A escola

844 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
844
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A escola

  1. 1.  Uma das mais importantes instituições sociais;  Permite que a criança humanize- se, socialize-se, eduque-se;  Mediação entre o Indivíduo e a Sociedade;  Transmissão de cultura, modelos sociais de comportamento, valores morais;  Aumento de autonomia e pertencimento ao grupo social;
  2. 2. A escola não existiu sempre: ela é uma criação social do homem. Acompanhava-se os adultos em suas atividades e, com o passar do tempo, interiorizavam valores morais e comportamentais socialmente desejados. Não havia uma instituição especializada nessa tarefa. O meio social, era o contexto educativo. Todos os adultos ensinavam. Aprendia-se fazendo.
  3. 3. A partir da Idade Média a educação tornou-se produto da escola. Era destinada à elite. Serviu aos nobres e depois à burguesia. A cultura da aristocracia e os conhecimentos religiosos eram o material básico a ser transmitido.
  4. 4. Com as revoluções do século 19 e 20 a escola passou por transformações. A industrialização deslocou o local do trabalho da casa para a fábrica, transformando, os espaços das casas e das cidades.
  5. 5.  A família não pôde mais, sozinha, preparar seus filhos para o trabalho e para a vida social. A escola tornava-se assim uma instituição especializada;  A Revolução Industrial sofisticou o trabalho com a implantação das máquinas, exigindo do trabalhador o aprendizado da tecnologia, levando novas funções para a escola;
  6. 6. As classes trabalhadoras, passaram a exigir o direito de ter seus filhos na escola. A escola pressionada abriu suas portas para atender outras camadas sociais que não somente a burguesia e a aristocracia. A escola universalizava-se.
  7. 7.  Aspectos Teóricos: Concepções Pedagógicas;  Aspectos Práticos: Realidade Cotidiana;
  8. 8.  A escola como instituição fechada, destinada a proteger a criança da sociedade;  Substitui-se a realidade social pela realidade da educação;  Ensino de Conhecimento distante da realidade social;  As regras são tomadas como absolutas e naturais;  A autoridade na escola é inquestionável;  A vida de cada um (ilusoriamente) fica do lado de fora da escola;
  9. 9.  As notas de aproveitamento são tomadas como resultantes apenas do trabalho realizado na escola e pela escola;  O esforço pessoal torna-se fator decisivo do sucesso ou fracasso escolar;  Responsabiliza-se os pais pelo insucesso do filho;  O fracasso é explicado pela falta de empenho e esforço;  A escola sai ilesa de avaliações negativas;
  10. 10.  A escola reproduz os valores sociais, os modelos de comportamento, os ideais da sociedade, etc.;  Universaliza-se o saber;  Quando o ensino é feito sem explicar de que formam integram a realidade, dificulta o surgimento dos questionamentos;  Homem passivo perante o seu meio social, pois não sabe aplicar os conhecimentos aprendidos na escola;
  11. 11.  Ensina as respostas aos alunos sem que eles tenham feito as perguntas;  Estimula as perguntas e menospreza a importância de se obter respostas;  Saber é perguntas. Saber é conhecer respostas. A escola precisa articular adequadamente estas duas atividades;
  12. 12.  Prepara o indivíduo no que ele tem de bom, para após certo tempo, entregá-lo à sociedade a fim de transformá- la na direção do que é naturalmente bom nos homens;  Necessidade de prender-se a realidade e de sermos críticos e inovadores;  Conhecer a sociedade, seus modelos e valores, que respondem às necessidades do momento histórico, que variam no tempo e nos grupos sociais, é tarefa da escola que se pretende crítica  A vida escolar deve estar articulada com a vida social;
  13. 13.  A escola surgiu para responder a necessidades sociais de preparo do indivíduo para a vida pública;  A família ficou apenas com a formação moral de seus filhos;  Hoje a escola ensina técnicas, valores e ideais, ou seja, vem substituindo as famílias na orientação para a vida sexual, profissional, enfim, para a vida como um todo.;
  14. 14. A Escola está preparada para essa tarefa? Os professores dispõem de métodos e técnicas para cumprir tal função?
  15. 15. É preciso compreender melhor o fenômeno que está mudando a escola para que possamos realizar o trabalho escolar conscientes das novas tarefas que nos são colocadas.
  16. 16.  A forma de significar é importante para entendermos a relação que se estabelece entre professores e alunos.;  Alunos podem ser vistos como receptáculos, onde o conhecimento deve ser depositado;  Professores podem ser vistos como adultos autoritários que impõem atividades e conteúdos sem importância ou valor;
  17. 17. O vínculo professor- aluno é o sustentáculo da vida escolar. Tal vínculo deve se estabelecer de forma a viabilizar todo o trabalho de ensino-aprendizagem. Precisamos ter professores preparados, que estabeleçam uma parceria com seus alunos.
  18. 18.  Muitas vezes o aluno é visto como alguém que tem pouco a contribuir no processo educacional, devendo acompanhar, em silêncio e atento, o que o professor ensina;  Como a geração moderna poderá ficar tão parada por tanto tempo? Um mundo de silêncio e imobilidade tem caracterizado a escola.
  19. 19.  As regras morais são rigidamente cobradas. Ao aluno cabe escutar, obedecer, acreditar e submeter-se. Ao professor cabe saber, ordenar, decidir, punir. Ambos estão destinados a papéis rigorosamente definidos;  As regras não podem ser ensinadas como verdades absolutas, mas como “acordos sociais;
  20. 20.  A escola tem sido uma continuidade da vida das crianças das classes média e alta de nossa sociedade;  No entanto, para crianças e jovens que têm o mundo do trabalho como seu espaço cotidiano, a escola é uma quebra;
  21. 21.  A maior parte das crianças pobres são evadidas da escola. Uma sequencia de dificuldades, fracassos, desinteresses dos professores, desencorajamento afastam-nas da escola;  Um mundo que fala de coisas estranhas, em linguagem estranha, comandado por adultos estranhos;
  22. 22. As crianças não chegam às escolas em pé de igualdade. Os programas universais, com o discurso da busca de igualdade, colaboram para a manutenção das desigualdades;
  23. 23.  Ignorar as diferenças é trabalhar para aprofundá-las;  Exige-se os mesmos produtos, avalia-se da mesma forma, ensinam da mesma maneira crianças que têm vidas muito diferentes;
  24. 24. Mas, se a ESCOLA é tão ruim assim, por que mantê-la?
  25. 25.  A escola constitui um importante local de troca, de obtenção de informação e de aprendizado;  É na escola que formulamos grande parte das respostas e das perguntas necessárias a compreensão de nossas vidas, de nossa sociedade e de nosso cotidiano;  Na escola podemos aprender que nem todas as pessoas pensam e agem da mesma forma e que essa diferença deve ser valorizada por todos nós;
  26. 26.  Precisamos da escola, pois ela faz a mediação entre as crianças e os modelos sociais;  A simples imersão da criança e do jovem no meio social não lhes garantirá um aprendizado crítico dos modelos sociais;  A escola torna-se então, um fator de mudança, de movimento, de transformação. Ela pode assumir este papel;
  27. 27.  A escola precisa ser articulada com a vida;  O conhecimento deve ser sempre renovado e reconstruído;  Perceber as regras como forma de melhorar a convivência. Elas são necessárias;  Alunos e professores devem ser parceiros no diálogo;  Escola para quê?  Todo o trabalho da escola está e deve ser voltado para a realidade.

×