SlideShare uma empresa Scribd logo
FORÇAS (INTERAÇÕES)
 INTERMOLECULARES
FORÇAS INTERMOLECULARES
            Definição: São forças
            de      atração   que
            ocorrem entre as
            moléculas, mantendo-
            as unidas. São essas
            forças as responsáveis
            pelos três estados
            físicos. Sem elas, só
            existiriam gases.
Forças intermoleculares


• Forças de dispersão (de London)
• Dipolo-dipolo
• Ligação de hidrogênio
• Íon-dipolo
Forças intermoleculares




Van der Waals
FORÇAS DE LONDON
As forças de London são      interações
origi-
nadas quando a aproximação entre moléculas
apolares provoca uma assimetria em suas
nuvens eletrônicas.
FORÇAS DE LONDON
No estado sólido ou líquido, devido à sua
maior proximidade, ocorrerá uma deformação
momentânea nas nuvens eletrônicas das
moléculas, originando pólos – e + .
Exemplo:
Exemplo:
Exemplo:
δ+     δ-
Exemplo:
δ+     δ-
Exemplo:
δ+     δ-   δ+   δ-
Exemplo:
δ+     δ-   δ+   δ-   δ+   δ-   δ+   δ-
FORÇAS DIPOLO-DIPOLO
• O pólo positivo de uma molécula atrai o
pólo negativo de outra molécula, e assim
sucessivamente.




As forças dipolo-dipolo são mais intensas
que as forças de London.
Ligações de Hidrogênio
Ligações de Hidrogênio

• Ocorrem quando temos o hidrogênio
ligado a átomos pequenos e extremamente
eletronegativos, especialmente o flúor, o
oxigênio e o nitrogênio .
Ligações de Hidrogênio
Por que o gelo flutua?
           No gelo, cada molécula de água
            está cercada por outras quatro,
            formando um arranjo tetraédrico.
            Esse arranjo tetraédrico de
            moléculas forma estruturas
            maiores, com nítidas orientações
            hexagonais, repetindo-se em
            todas as direções.
           Na formação do sólido, as
            moléculas se afastam umas das
            outras, fazendo com que o
            volume aumente. A água se
            expande ao congelar e o sólido
            passa a ter menor densidade que
            o líquido.
Por que o gelo flutua?
ÍON-DIPOLO
FORÇAS INTERMOLECULARES
   Comparando as ligações químicas:




 http://quark.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/forcas_intermoleculares.html
TENSÃO SUPERFICIAL
As moléculas localizadas no interior de um
líquido sofrem atrações intermoleculares em
todas as direções.
TENSÃO SUPERFICIAL
As moléculas da superfície do líquido só são
atraídas pelas moléculas “de baixo” e “dos
lados”, criando uma película.
PONTO DE FUSÃO E EBULIÇÃO DAS
  SUBSTÂNCIAS MOLECULARES

           Basicamente dois fatores ,
           massa molecular e forças
           intermoleculares, influenciam
           as propriedades físicas (PF e
           PE) das substâncias.
MOLÉCULAS DE MASSA MOLECULAR
  APROXIMADAMENTE IGUAIS:
MOLÉCULAS COM MESMO TIPO
DE FORÇA INTERMOLECULAR:
REGRA DE SOLUBILIDADE

“O SEMELHANTE DISSOLVE
     SEMELHANTE”

  • POLAR DISSOLVE POLAR
 • APOLAR DISSOLVE APOLAR
FORÇAS INTERMOLECULARES
          NO COTIDIANO
• Como a lagartixa consegue andar pelas
paredes?
             São forças intermoleculares
             as responsáveis pela adesão
             da pata da lagartixa à parede.
             Mais precisamente entre a
             superfície e as moléculas dos
             “setae”, pelos microscópicos
             que cobrem as patas das
             lagartixas.
FORÇAS INTERMOLECULARES
          NO COTIDIANO
• E como o homem-aranha consegue andar pelas
paredes?
FORÇAS INTERMOLECULARES
       NO COTIDIANO
       • Solubilização do açúcar
Deve-se à capacidade que as moléculas de
água têm de interagir com as de sacarose.
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Forças intermoleculares 2012 - COC Franca

Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
Leandro Da Paz Aristides
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Bio Sem Limites
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
LucasAntonio95
 
Estados da máteria
Estados da máteriaEstados da máteria
Estados da máteria
JoseAlexandreRocha
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ProfªThaiza Montine
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Dacio Cardoso
 
1º conteúdo as forças intermoleculares
1º conteúdo   as forças intermoleculares1º conteúdo   as forças intermoleculares
1º conteúdo as forças intermoleculares
Rose Belmiro
 
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Julyanne Rodrigues
 
qr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptxqr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptx
FranciscoJunior983123
 
FORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARESFORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARES
Claudia Cinara Braga
 
Folha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermolecularesFolha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermoleculares
Rikardo Coimbra
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
Marco Bumba
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Valquiria R. Nascimento
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana Paula Muniz
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
JulianaGimenes
 
Ligacao quimica
Ligacao quimicaLigacao quimica
Ligacao quimica
Roberta Calixto
 
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3   os estados da matéria e as soluçõesTexto unidade 3   os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
jbrconsultoria
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Fernando Lucas
 
ForçAs Intermoleculares Hackston
ForçAs Intermoleculares HackstonForçAs Intermoleculares Hackston
ForçAs Intermoleculares Hackston
guest0d274b2
 
As forças
As forçasAs forças

Semelhante a Forças intermoleculares 2012 - COC Franca (20)

Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
 
Estados da máteria
Estados da máteriaEstados da máteria
Estados da máteria
 
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPytForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
ForçAs Intermoleculares - ProfºPyt
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
1º conteúdo as forças intermoleculares
1º conteúdo   as forças intermoleculares1º conteúdo   as forças intermoleculares
1º conteúdo as forças intermoleculares
 
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
 
qr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptxqr10_ppt_m13.pptx
qr10_ppt_m13.pptx
 
FORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARESFORÇAS INTERMLECULARES
FORÇAS INTERMLECULARES
 
Folha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermolecularesFolha 9 aula forças intermoleculares
Folha 9 aula forças intermoleculares
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
 
Ligacao quimica
Ligacao quimicaLigacao quimica
Ligacao quimica
 
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3   os estados da matéria e as soluçõesTexto unidade 3   os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
ForçAs Intermoleculares Hackston
ForçAs Intermoleculares HackstonForçAs Intermoleculares Hackston
ForçAs Intermoleculares Hackston
 
As forças
As forçasAs forças
As forças
 

Mais de José Marcelo Cangemi

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
José Marcelo Cangemi
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
José Marcelo Cangemi
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
José Marcelo Cangemi
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
José Marcelo Cangemi
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
José Marcelo Cangemi
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
José Marcelo Cangemi
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
José Marcelo Cangemi
 

Mais de José Marcelo Cangemi (20)

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Forças intermoleculares 2012 - COC Franca

  • 2. FORÇAS INTERMOLECULARES Definição: São forças de atração que ocorrem entre as moléculas, mantendo- as unidas. São essas forças as responsáveis pelos três estados físicos. Sem elas, só existiriam gases.
  • 3. Forças intermoleculares • Forças de dispersão (de London) • Dipolo-dipolo • Ligação de hidrogênio • Íon-dipolo
  • 5. FORÇAS DE LONDON As forças de London são interações origi- nadas quando a aproximação entre moléculas apolares provoca uma assimetria em suas nuvens eletrônicas.
  • 6. FORÇAS DE LONDON No estado sólido ou líquido, devido à sua maior proximidade, ocorrerá uma deformação momentânea nas nuvens eletrônicas das moléculas, originando pólos – e + .
  • 11. Exemplo: δ+ δ- δ+ δ-
  • 12. Exemplo: δ+ δ- δ+ δ- δ+ δ- δ+ δ-
  • 13. FORÇAS DIPOLO-DIPOLO • O pólo positivo de uma molécula atrai o pólo negativo de outra molécula, e assim sucessivamente. As forças dipolo-dipolo são mais intensas que as forças de London.
  • 15. Ligações de Hidrogênio • Ocorrem quando temos o hidrogênio ligado a átomos pequenos e extremamente eletronegativos, especialmente o flúor, o oxigênio e o nitrogênio .
  • 17.
  • 18. Por que o gelo flutua?  No gelo, cada molécula de água está cercada por outras quatro, formando um arranjo tetraédrico. Esse arranjo tetraédrico de moléculas forma estruturas maiores, com nítidas orientações hexagonais, repetindo-se em todas as direções.  Na formação do sólido, as moléculas se afastam umas das outras, fazendo com que o volume aumente. A água se expande ao congelar e o sólido passa a ter menor densidade que o líquido.
  • 19. Por que o gelo flutua?
  • 21. FORÇAS INTERMOLECULARES Comparando as ligações químicas: http://quark.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/forcas_intermoleculares.html
  • 22. TENSÃO SUPERFICIAL As moléculas localizadas no interior de um líquido sofrem atrações intermoleculares em todas as direções.
  • 23. TENSÃO SUPERFICIAL As moléculas da superfície do líquido só são atraídas pelas moléculas “de baixo” e “dos lados”, criando uma película.
  • 24. PONTO DE FUSÃO E EBULIÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS MOLECULARES Basicamente dois fatores , massa molecular e forças intermoleculares, influenciam as propriedades físicas (PF e PE) das substâncias.
  • 25. MOLÉCULAS DE MASSA MOLECULAR APROXIMADAMENTE IGUAIS:
  • 26. MOLÉCULAS COM MESMO TIPO DE FORÇA INTERMOLECULAR:
  • 27. REGRA DE SOLUBILIDADE “O SEMELHANTE DISSOLVE SEMELHANTE” • POLAR DISSOLVE POLAR • APOLAR DISSOLVE APOLAR
  • 28. FORÇAS INTERMOLECULARES NO COTIDIANO • Como a lagartixa consegue andar pelas paredes? São forças intermoleculares as responsáveis pela adesão da pata da lagartixa à parede. Mais precisamente entre a superfície e as moléculas dos “setae”, pelos microscópicos que cobrem as patas das lagartixas.
  • 29. FORÇAS INTERMOLECULARES NO COTIDIANO • E como o homem-aranha consegue andar pelas paredes?
  • 30. FORÇAS INTERMOLECULARES NO COTIDIANO • Solubilização do açúcar Deve-se à capacidade que as moléculas de água têm de interagir com as de sacarose.