SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ
GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA
Relatório de Estágio Supervisionado em Educação Especial
Maeli Martins da Silva
LOCAL DO ESTÁGIO: Unidade Escolar Sonho Dourado
Teresina- PI
2015
FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ
GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA
Relatório de Estágio Supervisionado em Educação Especial
Maeli Martins da Silva
LOCAL DO ESTÁGIO: Unidade Escolar Sonho Dourado
Relatório apresentado à Faculdade Evangélica do
Piauí - FAEPI,Como requisito parcial para
obtenção de nota da Disciplina de Estágio
Supervisionado em Educação Especial em
Pedagogia, sob a orientação do Prof. Esp. Magno
Fernando A. Nazaré
Teresina-PI
2015
1 INTRODUÇÃO
Este Relatório Supervisionado tem como objetivo constatar o
desenvolvimento de atuação e o compromisso com a inclusão dos portadores de
necessidades especiais na Unidade Escolar Sonho Dourado, localizado na cidade
de Carutapera. Além disso, compreender o trabalho de atuação para receber as
crianças especiais do Programa Multifuncional Atendimento Educacional
Especializado - AEE. Constando-se assim, que são atendidas 19 crianças, sendo
realizado atendimento nos turnos matutinos e no vespertino em uma sala
especializada e estruturada adequadamente.
Na escola Sonho Dourado, o corpo estrutural, são divididos em: onze salas
regulares, incluindo a do AEE, três banheiros com um especializado, sendo
composto de uma gestora, uma coordenadora, dois secretários, quatrocentos e
setenta e um aluno no total, três vigias, oito OSDS, uma sala de informática e uma
cantina.
A Escola Sonho Dourado fica localizado na Rua 7 de Setembro e foi
inaugurada no ano de 1987, na Gestão do Ex. Prefeito Adilson Dantas Dourado.
Sendo também ampliada a escola no dia 26 de Abril ano de 1998.
Na sala especializada do AEE, conta-se também com um grande número de
materiais que favorecem o desempenho dos alunos e são administrados pela
professora do programa.
Observa-se que a maioria desses materiais, são confeccionados com
materiais recicláveis, confeccionados a partir de garrafa pet, tampinhas, desenhos
de encaixe fotocopiados, alfabeto móvel, livros de historinhas, computadores e
tablete, etc. são recursos que contribuem para o processo de inclusão educacional.
Nesta ótica, com base na concretização dos trabalhos abordados junto a
gestora e supervisora com os recursos pedagógicos para a inclusão social, é
importante ressaltar o compromisso que a professora tem com a educação
especial.Não se pode falar ou confundir, que este programa é de reforço escolar ou
mera repetição dos conteúdos pragmático. Mas podemos especificar que é um
processo de ampliação e produção de conhecimentos.
Enfatiza-se também que a participação da professora é de toda importância,
nesta atuação de aprendizagem.
Em relação a forma de atendimento, cada criança é atendida
individualmente, o que atende as necessidades de cada aluno por sua
especialidade. Sendo assim, a sala do AEE, atende os alunos de todos os níveis.
Suas deficiências: transtornos e distúrbios de aprendizagem, transtornos de
hiperatividade, deficiências múltiplas, deficiência auditiva.
É sabido que a Declaração de Salamanca, 1994, sobre os princípios e
práticas na área da Necessidades Educativas Especiais: 1ª afirma e reconhece, que
toda criança, jovens e adultos com necessidades educacionais especiais dentro do
sistema regular de ensino e reendossamos a Estrutura de Ação em Educação
Especial, em que, pelo espírito de cujas provisões e recomendações do governo
sejam guiados. 2- Acreditamos que toda criança tem o direito fundamental à
educação, e deve ser dada a oportunidade de atingir e manter o nível adequado de
aprendizagem. Toda criança possui características, interesses, habilidades e
necessidades de aprendizagem que são únicas.
Portanto, é importante destacar que não há um único processo de
adaptação curricular válido para qualquer situação ou realidade educativa, cabendo
a cada contexto escolar buscar soluções que melhor atenda a sua comunidade.
Contudo, todo projeto de trabalho deve apontar para a possibilidade de se buscar
novos conhecimentos e recursos, que venham contribuir na inserção dos alunos
com necessidades especiais no espaço escolar.
2 Estágio Supervisionado Na Unidade Escolar Sonho Dourado
É imprescindível ressaltar que a Constituição Federal da República
Federativa do Brasil garante que: Art. 205. “A educação, direito de todos e do Estado
e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando
ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e
sua qualificação para o trabalho”.
Seguindo essa ótica, a Lei nº 9394/96 – Lei de Diretrizes e bases da
Educação Nacional – 1996. Capítulo V. Da educação especial. Art.58. “Entende-se
por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de educação
escolar, oferecida, preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos,
portadores de necessidades especiais.
De acordo com a LDB ainda no Art. 58 – § 1º Haverá, quando necessário,
serviços de apoio especializado, na escola regular, para atender a peculiaridade da
clientela de educação especial. E no § 3º A oferta da educação especial dever
constitucional do Estado, tem início na faixa etária de 0 a 6 anos, durante a
educação infantil.
Partindo dos direitos garantidos em lei, foi desenvolvido um trabalho de
observação na Escola Sonho Dourado, no Município de Carutapera, na rede
municipal. É por meio deste que iniciarei este relatório com base nas deficiências
múltiplas da criançaEsdras Bezerra Freitas, aluno do primeiro ano. Sua
especialidade é a deficiência múltipla. As atividades de contra turno é realizada no
horário das 9: 35 às 11:00 horas, turno matutino do programa multifuncional (AEE).
Observa-se que o aluno apresenta desempenho durante a exploração de
montagem com peças circulares maiores, para formar o corpo de um
animal(cachorrinho). O mesmo monta com cuidado cada peça, mas sua dificuldade
de locomoção é uma barreira para o seu desempenho em encaixar as peças.
A criança gosta de dialogar durante as atividades proporcionadas pela professora
Lucienedos Remédios Teixeira, a mesma relatou que a inquietação dele, faz parte
de sua estrutura corporal, pois em seu movimento não há equilíbrio, por isso tem
sua cadeira adaptada para ele, durante as atividades de escrita e pintura.
Carvalho afirma que:
“(...) expressão adotada para designar pessoas que tem mais de uma
deficiência. É uma condição heterogenia que identifica diferentes grupos de
pessoas, revelando associações diversas de deficiência que afetam, mais
ou menos intensamente, o funcionamento individual e o relacionamento
social (CARVALHO, 2000, p. 47).”
Segundo a professora, ele desenvolveu-se muito durante o período de sua estadia
no programa do (AEE). Contudo,houve uma reflexão por parte da mesma a respeito
do aluno, de como trabalharia com uma criança com múltipla deficiência.Pois ela
não se segurava direito em sua cadeira, movimentava-se bastante. Assim, com
vários questionamentos, a professora Luciene dos Remédios Teixeira usou a
metodologia para observar seu aluno. Quando colocado no chão, observava os seus
movimentos motores, tanto corporal, quanto em manipulação de objetos concretos
existentes próximo dele. Constatou que o seu desempenho foi concluído e
satisfatório.
Durante a atividade de quebra-cabeça, o aluno observava as peças e encaixava
peça por peça. Esta atividade o proporciona um raciocínio lógico e desenvolve sua
percepção visual que facilita na sua estrutura psíquico e na coordenação fina, por
causa da sua delimitação.
Esta tarefa precisa ser fixada com fita gomada, para que as peças não
saiam dos lugares, facilitando para o aluno um movimento adequado e, dessa
maneira, conseguir completar todas as peças.
Desta forma a professora consegue fazer atividades de escrita com o aluno
Esdras, pelo menos o seu nome e sobrenome. No entanto, o seu cognitivo não é
afetado por causa de sua deficiência, mas sua dicção é afetada um pouco, porém
não impede do aluno evoluir na sua aprendizagem. A única dificuldade que ele tem,
são os movimentos involuntários do seu corpo, que não é controlado. A princípio,
seu movimento era muito rápido, pois tentava pegar os objetos da mesa, mas não
conseguia, porque caiam sempre todos de suas mãos.
Este educando está no programa há dois anos, aperfeiçoando suas técnicas
de aprendizagem. Observa-se que já se teve êxodo durante a sua estadia. A terceira
etapa das atividades de locomoção é a parte mais difícil, pois precisa ter um grande
cuidado para o mesmo não se machucar no chão com o seu movimento rápido. Esta
atividade deixa a criança mais livre para a sua independência de aprendizagem.
Entretanto, a possibilidade de ter a destreza involuntária do corpo, não facilita no
equilíbrio de sua estrutura corporal.
Ao desenvolver as atividades, com bolas amarradas e os números gigantes,
facilitam um bom entendimento de sua atividade concreta. Ao ter o contato com o
chão, a criança se cansa com facilidade, uma vez que o mesmo não tinha estímulos
por parte dos familiares. Foi por isso que a professora constatou a possibilidade
dessa atividade grossa, para que ele pudesse se locomover para todos os lados.
No entanto, a família passa por grandes desafios em educar o filho Esdras,
pois na sua casa, o menino não aceita ser contrariado pelos mesmo. Segundo sua
mãe, ele quer fazer tudo sozinho, sem a ajuda deles. E o tratamento do mesmo está
sendo pelo Sara, uma vez por mês, para estimular seus movimentos.
O aluno fica em êxtase quando a tarefa é com estimulo do corpo, durante as
atividades no chão, o mesmo fica entusiasmado com a ação da professora, porque
sua orientação é bem contagiante, sua paciência com o aluno demonstra uma ação
de cidadania.
Sendo assim, a professora trabalha, incansavelmente, para repassar seus
conhecimentos adquiridos durante sua formação.
Durante todo o estágio supervisionado no processo de aprendizagem a
respeito do aluno, pude vivenciar todo o processo de desenvolvimento do aluno
Esdras, com base no desempenho da professora Luciene dos Remédios Teixeira.
Os materiais trabalhados são de muita importância, pois facilita toda a aprendizagem
de todos os alunos especiais.
Na sala do AEE, também há 19 (dezenove) crianças para o atendimento
individual. Cada aluno tem o seu horário, na parte da manhã e pela tarde, sendo
acompanhadas pela professora.
Dando continuidade ao relato, venho falar sobre a aluna Jeniffer Nunes
Cruz, mesmo com um período muito pouco de observação, recebi o diagnóstico por
parte da professora que sua deficiência é auditiva e a maior dificuldade que a
professora encontra na aluna é a parte de interpretação de texto, pois a mesma não
associa a imagem para produzir texto, isso só ocorre, quando colocados para o
braile, para serem encontradas através de desenhos mudos ou símbolos indicados
pela letra do alfabeto em braile.
Há também o aluno Isaias da Cruz Melo que ainda não foi diagnosticado,
suspeita-se de ser uma criança hiperativa, mas não se sabe ao certo ainda. Outro
fato agravante é a falta de afetividade por parte dos pais.
Percebe-se, dessa forma que o aluno Isaias se encontra com muita
dificuldade durante as atividades abordadas pela professora Luciene, pois a mesma
constatou que o educando não consegue associar as palavras e fazer a leitura, sem
olhar os desenhos referentes.Assim, ao realizar algumas atividades de encaixe com
palavras no desenho correspondente, para avaliar o desempenho do mesmo,
somente foi concluído o êxodo, após a associação do desenho e a letra inicial, junto
as palavras como: navio, sapato, escola, etc. Desta forma o aluno conseguiu
assimilar e concluir seu raciocínio de todas as palavras. O que foi satisfatório para
ele e para a professora presente.
Por outro lado, seu desempenho só ia acontecendo, por causa do interesse
do final, pois se realizasse todas as atividades obrigatórias, teria um momento para
jogar alguns minutos antes do final da aula. Somente assim é que o aluno apresenta
um pouco de interesse na realização das atividades propostas. Pois no início não
queria nada, ficava alheio das atividades da professora, que com dedicação,
conquistou a confiança de seu aluno. Hoje o Isaias é uma criança mudada,
consegue respeitar a comanda da professora Luciene.
Portanto, a professora Luciene dos Remédios Teixeira desenvolve um
trabalho com muita dedicação, responsabilidade e prazer, no entanto, questiona que
não tem uma formação a nível superior em libras e em braile. Tudo o que aprendeu
foi realizado através do curso de capacitação em programas de curso de férias.
Apesar da satisfação em realizar seu trabalho, afirma que sente saudade dos alunos
do turno regular. Dessa forma, percebe-se que há necessidades de um ensino
voltado exclusivamente para a capacitação em níveis superiores referentes a
educação inclusiva.
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Portanto, para que ocorra o desenvolvimento do trabalho escolar é preciso
considerar uma experiência muito válida, ou seja, repensar nossa prática
pedagógica, direcionando nossa proposta, a partir de discussões, com a certeza da
participação de todos os envolvidos no processo ensino e aprendizagem e da
comunidade, garantindo assim, a gestão democrática e participativa.
Com base nisso nos engajamos nesse trabalho, com a expectativa de
difundir mais e mais a sensibilização dos professores, familiares e demais alunos
que convivem com as crianças com deficiência inseridos na comunidade escolar.
Sendo assim, o movimento de educação inclusiva, atualmente difundido, defende
uma escola que possa entender a todos os alunos, adequando o currículo aos
métodos, materiais de ensino-aprendizagem, enfim, todos os procedimentos
pedagógicos para que seja possível receber uma educação de qualidade no
ambiente integrador da escolar regular. Contudo, é preciso que a escola seja um
exemplo de organização na sociedade, pois é desta forma que garantiremos o
acesso a inclusão social e a verdadeira cidadania.
Finalmente ressaltamos a importância de cumprir as leis que dão
sustentação à inclusão. É preciso colocar em prática o que já está legalmente
garantido, para que a diversidade seja respeitada e valorizada, e assim,
proporcionar a todos os seres humanos, o desenvolvimento integral de suas
capacidades, favorecendo e reconhecendo o direito às diferenças.
REFERÊNCIAS
CARVALHO, E.N.S. Programas e capacitação de recursos humanos ao Ensino
Fundamental- Deficiência Múltipla. Brasília, SEE SP/ MEC, V.1, 2000.
Lei n°- 9394/96- Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- 1996
Lei n°- 8.069- ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990, art. 1°e art. 2°
http://Escolajonathas.blogspot.com.br/ acesso em 11 de abril de 2015.
http://Saladerecursosmultifuncionais.blogspot.com.br/ acesso em 11 de abril de
2015.
http://www.fae.ufmg.br/ acesso em 11 de abril de 2015.
http://www.lapeade.com.br/ acesso em 11 de abril de 2015.
http://www.planalto.gov.br/ acesso em 11 de abril de 2015.
Anexos
1. Qual a importância da sala multifuncional do AEE?
2. De que forma desse-se trabalhar com as crianças do programa?
3. Quem são os responsáveis em diagnosticar as deficiências das crianças
atendidas pelo programa?
Em que parte a família deve ajudar nessa especialidade?
4. Quais as formações adequadas para trabalhar com as crianças especiais?
5. De que forma são confeccionados os materiais que são utilizados na sala do
AEE?
6. Existe cursos de capacitação ofertados pela rede de ensino aos professores
que trabalham no programa do AEE?
relatório da educação especial-estágio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
ceciliaconserva
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
filicianunes
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
Alessandra Alves
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
SimoneHelenDrumond
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
SimoneHelenDrumond
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
straraposa
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Kelry Carvalho
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
SimoneHelenDrumond
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observação
Lena_md
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
muni2014
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Ravena B
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
SimoneHelenDrumond
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
José Antonio Ferreira da Silva
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Projeto reforço escolar
Projeto reforço escolarProjeto reforço escolar
Projeto reforço escolar
CLEAN LOURENÇO
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Araceli Kleemann
 

Mais procurados (20)

Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observação
 
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021 Plano de Ação - Gestão 2019-2021
Plano de Ação - Gestão 2019-2021
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
 
Projeto reforço escolar
Projeto reforço escolarProjeto reforço escolar
Projeto reforço escolar
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
 

Destaque

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPIESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
UFMA e UEMA
 
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação AmbientalRelatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
Marcio Nicknig
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
Jorge Barbosa
 
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
diagoprof
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Alessandra Alves
 
Oficina de grandezas e medidas
Oficina de grandezas e medidasOficina de grandezas e medidas
Oficina de grandezas e medidas
Naysa Taboada
 
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
Káttia Gonçalves
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
SimoneHelenDrumond
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
renatalguterres
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
viviprof
 
Plano de aula medida de comprimento
Plano de aula medida de comprimentoPlano de aula medida de comprimento
Plano de aula medida de comprimento
ivanetesantos
 
Jogos e atividades para Autista
Jogos e atividades para AutistaJogos e atividades para Autista
Jogos e atividades para Autista
Pri Domingos
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 

Destaque (16)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial Orientações ao Estagiário da Educação Especial
Orientações ao Estagiário da Educação Especial
 
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPIESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
ESTÁGIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL-FAEPI
 
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação AmbientalRelatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
 
Oficina de grandezas e medidas
Oficina de grandezas e medidasOficina de grandezas e medidas
Oficina de grandezas e medidas
 
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
8149 estagio-supervisionado-de-educacao-infantil-e-anos-iniciais-do-ensino-fu...
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
Plano de aula medida de comprimento
Plano de aula medida de comprimentoPlano de aula medida de comprimento
Plano de aula medida de comprimento
 
Jogos e atividades para Autista
Jogos e atividades para AutistaJogos e atividades para Autista
Jogos e atividades para Autista
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 

Semelhante a relatório da educação especial-estágio

sd-m4
sd-m4sd-m4
Caderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º anoCaderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º ano
Sme Otacílio Costa
 
Apresentacao seminario educacao inclusiva
Apresentacao seminario educacao inclusivaApresentacao seminario educacao inclusiva
Apresentacao seminario educacao inclusiva
Maria Isaltina Santana
 
Berçário simone helen drumond
Berçário simone helen  drumondBerçário simone helen  drumond
Berçário simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptxPEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
ssuseref6239
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
Thiago Tavares
 
1 ano expectativas aprendizagem
1 ano expectativas aprendizagem1 ano expectativas aprendizagem
1 ano expectativas aprendizagem
Vanessa Pereira
 
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantilJogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
MARCOS SOUSA
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
enxergar
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
Elaine Chica
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Artemosfera Cia de Artes
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Trabalho elaine dourador
Trabalho elaine douradorTrabalho elaine dourador
Trabalho elaine dourador
Isaias Silva
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Luziete Leite
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
kauezinhoproducao
 
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
Elison Davi Crispim Ramos
 
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoSlide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
estudosacademicospedag
 
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1 Educador
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1  EducadorMec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1  Educador
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1 Educador
Valéria Poubell
 
Escola ativa alfabetizacao1_educador
Escola ativa alfabetizacao1_educadorEscola ativa alfabetizacao1_educador
Escola ativa alfabetizacao1_educador
Lídia Lourinho
 
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial prontoEe aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
mkbariotto
 

Semelhante a relatório da educação especial-estágio (20)

sd-m4
sd-m4sd-m4
sd-m4
 
Caderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º anoCaderno plan. 1º ano
Caderno plan. 1º ano
 
Apresentacao seminario educacao inclusiva
Apresentacao seminario educacao inclusivaApresentacao seminario educacao inclusiva
Apresentacao seminario educacao inclusiva
 
Berçário simone helen drumond
Berçário simone helen  drumondBerçário simone helen  drumond
Berçário simone helen drumond
 
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptxPEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
PEI_formação AEE prefeitura de Patos.pptx
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
 
1 ano expectativas aprendizagem
1 ano expectativas aprendizagem1 ano expectativas aprendizagem
1 ano expectativas aprendizagem
 
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantilJogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
Jogos e-brincadeiras-na-educacao-infantil
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Trabalho elaine dourador
Trabalho elaine douradorTrabalho elaine dourador
Trabalho elaine dourador
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
 
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
INFORMATIVO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS ALBUQUERQUE
 
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoSlide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
 
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1 Educador
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1  EducadorMec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1  Educador
Mec - Escola Ativa Alfabetizacão e Letramento 1 Educador
 
Escola ativa alfabetizacao1_educador
Escola ativa alfabetizacao1_educadorEscola ativa alfabetizacao1_educador
Escola ativa alfabetizacao1_educador
 
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial prontoEe aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
Ee aula 5_template_colaborativa - ed especial pronto
 

Mais de UFMA e UEMA

É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
UFMA e UEMA
 
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNCSOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
UFMA e UEMA
 
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCCEtapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
UFMA e UEMA
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
UFMA e UEMA
 
I jornada internacional de ciências humanas-UFMA
I jornada internacional de ciências humanas-UFMAI jornada internacional de ciências humanas-UFMA
I jornada internacional de ciências humanas-UFMA
UFMA e UEMA
 
Extrema pobreza em carutapera
Extrema pobreza em carutaperaExtrema pobreza em carutapera
Extrema pobreza em carutapera
UFMA e UEMA
 
ORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCCORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCC
UFMA e UEMA
 
Apostila de práticas pedagogicas III
Apostila de práticas pedagogicas IIIApostila de práticas pedagogicas III
Apostila de práticas pedagogicas III
UFMA e UEMA
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
UFMA e UEMA
 
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino deSaberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
UFMA e UEMA
 
Estatística na educação
Estatística na educação Estatística na educação
Estatística na educação
UFMA e UEMA
 
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
UFMA e UEMA
 
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
UFMA e UEMA
 
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
UFMA e UEMA
 
MONOGRAFIA
MONOGRAFIAMONOGRAFIA
MONOGRAFIA
UFMA e UEMA
 
apresentação de monográfia
apresentação de monográfiaapresentação de monográfia
apresentação de monográfia
UFMA e UEMA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
UFMA e UEMA
 
CONTROLE AMBIENTAL
CONTROLE AMBIENTALCONTROLE AMBIENTAL
CONTROLE AMBIENTAL
UFMA e UEMA
 
MENTES PERIGOSAS
MENTES PERIGOSASMENTES PERIGOSAS
MENTES PERIGOSAS
UFMA e UEMA
 
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEMEFaculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
UFMA e UEMA
 

Mais de UFMA e UEMA (20)

É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
É PRECISO INCLUIR : Relatos em Educação Especial e Inclusiva
 
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNCSOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
SOCIEDADE NUMISMÁTICA E NATAFILÍSTICA CARUTAPERENSE –SNNC
 
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCCEtapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
 
I jornada internacional de ciências humanas-UFMA
I jornada internacional de ciências humanas-UFMAI jornada internacional de ciências humanas-UFMA
I jornada internacional de ciências humanas-UFMA
 
Extrema pobreza em carutapera
Extrema pobreza em carutaperaExtrema pobreza em carutapera
Extrema pobreza em carutapera
 
ORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCCORIENTAÇÃO DE TCC
ORIENTAÇÃO DE TCC
 
Apostila de práticas pedagogicas III
Apostila de práticas pedagogicas IIIApostila de práticas pedagogicas III
Apostila de práticas pedagogicas III
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
 
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino deSaberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
 
Estatística na educação
Estatística na educação Estatística na educação
Estatística na educação
 
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICAFAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
FAEME METODOLOGIA CIENTÍFICA
 
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
A Contribuição da Etnomatemática no Processo ensino Aprendizagem no ensino Fu...
 
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
AS FORMAS DE RELEVOS E SUAS INTERFERENCIAIS
 
MONOGRAFIA
MONOGRAFIAMONOGRAFIA
MONOGRAFIA
 
apresentação de monográfia
apresentação de monográfiaapresentação de monográfia
apresentação de monográfia
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
 
CONTROLE AMBIENTAL
CONTROLE AMBIENTALCONTROLE AMBIENTAL
CONTROLE AMBIENTAL
 
MENTES PERIGOSAS
MENTES PERIGOSASMENTES PERIGOSAS
MENTES PERIGOSAS
 
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEMEFaculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

relatório da educação especial-estágio

  • 1. FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA Relatório de Estágio Supervisionado em Educação Especial Maeli Martins da Silva LOCAL DO ESTÁGIO: Unidade Escolar Sonho Dourado Teresina- PI 2015
  • 2. FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA Relatório de Estágio Supervisionado em Educação Especial Maeli Martins da Silva LOCAL DO ESTÁGIO: Unidade Escolar Sonho Dourado Relatório apresentado à Faculdade Evangélica do Piauí - FAEPI,Como requisito parcial para obtenção de nota da Disciplina de Estágio Supervisionado em Educação Especial em Pedagogia, sob a orientação do Prof. Esp. Magno Fernando A. Nazaré Teresina-PI 2015
  • 3. 1 INTRODUÇÃO Este Relatório Supervisionado tem como objetivo constatar o desenvolvimento de atuação e o compromisso com a inclusão dos portadores de necessidades especiais na Unidade Escolar Sonho Dourado, localizado na cidade de Carutapera. Além disso, compreender o trabalho de atuação para receber as crianças especiais do Programa Multifuncional Atendimento Educacional Especializado - AEE. Constando-se assim, que são atendidas 19 crianças, sendo realizado atendimento nos turnos matutinos e no vespertino em uma sala especializada e estruturada adequadamente. Na escola Sonho Dourado, o corpo estrutural, são divididos em: onze salas regulares, incluindo a do AEE, três banheiros com um especializado, sendo composto de uma gestora, uma coordenadora, dois secretários, quatrocentos e setenta e um aluno no total, três vigias, oito OSDS, uma sala de informática e uma cantina. A Escola Sonho Dourado fica localizado na Rua 7 de Setembro e foi inaugurada no ano de 1987, na Gestão do Ex. Prefeito Adilson Dantas Dourado. Sendo também ampliada a escola no dia 26 de Abril ano de 1998. Na sala especializada do AEE, conta-se também com um grande número de materiais que favorecem o desempenho dos alunos e são administrados pela professora do programa. Observa-se que a maioria desses materiais, são confeccionados com materiais recicláveis, confeccionados a partir de garrafa pet, tampinhas, desenhos de encaixe fotocopiados, alfabeto móvel, livros de historinhas, computadores e tablete, etc. são recursos que contribuem para o processo de inclusão educacional. Nesta ótica, com base na concretização dos trabalhos abordados junto a gestora e supervisora com os recursos pedagógicos para a inclusão social, é importante ressaltar o compromisso que a professora tem com a educação especial.Não se pode falar ou confundir, que este programa é de reforço escolar ou mera repetição dos conteúdos pragmático. Mas podemos especificar que é um processo de ampliação e produção de conhecimentos. Enfatiza-se também que a participação da professora é de toda importância, nesta atuação de aprendizagem.
  • 4. Em relação a forma de atendimento, cada criança é atendida individualmente, o que atende as necessidades de cada aluno por sua especialidade. Sendo assim, a sala do AEE, atende os alunos de todos os níveis. Suas deficiências: transtornos e distúrbios de aprendizagem, transtornos de hiperatividade, deficiências múltiplas, deficiência auditiva. É sabido que a Declaração de Salamanca, 1994, sobre os princípios e práticas na área da Necessidades Educativas Especiais: 1ª afirma e reconhece, que toda criança, jovens e adultos com necessidades educacionais especiais dentro do sistema regular de ensino e reendossamos a Estrutura de Ação em Educação Especial, em que, pelo espírito de cujas provisões e recomendações do governo sejam guiados. 2- Acreditamos que toda criança tem o direito fundamental à educação, e deve ser dada a oportunidade de atingir e manter o nível adequado de aprendizagem. Toda criança possui características, interesses, habilidades e necessidades de aprendizagem que são únicas. Portanto, é importante destacar que não há um único processo de adaptação curricular válido para qualquer situação ou realidade educativa, cabendo a cada contexto escolar buscar soluções que melhor atenda a sua comunidade. Contudo, todo projeto de trabalho deve apontar para a possibilidade de se buscar novos conhecimentos e recursos, que venham contribuir na inserção dos alunos com necessidades especiais no espaço escolar.
  • 5. 2 Estágio Supervisionado Na Unidade Escolar Sonho Dourado É imprescindível ressaltar que a Constituição Federal da República Federativa do Brasil garante que: Art. 205. “A educação, direito de todos e do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”. Seguindo essa ótica, a Lei nº 9394/96 – Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional – 1996. Capítulo V. Da educação especial. Art.58. “Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de educação escolar, oferecida, preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos, portadores de necessidades especiais. De acordo com a LDB ainda no Art. 58 – § 1º Haverá, quando necessário, serviços de apoio especializado, na escola regular, para atender a peculiaridade da clientela de educação especial. E no § 3º A oferta da educação especial dever constitucional do Estado, tem início na faixa etária de 0 a 6 anos, durante a educação infantil. Partindo dos direitos garantidos em lei, foi desenvolvido um trabalho de observação na Escola Sonho Dourado, no Município de Carutapera, na rede municipal. É por meio deste que iniciarei este relatório com base nas deficiências múltiplas da criançaEsdras Bezerra Freitas, aluno do primeiro ano. Sua especialidade é a deficiência múltipla. As atividades de contra turno é realizada no horário das 9: 35 às 11:00 horas, turno matutino do programa multifuncional (AEE). Observa-se que o aluno apresenta desempenho durante a exploração de montagem com peças circulares maiores, para formar o corpo de um animal(cachorrinho). O mesmo monta com cuidado cada peça, mas sua dificuldade de locomoção é uma barreira para o seu desempenho em encaixar as peças. A criança gosta de dialogar durante as atividades proporcionadas pela professora Lucienedos Remédios Teixeira, a mesma relatou que a inquietação dele, faz parte de sua estrutura corporal, pois em seu movimento não há equilíbrio, por isso tem sua cadeira adaptada para ele, durante as atividades de escrita e pintura. Carvalho afirma que:
  • 6. “(...) expressão adotada para designar pessoas que tem mais de uma deficiência. É uma condição heterogenia que identifica diferentes grupos de pessoas, revelando associações diversas de deficiência que afetam, mais ou menos intensamente, o funcionamento individual e o relacionamento social (CARVALHO, 2000, p. 47).” Segundo a professora, ele desenvolveu-se muito durante o período de sua estadia no programa do (AEE). Contudo,houve uma reflexão por parte da mesma a respeito do aluno, de como trabalharia com uma criança com múltipla deficiência.Pois ela não se segurava direito em sua cadeira, movimentava-se bastante. Assim, com vários questionamentos, a professora Luciene dos Remédios Teixeira usou a metodologia para observar seu aluno. Quando colocado no chão, observava os seus movimentos motores, tanto corporal, quanto em manipulação de objetos concretos existentes próximo dele. Constatou que o seu desempenho foi concluído e satisfatório. Durante a atividade de quebra-cabeça, o aluno observava as peças e encaixava peça por peça. Esta atividade o proporciona um raciocínio lógico e desenvolve sua percepção visual que facilita na sua estrutura psíquico e na coordenação fina, por causa da sua delimitação. Esta tarefa precisa ser fixada com fita gomada, para que as peças não saiam dos lugares, facilitando para o aluno um movimento adequado e, dessa maneira, conseguir completar todas as peças. Desta forma a professora consegue fazer atividades de escrita com o aluno Esdras, pelo menos o seu nome e sobrenome. No entanto, o seu cognitivo não é afetado por causa de sua deficiência, mas sua dicção é afetada um pouco, porém não impede do aluno evoluir na sua aprendizagem. A única dificuldade que ele tem, são os movimentos involuntários do seu corpo, que não é controlado. A princípio, seu movimento era muito rápido, pois tentava pegar os objetos da mesa, mas não conseguia, porque caiam sempre todos de suas mãos. Este educando está no programa há dois anos, aperfeiçoando suas técnicas de aprendizagem. Observa-se que já se teve êxodo durante a sua estadia. A terceira etapa das atividades de locomoção é a parte mais difícil, pois precisa ter um grande cuidado para o mesmo não se machucar no chão com o seu movimento rápido. Esta atividade deixa a criança mais livre para a sua independência de aprendizagem. Entretanto, a possibilidade de ter a destreza involuntária do corpo, não facilita no equilíbrio de sua estrutura corporal.
  • 7. Ao desenvolver as atividades, com bolas amarradas e os números gigantes, facilitam um bom entendimento de sua atividade concreta. Ao ter o contato com o chão, a criança se cansa com facilidade, uma vez que o mesmo não tinha estímulos por parte dos familiares. Foi por isso que a professora constatou a possibilidade dessa atividade grossa, para que ele pudesse se locomover para todos os lados. No entanto, a família passa por grandes desafios em educar o filho Esdras, pois na sua casa, o menino não aceita ser contrariado pelos mesmo. Segundo sua mãe, ele quer fazer tudo sozinho, sem a ajuda deles. E o tratamento do mesmo está sendo pelo Sara, uma vez por mês, para estimular seus movimentos. O aluno fica em êxtase quando a tarefa é com estimulo do corpo, durante as atividades no chão, o mesmo fica entusiasmado com a ação da professora, porque sua orientação é bem contagiante, sua paciência com o aluno demonstra uma ação de cidadania. Sendo assim, a professora trabalha, incansavelmente, para repassar seus conhecimentos adquiridos durante sua formação. Durante todo o estágio supervisionado no processo de aprendizagem a respeito do aluno, pude vivenciar todo o processo de desenvolvimento do aluno Esdras, com base no desempenho da professora Luciene dos Remédios Teixeira. Os materiais trabalhados são de muita importância, pois facilita toda a aprendizagem de todos os alunos especiais. Na sala do AEE, também há 19 (dezenove) crianças para o atendimento individual. Cada aluno tem o seu horário, na parte da manhã e pela tarde, sendo acompanhadas pela professora. Dando continuidade ao relato, venho falar sobre a aluna Jeniffer Nunes Cruz, mesmo com um período muito pouco de observação, recebi o diagnóstico por parte da professora que sua deficiência é auditiva e a maior dificuldade que a professora encontra na aluna é a parte de interpretação de texto, pois a mesma não associa a imagem para produzir texto, isso só ocorre, quando colocados para o braile, para serem encontradas através de desenhos mudos ou símbolos indicados pela letra do alfabeto em braile. Há também o aluno Isaias da Cruz Melo que ainda não foi diagnosticado, suspeita-se de ser uma criança hiperativa, mas não se sabe ao certo ainda. Outro fato agravante é a falta de afetividade por parte dos pais.
  • 8. Percebe-se, dessa forma que o aluno Isaias se encontra com muita dificuldade durante as atividades abordadas pela professora Luciene, pois a mesma constatou que o educando não consegue associar as palavras e fazer a leitura, sem olhar os desenhos referentes.Assim, ao realizar algumas atividades de encaixe com palavras no desenho correspondente, para avaliar o desempenho do mesmo, somente foi concluído o êxodo, após a associação do desenho e a letra inicial, junto as palavras como: navio, sapato, escola, etc. Desta forma o aluno conseguiu assimilar e concluir seu raciocínio de todas as palavras. O que foi satisfatório para ele e para a professora presente. Por outro lado, seu desempenho só ia acontecendo, por causa do interesse do final, pois se realizasse todas as atividades obrigatórias, teria um momento para jogar alguns minutos antes do final da aula. Somente assim é que o aluno apresenta um pouco de interesse na realização das atividades propostas. Pois no início não queria nada, ficava alheio das atividades da professora, que com dedicação, conquistou a confiança de seu aluno. Hoje o Isaias é uma criança mudada, consegue respeitar a comanda da professora Luciene. Portanto, a professora Luciene dos Remédios Teixeira desenvolve um trabalho com muita dedicação, responsabilidade e prazer, no entanto, questiona que não tem uma formação a nível superior em libras e em braile. Tudo o que aprendeu foi realizado através do curso de capacitação em programas de curso de férias. Apesar da satisfação em realizar seu trabalho, afirma que sente saudade dos alunos do turno regular. Dessa forma, percebe-se que há necessidades de um ensino voltado exclusivamente para a capacitação em níveis superiores referentes a educação inclusiva.
  • 9. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Portanto, para que ocorra o desenvolvimento do trabalho escolar é preciso considerar uma experiência muito válida, ou seja, repensar nossa prática pedagógica, direcionando nossa proposta, a partir de discussões, com a certeza da participação de todos os envolvidos no processo ensino e aprendizagem e da comunidade, garantindo assim, a gestão democrática e participativa. Com base nisso nos engajamos nesse trabalho, com a expectativa de difundir mais e mais a sensibilização dos professores, familiares e demais alunos que convivem com as crianças com deficiência inseridos na comunidade escolar. Sendo assim, o movimento de educação inclusiva, atualmente difundido, defende uma escola que possa entender a todos os alunos, adequando o currículo aos métodos, materiais de ensino-aprendizagem, enfim, todos os procedimentos pedagógicos para que seja possível receber uma educação de qualidade no ambiente integrador da escolar regular. Contudo, é preciso que a escola seja um exemplo de organização na sociedade, pois é desta forma que garantiremos o acesso a inclusão social e a verdadeira cidadania. Finalmente ressaltamos a importância de cumprir as leis que dão sustentação à inclusão. É preciso colocar em prática o que já está legalmente garantido, para que a diversidade seja respeitada e valorizada, e assim, proporcionar a todos os seres humanos, o desenvolvimento integral de suas capacidades, favorecendo e reconhecendo o direito às diferenças.
  • 10. REFERÊNCIAS CARVALHO, E.N.S. Programas e capacitação de recursos humanos ao Ensino Fundamental- Deficiência Múltipla. Brasília, SEE SP/ MEC, V.1, 2000. Lei n°- 9394/96- Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- 1996 Lei n°- 8.069- ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990, art. 1°e art. 2° http://Escolajonathas.blogspot.com.br/ acesso em 11 de abril de 2015. http://Saladerecursosmultifuncionais.blogspot.com.br/ acesso em 11 de abril de 2015. http://www.fae.ufmg.br/ acesso em 11 de abril de 2015. http://www.lapeade.com.br/ acesso em 11 de abril de 2015. http://www.planalto.gov.br/ acesso em 11 de abril de 2015.
  • 11. Anexos 1. Qual a importância da sala multifuncional do AEE? 2. De que forma desse-se trabalhar com as crianças do programa? 3. Quem são os responsáveis em diagnosticar as deficiências das crianças atendidas pelo programa? Em que parte a família deve ajudar nessa especialidade? 4. Quais as formações adequadas para trabalhar com as crianças especiais? 5. De que forma são confeccionados os materiais que são utilizados na sala do AEE? 6. Existe cursos de capacitação ofertados pela rede de ensino aos professores que trabalham no programa do AEE?