SlideShare uma empresa Scribd logo
A ORGANIZAÇÃO COMO CONTEXTO SOCIAL E
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO
Disciplina: Psicologia Organizacional
Docentes: Anderson Cássio
Anderson Luiz
Iarim Maia Rocha
Narjara Rita Sampaio
A ORGANIZAÇÃO COMO
CONTEXTO SOCIAL E
DESENVOLVIMENTO
COGNITIVO.
Existem duas correntes da
Psicologia que estudam a
aprendizagem.
A corrente “Behaviorista” que coloca a mudança de comportamento
(R) como produto da interação do indivíduo e o ambiente (E).
E a abordagem cognitivista na qual o comportamento muda
(R) conforme o resultado da interação com o ambiente(E),
mas a interação antes de mudar o comportamento resulta em um
processo mental ou na aquisição de competências (O).
Assim na interação com o ambiente (E) o indivíduo aprende algo
(O) que vai ser evidenciado no futuro por meio de uma mudança
no comportamento (R) e tem seu esquema reprentado por:
Jean Piaget (1896-1980) foi um dos investigadores mais
influentes do séc. 20 na área da psicologia do
desenvolvimento. Piaget acreditava que o que distingue o ser
humano dos outros animais é a sua capacidade de ter um
pensamento simbólico e abstrato.
Teorias de Piaget e Vygostsky
• Piaget acreditava que a maturação biológica estabelece as pré-condições para o
desenvolvimento cognitivo. As mudanças mais significativas são mudanças
qualitativas (em género) e não qualitativas (em quantidade).
Existem 2 aspectos principais nesta teoria:
1. O processo de conhecer
2. Os estádios/ etapas pelos quais nós passamos à medida que adquirimos essa
habilidade.
A formação de Piaget como biólogo influenciou ambos os aspectos desta teoria.
• Como biólogo, Piaget estava interessado em como é que um organismo se
adapta ao seu ambiente (ele descreveu esta capacidade como inteligência)
• O comportamento é controlado através de organizações mentais denominadas
“esquemas”, que o indivíduo utiliza para representar o mundo e para designar
as ações.
Piaget descreveu 2 processos utilizados pelo sujeito na sua tentativa de adaptação:
• Assimilação
• Acomodação
Estes 2 processos são utilizados ao longo da vida à medida que a pessoa se vai
progressivamente adaptando ao ambiente de uma forma mais complexa.
• Assimilação: moldar novas informações para encaixar nos esquemas existentes.
• Acomodação: mudança nos esquemas existentes pela alteração de antigas
formas de pensar ou agir.
A perspectiva de Piaget é frequentemente comparada com a de Lev Vygotsky
(1896-1934), que olhou mais para a interação social como fonte primária da
cognição e do comportamento
Vygotsky abordou o desenvolvimento cognitivo por um processo de orientação.
Em vez de olhar para o final do processo de desenvolvimento, ele debruçou-se
sobre o processo em si e analisou a participação do sujeito nas atividades sociais.
• Ele propôs que o desenvolvimento não precede a socialização. Ao invés, as
estruturas sociais e as relações sociais levam ao desenvolvimento das funções
mentais.
• O processo básico pelo qual isto ocorre é a mediação (a ligação entre duas
estruturas, uma social e uma pessoalmente construída, através de instrumentos
ou sinais). Quando os signos culturais vão sendo internalizados pelo sujeito é
quando os humanos adquirem a capacidade de uma ordem de pensamento mais
elevada.
Segundo Vygotsky:
1. O desenvolvimento não pode ser separado do contexto social
2. A cultura afeta a forma como pensamos e o que pensamos
3. Cada cultura tem o seu próprio impacto
4. O conhecimento depende da experiência social
A cognição designa os processos de conhecimento que envolvem a aquisição ,
organização (do verbo organizar) e uso do conhecimento (Bastos et al., 2004)
Para analisar e compreender uma ação humana ou mesmo uma organização sob o
enfoque da abordagem cognitivista é preciso que:
1) A ação humana tenha um foco de estudo privilegiado e não único , analisando
o indivíduo e seu contexto social, cultural e simbólico;
2) O comportamento humano é processo e fluxo diferente dos movimentos
observáveis;
3) A ação humana é uma unidade que integra prática, significado pessoais e
culturais, emoção e afeto;
4) E a compreensão do comportamento envolve a busca da história do indivíduo ,
suas experiências, além das forças que fizeram emergir e manter o
comportamento
A melhor definição para cognição é uma perspectiva geral de como entender, analisar
e compreender processos humanos individuais e coletivos (Bastos et al,. 2004)
A partir disso, a abordagem cognitiva se aproxima dos estudos organizacionais, uma
vez que pode responder às questões relacionadas ao ser humano quando ele se
encontra no ambiente organizacional e assim questões relacionadas as emoções,
afetos sentimentos, personalidade, valores, atitudes , percepção e motivação, além de
tomada de decisões, podem ser analisadas pela teoria congnitiva.
Exemplo: Emoções nas organizações de trabalho que ultimamente tem sido cada vez
mais, alvo de pesquisas cognitivas. A crença que a racionalização e a emoção são
antagônicas diminui. Segundo Gondim e Silva (2004) as emoções são processos de
múltiplos componentes cognitivos, motivacionais, comportamentais e fisiológicos e
cada vez mais devem ser percebidas como a origem e o resultado de interações
sociais e influências ambientais.
Normalmente , as emoções não podem transparecer no ambiente organizacional, assim
sendo, somos ensinados a não chorar no ambiente de trabalho, a não nos iramos na frente das
pessoas e não sermos muitos emotivos, pois com isso seremos pouco racionais, isso porque
as emoções estão relacionadas como uma fraqueza humana, sendo este pensamento
incorreto
Infelizmente são poucas as empresas que abrem espaço para espontaneidade e a criatividade
de seus colaboradores, que investem em redes de apoio social, para a
impulsividade e variabilidade sob o risco de se não fizerem assim, perderem sua capacidade
de reação as mudanças que exigem rapidez para se adaptar.
Um exemplo desse erro ético é como é abordagem feita quando recebemos um telefonema
de telemarketing. Sabemos que os profissionais dessa área não falam com espontaneidade. A
falta de espontaneidade e o excesso de leitura de respostas prontas e obrigatórias, provocam
por vezes raiva que acaba descarregando no atendente.
Mas sabemos que essa falta de espontaneidade e o excesso de leitura ocorrem não por que
querem, mas pela excesso de supervisão sobre eles, para falarem de acordo o que está escrito
na tela, treinados como máquinas de leituras ,sem emoções e sentimentos.
Não exercendo assim o potencial que possuem e contribuindo para o sofrimento muitos
deles.
Os gestores das organizações realizam um discurso que não
condiz com a prática e essa situação tem evocado sentimentos
negativos nos trabalhadores com as desconfiança de acreditar
que o discurso está contraditório e a frustração e a revolta de
não realizar a prática e o discurso teórico.
Gestão e Liderança
O tipo de liderança exercido pelo gestor determinará o clima
psicológico na organização.
A liderança éum fenômeno grupal. Assim sendo não depende
apenas do indivíduo. Seu desempenho varia conforme a
personalidade, o grupo e seu contexto (MOSCOVICI 2002a)
Estilos de Liderança
Estilos de Liderança
Estilos de Liderança
Estilos de Liderança
TEORIA DE APRENDIZAGEM SOCIAL
Entende-se que as pessoas aprendem com seus pares, observando e ouvindo o que acontece.
Nesse caso, os modelos são seguidos a partir deles que há aprendizado social.
Assim, os indivíduos geralmente copiam comportamentos que avaliam ter consequências
positivas.
Por exemplo: Um trabalhador percebe que seu colega de trabalho sempre é elogiado pelo
supervisor quando limpa sua mesa de trabalho, mesmo que a papelada esteja toda escondida
dentro do armário. Assim, esse trabalhador pode passar a manter sua mesa arrumada, para
ganhar um elogio do chefe.
De acordo com Bastos at al.(2004)para os cognitivistas a aprendizagem envolve a aquisição
e retenção desconhecimento, sua generalização e transferência. Essa transferência é feita
quando a mudança no indivíduo acontece em uma situação diferente daquela que ocasionou
a aquisição e pode ocorrer de forma lateral(quando os desempenhos não foram aprendidos,
mas são semelhantes) ou vertical(permite aprendizagem de capacidade mais complexa a
partir de capacidades mais simples).
Como aprendizagem ocorre tanto no ambiente organizacional, quanto fora dele,
Robbins(2006) sugere a utilização de modelagem de comportamentos como forma de
moldar a aprendizagem do indivíduo para que este apresente comportamento adequado.
CLASSIFICAÇÃO DOS GRUPOS SOCIAIS
(SEGUNDO TIPOS DE RELACIONAMENTO)
• Primários ou secundários –Aqueles que os membros tem um
relacionamento interpessoal (grupo familiar e grupo de amigos)
• Formais ou informais – São formados pela estrutura da organização
(grupos de trabalho com objetivos);
• Homogêneos e heterogêneos- Homogêneos compartilham algo em
comum, como idade, nível socioeconômico e grau de escolaridade.
Heterogêneos são as variações nas dimensões em questão;
• Interativos e nominais – Interativos quando interagem entre si e nominais
quando interagem de forma indireta;
• Permanentes ou temporários – Permanente é um trabalho contínuo a ser
feito, porém alguns projetos ou tarefas nas organização exigem grupos
temporários. (Bowditch;Buono 2004)
OS PAPÉIS SOCIAIS E AS ORGANIZAÇÕES
• Em nossa vida desempenhamos vários papéis sociais. Quando estamos com nossos
pais desempenhamos o papel de filhos; quando estamos com nossos filhos,
desempenhamos o papel de pais; quando estamos no trabalho desempenhamos o
papel de profissional, quando estamos com amigos , o papel de amigos, quando com
os cônjuges desempenhamos o papel de marido e esposa. Assim desempenhamos
vários papéis sociais nos diferentes grupos nos quais fazemos parte.
Algumas organizações utilizam este conhecimento entre o vínculo afetivo e a
motivação e costumam comparar-se a uma família. Nós somos uma família, a família
X (nome da empresa). Fazendo isso, essas organizações evocam o vínculo afetivo
com as pessoas buscando mais motivação e produtividade.
Nosso comportamento é o resultado da personalidade somada a variáveis externas.
Algumas dessas variáveis são padrões e normas fornecidos, as demandas solicitadas,
as expectativas daquele a quem temos vínculo emocional, os critérios de avaliação
informados previamente, as recompensas que estimulam e as punições que
desencorajam. Assim buscamos satisfazer as expectativas, planos e esperanças
daqueles que, para nós, são emocionalmente importantes, lembrando que quanto
maior vínculo afetivo existente com a pessoa, maior também a satisfação para
satisfazer suas expectativas (Moscovici,2002a)
NÍVEL DE GRUPO
O que é um grupo ?
Por que as pessoas se unem em grupos ?
Qual influência deles no grupo e no nosso comportamento ?
Como o grupo exerce poder sobre seus membros ?
Kurt Lewin, após inúmeras pesquisas realizadas afirma que o comportamento depende da
interdependência entre o indivíduo e o meio. Para ele existe uma interação entre o
indivíduo e seu meio ambiente que precisa ser levado em consideração.
Grupo, segundo Robbins(2006) são dois ou mais indivíduos, interdependentes e
interativos que se reúnem visando à obtenção de um determinado objetivo.
Quanto maior o grau de coesão em um grupo, maior também será a influência do grupo
no comportamento de seus membros. Coesão é o grau em que as pessoas são atraídas
para permanecer como grupo. Está relacionada diretamente a produtividade, e esta
relação depende das normas de desempenho do grupo, ou seja, um grupo com normas de
desempenho elevadas, vai ser mais produtivo quando a coesão for maior. Porém coesão
grande com normas de desempenho fracas, o resultado é baixa produtividade
FORÇAS SOCIAIS
Precisamos entender os motivos pelos quais as pessoas se unem em grupos, seus
componentes, seu funcionamento e seu desempenho. Analisando a dinâmica do
grupo podemos ver como algumas forças contribuem para o desenvolvimento do
grupo, enquanto outros caminhos para o seu retrocesso (Moscovici 2002ª)
Moscovici(2002) identifica essas forças como objetivos, motivação, comunicação,
processo decisório, relacionamento, liderança e inovação.
• Objetivos – Busca identificar se há um objetivo comum aos membros do grupo.
Quanto mais claro o objetivo mais aceito ele se torna.
• Motivação –Investiga-se o nível de interesse e entusiasmo para realizar as
atividades do grupo e a energia que cada um disponibiliza pra o grupo
• Comunicação – Investigam-se as modalidades mais utilizadas pelo grupo, se
todos podem falar livremente ou existem receios, se falam com espontaneidade
ou com cautela. Se as mensagens são distorcidas e se há feedback aberto e
direto.
• Processo Decisório - Verifica-se como as decisões são tomadas com relação a
frequência com que as decisões unilaterais são impostas, o número de votações
nas quais a maioria coloca a sua vontade quando as decisões ocorrem por
consenso, respeitando a todos.
• Relacionamento – Verifica-se se existe harmonia e cooperação nas relações
entre pessoas; se as relações harmoniosas são somente aparentes ou se
realmente há integração de esforços para contribuir com a coesão do grupo.
• Liderança – Verifica-se como, quem e em que ciscunstâncias a exerce,
identificando os estilos mais utilizados, a relação entre os líderes e os liderados
e como o poder é distribuído no grupo
• Inovaçao – Analizam-se as atividades do grupo, verificando se elas são
caracterizadas por uma rotina, investigam-se como as novas idéias e sugestões
de mudança são recebidas pelo grupo e até que ponto a criatividade é
estimulada e exercida.
• Segundo Moscovici (2002), com essa ação investigatória, você poderá ter uma
visão ampla do grupo e de seus componentes.
FINALIZANDO
Teoria Cognitivista
• Propõe levar em consideração o que se “passa na cabeça” do organismo
que se comporta. Segundo a Teoria Cognitivista, não há um
estabelecimento automático de conexões estímulo-resposta, o indivíduo
antevê consequências de seu comportamento porque adquiriu e elaborou
informações.
Assim, escolhemos por meio da percepção, pensamento e raciocínio, os
valores e crenças, as opiniões e as expectativas que regularão a conduta para
uma meta almejada.
• Teoria cognitivas reconhecem que o comportamento e seu resultado
dependerão tanto
das escolhas conscientes do indivíduo, como dos acontecimentos do meio
sobre os quais ele não tem controle e que atuam sobre ele.
• O que o cognitismo nega é que o efeito dos estímulos sobre o
comportamento seja automático(como quer o behaviorismo).
FIM
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2
Rute Machado
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
Ludmila Moura
 
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.    Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
raimundoxexe
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ciclo motivacional
Ciclo motivacionalCiclo motivacional
Ciclo motivacional
Luis De Sousa Rodrigues
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
Bruno Gurué
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
PUC Minas
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
Graziela Bernardo Mota
 
O estádio das operações concretas
O estádio das operações concretasO estádio das operações concretas
O estádio das operações concretas
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
ecleiamb
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
Alexandre Rivero
 
Representações sociais
Representações sociaisRepresentações sociais
Representações sociais
Bruna Batista
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
Psicologia_2015
 
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmonsMs03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
Cesar Toledo
 
Competências pessoais sociais
Competências pessoais sociaisCompetências pessoais sociais
Competências pessoais sociais
Rosalina Fialho
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
andressa bonn
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
O que é resiliência
O que é resiliênciaO que é resiliência
O que é resiliência
Reginaldo Branco
 

Mais procurados (20)

Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2Conceito de desenvolvimento2
Conceito de desenvolvimento2
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
 
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.    Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
Gean Piaget o gênio Henrique A. G.
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
 
Ciclo motivacional
Ciclo motivacionalCiclo motivacional
Ciclo motivacional
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
O estádio das operações concretas
O estádio das operações concretasO estádio das operações concretas
O estádio das operações concretas
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Representações sociais
Representações sociaisRepresentações sociais
Representações sociais
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
 
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmonsMs03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
Ms03 o processo empreendedor e o modelo de timmons
 
Competências pessoais sociais
Competências pessoais sociaisCompetências pessoais sociais
Competências pessoais sociais
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
O que é resiliência
O que é resiliênciaO que é resiliência
O que é resiliência
 

Destaque

Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOSGREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
Anderson Cássio Oliveira
 
Hibridização Cognitiva
Hibridização CognitivaHibridização Cognitiva
Hibridização Cognitiva
Geraldo Seabhra
 
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Anderson Cássio Oliveira
 
Estabilidade - Direito Social e Previdenciário
Estabilidade - Direito Social e PrevidenciárioEstabilidade - Direito Social e Previdenciário
Estabilidade - Direito Social e Previdenciário
Anderson Cássio Oliveira
 
Pós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firmaPós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firma
Marcel Gois
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
Jesrayne Nascimento
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
UNICEP
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
Edson Alves
 
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das OrganizaçõesSO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
Ana Maria Santos
 
Processo administrativo: organização
Processo administrativo: organizaçãoProcesso administrativo: organização
Processo administrativo: organização
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Contexto Social, Cultural, Economico Y Politico
Contexto Social, Cultural, Economico Y PoliticoContexto Social, Cultural, Economico Y Politico
Contexto Social, Cultural, Economico Y Politico
Marcelino Cordero
 
Principais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagemPrincipais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagem
cristina-ricardo
 
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICOCONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
rogelio01
 
Reforco escolar1
Reforco escolar1Reforco escolar1
Reforco escolar1
Vera Pinho
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
Rodrigo Ribeiro
 

Destaque (16)

Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOSGREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
GREVE - ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
 
Hibridização Cognitiva
Hibridização CognitivaHibridização Cognitiva
Hibridização Cognitiva
 
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
 
Estabilidade - Direito Social e Previdenciário
Estabilidade - Direito Social e PrevidenciárioEstabilidade - Direito Social e Previdenciário
Estabilidade - Direito Social e Previdenciário
 
Pós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firmaPós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firma
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das OrganizaçõesSO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
 
Processo administrativo: organização
Processo administrativo: organizaçãoProcesso administrativo: organização
Processo administrativo: organização
 
Contexto Social, Cultural, Economico Y Politico
Contexto Social, Cultural, Economico Y PoliticoContexto Social, Cultural, Economico Y Politico
Contexto Social, Cultural, Economico Y Politico
 
Principais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagemPrincipais teorias da aprendizagem
Principais teorias da aprendizagem
 
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICOCONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
CONTEXTO SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICO Y POLITICO
 
Reforco escolar1
Reforco escolar1Reforco escolar1
Reforco escolar1
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
 

Semelhante a A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo

12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
Rolando Almeida
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
matheuschagas71
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
digosdigos
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptxProjeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
Marcos634937
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptxAULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
HeltonJaime1
 
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagemAula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
WillianOliveira744573
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Grh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacionalGrh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacional
beirario
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Silvio Custódio Souza Júnior
 
Co5
Co5Co5
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
Ana Antunes
 

Semelhante a A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo (20)

12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptxProjeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
Projeto de vida: A metamorfose da minha vida.pptx
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptxAULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
AULA-psicologia-do-desenv-e-aprendizagem.pptx
 
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagemAula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
Aula psicologia-do-desenv-e-aprendizagem
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Grh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacionalGrh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacional
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Co5
Co5Co5
Co5
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
 

Mais de Anderson Cássio Oliveira

Segredos 13 Não mintam uns dos outros
Segredos 13    Não  mintam uns dos outrosSegredos 13    Não  mintam uns dos outros
Segredos 13 Não mintam uns dos outros
Anderson Cássio Oliveira
 
Segredos 9 e 10 queixem e falar mal uns dos outros
Segredos 9 e 10  queixem e falar mal uns dos outrosSegredos 9 e 10  queixem e falar mal uns dos outros
Segredos 9 e 10 queixem e falar mal uns dos outros
Anderson Cássio Oliveira
 
Adm unopar 2013
 Adm unopar 2013 Adm unopar 2013
Adm unopar 2013
Anderson Cássio Oliveira
 
Atentacaododeserto
AtentacaododesertoAtentacaododeserto
Atentacaododeserto
Anderson Cássio Oliveira
 
Salmos 104
Salmos 104Salmos 104
A parabola do joio
A parabola do joioA parabola do joio
A parabola do joio
Anderson Cássio Oliveira
 

Mais de Anderson Cássio Oliveira (6)

Segredos 13 Não mintam uns dos outros
Segredos 13    Não  mintam uns dos outrosSegredos 13    Não  mintam uns dos outros
Segredos 13 Não mintam uns dos outros
 
Segredos 9 e 10 queixem e falar mal uns dos outros
Segredos 9 e 10  queixem e falar mal uns dos outrosSegredos 9 e 10  queixem e falar mal uns dos outros
Segredos 9 e 10 queixem e falar mal uns dos outros
 
Adm unopar 2013
 Adm unopar 2013 Adm unopar 2013
Adm unopar 2013
 
Atentacaododeserto
AtentacaododesertoAtentacaododeserto
Atentacaododeserto
 
Salmos 104
Salmos 104Salmos 104
Salmos 104
 
A parabola do joio
A parabola do joioA parabola do joio
A parabola do joio
 

A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo

  • 1. A ORGANIZAÇÃO COMO CONTEXTO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Disciplina: Psicologia Organizacional Docentes: Anderson Cássio Anderson Luiz Iarim Maia Rocha Narjara Rita Sampaio
  • 2. A ORGANIZAÇÃO COMO CONTEXTO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COGNITIVO. Existem duas correntes da Psicologia que estudam a aprendizagem.
  • 3. A corrente “Behaviorista” que coloca a mudança de comportamento (R) como produto da interação do indivíduo e o ambiente (E). E a abordagem cognitivista na qual o comportamento muda (R) conforme o resultado da interação com o ambiente(E), mas a interação antes de mudar o comportamento resulta em um processo mental ou na aquisição de competências (O). Assim na interação com o ambiente (E) o indivíduo aprende algo (O) que vai ser evidenciado no futuro por meio de uma mudança no comportamento (R) e tem seu esquema reprentado por:
  • 4. Jean Piaget (1896-1980) foi um dos investigadores mais influentes do séc. 20 na área da psicologia do desenvolvimento. Piaget acreditava que o que distingue o ser humano dos outros animais é a sua capacidade de ter um pensamento simbólico e abstrato. Teorias de Piaget e Vygostsky
  • 5. • Piaget acreditava que a maturação biológica estabelece as pré-condições para o desenvolvimento cognitivo. As mudanças mais significativas são mudanças qualitativas (em género) e não qualitativas (em quantidade). Existem 2 aspectos principais nesta teoria: 1. O processo de conhecer 2. Os estádios/ etapas pelos quais nós passamos à medida que adquirimos essa habilidade. A formação de Piaget como biólogo influenciou ambos os aspectos desta teoria. • Como biólogo, Piaget estava interessado em como é que um organismo se adapta ao seu ambiente (ele descreveu esta capacidade como inteligência) • O comportamento é controlado através de organizações mentais denominadas “esquemas”, que o indivíduo utiliza para representar o mundo e para designar as ações.
  • 6. Piaget descreveu 2 processos utilizados pelo sujeito na sua tentativa de adaptação: • Assimilação • Acomodação Estes 2 processos são utilizados ao longo da vida à medida que a pessoa se vai progressivamente adaptando ao ambiente de uma forma mais complexa. • Assimilação: moldar novas informações para encaixar nos esquemas existentes. • Acomodação: mudança nos esquemas existentes pela alteração de antigas formas de pensar ou agir. A perspectiva de Piaget é frequentemente comparada com a de Lev Vygotsky (1896-1934), que olhou mais para a interação social como fonte primária da cognição e do comportamento
  • 7. Vygotsky abordou o desenvolvimento cognitivo por um processo de orientação. Em vez de olhar para o final do processo de desenvolvimento, ele debruçou-se sobre o processo em si e analisou a participação do sujeito nas atividades sociais. • Ele propôs que o desenvolvimento não precede a socialização. Ao invés, as estruturas sociais e as relações sociais levam ao desenvolvimento das funções mentais. • O processo básico pelo qual isto ocorre é a mediação (a ligação entre duas estruturas, uma social e uma pessoalmente construída, através de instrumentos ou sinais). Quando os signos culturais vão sendo internalizados pelo sujeito é quando os humanos adquirem a capacidade de uma ordem de pensamento mais elevada. Segundo Vygotsky: 1. O desenvolvimento não pode ser separado do contexto social 2. A cultura afeta a forma como pensamos e o que pensamos 3. Cada cultura tem o seu próprio impacto 4. O conhecimento depende da experiência social
  • 8. A cognição designa os processos de conhecimento que envolvem a aquisição , organização (do verbo organizar) e uso do conhecimento (Bastos et al., 2004) Para analisar e compreender uma ação humana ou mesmo uma organização sob o enfoque da abordagem cognitivista é preciso que: 1) A ação humana tenha um foco de estudo privilegiado e não único , analisando o indivíduo e seu contexto social, cultural e simbólico; 2) O comportamento humano é processo e fluxo diferente dos movimentos observáveis; 3) A ação humana é uma unidade que integra prática, significado pessoais e culturais, emoção e afeto; 4) E a compreensão do comportamento envolve a busca da história do indivíduo , suas experiências, além das forças que fizeram emergir e manter o comportamento
  • 9. A melhor definição para cognição é uma perspectiva geral de como entender, analisar e compreender processos humanos individuais e coletivos (Bastos et al,. 2004) A partir disso, a abordagem cognitiva se aproxima dos estudos organizacionais, uma vez que pode responder às questões relacionadas ao ser humano quando ele se encontra no ambiente organizacional e assim questões relacionadas as emoções, afetos sentimentos, personalidade, valores, atitudes , percepção e motivação, além de tomada de decisões, podem ser analisadas pela teoria congnitiva. Exemplo: Emoções nas organizações de trabalho que ultimamente tem sido cada vez mais, alvo de pesquisas cognitivas. A crença que a racionalização e a emoção são antagônicas diminui. Segundo Gondim e Silva (2004) as emoções são processos de múltiplos componentes cognitivos, motivacionais, comportamentais e fisiológicos e cada vez mais devem ser percebidas como a origem e o resultado de interações sociais e influências ambientais.
  • 10. Normalmente , as emoções não podem transparecer no ambiente organizacional, assim sendo, somos ensinados a não chorar no ambiente de trabalho, a não nos iramos na frente das pessoas e não sermos muitos emotivos, pois com isso seremos pouco racionais, isso porque as emoções estão relacionadas como uma fraqueza humana, sendo este pensamento incorreto Infelizmente são poucas as empresas que abrem espaço para espontaneidade e a criatividade de seus colaboradores, que investem em redes de apoio social, para a impulsividade e variabilidade sob o risco de se não fizerem assim, perderem sua capacidade de reação as mudanças que exigem rapidez para se adaptar. Um exemplo desse erro ético é como é abordagem feita quando recebemos um telefonema de telemarketing. Sabemos que os profissionais dessa área não falam com espontaneidade. A falta de espontaneidade e o excesso de leitura de respostas prontas e obrigatórias, provocam por vezes raiva que acaba descarregando no atendente. Mas sabemos que essa falta de espontaneidade e o excesso de leitura ocorrem não por que querem, mas pela excesso de supervisão sobre eles, para falarem de acordo o que está escrito na tela, treinados como máquinas de leituras ,sem emoções e sentimentos. Não exercendo assim o potencial que possuem e contribuindo para o sofrimento muitos deles.
  • 11. Os gestores das organizações realizam um discurso que não condiz com a prática e essa situação tem evocado sentimentos negativos nos trabalhadores com as desconfiança de acreditar que o discurso está contraditório e a frustração e a revolta de não realizar a prática e o discurso teórico. Gestão e Liderança O tipo de liderança exercido pelo gestor determinará o clima psicológico na organização. A liderança éum fenômeno grupal. Assim sendo não depende apenas do indivíduo. Seu desempenho varia conforme a personalidade, o grupo e seu contexto (MOSCOVICI 2002a)
  • 16. TEORIA DE APRENDIZAGEM SOCIAL Entende-se que as pessoas aprendem com seus pares, observando e ouvindo o que acontece. Nesse caso, os modelos são seguidos a partir deles que há aprendizado social. Assim, os indivíduos geralmente copiam comportamentos que avaliam ter consequências positivas. Por exemplo: Um trabalhador percebe que seu colega de trabalho sempre é elogiado pelo supervisor quando limpa sua mesa de trabalho, mesmo que a papelada esteja toda escondida dentro do armário. Assim, esse trabalhador pode passar a manter sua mesa arrumada, para ganhar um elogio do chefe. De acordo com Bastos at al.(2004)para os cognitivistas a aprendizagem envolve a aquisição e retenção desconhecimento, sua generalização e transferência. Essa transferência é feita quando a mudança no indivíduo acontece em uma situação diferente daquela que ocasionou a aquisição e pode ocorrer de forma lateral(quando os desempenhos não foram aprendidos, mas são semelhantes) ou vertical(permite aprendizagem de capacidade mais complexa a partir de capacidades mais simples). Como aprendizagem ocorre tanto no ambiente organizacional, quanto fora dele, Robbins(2006) sugere a utilização de modelagem de comportamentos como forma de moldar a aprendizagem do indivíduo para que este apresente comportamento adequado.
  • 17. CLASSIFICAÇÃO DOS GRUPOS SOCIAIS (SEGUNDO TIPOS DE RELACIONAMENTO) • Primários ou secundários –Aqueles que os membros tem um relacionamento interpessoal (grupo familiar e grupo de amigos) • Formais ou informais – São formados pela estrutura da organização (grupos de trabalho com objetivos); • Homogêneos e heterogêneos- Homogêneos compartilham algo em comum, como idade, nível socioeconômico e grau de escolaridade. Heterogêneos são as variações nas dimensões em questão; • Interativos e nominais – Interativos quando interagem entre si e nominais quando interagem de forma indireta; • Permanentes ou temporários – Permanente é um trabalho contínuo a ser feito, porém alguns projetos ou tarefas nas organização exigem grupos temporários. (Bowditch;Buono 2004)
  • 18. OS PAPÉIS SOCIAIS E AS ORGANIZAÇÕES • Em nossa vida desempenhamos vários papéis sociais. Quando estamos com nossos pais desempenhamos o papel de filhos; quando estamos com nossos filhos, desempenhamos o papel de pais; quando estamos no trabalho desempenhamos o papel de profissional, quando estamos com amigos , o papel de amigos, quando com os cônjuges desempenhamos o papel de marido e esposa. Assim desempenhamos vários papéis sociais nos diferentes grupos nos quais fazemos parte. Algumas organizações utilizam este conhecimento entre o vínculo afetivo e a motivação e costumam comparar-se a uma família. Nós somos uma família, a família X (nome da empresa). Fazendo isso, essas organizações evocam o vínculo afetivo com as pessoas buscando mais motivação e produtividade. Nosso comportamento é o resultado da personalidade somada a variáveis externas. Algumas dessas variáveis são padrões e normas fornecidos, as demandas solicitadas, as expectativas daquele a quem temos vínculo emocional, os critérios de avaliação informados previamente, as recompensas que estimulam e as punições que desencorajam. Assim buscamos satisfazer as expectativas, planos e esperanças daqueles que, para nós, são emocionalmente importantes, lembrando que quanto maior vínculo afetivo existente com a pessoa, maior também a satisfação para satisfazer suas expectativas (Moscovici,2002a)
  • 19. NÍVEL DE GRUPO O que é um grupo ? Por que as pessoas se unem em grupos ? Qual influência deles no grupo e no nosso comportamento ? Como o grupo exerce poder sobre seus membros ? Kurt Lewin, após inúmeras pesquisas realizadas afirma que o comportamento depende da interdependência entre o indivíduo e o meio. Para ele existe uma interação entre o indivíduo e seu meio ambiente que precisa ser levado em consideração. Grupo, segundo Robbins(2006) são dois ou mais indivíduos, interdependentes e interativos que se reúnem visando à obtenção de um determinado objetivo. Quanto maior o grau de coesão em um grupo, maior também será a influência do grupo no comportamento de seus membros. Coesão é o grau em que as pessoas são atraídas para permanecer como grupo. Está relacionada diretamente a produtividade, e esta relação depende das normas de desempenho do grupo, ou seja, um grupo com normas de desempenho elevadas, vai ser mais produtivo quando a coesão for maior. Porém coesão grande com normas de desempenho fracas, o resultado é baixa produtividade
  • 20. FORÇAS SOCIAIS Precisamos entender os motivos pelos quais as pessoas se unem em grupos, seus componentes, seu funcionamento e seu desempenho. Analisando a dinâmica do grupo podemos ver como algumas forças contribuem para o desenvolvimento do grupo, enquanto outros caminhos para o seu retrocesso (Moscovici 2002ª) Moscovici(2002) identifica essas forças como objetivos, motivação, comunicação, processo decisório, relacionamento, liderança e inovação. • Objetivos – Busca identificar se há um objetivo comum aos membros do grupo. Quanto mais claro o objetivo mais aceito ele se torna. • Motivação –Investiga-se o nível de interesse e entusiasmo para realizar as atividades do grupo e a energia que cada um disponibiliza pra o grupo • Comunicação – Investigam-se as modalidades mais utilizadas pelo grupo, se todos podem falar livremente ou existem receios, se falam com espontaneidade ou com cautela. Se as mensagens são distorcidas e se há feedback aberto e direto.
  • 21. • Processo Decisório - Verifica-se como as decisões são tomadas com relação a frequência com que as decisões unilaterais são impostas, o número de votações nas quais a maioria coloca a sua vontade quando as decisões ocorrem por consenso, respeitando a todos. • Relacionamento – Verifica-se se existe harmonia e cooperação nas relações entre pessoas; se as relações harmoniosas são somente aparentes ou se realmente há integração de esforços para contribuir com a coesão do grupo. • Liderança – Verifica-se como, quem e em que ciscunstâncias a exerce, identificando os estilos mais utilizados, a relação entre os líderes e os liderados e como o poder é distribuído no grupo • Inovaçao – Analizam-se as atividades do grupo, verificando se elas são caracterizadas por uma rotina, investigam-se como as novas idéias e sugestões de mudança são recebidas pelo grupo e até que ponto a criatividade é estimulada e exercida. • Segundo Moscovici (2002), com essa ação investigatória, você poderá ter uma visão ampla do grupo e de seus componentes.
  • 22.
  • 24. Teoria Cognitivista • Propõe levar em consideração o que se “passa na cabeça” do organismo que se comporta. Segundo a Teoria Cognitivista, não há um estabelecimento automático de conexões estímulo-resposta, o indivíduo antevê consequências de seu comportamento porque adquiriu e elaborou informações. Assim, escolhemos por meio da percepção, pensamento e raciocínio, os valores e crenças, as opiniões e as expectativas que regularão a conduta para uma meta almejada. • Teoria cognitivas reconhecem que o comportamento e seu resultado dependerão tanto das escolhas conscientes do indivíduo, como dos acontecimentos do meio sobre os quais ele não tem controle e que atuam sobre ele. • O que o cognitismo nega é que o efeito dos estímulos sobre o comportamento seja automático(como quer o behaviorismo).
  • 25. FIM