SlideShare uma empresa Scribd logo
Aspectos Microbiológicos das IRAS
(infecções relacionadas à assistência a
saúde)
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
Sesab alerta para bactéria resistente a antibióticos detectada em hospitais de
Salvador
Núcleo Estadual de Controle de Infecção ainda fez recomendações para evitar a
contaminação nas unidades de saúde.
Por g1 BA e TV Bahia
10/05/2022 21h00 Atualizado há 8 meses
A Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) alertou para uma bactéria, resistente ao
uso de antibióticos, identificada entre janeiro e março deste ano, em três
hospitais de Salvador.
No entanto, não foram divulgados os nomes das unidades de saúde, nem se os
hospitais fazem parte da rede pública ou privada da capital baiana. O risco de
infecção é apenas para pacientes internados ou equipes que trabalham nas
unidades de saúde. Em geral, a população não é afetada.
Em condições normais, a Enterococus faecium é encontrada no intestino
humano e o tratamento é feito com antibióticos. O problema é quando surge a
resistência aos medicamentos.
"Existe um antibiótico chamado Vancomicina. [O alerta] É importante para que os
hospitais fiquem em alerta para o surgimento de novas cepas. A grande situação
que implica nisso é a possibilidade de que os hospitais possam viver um surto de
Enterococus que são resistentes à Vancomicina", explica o infectologista Antônio
Bandeira.
A preocupação maior, segundo especialistas, é com pacientes internados e com
problemas de imunidade.
"Aumenta a morbidade do paciente, aumenta muitas vezes o tempo de internação
porque ela [a bactéria] pode causar infecção intestinal, urinária, infecção no
sangue, no coração", detalha a médica infectologista Clarissa Cerqueira.
Os cuidados de saúde modernos trouxeram ganhos de saúde sem
precedentes às novas gerações de doentes e seus familiares
Mas todas estas conquistas acarretam riscos
associados, sendo um dos mais importantes a
infecção.
• Segundo a Organização Mundial da Saúde as IRAS constituem hoje
uma epidemia silenciosa. Dados da OMS mostram que cerca de 234
milhões de pacientes são operados por ano em todo o mundo. Destes,
um milhão morre em decorrência de infecções hospitalares e sete
milhões apresentam complicações no pós operatório.
• Nos EUA e Europa, os estudos apontam para uma prevalência de 5 a
10 % de infecções em doentes hospitalizados. Estima-se que haverá
aproximadamente 3 milhões de casos identificados anualmente com
50.000 mortes relacionadas.
• A nível nacional, estima-se que a taxa de infecções hospitalares
atinja14% - 15,5% das internações.
Afinal o que é infecção hospitalar ou
IRAS?
Considera-se IRAS a infecção adquirida durante
a hospitalização e que não estava presente, e
nem em período de incubação por ocasião da
admissão do paciente. São diagnosticadas, em
geral, A PARTIR DE 72 HORAS após a
internação.
Também são consideradas hospitalares
aquelas infecções manifestadas antes de 72
horas de internação quando associadas a
procedimentos diagnósticos e/ou
terapêuticos realizados.
Qualquer tipo de infecção adquirida após a
entrada do paciente em um hospital ou após a
sua alta quando essa infecção estiver
diretamente relacionada com a internação ou
procedimento hospitalar.
Portaria 2.616/1998 – Ministério da Saúde
 Anos 60 – Surge o termo Infecção Hospitalar, em artigos publicados.
Anos 70 – Primeiras CCIH, nos hospitais: Ernesto Dornelles (Porto Alegre – RS),
HC-USP (São Paulo –SP), HC-UFPe (Recife – Pe), Hospital Ipanema (Rio de Janeiro
–RJ).
1976 – Ordem de Serviço MPAS/SAM 3924/76 : CCIH em todos os seus
hospitais.
 1978 – Tradução e publicação do Manual de Controle de Infecção em
Pacientes Cirúrgicos.
1982 – Manual de Controle de Infecção em Cirurgia. Edmundo Machado
Ferraz, com apoio do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
1983 – Grupo de Trabalho (GT) interministerial -> Portaria MS 196 : CCIH em
todos os hospitais. Elaboração pelo MS de um Manual de CIH.
CONTROLE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES NO BRASIL
1984 – Curso Internacional sobre CIH com apoio do CDC e da OPS. Material
instrucional (10 fascículos) para treinamento dos profissionais de saúde em CIH.
 1985 – Morte do Pres. Tancredo Neves. Criação pelo MS dos Centros de
Treinamento (CT) em CIH.
1989 – Primeiro Congresso Brasileiro em CIH, organizado pela Associação
Paulista de Estudos em Controle de Infecção Hospitalar (APECIH).
 1991 – 48 CTs em todo País -> 10 000 profissionais treinados em CIH.
 1992 – Revoga a Portaria MS 196 e cria normas para o controle de IH.
 1998 – Portaria 2.616 – Ministério da Saúde => define as atribuições da CCIH
 1999 – PNCIH na ANVISA/MS.
CONTROLE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES NO BRASIL
O diagnóstico de infecção hospitalar - critérios técnicos:
 72 horas após a internação ou 72 horas antes se associada a procedimento hospitalar:
Observação direta do paciente ou análise de seu prontuário.
Resultados de exames de laboratório (antes e após a suspeita).
 Os pacientes transferidos de outro hospital: considerados portadores de infecção
hospitalar do seu hospital de origem.
As infecções de recém-nascidos são infecções hospitalares, com exceção das
transmitidas pela placenta ou das associadas a ruptura prematura da bolsa superior a 24
horas.
As IH podem ser adquiridas a partir de:
 Fonte exógena – infecção cruzada ou a partir do ambiente;
 Fonte endógena – auto infecção – a partir de outro sítio no mesmo paciente.
Infecção incubada em um paciente no momento da admissão não é IH;
Infecções adquiridas na comunidade e disseminadas no ambiente nosocomial
são IH para outros pacientes e para o staff do hospital
Muitas vezes a IH torna-se óbvia quando o paciente ainda está hospitalizado,
mas algumas vezes não é reconhecida até que o paciente tenha alta
Alta precoce visando a redução de custos, contribui para as infecções
não reconhecidas
Por outro lado, o tempo reduzido de internação no período pós-
operatório pode diminuir a chance de IH.
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
Infecção hospitalar
Infecções hospitalares mais comuns
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
Fluido
contaminado
Colonização na
entrada
Microbiota do
operador
Microbiota da
pele do
paciente
Infecção local
Contaminação
na inserção
Disseminação
através da corrente
sanguínea
Bactéria
Infecções hospitalares mais comuns :
 Infecções de trato urinário;
 Infecções de feridas operatórias;
 Infecções respiratórias;
 Bacteremias e infecções cutâneas
As bacteremias podem ser:
Primárias – consequência da inoculação direta dos microrganismos no
sangue.
Ex. cateteres, instrumental pérfuro-cortantes, liquidos contaminados...
 Secundárias – evolução de infecções previamente estabelecidas.
Ex. ITU, infecções respiratórias, infecções de feridas...
INFECÇÕES HOSPITALARES MAIS COMUNS
ETIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Quase todos os microrganismos podem estar associados a IH, embora
infecções por protozoários sejam raras.
O perfil etiológico tem modificado com o passar do tempo, refletindo os
avanços da ciência => desenvolvimento de agentes antimicrobianos:
Era pré-antimicrobiana: principalmente cocos Gram-positivos (Staphylococcus
aureus e Streptococcus pyogenes); bastonetes Gram-negativos entéricos
(Escherichia coli) e não fermentadores e (Pseudomonas aeruginosa);
Após a década de 40 - uso sistemático de antimicrobianos => seleção de
microrganismos mais resistentes.
ETIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
 Bactérias
 Bactérias Gram-positivas multirresistentes:
 Staphylococcus aureus
 Staphylococcus spp. coagulase negativo
 Enterococcus spp.
 Bactérias Gram-negativas multirresistentes entéricas:
 Klebsiella,
 Enterobacter,
 Bactérias Gram-negativas multirresistentes não fermentadoras:
 Pseudomonas,
 Burkholderia,
 Acinetobacter.
 Fungos
 Vírus associados a surtos hospitalares (pacientes e profissionais de saúde)
 Aeromonas,
 Serratia,
 Citrobacter,
 Proteus,
 Providencia,
 Morganella.
FONTES E VIAS DE DISSEMINAÇÃO DE IHs
 Humana – pessoal da área de saúde (PAS), pacientes e visitantes:
 Pessoas doentes;
 Doentes assintomáticos em período de incubação;
 Portadores sadios
•O manuseio dos artigos e equipamentos médico-
hospitalares pelo PAS requer que cada procedimento seja
acompanhado de adoção de medidas de proteção em
relação à natureza do risco ao qual o profissional se expõe.
•Durante a execução das suas atividades, os funcionários
estão sujeitos a contaminação com partículas de saliva,
secreções corporais de pacientes e pessoas que transitam
pelo local.
- Transmissão dos agentes infecciosos para outros
colegas;
- Transmissão para familiares e a comunidade fora
do ambiente de trabalho.
FONTES E VIAS DE DISSEMINAÇÃO DE IHS
 Ambiental – fômites, equipamentos, insumos, alimentos água ou ar
 Vetores:
 Formigas
 Pássaros
 Baratas
 Moscas e mosquitos
 Ectoparasitas (pulgas e carrapatos)
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
CONSEQUENCIAS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
 IHs afetam tanto o paciente quanto a comunidade => saúde pública
Podem resultar em:
 Doença grave ou morte;
 Internação prolongada:
 Custo,
 Privação de trabalho para o paciente e sua família.
 Terapia antimicrobiana adicional:
 Custo,
 Toxicidade,
 Pressão seletiva
 Paciente torna-se uma fonte de infecção
 Disseminação intra-hospitalar e comunitária de microrganismos
PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR
Controle da população microbiana no instrumental médico-hospitalar, nos insumos
(medicamentos, fluidos intravenosos, hemoderivados) alimentos e nos fômites.
 Prevenção de contato e avaliação de saúde dos funcionários;
 Controle da transmissão aérea de patógenos: sistemas de ventilação e fluxo de ar,
isolamento dos pacientes doentes e susceptíveis => arquitetura hospitalar;
 Facilitação do comportamento asséptico:
 Serviço de higiene e limpeza;
 Lavagem de mãos:
 Antes de procedimentos para os quais luvas são necessárias;
 Após contato com paciente;
 Após contato com material infectante ou fluidos e secreções
Educação continuada, cursos de treinamento e capacitação do PAS
PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR
Aumentar resistência do hospedeiro com reforço da imunidade e da redução de fatores
de risco:
 Reforço específico da imunidade pela imunização ativa ou passiva;
 Uso racional de antibióticos profiláticos;
 Cuidados com dispositivos invasivos que interferem com as defesas naturais;
 Atenção aos riscos que predispõem à infecção no pós-operatório:
 Tempo de permanência no pós-operatório;
 Tratamento de infecções intercorrentes antes da cirurgia;
 Duração da cirurgia;
 Debridamento adequado dos tecidos necrosados;
 Boas técnicas de enfermagem e fisioterapia:
o Prevenção de úlceras de pressão e de estase
(lesões de pele causadas pela interrupção sanguínea em determinadas áreas devido a pressão
aumentada ou áreas de pele muito seca nos membros inferiores, associadas a insuficiência vascular)
INVESTIGAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH
 Estudo, implementação e monitoramento de políticas e procedimentos:
 Rotinas de cuidados com cateter,
 Uso de antibióticos e desinfetantes,
 Acidentes por exposição a pérfuro-cortantes,
 Acidentes por respingo de secreções,
 Coleta e transporte de espécimes biológicos,
 Serviços de alimentação e hotelaria.
 Investigação de surtos
 Identificação microbiana,
 Tipagem epidemiológica,
 Educação continuada e fiscalização das práticas médicas e de
enfermagem.
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
Soraya Lima
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
Viviane da Silva
 
03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf
ssuserdfb4b6
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Aula limpeza hospitalar
Aula limpeza hospitalarAula limpeza hospitalar
Aula limpeza hospitalar
LucianoArraes
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
Bianca Mota Machado Araújo
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Limpeza hospitalar
Limpeza hospitalarLimpeza hospitalar
Limpeza hospitalar
0100100100
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
Jonathan Sampaio
 
Unidade do paciente
Unidade do pacienteUnidade do paciente
Unidade do paciente
Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Bioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIHBioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIH
Marcos Matheus
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
2.1   isolamento - módulo controlo de infeção2.1   isolamento - módulo controlo de infeção
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
JoanaSilvaCoelho
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
Adriana Silva
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Viviane da Silva
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Ismael Soares
 
Ccih
CcihCcih
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf03 Prevenção Infecção.pdf
03 Prevenção Infecção.pdf
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Aula limpeza hospitalar
Aula limpeza hospitalarAula limpeza hospitalar
Aula limpeza hospitalar
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Limpeza hospitalar
Limpeza hospitalarLimpeza hospitalar
Limpeza hospitalar
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Unidade do paciente
Unidade do pacienteUnidade do paciente
Unidade do paciente
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Bioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIHBioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIH
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
2.1   isolamento - módulo controlo de infeção2.1   isolamento - módulo controlo de infeção
2.1 isolamento - módulo controlo de infeção
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
 
Ccih
CcihCcih
Ccih
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 

Semelhante a INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx

INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALARINFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
Franzinha2
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
WenderSantos21
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
Eman Lemine
 
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúdeIntroduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Mônica Santos Braga
 
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
Cosmo Palasio
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
joyce645366
 
Infecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptxInfecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptx
AdilelsonJnior
 
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensivaMódulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Cláudia Dos Santos Silva
 
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
PriscilaGodim1
 
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Cintia Do Nascimento Batista
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Conceicao Cavalcante
 
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptxInfecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
3eMacap
 
Biossegurança (2)
Biossegurança (2)Biossegurança (2)
Biossegurança (2)
Marcilene Onorio
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
jhonas ramos
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
Alex Eduardo Ribeiro
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
Alex Eduardo Ribeiro
 
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de MaioInfecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Leticiasilveira2015
 
IH 15 maio
IH 15 maioIH 15 maio
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de MaioInfecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Leticiasilveira2015
 

Semelhante a INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx (20)

INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALARINFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
INFECÇÃO HOSPITALAR IRAS CCIH AMBIENTE HOSPITALAR
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
 
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúdeIntroduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
 
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
Acidente com material perfurocortante [modo de compatibilidade]
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
 
Infecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptxInfecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptx
 
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensivaMódulo 4   prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
Módulo 4 prevenção de infecções em unidade de terapia intensiva
 
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
BIOSSEGURANÇA APLICADA A SAUDE - AULA 07
 
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
Aula+2+estratégias+para+prevenção+da+transmissão+de+infecções 1
 
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...Módulo 1   legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
Módulo 1 legislação e programa de prevenção e controle de infecção hospital...
 
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptxInfecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
Infecções hospitalares no centro cirúrgico.pptx
 
Biossegurança (2)
Biossegurança (2)Biossegurança (2)
Biossegurança (2)
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de MaioInfecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
 
IH 15 maio
IH 15 maioIH 15 maio
IH 15 maio
 
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de MaioInfecção Hospitalar - 15 de Maio
Infecção Hospitalar - 15 de Maio
 

Mais de FabianoDoVale

bioética aula 2.2.pdf
bioética aula 2.2.pdfbioética aula 2.2.pdf
bioética aula 2.2.pdf
FabianoDoVale
 
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptxBIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
FabianoDoVale
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
FabianoDoVale
 
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptxPPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
FabianoDoVale
 
A 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptxA 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptx
FabianoDoVale
 
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptxSISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
FabianoDoVale
 
MICRO 01.pptx
MICRO 01.pptxMICRO 01.pptx
MICRO 01.pptx
FabianoDoVale
 
EMPATIA COMPARTILHAR.pptx
EMPATIA COMPARTILHAR.pptxEMPATIA COMPARTILHAR.pptx
EMPATIA COMPARTILHAR.pptx
FabianoDoVale
 
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptx
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptxEducação para o Trabalho ENVIAR.pptx
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptx
FabianoDoVale
 
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptxEDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
FabianoDoVale
 
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptxEDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
FabianoDoVale
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptxA 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
FabianoDoVale
 
BIOETICA 02 02.pdf
BIOETICA 02 02.pdfBIOETICA 02 02.pdf
BIOETICA 02 02.pdf
FabianoDoVale
 
BIOETICA 02 01.pdf
BIOETICA 02 01.pdfBIOETICA 02 01.pdf
BIOETICA 02 01.pdf
FabianoDoVale
 

Mais de FabianoDoVale (15)

bioética aula 2.2.pdf
bioética aula 2.2.pdfbioética aula 2.2.pdf
bioética aula 2.2.pdf
 
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptxBIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
BIOSSEGURANÇA EM SAUDE AULA 07 (1).pptx
 
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptxBIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
BIOSSEGURANÇA AULA 01 (2).pptx
 
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptxPPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
 
A 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptxA 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptx
 
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptxSISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
SISTEMA MUSCULA POSTAR.pptx
 
MICRO 01.pptx
MICRO 01.pptxMICRO 01.pptx
MICRO 01.pptx
 
EMPATIA COMPARTILHAR.pptx
EMPATIA COMPARTILHAR.pptxEMPATIA COMPARTILHAR.pptx
EMPATIA COMPARTILHAR.pptx
 
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptx
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptxEducação para o Trabalho ENVIAR.pptx
Educação para o Trabalho ENVIAR.pptx
 
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptxEDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
 
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptxEDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
EDT CHAVE - COMPARTILHAR.pptx
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptxA 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
 
BIOETICA 02 02.pdf
BIOETICA 02 02.pdfBIOETICA 02 02.pdf
BIOETICA 02 02.pdf
 
BIOETICA 02 01.pdf
BIOETICA 02 01.pdfBIOETICA 02 01.pdf
BIOETICA 02 01.pdf
 

INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx

  • 1. Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde)
  • 3. Sesab alerta para bactéria resistente a antibióticos detectada em hospitais de Salvador Núcleo Estadual de Controle de Infecção ainda fez recomendações para evitar a contaminação nas unidades de saúde. Por g1 BA e TV Bahia 10/05/2022 21h00 Atualizado há 8 meses A Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) alertou para uma bactéria, resistente ao uso de antibióticos, identificada entre janeiro e março deste ano, em três hospitais de Salvador. No entanto, não foram divulgados os nomes das unidades de saúde, nem se os hospitais fazem parte da rede pública ou privada da capital baiana. O risco de infecção é apenas para pacientes internados ou equipes que trabalham nas unidades de saúde. Em geral, a população não é afetada. Em condições normais, a Enterococus faecium é encontrada no intestino humano e o tratamento é feito com antibióticos. O problema é quando surge a resistência aos medicamentos.
  • 4. "Existe um antibiótico chamado Vancomicina. [O alerta] É importante para que os hospitais fiquem em alerta para o surgimento de novas cepas. A grande situação que implica nisso é a possibilidade de que os hospitais possam viver um surto de Enterococus que são resistentes à Vancomicina", explica o infectologista Antônio Bandeira. A preocupação maior, segundo especialistas, é com pacientes internados e com problemas de imunidade. "Aumenta a morbidade do paciente, aumenta muitas vezes o tempo de internação porque ela [a bactéria] pode causar infecção intestinal, urinária, infecção no sangue, no coração", detalha a médica infectologista Clarissa Cerqueira.
  • 5. Os cuidados de saúde modernos trouxeram ganhos de saúde sem precedentes às novas gerações de doentes e seus familiares Mas todas estas conquistas acarretam riscos associados, sendo um dos mais importantes a infecção.
  • 6. • Segundo a Organização Mundial da Saúde as IRAS constituem hoje uma epidemia silenciosa. Dados da OMS mostram que cerca de 234 milhões de pacientes são operados por ano em todo o mundo. Destes, um milhão morre em decorrência de infecções hospitalares e sete milhões apresentam complicações no pós operatório. • Nos EUA e Europa, os estudos apontam para uma prevalência de 5 a 10 % de infecções em doentes hospitalizados. Estima-se que haverá aproximadamente 3 milhões de casos identificados anualmente com 50.000 mortes relacionadas. • A nível nacional, estima-se que a taxa de infecções hospitalares atinja14% - 15,5% das internações. Afinal o que é infecção hospitalar ou IRAS?
  • 7. Considera-se IRAS a infecção adquirida durante a hospitalização e que não estava presente, e nem em período de incubação por ocasião da admissão do paciente. São diagnosticadas, em geral, A PARTIR DE 72 HORAS após a internação. Também são consideradas hospitalares aquelas infecções manifestadas antes de 72 horas de internação quando associadas a procedimentos diagnósticos e/ou terapêuticos realizados.
  • 8. Qualquer tipo de infecção adquirida após a entrada do paciente em um hospital ou após a sua alta quando essa infecção estiver diretamente relacionada com a internação ou procedimento hospitalar. Portaria 2.616/1998 – Ministério da Saúde
  • 9.  Anos 60 – Surge o termo Infecção Hospitalar, em artigos publicados. Anos 70 – Primeiras CCIH, nos hospitais: Ernesto Dornelles (Porto Alegre – RS), HC-USP (São Paulo –SP), HC-UFPe (Recife – Pe), Hospital Ipanema (Rio de Janeiro –RJ). 1976 – Ordem de Serviço MPAS/SAM 3924/76 : CCIH em todos os seus hospitais.  1978 – Tradução e publicação do Manual de Controle de Infecção em Pacientes Cirúrgicos. 1982 – Manual de Controle de Infecção em Cirurgia. Edmundo Machado Ferraz, com apoio do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 1983 – Grupo de Trabalho (GT) interministerial -> Portaria MS 196 : CCIH em todos os hospitais. Elaboração pelo MS de um Manual de CIH. CONTROLE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES NO BRASIL
  • 10. 1984 – Curso Internacional sobre CIH com apoio do CDC e da OPS. Material instrucional (10 fascículos) para treinamento dos profissionais de saúde em CIH.  1985 – Morte do Pres. Tancredo Neves. Criação pelo MS dos Centros de Treinamento (CT) em CIH. 1989 – Primeiro Congresso Brasileiro em CIH, organizado pela Associação Paulista de Estudos em Controle de Infecção Hospitalar (APECIH).  1991 – 48 CTs em todo País -> 10 000 profissionais treinados em CIH.  1992 – Revoga a Portaria MS 196 e cria normas para o controle de IH.  1998 – Portaria 2.616 – Ministério da Saúde => define as atribuições da CCIH  1999 – PNCIH na ANVISA/MS. CONTROLE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES NO BRASIL
  • 11. O diagnóstico de infecção hospitalar - critérios técnicos:  72 horas após a internação ou 72 horas antes se associada a procedimento hospitalar: Observação direta do paciente ou análise de seu prontuário. Resultados de exames de laboratório (antes e após a suspeita).  Os pacientes transferidos de outro hospital: considerados portadores de infecção hospitalar do seu hospital de origem. As infecções de recém-nascidos são infecções hospitalares, com exceção das transmitidas pela placenta ou das associadas a ruptura prematura da bolsa superior a 24 horas.
  • 12. As IH podem ser adquiridas a partir de:  Fonte exógena – infecção cruzada ou a partir do ambiente;  Fonte endógena – auto infecção – a partir de outro sítio no mesmo paciente. Infecção incubada em um paciente no momento da admissão não é IH; Infecções adquiridas na comunidade e disseminadas no ambiente nosocomial são IH para outros pacientes e para o staff do hospital Muitas vezes a IH torna-se óbvia quando o paciente ainda está hospitalizado, mas algumas vezes não é reconhecida até que o paciente tenha alta Alta precoce visando a redução de custos, contribui para as infecções não reconhecidas Por outro lado, o tempo reduzido de internação no período pós- operatório pode diminuir a chance de IH.
  • 17. Fluido contaminado Colonização na entrada Microbiota do operador Microbiota da pele do paciente Infecção local Contaminação na inserção Disseminação através da corrente sanguínea Bactéria
  • 18. Infecções hospitalares mais comuns :  Infecções de trato urinário;  Infecções de feridas operatórias;  Infecções respiratórias;  Bacteremias e infecções cutâneas As bacteremias podem ser: Primárias – consequência da inoculação direta dos microrganismos no sangue. Ex. cateteres, instrumental pérfuro-cortantes, liquidos contaminados...  Secundárias – evolução de infecções previamente estabelecidas. Ex. ITU, infecções respiratórias, infecções de feridas... INFECÇÕES HOSPITALARES MAIS COMUNS
  • 19. ETIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES Quase todos os microrganismos podem estar associados a IH, embora infecções por protozoários sejam raras. O perfil etiológico tem modificado com o passar do tempo, refletindo os avanços da ciência => desenvolvimento de agentes antimicrobianos: Era pré-antimicrobiana: principalmente cocos Gram-positivos (Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes); bastonetes Gram-negativos entéricos (Escherichia coli) e não fermentadores e (Pseudomonas aeruginosa); Após a década de 40 - uso sistemático de antimicrobianos => seleção de microrganismos mais resistentes.
  • 20. ETIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES  Bactérias  Bactérias Gram-positivas multirresistentes:  Staphylococcus aureus  Staphylococcus spp. coagulase negativo  Enterococcus spp.  Bactérias Gram-negativas multirresistentes entéricas:  Klebsiella,  Enterobacter,  Bactérias Gram-negativas multirresistentes não fermentadoras:  Pseudomonas,  Burkholderia,  Acinetobacter.  Fungos  Vírus associados a surtos hospitalares (pacientes e profissionais de saúde)  Aeromonas,  Serratia,  Citrobacter,  Proteus,  Providencia,  Morganella.
  • 21. FONTES E VIAS DE DISSEMINAÇÃO DE IHs  Humana – pessoal da área de saúde (PAS), pacientes e visitantes:  Pessoas doentes;  Doentes assintomáticos em período de incubação;  Portadores sadios •O manuseio dos artigos e equipamentos médico- hospitalares pelo PAS requer que cada procedimento seja acompanhado de adoção de medidas de proteção em relação à natureza do risco ao qual o profissional se expõe. •Durante a execução das suas atividades, os funcionários estão sujeitos a contaminação com partículas de saliva, secreções corporais de pacientes e pessoas que transitam pelo local. - Transmissão dos agentes infecciosos para outros colegas; - Transmissão para familiares e a comunidade fora do ambiente de trabalho.
  • 22. FONTES E VIAS DE DISSEMINAÇÃO DE IHS  Ambiental – fômites, equipamentos, insumos, alimentos água ou ar  Vetores:  Formigas  Pássaros  Baratas  Moscas e mosquitos  Ectoparasitas (pulgas e carrapatos)
  • 26. CONSEQUENCIAS DAS INFECÇÕES HOSPITALARES  IHs afetam tanto o paciente quanto a comunidade => saúde pública Podem resultar em:  Doença grave ou morte;  Internação prolongada:  Custo,  Privação de trabalho para o paciente e sua família.  Terapia antimicrobiana adicional:  Custo,  Toxicidade,  Pressão seletiva  Paciente torna-se uma fonte de infecção  Disseminação intra-hospitalar e comunitária de microrganismos
  • 27. PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR Controle da população microbiana no instrumental médico-hospitalar, nos insumos (medicamentos, fluidos intravenosos, hemoderivados) alimentos e nos fômites.  Prevenção de contato e avaliação de saúde dos funcionários;  Controle da transmissão aérea de patógenos: sistemas de ventilação e fluxo de ar, isolamento dos pacientes doentes e susceptíveis => arquitetura hospitalar;  Facilitação do comportamento asséptico:  Serviço de higiene e limpeza;  Lavagem de mãos:  Antes de procedimentos para os quais luvas são necessárias;  Após contato com paciente;  Após contato com material infectante ou fluidos e secreções Educação continuada, cursos de treinamento e capacitação do PAS
  • 28. PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR Aumentar resistência do hospedeiro com reforço da imunidade e da redução de fatores de risco:  Reforço específico da imunidade pela imunização ativa ou passiva;  Uso racional de antibióticos profiláticos;  Cuidados com dispositivos invasivos que interferem com as defesas naturais;  Atenção aos riscos que predispõem à infecção no pós-operatório:  Tempo de permanência no pós-operatório;  Tratamento de infecções intercorrentes antes da cirurgia;  Duração da cirurgia;  Debridamento adequado dos tecidos necrosados;  Boas técnicas de enfermagem e fisioterapia: o Prevenção de úlceras de pressão e de estase (lesões de pele causadas pela interrupção sanguínea em determinadas áreas devido a pressão aumentada ou áreas de pele muito seca nos membros inferiores, associadas a insuficiência vascular)
  • 29. INVESTIGAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH  Estudo, implementação e monitoramento de políticas e procedimentos:  Rotinas de cuidados com cateter,  Uso de antibióticos e desinfetantes,  Acidentes por exposição a pérfuro-cortantes,  Acidentes por respingo de secreções,  Coleta e transporte de espécimes biológicos,  Serviços de alimentação e hotelaria.  Investigação de surtos  Identificação microbiana,  Tipagem epidemiológica,  Educação continuada e fiscalização das práticas médicas e de enfermagem.