SlideShare uma empresa Scribd logo
O Processo de Transporte de Cargas Transporte é a ligação
física que conecta as
empresas aos
fornecedores e clientes.
Nas empresas essa função
agrega importante valor
aos negócios, pois
disponibiliza produtos no
momento e no local
solicitado pelos clientes
Os Envolvidos Nesse
Processo São: as
Empresas Produtoras e
Receptoras de Produtos / o
Operador Logístico / as
Empresas de Transporte /
os Autônomos / os
Governos / os Agenciadores
de Carga e os
Consumidores
MODAIS de TRANSPORTES
1) Aquaviário: a) Marítimo: grande
capacidade e longas distâncias /
cargas em fardos, caixotes, granéis
e contêineres / transporte
internacional / b) Fluvial: grande
capacidade (superior a 1.100 t) /
cargas, principalmente granéis /
transporte nacional
2) Ferroviário: O sistema ferroviário brasileiro
transporta em torno de 35% do total de
cargas, principalmente grãos e minérios. O
custo do frete é menor que o rodoviário
3) Dutoviário: O Transporte
Dutoviário Pode Ser Dividido Em:
A) Oleodutos, cujos produtos
transportados são em sua
grande maioria: petróleo, óleo
combustível, gasolina, diesel,
álcool, GLP, querosene, nafta,
entre outros
B) Minerodutos, cujos
produtos transportados
são: sal-gema, minério
de ferro e concentrado
fosfático
C) Gasodutos, cujo
produto transportado é o
gás natural. O gasoduto
Brasil-Bolívia (3.150 km
de extensão) é um dos
maiores do mundo
4) Rodoviário: O sistema rodoviário brasileiro
transporta 60,5% do total de tonelada x Km das
cargas nacionais, sendo o único modal que faz o
transporte de mercadorias de uma porta à outra
O transporte rodoviário deveria ser utilizado
preferencialmente para o transporte de
mercadorias de alto valor (ou perecíveis) e
produtos acabados (ou semiacabados) para
curta e média distância. Contudo, no Brasil,
continua sendo usado no transporte de longo
percurso de commodities agrícolas
5) Aéreo: Considerado o mais
rápido de todos, e também o
mais caro. Apesar de ter uma
grande capacidade de resposta
nas entregas, o seu uso é
restrito a cidades e regiões que
possuem aeroportos
O Processamento de Pedidos no Ciclo Logístico
Considerado um dos pilares das atividades logísticas
primárias, o processamento de pedidos consiste na
gestão do ciclo de determinada requisição entre o
estoque e a expedição de produtos
O Ciclo de Pedidos é
Composto Por:
1) Processamento de Pedido do Cliente: O ciclo de
pedidos inicia-se com o recebimento do pedido do
cliente e as operações de processamento do pedido são:
a) Conferência – todas as
informações contidas no pedido do
cliente são conferidas com o seu
cadastro: endereço de cobrança e
de entrega, CPF, código dos
produtos encomendados, existência
de saldo em estoque para atender
ao pedido e a data de entrega
b) Aprovação de
Crédito – o
crédito do cliente
é aprovado ou
recusado pelo
departamento
financeiro
c) Picking – envio
do pedido para
separar as
mercadorias no
depósito
b) Picking de Mercadorias: É
o conjunto de operações
necessárias para a separação
da mercadoria requisitada pelo
cliente. As operações são:
Separação – as mercadorias são
retiradas das prateleiras do
armazém e separadas por pedido
ou por rota de entrega
Agrupamento – as mercadorias
são agrupadas para posterior
conferência e embalagem (se
necessário)
Equipamentos que podem
ser utilizados nessa
operação: Empilhadeiras /
Coletores de dados (para
código de barras) /
Transpaleteiras / Cestas,
escadas, carrinhos etc.
c) Conferência e Embalagem: É o conjunto de operações
necessárias para assegurar que o pedido foi separado
corretamente e as mercadorias estão devidamente embaladas
para o transporte. As operações são:
Conferência – as
mercadorias são
conferidas
Etiquetagem – as
embalagens são etiquetadas
para possibilitar a
identificação dos conteúdos,
quantidades, endereços de
entrega etc.
Embalagem – as
mercadorias são
embaladas em caixas de
papelão, sacos, caixotes
etc.
d) Roteirização: É o conjunto de
operações necessárias que asseguram
o transporte das entregas feitas por
rotas adequadas e econômicas, para
aproveitar melhor a capacidade dos
veículos de transporte
As Operações São:
Elaboração das rotas (as
rotas devem ser elaboradas
para aproveitar a
capacidade do veículo e do
tempo disponível para
efetuar todas as entregas)
Recursos Tecnológicos Que Podem Ser
Aplicados na Roteirização: Mapas /
Softwares de Roteirização /
Experiência da Equipe Logística
e) Documentação: É o conjunto de
operações necessárias para preparar a
documentação de movimentação da
mercadoria
As Operações São: Nota Fiscal (São emitidas as NF’s de todas as mercadorias
de cada cliente) / Manifesto de carga (Emissões do documento que informa
quais NF’s e mercadorias correspondentes serão carregadas em cada veículo) /
Baixa contábil (As informações contidas nas NF’s são lançadas na contabilidade
para dar saída nas mercadorias) / Conhecimento de carga (Documento emitido
pela transportadora no qual consta o valor do frete pago)
f) Unificação e Expedição: Em alguns casos, as
mercadorias necessitarão ser acondicionadas em
paletes ou em contêineres
As Operações São: Arrumação (as embalagens ou mercadorias
são organizadas em paletes. No caso do uso de contêineres, essa
operação é chamada de estufagem) / Fixação (as mercadorias são
fixadas nos paletes com o auxílio de fitas, cintas ou de filmes
plásticos) / Expedição (as mercadorias são embarcadas nos
veículos de transporte, assegurando-se que toda a documentação
acompanhará a carga. É preciso verificar os equipamentos de
segurança)
g) Transporte e
Entregas: É a atividade
de transporte e entrega
de mercadorias
As Operações São: Descarregamento (as embalagens ou mercadorias são
retiradas do veículo e entregues para conferência do cliente) / Recibo (o cliente
deve atestar que recebeu as mercadorias, assinando canhoto da NF, que é o
comprovante de entrega. Quaisquer reclamações devem ser escritas no corpo da
2ª via da NF, que retornará para a conferência na origem)
Tipos de Cargas e Custos de Transportes
Cargas são bens e mercadorias protegidas por embalagem
apropriada, livres e prontas para serem movimentadas.
Entre todos os produtos transportados no Brasil a
variedade de objetos é enorme, indo desde alimentos,
medicamentos, matérias-primas e até outros veículos
As Cargas se Dividem em:
a) Carga Geral: Dentro do conceito de carga geral,
temos as Cargas Soltas e as Unitizadas. As cargas
soltas são embaladas em sacos, caixas, engradados,
botijões, fardos, amarrados, galões, tambores,
pacotes, etc. Requerem mais tempo para
movimentação, pois seu manuseio é realizado
individualmente. Também podem apresentar
características como nocividade, fortes odores,
fragilidade, necessidades de refrigeração, entre outros
Já a Carga Unitizada é o
agrupamento de vários
volumes em um único
volume, consolidando a
unitização, com o objetivo
de facilitar o manuseio
dessa carga. Exemplo de
embalagens unitizadas:
paletes, caixas de madeira,
engradados, caixas de
metal, contêiner, etc.
b) Carga Granel: Existem
os granéis sólidos, líquidos
e os neogranéis. Os granéis
sólidos são cargas
movimentadas sem
embalagens, dispostas em
sua composição original,
como por exemplo: trigo,
soja, açúcar, sal, minérios,
etc.
Já os granéis líquidos são
cargas também dispostas
em sua composição
original, e estão divididos
em líquidos cítricos e
líquidos químicos. Como
exemplo de líquidos
cítricos podemos citar os
sucos de laranja e maçã
E os graneis químicos são todos os
derivados de petróleo, como por exemplo os
combustíveis. Isto pode parecer novidade,
mas os neogranéis são granéis tão valiosos
quanto à celulose, que devido a sua
facilidade de combustão (acondicionadas em
fardos), torna o prêmio de seguro alto
Assim, para reduzir os
riscos de avarias, os
navios neo-graneleiros
estão equipados com
instalações especiais
para prevenção de
incêndios e/ou cuidados
especiais para evitar a
contaminação das
cargas neogranéis
c) Carga Especial: Dentro do
conceito de carga especial
temos as cargas
frigorificadas e os produtos
perigosos. As frigorificadas
são aquelas que requerem
cuidados quanto ao seu
armazenamento e transporte,
por serem perecíveis
Já os produtos perigosos
amparados por legislação
internacional requerem
procedimentos específicos
de transporte e manuseio
considerando as
características de cada
produto e seu grau de
periculosidade
Conceitos Importantes
a) Gastos: Trata-se do
sacrifício financeiro arcado
pela organização para
obtenção de um produto ou
serviço qualquer. Pode ser
originado pela entrega
efetiva do produto ou
serviço ou pela promessa
de entrega futura de ativos.
Exemplo: Aquisição de
pneus
b) Investimentos: São gastos
classificados no ativo em função
da utilidade futura de bens ou
serviços obtidos. Registra-se no
ativo e espera-se um benefício
futuro. Assim, qualquer gasto
realizado cujo bem é ativado será
um investimento. Exemplo:
móveis e utensílios, veículos,
imóveis, compra de matéria-prima
c) Despesas: Representam
gastos com bens ou serviços
consumidos, direta ou
indiretamente, em
atividades voltadas à
obtenção de receitas.
Exemplo: gastos com a
comissão de vendedores
Custos de Transporte a) Diretos: Podem
ser diretamente
relacionados com o
produto ou serviço
b) Indiretos: não permitem a alocação
direta aos diferentes serviços. Sua
alocação se faz de maneira estimada,
arbitrária e subjetiva, exigindo a
escolha de “fatores de rateio”
c) Custos Fixos:
Mantêm-se constantes
independentemente da
maior ou menor produção
em um dado período
d) Custos Variáveis: Variam
em função do volume
produzido ou outra variável
operacional bem definida
Os Custos
Operacionais
dos Veículos
Rodoviários
Podem Ser
Classificados
Em:
a) Custos Fixos
Salário da Tripulação: correspondem ao
pagamento de motoristas, cobradores, ajudantes
etc., e respectivos encargos sociais;
Licenciamento / Seguros
Depreciação:
corresponde à
redução de valor que
o veículo sofre com
o decorrer do tempo
Remuneração do Capital: qualquer
investimento que se faça pressupõe um
retorno ou remuneração do capital
aplicado
b) Custos Variáveis
Combustível / Óleo lubrificante do motor /
Óleo lubrificante da transmissão /
Lavagem e lubrificação
Material Rodante: correspondem a pneus,
câmaras, recapagens e protetores / Peças,
acessórios e material de oficina / Mão de obra
para manutenção dos veículos
c) Custos Indiretos ou Administrativos
Pessoal de armazéns, escritórios e
respectivos encargos sociais /
Impressos / Publicidade / Aluguéis de
armazéns e escritórios / Comunicações
Impostos e taxas legais /
Construção, conservação
e limpeza / Viagens e
estadias / Despesas
financeiras / Despesas
diversas
Roteirização no Transporte Rodoviário de Cargas
Um dos problemas típicos
dessa operação é o da
coleta e distribuição de
produtos e este problema
tem as seguintes
características:
A) Uma região geográfica é
dividida em zonas, cujos
contornos podem ser regidos ou
sofrer alterações momentâneas
para acomodar diferenças de
demanda em regiões contíguas
B) A cada zona é alocado 1
veículo (com uma equipe de
serviço), embora possa
haver mais de 1 veículo por
zona, conforme seu tamanho
e número de clientes
C) A cada veículo, é designado um roteiro,
incluindo os locais de parada, pontos de coleta ou
entrega, atendimento de serviços etc. e sequência
em que a equipe deve atendê-los
D) O serviço deve ser realizado dentro de um tempo predeterminado; no caso de
coleta/entrega urbana, o roteiro típico se inicia de manhã e se encerra no fim do
dia (ou antes, se o roteiro for totalmente cumprido antecipadamente). Nas
entregas regionais o ciclo pode ser maior, e há casos de entregas rápidas em que
o ciclo é menor que um dia útil
Planejamento das Rotas:
Trata-se de planejar a entrega de cargas
visando o melhor serviço aos clientes
(pedidos/prazos) e otimizando os custos
operacionais. Define-se quais cargas devem ser
encaminhadas a quais veículos/equipe, a que
destinos (rotas) e em que sequência devem ser
entregues; traduz o resultado da roteirização
TIPOS DE PROBLEMAS
Problemas de
“Roteamento”:
ocorrem quando
a ordem ou o
horário em que
as tarefas
devem ser
cumpridas não
são impostos a
priori
Problemas de “Sequenciamento”: nesse caso, existem
restrições de ordem de atendimento a serem satisfeitas
Problemas de “Roteamento e Sequenciamento”:
ocorrem quando, no problema de sequenciamento, a questão
da escolha de uma rota também deve ser considerada. A
maioria dos problemas encontrados é desse tipo, cujo
objetivo é melhorar a prestação de serviços
OBSERVAÇÃO: Na determinação da rota (ou
do plano de viagem), o movimento pode ser
definido pela mínima distância, mínimo tempo
ou por uma combinação desses fatores.
Nesses estudos, técnicas matemáticas
programáveis em computadores podem ser
bastante atrativas
Múltiplos Destinos e Origens:
Problemas de rota também podem
envolver múltiplos destinos e origens.
Na sua resolução, devem-se considerar
as restrições das capacidades de oferta
nos pontos de origem e das
necessidades de produtos (demanda)
nos pontos de destino, assim como os
custos associados aos diversos
caminhos possíveis
OBSERVAÇÃO:
Estes são problemas comuns
que ocorrem ao se roteirizar
mercadorias de fornecedores,
de fábricas aos depósitos e de
depósitos aos clientes, e é
frequentemente resolvido por
programação linear

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Processo de Transporte de Cargas.pptx

Aula med07
Aula med07Aula med07
Aula med07
Nelci Barbosa
 
2ªaula de logística da uninov ev2
2ªaula de logística da uninov ev22ªaula de logística da uninov ev2
2ªaula de logística da uninov ev2
Eduardo Facchini
 
Logistica internacional material de apoio
Logistica internacional material de apoioLogistica internacional material de apoio
Logistica internacional material de apoio
Anderson Azevedo
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
mifarias
 
Material_Geraltransporte distribuição.pptx
Material_Geraltransporte distribuição.pptxMaterial_Geraltransporte distribuição.pptx
Material_Geraltransporte distribuição.pptx
SrgioRSdeSantana
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Angelica Alebrant
 
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportesO seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
Paulo Cesar de Araujo
 
Docs comerciais
Docs comerciaisDocs comerciais
Docs comerciais
MariaLira37
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Francisco Simas
 
1ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev51ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev5
Eduardo Facchini
 
Projeto de monografia
Projeto de monografiaProjeto de monografia
Projeto de monografia
Marcos Paulo
 
Módulo 7
Módulo 7Módulo 7
Módulo 7
marcosbellacruz
 
Identificação das características da carga
Identificação das características da cargaIdentificação das características da carga
Identificação das características da carga
llokkaum
 
Distribuição e Transporte
Distribuição e TransporteDistribuição e Transporte
Distribuição e Transporte
william ribeiro
 
pratica sobre logistica
pratica sobre logistica pratica sobre logistica
pratica sobre logistica
Andrea Silva
 
Atividade de distribuição
Atividade de distribuiçãoAtividade de distribuição
Atividade de distribuição
Maria Leonor Brandão
 
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
ABRACOMEX
 
1ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev51ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev5
Eduardo Facchini
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Anderson Pontes
 
MBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística InternacionalMBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística Internacional
ABRACOMEX
 

Semelhante a O Processo de Transporte de Cargas.pptx (20)

Aula med07
Aula med07Aula med07
Aula med07
 
2ªaula de logística da uninov ev2
2ªaula de logística da uninov ev22ªaula de logística da uninov ev2
2ªaula de logística da uninov ev2
 
Logistica internacional material de apoio
Logistica internacional material de apoioLogistica internacional material de apoio
Logistica internacional material de apoio
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Material_Geraltransporte distribuição.pptx
Material_Geraltransporte distribuição.pptxMaterial_Geraltransporte distribuição.pptx
Material_Geraltransporte distribuição.pptx
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportesO seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
O seguro e o gerenciamento de riscos nas operações de transportes
 
Docs comerciais
Docs comerciaisDocs comerciais
Docs comerciais
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
 
1ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev51ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev5
 
Projeto de monografia
Projeto de monografiaProjeto de monografia
Projeto de monografia
 
Módulo 7
Módulo 7Módulo 7
Módulo 7
 
Identificação das características da carga
Identificação das características da cargaIdentificação das características da carga
Identificação das características da carga
 
Distribuição e Transporte
Distribuição e TransporteDistribuição e Transporte
Distribuição e Transporte
 
pratica sobre logistica
pratica sobre logistica pratica sobre logistica
pratica sobre logistica
 
Atividade de distribuição
Atividade de distribuiçãoAtividade de distribuição
Atividade de distribuição
 
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
Planejamento da logística para empresas de comércio exterior - 21 08
 
1ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev51ªaula de logística da uninov ev5
1ªaula de logística da uninov ev5
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
 
MBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística InternacionalMBA em Gestão de Logística Internacional
MBA em Gestão de Logística Internacional
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
 

O Processo de Transporte de Cargas.pptx

  • 1. O Processo de Transporte de Cargas Transporte é a ligação física que conecta as empresas aos fornecedores e clientes. Nas empresas essa função agrega importante valor aos negócios, pois disponibiliza produtos no momento e no local solicitado pelos clientes Os Envolvidos Nesse Processo São: as Empresas Produtoras e Receptoras de Produtos / o Operador Logístico / as Empresas de Transporte / os Autônomos / os Governos / os Agenciadores de Carga e os Consumidores MODAIS de TRANSPORTES 1) Aquaviário: a) Marítimo: grande capacidade e longas distâncias / cargas em fardos, caixotes, granéis e contêineres / transporte internacional / b) Fluvial: grande capacidade (superior a 1.100 t) / cargas, principalmente granéis / transporte nacional 2) Ferroviário: O sistema ferroviário brasileiro transporta em torno de 35% do total de cargas, principalmente grãos e minérios. O custo do frete é menor que o rodoviário 3) Dutoviário: O Transporte Dutoviário Pode Ser Dividido Em:
  • 2. A) Oleodutos, cujos produtos transportados são em sua grande maioria: petróleo, óleo combustível, gasolina, diesel, álcool, GLP, querosene, nafta, entre outros B) Minerodutos, cujos produtos transportados são: sal-gema, minério de ferro e concentrado fosfático C) Gasodutos, cujo produto transportado é o gás natural. O gasoduto Brasil-Bolívia (3.150 km de extensão) é um dos maiores do mundo 4) Rodoviário: O sistema rodoviário brasileiro transporta 60,5% do total de tonelada x Km das cargas nacionais, sendo o único modal que faz o transporte de mercadorias de uma porta à outra O transporte rodoviário deveria ser utilizado preferencialmente para o transporte de mercadorias de alto valor (ou perecíveis) e produtos acabados (ou semiacabados) para curta e média distância. Contudo, no Brasil, continua sendo usado no transporte de longo percurso de commodities agrícolas 5) Aéreo: Considerado o mais rápido de todos, e também o mais caro. Apesar de ter uma grande capacidade de resposta nas entregas, o seu uso é restrito a cidades e regiões que possuem aeroportos
  • 3. O Processamento de Pedidos no Ciclo Logístico Considerado um dos pilares das atividades logísticas primárias, o processamento de pedidos consiste na gestão do ciclo de determinada requisição entre o estoque e a expedição de produtos O Ciclo de Pedidos é Composto Por: 1) Processamento de Pedido do Cliente: O ciclo de pedidos inicia-se com o recebimento do pedido do cliente e as operações de processamento do pedido são: a) Conferência – todas as informações contidas no pedido do cliente são conferidas com o seu cadastro: endereço de cobrança e de entrega, CPF, código dos produtos encomendados, existência de saldo em estoque para atender ao pedido e a data de entrega b) Aprovação de Crédito – o crédito do cliente é aprovado ou recusado pelo departamento financeiro c) Picking – envio do pedido para separar as mercadorias no depósito
  • 4. b) Picking de Mercadorias: É o conjunto de operações necessárias para a separação da mercadoria requisitada pelo cliente. As operações são: Separação – as mercadorias são retiradas das prateleiras do armazém e separadas por pedido ou por rota de entrega Agrupamento – as mercadorias são agrupadas para posterior conferência e embalagem (se necessário) Equipamentos que podem ser utilizados nessa operação: Empilhadeiras / Coletores de dados (para código de barras) / Transpaleteiras / Cestas, escadas, carrinhos etc. c) Conferência e Embalagem: É o conjunto de operações necessárias para assegurar que o pedido foi separado corretamente e as mercadorias estão devidamente embaladas para o transporte. As operações são: Conferência – as mercadorias são conferidas Etiquetagem – as embalagens são etiquetadas para possibilitar a identificação dos conteúdos, quantidades, endereços de entrega etc. Embalagem – as mercadorias são embaladas em caixas de papelão, sacos, caixotes etc.
  • 5. d) Roteirização: É o conjunto de operações necessárias que asseguram o transporte das entregas feitas por rotas adequadas e econômicas, para aproveitar melhor a capacidade dos veículos de transporte As Operações São: Elaboração das rotas (as rotas devem ser elaboradas para aproveitar a capacidade do veículo e do tempo disponível para efetuar todas as entregas) Recursos Tecnológicos Que Podem Ser Aplicados na Roteirização: Mapas / Softwares de Roteirização / Experiência da Equipe Logística e) Documentação: É o conjunto de operações necessárias para preparar a documentação de movimentação da mercadoria As Operações São: Nota Fiscal (São emitidas as NF’s de todas as mercadorias de cada cliente) / Manifesto de carga (Emissões do documento que informa quais NF’s e mercadorias correspondentes serão carregadas em cada veículo) / Baixa contábil (As informações contidas nas NF’s são lançadas na contabilidade para dar saída nas mercadorias) / Conhecimento de carga (Documento emitido pela transportadora no qual consta o valor do frete pago)
  • 6. f) Unificação e Expedição: Em alguns casos, as mercadorias necessitarão ser acondicionadas em paletes ou em contêineres As Operações São: Arrumação (as embalagens ou mercadorias são organizadas em paletes. No caso do uso de contêineres, essa operação é chamada de estufagem) / Fixação (as mercadorias são fixadas nos paletes com o auxílio de fitas, cintas ou de filmes plásticos) / Expedição (as mercadorias são embarcadas nos veículos de transporte, assegurando-se que toda a documentação acompanhará a carga. É preciso verificar os equipamentos de segurança) g) Transporte e Entregas: É a atividade de transporte e entrega de mercadorias As Operações São: Descarregamento (as embalagens ou mercadorias são retiradas do veículo e entregues para conferência do cliente) / Recibo (o cliente deve atestar que recebeu as mercadorias, assinando canhoto da NF, que é o comprovante de entrega. Quaisquer reclamações devem ser escritas no corpo da 2ª via da NF, que retornará para a conferência na origem)
  • 7. Tipos de Cargas e Custos de Transportes Cargas são bens e mercadorias protegidas por embalagem apropriada, livres e prontas para serem movimentadas. Entre todos os produtos transportados no Brasil a variedade de objetos é enorme, indo desde alimentos, medicamentos, matérias-primas e até outros veículos As Cargas se Dividem em: a) Carga Geral: Dentro do conceito de carga geral, temos as Cargas Soltas e as Unitizadas. As cargas soltas são embaladas em sacos, caixas, engradados, botijões, fardos, amarrados, galões, tambores, pacotes, etc. Requerem mais tempo para movimentação, pois seu manuseio é realizado individualmente. Também podem apresentar características como nocividade, fortes odores, fragilidade, necessidades de refrigeração, entre outros Já a Carga Unitizada é o agrupamento de vários volumes em um único volume, consolidando a unitização, com o objetivo de facilitar o manuseio dessa carga. Exemplo de embalagens unitizadas: paletes, caixas de madeira, engradados, caixas de metal, contêiner, etc.
  • 8. b) Carga Granel: Existem os granéis sólidos, líquidos e os neogranéis. Os granéis sólidos são cargas movimentadas sem embalagens, dispostas em sua composição original, como por exemplo: trigo, soja, açúcar, sal, minérios, etc. Já os granéis líquidos são cargas também dispostas em sua composição original, e estão divididos em líquidos cítricos e líquidos químicos. Como exemplo de líquidos cítricos podemos citar os sucos de laranja e maçã E os graneis químicos são todos os derivados de petróleo, como por exemplo os combustíveis. Isto pode parecer novidade, mas os neogranéis são granéis tão valiosos quanto à celulose, que devido a sua facilidade de combustão (acondicionadas em fardos), torna o prêmio de seguro alto Assim, para reduzir os riscos de avarias, os navios neo-graneleiros estão equipados com instalações especiais para prevenção de incêndios e/ou cuidados especiais para evitar a contaminação das cargas neogranéis
  • 9. c) Carga Especial: Dentro do conceito de carga especial temos as cargas frigorificadas e os produtos perigosos. As frigorificadas são aquelas que requerem cuidados quanto ao seu armazenamento e transporte, por serem perecíveis Já os produtos perigosos amparados por legislação internacional requerem procedimentos específicos de transporte e manuseio considerando as características de cada produto e seu grau de periculosidade Conceitos Importantes a) Gastos: Trata-se do sacrifício financeiro arcado pela organização para obtenção de um produto ou serviço qualquer. Pode ser originado pela entrega efetiva do produto ou serviço ou pela promessa de entrega futura de ativos. Exemplo: Aquisição de pneus b) Investimentos: São gastos classificados no ativo em função da utilidade futura de bens ou serviços obtidos. Registra-se no ativo e espera-se um benefício futuro. Assim, qualquer gasto realizado cujo bem é ativado será um investimento. Exemplo: móveis e utensílios, veículos, imóveis, compra de matéria-prima c) Despesas: Representam gastos com bens ou serviços consumidos, direta ou indiretamente, em atividades voltadas à obtenção de receitas. Exemplo: gastos com a comissão de vendedores
  • 10. Custos de Transporte a) Diretos: Podem ser diretamente relacionados com o produto ou serviço b) Indiretos: não permitem a alocação direta aos diferentes serviços. Sua alocação se faz de maneira estimada, arbitrária e subjetiva, exigindo a escolha de “fatores de rateio” c) Custos Fixos: Mantêm-se constantes independentemente da maior ou menor produção em um dado período d) Custos Variáveis: Variam em função do volume produzido ou outra variável operacional bem definida Os Custos Operacionais dos Veículos Rodoviários Podem Ser Classificados Em: a) Custos Fixos Salário da Tripulação: correspondem ao pagamento de motoristas, cobradores, ajudantes etc., e respectivos encargos sociais; Licenciamento / Seguros Depreciação: corresponde à redução de valor que o veículo sofre com o decorrer do tempo Remuneração do Capital: qualquer investimento que se faça pressupõe um retorno ou remuneração do capital aplicado
  • 11. b) Custos Variáveis Combustível / Óleo lubrificante do motor / Óleo lubrificante da transmissão / Lavagem e lubrificação Material Rodante: correspondem a pneus, câmaras, recapagens e protetores / Peças, acessórios e material de oficina / Mão de obra para manutenção dos veículos c) Custos Indiretos ou Administrativos Pessoal de armazéns, escritórios e respectivos encargos sociais / Impressos / Publicidade / Aluguéis de armazéns e escritórios / Comunicações Impostos e taxas legais / Construção, conservação e limpeza / Viagens e estadias / Despesas financeiras / Despesas diversas
  • 12. Roteirização no Transporte Rodoviário de Cargas Um dos problemas típicos dessa operação é o da coleta e distribuição de produtos e este problema tem as seguintes características: A) Uma região geográfica é dividida em zonas, cujos contornos podem ser regidos ou sofrer alterações momentâneas para acomodar diferenças de demanda em regiões contíguas B) A cada zona é alocado 1 veículo (com uma equipe de serviço), embora possa haver mais de 1 veículo por zona, conforme seu tamanho e número de clientes C) A cada veículo, é designado um roteiro, incluindo os locais de parada, pontos de coleta ou entrega, atendimento de serviços etc. e sequência em que a equipe deve atendê-los D) O serviço deve ser realizado dentro de um tempo predeterminado; no caso de coleta/entrega urbana, o roteiro típico se inicia de manhã e se encerra no fim do dia (ou antes, se o roteiro for totalmente cumprido antecipadamente). Nas entregas regionais o ciclo pode ser maior, e há casos de entregas rápidas em que o ciclo é menor que um dia útil
  • 13. Planejamento das Rotas: Trata-se de planejar a entrega de cargas visando o melhor serviço aos clientes (pedidos/prazos) e otimizando os custos operacionais. Define-se quais cargas devem ser encaminhadas a quais veículos/equipe, a que destinos (rotas) e em que sequência devem ser entregues; traduz o resultado da roteirização TIPOS DE PROBLEMAS Problemas de “Roteamento”: ocorrem quando a ordem ou o horário em que as tarefas devem ser cumpridas não são impostos a priori Problemas de “Sequenciamento”: nesse caso, existem restrições de ordem de atendimento a serem satisfeitas Problemas de “Roteamento e Sequenciamento”: ocorrem quando, no problema de sequenciamento, a questão da escolha de uma rota também deve ser considerada. A maioria dos problemas encontrados é desse tipo, cujo objetivo é melhorar a prestação de serviços
  • 14. OBSERVAÇÃO: Na determinação da rota (ou do plano de viagem), o movimento pode ser definido pela mínima distância, mínimo tempo ou por uma combinação desses fatores. Nesses estudos, técnicas matemáticas programáveis em computadores podem ser bastante atrativas Múltiplos Destinos e Origens: Problemas de rota também podem envolver múltiplos destinos e origens. Na sua resolução, devem-se considerar as restrições das capacidades de oferta nos pontos de origem e das necessidades de produtos (demanda) nos pontos de destino, assim como os custos associados aos diversos caminhos possíveis OBSERVAÇÃO: Estes são problemas comuns que ocorrem ao se roteirizar mercadorias de fornecedores, de fábricas aos depósitos e de depósitos aos clientes, e é frequentemente resolvido por programação linear