SlideShare uma empresa Scribd logo
Em um mundo em constante mudança como o de
hoje, no qual a capacidade de competir depende
muito de vários aspectos intangíveis (como a
Inovação e o Conhecimento), a Criatividade surge
como um elemento de importância capital para a
competitividade das regiões e das empresas
Não podendo competir em preços com algumas das
economias emergentes, as estratégias regionais
deram origem a várias políticas de reforço das
atividades baseadas no Conhecimento e na
Investigação e Desenvolvimento (I&D)
Mas, a Criatividade é uma ferramenta que ativa o
processo inovador por meio da geração e
desenvolvimento de ideias no mundo empresarial e, a
mesma forma, ela é uma capacidade inerente às
pessoas, que pode ser desenvolvida coletivamente e
sua utilização constitui uma oportunidade para
melhorar a competitividade das empresas
No entanto, nem
sempre as equipes
de trabalho das
organizações ou as
respectivas
estruturas, utilizam
modelos de trabalho
que fomentem o
desenvolvimento da
Criatividade
Conceito de Criatividade O termo Criatividade
sempre foi associado
à atividade artística,
mas graças a alguns
exemplos
empresariais (Apple,
Google) a Inovação
ganhou espaço nos
setores tecnológicos
Então, algumas pessoas vêm
afirmando que a Criatividade e a
Inovação são 2 conceitos muito
unidos e, explicado de forma
simples, a capacidade criativa é a
habilidade para gerar ideias,
alternativas e soluções a um
determinado problema, de
forma fácil
Relacionando essa explicação
com o conceito de Inovação,
pode-se dizer que a
Criatividade representa o
processo de criação de ideias e,
de certo modo, é a inspiração
que nos permite criar novas
soluções. Já a Inovação é a
capacidade de converter essas
ideias em algo aplicável, dando-
lhes sentido e valor dentro de
um determinado contexto
O Paradoxo da Criatividade: Uma pessoa
muito criativa (com grande capacidade de gerar
ideias) pode também ser pouco inovadora, por ser
incapaz de selecionar as melhores ideias para
aplica-las eficazmente
Para ultrapassar essa dificuldade e desenvolver
o potencial criativo inato a todas as pessoas, é
possível recorrer a técnicas que podem ser de
grande valor no âmbito empresarial
O Processo Criativo: A criação de ideias (e sua utilização sob
a forma de inovação) segue um processo cuja análise e
aplicação permite solucionar problemas e formular estratégias
de mudanças, as quais permitam a adaptação a uma nova
situação. Sendo assim, o processo criativo poderá ser divido
nas seguintes fases:
1) Identificação e
Definição do Problema: A
presença de um problema
que implique mudanças é o
principal detonante de um
processo criativo e, para
que a decisão seja
acertada, é fundamental
que o processo parta de
uma boa análise e da
compreensão do problema
a ser solucionado
De acordo com esta ideia, o 1º a fazer é obter
uma fotografia fiel da realidade a enfrenta-la.
Trata-se de utilizar a informação existente em
forma de dados estatísticos, opiniões,
necessidades, expectativas, objetivos, etc.
2) Geração e Seleção de Ideias: Esta etapa
constitui o núcleo criativo do processo, pois é neste
momento que são produzidas as ideias que servirão
de base para a criação de propostas que ofereçam
uma solução ao problema ou à situação em questão
O Desenvolvimento de Ideias
Consiste de 2 Subfases:
A) Gerar ideais de forma “selvagem”, sem restrições e onde tudo é
válido, pois quantas mais ideias forem apresentadas, mais vasta
será a possibilidade de escolha. Qualquer ideia, por mais que
pareça absurda, pode dar origem a outra ideia que seja útil. Esta é
a fase do “Pensamento Divergente”
B) Colocar ordem em todas as ideias geradas e, para isso, é
necessário definir os critérios para a seleção de ideias e
criar grupos de trabalho para a discussão das mesmas. O
objetivo desses grupos é dar um valor acrescentado ao
processo criativo por meio do agrupamento de ideias e da
definição pormenorizada de soluções mais definitivas
3) Consenso e
Implementação da Ideia
Desenvolvida: O final do
processo criativo é a
aceitação de uma das
soluções desenvolvidas
nos grupos de trabalho a
partir de alguma das
ideias propostas, ou de um
conjunto de várias ideias
Após encontrar o consenso sobre a
solução definitiva, o início das ações
necessárias para a sua implementação
(estabelecimento de metas, pessoas
responsáveis, orçamento, etc.) permitirá
que as ideias surgidas no processo
criativo se convertam num projeto
concreto; ou seja, numa inovação
Deve-se dizer que a Inovação
obtida nesse processo será objeto
de contínua revisão, pois embora
a criatividade se manifeste através
do processo descrito, é mais do
que uma mera forma de proceder,
tratando-se sim de um hábito e de
uma atitude
Atitude Criativa: A
Criatividade procura alternativas a
uma situação existente ou a
formulação de soluções que deem
resposta a problemas que possam
surgir. A predisposição para
encontrar soluções e mudanças
implica também a existência de
uma atitude criativa
A Criatividade está
relacionada com a utilização
de métodos que não
respondem a esquemas e
lógicas tradicionais. A cada
vez mais complexa situação
do meio e dos problemas a
que nos enfrentamos exige
novas ideias e novos enfoques
Uma mente criativa procura
novos métodos e é capaz de
reinterpretar a realidade
segundo novos parâmetros
lógicos, sempre com a
finalidade de encontrar novas
interpretações da realidade e
de dar respostas eficazes aos
problemas que surgem
Da Tecnologia à
Criatividade: Um Novo
Modelo de
Competitividade
As mudanças que passamos são cada vez mais
profundas e afetam a forma como entendemos o
meio onde vivemos (trabalho, telefone, internet,
transportes, etc.). Estas mudanças não são
importantes só pela sua intensidade, mas porque
estão produzindo a uma grande velocidade, o que
requer mais flexibilidade e adaptação por parte
das regiões, pessoas e organizações
Há poucas décadas, a capacidade
tecnológica era o elemento
diferenciador das sociedades mais
avançadas. Mas, com o passar do
tempo, a tecnologia começa a mostrar-
se insuficiente para assegurar a
competitividade num contexto tão
complexo como o atual
Para superar esta
situação, uma das
estratégias mais
utilizadas consiste na
aplicação intensiva do
conhecimento para a
implementação de
processos inovadores
Considera-se o conhecimento como um elemento-chave neste tipo
de processos porque é o responsável pela criação de bens e
serviços. Daí as políticas regionais e de empresa têm-se dirigido ao
desenvolvimento de capital humano com uma elevada qualificação,
capaz de colocar o seu conhecimento científico e tecnológico ao
serviço da inovação
Mas, esta
receita ficou
caduca, pois
atualmente não
basta a
existência de
capacidade
tecnológica e de
capital humano
altamente
qualificado
Neste novo contexto, surgiu um novo fator de competitividade
também ligado à inovação e ao conhecimento, mas que se ergue
como um elemento diferenciador das economias mais avançadas:
a CRIATIVIDADE
Nesta perspectiva existem 3
elementos que determinam a
capacidade de competir: (a)
O nível de desenvolvimento
tecnológico; (b) A
capacidade de gerar
conhecimento; (c) A
Criatividade
Eles interagem de tal forma
que não se estabelecem inter-
relações de sentido único, pois
cada elemento alimenta
continuamente os restantes e
estabelecem relações
sinérgicas dentro de uma
dinâmica de interação contínua
Mas, para que este modelo funcione adequadamente, é
necessário um capital humano que o alimente; ou seja, é
necessário que existam pessoas que possuam os perfis
requeridos em cada um dos 3 âmbitos indicados
Capital Social: com capacidade para utilizar a tecnologia existente
Capital Intelectual: que se encarrega de criar novo conhecimento,
básico e aplicado
Capital Criativo: com habilidades para gerar novas ideias criativas
A presença de capital
humano com qualificação
e capacidade criativa nas
economias desenvolvidas
e a correlação entre a sua
existência e os processos
de inovação são temas
bem analisado nos
últimos tempos. Atribui-
se à denominada Classe
Criativa um papel
decisivo no crescimento
económico e na
capacidade de competir
das cidades e empresas
Os trabalhadores que
fariam parte desta
classe pertencem a
setores considerados
criativos como arte,
design e comunicação.
Além disso, este
conceito incluiria
engenheiros,
investigadores,
informáticos e outros
Mas é necessário dar um passo à
frente, aproveitando o potencial
criativo de cada trabalhador e não
apenas os trabalhadores considerados
dentro desta Classe Criativa. Pois, o
crescimento econômico é
impulsionado pela criatividade e, por
isso, se pretendemos aumentá-lo é
fundamental aproveitar a criatividade
de segmentos mais amplos de mão-de-
obra como serviços e indústrias
A Empresa no Meio
Criativo: Teorias como a
da Classe Criativa
contribuíram para que a
criatividade tenha
começado a se relacionar
com o mundo da
economia e das empresas,
pois nelas, a criatividade
é o elemento que
desencadeia o processo
de inovação, dando-lhes
valor e aumentando a sua
competitividade
Neste sentido, a criatividade converteu-se em um
elemento-chave no seio da empresa por diversos motivos:
1) As Tecnologias da Informação e Comunicação exigem
elevados índices de criatividade e o surgimento das TIC’s
ampliaram o acesso à informação, onde qualquer pessoa
pode obtê-la e contatar outras pessoas, situação que mudou
a forma de interação entre os agentes que se comunicam
em rede e de forma mais flexível
2) O conhecimento é
fundamental para a
competitividade e, a
criatividade, acrescenta
valor ao conhecimento. As
organizações são cada vez
mais valorizadas pelo seu
conhecimento do que pelos
seus ativos físicos
O conhecimento é uma ligação
contínua de informação que
origina ideias que se convertem
em valor agregado. Este
processo se verifica graças à
utilização criativa do
conhecimento, que transforma
a informação dispersa em valor
3) Em um mundo em
constante mudança, as
empresas são obrigadas
a utilizar a criatividade
para se reinventarem
constantemente. As
estratégias para
melhorar a eficiência
através de um ajuste da
dimensão, da
organização interna e da
redução de despesas
limitam sua capacidade
criativa
As mais criativas possuem uma desorganização
limitada e intencional, e é nessa desordem que
encontram uma importante fonte de ideias criativas
para melhorar o negócio. A criatividade deve ser
utilizada para repensar a empresa e o respectivo objeto
de negócio. As novas ideias e a respectiva
implementação sob a forma de inovações são a chave
para o futuro
4) Existe uma massa de
trabalhadores com talento que tem
cada vez mais mobilidade e
procuram trabalhos criativos
continuamente. As expectativas dos
novos trabalhadores mudaram e já
não pretendem um emprego, onde
só possam desenvolver a sua
carreira segundo um manual de
procedimentos estandardizado
Exigem empregos que lhes
permitam desenvolver sua
imaginação, inspiração e ideias.
Se não o podem fazer, procuram
novos desafios profissionais
noutras organizações. A
capacidade de atrair e conservar
talentos reside, portanto, em
oferecer a liberdade necessária
para que o trabalhador
desenvolva a sua criatividade
5) A primazia do
design exige elevadas
doses de criatividade.
Atualmente, todos os
âmbitos da empresa
(produtos, serviços e
processos) estão
ligados ao design. Um
produto com um
design pouco sedutor
pode levar a uma
comercialização
fracassada
6) O consumidor é quem dirige o
mercado, exigindo novos produtos
adaptados às suas necessidades. O
sucesso de um produto (ou serviço)
já não reside no conceito tradicional
de qualidade. Os consumidores
exigem, além de um bom produto,
uma série de extras como que seja
inteligente, esteticamente atraente
e que tenha vida
7. Os novos modelos de gestão
passaram do controle completo à
supervisão do trabalho criativo
autónomo. A gestão de RH’s
criativos com novas motivações
exige a adoção de novos métodos,
que permitam associar as
necessidades dos trabalhadores com
talento, às necessidades da empresa
Objetivos da
Criatividade Empresarial
Reduzir os ciclos de vida
dos produtos, ao
introduzir inovações
incrementais que
permitam a sua
substituição por outros e
ampliar a oferta através
da criação de novos
produtos e serviços
Dar resposta aos desejos de
consumidores cada vez mais exigentes
quanto à qualidade e aos serviços
oferecidos e desenvolver novas
tecnologias que permitam reduzir
despesas e criar novos produtos
Mudar os sistemas de gestão para
modelos mais flexíveis e melhorar o
design dos produtos
Aumentar os mercados da
nossa oferta de produtos e
serviços e atingir novos nichos
de mercado (novas empresas,
novas pessoas, etc.)
Utilizar novas técnicas de
venda ou marketing e
desenvolver novas
fórmulas para distribuir
os produtos
Por outro lado, a Criatividade na empresa inclui
outros objetivos mais ambiciosos, tais como:
Impulsionar a iniciativa individual dos
empregados, de forma que sintam os problemas
da empresa como seus, aumentando assim a sua
implicação e capacidade de dar resposta a cada
situação
Fomentar o desenvolvimento de
atividades dos empregados fora
das funções oficiais, facilitando a
concretização de ideias que
tenham como finalidade
introduzir melhoramentos ou
práticas inovadoras
Aproveitar as ideias surgidas
por acaso. A pesquisa e o
trabalho intensivo podem
levar a uma associação de
elementos sem relação
aparente, mas que se
traduzam em progressos para
a empresa
Estimular a utilização de ideias de origens alheias
ao âmbito da empresa, em particular as que surgem
dentro da esfera pessoal de cada trabalhador, pois
podem ter um grande impacto na criação de novas
ideias dentro no negócio
Assegurar a
sintonia entre os
objetivos e
ações dos
empregados
com os objetivos
da empresa
Aumentar a comunicação interna da empresa,
geralmente é mais deficitária nas grandes
empresas, pois pode contribuir para aumentar o
fluxo de informação valiosa

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões

Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Mr11
Mr11Mr11
A Inovação da Inovaçao
A Inovação da InovaçaoA Inovação da Inovaçao
A Inovação da Inovaçao
LEGATUS Management
 
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e SustentabilidadeKM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
Claudia Aparecida de Azevedo
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
Matheus Albergaria
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design ThinkingIntrodução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
Joana Cerejo
 
Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em InovaçãoRelatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação
Fundação Dom Cabral - FDC
 
NotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_SustentabilidadeNotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_Sustentabilidade
Daniela Santos
 
Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovação
Juliana Tessari
 
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentesInovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
MJV Technology & Innovation Brasil
 
Cria - Inovação
Cria - InovaçãoCria - Inovação
Cria - Inovação
criaglobal
 
Corporate Innovation Management
Corporate Innovation ManagementCorporate Innovation Management
Corporate Innovation Management
Leonardo Figueiredo, MBA, BBA
 
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
A. Rui Teixeira Santos
 
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design ThinkingInovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Joana Cerejo
 
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividadeGestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Nit Celesc
 
Ihub
IhubIhub
Artigo Anpad Gestão Inovação
Artigo Anpad Gestão InovaçãoArtigo Anpad Gestão Inovação
Artigo Anpad Gestão Inovação
Paulo Nascimento
 
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovaçãoComo gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
Serge Rehem
 

Semelhante a A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões (20)

Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Mr11
Mr11Mr11
Mr11
 
A Inovação da Inovaçao
A Inovação da InovaçaoA Inovação da Inovaçao
A Inovação da Inovaçao
 
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e SustentabilidadeKM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
 
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
Curso Aplicações Criativas em Economia (Aula 7 - "Empreendedores e Idéias")
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design ThinkingIntrodução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
 
Relatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em InovaçãoRelatório Centro de Referência em Inovação
Relatório Centro de Referência em Inovação
 
NotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_SustentabilidadeNotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_Sustentabilidade
 
Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovação
 
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentesInovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes
 
Cria - Inovação
Cria - InovaçãoCria - Inovação
Cria - Inovação
 
Corporate Innovation Management
Corporate Innovation ManagementCorporate Innovation Management
Corporate Innovation Management
 
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
 
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design ThinkingInovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
 
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividadeGestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
Gestão da inovacao com sustentabilidade e conectividade
 
Ihub
IhubIhub
Ihub
 
Artigo Anpad Gestão Inovação
Artigo Anpad Gestão InovaçãoArtigo Anpad Gestão Inovação
Artigo Anpad Gestão Inovação
 
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovaçãoComo gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
Como gerenciar o processo de desenvolvimento da estratégia para a inovação
 
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
Aceleradora Serpro - Transformando Ideias em Serviços Inovadores com Intraemp...
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
 

A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões

  • 1. Em um mundo em constante mudança como o de hoje, no qual a capacidade de competir depende muito de vários aspectos intangíveis (como a Inovação e o Conhecimento), a Criatividade surge como um elemento de importância capital para a competitividade das regiões e das empresas Não podendo competir em preços com algumas das economias emergentes, as estratégias regionais deram origem a várias políticas de reforço das atividades baseadas no Conhecimento e na Investigação e Desenvolvimento (I&D) Mas, a Criatividade é uma ferramenta que ativa o processo inovador por meio da geração e desenvolvimento de ideias no mundo empresarial e, a mesma forma, ela é uma capacidade inerente às pessoas, que pode ser desenvolvida coletivamente e sua utilização constitui uma oportunidade para melhorar a competitividade das empresas No entanto, nem sempre as equipes de trabalho das organizações ou as respectivas estruturas, utilizam modelos de trabalho que fomentem o desenvolvimento da Criatividade
  • 2. Conceito de Criatividade O termo Criatividade sempre foi associado à atividade artística, mas graças a alguns exemplos empresariais (Apple, Google) a Inovação ganhou espaço nos setores tecnológicos Então, algumas pessoas vêm afirmando que a Criatividade e a Inovação são 2 conceitos muito unidos e, explicado de forma simples, a capacidade criativa é a habilidade para gerar ideias, alternativas e soluções a um determinado problema, de forma fácil Relacionando essa explicação com o conceito de Inovação, pode-se dizer que a Criatividade representa o processo de criação de ideias e, de certo modo, é a inspiração que nos permite criar novas soluções. Já a Inovação é a capacidade de converter essas ideias em algo aplicável, dando- lhes sentido e valor dentro de um determinado contexto O Paradoxo da Criatividade: Uma pessoa muito criativa (com grande capacidade de gerar ideias) pode também ser pouco inovadora, por ser incapaz de selecionar as melhores ideias para aplica-las eficazmente Para ultrapassar essa dificuldade e desenvolver o potencial criativo inato a todas as pessoas, é possível recorrer a técnicas que podem ser de grande valor no âmbito empresarial
  • 3. O Processo Criativo: A criação de ideias (e sua utilização sob a forma de inovação) segue um processo cuja análise e aplicação permite solucionar problemas e formular estratégias de mudanças, as quais permitam a adaptação a uma nova situação. Sendo assim, o processo criativo poderá ser divido nas seguintes fases: 1) Identificação e Definição do Problema: A presença de um problema que implique mudanças é o principal detonante de um processo criativo e, para que a decisão seja acertada, é fundamental que o processo parta de uma boa análise e da compreensão do problema a ser solucionado De acordo com esta ideia, o 1º a fazer é obter uma fotografia fiel da realidade a enfrenta-la. Trata-se de utilizar a informação existente em forma de dados estatísticos, opiniões, necessidades, expectativas, objetivos, etc. 2) Geração e Seleção de Ideias: Esta etapa constitui o núcleo criativo do processo, pois é neste momento que são produzidas as ideias que servirão de base para a criação de propostas que ofereçam uma solução ao problema ou à situação em questão
  • 4. O Desenvolvimento de Ideias Consiste de 2 Subfases: A) Gerar ideais de forma “selvagem”, sem restrições e onde tudo é válido, pois quantas mais ideias forem apresentadas, mais vasta será a possibilidade de escolha. Qualquer ideia, por mais que pareça absurda, pode dar origem a outra ideia que seja útil. Esta é a fase do “Pensamento Divergente” B) Colocar ordem em todas as ideias geradas e, para isso, é necessário definir os critérios para a seleção de ideias e criar grupos de trabalho para a discussão das mesmas. O objetivo desses grupos é dar um valor acrescentado ao processo criativo por meio do agrupamento de ideias e da definição pormenorizada de soluções mais definitivas 3) Consenso e Implementação da Ideia Desenvolvida: O final do processo criativo é a aceitação de uma das soluções desenvolvidas nos grupos de trabalho a partir de alguma das ideias propostas, ou de um conjunto de várias ideias Após encontrar o consenso sobre a solução definitiva, o início das ações necessárias para a sua implementação (estabelecimento de metas, pessoas responsáveis, orçamento, etc.) permitirá que as ideias surgidas no processo criativo se convertam num projeto concreto; ou seja, numa inovação Deve-se dizer que a Inovação obtida nesse processo será objeto de contínua revisão, pois embora a criatividade se manifeste através do processo descrito, é mais do que uma mera forma de proceder, tratando-se sim de um hábito e de uma atitude
  • 5. Atitude Criativa: A Criatividade procura alternativas a uma situação existente ou a formulação de soluções que deem resposta a problemas que possam surgir. A predisposição para encontrar soluções e mudanças implica também a existência de uma atitude criativa A Criatividade está relacionada com a utilização de métodos que não respondem a esquemas e lógicas tradicionais. A cada vez mais complexa situação do meio e dos problemas a que nos enfrentamos exige novas ideias e novos enfoques Uma mente criativa procura novos métodos e é capaz de reinterpretar a realidade segundo novos parâmetros lógicos, sempre com a finalidade de encontrar novas interpretações da realidade e de dar respostas eficazes aos problemas que surgem Da Tecnologia à Criatividade: Um Novo Modelo de Competitividade As mudanças que passamos são cada vez mais profundas e afetam a forma como entendemos o meio onde vivemos (trabalho, telefone, internet, transportes, etc.). Estas mudanças não são importantes só pela sua intensidade, mas porque estão produzindo a uma grande velocidade, o que requer mais flexibilidade e adaptação por parte das regiões, pessoas e organizações
  • 6. Há poucas décadas, a capacidade tecnológica era o elemento diferenciador das sociedades mais avançadas. Mas, com o passar do tempo, a tecnologia começa a mostrar- se insuficiente para assegurar a competitividade num contexto tão complexo como o atual Para superar esta situação, uma das estratégias mais utilizadas consiste na aplicação intensiva do conhecimento para a implementação de processos inovadores Considera-se o conhecimento como um elemento-chave neste tipo de processos porque é o responsável pela criação de bens e serviços. Daí as políticas regionais e de empresa têm-se dirigido ao desenvolvimento de capital humano com uma elevada qualificação, capaz de colocar o seu conhecimento científico e tecnológico ao serviço da inovação Mas, esta receita ficou caduca, pois atualmente não basta a existência de capacidade tecnológica e de capital humano altamente qualificado Neste novo contexto, surgiu um novo fator de competitividade também ligado à inovação e ao conhecimento, mas que se ergue como um elemento diferenciador das economias mais avançadas: a CRIATIVIDADE
  • 7. Nesta perspectiva existem 3 elementos que determinam a capacidade de competir: (a) O nível de desenvolvimento tecnológico; (b) A capacidade de gerar conhecimento; (c) A Criatividade Eles interagem de tal forma que não se estabelecem inter- relações de sentido único, pois cada elemento alimenta continuamente os restantes e estabelecem relações sinérgicas dentro de uma dinâmica de interação contínua Mas, para que este modelo funcione adequadamente, é necessário um capital humano que o alimente; ou seja, é necessário que existam pessoas que possuam os perfis requeridos em cada um dos 3 âmbitos indicados Capital Social: com capacidade para utilizar a tecnologia existente Capital Intelectual: que se encarrega de criar novo conhecimento, básico e aplicado Capital Criativo: com habilidades para gerar novas ideias criativas A presença de capital humano com qualificação e capacidade criativa nas economias desenvolvidas e a correlação entre a sua existência e os processos de inovação são temas bem analisado nos últimos tempos. Atribui- se à denominada Classe Criativa um papel decisivo no crescimento económico e na capacidade de competir das cidades e empresas
  • 8. Os trabalhadores que fariam parte desta classe pertencem a setores considerados criativos como arte, design e comunicação. Além disso, este conceito incluiria engenheiros, investigadores, informáticos e outros Mas é necessário dar um passo à frente, aproveitando o potencial criativo de cada trabalhador e não apenas os trabalhadores considerados dentro desta Classe Criativa. Pois, o crescimento econômico é impulsionado pela criatividade e, por isso, se pretendemos aumentá-lo é fundamental aproveitar a criatividade de segmentos mais amplos de mão-de- obra como serviços e indústrias A Empresa no Meio Criativo: Teorias como a da Classe Criativa contribuíram para que a criatividade tenha começado a se relacionar com o mundo da economia e das empresas, pois nelas, a criatividade é o elemento que desencadeia o processo de inovação, dando-lhes valor e aumentando a sua competitividade Neste sentido, a criatividade converteu-se em um elemento-chave no seio da empresa por diversos motivos: 1) As Tecnologias da Informação e Comunicação exigem elevados índices de criatividade e o surgimento das TIC’s ampliaram o acesso à informação, onde qualquer pessoa pode obtê-la e contatar outras pessoas, situação que mudou a forma de interação entre os agentes que se comunicam em rede e de forma mais flexível
  • 9. 2) O conhecimento é fundamental para a competitividade e, a criatividade, acrescenta valor ao conhecimento. As organizações são cada vez mais valorizadas pelo seu conhecimento do que pelos seus ativos físicos O conhecimento é uma ligação contínua de informação que origina ideias que se convertem em valor agregado. Este processo se verifica graças à utilização criativa do conhecimento, que transforma a informação dispersa em valor 3) Em um mundo em constante mudança, as empresas são obrigadas a utilizar a criatividade para se reinventarem constantemente. As estratégias para melhorar a eficiência através de um ajuste da dimensão, da organização interna e da redução de despesas limitam sua capacidade criativa As mais criativas possuem uma desorganização limitada e intencional, e é nessa desordem que encontram uma importante fonte de ideias criativas para melhorar o negócio. A criatividade deve ser utilizada para repensar a empresa e o respectivo objeto de negócio. As novas ideias e a respectiva implementação sob a forma de inovações são a chave para o futuro
  • 10. 4) Existe uma massa de trabalhadores com talento que tem cada vez mais mobilidade e procuram trabalhos criativos continuamente. As expectativas dos novos trabalhadores mudaram e já não pretendem um emprego, onde só possam desenvolver a sua carreira segundo um manual de procedimentos estandardizado Exigem empregos que lhes permitam desenvolver sua imaginação, inspiração e ideias. Se não o podem fazer, procuram novos desafios profissionais noutras organizações. A capacidade de atrair e conservar talentos reside, portanto, em oferecer a liberdade necessária para que o trabalhador desenvolva a sua criatividade 5) A primazia do design exige elevadas doses de criatividade. Atualmente, todos os âmbitos da empresa (produtos, serviços e processos) estão ligados ao design. Um produto com um design pouco sedutor pode levar a uma comercialização fracassada 6) O consumidor é quem dirige o mercado, exigindo novos produtos adaptados às suas necessidades. O sucesso de um produto (ou serviço) já não reside no conceito tradicional de qualidade. Os consumidores exigem, além de um bom produto, uma série de extras como que seja inteligente, esteticamente atraente e que tenha vida 7. Os novos modelos de gestão passaram do controle completo à supervisão do trabalho criativo autónomo. A gestão de RH’s criativos com novas motivações exige a adoção de novos métodos, que permitam associar as necessidades dos trabalhadores com talento, às necessidades da empresa
  • 11. Objetivos da Criatividade Empresarial Reduzir os ciclos de vida dos produtos, ao introduzir inovações incrementais que permitam a sua substituição por outros e ampliar a oferta através da criação de novos produtos e serviços Dar resposta aos desejos de consumidores cada vez mais exigentes quanto à qualidade e aos serviços oferecidos e desenvolver novas tecnologias que permitam reduzir despesas e criar novos produtos Mudar os sistemas de gestão para modelos mais flexíveis e melhorar o design dos produtos Aumentar os mercados da nossa oferta de produtos e serviços e atingir novos nichos de mercado (novas empresas, novas pessoas, etc.) Utilizar novas técnicas de venda ou marketing e desenvolver novas fórmulas para distribuir os produtos Por outro lado, a Criatividade na empresa inclui outros objetivos mais ambiciosos, tais como: Impulsionar a iniciativa individual dos empregados, de forma que sintam os problemas da empresa como seus, aumentando assim a sua implicação e capacidade de dar resposta a cada situação
  • 12. Fomentar o desenvolvimento de atividades dos empregados fora das funções oficiais, facilitando a concretização de ideias que tenham como finalidade introduzir melhoramentos ou práticas inovadoras Aproveitar as ideias surgidas por acaso. A pesquisa e o trabalho intensivo podem levar a uma associação de elementos sem relação aparente, mas que se traduzam em progressos para a empresa Estimular a utilização de ideias de origens alheias ao âmbito da empresa, em particular as que surgem dentro da esfera pessoal de cada trabalhador, pois podem ter um grande impacto na criação de novas ideias dentro no negócio Assegurar a sintonia entre os objetivos e ações dos empregados com os objetivos da empresa Aumentar a comunicação interna da empresa, geralmente é mais deficitária nas grandes empresas, pois pode contribuir para aumentar o fluxo de informação valiosa