SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Polaridade das moléculas e
 Forças Intermoleculares
    Autor: Rosbergue Lúcio
• O álcool se mistura à água. O óleo não se
  mistura à água. Será isso um simples
  capricho da natureza? A Química explica.
Conceitos gerais
• Numa ligação covalente os elétrons são
  compartilhados por dois átomos que se
  ligam:
• Em átomos diferentes:

O Cloro atrai o par eletrônico para si. Por isso, dizemos que
o Cloro é mais eletronegativo que o hidrogênio e que a
ligação covalente está polarizada.
Conceitos gerais
• Evidentemente, quando os dois átomos
  são iguais como na figura abaixo, não há
  razão para um átomo atrair um par
  eletrônico mais do que o outro. As
  moléculas neste caso são apolares.
Conceitos gerais -
Eletronegatividade




          É a "força" que o átomo tem de
          capturar elétrons dos outros para
          si.
Ligações polares e apolares
• Ligações apolares: apresentam diferença
  de eletronegatividade (Δ) igual a zero (ou
  muito próximo de zero).Exemplos:
Cl – Cl
3,0 – 3,0    Eletronegatividade: Δ = 3,0 – 3,0 = 0

F – F
4,0 – 4,0   Δ = 4,0 – 4,0 = 0
Ligações polares e apolares
• Ligações polares: apresentam diferença de
  eletronegatividade (Δ) diferente de zero
  Exemplos:
H – Cl
2,1 – 3,0    Eletronegatividade: Δ = 3,0 – 2,1 = 0,9

 I – F
                                  Essa ligação é mais
2,5 – 4,0   Δ = 4,0 – 2,5 = 1,5   polar que a anterior
Momento dipolar resultante (μr)
• Teoricamente, a determinação    da polaridade de
  uma molécula é feita pela soma dos vetores de
  polarização de todas as ligações da molécula. A
  resultante       é denominada  momento     dipolar
  resultante (μr).



      Enfatizando: o momento dipolar resultante (μr) depende da
      eletronegatividade dos elementos participantes da ligação
      e da geometria molecular.
      Veja o próximo slide.
Momento dipolar resultante (μr)
• Essa determinação é feita considerando os
  vetores momento dipolo de cada ligação. Veja os
  exemplos a seguir:
Fórmula     Geometria        Polaridade
Molecular               μr   da molécula
Solubilidade X Polaridade
Solubilidade X Polaridade

A análise dos experimentos permite
a seguinte conclusão:



• Substância   polar dissolve substância polar.
• Substância   apolar dissolve substância apolar.
• Substância   polar não dissolve substância
  apolar.
• Substância   apolar não dissolve substância
  polar.                                 Regras!
                                         Há exceções!
Forças Intermoleculares
A capacidade das lagartixas em escalar
praticamente qualquer superfície, se dá
através     da     interação     de forças
intermoleculares, que ocorrem entre a
superfície e as patas do animal.
Conceitos gerais
• Só     faz   sentido      falar  em    ligações
  intermoleculares para os estados líquido e
  sólido, pois no estado gasoso (ideal) as
  moléculas estão isoladas.
• As forças atrativas intermoleculares podem ser
  classificadas em:
  – interação dipolo permanente-dipolo permanente;
  – interação dipolo induzido-dipolo induzido ou forças
    de dispersão de London;
  – ponte de hidrogênio ou ligação de hidrogênio.
Forças (ou ligações) de Van der
         Waals (ou de London)
• Ocorrem em qualquer tipo
  de molécula, sendo o único
  tipo de força entre moléculas
  apolares;
• Mesmo sendo apolar, a
  molécula    contém    muitos
  elétrons, que se movimentam
  rapidamente.            Pode
  acontecer,     num      dado
  instante, de uma molécula       Não confunda ligação
  estar com mais elétrons de
                                  covalente (interatômica)
  um lado que do outro; essa
  molécula                        com              ligação
  estará, então, momentaneam      intermolecular.
  ente polarizada;
Forças (ou ligações) dipolo-dipolo
• As moléculas polares
  constituem       dipolos
  permanentes.     Quando
  estão nos estados sólido
  e líquido, as substâncias
  formadas por moléculas
  polares orientam-se de
  forma que o pólo
  positivo de uma fica
  voltado para o negativo
  da outra.
Pontes de hidrogênio

     • Um caso extremo de atração
       dipolo-dipolo           ocorre
       quando temos o hidrogênio
       ligado a átomos pequenos e
       fortemente
       eletronegativos, especialment
       e o flúor, o oxigênio e o
       nitrogênio.
     • DICA: Flúor, Oxigênio e
       Nitrogênio (FON);
Água Líquida x Gelo




O gelo tem as suas moléculas arrumadas
numa             grade           cristalina
espacial, organizada e mais espaçada do
que a água líquida. Por esse motivo o gelo
é menos denso que a água no estado
líquido.
Pontes de hidrogênio
     • Outra            consequência
       importante das pontes de
       hidrogênio existentes na água
       é sua alta tensão superficial.
Resumo de Forças
Intermoleculares
Por hoje é só. Bons es-
tudos e até a próxima!!.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Ana Luisa Santana
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
loirissimavivi
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
Nai Mariano
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 

Mais procurados (20)

Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
 
Reações químicas ppt
Reações químicas pptReações químicas ppt
Reações químicas ppt
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
 
Número de oxidação (Nox)
Número de oxidação (Nox)Número de oxidação (Nox)
Número de oxidação (Nox)
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Isomeria plana
Isomeria planaIsomeria plana
Isomeria plana
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Reação de adição
Reação de adiçãoReação de adição
Reação de adição
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
 
Analise conformacional
Analise conformacionalAnalise conformacional
Analise conformacional
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Propriedade das Soluções.
Propriedade das Soluções. Propriedade das Soluções.
Propriedade das Soluções.
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 

Destaque

Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]
Regina Correia
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
dianalove15
 
Aula 6 -_pka
Aula 6 -_pkaAula 6 -_pka
Aula 6 -_pka
day ....
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Fernando Lucas
 
Apresentação da disciplina
Apresentação da disciplina Apresentação da disciplina
Apresentação da disciplina
Kr Krvalho
 
Biomoléculas parte 2
Biomoléculas parte 2Biomoléculas parte 2
Biomoléculas parte 2
Luis Ribeiro
 

Destaque (20)

Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]Forças intermoleculares[1]
Forças intermoleculares[1]
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Proprieda...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Proprieda...www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Proprieda...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Química - Exercícios Resolvidos Proprieda...
 
Aula - Ligação Química
Aula - Ligação QuímicaAula - Ligação Química
Aula - Ligação Química
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Aula 6 -_pka
Aula 6 -_pkaAula 6 -_pka
Aula 6 -_pka
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Aula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handoutAula quatro jornadas12_handout
Aula quatro jornadas12_handout
 
Introdução à Estereoquímica
Introdução à EstereoquímicaIntrodução à Estereoquímica
Introdução à Estereoquímica
 
Apresentação da disciplina
Apresentação da disciplina Apresentação da disciplina
Apresentação da disciplina
 
Teoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materiaTeoria cinetica da materia
Teoria cinetica da materia
 
Biomoléculas parte 2
Biomoléculas parte 2Biomoléculas parte 2
Biomoléculas parte 2
 
tipo de Maclas
tipo de Maclastipo de Maclas
tipo de Maclas
 
tipo de maclas
tipo de maclastipo de maclas
tipo de maclas
 
Maclas, polimorfismo
Maclas, polimorfismoMaclas, polimorfismo
Maclas, polimorfismo
 
Polaridade da agua
Polaridade da aguaPolaridade da agua
Polaridade da agua
 
1 basica1
1 basica11 basica1
1 basica1
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 

Semelhante a Polaridade das moléculas e forças intermoleculares

Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Julyanne Rodrigues
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Dacio Cardoso
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
Leandro Da Paz Aristides
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
JulianaGimenes
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Carlos Henrique Souza
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana Paula Muniz
 
Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
Claudia Cinara Braga
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
VaniaMaria37
 

Semelhante a Polaridade das moléculas e forças intermoleculares (20)

Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
 
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaForças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
 
2a aula Quimica Geral.pptx
2a aula Quimica Geral.pptx2a aula Quimica Geral.pptx
2a aula Quimica Geral.pptx
 
ligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleeculares
 
Aula 5 secundarias e vdw
Aula 5   secundarias e vdwAula 5   secundarias e vdw
Aula 5 secundarias e vdw
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
 
Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.pptGeometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
 
Estados da máteria
Estados da máteriaEstados da máteria
Estados da máteria
 
"Somos Físicos" Solubilidade (Polaridade das Moléculas)
"Somos Físicos" Solubilidade (Polaridade das Moléculas)"Somos Físicos" Solubilidade (Polaridade das Moléculas)
"Somos Físicos" Solubilidade (Polaridade das Moléculas)
 
Propriedades F Sicas
Propriedades F SicasPropriedades F Sicas
Propriedades F Sicas
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 

Mais de Bio Sem Limites

Mais de Bio Sem Limites (20)

Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
 
Nutrientes: Carboidratos
Nutrientes: CarboidratosNutrientes: Carboidratos
Nutrientes: Carboidratos
 
Nomenclatura de hidrocarbonetos- Não Ramificados
Nomenclatura de hidrocarbonetos- Não RamificadosNomenclatura de hidrocarbonetos- Não Ramificados
Nomenclatura de hidrocarbonetos- Não Ramificados
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Cromossomos ( o que é um cromossomo)
Cromossomos ( o que é um cromossomo)Cromossomos ( o que é um cromossomo)
Cromossomos ( o que é um cromossomo)
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
 
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema CardiovascularQuestões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
 
Resumo: Ácidos e Bases
Resumo: Ácidos e BasesResumo: Ácidos e Bases
Resumo: Ácidos e Bases
 
Bases
BasesBases
Bases
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Ácidos
ÁcidosÁcidos
Ácidos
 
Ácidos e Bases Exercícios de Vestibulares
Ácidos e Bases Exercícios de VestibularesÁcidos e Bases Exercícios de Vestibulares
Ácidos e Bases Exercícios de Vestibulares
 
Filo porifera slideshare
Filo porifera slideshareFilo porifera slideshare
Filo porifera slideshare
 
Cadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias AlimentaresCadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias Alimentares
 
Resumo Ciclo celular e mitose
Resumo Ciclo celular e mitoseResumo Ciclo celular e mitose
Resumo Ciclo celular e mitose
 
Resumo Sistema Cardiovascular
Resumo Sistema CardiovascularResumo Sistema Cardiovascular
Resumo Sistema Cardiovascular
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

Polaridade das moléculas e forças intermoleculares

  • 1. Polaridade das moléculas e Forças Intermoleculares Autor: Rosbergue Lúcio
  • 2. • O álcool se mistura à água. O óleo não se mistura à água. Será isso um simples capricho da natureza? A Química explica.
  • 3. Conceitos gerais • Numa ligação covalente os elétrons são compartilhados por dois átomos que se ligam: • Em átomos diferentes: O Cloro atrai o par eletrônico para si. Por isso, dizemos que o Cloro é mais eletronegativo que o hidrogênio e que a ligação covalente está polarizada.
  • 4. Conceitos gerais • Evidentemente, quando os dois átomos são iguais como na figura abaixo, não há razão para um átomo atrair um par eletrônico mais do que o outro. As moléculas neste caso são apolares.
  • 5. Conceitos gerais - Eletronegatividade É a "força" que o átomo tem de capturar elétrons dos outros para si.
  • 6. Ligações polares e apolares • Ligações apolares: apresentam diferença de eletronegatividade (Δ) igual a zero (ou muito próximo de zero).Exemplos: Cl – Cl 3,0 – 3,0 Eletronegatividade: Δ = 3,0 – 3,0 = 0 F – F 4,0 – 4,0 Δ = 4,0 – 4,0 = 0
  • 7. Ligações polares e apolares • Ligações polares: apresentam diferença de eletronegatividade (Δ) diferente de zero Exemplos: H – Cl 2,1 – 3,0 Eletronegatividade: Δ = 3,0 – 2,1 = 0,9 I – F Essa ligação é mais 2,5 – 4,0 Δ = 4,0 – 2,5 = 1,5 polar que a anterior
  • 8. Momento dipolar resultante (μr) • Teoricamente, a determinação da polaridade de uma molécula é feita pela soma dos vetores de polarização de todas as ligações da molécula. A resultante é denominada momento dipolar resultante (μr). Enfatizando: o momento dipolar resultante (μr) depende da eletronegatividade dos elementos participantes da ligação e da geometria molecular. Veja o próximo slide.
  • 9. Momento dipolar resultante (μr) • Essa determinação é feita considerando os vetores momento dipolo de cada ligação. Veja os exemplos a seguir:
  • 10. Fórmula Geometria Polaridade Molecular μr da molécula
  • 12. Solubilidade X Polaridade A análise dos experimentos permite a seguinte conclusão: • Substância polar dissolve substância polar. • Substância apolar dissolve substância apolar. • Substância polar não dissolve substância apolar. • Substância apolar não dissolve substância polar. Regras! Há exceções!
  • 14. A capacidade das lagartixas em escalar praticamente qualquer superfície, se dá através da interação de forças intermoleculares, que ocorrem entre a superfície e as patas do animal.
  • 15. Conceitos gerais • Só faz sentido falar em ligações intermoleculares para os estados líquido e sólido, pois no estado gasoso (ideal) as moléculas estão isoladas. • As forças atrativas intermoleculares podem ser classificadas em: – interação dipolo permanente-dipolo permanente; – interação dipolo induzido-dipolo induzido ou forças de dispersão de London; – ponte de hidrogênio ou ligação de hidrogênio.
  • 16. Forças (ou ligações) de Van der Waals (ou de London) • Ocorrem em qualquer tipo de molécula, sendo o único tipo de força entre moléculas apolares; • Mesmo sendo apolar, a molécula contém muitos elétrons, que se movimentam rapidamente. Pode acontecer, num dado instante, de uma molécula Não confunda ligação estar com mais elétrons de covalente (interatômica) um lado que do outro; essa molécula com ligação estará, então, momentaneam intermolecular. ente polarizada;
  • 17. Forças (ou ligações) dipolo-dipolo • As moléculas polares constituem dipolos permanentes. Quando estão nos estados sólido e líquido, as substâncias formadas por moléculas polares orientam-se de forma que o pólo positivo de uma fica voltado para o negativo da outra.
  • 18. Pontes de hidrogênio • Um caso extremo de atração dipolo-dipolo ocorre quando temos o hidrogênio ligado a átomos pequenos e fortemente eletronegativos, especialment e o flúor, o oxigênio e o nitrogênio. • DICA: Flúor, Oxigênio e Nitrogênio (FON);
  • 19. Água Líquida x Gelo O gelo tem as suas moléculas arrumadas numa grade cristalina espacial, organizada e mais espaçada do que a água líquida. Por esse motivo o gelo é menos denso que a água no estado líquido.
  • 20. Pontes de hidrogênio • Outra consequência importante das pontes de hidrogênio existentes na água é sua alta tensão superficial.
  • 22. Por hoje é só. Bons es- tudos e até a próxima!!.