SlideShare uma empresa Scribd logo
Estados da
matéria
As diversas substâncias na natureza podem
apresentar três estados de agregação.
No estado sólido, as moléculas
constituintes da matéria
apresentam entre si intensas
forças de coesão, o que explica o
baixo grau de agitação das
moléculas . Por isso uma
substância no estado sólido se
caracteriza por apresentar forma e
volume bem definido.
Estado Sólido
Características:
Moléculas rígidas .
Intensa forças de atração entre as partículas.
Possui forma própria. Uma aliança de ouro terá
sempre a mesma forma onde estiver.
Tem um volume definido.
Geralmente suas moléculas dispõe com
regularidade , formando uma rede cristalina.
No estado líquido, as moléculas têm
um maior grau de agitação térmica e,
portanto , maior mobilidade, pois as
forças de coesão não são tão intensas
como no estado sólido. Em consequência
disso, embora o volume seja bem
definido , os líquidos não têm forma
definida , adquirindo a forma do
recipiente que os contém.
Estado líquido
 Características::
 Maior liberdade do movimento molecular.
 Forças de atração menores do que no estado
sólido.
 Molécula mais afastadas uma das outras .
 Não possuem forma definida.
 Tem volume definido.
No estado gasoso, são pouco
intensas as forças de coesão entre
as moléculas , o que determina um
alto grau de agitação térmica
molecular. É por essa razão que,
nesse estado , as substâncias não
apresentam nem forma nem volume
definidos, adaptando-se ao formato e
ocupando todo o volume do
recipiente que as contém.
Estado Gasoso
 Características:
 Grande mobilidade das
moléculas.
 Pouco Atração molecular.
 Grande distância entre as
moléculas difusão ocupar o
volume possível.
Mudanças de Estado
Qualquer substância pode passar de um estado
para outra ao se alterar as condições de
temperatura ou pressão a qual se encontram.
Gráfico de mudança de estado
Estados especiais da matéria
A situações especiais que ocorrem em certos condições e não
são catalogados nesses estados.
Forças Intermoleculares
Em condições ambientes, os compostos iônicos
são sólidos, devido às forças elétricas de atração
entre seus cátions e ânions. Do mesmo modo, os
metais são quase todos sólidos, devido à forte
união que a ligação metálica exerce sobre seus
átomos. Já as substâncias covalentes podem ser
sólidas, líquidas ou gasosas. Isso prova que entre
suas moléculas podem existir forças de atração
maiores ou menores. São exatamente essas forças
ou ligações entre as moléculas (intermoleculares)
que manter as moléculas unidas.
Forças dipolo-dipolo
Quando uma molécula é polar, como, por
exemplo, HCl, ela apresenta uma extremidade
mais eletropositiva e outra mais eletronegativa,
Sendo assim, a molécula é um dipolo elétrico
permanente, Evidentemente, a “parte positiva”
de uma molécula passa a atrair a “parte negativa”
da molécula vizinha, e assim sucessivamente.
Essas forças de coesão recebem o nome de forças
(ou ligações) dipolo-dipolo.
Ligações por pontes de hidrogênio Um caso extremo de
atração dipolo-dipolo ocorre quando temos o hidrogênio
ligado a átomos pequenos e fortemente eletronegativos,
especialmente o flúor, o oxigênio e o nitrogênio. A forte
atração que se estabelece entre o hidrogênio e esses
elementos chama-se ligação de hidrogênio, e existe
fundamentalmente em substâncias nos estados sólido e
líquido. Os pontes de Hidrogênio são responsáveis pela
alguns fenômenos e propriedades da água como a
organização molecular da água no estado sólido(gelo) e no
estado líquido. Além do fenômeno da tensão superficial.
Pontes de hidrogênio
forças de Van der Waals, ou
forças de dispersão de London.
As forças mantêm unidas as moléculas apolares, são
cerca de dez vezes mais fracas do que as forças
dipolo-dipolo e resultam do seguinte: mesmo sendo
apolar, a molécula contém muitos elétrons, que se
movimentam rapidamente. Pode acontecer, num
dado instante, de uma molécula estar com mais
elétrons de um lado que do outro; essa molécula
estará, então, momentaneamente polarizada e, por
indução elétrica, irá provocar a polarização de uma
molécula vizinha (dipolo induzido), resultando uma
atração fraca entre ambas.
As lagartixas andam
nos tetos e nas paredes
em virtude das forças
de
Van der Waals, que
dão a aderência entre
suas patas e a
superfície por
onde caminham.
E, por imitação, os
cientistas já estão
tentando criar um
produto que pode fazer
uma pessoa subir por
uma parede.
REFERÊNCIAS
Ricardo Feltre, Química volume 1 editora
moderna 6 ° edição 2004 (forças
Intermoleculares).
Paulo Cesar, Carlos Magno Física ciência e
tecnologia. ( estados da matéria).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
Claudia Cinara Braga
 
Apostila Interações Moleculares
Apostila Interações MolecularesApostila Interações Moleculares
Apostila Interações Moleculares
Lucas Forlin
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
Marco Bumba
 
Aula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças IntermolecularesAula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças Intermoleculares
José Nunes da Silva Jr.
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
jorgehenriqueangelim
 
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaForças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
José Marcelo Cangemi
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Fernando Lucas
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Gustavo Silveira
 
Química – estado sólido 01 – 2014
Química – estado sólido 01 – 2014Química – estado sólido 01 – 2014
Química – estado sólido 01 – 2014
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Tipos de interações moleculares
Tipos de interações molecularesTipos de interações moleculares
Tipos de interações moleculares
Marília Isabel Tarnowski Correia
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
Leandro Da Paz Aristides
 
Iii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricasIii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricas
Rodrigo Marques
 
Aulão de introdução a química geral
Aulão  de introdução a química geralAulão  de introdução a química geral
Aulão de introdução a química geral
Adrianne Mendonça
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Dacio Cardoso
 
Interações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaqueInterações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaque
quimica_prefederal
 
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoriaApostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
263890
 
Teoria corpuscular da matéria
Teoria corpuscular da matériaTeoria corpuscular da matéria
Teoria corpuscular da matéria
Deby Machado
 
Ciências físico químicas 8º ANO
Ciências físico químicas 8º ANO Ciências físico químicas 8º ANO
Ciências físico químicas 8º ANO
Catarina Alves
 
Estados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscularEstados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscular
elisabete1977
 
Aula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacaoAula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacao
Luiz Gustavo Pires Coelho
 

Mais procurados (20)

Apresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermolecularesApresentação forças intermoleculares
Apresentação forças intermoleculares
 
Apostila Interações Moleculares
Apostila Interações MolecularesApostila Interações Moleculares
Apostila Interações Moleculares
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Aula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças IntermolecularesAula 01 - Forças Intermoleculares
Aula 01 - Forças Intermoleculares
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC FrancaForças intermoleculares 2012 - COC Franca
Forças intermoleculares 2012 - COC Franca
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7   8 propriedades físicas - forças intermolecularesAula 7   8 propriedades físicas - forças intermoleculares
Aula 7 8 propriedades físicas - forças intermoleculares
 
Química – estado sólido 01 – 2014
Química – estado sólido 01 – 2014Química – estado sólido 01 – 2014
Química – estado sólido 01 – 2014
 
Tipos de interações moleculares
Tipos de interações molecularesTipos de interações moleculares
Tipos de interações moleculares
 
Quil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares materialQuil006 forças intermolecculares material
Quil006 forças intermolecculares material
 
Iii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricasIii relacoes hidricas
Iii relacoes hidricas
 
Aulão de introdução a química geral
Aulão  de introdução a química geralAulão  de introdução a química geral
Aulão de introdução a química geral
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Interações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaqueInterações Intermoleculares jaque
Interações Intermoleculares jaque
 
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoriaApostila qu mica_cefet_1_p_teoria
Apostila qu mica_cefet_1_p_teoria
 
Teoria corpuscular da matéria
Teoria corpuscular da matériaTeoria corpuscular da matéria
Teoria corpuscular da matéria
 
Ciências físico químicas 8º ANO
Ciências físico químicas 8º ANO Ciências físico químicas 8º ANO
Ciências físico químicas 8º ANO
 
Estados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscularEstados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscular
 
Aula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacaoAula03 transformacoes nucleacao
Aula03 transformacoes nucleacao
 

Destaque

Estados de agregação da matéria
Estados de agregação da matériaEstados de agregação da matéria
Estados de agregação da matéria
Marcos Franco
 
bioficia fen quimicos e fisicos
bioficia fen quimicos e fisicosbioficia fen quimicos e fisicos
bioficia fen quimicos e fisicos
Adila Trubat
 
Fenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matériaFenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matéria
Carlos Priante
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
Layanne Caetano
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
Karol Maia
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
matheusrl98
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
Carolina Suisso
 
3.classficação.dos.fênomenos.1 m
3.classficação.dos.fênomenos.1 m3.classficação.dos.fênomenos.1 m
3.classficação.dos.fênomenos.1 m
Valmiro Menezes
 
Jaqueline e Paulo
Jaqueline e PauloJaqueline e Paulo
Jaqueline e Paulo
Edivaldo S de Abreu
 
Ana carla e Gabriele
Ana carla e GabrieleAna carla e Gabriele
Ana carla e Gabriele
Edivaldo S de Abreu
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
Valmiro Menezes
 
Capítulo 02 conhecendo a matéria e suas transformações
Capítulo 02   conhecendo a matéria e suas transformaçõesCapítulo 02   conhecendo a matéria e suas transformações
Capítulo 02 conhecendo a matéria e suas transformações
Marcos França
 
Aula 02 transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
Aula 02   transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...Aula 02   transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
Aula 02 transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Físico química 7ºAno
Físico química 7ºAnoFísico química 7ºAno
Físico química 7ºAno
professoramarisa
 
Lista de exercícios classificação, propriedades e transformações da matéria
Lista de exercícios   classificação, propriedades e transformações da matériaLista de exercícios   classificação, propriedades e transformações da matéria
Lista de exercícios classificação, propriedades e transformações da matéria
Profª Alda Ernestina
 
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matériaFenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Karol Maia
 
Aula 8 fenômenos físicos e químicos - 2014
Aula 8   fenômenos físicos e químicos - 2014Aula 8   fenômenos físicos e químicos - 2014
Aula 8 fenômenos físicos e químicos - 2014
profNICODEMOS
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
Carolina Suisso
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Cláudia Augusto
 

Destaque (20)

Estados de agregação da matéria
Estados de agregação da matériaEstados de agregação da matéria
Estados de agregação da matéria
 
bioficia fen quimicos e fisicos
bioficia fen quimicos e fisicosbioficia fen quimicos e fisicos
bioficia fen quimicos e fisicos
 
Fenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matériaFenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matéria
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
 
3.classficação.dos.fênomenos.1 m
3.classficação.dos.fênomenos.1 m3.classficação.dos.fênomenos.1 m
3.classficação.dos.fênomenos.1 m
 
Jaqueline e Paulo
Jaqueline e PauloJaqueline e Paulo
Jaqueline e Paulo
 
Ana carla e Gabriele
Ana carla e GabrieleAna carla e Gabriele
Ana carla e Gabriele
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
 
Capítulo 02 conhecendo a matéria e suas transformações
Capítulo 02   conhecendo a matéria e suas transformaçõesCapítulo 02   conhecendo a matéria e suas transformações
Capítulo 02 conhecendo a matéria e suas transformações
 
Aula 02 transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
Aula 02   transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...Aula 02   transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
Aula 02 transformações físicas e químicas - 1º ano - com tarefas mínimas da...
 
Físico química 7ºAno
Físico química 7ºAnoFísico química 7ºAno
Físico química 7ºAno
 
Lista de exercícios classificação, propriedades e transformações da matéria
Lista de exercícios   classificação, propriedades e transformações da matériaLista de exercícios   classificação, propriedades e transformações da matéria
Lista de exercícios classificação, propriedades e transformações da matéria
 
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matériaFenômenos+ estados de agregação da matéria
Fenômenos+ estados de agregação da matéria
 
Aula 8 fenômenos físicos e químicos - 2014
Aula 8   fenômenos físicos e químicos - 2014Aula 8   fenômenos físicos e químicos - 2014
Aula 8 fenômenos físicos e químicos - 2014
 
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
9º ano - 1ºbimestre - Fenômenos físicos e químicos
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
 

Semelhante a Estados da máteria

Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3   os estados da matéria e as soluçõesTexto unidade 3   os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
jbrconsultoria
 
Qumica geral 1a-parte[1]
Qumica geral 1a-parte[1]Qumica geral 1a-parte[1]
Qumica geral 1a-parte[1]
Gabriel1020
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana Paula Muniz
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
JulianaGimenes
 
Ligacao quimica
Ligacao quimicaLigacao quimica
Ligacao quimica
Roberta Calixto
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Ana Luisa Santana
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Bio Sem Limites
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Carlos Priante
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Carlos Henrique Souza
 
Propriedades F Sicas
Propriedades F SicasPropriedades F Sicas
Propriedades F Sicas
Telso M Ferreira Junior
 
Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2
quimicaufvjmead
 
Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2
quimicaufvjmead
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
LucasAntonio95
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Daniel Levi
 
Ap. de química 1a etapa
Ap. de química   1a etapaAp. de química   1a etapa
Ap. de química 1a etapa
Leticia Andrade
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Valquiria R. Nascimento
 
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Profª Alda Ernestina
 
00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT00_INT~1.PPT
ligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleeculares
luizdr1
 
Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 

Semelhante a Estados da máteria (20)

Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3   os estados da matéria e as soluçõesTexto unidade 3   os estados da matéria e as soluções
Texto unidade 3 os estados da matéria e as soluções
 
Qumica geral 1a-parte[1]
Qumica geral 1a-parte[1]Qumica geral 1a-parte[1]
Qumica geral 1a-parte[1]
 
Ana muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermolecularesAna muniz forçasintermoleculares
Ana muniz forçasintermoleculares
 
Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.Propriedades fisicas dos comp. org.
Propriedades fisicas dos comp. org.
 
Ligacao quimica
Ligacao quimicaLigacao quimica
Ligacao quimica
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
 
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermolecularesPolaridade das moléculas e forças intermoleculares
Polaridade das moléculas e forças intermoleculares
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
 
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicosPropriedades físicas dos compostos orgânicos
Propriedades físicas dos compostos orgânicos
 
Propriedades F Sicas
Propriedades F SicasPropriedades F Sicas
Propriedades F Sicas
 
Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2
 
Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2Apresentação estado sólido 2
Apresentação estado sólido 2
 
johan seminario.pptx
johan seminario.pptxjohan seminario.pptx
johan seminario.pptx
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Ap. de química 1a etapa
Ap. de química   1a etapaAp. de química   1a etapa
Ap. de química 1a etapa
 
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidadeGeometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
Geometria molecular, forças intermoleculares e solubilidade
 
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermolecularesResumo    polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
Resumo polaridade, geometria molecular e ligações intermoleculares
 
00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT00_INT~1.PPT
00_INT~1.PPT
 
ligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleecularesligações químimicas e interações intermoleeculares
ligações químimicas e interações intermoleeculares
 
Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1Relações hídricas parte 1
Relações hídricas parte 1
 

Mais de JoseAlexandreRocha

Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
JoseAlexandreRocha
 
Chuva ácida
Chuva ácidaChuva ácida
Chuva ácida
JoseAlexandreRocha
 
Vaidade
VaidadeVaidade
Introdução a geologia
Introdução a geologiaIntrodução a geologia
Introdução a geologia
JoseAlexandreRocha
 
Senhora
SenhoraSenhora
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
JoseAlexandreRocha
 

Mais de JoseAlexandreRocha (6)

Medicina veterinária
Medicina veterináriaMedicina veterinária
Medicina veterinária
 
Chuva ácida
Chuva ácidaChuva ácida
Chuva ácida
 
Vaidade
VaidadeVaidade
Vaidade
 
Introdução a geologia
Introdução a geologiaIntrodução a geologia
Introdução a geologia
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 

Estados da máteria

  • 2. As diversas substâncias na natureza podem apresentar três estados de agregação.
  • 3. No estado sólido, as moléculas constituintes da matéria apresentam entre si intensas forças de coesão, o que explica o baixo grau de agitação das moléculas . Por isso uma substância no estado sólido se caracteriza por apresentar forma e volume bem definido.
  • 4. Estado Sólido Características: Moléculas rígidas . Intensa forças de atração entre as partículas. Possui forma própria. Uma aliança de ouro terá sempre a mesma forma onde estiver. Tem um volume definido. Geralmente suas moléculas dispõe com regularidade , formando uma rede cristalina.
  • 5.
  • 6. No estado líquido, as moléculas têm um maior grau de agitação térmica e, portanto , maior mobilidade, pois as forças de coesão não são tão intensas como no estado sólido. Em consequência disso, embora o volume seja bem definido , os líquidos não têm forma definida , adquirindo a forma do recipiente que os contém.
  • 7. Estado líquido  Características::  Maior liberdade do movimento molecular.  Forças de atração menores do que no estado sólido.  Molécula mais afastadas uma das outras .  Não possuem forma definida.  Tem volume definido.
  • 8.
  • 9. No estado gasoso, são pouco intensas as forças de coesão entre as moléculas , o que determina um alto grau de agitação térmica molecular. É por essa razão que, nesse estado , as substâncias não apresentam nem forma nem volume definidos, adaptando-se ao formato e ocupando todo o volume do recipiente que as contém.
  • 10. Estado Gasoso  Características:  Grande mobilidade das moléculas.  Pouco Atração molecular.  Grande distância entre as moléculas difusão ocupar o volume possível.
  • 11.
  • 12. Mudanças de Estado Qualquer substância pode passar de um estado para outra ao se alterar as condições de temperatura ou pressão a qual se encontram.
  • 13. Gráfico de mudança de estado
  • 14. Estados especiais da matéria A situações especiais que ocorrem em certos condições e não são catalogados nesses estados.
  • 15.
  • 17. Em condições ambientes, os compostos iônicos são sólidos, devido às forças elétricas de atração entre seus cátions e ânions. Do mesmo modo, os metais são quase todos sólidos, devido à forte união que a ligação metálica exerce sobre seus átomos. Já as substâncias covalentes podem ser sólidas, líquidas ou gasosas. Isso prova que entre suas moléculas podem existir forças de atração maiores ou menores. São exatamente essas forças ou ligações entre as moléculas (intermoleculares) que manter as moléculas unidas.
  • 18. Forças dipolo-dipolo Quando uma molécula é polar, como, por exemplo, HCl, ela apresenta uma extremidade mais eletropositiva e outra mais eletronegativa, Sendo assim, a molécula é um dipolo elétrico permanente, Evidentemente, a “parte positiva” de uma molécula passa a atrair a “parte negativa” da molécula vizinha, e assim sucessivamente. Essas forças de coesão recebem o nome de forças (ou ligações) dipolo-dipolo.
  • 19.
  • 20. Ligações por pontes de hidrogênio Um caso extremo de atração dipolo-dipolo ocorre quando temos o hidrogênio ligado a átomos pequenos e fortemente eletronegativos, especialmente o flúor, o oxigênio e o nitrogênio. A forte atração que se estabelece entre o hidrogênio e esses elementos chama-se ligação de hidrogênio, e existe fundamentalmente em substâncias nos estados sólido e líquido. Os pontes de Hidrogênio são responsáveis pela alguns fenômenos e propriedades da água como a organização molecular da água no estado sólido(gelo) e no estado líquido. Além do fenômeno da tensão superficial. Pontes de hidrogênio
  • 21.
  • 22.
  • 23. forças de Van der Waals, ou forças de dispersão de London. As forças mantêm unidas as moléculas apolares, são cerca de dez vezes mais fracas do que as forças dipolo-dipolo e resultam do seguinte: mesmo sendo apolar, a molécula contém muitos elétrons, que se movimentam rapidamente. Pode acontecer, num dado instante, de uma molécula estar com mais elétrons de um lado que do outro; essa molécula estará, então, momentaneamente polarizada e, por indução elétrica, irá provocar a polarização de uma molécula vizinha (dipolo induzido), resultando uma atração fraca entre ambas.
  • 24. As lagartixas andam nos tetos e nas paredes em virtude das forças de Van der Waals, que dão a aderência entre suas patas e a superfície por onde caminham. E, por imitação, os cientistas já estão tentando criar um produto que pode fazer uma pessoa subir por uma parede.
  • 25. REFERÊNCIAS Ricardo Feltre, Química volume 1 editora moderna 6 ° edição 2004 (forças Intermoleculares). Paulo Cesar, Carlos Magno Física ciência e tecnologia. ( estados da matéria).