SlideShare uma empresa Scribd logo
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 O controle da infecção visa quebrar os elos da 
cadeia agente-transmissão-hospedeiro 
 Não só o paciente mas o profissional de saúde 
ou acompanhante podem contrair uma 
infecção 
 Hospitalização: menor resistência 
 Agente agressores
 MS em 1983 pela portaria 196 tornou 
obrigatória a implantação de CCIH em todos os 
hospitais brasileiros. 
 Em 1997 foi sancionada a Lei n°9431 que 
orienta a obrigatoriedade de manter um 
Programa de Controle de IH 
 A Portaria 2.616/98 traz diretrizes e normas 
para o controle das IH
 Conceito: 
 “É a infecção constatada ou em 
incubação no ato de admissão 
do paciente, desde que não 
relacionada com internação 
anterior no mesmo hospital”.
 São também comunitárias: 
 As infecções associadas a complicações ou extensão 
da infecção já presente na admissão, a menos que 
haja troca de microrganismo ou sinais ou sintomas 
fortemente sugestivo da aquisição de nova infecção. 
 Infecção em recém-nascido, cuja aquisição por via 
transplacentária é conhecida ou foi comprovada e 
que tornou-se evidente logo após o nascimento (até 
48h de vida) 
 São também consideradas comunitárias infecções de 
RN associadas com bolsa rota superior a 24 horas.
 Conceito: 
“Qualquer infecção adquirida após a admissão do 
paciente no hospital que se manifesta durante ou 
após a alta, se puder ser relacionada com a 
internação ou procedimentos hospitalares”. 
 Origem das IH: 
 Flora Endógena (70%) 
 Flora Exógena : ar, água, 
alimentos, artigos hospitalares, 
mãos, vetores
 Paciente: 
 Idade 
 Estado nutricional 
 Neoplasias 
 Alterações bioquímicas e metabólicas 
 Cardiopatias congênitas 
 Queimaduras 
 Doenças Hematopoiéticas 
 Diabetes 
 Insuficiência Renal
 Agressão Diagnostica e Terapêutica: 
 Cateterismo 
 Punção 
 Hemodiálise 
 Intubação 
 Traqueostomia 
 Radioterapia 
 Uso indiscriminado de antibióticos
 Inerentes ao ambiente hospitalar: 
 Ecologia microbiana (resistente) 
 Grande número de pessoas manipulando o 
paciente 
 Falhas na assepsia, desinfecção e esterilização 
 Procedimentos técnicos incorretos
 1- Não evidenciada infecção presente ou 
incubada no momento da admissão 
 2- Infecção adquirida no hospital que se 
torna evidente após a alta hospitalar 
 3- Infecção em RN que resulta da passagem 
através do canal do parto
 Em uma paciente com uma infecção hospitalar 
já diagnosticada, uma nova e diferente 
infecção deve ser suspeita quando: 
 Ocorre o aparecimento de infecção clínica em um 
outro local, ainda que associado ao mesmo 
microorganismo 
 O isolamento da cultura de novos microorganismos
 1. Quando na mesma topografia em que foi 
diagnosticada infecção comunitária for isolado um 
germe diferente, seguido do agravamento das 
condições clínicas do paciente, o caso deverá ser 
considerado como hospitalar. 
 2. Quando se desconhecer o período de incubação 
do microrganismo e não houver evidência clínica 
e/ou dado laboratorial de infecção no momento da 
admissão, considera-se infecção hospitalar toda 
manifestação clínica de infecção que se apresentar 
72 horas após a admissão.
 3. Também são consideradas hospitalares 
aquelas infecções manifestadas antes de se 
completar 72 horas da internação, quando 
associadas a procedimentos invasivos 
diagnósticos e/ou terapêuticos, realizados 
previamente. 
 4. As infecções no RN são hospitalares, com 
exceção das transmitidas de forma 
transplacentária e aquelas associadas a bolsa 
rota superior a 24 horas.
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 Acomete cerca de 2% dos internados 
 Responsável por 35 a 45% das IH 
 Carca de 80% fazem uso de SVD 
 50% tiveram ITU de 10 a 14d após a 
cateterização
 Cateterização 
 Curta duração (até 7 dias) 
 Intermediário (7 a 30 dias) 
 Longa (mais de 1 mês)
 Mulher: 14x mais susceptível que o homem 
 Dificuldade de esvaziar a bexiga, mal formações 
congênitas, fístulas 
 Diabetes Mellitus 
 Cateterização com sistema aberto de drenagem 
 Duração da cateterização 
 Erros na indicação e na técnica de inserção e 
manipulação do cateter
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 A E. coli é o principal agente isolado das 
bacteriúrias hospitalares. 
 Outras bactérias como Pseudomonas 
aeruginosa, Klebsiella pneumoniae e 
Enterococcus sp são agentes comuns de ITU em 
pacientes cateterizados por um curto período 
de tempo (< 7 dias de cateterização). 
 Nas últimas décadas, espécies de Candida vêm 
emergindo como importantes agentes de ITU.
 Os sintomas de ITU hospitalar ocorrem em 
somente 30% das pacientes. 
 Estes podem referir disúria, desconforto 
abdominal, urgência miccional, alteração na 
característica da urina e febre.
 Lavar as mãos antes e após o manuseio do 
sistema coletor 
 Usar, preferencialmente, sistema coletor 
fechado 
 Usar luvas quando do manuseio dos cateteres e 
do sistema 
 Prevenir o refluxo da urina através do cateter, 
usando, preferencialmente, sistema com válvula 
anti-refluxo
 Evitar que o sistema coletor de urina toque o 
chão 
 Indicar criteriosamente a cateterização vesical; 
retirar o cateter o mais precocemente possível 
 Treinar a equipe profissional para a inserção do 
cateter 
 Manter o meato uretral limpo, destacando-se a 
higiene perineal
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 Podem ocorrer em menor número quando 
comparadas a outros sítios como infecção 
urinária, pneumonia e ferida operatória, 
 Porém tanto a gravidade quanto a letalidade 
asssociadas são significativamente maiores(25 a 
50% dos pacientes com o evento).
Port A Cath
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 Os microorganismos das infecções relacionadas ao 
acesso vascular podem se originar : 
 Contaminação do cateter no momento de sua 
inserção 
 Colonização da pele peri-orifício 
 Contaminação do canhão (dispositivo de conexão 
entre o sistema de infusão e o acesso vascular) 
 Contaminação do infundido 
 Contaminação das soluções utilizadas para manter o 
cateter permeável 
 Existência de focos infecciosos à distância, por via 
hematogênica
Intracath
 Diagnóstico da infecção do acesso vascular : 
 Drenagem purulenta no sítio vascular envolvido 
 Existência de um ou mais dos sinais flogísticos locais 
(dor, calor ou eritema), 
 Cultura da ponta distal do cateter 
 Cateteres implantáveis: observa-se eritema, dor, 
enduração e necrose
 Profilaxia das infecções do acesso vascular 
 Técnica asséptica (periférico / implantado) 
 Anti-sepsia local com álcool a 70%. 
 Deve-se averiguar a qualidade do infundido 
 Troca de curativos 
 Cateteres periféricos (adultos) devem ser trocados 
no máximo a cada 72 h 
 Os equipos de cateteres centrais ou periféricos 
devem ser trocados a cada 72 horas.
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 14 e 16% de todas as infecções hospitalares 
 3ª causa mais freqüente de infecção hospitalar 
 Tempo de hospitalização acrescido em média 8 
dias.
 As infecções do sítio cirúrgico devem ser 
diagnosticadas, no máximo, até 30 dias após o 
procedimento, se não houver implantação de 
material protético. 
 Na presença deste, a infecção será considerada 
hospitalar se ocorrer até 1 ano após o ato 
cirúrgico.
 Superficial 
 Profundo 
 Em um órgão/espaço (cavidade)
 As principais fontes de transmissão de 
infecção no paciente no CC: 
 Paciente, 
 Funcionários do CC, 
 Ambiente e 
 Materiais e equipamentos.
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 Entre as três mais importantes causas de IH, 
juntamente com as topografias do sítio cirúrgico 
e do TU 
 É a mais importante causa em pacientes de UTI, 
(10 a 20x mais) 
 Difícil Prevenção e principal causa morte em IH
 Fatores de Risco 
 doença pulmonar crônica; 
 cirurgia torácica ou abdominal superior; 
 pacientes acima de 60 anos; 
 Aspiração de conteúdo gástrico; 
 sonda naso-entérica 
 Antibioticoterapia 
 estado nutricional deficiente; 
 terapia imunossupressora; 
 queda do nível de consciência; 
 depressão dos reflexos das vias aéreas 
 reintubação; 
 intubação de emergência
 Várias são as rotas para que a bactéria possa 
alcançar as vias aéreas inferiores. 
 Bacteremia de uma infecção à distância, 
 Translocação bacteriana (passagem de bactérias a 
partir do lúmen do trato gastrointestinal). 
 Aspiração de aerossóis e/ou gotículas contendo 
bactérias
Diagnóstico 
Prevenção: Medidas Gerais 
 As mãos devem ser lavadas 
 Não administrar antimicrobianos rotineiramente 
 Caso não exista contra-indicação, elevar para 30- 
45° a cabeça 
 Verificar rotineiramente a posição da sonda enteral 
 Antes de manipular o cuff da cânula endotraqueal 
aspire adequadamente as secreções
 Prevenção: Intubação 
 Luvas estéreis, 
 Máscara e 
 Óculos de proteção. 
 Avental (sujidade ou respingos). 
 Evitar a contaminação da cânula antes da 
introdução na orofaringe
 Prevenção:Traqueostomia 
 Técnica asséptica na sala de cirurgia, exceto 
nos casos de urgência. 
 Em caso de troca, usar outra esterilizada, com 
técnica asséptica e luvas estéreis. 
 O curativo da traqueostomia deve ser trocado 
pelo menos diariamente.
 Prevenção:Respiradores em terapia Intensiva 
 Os circuitos respiratórios não devem ser 
trocados em intervalos inferiores a 48h (rotina 
7d). 
 As peças de extensão e conectores avulsos 
devem ser submetidas a desinfecção de alto 
nível ou esterilização
 Prevenção: Equipamentos de Terapia 
respiratória 
 Os nebulizadores, umidificadores e seus 
reservatórios devem ser trocados pelo menos a 
cada 24h e substituídos por outros desinfetados ou 
esterilizados. 
 Os nebulizadores de medicação devem ser 
trocados a cada uso. 
 As soluções usadas no nebulizador e umidificador 
devem ser estéreis e manuseadas assepticamente.
 Prevenção: Aspiração orotraqueal 
 A aspiração deve ser realizada sempre que houver 
necessidade e não a intervalos pré-fixados 
 Usar sondas descartáveis e esterilizadas 
(desprezadas a cada uso) 
 Na necessidade de aspirar a boca do paciente 
intubado, realizar após a aspiração traqueal 
 Os frascos que acondicionam a secreção deverão ser 
lavados diariamente com solução detergente. 
 As extensões dos aspiradores à esterilização na saída 
do paciente.
 Peça semifacial filtrante (PFF)
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 A máscara conhecida como N95 refere-se a 
uma classificação de filtro para aerossóis 
adotada nos EUA e equivale, no Brasil, à PFF2 
ou ao EPR do tipo peça semifacial com filtro 
P2. 
 A PFF2 é recomendada tanto para proteção 
contra aerossóis contendo agentes biológicos 
quanto para proteção contra outros materiais 
particulados
 Para ser comercializado, todo EPI deve ter 
Certificado de Aprovação (CA), emitido pelo 
Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), 
conforme estabelecido na Norma 
Regulamentadora no 06 do MTE. 
 A máscara cirúrgica é uma barreira de uso 
individual que cobre o nariz e a boca. Não tem 
CA pois não é EPI
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 Obrigada!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Ismael Soares
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Uti
UtiUti
Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Aula 01 (4)
Aula 01 (4)Aula 01 (4)
Aula 01 (4)
Nadja Martins
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalar
Naiara Wonghon
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Prevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
Prevenção e Controle de Microrganismo MultirresistentePrevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
Prevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
nuiashrl
 

Mais procurados (20)

Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula 01 (4)
Aula 01 (4)Aula 01 (4)
Aula 01 (4)
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalar
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Prevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
Prevenção e Controle de Microrganismo MultirresistentePrevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
Prevenção e Controle de Microrganismo Multirresistente
 

Destaque

Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Unichristus Centro Universitário
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
Rodrigo Biondi
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalar
guest6fe9cc
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Giovanni Oliveira
 
Tcc infecções hospitalares
Tcc   infecções hospitalaresTcc   infecções hospitalares
Tcc infecções hospitalares
TCC_FARMACIA_FEF
 
Prevenção infecção
Prevenção infecçãoPrevenção infecção
Prevenção infecção
Filipa Santos
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Laíz Coutinho
 
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
2.1   isolamento - módulo controlo de infeção2.1   isolamento - módulo controlo de infeção
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
JoanaSilvaCoelho
 
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo) Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
PCare Fisioterapia
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
sergio oliveira
 
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalarBiofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
Bruna Freitas
 
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinataisAspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
José Luiz
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Aula acesso venoso no recém-nascido
Aula acesso venoso no recém-nascidoAula acesso venoso no recém-nascido
Aula acesso venoso no recém-nascido
FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
PCare Fisioterapia
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalar
PrLinaldo Junior
 
Procedimento De Limpeza
Procedimento De LimpezaProcedimento De Limpeza
Procedimento De Limpeza
paimvv
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
Juliermeson Morais
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
Wheverton Teixeira
 

Destaque (20)

Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Infecção Hospitalar
Infecção HospitalarInfecção Hospitalar
Infecção Hospitalar
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
 
Tcc infecções hospitalares
Tcc   infecções hospitalaresTcc   infecções hospitalares
Tcc infecções hospitalares
 
Prevenção infecção
Prevenção infecçãoPrevenção infecção
Prevenção infecção
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
 
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
2.1   isolamento - módulo controlo de infeção2.1   isolamento - módulo controlo de infeção
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
 
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo) Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
Mecanismos de transmissão (Contato, Gotículas e Aéreo)
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalarBiofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
Biofilmes bacterianos e sua atuação na infecção hospitalar
 
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinataisAspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Assepsia+e
 
Aula acesso venoso no recém-nascido
Aula acesso venoso no recém-nascidoAula acesso venoso no recém-nascido
Aula acesso venoso no recém-nascido
 
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
Porque alguns pacientes ficam em Isolamento, nos hospitais ou em domicílio?
 
Limpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalarLimpeza e desinfecção hospitalar
Limpeza e desinfecção hospitalar
 
Procedimento De Limpeza
Procedimento De LimpezaProcedimento De Limpeza
Procedimento De Limpeza
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 
Biossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúdeBiossegurança nas ações de saúde
Biossegurança nas ações de saúde
 

Semelhante a 2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]

INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
FabianoDoVale
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
WenderSantos21
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
joyce645366
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
jhonas ramos
 
CCIH
CCIH CCIH
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
Eman Lemine
 
03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf
ssuserdfb4b6
 
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptxInfecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
3eMacap
 
Infecão Hospitalar.pptx
Infecão Hospitalar.pptxInfecão Hospitalar.pptx
Infecão Hospitalar.pptx
RAPHAEL369364
 
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensivaMódulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Cláudia Dos Santos Silva
 
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
Jackeline Moraes
 
Bioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIHBioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIH
Marcos Matheus
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
mauromaumau
 
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALARINFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
Franzinha2
 
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Melissa Possa
 
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptxAULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
LourencianneCardoso
 
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitalaPneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
PCare Fisioterapia
 
SBCC 2011
SBCC 2011SBCC 2011
SBCC 2011
CCIH - HSL
 
Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário ppt
Renata Ricciardi
 
Cuidadoscomopacte
CuidadoscomopacteCuidadoscomopacte
Cuidadoscomopacte
Walquiria Ferreira
 

Semelhante a 2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1] (20)

INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
 
CCIH
CCIH CCIH
CCIH
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
 
03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf
 
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptxInfecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
 
Infecão Hospitalar.pptx
Infecão Hospitalar.pptxInfecão Hospitalar.pptx
Infecão Hospitalar.pptx
 
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensivaMódulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
 
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
 
Bioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIHBioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIH
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
 
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALARINFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
 
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
 
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptxAULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
AULA_14_-_INFECCAO__HOSPITALAR.pptx
 
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitalaPneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
 
SBCC 2011
SBCC 2011SBCC 2011
SBCC 2011
 
Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário ppt
 
Cuidadoscomopacte
CuidadoscomopacteCuidadoscomopacte
Cuidadoscomopacte
 

Último

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 

Último (9)

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 

2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]

  • 2.  O controle da infecção visa quebrar os elos da cadeia agente-transmissão-hospedeiro  Não só o paciente mas o profissional de saúde ou acompanhante podem contrair uma infecção  Hospitalização: menor resistência  Agente agressores
  • 3.  MS em 1983 pela portaria 196 tornou obrigatória a implantação de CCIH em todos os hospitais brasileiros.  Em 1997 foi sancionada a Lei n°9431 que orienta a obrigatoriedade de manter um Programa de Controle de IH  A Portaria 2.616/98 traz diretrizes e normas para o controle das IH
  • 4.  Conceito:  “É a infecção constatada ou em incubação no ato de admissão do paciente, desde que não relacionada com internação anterior no mesmo hospital”.
  • 5.  São também comunitárias:  As infecções associadas a complicações ou extensão da infecção já presente na admissão, a menos que haja troca de microrganismo ou sinais ou sintomas fortemente sugestivo da aquisição de nova infecção.  Infecção em recém-nascido, cuja aquisição por via transplacentária é conhecida ou foi comprovada e que tornou-se evidente logo após o nascimento (até 48h de vida)  São também consideradas comunitárias infecções de RN associadas com bolsa rota superior a 24 horas.
  • 6.  Conceito: “Qualquer infecção adquirida após a admissão do paciente no hospital que se manifesta durante ou após a alta, se puder ser relacionada com a internação ou procedimentos hospitalares”.  Origem das IH:  Flora Endógena (70%)  Flora Exógena : ar, água, alimentos, artigos hospitalares, mãos, vetores
  • 7.  Paciente:  Idade  Estado nutricional  Neoplasias  Alterações bioquímicas e metabólicas  Cardiopatias congênitas  Queimaduras  Doenças Hematopoiéticas  Diabetes  Insuficiência Renal
  • 8.  Agressão Diagnostica e Terapêutica:  Cateterismo  Punção  Hemodiálise  Intubação  Traqueostomia  Radioterapia  Uso indiscriminado de antibióticos
  • 9.  Inerentes ao ambiente hospitalar:  Ecologia microbiana (resistente)  Grande número de pessoas manipulando o paciente  Falhas na assepsia, desinfecção e esterilização  Procedimentos técnicos incorretos
  • 10.  1- Não evidenciada infecção presente ou incubada no momento da admissão  2- Infecção adquirida no hospital que se torna evidente após a alta hospitalar  3- Infecção em RN que resulta da passagem através do canal do parto
  • 11.  Em uma paciente com uma infecção hospitalar já diagnosticada, uma nova e diferente infecção deve ser suspeita quando:  Ocorre o aparecimento de infecção clínica em um outro local, ainda que associado ao mesmo microorganismo  O isolamento da cultura de novos microorganismos
  • 12.  1. Quando na mesma topografia em que foi diagnosticada infecção comunitária for isolado um germe diferente, seguido do agravamento das condições clínicas do paciente, o caso deverá ser considerado como hospitalar.  2. Quando se desconhecer o período de incubação do microrganismo e não houver evidência clínica e/ou dado laboratorial de infecção no momento da admissão, considera-se infecção hospitalar toda manifestação clínica de infecção que se apresentar 72 horas após a admissão.
  • 13.  3. Também são consideradas hospitalares aquelas infecções manifestadas antes de se completar 72 horas da internação, quando associadas a procedimentos invasivos diagnósticos e/ou terapêuticos, realizados previamente.  4. As infecções no RN são hospitalares, com exceção das transmitidas de forma transplacentária e aquelas associadas a bolsa rota superior a 24 horas.
  • 16.  Acomete cerca de 2% dos internados  Responsável por 35 a 45% das IH  Carca de 80% fazem uso de SVD  50% tiveram ITU de 10 a 14d após a cateterização
  • 17.  Cateterização  Curta duração (até 7 dias)  Intermediário (7 a 30 dias)  Longa (mais de 1 mês)
  • 18.  Mulher: 14x mais susceptível que o homem  Dificuldade de esvaziar a bexiga, mal formações congênitas, fístulas  Diabetes Mellitus  Cateterização com sistema aberto de drenagem  Duração da cateterização  Erros na indicação e na técnica de inserção e manipulação do cateter
  • 22.  A E. coli é o principal agente isolado das bacteriúrias hospitalares.  Outras bactérias como Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniae e Enterococcus sp são agentes comuns de ITU em pacientes cateterizados por um curto período de tempo (< 7 dias de cateterização).  Nas últimas décadas, espécies de Candida vêm emergindo como importantes agentes de ITU.
  • 23.  Os sintomas de ITU hospitalar ocorrem em somente 30% das pacientes.  Estes podem referir disúria, desconforto abdominal, urgência miccional, alteração na característica da urina e febre.
  • 24.  Lavar as mãos antes e após o manuseio do sistema coletor  Usar, preferencialmente, sistema coletor fechado  Usar luvas quando do manuseio dos cateteres e do sistema  Prevenir o refluxo da urina através do cateter, usando, preferencialmente, sistema com válvula anti-refluxo
  • 25.  Evitar que o sistema coletor de urina toque o chão  Indicar criteriosamente a cateterização vesical; retirar o cateter o mais precocemente possível  Treinar a equipe profissional para a inserção do cateter  Manter o meato uretral limpo, destacando-se a higiene perineal
  • 27.  Podem ocorrer em menor número quando comparadas a outros sítios como infecção urinária, pneumonia e ferida operatória,  Porém tanto a gravidade quanto a letalidade asssociadas são significativamente maiores(25 a 50% dos pacientes com o evento).
  • 30.  Os microorganismos das infecções relacionadas ao acesso vascular podem se originar :  Contaminação do cateter no momento de sua inserção  Colonização da pele peri-orifício  Contaminação do canhão (dispositivo de conexão entre o sistema de infusão e o acesso vascular)  Contaminação do infundido  Contaminação das soluções utilizadas para manter o cateter permeável  Existência de focos infecciosos à distância, por via hematogênica
  • 32.  Diagnóstico da infecção do acesso vascular :  Drenagem purulenta no sítio vascular envolvido  Existência de um ou mais dos sinais flogísticos locais (dor, calor ou eritema),  Cultura da ponta distal do cateter  Cateteres implantáveis: observa-se eritema, dor, enduração e necrose
  • 33.  Profilaxia das infecções do acesso vascular  Técnica asséptica (periférico / implantado)  Anti-sepsia local com álcool a 70%.  Deve-se averiguar a qualidade do infundido  Troca de curativos  Cateteres periféricos (adultos) devem ser trocados no máximo a cada 72 h  Os equipos de cateteres centrais ou periféricos devem ser trocados a cada 72 horas.
  • 35.  14 e 16% de todas as infecções hospitalares  3ª causa mais freqüente de infecção hospitalar  Tempo de hospitalização acrescido em média 8 dias.
  • 36.  As infecções do sítio cirúrgico devem ser diagnosticadas, no máximo, até 30 dias após o procedimento, se não houver implantação de material protético.  Na presença deste, a infecção será considerada hospitalar se ocorrer até 1 ano após o ato cirúrgico.
  • 37.  Superficial  Profundo  Em um órgão/espaço (cavidade)
  • 38.  As principais fontes de transmissão de infecção no paciente no CC:  Paciente,  Funcionários do CC,  Ambiente e  Materiais e equipamentos.
  • 40.  Entre as três mais importantes causas de IH, juntamente com as topografias do sítio cirúrgico e do TU  É a mais importante causa em pacientes de UTI, (10 a 20x mais)  Difícil Prevenção e principal causa morte em IH
  • 41.  Fatores de Risco  doença pulmonar crônica;  cirurgia torácica ou abdominal superior;  pacientes acima de 60 anos;  Aspiração de conteúdo gástrico;  sonda naso-entérica  Antibioticoterapia  estado nutricional deficiente;  terapia imunossupressora;  queda do nível de consciência;  depressão dos reflexos das vias aéreas  reintubação;  intubação de emergência
  • 42.  Várias são as rotas para que a bactéria possa alcançar as vias aéreas inferiores.  Bacteremia de uma infecção à distância,  Translocação bacteriana (passagem de bactérias a partir do lúmen do trato gastrointestinal).  Aspiração de aerossóis e/ou gotículas contendo bactérias
  • 43. Diagnóstico Prevenção: Medidas Gerais  As mãos devem ser lavadas  Não administrar antimicrobianos rotineiramente  Caso não exista contra-indicação, elevar para 30- 45° a cabeça  Verificar rotineiramente a posição da sonda enteral  Antes de manipular o cuff da cânula endotraqueal aspire adequadamente as secreções
  • 44.  Prevenção: Intubação  Luvas estéreis,  Máscara e  Óculos de proteção.  Avental (sujidade ou respingos).  Evitar a contaminação da cânula antes da introdução na orofaringe
  • 45.  Prevenção:Traqueostomia  Técnica asséptica na sala de cirurgia, exceto nos casos de urgência.  Em caso de troca, usar outra esterilizada, com técnica asséptica e luvas estéreis.  O curativo da traqueostomia deve ser trocado pelo menos diariamente.
  • 46.  Prevenção:Respiradores em terapia Intensiva  Os circuitos respiratórios não devem ser trocados em intervalos inferiores a 48h (rotina 7d).  As peças de extensão e conectores avulsos devem ser submetidas a desinfecção de alto nível ou esterilização
  • 47.  Prevenção: Equipamentos de Terapia respiratória  Os nebulizadores, umidificadores e seus reservatórios devem ser trocados pelo menos a cada 24h e substituídos por outros desinfetados ou esterilizados.  Os nebulizadores de medicação devem ser trocados a cada uso.  As soluções usadas no nebulizador e umidificador devem ser estéreis e manuseadas assepticamente.
  • 48.  Prevenção: Aspiração orotraqueal  A aspiração deve ser realizada sempre que houver necessidade e não a intervalos pré-fixados  Usar sondas descartáveis e esterilizadas (desprezadas a cada uso)  Na necessidade de aspirar a boca do paciente intubado, realizar após a aspiração traqueal  Os frascos que acondicionam a secreção deverão ser lavados diariamente com solução detergente.  As extensões dos aspiradores à esterilização na saída do paciente.
  • 49.  Peça semifacial filtrante (PFF)
  • 51.  A máscara conhecida como N95 refere-se a uma classificação de filtro para aerossóis adotada nos EUA e equivale, no Brasil, à PFF2 ou ao EPR do tipo peça semifacial com filtro P2.  A PFF2 é recomendada tanto para proteção contra aerossóis contendo agentes biológicos quanto para proteção contra outros materiais particulados
  • 52.  Para ser comercializado, todo EPI deve ter Certificado de Aprovação (CA), emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), conforme estabelecido na Norma Regulamentadora no 06 do MTE.  A máscara cirúrgica é uma barreira de uso individual que cobre o nariz e a boca. Não tem CA pois não é EPI