SlideShare uma empresa Scribd logo
Definição e Conceito das Ciências Políticas
Ciência Política é o estudo dos
sistemas políticos, das
organizações políticas e seus
processos. Envolve a estrutura
e os processos de governo ou
qualquer sistema equivalente
de organização humana, o qual
tente assegurar justiça e
direitos civis aos cidadãos
É um conjunto de ciências que
estudam a organização e o
funcionamento do Estado e as
interações dos grupos nele
existentes como a Política, a
Sociologia, tratando de
valores fundamentais como
igualdade, liberdade, justiça e
poder
A Ciência Política está muito ligada
a História (que fornece o material
básico ao cientista), ao Direito (que
fornece o quadro de ideias geral), à
Filosofia (ligada às outras ciências)
e à Sociologia, que fornece o quadro
social para os fatos da vida política
Tem como objetivo apresentar, analisar e
posicionar as instituições e os problemas
existentes na sociedade através das
Ciências Jurídicas (Direito
Constitucional) com consciência na
participação, identificando os problemas
e buscando as soluções
Os Primórdios das
Ciências Políticas
Na Grécia, Aristóteles acreditava que a
Política deveria estudar a “Polis”, sua
estrutura e as instituições. É
considerado o “Pai” da Ciência Política,
pois entendeu-a como a “Ciência
Maior” e mais importante do seu
tempo. Criou um método para explicar
os fenômenos sociais, preocupando-se
com um governo que fosse capaz de
garantir o bem-estar geral
No século 16 Maquiavel se
preocupava com a criação
de um governo eficaz que
unificasse a Itália.
Defendia um Príncipe (ou
um dirigente de Governo)
sem preocupações morais
ou éticas; ou seja, um
dirigente que não olhasse a
sensibilidade para atingir
suas finalidades
A Política era
considerada a arte de
governar; ou seja, uma
técnica que permitia
os dirigentes alcançar
seus fins
independentemente
dos meios, não
visando a realização
geral, mas sim, a
pessoal
Jean Bodin escreveu “A República”, explicando os
fenômenos políticos e explorando a ideia de
soberania do Estado. Baseado nisso ele criou o
conceito de soberania, onde o poder não tem igual na
ordem interna e nem superior na ordem externa.
Dividia o Estado em ordens e considerava o Estado
soberano, apenas se ele fosse soberano nessas 2
dimensões
Em pleno Iluminismo,
Montesquieu difundiu as
ideias políticas baseado
na ação humana. Estas
surgiram como alternativa
às ideias de Aristóteles,
chamando a atenção para
“a natureza das coisas”
Explicou a natureza das coisas
pelas suas idiossincrasias. Foi
com Montesquieu que a
Geopolítica se tornou um
elemento importante na análise
política, introduzindo o método
comparativo de base geográfica
Distinguiu a República, a Monarquia e o
Despotismo, afirmando que este último
deveria ser afastado. Pois, na República o
poder pertencia ao povo ou a uma parte
esclarecida deste; na Monarquia o poder
pertencia ao Monarca e, no Despotismo, o
poder pertencia a um indivíduo (o déspota)
que governava sem honra e que utilizava o
terror e a violência para governar
Para irradiar o Despotismo,
Montesquieu apresentou a
“Teoria da Separação de
Poderes”, onde o poder era
descentralizado das mãos de
uma só pessoa e para não
usá-lo em proveito próprio.
Resolvia-se então o perigo do
Despotismo com a separação
dos poderes
No século 18, a investigação dos fenômenos políticos começou
a perder terreno e dar lugar a ciências como a Sociologia, o
Direito e à Economia, embora a Ciência Política não tivesse
desaparecida. A fim de provar tais investigações, o século 19
nos brindou com as contribuições de 3 grandes pensadores:
Auguste Comte: Filósofo
francês que formulou a
doutrina do Positivismo e nos
alertou para a necessidade de
analisar com objetividade os
fenômenos ou fatos políticos
Alexis de Tocqueville: Chamou a atenção para o
estudo do sistema político norte-americano e, na
sua análise, introduziu um conjunto de
entrevistas que lhe permitiu comparar e erradicar
erros e/ou possíveis falhas no sistema
Karl Marx: Introduziu a abordagem dos
fenômenos políticos e do poder,
analisando-os sob o ponto de vista
econômico e social. Para ele, o
fenômeno político era uma consequência
das relações de produção e o regime
político era o reflexo da organização das
forças produtivas
Nessa altura surgiram as Ciências Políticas
especializadas em outros fenômenos como a
Economia Política, o Direito Político e a
Geografia Política. No fim do século 19, a
Ciência Política foi reconhecida nas
universidades dos EUA como uma forma de
combater o “caciquismo” dos poderes locais e a
corrupção nos partidos políticos
O desenvolvimento da Ciência
Política deu-se entre a 1ª e a 2ª
Guerra Mundial, pois nesse
período, os EUA assumiram a
posição de nova potência
hegemônica mundial e, nos
organismos internacionais no
âmbito das Nações Unidas,
passaram a irradiar sua influência
As missões de manutenção da
paz e a preservação da
democracia, em nome da qual
os EUA participaram das
guerras, contribuíam para
aumentar a demanda por
especialistas na área da
política, proliferando os cursos
de Ciência Política nas
universidades americanas
Paralelamente,
fundações
privadas como a
Ford, Kellogs e
Rockfeller
impulsionaram
pesquisas em
áreas de real
interesse da
sociedade e da
economia
americana com o
apoio do governo
Os fenômenos que
contribuíram para o
reforço da Ciência
Política foram a
proliferação das
democracias, dos
partidos políticos, dos
meios de comunicação
de massa e das
organizações
internacionais
Apenas mais tarde a Europa
expandiria o estudo das Ciências
Políticas, embora ali se
encontrasse o centro do
pensamento e da filosofia política
mundial concentrando pensadores
como Rousseau, Karl Marx, Émile
Durkheim, Tocqueville,
Montesquieu e Maquiavel
As Implicações Filosóficas,
Sociológicas e Jurídicas no Brasil
A Ciência Política é a ciência onde as incertezas
mais afligem os estudiosos e, a razão para tal, é a
variação do vocabulário político. Outras razões
são as variações semânticas dos termos utilizados
pelos cientistas sociais de país para país
São coisas distintas
como a palavra
“democracia” (que
se empresta
variadas acepções) e
a expressão
“Estado”, que nos
leva à incerteza
quanto à
determinação exata
do seu significado
Outro exemplo dessa
incerteza são os conceitos
sobre Nação, Governo e
Liberdade que não são
claros e, muito menos,
inteligíveis. O material de
estudo do cientista social
cria dificuldades apara eles,
tornando quase impossível
o reconhecimento da
Ciência Política
Portanto, onde entram os atos
humanos somente a
consideração dos aspectos
históricos, jurídicos,
sociológicos e filosóficos
fornecerá aos cientistas
alguma certeza, considerando
a verdade que se extrai do
comportamento dos grupos e
da dinâmica das relações
sociais
O Prisma Filosófico da Ciência Política
A Filosofia se caracteriza pela
ampliação da compreensão da
realidade, a fim de apreendê-la na sua
totalidade. Inserida nesse contexto, a
Ciência Política se apresenta tendo por
objeto o estudo dos acontecimentos,
das instituições e das ideias políticas,
em sentido teórico (doutrina) e em
sentido prático (arte)
Aristóteles concluiu seus
estudos conscientemente
especulativos. Platão
evoluiu, passando do
Estado ideal (e hipotético)
ao Estado real (e histórico)
com considerações
sociológicas que deixavam
de ser puramente filosóficas
Na Europa medieval, a Filosofia se
entrelaçou com a Teologia para se
ocupar de temas políticos. Mas, a
Filosofia conduz para os livros de
Ciência Política as propostas
relativas à origem, à essência e a
finalidade do Estado acrescentando-
lhes os Partidos, os Sindicatos, a
Igreja e os grupos econômicos
O Prisma Sociológico: O estudo
do Estado constitui um dos
pontos culminantes da obra de
Max Weber, o qual fez com o
Estado aquilo que Ehrlich já havia
feito com a Sociologia Jurídica;
ou seja, deu-lhe a consistência de
um tratamento autônomo
A Sociologia
Política de
Weber
apresenta
profundos
estudos sobre
Política
Científica, a
Racionalização
de Poder e a
Legitimação das
Bases em que o
Poder se
sustenta
O Prisma Jurídico: A Ciência
Política também tem sido
objeto de estudo que reduz o
Direito Político a um simples
corpo de normas. Essa linha
de pensamentos é defendida
por Kelsen que construiu a
Teoria Geral do Estado (TGE)
Para ele, quem elucidar o
Direito como norma,
elucidará o Estado, pois a
força coercitiva deste
nada mais significa que o
grau de eficácia das
regras do Direito; ou seja,
das normas jurídicas
A Ciência Política no Brasil:
Aqui, a Ciência Política se
institucionalizou há pouco tempo,
pois em meados de 1950 seu
principal veículo era a Revista
Brasileira de Estudos Políticos. A
Associação Brasileira de Ciência
Política (ABCP) só foi fundada em
1986, sendo efetivada somente
10 anos depois
Hoje, a maior parte da disciplina
Ciência Política no Brasil opera com
modelos neo-institucionalistas e de
escolha racional, sob a influência
das matizes norte-americanas.
Esses modelos se utilizam da ação
política, reduzindo o número de
atores envolvidos e resumindo-os a
“candidatos X eleitorado” ou a
“executivo X legislativo”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
Daniel Filosofo
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
Constituição Federal/88 Título I
Constituição Federal/88 Título IConstituição Federal/88 Título I
Constituição Federal/88 Título I
Marcos Emerick
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania moderna
Maira Conde
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
Alfredo Garcia
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Caca palavras 36
Caca palavras 36Caca palavras 36
Caca palavras 36
Gleide Alcântara
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Turma Olímpica
 
Estado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIEstado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 II
edsonfgodoy
 
Avaliação de recuperação sociologia 2 ano
Avaliação de recuperação sociologia 2 anoAvaliação de recuperação sociologia 2 ano
Avaliação de recuperação sociologia 2 ano
Prof. Noe Assunção
 
Exercicios grecia antiga
Exercicios grecia antigaExercicios grecia antiga
Exercicios grecia antiga
Adail Silva
 
Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 b
Marcia Oliveira
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
Paulo Alexandre
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Colégio Nova Geração COC
 

Mais procurados (20)

Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Constituição Federal/88 Título I
Constituição Federal/88 Título IConstituição Federal/88 Título I
Constituição Federal/88 Título I
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania moderna
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Caca palavras 36
Caca palavras 36Caca palavras 36
Caca palavras 36
 
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação  sobre mito- Prof. Noe AssunçãoAvaliação  sobre mito- Prof. Noe Assunção
Avaliação sobre mito- Prof. Noe Assunção
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
 
Estado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIEstado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 II
 
Avaliação de recuperação sociologia 2 ano
Avaliação de recuperação sociologia 2 anoAvaliação de recuperação sociologia 2 ano
Avaliação de recuperação sociologia 2 ano
 
Exercicios grecia antiga
Exercicios grecia antigaExercicios grecia antiga
Exercicios grecia antiga
 
Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 b
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 

Semelhante a A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no Brasil

Ciência Política: Introdução
Ciência Política: IntroduçãoCiência Política: Introdução
Ciência Política: Introdução
Israel serique
 
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
Ana Silva
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
Diogo Jucá
 
ciencia_politica.ppt
ciencia_politica.pptciencia_politica.ppt
ciencia_politica.ppt
YuriLima27660
 
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.pptAula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
dramagnoliaaleixoadv
 
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Pedro Duque
 
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1 Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Carlagi Gi
 
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeterResenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Juscislayne Bianca
 
Filosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica BlogFilosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica Blog
guestc51fe5
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
Mary Alvarenga
 
Filosofia PolíTica
Filosofia PolíTicaFilosofia PolíTica
Filosofia PolíTica
guestc51fe5
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Filosofia unidade v
Filosofia unidade vFilosofia unidade v
Filosofia unidade v
joao paulo
 
Relação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democraciaRelação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democracia
Leandro Kadota
 
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICAAula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
AlessandraRibas7
 
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.pptaula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
dramagnoliaaleixoadv
 
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptxApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
IvoReis12
 
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNOAULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
dramagnoliaaleixoadv
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
joao paulo
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
joao paulo
 

Semelhante a A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no Brasil (20)

Ciência Política: Introdução
Ciência Política: IntroduçãoCiência Política: Introdução
Ciência Política: Introdução
 
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias   páginas 31 a 45
Resumo panorama histórico da cultura jurídica europeias páginas 31 a 45
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 
ciencia_politica.ppt
ciencia_politica.pptciencia_politica.ppt
ciencia_politica.ppt
 
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.pptAula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
Aula de TGE. TEORIA - Ciencia Politica.ppt
 
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
Ciência Política - percurso histórico e objeto de estudo
 
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1 Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1
 
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeterResenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
Resenha sobre capitalismo_socialismo_e_democracia_de_schumpeter
 
Filosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica BlogFilosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica Blog
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 
Filosofia PolíTica
Filosofia PolíTicaFilosofia PolíTica
Filosofia PolíTica
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Positivismo
 
Filosofia unidade v
Filosofia unidade vFilosofia unidade v
Filosofia unidade v
 
Relação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democraciaRelação entre filosofia e democracia
Relação entre filosofia e democracia
 
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICAAula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
Aula de filosofia sobre FILOSOFIA PLÍTICA
 
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.pptaula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
aula1. TEORIA GERAL DO ESTADO. CiênciaPolítica.ppt
 
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptxApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
 
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNOAULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
AULA DE TGE. CIENCIA POLITICA. ESTADO E GOVERNO
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
 
Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
 

A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no Brasil

  • 1. Definição e Conceito das Ciências Políticas Ciência Política é o estudo dos sistemas políticos, das organizações políticas e seus processos. Envolve a estrutura e os processos de governo ou qualquer sistema equivalente de organização humana, o qual tente assegurar justiça e direitos civis aos cidadãos É um conjunto de ciências que estudam a organização e o funcionamento do Estado e as interações dos grupos nele existentes como a Política, a Sociologia, tratando de valores fundamentais como igualdade, liberdade, justiça e poder A Ciência Política está muito ligada a História (que fornece o material básico ao cientista), ao Direito (que fornece o quadro de ideias geral), à Filosofia (ligada às outras ciências) e à Sociologia, que fornece o quadro social para os fatos da vida política Tem como objetivo apresentar, analisar e posicionar as instituições e os problemas existentes na sociedade através das Ciências Jurídicas (Direito Constitucional) com consciência na participação, identificando os problemas e buscando as soluções
  • 2. Os Primórdios das Ciências Políticas Na Grécia, Aristóteles acreditava que a Política deveria estudar a “Polis”, sua estrutura e as instituições. É considerado o “Pai” da Ciência Política, pois entendeu-a como a “Ciência Maior” e mais importante do seu tempo. Criou um método para explicar os fenômenos sociais, preocupando-se com um governo que fosse capaz de garantir o bem-estar geral No século 16 Maquiavel se preocupava com a criação de um governo eficaz que unificasse a Itália. Defendia um Príncipe (ou um dirigente de Governo) sem preocupações morais ou éticas; ou seja, um dirigente que não olhasse a sensibilidade para atingir suas finalidades A Política era considerada a arte de governar; ou seja, uma técnica que permitia os dirigentes alcançar seus fins independentemente dos meios, não visando a realização geral, mas sim, a pessoal Jean Bodin escreveu “A República”, explicando os fenômenos políticos e explorando a ideia de soberania do Estado. Baseado nisso ele criou o conceito de soberania, onde o poder não tem igual na ordem interna e nem superior na ordem externa. Dividia o Estado em ordens e considerava o Estado soberano, apenas se ele fosse soberano nessas 2 dimensões
  • 3. Em pleno Iluminismo, Montesquieu difundiu as ideias políticas baseado na ação humana. Estas surgiram como alternativa às ideias de Aristóteles, chamando a atenção para “a natureza das coisas” Explicou a natureza das coisas pelas suas idiossincrasias. Foi com Montesquieu que a Geopolítica se tornou um elemento importante na análise política, introduzindo o método comparativo de base geográfica Distinguiu a República, a Monarquia e o Despotismo, afirmando que este último deveria ser afastado. Pois, na República o poder pertencia ao povo ou a uma parte esclarecida deste; na Monarquia o poder pertencia ao Monarca e, no Despotismo, o poder pertencia a um indivíduo (o déspota) que governava sem honra e que utilizava o terror e a violência para governar Para irradiar o Despotismo, Montesquieu apresentou a “Teoria da Separação de Poderes”, onde o poder era descentralizado das mãos de uma só pessoa e para não usá-lo em proveito próprio. Resolvia-se então o perigo do Despotismo com a separação dos poderes
  • 4. No século 18, a investigação dos fenômenos políticos começou a perder terreno e dar lugar a ciências como a Sociologia, o Direito e à Economia, embora a Ciência Política não tivesse desaparecida. A fim de provar tais investigações, o século 19 nos brindou com as contribuições de 3 grandes pensadores: Auguste Comte: Filósofo francês que formulou a doutrina do Positivismo e nos alertou para a necessidade de analisar com objetividade os fenômenos ou fatos políticos Alexis de Tocqueville: Chamou a atenção para o estudo do sistema político norte-americano e, na sua análise, introduziu um conjunto de entrevistas que lhe permitiu comparar e erradicar erros e/ou possíveis falhas no sistema Karl Marx: Introduziu a abordagem dos fenômenos políticos e do poder, analisando-os sob o ponto de vista econômico e social. Para ele, o fenômeno político era uma consequência das relações de produção e o regime político era o reflexo da organização das forças produtivas Nessa altura surgiram as Ciências Políticas especializadas em outros fenômenos como a Economia Política, o Direito Político e a Geografia Política. No fim do século 19, a Ciência Política foi reconhecida nas universidades dos EUA como uma forma de combater o “caciquismo” dos poderes locais e a corrupção nos partidos políticos
  • 5. O desenvolvimento da Ciência Política deu-se entre a 1ª e a 2ª Guerra Mundial, pois nesse período, os EUA assumiram a posição de nova potência hegemônica mundial e, nos organismos internacionais no âmbito das Nações Unidas, passaram a irradiar sua influência As missões de manutenção da paz e a preservação da democracia, em nome da qual os EUA participaram das guerras, contribuíam para aumentar a demanda por especialistas na área da política, proliferando os cursos de Ciência Política nas universidades americanas Paralelamente, fundações privadas como a Ford, Kellogs e Rockfeller impulsionaram pesquisas em áreas de real interesse da sociedade e da economia americana com o apoio do governo Os fenômenos que contribuíram para o reforço da Ciência Política foram a proliferação das democracias, dos partidos políticos, dos meios de comunicação de massa e das organizações internacionais Apenas mais tarde a Europa expandiria o estudo das Ciências Políticas, embora ali se encontrasse o centro do pensamento e da filosofia política mundial concentrando pensadores como Rousseau, Karl Marx, Émile Durkheim, Tocqueville, Montesquieu e Maquiavel
  • 6. As Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no Brasil A Ciência Política é a ciência onde as incertezas mais afligem os estudiosos e, a razão para tal, é a variação do vocabulário político. Outras razões são as variações semânticas dos termos utilizados pelos cientistas sociais de país para país São coisas distintas como a palavra “democracia” (que se empresta variadas acepções) e a expressão “Estado”, que nos leva à incerteza quanto à determinação exata do seu significado Outro exemplo dessa incerteza são os conceitos sobre Nação, Governo e Liberdade que não são claros e, muito menos, inteligíveis. O material de estudo do cientista social cria dificuldades apara eles, tornando quase impossível o reconhecimento da Ciência Política Portanto, onde entram os atos humanos somente a consideração dos aspectos históricos, jurídicos, sociológicos e filosóficos fornecerá aos cientistas alguma certeza, considerando a verdade que se extrai do comportamento dos grupos e da dinâmica das relações sociais
  • 7. O Prisma Filosófico da Ciência Política A Filosofia se caracteriza pela ampliação da compreensão da realidade, a fim de apreendê-la na sua totalidade. Inserida nesse contexto, a Ciência Política se apresenta tendo por objeto o estudo dos acontecimentos, das instituições e das ideias políticas, em sentido teórico (doutrina) e em sentido prático (arte) Aristóteles concluiu seus estudos conscientemente especulativos. Platão evoluiu, passando do Estado ideal (e hipotético) ao Estado real (e histórico) com considerações sociológicas que deixavam de ser puramente filosóficas Na Europa medieval, a Filosofia se entrelaçou com a Teologia para se ocupar de temas políticos. Mas, a Filosofia conduz para os livros de Ciência Política as propostas relativas à origem, à essência e a finalidade do Estado acrescentando- lhes os Partidos, os Sindicatos, a Igreja e os grupos econômicos O Prisma Sociológico: O estudo do Estado constitui um dos pontos culminantes da obra de Max Weber, o qual fez com o Estado aquilo que Ehrlich já havia feito com a Sociologia Jurídica; ou seja, deu-lhe a consistência de um tratamento autônomo A Sociologia Política de Weber apresenta profundos estudos sobre Política Científica, a Racionalização de Poder e a Legitimação das Bases em que o Poder se sustenta
  • 8. O Prisma Jurídico: A Ciência Política também tem sido objeto de estudo que reduz o Direito Político a um simples corpo de normas. Essa linha de pensamentos é defendida por Kelsen que construiu a Teoria Geral do Estado (TGE) Para ele, quem elucidar o Direito como norma, elucidará o Estado, pois a força coercitiva deste nada mais significa que o grau de eficácia das regras do Direito; ou seja, das normas jurídicas A Ciência Política no Brasil: Aqui, a Ciência Política se institucionalizou há pouco tempo, pois em meados de 1950 seu principal veículo era a Revista Brasileira de Estudos Políticos. A Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP) só foi fundada em 1986, sendo efetivada somente 10 anos depois Hoje, a maior parte da disciplina Ciência Política no Brasil opera com modelos neo-institucionalistas e de escolha racional, sob a influência das matizes norte-americanas. Esses modelos se utilizam da ação política, reduzindo o número de atores envolvidos e resumindo-os a “candidatos X eleitorado” ou a “executivo X legislativo”