SlideShare uma empresa Scribd logo
PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL (PDI) 
E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR 
Obs.: Precisei fazer o PDI do meu aluno Rian e encontrei um pouco de 
dificuldade, mas, diante deste modelo encontrado na internet - 
http://educacaoespecialceeeu.blogspot.com.br/2013/05/plano-de-dessenvolvimento-curricular- 
e.html) – (lá estava “dessenvolvimento”, com ss mesmo), tudo se tornou 
mais fácil. De todos, este é o que me parece mais completo, por isso, resolvi 
compartilhá-lo, modificando, somente, alguma formatação. 
Muito obrigada a todos que postam seus trabalhos, que muito nos ajudam. 
Espero que eu também possa contribuir com vocês! 
Quando um aluno com Necessidades Especiais chega à sala de aula da escola 
comum, os professores, supervisores e diretores normalmente encontram-se aflitos, 
ansiosos e temerosos com o desenvolvimento, participação, desempenho global e a 
aprendizagem desse aluno. 
Os comentários e questionamentos comuns são mais ou menos assim: 
“- A turma está aprendendo frações e ele não sabe nem fazer soma! Como 
ele vai acompanhar a classe?” 
“- A turma já está lendo e elaborando textos e ele não sabe nem escrever 
seu nome! Como ele vai acompanhar a classe?” 
“- Esse aluno deve estar na escola especial...!” 
Não devemos nos esquecer: 
 A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, assegura às pessoas com 
necessidades educacionais especiais o direito à educação na rede regular de 
ensino, para tanto, exigindo adaptação e ou flexibilização de currículos, métodos, 
técnicas e recursos para atender as especificidades. 
A ansiedade e dúvidas do professor residem no fato de não conseguir que o 
aluno aprenda como os demais da sua turma, mas tudo isso é minimizado ao tomar 
conhecimento e entender a proposta do PDI, que é direito adquirido do aluno com NEE. 
O Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) é um dos documentos mais 
importantes da inclusão escolar, pois, através dele, o aluno com NEE é avaliado, 
reavaliado e o planejamento é elaborado, com estratégias específicas, levando-se sempre 
em consideração as capacidades, habilidades, aptidões e respeitando suas limitações; o 
PDI compara o desenvolvimento do aluno com ele mesmo e não com os demais de 
sua classe. 
Importante esclarecer que ter laudo de deficiência ou de Transtorno Global do 
Desenvolvimento, não implica na necessidade do aluno ter um PDI; há alunos com 
Paralisia Cerebral que apresentam bom desempenho acadêmico, necessitando apenas da
tecnologia assistiva para facilitar suas tarefas escolares, como carteiras e/ou 
computadores adaptados, entre outros. 
A responsabilidade do preenchimento do PDI é do professor regente de turma, 
com suporte do supervisor, que devem estar familiarizados com esse documento que 
garante a progressão escolar do aluno com NEE. 
O que deve conter no PDI (Projeto Incluir da SEE-MG e MEC) 
1-Folha de Rosto 
2-Relatório Circunstanciado 
3-Avaliação de Habilidades: 
 Cognitivas e Metacognitivas 
 Interpessoais/Afetivas 
 Comunicacionais 
 Motoras/Psicomotoras 
 Atividades cotidianas 
4-Habilidades Acadêmicas 
 Todas as disciplinas 
1-Folha de Rosto 
 Identificação do Aluno 
 Nome - Data de Nascimento - Naturalidade 
 Filiação 
 Responsáveis pelo aluno 
 Diagnóstico 
 O laudo médico 
 Deficiência 
 Física - Intelectual – Sensorial - Múltipla 
 TGD 
 Autismo - Síndrome de Rett - Síndrome de Asperger - outros 
 Necessidades educacionais: 
 AEE (professor de Apoio – Sala de Recursos) - Tecnologia 
 Assistiva- PDI - Flexibilização Curricular - ASB (cuidador) - 
 Acessibilidade. 
 Percurso escolar 
 Escolaridade 
 Documentação
 Data de Admissão 
 Proposta Curricular 
2-Relatório Circunstanciado 
Esse relatório descreve a história de vida do aluno e deve ser atualizado. 
 Gestação – Nascimento – Hospitalizações; 
 Cirurgias – Doenças – Histórico familiar; 
 Início e percurso escolar - Medicação em uso; 
 Equipamentos que utiliza (cadeira de rodas- órteses, outros); 
 Terapias que realiza - outros. 
Esse relatório deve estar sempre atualizado; qualquer nova informação como 
alteração da medicação utilizada pelo aluno ou nas terapias que está frequentando, 
deve ser inserida no relatório. 
3- Avaliação de habilidades – Sugestões: 
 Habilidades Cognitivas 
Atenção em sala - Interesse no ambiente 
Concentração nas atividades 
Memória auditiva – visual - sequencial 
Raciocínio lógico matemático 
Sequência lógica dos fatos 
Interesse por objetos 
Exploração adequada dos objetos 
Comparação – Associação - Classificação 
Abstração (conduta simbólica) 
Discriminação visual – auditiva - tátil 
Organização 
Noções de autopreservação
 Habilidades Metacognitivas 
Conhecimento do próprio conhecimento, conhecimento da falta de conhecimento, 
dos próprios processos cognitivos e controle executivo. 
Utilização de estratégias para adquirir, organizar e utilizar o conhecimento. 
Planejar 
Estabelecer estratégias 
Avaliar 
Executar correções 
Julgamento adequado de situações 
 Habilidades Interpessoais/Afetivas 
Relações Sociais 
Autoestima - Resistência a frustação 
Cooperação – Humor – Agressividade 
Autoagressão 
Timidez - Iniciativa - Respeito 
Colaboração – Motivação - Isolamento 
Segue regras e rotina 
Olha nos olhos de outros 
Aceita a proximidade de outros 
Iniciativa social 
Comportamento adequado em público 
Permanência em sala 
 Habilidades Comunicacionais 
Responde ao ser chamado 
Compreende o que é falado
Forma de comunicação: olhar- gestos - expressão facial - movimentos de cabeça - 
sons guturais 
Tecnologia Assistiva utilizada 
Fala palavras inteligíveis 
Em quais situações se comunica 
Realiza muito esforço para comunicar-se 
Correspondência entre pensamento / fala 
Relata experiências pessoais 
Transmite recados 
Respirador nasal 
Controla salivação 
 Habilidades Motoras/Psicomotoras 
Permanece sentado com/sem apoio 
Rola, engatinha, arrasta-se 
Anda com/sem apoio 
Corre, pula, cai com frequência 
Equilíbrio estático/dinâmico 
Toca cadeira de rodas 
Ritmo – Diadococinesia motora 
Dominância manual – Esquema Corporal 
Discriminação de direita esquerda 
Coordenação grossa/fina - Coordenação gráfica/visomotora 
Conceitos básicos (cores/posição no espaço etc.) 
Empurra/apreende/manipula/mantém objetos 
Realiza atividades bimanuais -Tipo de preensão do lápis 
Usa borracha/tesoura - Presença de estereotipias 
Agitação psicomotora - Consegue realizar “push-up”
Adequação Postural - Desenvolvimento Motor 
Coordenação Motora - Equilíbrio 
 Habilidades do Cotidiano 
Alimentação – usa sonda, leva alimento com a mão à boca, usa a colher, come 
sólidos, derrama alimentos, bebe em mamadeira/copo, engasga, tem disfagia, reflexo de 
mordida. 
Controle esfincteriano – Pede para ir ao banheiro, vai ao banheiro sozinho, avisa 
quando está sujo, faz higiene íntima, usa fralda. 
Vestuário – Veste e despe roupas, utiliza os complementos do vestuário (botões, 
zíper, laço), calça descalça tênis, sandália. 
 Habilidades Acadêmicas 
Antes de prosseguir nas habilidades acadêmicas, vamos conhecer 
a FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR, que caminha junto com o PDI. 
FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR 
Oportunidade rica para valorizar a diversidade de toda a classe e não somente para 
o aluno com NEE. 
 Adaptação Curricular 
Toda e qualquer ação pedagógica que tenha como objetivo flexibilizar o currículo. 
 Flexibilizar = Tornar flexível 
Adjetivo: Que se dobra ou curva facilmente. 
Figurado: Brando, complacente, dócil. 
Sinônimo: Maleável 
 Currículo= É todo o conjunto de ações desenvolvidas pela escola, oportunizando 
a construção do conhecimento, da aprendizagem. 
 Finalidades da Flexibilização Curricular: 
 A Flexibilização Curricular se destina a todos os alunos, especialmente para 
aqueles com NEE.
 Permitir a maior participação e envolvimento possível dos alunos com NEE em 
todas as atividades da escola e da sala de aula. 
 Levar os alunos com NEE a atingirem os objetivos da cada nível de ensino. 
 Evitar a elaboração de currículos específicos para os alunos com NEE ou com 
características significativamente diferenciadas de seus pares, no que se refere à 
aprendizagem e à participação. 
A Flexibilização Curricular, não implica em reduzir ou eliminar aspectos dos 
conteúdos e dos objetivos curriculares, mas torná-los acessíveis, ajustando-os às 
condições e capacidade de aprendizagem do aluno. 
As Adaptações Curriculares são modificações realizadas no planejamento, nos 
objetivos da escola, nos conteúdos, nas atividades, nas estratégias de aplicação desse 
conteúdo e de avaliação, no currículo como um todo ou em aspectos dele. 
As adaptações curriculares devem ocorrer em três níveis do planejamento 
educacional: 
1 – No Projeto Político Pedagógico (Fundamentado nos PCNs considerando os 
objetivos gerais e os conteúdos e outros); 
2 – No Planejamento de Ensino (desenvolvido na sala de aula); 
3 – No Plano de Desenvolvimento Individual do aluno (PDI), observando as 
necessidades educacionais especiais. 
TIPOS DE ADAPTAÇÃO CURRICULARES: 
1- ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO 
2- ADAPTAÇÕES NÃO SIGNIFICATIVAS 
3- ADAPTAÇÕES INDIVIDUAIS 
4- ADAPTAÇÕES INDIVIDUAIS SIGNIFICATIVAS 
 Adaptações de acesso ao currículo 
Referem-se aos recursos técnicos e materiais específicos (Tecnologia Assistiva), 
bem como a remoção de barreiras arquitetônicas. 
 Adaptações não significativas 
Conjunto de ajustes nos diferentes elementos da proposta curricular para 
possibilitar o processo de ensino-aprendizagem e interação do aluno com necessidades 
educacionais especiais na dinâmica geral da aula: 
 contexto de sala de aula 
 priorização de objetivos e atividades 
 formas de agrupamentos de alunos 
 organização dos recursos materiais 
 procedimentos de avaliação 
 metodologia variada
 Adaptações individuais 
Ocorrem quando todas as alternativas de adequações de aula foram tentadas e o 
aluno possua um nível curricular significativamente abaixo do esperado pela sua idade. 
Caracterizam-se como um conjunto de modificações propostas para um determinado 
aluno, com o objetivo de responder às suas necessidades educacionais especiais, 
podendo ser compartilhadas com os demais alunos. 
 Adaptações individuais significativas 
 Aplicada para que seja útil ao aluno em curto, médio e em longo prazo. 
 Favorece o acesso ao conhecimento, considera os ambientes, os materiais, o 
modo de ensinar e a lógica nas atividades. Normalmente os alunos que necessitam desse 
tipo de adaptação curricular, apresentam graves comprometimentos e para eles são 
designados professores de Apoio. 
 É uma Educação para a vida. 
Dessa forma, a Flexibilização Curricular nos dá a ideia de um currículo tão 
maleável e flexível que englobe também o aluno com NEE. 
HABILIDADES ACADÊMICAS 
Em sala de aula, o aluno com NEE deve estar no mesmo contexto dos demais e 
não realizando atividades completamente diferentes como, por exemplo, a classe está 
resolvendo problemas de matemática e o aluno pintando as letras do alfabeto. Os 
conteúdos devem ser passados, com a flexibilização, adaptação e estratégias necessárias 
para que o aluno absorva o que sua capacidade permitir e o que isso significa? 
Exemplificando: 
1- O professor, seguindo as matrizes curriculares, está ensinado frações para sua 
turma; o aluno com NEE também recebe essas informações com as estratégias que o 
permitam participar desse conteúdo, seja com material concreto, práticas ou 
experimentações. Se esse aluno, de acordo com sua capacidade, entendeu que existe um 
inteiro (uma coisa inteira) que pode ser divido (partida em pedaços iguais) e cada pedaço 
é um pedacinho desse inteiro, de acordo com o planejamento individual elaborado pelo 
professor, o aluno alcançou os objetivos, pois de todo o contexto e de acordo com sua 
compreensão, foi essa noção de “frações” que ele conseguiu aprender e pode utilizar na 
vida.
2- Na disciplina de Português o professor está trabalhando a produção escrita e 
grafia correta com sua turma, o aluno com NEE, que na maioria das vezes não lê nem 
escreve, pode realizar seu texto oralmente, sendo observada a concordância verbal, 
conteúdo, sequência de pensamento e outros, segundo sua capacidade. 
3- Na matemática a turma está aprendendo equação do primeiro grau e, após 
esgotarem todas as estratégias, o aluno com NEE compreendeu que um problema escrito 
com palavras ou falado pode ser escrito com números, 
(equação linear) ou simplesmente entendeu o significado da incógnita (o X da questão), 
esse aluno cumpriu os objetivos, pois, do contexto das equações do primeiro grau, foi o 
que ele teve condições de aprender. 
4- Um exemplo interessante aconteceu com uma aluna com Síndrome de Down no 
ensino médio: A professora falava sobre a segunda guerra, especificamente com 
documentários sobre Mussolini e Hitler e ao final da aula perguntou o que a aluna havia 
entendido sobre o apresentado e ela respondeu: - Um era mau, mas o outro era “muito 
mais mau” ainda! A professora considerou a resposta certa, porque dentro da sua 
capacidade de compreensão, a aluna demonstrou seu entendimento da situação exposta. 
5- Existem muitos casos, como na Deficiência Intelectual grave, em que o aluno 
exigirá uma adaptação individual significativa. Em Ciências, por exemplo, de todo o 
Eixo 2- Ser Humano e Saúde, o aluno aprendeu que não se pode beber qualquer água, 
que ela deve ser filtrada ou fervida antes de beber para não ficar doente e que a água é 
importante para todos e não se deve desperdiça-la. Podemos dizer que, de todo o Eixo 1, 
esse aluno com grave deficiência intelectual atingiu os objetivos, pois, de acordo o 
planejado e aplicação de estratégias específicas, ele absorveu o conhecimento que 
estava ao alcance de sua compreensão, conhecimento esse que será utilizado em sua 
vida. 
Os exemplos acima citados demonstram a oportunidade de acesso ao currículo; em 
muitas situações o aluno também necessitará de acesso aos materiais e a comunicação, 
quando a Tecnologia Assistiva deve ser utilizada. O suporte da Sala de Recursos e do 
Professor de Apoio, quando necessários, tem papel fundamental do processo educacional 
do aluno com NEE. 
Se não existisse o PDI e a Flexibilização Curricular, os alunos com NEE estariam 
para sempre na “alfabetização”, marcando passo no mesmo lugar ou teriam seus boletins 
sempre com notas em vermelho, o que seria, no mínimo, um desrespeito. O boletim do 
aluno com NEE é justificado e apoiado pelo seu Plano de Desenvolvimento Individual 
(PDI), o que deve acontecer durante todo o percurso escolar. 
Muitos irão perguntar: como esse aluno pode estar no sexto ano se não sabe ler, nem 
somar e ainda seu boletim apresenta-se com boas notas?
A resposta é: porque ele tem um PDI e está em uma escola que valoriza suas 
capacidades e respeita suas limitações. 
Como foi dito anteriormente, o preenchimento do PDI é responsabilidade do 
professor regente de turma. A partir do sexto ano, cada professor deve ser responsável 
pelo preenchimento da sua disciplina; a parte das 
habilidades cognitivas/metacognitivas/comunicacionais/interpessoais/afetivas/motoras/psi 
comotoras/cotidianas pode ser considerada parte comum e deve ser preenchida uma 
única vez, com o consenso dos professores. 
É importante que o planejamento pedagógico do professor seja o mais realista 
possível e o PDI o mais fiel possível ao aluno. 
http://educacaoespecialceeeu.blogspot.com.br/2013/05/plano-de-dessenvolvimento-curricular- 
e.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limitesSimoneHelenDrumond
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educaçãoSimoneHelenDrumond
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaSimoneHelenDrumond
 
Parecer escolar de uma aluna reprovada
Parecer escolar de uma aluna reprovadaParecer escolar de uma aluna reprovada
Parecer escolar de uma aluna reprovadaSimoneHelenDrumond
 
Pei, exemplo dislexia
Pei, exemplo dislexiaPei, exemplo dislexia
Pei, exemplo dislexiaLeo Silva
 
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumondModelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoSimoneHelenDrumond
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAFabiana Lopes
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilMelissa Oliveira
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Isa ...
 
Modelo pei-plano-educacional-individualizado
Modelo pei-plano-educacional-individualizadoModelo pei-plano-educacional-individualizado
Modelo pei-plano-educacional-individualizadoAntonio Sousa
 
Caderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico AutismoCaderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico AutismoSarah Olliver
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolaralvinarocha
 
Apostila das quadrinhas e textos complementares
  Apostila das quadrinhas e textos complementares  Apostila das quadrinhas e textos complementares
Apostila das quadrinhas e textos complementaresFrancisco Moura
 

Mais procurados (20)

Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
 
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemáticaParecer de uma aluno com dificuldade em matemática
Parecer de uma aluno com dificuldade em matemática
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Parecer escolar de uma aluna reprovada
Parecer escolar de uma aluna reprovadaParecer escolar de uma aluna reprovada
Parecer escolar de uma aluna reprovada
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
Pei, exemplo dislexia
Pei, exemplo dislexiaPei, exemplo dislexia
Pei, exemplo dislexia
 
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumondModelos de relatórios de alunos simone helen drumond
Modelos de relatórios de alunos simone helen drumond
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação Infantil
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
 
Modelo pei-plano-educacional-individualizado
Modelo pei-plano-educacional-individualizadoModelo pei-plano-educacional-individualizado
Modelo pei-plano-educacional-individualizado
 
Caderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico AutismoCaderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico Autismo
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
 
Apostila das quadrinhas e textos complementares
  Apostila das quadrinhas e textos complementares  Apostila das quadrinhas e textos complementares
Apostila das quadrinhas e textos complementares
 

Destaque

Plano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento IndividualPlano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento IndividualDiogo Santos
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.pipatcleopoldina
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilkeillacr
 
Desenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreirasDesenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreirasMichael Silva
 
Ficha de Análise de Aprendizagem do Aluno
Ficha de Análise de Aprendizagem do AlunoFicha de Análise de Aprendizagem do Aluno
Ficha de Análise de Aprendizagem do AlunoAlekson Morais
 
Avaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoAvaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoJoão Lima
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoJoão Lima
 
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)Adilson P Motta Motta
 
Principios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especialPrincipios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especialAdelaide Barbosa
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheFatinha Bretas
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliaçãoIsa ...
 
Avaliação de português 2º bim
Avaliação de português  2º bimAvaliação de português  2º bim
Avaliação de português 2º bimKelry Carvalho
 
Avaliação de Português, História e Geografia
Avaliação de Português, História e Geografia Avaliação de Português, História e Geografia
Avaliação de Português, História e Geografia Kelry Carvalho
 
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
Fichas de Avaliação  Ed. InfantilFichas de Avaliação  Ed. Infantil
Fichas de Avaliação Ed. InfantilAlinemmoliveira
 
Diagnostico matematica 3 ano 2015
Diagnostico matematica 3 ano 2015Diagnostico matematica 3 ano 2015
Diagnostico matematica 3 ano 2015Dário Reis
 
Avaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaAvaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaKelry Carvalho
 
Avaliação de Português 3º ano 1º bim
Avaliação de Português 3º ano 1º bim Avaliação de Português 3º ano 1º bim
Avaliação de Português 3º ano 1º bim Kelry Carvalho
 
Sugestão de atividade avaliativa de matemática
Sugestão de atividade avaliativa de matemáticaSugestão de atividade avaliativa de matemática
Sugestão de atividade avaliativa de matemáticaPaulo Alves de Araujo
 
Pdi texto de michele ferreira
Pdi texto de michele ferreiraPdi texto de michele ferreira
Pdi texto de michele ferreiraEdson Sueira
 
VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERedmarap
 

Destaque (20)

Plano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento IndividualPlano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento Individual
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantil
 
Desenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreirasDesenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreiras
 
Ficha de Análise de Aprendizagem do Aluno
Ficha de Análise de Aprendizagem do AlunoFicha de Análise de Aprendizagem do Aluno
Ficha de Análise de Aprendizagem do Aluno
 
Avaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo FormativoAvaliação do Processo Formativo
Avaliação do Processo Formativo
 
Conceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da FormaçãoConceitos Avaliação da Formação
Conceitos Avaliação da Formação
 
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)
Plano de Ação e Metas Dinare Feitosa 2013 (Adilson Motta)
 
Principios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especialPrincipios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especial
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
 
Avaliação de português 2º bim
Avaliação de português  2º bimAvaliação de português  2º bim
Avaliação de português 2º bim
 
Avaliação de Português, História e Geografia
Avaliação de Português, História e Geografia Avaliação de Português, História e Geografia
Avaliação de Português, História e Geografia
 
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
Fichas de Avaliação  Ed. InfantilFichas de Avaliação  Ed. Infantil
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
 
Diagnostico matematica 3 ano 2015
Diagnostico matematica 3 ano 2015Diagnostico matematica 3 ano 2015
Diagnostico matematica 3 ano 2015
 
Avaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaAvaliação de Matemática
Avaliação de Matemática
 
Avaliação de Português 3º ano 1º bim
Avaliação de Português 3º ano 1º bim Avaliação de Português 3º ano 1º bim
Avaliação de Português 3º ano 1º bim
 
Sugestão de atividade avaliativa de matemática
Sugestão de atividade avaliativa de matemáticaSugestão de atividade avaliativa de matemática
Sugestão de atividade avaliativa de matemática
 
Pdi texto de michele ferreira
Pdi texto de michele ferreiraPdi texto de michele ferreira
Pdi texto de michele ferreira
 
VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDER
 

Semelhante a Modelo de plano de desenvolvimento individual 1

Adquação curricular ppt
Adquação curricular pptAdquação curricular ppt
Adquação curricular pptsedf
 
Encontro Educação Especial
Encontro Educação EspecialEncontro Educação Especial
Encontro Educação EspecialMayraPalmeira2
 
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptValquiriaFernandesOl2
 
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLA
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLAPERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLA
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLAJoaquim Colôa
 
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueira
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueiraO aprendizado em pauta palestra da ec arniqueira
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueiraAnaí Peña
 
C 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distanciaC 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distanciaJo Josinha
 
Inclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesInclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesosorioramos
 
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoassessoriapedagogica
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slidesgindri
 
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais  saee blogCópia de salas de recursos multifuncionais  saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blogMarli Gomes
 
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais  saee blogCópia de salas de recursos multifuncionais  saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blogMarli Gomes
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blogMarli Gomes
 
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSJoaquim Colôa
 

Semelhante a Modelo de plano de desenvolvimento individual 1 (20)

Adquação curricular ppt
Adquação curricular pptAdquação curricular ppt
Adquação curricular ppt
 
Edu Inclusiva Maristela
Edu Inclusiva MaristelaEdu Inclusiva Maristela
Edu Inclusiva Maristela
 
sd-m4
sd-m4sd-m4
sd-m4
 
Encontro Educação Especial
Encontro Educação EspecialEncontro Educação Especial
Encontro Educação Especial
 
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
 
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLA
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLAPERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLA
PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO: A AÇÃO NA ESCOLA
 
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente1 aula   escola, ensino-aprendizagem do deficiente
1 aula escola, ensino-aprendizagem do deficiente
 
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueira
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueiraO aprendizado em pauta palestra da ec arniqueira
O aprendizado em pauta palestra da ec arniqueira
 
Apresentação Bel
Apresentação BelApresentação Bel
Apresentação Bel
 
Apresentação Bel
Apresentação BelApresentação Bel
Apresentação Bel
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Sindrome de down 2
Sindrome de down 2Sindrome de down 2
Sindrome de down 2
 
C 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distanciaC 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distancia
 
Inclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesInclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdades
 
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slides
 
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais  saee blogCópia de salas de recursos multifuncionais  saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
 
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais  saee blogCópia de salas de recursos multifuncionais  saee blog
Cópia de salas de recursos multifuncionais saee blog
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blog
 
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
 

Mais de Kelry Carvalho

Avaliação 1º ano 1º bimestre
Avaliação 1º ano  1º bimestreAvaliação 1º ano  1º bimestre
Avaliação 1º ano 1º bimestreKelry Carvalho
 
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestre
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestreAvaliação de Português 5º Ano 2º bimestre
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestreKelry Carvalho
 
1ª avaliação de português 2º bimestre
1ª avaliação de português 2º bimestre1ª avaliação de português 2º bimestre
1ª avaliação de português 2º bimestreKelry Carvalho
 
Avaliação de Português 2º bim
Avaliação de Português  2º bimAvaliação de Português  2º bim
Avaliação de Português 2º bimKelry Carvalho
 
Avaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaAvaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaKelry Carvalho
 
Avaliação de Português
Avaliação de Português Avaliação de Português
Avaliação de Português Kelry Carvalho
 
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blogKelry Carvalho
 
Verificação de aprendizagem
Verificação  de  aprendizagemVerificação  de  aprendizagem
Verificação de aprendizagemKelry Carvalho
 
Verificação de aprendizagem português 3º ano
Verificação  de  aprendizagem português 3º anoVerificação  de  aprendizagem português 3º ano
Verificação de aprendizagem português 3º anoKelry Carvalho
 

Mais de Kelry Carvalho (10)

Avaliação 1º ano 1º bimestre
Avaliação 1º ano  1º bimestreAvaliação 1º ano  1º bimestre
Avaliação 1º ano 1º bimestre
 
Alfabeto móvel
Alfabeto móvelAlfabeto móvel
Alfabeto móvel
 
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestre
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestreAvaliação de Português 5º Ano 2º bimestre
Avaliação de Português 5º Ano 2º bimestre
 
1ª avaliação de português 2º bimestre
1ª avaliação de português 2º bimestre1ª avaliação de português 2º bimestre
1ª avaliação de português 2º bimestre
 
Avaliação de Português 2º bim
Avaliação de Português  2º bimAvaliação de Português  2º bim
Avaliação de Português 2º bim
 
Avaliação de Matemática
Avaliação de MatemáticaAvaliação de Matemática
Avaliação de Matemática
 
Avaliação de Português
Avaliação de Português Avaliação de Português
Avaliação de Português
 
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog
1ª avaliação de português 10 pontos 1º bim para o blog
 
Verificação de aprendizagem
Verificação  de  aprendizagemVerificação  de  aprendizagem
Verificação de aprendizagem
 
Verificação de aprendizagem português 3º ano
Verificação  de  aprendizagem português 3º anoVerificação  de  aprendizagem português 3º ano
Verificação de aprendizagem português 3º ano
 

Último

Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Modelo de plano de desenvolvimento individual 1

  • 1. PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL (PDI) E FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR Obs.: Precisei fazer o PDI do meu aluno Rian e encontrei um pouco de dificuldade, mas, diante deste modelo encontrado na internet - http://educacaoespecialceeeu.blogspot.com.br/2013/05/plano-de-dessenvolvimento-curricular- e.html) – (lá estava “dessenvolvimento”, com ss mesmo), tudo se tornou mais fácil. De todos, este é o que me parece mais completo, por isso, resolvi compartilhá-lo, modificando, somente, alguma formatação. Muito obrigada a todos que postam seus trabalhos, que muito nos ajudam. Espero que eu também possa contribuir com vocês! Quando um aluno com Necessidades Especiais chega à sala de aula da escola comum, os professores, supervisores e diretores normalmente encontram-se aflitos, ansiosos e temerosos com o desenvolvimento, participação, desempenho global e a aprendizagem desse aluno. Os comentários e questionamentos comuns são mais ou menos assim: “- A turma está aprendendo frações e ele não sabe nem fazer soma! Como ele vai acompanhar a classe?” “- A turma já está lendo e elaborando textos e ele não sabe nem escrever seu nome! Como ele vai acompanhar a classe?” “- Esse aluno deve estar na escola especial...!” Não devemos nos esquecer:  A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, assegura às pessoas com necessidades educacionais especiais o direito à educação na rede regular de ensino, para tanto, exigindo adaptação e ou flexibilização de currículos, métodos, técnicas e recursos para atender as especificidades. A ansiedade e dúvidas do professor residem no fato de não conseguir que o aluno aprenda como os demais da sua turma, mas tudo isso é minimizado ao tomar conhecimento e entender a proposta do PDI, que é direito adquirido do aluno com NEE. O Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) é um dos documentos mais importantes da inclusão escolar, pois, através dele, o aluno com NEE é avaliado, reavaliado e o planejamento é elaborado, com estratégias específicas, levando-se sempre em consideração as capacidades, habilidades, aptidões e respeitando suas limitações; o PDI compara o desenvolvimento do aluno com ele mesmo e não com os demais de sua classe. Importante esclarecer que ter laudo de deficiência ou de Transtorno Global do Desenvolvimento, não implica na necessidade do aluno ter um PDI; há alunos com Paralisia Cerebral que apresentam bom desempenho acadêmico, necessitando apenas da
  • 2. tecnologia assistiva para facilitar suas tarefas escolares, como carteiras e/ou computadores adaptados, entre outros. A responsabilidade do preenchimento do PDI é do professor regente de turma, com suporte do supervisor, que devem estar familiarizados com esse documento que garante a progressão escolar do aluno com NEE. O que deve conter no PDI (Projeto Incluir da SEE-MG e MEC) 1-Folha de Rosto 2-Relatório Circunstanciado 3-Avaliação de Habilidades:  Cognitivas e Metacognitivas  Interpessoais/Afetivas  Comunicacionais  Motoras/Psicomotoras  Atividades cotidianas 4-Habilidades Acadêmicas  Todas as disciplinas 1-Folha de Rosto  Identificação do Aluno  Nome - Data de Nascimento - Naturalidade  Filiação  Responsáveis pelo aluno  Diagnóstico  O laudo médico  Deficiência  Física - Intelectual – Sensorial - Múltipla  TGD  Autismo - Síndrome de Rett - Síndrome de Asperger - outros  Necessidades educacionais:  AEE (professor de Apoio – Sala de Recursos) - Tecnologia  Assistiva- PDI - Flexibilização Curricular - ASB (cuidador) -  Acessibilidade.  Percurso escolar  Escolaridade  Documentação
  • 3.  Data de Admissão  Proposta Curricular 2-Relatório Circunstanciado Esse relatório descreve a história de vida do aluno e deve ser atualizado.  Gestação – Nascimento – Hospitalizações;  Cirurgias – Doenças – Histórico familiar;  Início e percurso escolar - Medicação em uso;  Equipamentos que utiliza (cadeira de rodas- órteses, outros);  Terapias que realiza - outros. Esse relatório deve estar sempre atualizado; qualquer nova informação como alteração da medicação utilizada pelo aluno ou nas terapias que está frequentando, deve ser inserida no relatório. 3- Avaliação de habilidades – Sugestões:  Habilidades Cognitivas Atenção em sala - Interesse no ambiente Concentração nas atividades Memória auditiva – visual - sequencial Raciocínio lógico matemático Sequência lógica dos fatos Interesse por objetos Exploração adequada dos objetos Comparação – Associação - Classificação Abstração (conduta simbólica) Discriminação visual – auditiva - tátil Organização Noções de autopreservação
  • 4.  Habilidades Metacognitivas Conhecimento do próprio conhecimento, conhecimento da falta de conhecimento, dos próprios processos cognitivos e controle executivo. Utilização de estratégias para adquirir, organizar e utilizar o conhecimento. Planejar Estabelecer estratégias Avaliar Executar correções Julgamento adequado de situações  Habilidades Interpessoais/Afetivas Relações Sociais Autoestima - Resistência a frustação Cooperação – Humor – Agressividade Autoagressão Timidez - Iniciativa - Respeito Colaboração – Motivação - Isolamento Segue regras e rotina Olha nos olhos de outros Aceita a proximidade de outros Iniciativa social Comportamento adequado em público Permanência em sala  Habilidades Comunicacionais Responde ao ser chamado Compreende o que é falado
  • 5. Forma de comunicação: olhar- gestos - expressão facial - movimentos de cabeça - sons guturais Tecnologia Assistiva utilizada Fala palavras inteligíveis Em quais situações se comunica Realiza muito esforço para comunicar-se Correspondência entre pensamento / fala Relata experiências pessoais Transmite recados Respirador nasal Controla salivação  Habilidades Motoras/Psicomotoras Permanece sentado com/sem apoio Rola, engatinha, arrasta-se Anda com/sem apoio Corre, pula, cai com frequência Equilíbrio estático/dinâmico Toca cadeira de rodas Ritmo – Diadococinesia motora Dominância manual – Esquema Corporal Discriminação de direita esquerda Coordenação grossa/fina - Coordenação gráfica/visomotora Conceitos básicos (cores/posição no espaço etc.) Empurra/apreende/manipula/mantém objetos Realiza atividades bimanuais -Tipo de preensão do lápis Usa borracha/tesoura - Presença de estereotipias Agitação psicomotora - Consegue realizar “push-up”
  • 6. Adequação Postural - Desenvolvimento Motor Coordenação Motora - Equilíbrio  Habilidades do Cotidiano Alimentação – usa sonda, leva alimento com a mão à boca, usa a colher, come sólidos, derrama alimentos, bebe em mamadeira/copo, engasga, tem disfagia, reflexo de mordida. Controle esfincteriano – Pede para ir ao banheiro, vai ao banheiro sozinho, avisa quando está sujo, faz higiene íntima, usa fralda. Vestuário – Veste e despe roupas, utiliza os complementos do vestuário (botões, zíper, laço), calça descalça tênis, sandália.  Habilidades Acadêmicas Antes de prosseguir nas habilidades acadêmicas, vamos conhecer a FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR, que caminha junto com o PDI. FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR Oportunidade rica para valorizar a diversidade de toda a classe e não somente para o aluno com NEE.  Adaptação Curricular Toda e qualquer ação pedagógica que tenha como objetivo flexibilizar o currículo.  Flexibilizar = Tornar flexível Adjetivo: Que se dobra ou curva facilmente. Figurado: Brando, complacente, dócil. Sinônimo: Maleável  Currículo= É todo o conjunto de ações desenvolvidas pela escola, oportunizando a construção do conhecimento, da aprendizagem.  Finalidades da Flexibilização Curricular:  A Flexibilização Curricular se destina a todos os alunos, especialmente para aqueles com NEE.
  • 7.  Permitir a maior participação e envolvimento possível dos alunos com NEE em todas as atividades da escola e da sala de aula.  Levar os alunos com NEE a atingirem os objetivos da cada nível de ensino.  Evitar a elaboração de currículos específicos para os alunos com NEE ou com características significativamente diferenciadas de seus pares, no que se refere à aprendizagem e à participação. A Flexibilização Curricular, não implica em reduzir ou eliminar aspectos dos conteúdos e dos objetivos curriculares, mas torná-los acessíveis, ajustando-os às condições e capacidade de aprendizagem do aluno. As Adaptações Curriculares são modificações realizadas no planejamento, nos objetivos da escola, nos conteúdos, nas atividades, nas estratégias de aplicação desse conteúdo e de avaliação, no currículo como um todo ou em aspectos dele. As adaptações curriculares devem ocorrer em três níveis do planejamento educacional: 1 – No Projeto Político Pedagógico (Fundamentado nos PCNs considerando os objetivos gerais e os conteúdos e outros); 2 – No Planejamento de Ensino (desenvolvido na sala de aula); 3 – No Plano de Desenvolvimento Individual do aluno (PDI), observando as necessidades educacionais especiais. TIPOS DE ADAPTAÇÃO CURRICULARES: 1- ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO 2- ADAPTAÇÕES NÃO SIGNIFICATIVAS 3- ADAPTAÇÕES INDIVIDUAIS 4- ADAPTAÇÕES INDIVIDUAIS SIGNIFICATIVAS  Adaptações de acesso ao currículo Referem-se aos recursos técnicos e materiais específicos (Tecnologia Assistiva), bem como a remoção de barreiras arquitetônicas.  Adaptações não significativas Conjunto de ajustes nos diferentes elementos da proposta curricular para possibilitar o processo de ensino-aprendizagem e interação do aluno com necessidades educacionais especiais na dinâmica geral da aula:  contexto de sala de aula  priorização de objetivos e atividades  formas de agrupamentos de alunos  organização dos recursos materiais  procedimentos de avaliação  metodologia variada
  • 8.  Adaptações individuais Ocorrem quando todas as alternativas de adequações de aula foram tentadas e o aluno possua um nível curricular significativamente abaixo do esperado pela sua idade. Caracterizam-se como um conjunto de modificações propostas para um determinado aluno, com o objetivo de responder às suas necessidades educacionais especiais, podendo ser compartilhadas com os demais alunos.  Adaptações individuais significativas  Aplicada para que seja útil ao aluno em curto, médio e em longo prazo.  Favorece o acesso ao conhecimento, considera os ambientes, os materiais, o modo de ensinar e a lógica nas atividades. Normalmente os alunos que necessitam desse tipo de adaptação curricular, apresentam graves comprometimentos e para eles são designados professores de Apoio.  É uma Educação para a vida. Dessa forma, a Flexibilização Curricular nos dá a ideia de um currículo tão maleável e flexível que englobe também o aluno com NEE. HABILIDADES ACADÊMICAS Em sala de aula, o aluno com NEE deve estar no mesmo contexto dos demais e não realizando atividades completamente diferentes como, por exemplo, a classe está resolvendo problemas de matemática e o aluno pintando as letras do alfabeto. Os conteúdos devem ser passados, com a flexibilização, adaptação e estratégias necessárias para que o aluno absorva o que sua capacidade permitir e o que isso significa? Exemplificando: 1- O professor, seguindo as matrizes curriculares, está ensinado frações para sua turma; o aluno com NEE também recebe essas informações com as estratégias que o permitam participar desse conteúdo, seja com material concreto, práticas ou experimentações. Se esse aluno, de acordo com sua capacidade, entendeu que existe um inteiro (uma coisa inteira) que pode ser divido (partida em pedaços iguais) e cada pedaço é um pedacinho desse inteiro, de acordo com o planejamento individual elaborado pelo professor, o aluno alcançou os objetivos, pois de todo o contexto e de acordo com sua compreensão, foi essa noção de “frações” que ele conseguiu aprender e pode utilizar na vida.
  • 9. 2- Na disciplina de Português o professor está trabalhando a produção escrita e grafia correta com sua turma, o aluno com NEE, que na maioria das vezes não lê nem escreve, pode realizar seu texto oralmente, sendo observada a concordância verbal, conteúdo, sequência de pensamento e outros, segundo sua capacidade. 3- Na matemática a turma está aprendendo equação do primeiro grau e, após esgotarem todas as estratégias, o aluno com NEE compreendeu que um problema escrito com palavras ou falado pode ser escrito com números, (equação linear) ou simplesmente entendeu o significado da incógnita (o X da questão), esse aluno cumpriu os objetivos, pois, do contexto das equações do primeiro grau, foi o que ele teve condições de aprender. 4- Um exemplo interessante aconteceu com uma aluna com Síndrome de Down no ensino médio: A professora falava sobre a segunda guerra, especificamente com documentários sobre Mussolini e Hitler e ao final da aula perguntou o que a aluna havia entendido sobre o apresentado e ela respondeu: - Um era mau, mas o outro era “muito mais mau” ainda! A professora considerou a resposta certa, porque dentro da sua capacidade de compreensão, a aluna demonstrou seu entendimento da situação exposta. 5- Existem muitos casos, como na Deficiência Intelectual grave, em que o aluno exigirá uma adaptação individual significativa. Em Ciências, por exemplo, de todo o Eixo 2- Ser Humano e Saúde, o aluno aprendeu que não se pode beber qualquer água, que ela deve ser filtrada ou fervida antes de beber para não ficar doente e que a água é importante para todos e não se deve desperdiça-la. Podemos dizer que, de todo o Eixo 1, esse aluno com grave deficiência intelectual atingiu os objetivos, pois, de acordo o planejado e aplicação de estratégias específicas, ele absorveu o conhecimento que estava ao alcance de sua compreensão, conhecimento esse que será utilizado em sua vida. Os exemplos acima citados demonstram a oportunidade de acesso ao currículo; em muitas situações o aluno também necessitará de acesso aos materiais e a comunicação, quando a Tecnologia Assistiva deve ser utilizada. O suporte da Sala de Recursos e do Professor de Apoio, quando necessários, tem papel fundamental do processo educacional do aluno com NEE. Se não existisse o PDI e a Flexibilização Curricular, os alunos com NEE estariam para sempre na “alfabetização”, marcando passo no mesmo lugar ou teriam seus boletins sempre com notas em vermelho, o que seria, no mínimo, um desrespeito. O boletim do aluno com NEE é justificado e apoiado pelo seu Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), o que deve acontecer durante todo o percurso escolar. Muitos irão perguntar: como esse aluno pode estar no sexto ano se não sabe ler, nem somar e ainda seu boletim apresenta-se com boas notas?
  • 10. A resposta é: porque ele tem um PDI e está em uma escola que valoriza suas capacidades e respeita suas limitações. Como foi dito anteriormente, o preenchimento do PDI é responsabilidade do professor regente de turma. A partir do sexto ano, cada professor deve ser responsável pelo preenchimento da sua disciplina; a parte das habilidades cognitivas/metacognitivas/comunicacionais/interpessoais/afetivas/motoras/psi comotoras/cotidianas pode ser considerada parte comum e deve ser preenchida uma única vez, com o consenso dos professores. É importante que o planejamento pedagógico do professor seja o mais realista possível e o PDI o mais fiel possível ao aluno. http://educacaoespecialceeeu.blogspot.com.br/2013/05/plano-de-dessenvolvimento-curricular- e.html