SlideShare uma empresa Scribd logo
OXIGENIOTERAPIAOXIGENIOTERAPIA
(fonte : POP ENFERMAGEM HGV 2012, Manual Procedimentos
padrão do Corem DF 2012, Manual do Técnico de Enfermagem)
PROFESSOR : ALEXANDRE
oxigenioterapiaoxigenioterapia
Definição
oferta de uma concentração de oxigênio inspirado
maior que 21%
78% NITROGÊNIO
21% OXIGÊNIO
1% OUTROS GASES
oxigenioterapiaoxigenioterapia
metabolismo
1- Respiração X Oxigenação
Vias aéreas permeáveis, SNC íntegro,bomba
cardíaca normal, pulmão funcionante,
caixa torácica e diafragma
íntegros,volume circulante, hemoglobina
normais, microcirculação aberta
oxigenioterapiaoxigenioterapia
metabolismo
2 - Transporte
Plasma : 100 ml = 0,3 ml O2
Hemoglobina : 100 ml plasma = 20 ml O2
oxigenioterapiaoxigenioterapia
metabolismo
3 - Metabolismo Oxidativo Celular
1 mol de glicose :
Aeróbio - 38 moles de ATP
Anaeróbio - 2 moles de ATP
Diminuição de Oxigênio no Organismo
Queda do PH - inibição das atividades metabólicas
SNC - congestão + diminuição fluxo sang. + aumento de
permeabilidade = lesão neuronal + edema cerebral
oxigenioterapiaoxigenioterapia
definições importantes
Saturação de O2 : quantidade de O2 na Hb
comparada à quantidade presente se Hb estivesse
totalmente saturada.
normal no Rn - 85 a 95 %.
normal adulto - acima de 90%
Fração inspirada de O2 : % de O2 ambiental
Fio2 = 20 + 4 x O2 ofertado
Catéter nasal 2 l/min.
FiO2= ( 20 + 4x2 ) = 28%.
 
Máscara facial 5 l/min.
FiO2=( 20 + 4x5 ) = 40%
oxigenioterapiaoxigenioterapia
formas de oferta de oxigênio
cateter em  nasofaringe : 6 a 8 lpm de O2  -  40 
a 50 % FiO2
máscaras  :  6 a 12 lpm de O2  -  35 a 60 % de 
FiO2
incubadoras  :  40 ou 90 % de FiO2 - hood 
pronga nasal  :  método Gregory ( até 100 %)
IOT  +  ventilação mecânica
métodos  ventilatórios  :  ventilação  líquida,  jatos 
de altíssima  freqüência, outros
câmaras hiperbáricas
circulação extra corpórea
Valores Normais de uma Gasometria Arterial
são:
pH - 7,35 a 7,45
PO2 - 80 a 100 mmHg
PCO2 - 35 a 45 mmHg
HCO3 - 22 a 28 mEq/L (mile equivalentes)
SatO2 - >95%
Sist. de baixo fluxo: cateter nasal, cateter nasofaríngeo, máscaras para
NBZ.
Sist. de alto fluxo: máscara de Venturi.
Sist. de umidificação: umidificadores de ambiente.
Sist. de nebulização: NBZ pneumático, ultra-sônico, micro-
nebulizador.
Meios de administração de oxigênio:
Máscara de Venturi
Cateter nasal
Traqueostomia
Tubo T
Tenda de oxigênio/HOOD
Máscara facial
Máscara de oxigênio
Máscara laríngea
Tubo endotraqueal (TOT/TNT)
CATÉTER NASOFARÍNGEO
Material
- catéter estéril de 8 a 12;
frasco umidificador de bolhas estéril; extensão de borracha; fluxômetro calibrado
para rede de oxigênio; esparadrapo; gaze com lubrificante; 50ml de água destilada
esterilizada. Este meio fornece uma quantidade moderada de oxigênio (20 a 28%)
com um fluxo de 1 a 8 litros por minuto.
Procedimento
- instalar o fluxômetro na rede de Oxigênio e testá-lo;
- colocar a água destilada esterilizada no copo do umidificador, fechar e
conectá-lo ao fluxômetro;
- conectar a extensão plástica ao umidificador;
- identificá-lo com etiqueta (data, horário e volume de água);
- medir o catéter do início do canal auditivo à ponta do nariz, marcar com
adesivo;
- lubrificar o catéter e introduzí-lo em uma das narinas, até
aproximadamente 2 cm antes da marca do adesivo;
- conectar o catéter à extensão;
- abrir e regular o fluxômetro (conforme prescrição);
Trocar o catéter diariamente, rodiziando as narinas.
Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs.
Máscara de Venturi
A máscara de Venturi fornece uma concentração de oxigênio de 24% a
50% FiO2. O fluxo geralmente utilizado é de 4 a 12 litros por minuto,
conectada diretamente a rede de O2. Com umidificador usa-se
15L/min.
TRAQUEOSTOMIA
É utilizado com freqüência para pacientes que estão sendo
retirados do respirador mecânico.
Vantagens:
É muito bem tolerado e permite ajuste adequado de umidade.
Desvantagens:
Se administrado em temperatura inadequada (concentrador de
oxigênio) pode provocar queimadura
TUBO T
Geralmente utilizado para fornecer mistura de ar/oxigênio altamente
umidificado, por meio de traqueostomia ou tubo endotraqueal.
Vantagens:
A concentração de oxigênio e a umidade podem ser reajustadas a todo momento S/N.
Desvantagens:
Se houver obstrução da via de saída do ar, poderá ocorrer um barotrauma.
FiO2 estimada = FiO2 atmosfera + 4 x O2 ofertado
Ex: 21 + 4 x 3 = 33%
Tenda de Oxigênio/Capacete de Oxigênio/HOOD
Fornece uma concentração de oxigênio muito variável e não muito
alta, sendo geralmente indicado para recém-nascidos (HOOD).
Vantagens:
Fornece uma atmosfera fresca e úmida.
Desvantagens:
A concentração de oxigênio cai para valores de ar ambiente, toda
vez que se abre a tenda.
Máscara Facial de oxigênio
Dispositivo aberto, de plástico, adaptado à frente do rosto e apoiado no
queixo. Fornece grande quantidade de umidade, porém pequena de
oxigênio.
Vantagens:
É de fácil utilização, é bem tolerada e é útil para administrar oxigênio
com alta umidade.
Desvantagens:
Intolerância por parte de alguns pacientes
Pode exercer pressão sobre partes ósseas
Deixa a face frequentemente úmida.
Máscara Nasal
Máscara de oxigênio tipo ambú (Respirador mecânico)
Dispositivo de borracha que se ajusta firmemente, envolvendo nariz e
boca, geralmente adaptada ao Ambú (sistema bolsa-máscara).
Fornece alta concentração de oxigênio (90 a 95%) com fluxo de 8 L/min.
Vantagens:
É leve e fácil de usar
Proporciona umidade adequada e alta concentração de oxigênio.
Desvantagens:
As mesmas da máscara facial de oxigênio (vedação)
 Máscara Laríngea (ML)
É um tubo semicurvo que forma uma vedação na entrada da laringe,
é simples e atraumática sua colocação. Meio eficaz para ventilação
espontânea ou controlada.
É uma alternativa a intubação orotraqueal difícil, anestesia e
reanimação, não necessita de laringoscópio para sua inserção, tem
tamanhos variados (prematuro ao adulto), máscara descartável e
reutilizável (que pode ser esterilizada)
Tubo endotraqueal (TOT/TNT)
Intubação endotraqueal é a introdução de um tubo através do nariz,
boca ou incisão cirúrgica, em direção a traquéia do paciente.
Indicações
Manutenção de oxigenação adequada
Proteção das vias respiratórias
Acesso para aspiração de secreções pulmonares
Insuficiência respiratória
Conexão a um ventilador mecânico
Material para a intubação endotraqueal
Material para paramentação
Laringoscópio completo
Tubo endotraqueal
Lubrificante hidrossolúvel
Guia de intubação ou pinça Magil
Seringa de 10 ou 20 ml
Cadarço de fixação
Cânula de Guedel
Luva estéril
Ambú
Estetoscópio
Material para aspiração de secreção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
Luciane Santana
 
Oxigenoterapia 1
Oxigenoterapia 1Oxigenoterapia 1
Oxigenoterapia 1
Anne Immesi
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Oxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirinoOxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirino
Conceição Quirino
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
resenfe2013
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
gengelaOliveira
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Janderson Physios
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Avaliação Respiratória
Avaliação RespiratóriaAvaliação Respiratória
Avaliação Respiratória
resenfe2013
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 

Mais procurados (20)

Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
 
Oxigenoterapia 1
Oxigenoterapia 1Oxigenoterapia 1
Oxigenoterapia 1
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Oxigenioterapia
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Oxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirinoOxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirino
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Avaliação Respiratória
Avaliação RespiratóriaAvaliação Respiratória
Avaliação Respiratória
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 

Semelhante a Oxigenoterapia

Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
LarissaSousa17469
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
GlriaBorges3
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adultoequipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
DanteLandim
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
LuzzyLeite
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
RayaneCristina40
 
Oxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).pptOxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).ppt
cursoenfermagemtecni
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Natha Fisioterapia
 
Ventilação travamento akira
Ventilação travamento akiraVentilação travamento akira
Ventilação travamento akira
Marco Da Silva Pacheco
 
Vmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo iVmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo i
terezinha1932
 
Vmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo iVmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo i
terezinha1932
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Giza Carla Nitz
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 

Semelhante a Oxigenoterapia (20)

Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adultoequipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
equipamentos da fisher&paykel toda a grade adulto
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Oxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).pptOxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).ppt
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
 
Ventilação travamento akira
Ventilação travamento akiraVentilação travamento akira
Ventilação travamento akira
 
Vmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo iVmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo i
 
Vmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo iVmatempofigueiredo i
Vmatempofigueiredo i
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 

Mais de Alexandre Donha

Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
Alexandre Donha
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
Alexandre Donha
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
Alexandre Donha
 
Ovace
OvaceOvace
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
Alexandre Donha
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
Alexandre Donha
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Alexandre Donha
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Alexandre Donha
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Alexandre Donha
 
Questões aula 1
Questões aula 1Questões aula 1
Questões aula 1
Alexandre Donha
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
Alexandre Donha
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
Alexandre Donha
 

Mais de Alexandre Donha (17)

Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1
 
Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8
 
Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7
 
Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Questões aula 1
Questões aula 1Questões aula 1
Questões aula 1
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
 

Oxigenoterapia

  • 1. OXIGENIOTERAPIAOXIGENIOTERAPIA (fonte : POP ENFERMAGEM HGV 2012, Manual Procedimentos padrão do Corem DF 2012, Manual do Técnico de Enfermagem) PROFESSOR : ALEXANDRE
  • 2. oxigenioterapiaoxigenioterapia Definição oferta de uma concentração de oxigênio inspirado maior que 21% 78% NITROGÊNIO 21% OXIGÊNIO 1% OUTROS GASES
  • 3. oxigenioterapiaoxigenioterapia metabolismo 1- Respiração X Oxigenação Vias aéreas permeáveis, SNC íntegro,bomba cardíaca normal, pulmão funcionante, caixa torácica e diafragma íntegros,volume circulante, hemoglobina normais, microcirculação aberta
  • 4. oxigenioterapiaoxigenioterapia metabolismo 2 - Transporte Plasma : 100 ml = 0,3 ml O2 Hemoglobina : 100 ml plasma = 20 ml O2
  • 5. oxigenioterapiaoxigenioterapia metabolismo 3 - Metabolismo Oxidativo Celular 1 mol de glicose : Aeróbio - 38 moles de ATP Anaeróbio - 2 moles de ATP Diminuição de Oxigênio no Organismo Queda do PH - inibição das atividades metabólicas SNC - congestão + diminuição fluxo sang. + aumento de permeabilidade = lesão neuronal + edema cerebral
  • 6. oxigenioterapiaoxigenioterapia definições importantes Saturação de O2 : quantidade de O2 na Hb comparada à quantidade presente se Hb estivesse totalmente saturada. normal no Rn - 85 a 95 %. normal adulto - acima de 90% Fração inspirada de O2 : % de O2 ambiental Fio2 = 20 + 4 x O2 ofertado
  • 7. Catéter nasal 2 l/min. FiO2= ( 20 + 4x2 ) = 28%.   Máscara facial 5 l/min. FiO2=( 20 + 4x5 ) = 40%
  • 8. oxigenioterapiaoxigenioterapia formas de oferta de oxigênio cateter em  nasofaringe : 6 a 8 lpm de O2  -  40  a 50 % FiO2 máscaras  :  6 a 12 lpm de O2  -  35 a 60 % de  FiO2 incubadoras  :  40 ou 90 % de FiO2 - hood  pronga nasal  :  método Gregory ( até 100 %) IOT  +  ventilação mecânica métodos  ventilatórios  :  ventilação  líquida,  jatos  de altíssima  freqüência, outros câmaras hiperbáricas circulação extra corpórea
  • 9. Valores Normais de uma Gasometria Arterial são: pH - 7,35 a 7,45 PO2 - 80 a 100 mmHg PCO2 - 35 a 45 mmHg HCO3 - 22 a 28 mEq/L (mile equivalentes) SatO2 - >95%
  • 10. Sist. de baixo fluxo: cateter nasal, cateter nasofaríngeo, máscaras para NBZ. Sist. de alto fluxo: máscara de Venturi. Sist. de umidificação: umidificadores de ambiente. Sist. de nebulização: NBZ pneumático, ultra-sônico, micro- nebulizador.
  • 11. Meios de administração de oxigênio: Máscara de Venturi Cateter nasal Traqueostomia Tubo T Tenda de oxigênio/HOOD Máscara facial Máscara de oxigênio Máscara laríngea Tubo endotraqueal (TOT/TNT)
  • 12. CATÉTER NASOFARÍNGEO Material - catéter estéril de 8 a 12; frasco umidificador de bolhas estéril; extensão de borracha; fluxômetro calibrado para rede de oxigênio; esparadrapo; gaze com lubrificante; 50ml de água destilada esterilizada. Este meio fornece uma quantidade moderada de oxigênio (20 a 28%) com um fluxo de 1 a 8 litros por minuto.
  • 13. Procedimento - instalar o fluxômetro na rede de Oxigênio e testá-lo; - colocar a água destilada esterilizada no copo do umidificador, fechar e conectá-lo ao fluxômetro; - conectar a extensão plástica ao umidificador; - identificá-lo com etiqueta (data, horário e volume de água); - medir o catéter do início do canal auditivo à ponta do nariz, marcar com adesivo; - lubrificar o catéter e introduzí-lo em uma das narinas, até aproximadamente 2 cm antes da marca do adesivo; - conectar o catéter à extensão; - abrir e regular o fluxômetro (conforme prescrição); Trocar o catéter diariamente, rodiziando as narinas. Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs.
  • 14. Máscara de Venturi A máscara de Venturi fornece uma concentração de oxigênio de 24% a 50% FiO2. O fluxo geralmente utilizado é de 4 a 12 litros por minuto, conectada diretamente a rede de O2. Com umidificador usa-se 15L/min.
  • 15. TRAQUEOSTOMIA É utilizado com freqüência para pacientes que estão sendo retirados do respirador mecânico. Vantagens: É muito bem tolerado e permite ajuste adequado de umidade. Desvantagens: Se administrado em temperatura inadequada (concentrador de oxigênio) pode provocar queimadura
  • 16. TUBO T Geralmente utilizado para fornecer mistura de ar/oxigênio altamente umidificado, por meio de traqueostomia ou tubo endotraqueal. Vantagens: A concentração de oxigênio e a umidade podem ser reajustadas a todo momento S/N. Desvantagens: Se houver obstrução da via de saída do ar, poderá ocorrer um barotrauma. FiO2 estimada = FiO2 atmosfera + 4 x O2 ofertado Ex: 21 + 4 x 3 = 33%
  • 17. Tenda de Oxigênio/Capacete de Oxigênio/HOOD Fornece uma concentração de oxigênio muito variável e não muito alta, sendo geralmente indicado para recém-nascidos (HOOD). Vantagens: Fornece uma atmosfera fresca e úmida. Desvantagens: A concentração de oxigênio cai para valores de ar ambiente, toda vez que se abre a tenda.
  • 18. Máscara Facial de oxigênio Dispositivo aberto, de plástico, adaptado à frente do rosto e apoiado no queixo. Fornece grande quantidade de umidade, porém pequena de oxigênio. Vantagens: É de fácil utilização, é bem tolerada e é útil para administrar oxigênio com alta umidade. Desvantagens: Intolerância por parte de alguns pacientes Pode exercer pressão sobre partes ósseas Deixa a face frequentemente úmida.
  • 20. Máscara de oxigênio tipo ambú (Respirador mecânico) Dispositivo de borracha que se ajusta firmemente, envolvendo nariz e boca, geralmente adaptada ao Ambú (sistema bolsa-máscara). Fornece alta concentração de oxigênio (90 a 95%) com fluxo de 8 L/min. Vantagens: É leve e fácil de usar Proporciona umidade adequada e alta concentração de oxigênio. Desvantagens: As mesmas da máscara facial de oxigênio (vedação)
  • 21.  Máscara Laríngea (ML) É um tubo semicurvo que forma uma vedação na entrada da laringe, é simples e atraumática sua colocação. Meio eficaz para ventilação espontânea ou controlada. É uma alternativa a intubação orotraqueal difícil, anestesia e reanimação, não necessita de laringoscópio para sua inserção, tem tamanhos variados (prematuro ao adulto), máscara descartável e reutilizável (que pode ser esterilizada)
  • 22. Tubo endotraqueal (TOT/TNT) Intubação endotraqueal é a introdução de um tubo através do nariz, boca ou incisão cirúrgica, em direção a traquéia do paciente. Indicações Manutenção de oxigenação adequada Proteção das vias respiratórias Acesso para aspiração de secreções pulmonares Insuficiência respiratória Conexão a um ventilador mecânico Material para a intubação endotraqueal Material para paramentação Laringoscópio completo Tubo endotraqueal Lubrificante hidrossolúvel Guia de intubação ou pinça Magil Seringa de 10 ou 20 ml Cadarço de fixação Cânula de Guedel Luva estéril Ambú Estetoscópio Material para aspiração de secreção