SlideShare uma empresa Scribd logo
Conceitos e Histórico da
Psicologia Organizacional
Trabalho é toda e qualquer atividade coordenada de
caráter físico e/ou intelectual necessária para a
realização de qualquer tarefa, serviço ou emprego
Tem a finalidade suprir as necessidades
humanas (financeiras, de sobrevivência e/ou
existências), pois o trabalho forma a
identidade do indivíduo
A organização é formada
pela soma de pessoas,
máquinas, equipamentos,
recursos financeiros e
outros, com fins a
efetivação de um produto
ou serviço, combinando
todos os elementos
orientados a um objetivo
comum
Sendo assim, a compreensão do contexto
cultural e a cultura organizacional são fatores
extremamente importantes na avaliação do
psicólogo, pois a Psicologia Organizacional se
refere ao desenvolvimento e a aplicação de
princípios científicos no ambiente de trabalho,
preocupando-se em compreender o
comportamento individual e aumentar o bem-
estar dos funcionários nesse ambiente
O Papel do Psicólogo
Organizacional
Pode atuar em organizações
nos processos mentais do
trabalhador, na seleção dos
candidatos e na gestão de
pessoas, melhorando o
trabalho e a vida dos
funcionários da empresa,
buscando proporcionar bem-
estar no ambiente de trabalho
A Psicologia Organizacional
não se restringe a gestão de
pessoas, pois ela também dá
atenção à saúde do trabalhador
e da organização e, nesse
contexto, o psicólogo será uma
ponte de comunicação entre os
interesses de patrões e
empregados
A História da Psicologia Organizacional: A Revolução
Industrial e a Revolução Francesa mudaram o mundo no
tocante as relações de trabalho, uma para firmar o modo
capitalista e a 2ª por questões políticas
Nesse momento também
estava começando a
desestruturação do sistema
feudal e assim surgindo
trabalhadores independentes,
que criavam seus trabalhos
com suas ferramentas
Mas, foi necessário que alguém fizesse a
ponte entre o trabalho e o mercado; ou seja,
que alguém pudesse vender o produto no
mercado e, assim, o trabalhador tido como
independente começou lentamente a sumir
Antes do surgimento da Psicologia Industrial, os trabalhadores
estavam se tornando mecânicos, pois as empresas detinham o
conhecimento científico e o utilizava a fim de controlar os
trabalhadores. Eles, por sua vez, deixavam de pensar e agiam
como se fossem maquinas também
Assim como muitos saberes psicológicos, a Psicologia
industrial se formou no período das 2 grandes guerras
mundiais. Ela começa a obter seu reconhecimento em
1924 e, nesse mesmo período, foram feitas pesquisas
para saber as condições de trabalho
A partir dos anos 50 a
denominação de
Psicologia
Organizacional começou
a tomar corpo, a junção
dos saberes da
Sociologia e da
Antropologia com o da
Psicologia, influenciaram
para o crescimento da
Psicologia Social
Antigamente a Psicologia Industrial se preocupava
com a seleção e o recrutamento de trabalhadores e
atualmente ela também tem esse papel na instituição.
Agora, busca dar consciência ao trabalhador que, o
mesmo tenha noção da sua força de trabalho e quanto
ela vale, tenta acabar com essa visão de que o
trabalhador é mecânico, que vem desde a Revolução
Industrial
Clima Organizacional É um conjunto de valores,
atitudes e padrões de
comportamento, formais
e informais, existentes em
uma organização. Ele
retrata o grau de
satisfação material e
emocional das pessoas
no trabalho
É o resultado da interação de
diversos fatores entre pessoais e
ambientais dentro de uma
organização, apresentando-se de
forma difusa, sem contornos
definidos e não é simples de ser
analisado. Sua importância está no
fato de indicar o grau de satisfação
dos colaboradores diretos da
empresa perante determinadas
variáveis, como administração e
mudanças em geral
Portanto, o clima
organizacional está ligado
à maneira como o
colaborador percebe a
organização e suas
culturas, normas, usos,
costumes, valores e como
ele interpreta isto e como
reage, positiva ou
negativamente, a essa
interpretação
O clima se originou a
partir dos valores
que cada um dos
envolvidos traz para
dentro da
organização e estes
pressupostos
influenciam
diretamente o estilo
gerencial
Este clima não pode ser produzido
deliberadamente, pois ele é o resultante
vivo e dinâmico da interação de fatores
internos, das decisões tomadas e da
maneira como o pessoal é administrado
pelos líderes, e atinge o colaborador no
que diz respeito ao modo como percebe
a empresa, induzindo-o a determinado
comportamento
Desde 1960, quando começaram a aparecer os
primeiros estudos relativos ao clima organizacional
em empresas americanas, já foram feitas diversas
correlações entre o clima e outras áreas críticas
das empresas como liderança, motivação,
desempenho e cultura organizacional
Entretanto a importância do impacto do clima
sobre a Qualidade dos produtos e serviços
começou a ser levada em consideração há muito
pouco tempo
Existem 3 níveis que podemos
perceber o clima organizacional:
um nível MACRO, que abrange
todos os fatores externos à
empresa, e que atua tanto sobre
ela, enquanto organismo, quanto
sobre cada um de seus membros,
enquanto cidadãos
Um outro nível (MICRO) em que se
situam os sistemas próprios da
empresa. E um 3º nível
(INDIVIDUAL) em que se colocam as
experiências individuais de cada
funcionário, determinando a maneira
como a realidade organizacional é
percebida
Os Sentimentos do
Clima nas Organizações
As empresas costumam atrair e manter pessoas que se
ajustem em seus padrões de comportamento, padrões
estes que são, por vezes, perpetuados através da história
da organização
Considerando-se a pluralidade de interesses, das
posturas profissionais, pessoais, os modos de vida e
maneira de encarar o mundo, pode-se assumir que, dentro
de uma organização, não haverá conceitos e valores
uniformes e, portanto, o modo de percepção e reação ao
clima da organização será o mais diversificado possível,
com diferentes níveis de aceitação ou rejeição de um
modo particular de liderança
Ou seja, uma mesma situação
existente numa organização,
num determinado momento, o
clima será percebido de maneira
diferente pelos diversos grupos
de colaboradores. Para alguns
haverá uma percepção positiva
e motivadora, enquanto que,
para outros será desagradável e
distônico aos seus objetivos
O clima organizacional é um recorte de
determinado momento dentro da realidade da
empresa, o qual indica a percepção dos
funcionários em relação à organização e, nesse
caso, o foco está no ambiente criado pelas práticas
dos colaboradores e as sensações sentidas por eles
As Sensações do Clima
Empresarial
São informações relativas a fenômenos externos (meio) ou
ao próprio organismo. Existem 3 tipos de Sensações:
A) Sensações Introceptivas: Estão
relacionadas às sensações que
temos em relação ao nosso próprio
organismo, como a fome, dor de
cabeça, mal-estar, calor, frio. Em
sua maioria indicam desconforto e o
indivíduo aprende o significado
destas sensações por meio de
experiências
B) Sensações Proprioceptivas:
São capazes de situar o homem no
meio onde se encontra. Exemplo –
podemos fazer a experiência de
movimentar a cabeça e, em meio a
esta ação, sabemos que os objetos
que passam pelos nossos olhos
estão parados, apesar de passarem
pelos nossos olhos e que, o que está
em movimento, é a nossa cabeça
c) Sensações
Extereoceptivas: São as
mais conhecidas por
nós, as quais fazem
chegar às pessoas
informações do mundo
externo, tais como
o tato, o paladar, o
olfato, a visão e a
audição
Essas 5 sensações
podem ser divididas em:
a) Sensações de Contato
que, para que elas
existam, é necessário
tocá-las (tato e paladar).
B) Sensações a
Distância: São o olfato, a
audição e a visão
As Sensações não trabalham
sozinhas. Todas elas se
completam, interferindo umas nas
outras e, para que exista uma
sensação, é necessário certo grau
de estimulação. Exemplo: para
enxergar é necessária certa
quantidade de luz e, para ouvir,
um certo número de decibéis
Portanto, quanto mais uma
sensação for sendo utilizada,
mais sensibilidade uma pessoa
(ou um funcionário) poderá ter
em relação ao estímulo recebido
das pessoas, dentro do contexto
organizacional
Fatores de Percepção no
Ambiente Organizacional
Sabe-se que a motivação das
pessoas no trabalho depende de
aspectos subjetivos como a
maneira de perceber o mundo e
a forma como os indivíduos se
relacionam com seus colegas de
trabalho
Sendo assim, os
comportamentos são guiados a
partir das percepções que as
pessoas têm a respeito do
mundo e, dependendo do que
uma pessoa o percebe, ela
agirá de determinada maneira
O Processo de Percepção se Caracteriza Por 2 Aspectos:
1º) Entre a variedade de dados
disponíveis, seleciona-se os que
fornecem ao indivíduo a obtenção
de um “constructo” adequado à
sua capacidade; (2º) O indivíduo
tende a completar sua percepção,
acrescentando informações aos
dados captados conseguindo
assim formar imagens futuras a
partir do percebido
Fatores sociais têm papel crucial na determinação
de sentidos e do que se percebe e, por isso, não se
pode perceber a realidade como se bem entende,
partindo apenas de fatores subjetivos
As percepções devem ser aceitas
socialmente e, o que nós percebemos,
deve condizer com as nossas percepções
sociais e culturais
Percepção e
Categorização
A percepção ocorre a partir de um processo de codificação cognitiva pela
qual se capta o significado do objeto inserindo-o em um esquema de
categorias preexistente em nossas construções cognitivas, elaboradas no
decorrer da vida até aquele momento
Categoria Cognitiva é o conjunto de regras que permita
classificar um objeto como equivalente a outros. Um conceito
semelhante ao de categorias é o de esquemas cognitivos
abordado por PIAGET, o qual consiste em uma estrutura de traços
generalizados de uma ação
Diante de pessoas
(ou objetos), ao
perguntarmos “O
Que é Isto? ” nós
estamos prontos
para incluí-lo em
categorias, sejam
elas abstratas ou
concretas
A função de codificação e
representação pode ser sintetizada em
três afirmações: (A) Os esquemas
cognitivos que estruturam a
existência; (B) Determinam a
informação que se codificará e, na
maioria das vezes será memorizada;
(C) Afetam o tempo do processamento
assim como a velocidade do fluxo de
informações para resolução da
codificação e representação
OBSERVAÇÃO:
O ponto fundamental
deste processo é a
estruturação da
experiência e, a forma
como se codifica uma
experiência,
determinará sua
memorização
Através do desenvolvimento psíquico-
motor, o indivíduo vai construindo
protótipos e estereótipos, através de
traços percebidos no ambiente. Com o
passar do tempo, as experiências vão
agregando mais características a estes
esquemas em constante
desenvolvimento
Mas, é através do
processo de socialização
que o indivíduo constrói
seus esquemas
cognitivos, os quais irão
determinar sua forma
particular de captar a
realidade
Diante de qualquer
situação, o indivíduo,
como forma de
proteção frente ao
ambiente onde vive,
pergunta-se
inconscientemente: O
que eu estou
percebendo? Para
que isto me serve? Eu
gosto disto ou não
(categorização)?
Fatores Determinantes da Percepção
Figura e Fundo: Quando percebemos algo, sempre
captamos uma figura que está inserida em um cenário
(fundo). É interessante percebermos que será este cenário
que significará a figura captada. Exemplo: se você encontra
um colega de aula em uma sala de aula, ele terá um
significado para você. Mas, se você o encontra em uma
missa, terá um significado a mais e, se for encontrado em
teatro, mais um significado será alocado a ele
A captação destas figuras é subjetiva e depende de pessoa para pessoa.
Pode-se perceber isto quando vamos ao cinema com alguém.
Captamos as imagens de forma diferente da pessoa que está ao nosso
lado e, na verdade, captamos apenas o que nos interessa e
interpretamos de acordo com os nossos valores e experiências passadas
Mecanismos de Recepção dos
Estímulos: Nossa percepção
depende de como são captados
os estímulos externos que, por
sua vez, dependem das
ferramentas que possuímos para
captar estes estímulos (visão,
audição, paladar, tato, olfato).
Exemplo: um cego percebe o
mundo de forma diferente de uma
pessoa que pode ver. Isto ocorre
porque a ausência da visão faz
com que ele desenvolva mais
outro órgão sensitivo como
olfato, tato, audição ou paladar
Características de um Estímulo: Um estímulo
possui características que podem fazê-lo ser captado
de forma mais rápida. Estas características são:
A) Tamanho: Existe uma tendência do ser humanos de
captar mais rapidamente a estímulos maiores. Um outdoor
pode ser um bom exemplo, pois quando estamos andando
de carro tendemos a olhar os anúncios maiores com poucas
palavras, os quais possam nos transmitir mensagens de
forma rápida
B) Intensidade: Captamos mais rapidamente
estímulos que possuem uma intensidade
adequada para serem transmitidos
C) Forma:
Percebemos
melhor estímulos
mais definidos, do
que algo que não
esteja nítido
D) Mobilidade:
Temos a tendência
de atentar mais
para estímulos em
movimento
E) Repetitividade:
Captamos melhor
aquilo que já
conhecemos. A
propaganda
trabalha bem
com isso, e a
prova de que a
questão da
repetitividade
funciona, pode
ser percebida em
um
supermercado,
quando tendemos
a comprar os que
são mais
anunciados
F) Estado Psicológico de Quem Recebe o Estímulo:
Motivos, expetativas, emoções fazem com que a pessoa
perceba (ou não) determinados estímulos do meio
G) Condicionamento: Somos
condicionados a perceber melhor
determinados estímulos. Exemplo:
um mesmo fato é visto de forma
diferente por um profissional de RH
ou da área de exatas. Pessoas de
culturas diferentes tendem a
perceber os estímulos de forma
bastante distinta
Exemplo: Os esquimós
conhecem diferentes
tipos de gelo; os
provadores de vinho
possuem o paladar
bastante aguçado, e
qualquer gosto diferente
no copo pode alterar a
avaliação da prova

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
AJESM
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
Aula psicologia organizacional e do trabalho
Aula psicologia organizacional e do trabalhoAula psicologia organizacional e do trabalho
Aula psicologia organizacional e do trabalho
Luisa Sena
 
Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
Lara Kessia Martins Ávila
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalhoSíndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
Fabiana Abath
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
Fernanda Nascimento Nascimento
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Lo-Ammi Santos
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
Apostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacionalApostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacional
Gilvane Pereira
 
Saúde mental no trabalho
Saúde mental no trabalhoSaúde mental no trabalho
Saúde mental no trabalho
Fernando Henrique
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
inovaDay .
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Taianna Ribeiro
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)
Caio Aguiar
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimentoSaúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamentoSindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
Jean Souza
 

Mais procurados (20)

Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Aula psicologia organizacional e do trabalho
Aula psicologia organizacional e do trabalhoAula psicologia organizacional e do trabalho
Aula psicologia organizacional e do trabalho
 
Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalhoSíndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
Síndrome de Burnout: precisamos falar de saúde mental no ambiente de trabalho
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Apostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacionalApostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacional
 
Saúde mental no trabalho
Saúde mental no trabalhoSaúde mental no trabalho
Saúde mental no trabalho
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimentoSaúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
Saúde mental e trabalho: prazer, sofrimento e adoecimento
 
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamentoSindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
Sindrome de Burnout - Causas, sintomas e tratamento
 

Semelhante a Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)

Pco
PcoPco
Coaching Clínico
Coaching ClínicoCoaching Clínico
Coaching Clínico
Blue Gestão em Sucesso
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
Salvador Abreu
 
Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho
ThuanyPessanha
 
Psicologia Organizacional 1
Psicologia Organizacional 1Psicologia Organizacional 1
Psicologia Organizacional 1
Tiago Soares
 
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
RosineiaSantos8
 
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza (1)
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza  (1)introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza  (1)
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza (1)
Diego Arancibia
 
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade iPisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Sandro Moraes
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
Curso de gestão de pessoal   parte 1/5Curso de gestão de pessoal   parte 1/5
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
ABCursos OnLine
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
carlossono
 
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptxAula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
hibiscocloset
 
Motivaçoes
MotivaçoesMotivaçoes
Motivaçoes
Nerinhoo Nery
 
Aula11
Aula11Aula11
Conceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalhoConceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalho
Maria Domingas de Souza
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
Colaborar Educacional
 
Clima organizacional_USTM
Clima organizacional_USTMClima organizacional_USTM
Clima organizacional_USTM
Victor Flavio de Melo
 
Treinamento percepção organizacional
Treinamento   percepção organizacionalTreinamento   percepção organizacional
Treinamento percepção organizacional
Roberto Luna Mendes Monteiro Filho
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
Tiago Soares
 
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e MagdaPsicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
Ana Pereira
 

Semelhante a Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima) (20)

Pco
PcoPco
Pco
 
Coaching Clínico
Coaching ClínicoCoaching Clínico
Coaching Clínico
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
 
Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho Motivação no Trabalho
Motivação no Trabalho
 
Psicologia Organizacional 1
Psicologia Organizacional 1Psicologia Organizacional 1
Psicologia Organizacional 1
 
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
 
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza (1)
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza  (1)introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza  (1)
introdução o ao estudo do comportamento humano nas organiza (1)
 
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade iPisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
Curso de gestão de pessoal   parte 1/5Curso de gestão de pessoal   parte 1/5
Curso de gestão de pessoal parte 1/5
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptxAula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
Aula_Psicologia Organizacional e do Trabalho.pptx
 
Motivaçoes
MotivaçoesMotivaçoes
Motivaçoes
 
Aula11
Aula11Aula11
Aula11
 
Conceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalhoConceito de satisfação no trabalho
Conceito de satisfação no trabalho
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
 
Clima organizacional_USTM
Clima organizacional_USTMClima organizacional_USTM
Clima organizacional_USTM
 
Treinamento percepção organizacional
Treinamento   percepção organizacionalTreinamento   percepção organizacional
Treinamento percepção organizacional
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
 
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e MagdaPsicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
Psicologia do trabalho e da organizações - trabalho das alunas Sofia e Magda
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
 

Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)

  • 1. Conceitos e Histórico da Psicologia Organizacional Trabalho é toda e qualquer atividade coordenada de caráter físico e/ou intelectual necessária para a realização de qualquer tarefa, serviço ou emprego Tem a finalidade suprir as necessidades humanas (financeiras, de sobrevivência e/ou existências), pois o trabalho forma a identidade do indivíduo A organização é formada pela soma de pessoas, máquinas, equipamentos, recursos financeiros e outros, com fins a efetivação de um produto ou serviço, combinando todos os elementos orientados a um objetivo comum Sendo assim, a compreensão do contexto cultural e a cultura organizacional são fatores extremamente importantes na avaliação do psicólogo, pois a Psicologia Organizacional se refere ao desenvolvimento e a aplicação de princípios científicos no ambiente de trabalho, preocupando-se em compreender o comportamento individual e aumentar o bem- estar dos funcionários nesse ambiente
  • 2. O Papel do Psicólogo Organizacional Pode atuar em organizações nos processos mentais do trabalhador, na seleção dos candidatos e na gestão de pessoas, melhorando o trabalho e a vida dos funcionários da empresa, buscando proporcionar bem- estar no ambiente de trabalho A Psicologia Organizacional não se restringe a gestão de pessoas, pois ela também dá atenção à saúde do trabalhador e da organização e, nesse contexto, o psicólogo será uma ponte de comunicação entre os interesses de patrões e empregados A História da Psicologia Organizacional: A Revolução Industrial e a Revolução Francesa mudaram o mundo no tocante as relações de trabalho, uma para firmar o modo capitalista e a 2ª por questões políticas Nesse momento também estava começando a desestruturação do sistema feudal e assim surgindo trabalhadores independentes, que criavam seus trabalhos com suas ferramentas Mas, foi necessário que alguém fizesse a ponte entre o trabalho e o mercado; ou seja, que alguém pudesse vender o produto no mercado e, assim, o trabalhador tido como independente começou lentamente a sumir
  • 3. Antes do surgimento da Psicologia Industrial, os trabalhadores estavam se tornando mecânicos, pois as empresas detinham o conhecimento científico e o utilizava a fim de controlar os trabalhadores. Eles, por sua vez, deixavam de pensar e agiam como se fossem maquinas também Assim como muitos saberes psicológicos, a Psicologia industrial se formou no período das 2 grandes guerras mundiais. Ela começa a obter seu reconhecimento em 1924 e, nesse mesmo período, foram feitas pesquisas para saber as condições de trabalho A partir dos anos 50 a denominação de Psicologia Organizacional começou a tomar corpo, a junção dos saberes da Sociologia e da Antropologia com o da Psicologia, influenciaram para o crescimento da Psicologia Social Antigamente a Psicologia Industrial se preocupava com a seleção e o recrutamento de trabalhadores e atualmente ela também tem esse papel na instituição. Agora, busca dar consciência ao trabalhador que, o mesmo tenha noção da sua força de trabalho e quanto ela vale, tenta acabar com essa visão de que o trabalhador é mecânico, que vem desde a Revolução Industrial
  • 4. Clima Organizacional É um conjunto de valores, atitudes e padrões de comportamento, formais e informais, existentes em uma organização. Ele retrata o grau de satisfação material e emocional das pessoas no trabalho É o resultado da interação de diversos fatores entre pessoais e ambientais dentro de uma organização, apresentando-se de forma difusa, sem contornos definidos e não é simples de ser analisado. Sua importância está no fato de indicar o grau de satisfação dos colaboradores diretos da empresa perante determinadas variáveis, como administração e mudanças em geral Portanto, o clima organizacional está ligado à maneira como o colaborador percebe a organização e suas culturas, normas, usos, costumes, valores e como ele interpreta isto e como reage, positiva ou negativamente, a essa interpretação O clima se originou a partir dos valores que cada um dos envolvidos traz para dentro da organização e estes pressupostos influenciam diretamente o estilo gerencial Este clima não pode ser produzido deliberadamente, pois ele é o resultante vivo e dinâmico da interação de fatores internos, das decisões tomadas e da maneira como o pessoal é administrado pelos líderes, e atinge o colaborador no que diz respeito ao modo como percebe a empresa, induzindo-o a determinado comportamento
  • 5. Desde 1960, quando começaram a aparecer os primeiros estudos relativos ao clima organizacional em empresas americanas, já foram feitas diversas correlações entre o clima e outras áreas críticas das empresas como liderança, motivação, desempenho e cultura organizacional Entretanto a importância do impacto do clima sobre a Qualidade dos produtos e serviços começou a ser levada em consideração há muito pouco tempo Existem 3 níveis que podemos perceber o clima organizacional: um nível MACRO, que abrange todos os fatores externos à empresa, e que atua tanto sobre ela, enquanto organismo, quanto sobre cada um de seus membros, enquanto cidadãos Um outro nível (MICRO) em que se situam os sistemas próprios da empresa. E um 3º nível (INDIVIDUAL) em que se colocam as experiências individuais de cada funcionário, determinando a maneira como a realidade organizacional é percebida
  • 6. Os Sentimentos do Clima nas Organizações As empresas costumam atrair e manter pessoas que se ajustem em seus padrões de comportamento, padrões estes que são, por vezes, perpetuados através da história da organização Considerando-se a pluralidade de interesses, das posturas profissionais, pessoais, os modos de vida e maneira de encarar o mundo, pode-se assumir que, dentro de uma organização, não haverá conceitos e valores uniformes e, portanto, o modo de percepção e reação ao clima da organização será o mais diversificado possível, com diferentes níveis de aceitação ou rejeição de um modo particular de liderança Ou seja, uma mesma situação existente numa organização, num determinado momento, o clima será percebido de maneira diferente pelos diversos grupos de colaboradores. Para alguns haverá uma percepção positiva e motivadora, enquanto que, para outros será desagradável e distônico aos seus objetivos O clima organizacional é um recorte de determinado momento dentro da realidade da empresa, o qual indica a percepção dos funcionários em relação à organização e, nesse caso, o foco está no ambiente criado pelas práticas dos colaboradores e as sensações sentidas por eles
  • 7. As Sensações do Clima Empresarial São informações relativas a fenômenos externos (meio) ou ao próprio organismo. Existem 3 tipos de Sensações: A) Sensações Introceptivas: Estão relacionadas às sensações que temos em relação ao nosso próprio organismo, como a fome, dor de cabeça, mal-estar, calor, frio. Em sua maioria indicam desconforto e o indivíduo aprende o significado destas sensações por meio de experiências B) Sensações Proprioceptivas: São capazes de situar o homem no meio onde se encontra. Exemplo – podemos fazer a experiência de movimentar a cabeça e, em meio a esta ação, sabemos que os objetos que passam pelos nossos olhos estão parados, apesar de passarem pelos nossos olhos e que, o que está em movimento, é a nossa cabeça c) Sensações Extereoceptivas: São as mais conhecidas por nós, as quais fazem chegar às pessoas informações do mundo externo, tais como o tato, o paladar, o olfato, a visão e a audição Essas 5 sensações podem ser divididas em: a) Sensações de Contato que, para que elas existam, é necessário tocá-las (tato e paladar). B) Sensações a Distância: São o olfato, a audição e a visão As Sensações não trabalham sozinhas. Todas elas se completam, interferindo umas nas outras e, para que exista uma sensação, é necessário certo grau de estimulação. Exemplo: para enxergar é necessária certa quantidade de luz e, para ouvir, um certo número de decibéis Portanto, quanto mais uma sensação for sendo utilizada, mais sensibilidade uma pessoa (ou um funcionário) poderá ter em relação ao estímulo recebido das pessoas, dentro do contexto organizacional
  • 8. Fatores de Percepção no Ambiente Organizacional Sabe-se que a motivação das pessoas no trabalho depende de aspectos subjetivos como a maneira de perceber o mundo e a forma como os indivíduos se relacionam com seus colegas de trabalho Sendo assim, os comportamentos são guiados a partir das percepções que as pessoas têm a respeito do mundo e, dependendo do que uma pessoa o percebe, ela agirá de determinada maneira O Processo de Percepção se Caracteriza Por 2 Aspectos: 1º) Entre a variedade de dados disponíveis, seleciona-se os que fornecem ao indivíduo a obtenção de um “constructo” adequado à sua capacidade; (2º) O indivíduo tende a completar sua percepção, acrescentando informações aos dados captados conseguindo assim formar imagens futuras a partir do percebido Fatores sociais têm papel crucial na determinação de sentidos e do que se percebe e, por isso, não se pode perceber a realidade como se bem entende, partindo apenas de fatores subjetivos As percepções devem ser aceitas socialmente e, o que nós percebemos, deve condizer com as nossas percepções sociais e culturais
  • 9. Percepção e Categorização A percepção ocorre a partir de um processo de codificação cognitiva pela qual se capta o significado do objeto inserindo-o em um esquema de categorias preexistente em nossas construções cognitivas, elaboradas no decorrer da vida até aquele momento Categoria Cognitiva é o conjunto de regras que permita classificar um objeto como equivalente a outros. Um conceito semelhante ao de categorias é o de esquemas cognitivos abordado por PIAGET, o qual consiste em uma estrutura de traços generalizados de uma ação Diante de pessoas (ou objetos), ao perguntarmos “O Que é Isto? ” nós estamos prontos para incluí-lo em categorias, sejam elas abstratas ou concretas A função de codificação e representação pode ser sintetizada em três afirmações: (A) Os esquemas cognitivos que estruturam a existência; (B) Determinam a informação que se codificará e, na maioria das vezes será memorizada; (C) Afetam o tempo do processamento assim como a velocidade do fluxo de informações para resolução da codificação e representação OBSERVAÇÃO: O ponto fundamental deste processo é a estruturação da experiência e, a forma como se codifica uma experiência, determinará sua memorização
  • 10. Através do desenvolvimento psíquico- motor, o indivíduo vai construindo protótipos e estereótipos, através de traços percebidos no ambiente. Com o passar do tempo, as experiências vão agregando mais características a estes esquemas em constante desenvolvimento Mas, é através do processo de socialização que o indivíduo constrói seus esquemas cognitivos, os quais irão determinar sua forma particular de captar a realidade Diante de qualquer situação, o indivíduo, como forma de proteção frente ao ambiente onde vive, pergunta-se inconscientemente: O que eu estou percebendo? Para que isto me serve? Eu gosto disto ou não (categorização)? Fatores Determinantes da Percepção Figura e Fundo: Quando percebemos algo, sempre captamos uma figura que está inserida em um cenário (fundo). É interessante percebermos que será este cenário que significará a figura captada. Exemplo: se você encontra um colega de aula em uma sala de aula, ele terá um significado para você. Mas, se você o encontra em uma missa, terá um significado a mais e, se for encontrado em teatro, mais um significado será alocado a ele
  • 11. A captação destas figuras é subjetiva e depende de pessoa para pessoa. Pode-se perceber isto quando vamos ao cinema com alguém. Captamos as imagens de forma diferente da pessoa que está ao nosso lado e, na verdade, captamos apenas o que nos interessa e interpretamos de acordo com os nossos valores e experiências passadas Mecanismos de Recepção dos Estímulos: Nossa percepção depende de como são captados os estímulos externos que, por sua vez, dependem das ferramentas que possuímos para captar estes estímulos (visão, audição, paladar, tato, olfato). Exemplo: um cego percebe o mundo de forma diferente de uma pessoa que pode ver. Isto ocorre porque a ausência da visão faz com que ele desenvolva mais outro órgão sensitivo como olfato, tato, audição ou paladar Características de um Estímulo: Um estímulo possui características que podem fazê-lo ser captado de forma mais rápida. Estas características são: A) Tamanho: Existe uma tendência do ser humanos de captar mais rapidamente a estímulos maiores. Um outdoor pode ser um bom exemplo, pois quando estamos andando de carro tendemos a olhar os anúncios maiores com poucas palavras, os quais possam nos transmitir mensagens de forma rápida B) Intensidade: Captamos mais rapidamente estímulos que possuem uma intensidade adequada para serem transmitidos
  • 12. C) Forma: Percebemos melhor estímulos mais definidos, do que algo que não esteja nítido D) Mobilidade: Temos a tendência de atentar mais para estímulos em movimento E) Repetitividade: Captamos melhor aquilo que já conhecemos. A propaganda trabalha bem com isso, e a prova de que a questão da repetitividade funciona, pode ser percebida em um supermercado, quando tendemos a comprar os que são mais anunciados F) Estado Psicológico de Quem Recebe o Estímulo: Motivos, expetativas, emoções fazem com que a pessoa perceba (ou não) determinados estímulos do meio G) Condicionamento: Somos condicionados a perceber melhor determinados estímulos. Exemplo: um mesmo fato é visto de forma diferente por um profissional de RH ou da área de exatas. Pessoas de culturas diferentes tendem a perceber os estímulos de forma bastante distinta Exemplo: Os esquimós conhecem diferentes tipos de gelo; os provadores de vinho possuem o paladar bastante aguçado, e qualquer gosto diferente no copo pode alterar a avaliação da prova