia são numerosas. Algumas podem ser patológicas, podendo aparecer entre outros sintomas de doenças mentais;
  • 17.  Em alguns casos a apresentação desse tique é passageira, em outros, pode desaparecer, porém aparecer novamente, quando a pessoa tiver que enfrentar situações difíceis; Roer Unhas (Onicofagia)  Geralmente aparece por volta dos 4 anos de idade, mantendo-se até a puberdade, quando tende a desaparecer. Pode ser considerada como uma continuação da sucção do polegar.
  • 18.
  • 19. CORREÇÃO  Atualmente é muito mais indicado o uso da indiferença;  Toda repressão do tique está fadada ao fracasso e serve apenas para agravar o problema;  Não tentar corrigir a criança, com ameaças e proibições. Isso só aumentará o sentimento de culpa e angústia;  Não chamar atenção da criança para o tique. Fingir ignorar os tiques. Muitas vezes as crianças usam os tiques para chamar atenção dos adultos;  Para corrigí-los, deve-se começar descobrindo suas causas, investigando cuidadosamente se resulta de causas orgânicas, psíquicas ou ambientais; ou ainda, se é sintoma de alguma doença mental ou um reflexo de defesa que virou hábito.
  • 20. Transtorno de Tique  Código: F95.2 (DSM V)
  • 21. A Síndrome de Tourette (ST) é um transtorno neuropsiquiátrico caracterizado pela presença de tiques motores e vocais, tendo sua idade de início geralmente na infância ou antes dos 18 anos, que causam limitação significativa ao funcionamento social ou ocupacional do paciente. No início apresenta crises passageiras de tiques motores simples como, por exemplo, piscar os olhos. À medida que a síndrome se desenvolve, instalam-se tiques motores complexos e, posteriormente, tiques fônicos simples ou complexos, como grunhidos, pigarros e expressões silábicas, entre outros. Transtorno de Tourette
  • 22.
  • 23. Transtorno de Tique Critérios Diagnósticos – TRANSTORNO DE TOURETTE A. Múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais estiveram presentes em algum momento durante o quadro, embora não necessariamente ao mesmo tempo; B. Os tiques podem aumentar e diminuir em frequência, mas persistiram por mais de um ano desde o início do primeiro tique; C. O início ocorre antes dos 18 anos de idade; D. A perturbação não é atribuível aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., cocaína) ou a outra condição médica (p. ex., doença de Huntington, encefalite pós-viral).
  • 24. PREVALÊNCIA  Tiques são comuns na infância, embora transitórios na maioria dos casos;  A prevalência estimada de transtorno de Tourette varia de 3 a 8 a cada 1.000 crianças em idade escolar;  O sexo masculino costuma ser mais afetado do que o feminino, com a proporção variando de 2:1 a 4:1;  Um levantamento nacional norte-americano estimou como sendo 3 por 1.000 a prevalência de casos clinicamente identificados. A frequência de casos identificados foi mais baixa entre afro-americanos e hispano-americanos, o que pode ter relação com diferenças no acesso a atendimento.
  • 25. Fatores de Risco e Prognóstico  TEMPERAMENTAIS: Os tiques pioram com ansiedade, excitação e exaustão, melhorando durante atividades calmas e focadas. Os indivíduos podem ter menos tiques quando envolvidos em trabalhos escolares ou tarefas profissionais do que quando relaxando em casa após a escola ou ao anoitecer. Eventos estressantes/estimulantes (p. ex., fazer um teste, participar de atividades excitantes) costumam piorar os tiques.
  • 26. Fatores de Risco e Prognóstico  AMBIENTAIS: Observar um gesto ou som em outra pessoa pode fazer um indivíduo com transtorno de tique realizar um gesto ou som similar, o que pode ser percebido, incorretamente, por outros como algo proposital. Isso pode ser um problema particular quando o indivíduo está interagindo com figuras de autoridade (p. ex., professores, supervisores, policiais).
  • 27. Fatores de Risco e Prognóstico  GENÉTICOS E FISIOLÓGICOS: Fatores genéticos e ambientais influenciam a expressão e a gravidade dos sintomas de tique. Variantes genéticas raras em famílias com transtornos de tique foram identificados. Complicações obstétricas, idade paterna avançada, baixo peso ao nascer e tabagismo materno durante a gestação estão associados a piora da gravidade dos tiques.
  • 28. Consequências Funcionais  Muitos indivíduos com tiques de gravidade leve a moderada não vivenciam sofrimento ou prejuízo no funcionamento e podem, inclusive, não perceber seus tiques;  Indivíduos com sintomas mais graves geralmente têm mais prejuízos na vida diária, mas mesmo aqueles com transtornos de tique moderados ou até graves podem funcionar bem.
  • 29. Consequências Funcionais  De modo menos comum, os tiques perturbam o funcionamento nas atividades diárias e resultam em isolamento social, conflitos interpessoais, vitimização pelos pares, incapacidade para o trabalho ou escola e baixa qualidade de vida;  O indivíduo pode, ainda, ter sofrimento psicológico substancial;  Complicações raras do transtorno de Tourette incluem lesão física, como lesões nos olhos (decorrentes de golpear o próprio rosto), e lesões ortopédicas e neurológicas (p. ex., doença envolvendo discos vertebrais relacionada a movimentos forçados de cabeça e pescoço).
  • 30. Comorbidade  Muitas condições médicas e psiquiátricas foram descritas como comórbidas com transtornos de tique;  TDAH e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) são particularmente comuns;  Os sintomas obsessivo- compulsivos observados no transtorno de tique tendem a ser caracterizados por sintomas de simetria e ordem mais agressivos;
  • 31. Comorbidade TOC - Compulsões: Atos (lavar as mãos, organizar, verificar) ou rituais mentais (orar, contar ou repetir palavras em silêncio) realizados geralmente em resposta a uma obsessão, para prevenir alguma situação temida. Entretanto, esses comportamentos ou atos mentais não têm uma conexão realista com o que visam neutralizar ou evitar ou são claramente excessivos.
  • 32. Comorbidade  Crianças com TDAH podem demonstrar comportamento disruptivo, imaturidade social e dificuldades de aprendizagem capazes de interferir no progresso acadêmico e nas relações interpessoais, levando a prejuízo maior do que o causado por um transtorno de tique;  Indivíduos com transtornos de tique podem, ainda, ter outros distúrbios do movimento e transtornos mentais, como transtornos depressivo, bipolar ou por uso de substância.
  • 33. Comorbidade  Labilidade Emocional, Impulsividade e Agressividade: Alguns pacientes ST têm significantes problemas com labilidade emocional, impulsividade e agressão dirigida a outros. Atos como gritar, socar paredes, ameaçar outras pessoas, bater, morder e chutar, são comuns a tais pacientes;  Alterações do Sono: Sonambulismo, insônia e outros transtornos dos mecanismos do sono já foram relatados em uma proporção substancial de pacientes com ST.
  • 34. Comorbidade  Problemas de Aprendizagem: Dificuldades do aprendizado estão presentes em 36% das crianças e adolescentes com a ST, incluindo dificuldades na leitura, matemática e grafismo. Parte destas dificuldades pode estar relacionada à sintomatologia da ST, como por exemplo, o fato dos tiques afetarem a dinâmica da sala de aula, participação em discussões ou mesmo o grafismo.
  • 35. CAUSAS  Neuroquímica: A mais intensiva pesquisa em relação à etiologia, esteve focalizada nas alterações neuroquímicas do cérebro (dopamina, serotonina, gaba, etc.);  Genéticos: Hereditariedade; Fatores não Genéticos: Os fatores não genéticos que têm sido implicados incluem processos estressantes ou eventos durante o período pré-natal ou perinatal, ou fetos expostos à drogas ou outras toxinas.
  • 36. TRATAMENTO  A forma de tratamento dependerá do grau de interferência que o tique ou a ST está exercendo no desenvolvimento normal da criança, ou da habilidade do paciente adulto em funcionar produtivamente. Ao se tratar uma criança, a ênfase primária deve ser de ajudá-la a desenvolver normalmente as tarefas para ela se sentir competente na escola, desenvolver amizades, confiar em si mesma, em seus pais e aproveitar as aventuras da vida.
  • 37. TRATAMENTO  TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO: (casos mais leves)  Psicoeducação;  TCC (Individual e familiar).  FARMACOLÓGICOS:  Quando há muita interferência na rotina do indivíduo;  Melhora em 80% dos casos de Sd. Tourette.
  • 38. TRATAMENTO  Neurologista: que consegue o controle dos sintomas em 80% dos casos, utilizando haloperidol isolado ou associado com pimozida;  Psicologia para orientação familiar. A orientação psicológica busca transformar a impressão familiar de que a presença dos tiques seja voluntária e com intenção provocativa. Visa, ainda, confortar a família com a possibilidade dos transtornos não serem rigidamente progressivos e que, normalmente tendem a melhorar na idade adulta;  Fonoaudiologia: para o acompanhamento do desenvolvimento escolar que costuma ser abaixo do esperado frente a desatenção e dificuldade específica no aprendizado de leitura e escrita;
  • 39. A ESCOLA  Os professores devem ser orientados para agir com maior compreensão e moderação frente aos episódios de tiques que podem ter características de alta impetuosidade e agressividade (física e/ou vocal). Por ocasião das provas, devido ao estresse e consequente acentuação dos tiques, permitir sua realização em ambiente isolado dos outros alunos ou priorizar as provas orais. Os colegas de classe devem receber orientação especial para evitar caçoar da criança;  A escola estará auxiliando muito a combater os tiques proporcionando à criança jogos, esportes e outras atividades motoras agradáveis.