SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Toda aprendizagem
resulta em alguma mudança
ocorrida no comportamento
daquele que aprende.
Observa-se mudanças nas
maneiras de agir, de fazer
coisas, de pensar em
relação às coisas e às
pessoas e de gostar, ou não
gostar, de sentir-se atraído
ou retraído.
 Os produtos da aprendizagem são agrupados em
automatismos (predominam os elementos motores), elementos
cognitivos (ideativos) e elementos afetivos (apreciativos);
 O indivíduo que aprende pensa sobre o que faz, ao aprender;
forma uma noção geral do significado desse processo: se é
interessante, se constitui uma forma adequada de socialização.
Ao mesmo tempo, adquire alguns sentimentos acerca da
atividade: aprecia ou despreza, detesta ou valoriza, e a atividade
adquire uma conotação positiva ou negativa, o atrai ou o repele;
 Predominam os elementos de
natureza intelectual (percepção,
memória, raciocínio, etc.);
 Aprendizagem do tipo
ideativo, pois envolve a
utilização dos processos
intelectuais ou cognitivos;
 A forma que um indivíduo interpreta os estímulos do meio;
 Utiliza sua experiência, sua vivências anteriores e sua
necessidades presentes;
 O funcionamento dos órgãos dos sentidos e a atividade
mental são necessários para a percepção;
 A interpretação por quem percebe é
determinada por:
 Sua experiência anterior;
 Seu interesse nos estímulos no
momento (motivação);
 Sensibilidade dos órgãos dos sentidos
para aqueles estímulos particulares;
 Faz com que entre muitos estímulos do meio, o
indivíduo selecione e perceba somente alguns
aspectos ambientais;
 Vários fatores, tanto no estímulo, quanto no indivíduo,
contribuem para essa focalização:
 Intensidade do estímulo;
 Subtaneidade da mudança;
 Novidade;
 Relevância para as necessidades individuais.
 Nenhuma situação problemática poderá ser
solucionada se o indivíduo não puder perceber
os elementos nela envolvidos, pois a mesma
nem será percebida como um problema;
 Os fatores motivacionais, a experiência anterior e o estado
emocional do momento influenciam nos processos de
percepção e de pensamento.
 Atividade mental que leva à aquisição de conhecimentos
organizados, os conceitos;
 O resultado da percepção, refere-se a uma situação
individual, particular ou específica. O conceito é geral, ou
universal; aplicando-se a todos os indivíduos da mesma
espécie, embora apresentem diferenças individuais;
 Etapas na formação de um conceito:
 Percepção de um objeto;
 Mais tarde, na ausência do objeto, sua imagem é
evocada. A perfeição dessa imagem mental depende de
uma completa e segura percepção original;
 As imagens mentais levam à formação de um
significado geral ou conceito;
 Os conceitos são expressos através de
símbolos (números) ou palavras, mas a
simples memorização de uma palavra, não
resultará na formação de um conceito;
 A linguagem é o meio pelo qual o indivíduo expressa seus
conceitos, sendo essencial aprender os significados para cada
palavra usada na comunicação social.
 Constitui um dos fatores que colabora para o exercício das
funções do raciocínio e da generalização;
 Possibilita a memorização dos conceitos necessários para as
atividades mentais, faz com que aquilo que está sendo aprendido
seja assinalado, retido e depois lembrado pelo indivíduo, isto é,
evocado ou reconhecido quando aparece em seu campo de
consciência;
 A aprendizagem, contudo, não pode não basear-
se apenas na memória, porque suas funções não
envolvem os demais processos necessários para a
compreensão da realidade;
É importante
ressaltar que a evocação
está, também, sujeita a
condições emocionais do
indivíduo. A falta de
evocação pode resultar de
uma atitude de defesa
contra a lembrança da
imagem ou de uma
percepção desagradável ao
sujeito.
 A aprendizagem de ideias está
intimamente ligada à interpretação
da situação, dependente em grande
parte da percepção;
 É a percepção de todas as relações
existentes em uma situação
problemática, integrando os elementos
em um todo, de forma que subitamente,
compreende a situação;
 O discernimento súbito, significa
que a pesquisa mental, através da
concentração, da atenção, da
observação, da associação de ideias,
foi bem sucedida, levando a
compreensão da situação;
 A aprendizagem por insight é
inteligente, interpretativa e
integrativa. Leva à organização de
princípios gerais, aplicáveis a outras
situações semelhantes e não apenas
à repetição.
 Aprendizagem pela seleção de respostas
bem sucedidas;
 Descoberta da resposta certa, pela
eliminação das respostas erradas, ou seja,
comprovação das diferentes hipóteses e
seleção da hipótese adequada;
 É uma aprendizagem dirigida para algum objetivo, e cada
passo no processo, se bem sucedido ou não, é planejado;
 Não deve ser identificada como mera atividade ao acaso;
 Envolve sempre a observação, mesmo no tipo mais
elementar, até na aprendizagem animal;
 Fatores necessários a uma situação de aprendizagem por
ensaio e erro:
 Estímulo chave (problema encontrado);
 Estímulo interior (motivo ou necessidade do
indivíduo);
 Observação necessária para a percepção das relações
na situação problemática;
 Descoberta da resposta certa pela eliminação das
erradas;
 Integração da resposta certa na conduta do indivíduo,
modificando seu comportamento.
 Esse processo é utilizado tanto no processo de
aprendizagem ideativa, quanto na motora.
 Propicia ao aprendiz meios de adaptação às situações da
vida, sem exigir muito trabalho mental. A aquisição de
automatismos libera a atividade mental do indivíduo para a
solução de problemas mais complexos;
 Os automatismos são padrões fixos de conduta que
permitem o indivíduo enfrentar situações constantes e
rotineiras da vida e da profissão, com agilidade, rapidez e
economia de tempo e esforço
 Os automatismos podem ser tanto motores, quanto
mentais: Observação, a retenção mnemônica, a leitura rápida,
etc.
 Os automatismos
podem ser também
sociais: a cortesia, o
cavalheirismo, a
cooperação, etc.
 Os padrões de desenvolvimento motor, que possibilitam a
formação de automatismos motores são classificados em:
 Primários: Movimentos globais do corpo, como andar,
correr, saltar, atirar, nadar, etc.;
 Secundários: Envolvem o controle dos músculos
menores, como escrever e usar instrumentos que
requerem a coordenação de pequenos músculos;
 É necessário apresentar ao aprendiz as dificuldades de
forma gradativa, nos exercícios, para que possam ser
percebidos e automatizados por aquele que aprende.
 Os automatismos NÃO podem ser aprendidos sem a prática,
o exercício;
 Um princípio, um conceito, uma ideia podem ser
adquiridos, apenas em uma experiência vivenciada, mas um
automatismo não pode;
 Ninguém aprende a escrever, a falar uma língua estrangeira,
a digitar, a repetir os números, etc. sem a repetição dos
movimentos coordenados, exigidos para aquisição da
habilidade desejada.
 É a execução do automatismo diante do aluno;
 Na fase inicial o professor deve dar uma explicação geral da
habilidade a ser praticada;
 Em uma segunda fase, deve realizar a demonstração de cada
etapa, enfatizando as partes mais difíceis da tarefa;
 Finalmente, o aluno deve ser levado à execução da
atividade e o professor deve supervisionar seus movimentos,
suas coordenações, corrigindo os erros;
 Poderão ser apontados ao aprendiz também, os elementos
passíveis de transferência de aprendizagem para outra.
 Não se reduz somente à repetição automática de um
ato, mas constitui um processo mais complexo através do
qual se realiza tanto a aprendizagem de automatismos
quanto a apreciativa;
 A imitação é definida como a tendência para repetir as
ações observadas em outros;
 A imitação pode se consciente ou inconsciente;
 Na educação a imitação direta ou consciente se faz das
habilidades de rotina, como a escrita, postura, linguagem;
Através da imitação
consciente ou inconsciente, os
comportamentos habituais, as
habilidades e os códigos morais
do meio social são integrados na
personalidade da criança. A
conduta dos pais, a personalidade
do professor, do líder escoteiro, da
literatura lida, dos filmes
constituem poderosos modelos
para imitação dos mais jovens.
 É considerado fundamental, porque o aprendiz ainda não
tem uma percepção clara da habilidade a ser aprendida;
 O primeiro passo no desenvolvimento da habilidade,
caracteriza-se por muitos movimentos desnecessários e pelo
gasto de uma grande quantidade de energia;
 A segunda etapa é de gradativa eliminação das respostas
infrutíferas e a seleção das bem sucedidas. Onde cada tentativa
bem sucedida é um passo no caminho do progresso;
 A terceira etapa será constituída pela repetição e prática dos
movimentos selecionados, que conduzirem ao êxito;
 O ensaio-e-erro, para ser mais
econômico e eficiente, precisa ser
suplementado pela direção verbal do
professor. Por exemplo, a maneira de
segurar o lápis, de colocar o papel,
posição na carteira, etc. contribuem
para o sucesso do aluno em aprender a
escrever. O professor mostrará a
técnica ideal, que deve ser
demonstrada para o aluno imitar.
Atualmente, a
escola pretende
contribuir para a
equilibrada formação da
personalidade do aluno e
sua integração ao
ambiente sociocultural,
através do ajustamento
de seus sentimentos,
atitudes e ideais aos do
grupo a que o mesmo
pertence.
Diante de um novo
conhecimento ou habilidade a
atitude do aprendiz pode variar,
revelando-se positiva, negativa
ou mesmo indiferente. A
aprendizagem apreciativa,
emocional ou afetiva sempre
acompanha as demais, isto é, é
concomitante às outras
aprendizagens, ultrapassando o
currículo escolar e seguindo
pela vida a fora.
A aprendizagem apreciativa
compreende atitudes e valores
sociais, traduzidos por gostos,
preferências, simpatias, costumes,
crenças, hábitos e ideais de ação,
que constituem os princípios mais
gerais de conduta humana. Sem
emoções, sentimentos, valores e
ideais, a vida não teria sentido.
Sem essas reações as palavras
felicidade e desgraça, prazer e
dor, amor e ódio seriem
inteligíveis
A aprendizagem apreciativa
resulta em respostas afetivas que
poderão ser proveitosas ao
indivíduo e à sociedade. Muitos
dos estados afetivos no homem,
como o amor, o respeito, a
admiração, o sentimento de
justiça, são em grande proporção,
fruto da experiência e da
educação. A escola e a família
devem exercitar essas respostas
afetivas e outras, que
desempenham papel da maior
relevância social.
A aprendizagem apreciativa pode ser positiva se
cria uma reação individual favorável ou negativa, se
provoca reação de agressividade, inibição ou aversão.
Esse tipo de aprendizagem, possibilita a formação do
caráter do aprendiz, o que se expressa na sua maneira
constante de agir, diante das diferentes situações.
O melhor índice da educação e cultura de um
indivíduo não está na sua habilidade para fazer coisas,
nem na massa de informações e conhecimentos por ele
armazenados, mas na qualidade e intensidade de seus
ideais, suas atitudes e preferencias, em relação à vida, à
cultura e ao meio social e profissional em que vive.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transferencia de aprendizagem
Transferencia de aprendizagemTransferencia de aprendizagem
Transferencia de aprendizagemelismarsilva13
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1psicologiaazambuja
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de AprendizagemKelly Vanderlei
 
Transtornos de atenção e de aprendizagem
Transtornos de atenção e de aprendizagemTranstornos de atenção e de aprendizagem
Transtornos de atenção e de aprendizagemCaio Grimberg
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentocarolmorbach
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoCarol Messias
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemzearalenona
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Carlos Caldas
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemnormaquilino
 
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_para
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_paraDesenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_para
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_paraJoão Piedade
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonThiago de Almeida
 
Didática do ensino superior
Didática do ensino superiorDidática do ensino superior
Didática do ensino superiorMarcio Moura
 

Mais procurados (20)

Transferencia de aprendizagem
Transferencia de aprendizagemTransferencia de aprendizagem
Transferencia de aprendizagem
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
Processo de Aprendizagem
Processo de AprendizagemProcesso de Aprendizagem
Processo de Aprendizagem
 
Transtornos de atenção e de aprendizagem
Transtornos de atenção e de aprendizagemTranstornos de atenção e de aprendizagem
Transtornos de atenção e de aprendizagem
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Diário de campo
Diário de campoDiário de campo
Diário de campo
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
 
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_para
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_paraDesenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_para
Desenvolvimento profissional docente_e_competencias_dos_professores_para
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
 
Didática do ensino superior
Didática do ensino superiorDidática do ensino superior
Didática do ensino superior
 

Semelhante a Como a aprendizagem afeta o comportamento humano

Modelos de aprendizagem
Modelos de aprendizagemModelos de aprendizagem
Modelos de aprendizagemPessoal
 
FPIF - Aprendizagem
FPIF - AprendizagemFPIF - Aprendizagem
FPIF - AprendizagemAPMTorres
 
04c-16 habitos da mente.pdf
04c-16 habitos da mente.pdf04c-16 habitos da mente.pdf
04c-16 habitos da mente.pdfDjalmaJPatricio
 
Texto 1 o reverso da aprendizagem
Texto 1   o reverso da aprendizagemTexto 1   o reverso da aprendizagem
Texto 1 o reverso da aprendizagemGigi Dantas
 
13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docxAlineMelo123
 
Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologiamegainfoin
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática Luiz C. Melo
 
Educação, novos tempos, novas atitudes
Educação, novos tempos, novas atitudesEducação, novos tempos, novas atitudes
Educação, novos tempos, novas atitudesAdriano Matilha
 
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aulaPatricia Mendes
 
Texto 2 teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Texto 2   teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaTexto 2   teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Texto 2 teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaFátima Noronha
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012SMEdeItabaianinha
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaFátima Noronha
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Robson S
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaFátima Noronha
 

Semelhante a Como a aprendizagem afeta o comportamento humano (20)

Modelos de aprendizagem
Modelos de aprendizagemModelos de aprendizagem
Modelos de aprendizagem
 
Apostila de didatica
Apostila de didaticaApostila de didatica
Apostila de didatica
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
FPIF - Aprendizagem
FPIF - AprendizagemFPIF - Aprendizagem
FPIF - Aprendizagem
 
04c-16 habitos da mente.pdf
04c-16 habitos da mente.pdf04c-16 habitos da mente.pdf
04c-16 habitos da mente.pdf
 
Texto 1 o reverso da aprendizagem
Texto 1   o reverso da aprendizagemTexto 1   o reverso da aprendizagem
Texto 1 o reverso da aprendizagem
 
13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx
 
Avaliacao jussara
Avaliacao jussaraAvaliacao jussara
Avaliacao jussara
 
Avaliação ppt
Avaliação pptAvaliação ppt
Avaliação ppt
 
Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologia
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Apostila Didática
Apostila Didática Apostila Didática
Apostila Didática
 
Educação, novos tempos, novas atitudes
Educação, novos tempos, novas atitudesEducação, novos tempos, novas atitudes
Educação, novos tempos, novas atitudes
 
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
55586200 teorias-da-aprendizagem-aula
 
Texto 2 teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Texto 2   teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaTexto 2   teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Texto 2 teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
Aprendizagem Cognitiva & "Uma Professora Muito Maluquinha"
Aprendizagem Cognitiva & "Uma Professora Muito Maluquinha"Aprendizagem Cognitiva & "Uma Professora Muito Maluquinha"
Aprendizagem Cognitiva & "Uma Professora Muito Maluquinha"
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
Pedagogiaedidtica 130113065032-phpapp02
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 

Mais de Cassia Dias

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalCassia Dias
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaCassia Dias
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de CondutaCassia Dias
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da FalaCassia Dias
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoCassia Dias
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteCassia Dias
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorCassia Dias
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARCassia Dias
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOCassia Dias
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIACassia Dias
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasCassia Dias
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaCassia Dias
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Cassia Dias
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCassia Dias
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalCassia Dias
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia VisualCassia Dias
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemCassia Dias
 

Mais de Cassia Dias (20)

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de Tourette
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 

Último

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Como a aprendizagem afeta o comportamento humano

  • 1.
  • 2. Toda aprendizagem resulta em alguma mudança ocorrida no comportamento daquele que aprende. Observa-se mudanças nas maneiras de agir, de fazer coisas, de pensar em relação às coisas e às pessoas e de gostar, ou não gostar, de sentir-se atraído ou retraído.
  • 3.  Os produtos da aprendizagem são agrupados em automatismos (predominam os elementos motores), elementos cognitivos (ideativos) e elementos afetivos (apreciativos);  O indivíduo que aprende pensa sobre o que faz, ao aprender; forma uma noção geral do significado desse processo: se é interessante, se constitui uma forma adequada de socialização. Ao mesmo tempo, adquire alguns sentimentos acerca da atividade: aprecia ou despreza, detesta ou valoriza, e a atividade adquire uma conotação positiva ou negativa, o atrai ou o repele;
  • 4.
  • 5.  Predominam os elementos de natureza intelectual (percepção, memória, raciocínio, etc.);  Aprendizagem do tipo ideativo, pois envolve a utilização dos processos intelectuais ou cognitivos;
  • 6.
  • 7.  A forma que um indivíduo interpreta os estímulos do meio;  Utiliza sua experiência, sua vivências anteriores e sua necessidades presentes;  O funcionamento dos órgãos dos sentidos e a atividade mental são necessários para a percepção;  A interpretação por quem percebe é determinada por:  Sua experiência anterior;  Seu interesse nos estímulos no momento (motivação);  Sensibilidade dos órgãos dos sentidos para aqueles estímulos particulares;
  • 8.  Faz com que entre muitos estímulos do meio, o indivíduo selecione e perceba somente alguns aspectos ambientais;  Vários fatores, tanto no estímulo, quanto no indivíduo, contribuem para essa focalização:  Intensidade do estímulo;  Subtaneidade da mudança;  Novidade;  Relevância para as necessidades individuais.
  • 9.  Nenhuma situação problemática poderá ser solucionada se o indivíduo não puder perceber os elementos nela envolvidos, pois a mesma nem será percebida como um problema;  Os fatores motivacionais, a experiência anterior e o estado emocional do momento influenciam nos processos de percepção e de pensamento.
  • 10.  Atividade mental que leva à aquisição de conhecimentos organizados, os conceitos;  O resultado da percepção, refere-se a uma situação individual, particular ou específica. O conceito é geral, ou universal; aplicando-se a todos os indivíduos da mesma espécie, embora apresentem diferenças individuais;  Etapas na formação de um conceito:  Percepção de um objeto;  Mais tarde, na ausência do objeto, sua imagem é evocada. A perfeição dessa imagem mental depende de uma completa e segura percepção original;
  • 11.  As imagens mentais levam à formação de um significado geral ou conceito;  Os conceitos são expressos através de símbolos (números) ou palavras, mas a simples memorização de uma palavra, não resultará na formação de um conceito;  A linguagem é o meio pelo qual o indivíduo expressa seus conceitos, sendo essencial aprender os significados para cada palavra usada na comunicação social.
  • 12.  Constitui um dos fatores que colabora para o exercício das funções do raciocínio e da generalização;  Possibilita a memorização dos conceitos necessários para as atividades mentais, faz com que aquilo que está sendo aprendido seja assinalado, retido e depois lembrado pelo indivíduo, isto é, evocado ou reconhecido quando aparece em seu campo de consciência;  A aprendizagem, contudo, não pode não basear- se apenas na memória, porque suas funções não envolvem os demais processos necessários para a compreensão da realidade;
  • 13. É importante ressaltar que a evocação está, também, sujeita a condições emocionais do indivíduo. A falta de evocação pode resultar de uma atitude de defesa contra a lembrança da imagem ou de uma percepção desagradável ao sujeito.
  • 14.
  • 15.  A aprendizagem de ideias está intimamente ligada à interpretação da situação, dependente em grande parte da percepção;  É a percepção de todas as relações existentes em uma situação problemática, integrando os elementos em um todo, de forma que subitamente, compreende a situação;
  • 16.  O discernimento súbito, significa que a pesquisa mental, através da concentração, da atenção, da observação, da associação de ideias, foi bem sucedida, levando a compreensão da situação;  A aprendizagem por insight é inteligente, interpretativa e integrativa. Leva à organização de princípios gerais, aplicáveis a outras situações semelhantes e não apenas à repetição.
  • 17.  Aprendizagem pela seleção de respostas bem sucedidas;  Descoberta da resposta certa, pela eliminação das respostas erradas, ou seja, comprovação das diferentes hipóteses e seleção da hipótese adequada;  É uma aprendizagem dirigida para algum objetivo, e cada passo no processo, se bem sucedido ou não, é planejado;  Não deve ser identificada como mera atividade ao acaso;  Envolve sempre a observação, mesmo no tipo mais elementar, até na aprendizagem animal;
  • 18.
  • 19.  Fatores necessários a uma situação de aprendizagem por ensaio e erro:  Estímulo chave (problema encontrado);  Estímulo interior (motivo ou necessidade do indivíduo);  Observação necessária para a percepção das relações na situação problemática;  Descoberta da resposta certa pela eliminação das erradas;  Integração da resposta certa na conduta do indivíduo, modificando seu comportamento.  Esse processo é utilizado tanto no processo de aprendizagem ideativa, quanto na motora.
  • 20.
  • 21.  Propicia ao aprendiz meios de adaptação às situações da vida, sem exigir muito trabalho mental. A aquisição de automatismos libera a atividade mental do indivíduo para a solução de problemas mais complexos;  Os automatismos são padrões fixos de conduta que permitem o indivíduo enfrentar situações constantes e rotineiras da vida e da profissão, com agilidade, rapidez e economia de tempo e esforço
  • 22.  Os automatismos podem ser tanto motores, quanto mentais: Observação, a retenção mnemônica, a leitura rápida, etc.  Os automatismos podem ser também sociais: a cortesia, o cavalheirismo, a cooperação, etc.
  • 23.  Os padrões de desenvolvimento motor, que possibilitam a formação de automatismos motores são classificados em:  Primários: Movimentos globais do corpo, como andar, correr, saltar, atirar, nadar, etc.;  Secundários: Envolvem o controle dos músculos menores, como escrever e usar instrumentos que requerem a coordenação de pequenos músculos;  É necessário apresentar ao aprendiz as dificuldades de forma gradativa, nos exercícios, para que possam ser percebidos e automatizados por aquele que aprende.
  • 24.  Os automatismos NÃO podem ser aprendidos sem a prática, o exercício;  Um princípio, um conceito, uma ideia podem ser adquiridos, apenas em uma experiência vivenciada, mas um automatismo não pode;  Ninguém aprende a escrever, a falar uma língua estrangeira, a digitar, a repetir os números, etc. sem a repetição dos movimentos coordenados, exigidos para aquisição da habilidade desejada.
  • 25.
  • 26.  É a execução do automatismo diante do aluno;  Na fase inicial o professor deve dar uma explicação geral da habilidade a ser praticada;  Em uma segunda fase, deve realizar a demonstração de cada etapa, enfatizando as partes mais difíceis da tarefa;  Finalmente, o aluno deve ser levado à execução da atividade e o professor deve supervisionar seus movimentos, suas coordenações, corrigindo os erros;  Poderão ser apontados ao aprendiz também, os elementos passíveis de transferência de aprendizagem para outra.
  • 27.  Não se reduz somente à repetição automática de um ato, mas constitui um processo mais complexo através do qual se realiza tanto a aprendizagem de automatismos quanto a apreciativa;  A imitação é definida como a tendência para repetir as ações observadas em outros;  A imitação pode se consciente ou inconsciente;  Na educação a imitação direta ou consciente se faz das habilidades de rotina, como a escrita, postura, linguagem;
  • 28. Através da imitação consciente ou inconsciente, os comportamentos habituais, as habilidades e os códigos morais do meio social são integrados na personalidade da criança. A conduta dos pais, a personalidade do professor, do líder escoteiro, da literatura lida, dos filmes constituem poderosos modelos para imitação dos mais jovens.
  • 29.
  • 30.  É considerado fundamental, porque o aprendiz ainda não tem uma percepção clara da habilidade a ser aprendida;  O primeiro passo no desenvolvimento da habilidade, caracteriza-se por muitos movimentos desnecessários e pelo gasto de uma grande quantidade de energia;  A segunda etapa é de gradativa eliminação das respostas infrutíferas e a seleção das bem sucedidas. Onde cada tentativa bem sucedida é um passo no caminho do progresso;  A terceira etapa será constituída pela repetição e prática dos movimentos selecionados, que conduzirem ao êxito;
  • 31.  O ensaio-e-erro, para ser mais econômico e eficiente, precisa ser suplementado pela direção verbal do professor. Por exemplo, a maneira de segurar o lápis, de colocar o papel, posição na carteira, etc. contribuem para o sucesso do aluno em aprender a escrever. O professor mostrará a técnica ideal, que deve ser demonstrada para o aluno imitar.
  • 32.
  • 33. Atualmente, a escola pretende contribuir para a equilibrada formação da personalidade do aluno e sua integração ao ambiente sociocultural, através do ajustamento de seus sentimentos, atitudes e ideais aos do grupo a que o mesmo pertence.
  • 34. Diante de um novo conhecimento ou habilidade a atitude do aprendiz pode variar, revelando-se positiva, negativa ou mesmo indiferente. A aprendizagem apreciativa, emocional ou afetiva sempre acompanha as demais, isto é, é concomitante às outras aprendizagens, ultrapassando o currículo escolar e seguindo pela vida a fora.
  • 35. A aprendizagem apreciativa compreende atitudes e valores sociais, traduzidos por gostos, preferências, simpatias, costumes, crenças, hábitos e ideais de ação, que constituem os princípios mais gerais de conduta humana. Sem emoções, sentimentos, valores e ideais, a vida não teria sentido. Sem essas reações as palavras felicidade e desgraça, prazer e dor, amor e ódio seriem inteligíveis
  • 36. A aprendizagem apreciativa resulta em respostas afetivas que poderão ser proveitosas ao indivíduo e à sociedade. Muitos dos estados afetivos no homem, como o amor, o respeito, a admiração, o sentimento de justiça, são em grande proporção, fruto da experiência e da educação. A escola e a família devem exercitar essas respostas afetivas e outras, que desempenham papel da maior relevância social.
  • 37. A aprendizagem apreciativa pode ser positiva se cria uma reação individual favorável ou negativa, se provoca reação de agressividade, inibição ou aversão. Esse tipo de aprendizagem, possibilita a formação do caráter do aprendiz, o que se expressa na sua maneira constante de agir, diante das diferentes situações.
  • 38. O melhor índice da educação e cultura de um indivíduo não está na sua habilidade para fazer coisas, nem na massa de informações e conhecimentos por ele armazenados, mas na qualidade e intensidade de seus ideais, suas atitudes e preferencias, em relação à vida, à cultura e ao meio social e profissional em que vive.