SlideShare uma empresa Scribd logo
VENTILAÇÃO MECÂNICA
NÃO INVASIVA
Universidade do Estado do Pará
Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde
Curso de Fisioterapia
Disciplina Fisioterapia em UTI
Msc. Fábio Falcão
fabiofalcao29@yahoo.com.br
Forma de suporte ventilatório que não necessita de entubação
orotraqueal, sendo a interface paciente/ventilador geralmente
uma máscara facial ou nasal.
Conceito
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Tem sido observado um incremento do seu uso nas UTI’s:
↓ Complicações quando comparada à entubação;
↓ Morbimortalidade;
↓ Tempo de internação hospitalar;
Manutenção fisiológica da fonação, expectoração e deglutição;
Introdução
Ppositiva fornece ajuda aos músculos respiratórios »»» vence
componentes resistivos/elásticos »»» ↑VC e melhora ventilação alv
»»» ↓ hipoventilação e do ↓ trabalho ventilatório;
Por meio da Peep, tem-se ↑Palv e ↑Ptranspulmonar (Ptp=PAlv-Ppl) »»»
reversão atelectasia »»» reversão shunt e das áreas de ↓V/Q, além de
melhora da hipoxemia;
Ptransp exerce a força que mantém o parênquima expandido.
Melhora da difusão do O2 no edema agudo de pulmão de origem
cardiogênica (redistribuição do líquido alv)
Efeitos fisiológicos
Quando o paciente apresentar pelo menos 02 dos
seguintes critérios:
DR acompanhado de dispneia severa/moderada, fazendo uso de
musculatura acessória da respiração;
Acidose hipercápnica (PaCO2>45mmHg; pH= 7,10 a 7,35;
FR > 25 irpm;
Indicação
1. Critérios absolutos:
Glasglow < 10 (encefalopatia severa);
APACHE II de entrada < 15;
Paciente não cooperativo;
Hemorragia digestiva alta;
Cirurgia facial recente e/ou Trauma craniofacial;
Risco de broncoaspiração e/ou Incapacidade de tossir;
Anormalidades anatômicas nasofaríngeas;
Exclusão
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Deve ser ajustada perfeitamente ao rosto do paciente com boa
hermeticidade, SEM PRODUZIR LESÕES.
A oclusão da máscara facial pode seguir o esquema abaixo:
Nunca ocorrerá escape de ar em torno da máscara qdo Poclusão>0.
Interface
Poclusão máscara = Pfixação máscara – Pproximal VA
Vazamento de ar em torno da máscara conduz a um déficit no
auxílio à ventilação pulmonar e uma interferência no disparo e na
ciclagem do ventilador (qdo se utiliza PS em ventiladores
convencionais) com consequente assincronia pcte/ventilador.
Por outro lado, o aumento exagerado da Pfixação máscara pode levar a
um maior risco de lesão facial (pp na base do nariz) e maior
desconforto.
Interface
Pfixação máscara > 25 cmH20, ultrapassa a pressão de perfusão capilar da
pele, aumentando o risco de isquemia local e ulceração.
Deve-se manter um equilíbrio entra a P fixação máscara e a Pproximal VA
(pressão aplicada pelo ventilador).
Atualmente existem diversos modelos de interface para a aplicação
da VNI: dispositivos bucais, prong nasal, mascara nasal e facial,
mascara facial total, sistema Helmet.
Interface
Ventilação Mecânica Não Invasiva
1. Modos de VNI:
a. Ventilação controlada (CV)
b. Ventilação assisto-controlada (ACV);
c. Ventilação espontânea assistida (PSV);
d. Pressão contínua de vias aéreas (CPAP);
e. Suporte pressórico binível (Binível);
f. Ventilação assistida proporcional (PAV).
Escolha do ventilador e modo ventilatório
2. Tipos de aparelhos que permitem os modos:
a. Gerador de fluxo (CPAP);
b. Ventilador mecânico convencional (CV, ACV, PSV, CPAP,
PAV);
c. Ventilador mecânico com módulo de interface não invasiva
(CV, ACV, PSV, CPAP, PAV);
d. Ventilador de não invasiva (Binível, PAV, CPAP).
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Geradores de fluxo (CPAP):
Mecanismo: Criam um ↑fluxo cte a partir do O2 da rede/cilindro e
do ar atmosférico que é conduzido ao pcte por um circuito/ramo
único conectado a uma máscara, a qual possui uma saída de ar
conectada a uma válvula de resistência graduada em cmH2O (Peep).
A concentração de O2 pode ser conhecida se conectado um
analisador da concentração de gases em série com o circuito.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Fluxo ar
Válvula
PEEP
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Forma de RESPIRAÇÃO ESPONTÂNEA que não existe disparo ou
ciclagem, pois a VENTILAÇÃO É TOTALMENTE CONTROLADA
PELO PACIENTE e os músculos respiratórios são ativados e podem
inclusive fadigar em determinadas condições agudas.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Os benefícios do CPAP estão relacionados ao
↑ pressão intratorácica (estabilização de VA’s e alvéolos, troca
gasosa mais efetiva);
Melhora da complacência pulmonar;
↓ Raw de VA’s (↓ trabalho dos músculos respiratórios);
↓ Pré carga, devido ↓ do retorno venoso;
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Ventilador mecânico convencional:
Podem ser usados para realizarem VNI a partir de uma
interface não invasiva, utilizando-se das modalidades
comumente conhecidas como a pressão controlada, volume
controlado ou PSV.
PSV é a modalidade mais utilizada na prática, pois favorece
uma melhor sincronia paciente/ventilador.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Mecanismo da PSV:
Pelo ajuste da sensibilidade, o ventilador reconhece o esforço
muscular do paciente »»» abertura da válvula inspiratória do
ventilador »»» envia uma pressão constante que se soma à pressão
muscular gerada pelo pcte »»» vencem os componentes resistidos
e elásticos do sistema respiratório »»» garantindo a ventilação.
À medida que a inspiração transcorre »»» ↓fluxo de ar enviado ao
pcte até que se finde a inspiração (ciclagem).
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Mecanismo modo pressão assisto-controlada:
Mecanismo de funcionamento é o mesmo da PSV, mas a
ciclagem é a tempo, ou seja, a Pressão determinada pelo
fisioterapeuta se mantém cte até o término do tempo
inspiratório programado.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Obs1: Os benefícios da PSV e Pressão controlada está no
nível pressórico enviado ao pcte que ↓ o trabalho dos
músculos respiratórios.
Obs2: Escape de ar compromete o funcionamento da PSV:
Não permite pressurização adequada do sistema respiratório;
Prolonga o Ti da máquina »»» assincronia pacte/ventilador.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Ventilador mecânico com módulo de interface não
invasiva:
Ventiladores mais modernos;
Conseguem compensar certo escape de ar e reduzir as
assincronias e, portanto, melhor adaptação do paciente ao
ventilador;
Alguns permitem no display o ajuste da interface ventilatória,
TOT ou máscara.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Ventiladores específicos para VNI:
Comumente usados para tratar a apneia obstrutiva do sono,
pctes domiciliares (Ex: Dças neurodegenerativas - ELA), etc...
Exemplo: Binível (BIPAP®)
A suplementação de O2 em uma parte desses aparelhos é
realizada sem precisão da FiO2, pois não possuem um blender;
Escolha do ventilador e modo ventilatório
Ventilação Mecânica Não Invasiva
A maioria disponibiliza 03 modos ventilatórios:
a. Modo espontâneo: disparo realizado exclusivamente pelo pcte;
b. Modo espontâneo/tempo: uma FR e o Ti são ajustados como
segurança para garantir a ventilação;
c. Modo tempo: semelhante ao modo controlado do ventilador
convencional, onde o disparo é determinado somente pelo
ajuste da FR, a ciclagem pelo ajuste do Ti e o esforço muscular
do pcte ñ é reconhecido.
Escolha do ventilador e modo ventilatório
São oferecidos 02 níveis pressóricos constantes:
IPAP – Inspiratory Positive Airway Pressure: Nível pressórico liberado
durante a detecção de um esforço muscular do pcte ou com um critério
de tempo;
EPAP – Expiratory Positive Airway Pressure : Nível pressórico enviado qdo
os critérios de ciclagem são atingidos;
A queda do fluxo no sistema é a forma mais comum de ciclagem;
EPAP < IPAP para criar uma ∆P que é a variação de suporte
oferecida ao pcte para vencer os componentes elásticos e resistidos;
Binível (BIPAP®)
Monitorização pcte:
• PA/ Sinais de perfusão periférica
• FC, FR, AP.
• Sinais de esforço respiratório (mm acessórios/respiração paradoxal)
• Gases arteriais, SpO2 (oximetria)
• Oriente o pacte qto aos objetivos da VNI e posicione -o em fowler acima 30º
• Limpe a pele da face e adapte à interface mais adequada já conectado a rede de O2 assegurando
SpO2> 90%;
• Utilize um sistema binivelado (PSV) iniciando com PS/IPAP entre 8 e 12 cmH2O e PEEP/EPAP
entre 3 e 5 cmH2O.
• IR hipoxêmica • IR hipercápnica
• PS/IPAP: Incremente a pressão de acordo
com a FR, m. acessório, dispneia, sincronia
resp (conforto)
• PEEP/EPAP: a partir de 10cmH2O
assegurando melhor SpO2 c menor FiO2
• PS/IPAP: Incremente a pressão de acordo
com a FR, m. acessório, dispneia, sincronia
resp (conforto)
• PEEP/EPAP: entre 5 e 8 cmH2O. Verifique se
o conforto foi alcançado.
• Nova avaliação pós 1h
• Ñ houve melhora clínica: IOT + VMI
• Houve melhora: manter VNI + intercalar
com resp. espontânea a cada 2hs.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
Anestesiador
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Joseir Saturnino
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
Instituto Consciência GO
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Iapes Ensino
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
José Alexandre Pires de Almeida
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
José Alexandre Pires de Almeida
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
Mariana Biason
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Mayara Rodrigues
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 

Mais procurados (20)

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1
Aula vm 1
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 

Destaque

Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Felipe Patrocínio
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
Natha Fisioterapia
 
Vni nas dnm
Vni nas dnmVni nas dnm
Vni nas dnm
ruiantoninho
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
ctisaolucascopacabana
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
Alexandre Donha
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
galegoo
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 
Jr vni
Jr vniJr vni
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultosAplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
Ventilação mecanica
Ventilação mecanicaVentilação mecanica
Ventilação mecanica
Juninho Spina
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
Ventilação mecânica parte 3
Ventilação mecânica parte 3Ventilação mecânica parte 3
Ventilação mecânica parte 3
Grupo Ivan Ervilha
 
Ventilação mecânica parte 2
Ventilação mecânica parte 2Ventilação mecânica parte 2
Ventilação mecânica parte 2
Grupo Ivan Ervilha
 
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação MecânicaPrevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Proqualis
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Proqualis
 

Destaque (19)

Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
 
Vni nas dnm
Vni nas dnmVni nas dnm
Vni nas dnm
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Jr vni
Jr vniJr vni
Jr vni
 
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultosAplicabilidade de vni em pacientes adultos
Aplicabilidade de vni em pacientes adultos
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Ventilação mecanica
Ventilação mecanicaVentilação mecanica
Ventilação mecanica
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Ventilação mecânica parte 3
Ventilação mecânica parte 3Ventilação mecânica parte 3
Ventilação mecânica parte 3
 
Ventilação mecânica parte 2
Ventilação mecânica parte 2Ventilação mecânica parte 2
Ventilação mecânica parte 2
 
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação MecânicaPrevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
 
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânicaAula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
Aula prevenção de pneumonias relacionadas à ventilação mecânica
 

Semelhante a Ventilação Mecânica Não Invasiva

Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
ctisaolucascopacabana
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
NaldoCastro7
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Vm
VmVm
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
RenataFernandez12
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
Roberto Mendes
 
Liga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia IntensivaLiga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia Intensiva
Fabiano Cabral de Andrade
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
JooSouza139
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
LuizPiedade1
 
PEEP-ZEEP.pptx
PEEP-ZEEP.pptxPEEP-ZEEP.pptx
PEEP-ZEEP.pptx
Carlos Daniel Insfran
 

Semelhante a Ventilação Mecânica Não Invasiva (20)

Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Vm
VmVm
Vm
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 
Liga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia IntensivaLiga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia Intensiva
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
 
PEEP-ZEEP.pptx
PEEP-ZEEP.pptxPEEP-ZEEP.pptx
PEEP-ZEEP.pptx
 

Ventilação Mecânica Não Invasiva

  • 1. VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA Universidade do Estado do Pará Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina Fisioterapia em UTI Msc. Fábio Falcão fabiofalcao29@yahoo.com.br
  • 2. Forma de suporte ventilatório que não necessita de entubação orotraqueal, sendo a interface paciente/ventilador geralmente uma máscara facial ou nasal. Conceito
  • 4. Tem sido observado um incremento do seu uso nas UTI’s: ↓ Complicações quando comparada à entubação; ↓ Morbimortalidade; ↓ Tempo de internação hospitalar; Manutenção fisiológica da fonação, expectoração e deglutição; Introdução
  • 5. Ppositiva fornece ajuda aos músculos respiratórios »»» vence componentes resistivos/elásticos »»» ↑VC e melhora ventilação alv »»» ↓ hipoventilação e do ↓ trabalho ventilatório; Por meio da Peep, tem-se ↑Palv e ↑Ptranspulmonar (Ptp=PAlv-Ppl) »»» reversão atelectasia »»» reversão shunt e das áreas de ↓V/Q, além de melhora da hipoxemia; Ptransp exerce a força que mantém o parênquima expandido. Melhora da difusão do O2 no edema agudo de pulmão de origem cardiogênica (redistribuição do líquido alv) Efeitos fisiológicos
  • 6. Quando o paciente apresentar pelo menos 02 dos seguintes critérios: DR acompanhado de dispneia severa/moderada, fazendo uso de musculatura acessória da respiração; Acidose hipercápnica (PaCO2>45mmHg; pH= 7,10 a 7,35; FR > 25 irpm; Indicação
  • 7. 1. Critérios absolutos: Glasglow < 10 (encefalopatia severa); APACHE II de entrada < 15; Paciente não cooperativo; Hemorragia digestiva alta; Cirurgia facial recente e/ou Trauma craniofacial; Risco de broncoaspiração e/ou Incapacidade de tossir; Anormalidades anatômicas nasofaríngeas; Exclusão
  • 9. Deve ser ajustada perfeitamente ao rosto do paciente com boa hermeticidade, SEM PRODUZIR LESÕES. A oclusão da máscara facial pode seguir o esquema abaixo: Nunca ocorrerá escape de ar em torno da máscara qdo Poclusão>0. Interface Poclusão máscara = Pfixação máscara – Pproximal VA
  • 10. Vazamento de ar em torno da máscara conduz a um déficit no auxílio à ventilação pulmonar e uma interferência no disparo e na ciclagem do ventilador (qdo se utiliza PS em ventiladores convencionais) com consequente assincronia pcte/ventilador. Por outro lado, o aumento exagerado da Pfixação máscara pode levar a um maior risco de lesão facial (pp na base do nariz) e maior desconforto. Interface
  • 11. Pfixação máscara > 25 cmH20, ultrapassa a pressão de perfusão capilar da pele, aumentando o risco de isquemia local e ulceração. Deve-se manter um equilíbrio entra a P fixação máscara e a Pproximal VA (pressão aplicada pelo ventilador). Atualmente existem diversos modelos de interface para a aplicação da VNI: dispositivos bucais, prong nasal, mascara nasal e facial, mascara facial total, sistema Helmet. Interface
  • 13. 1. Modos de VNI: a. Ventilação controlada (CV) b. Ventilação assisto-controlada (ACV); c. Ventilação espontânea assistida (PSV); d. Pressão contínua de vias aéreas (CPAP); e. Suporte pressórico binível (Binível); f. Ventilação assistida proporcional (PAV). Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 14. 2. Tipos de aparelhos que permitem os modos: a. Gerador de fluxo (CPAP); b. Ventilador mecânico convencional (CV, ACV, PSV, CPAP, PAV); c. Ventilador mecânico com módulo de interface não invasiva (CV, ACV, PSV, CPAP, PAV); d. Ventilador de não invasiva (Binível, PAV, CPAP). Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 15. Geradores de fluxo (CPAP): Mecanismo: Criam um ↑fluxo cte a partir do O2 da rede/cilindro e do ar atmosférico que é conduzido ao pcte por um circuito/ramo único conectado a uma máscara, a qual possui uma saída de ar conectada a uma válvula de resistência graduada em cmH2O (Peep). A concentração de O2 pode ser conhecida se conectado um analisador da concentração de gases em série com o circuito. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 18. Forma de RESPIRAÇÃO ESPONTÂNEA que não existe disparo ou ciclagem, pois a VENTILAÇÃO É TOTALMENTE CONTROLADA PELO PACIENTE e os músculos respiratórios são ativados e podem inclusive fadigar em determinadas condições agudas. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 19. Os benefícios do CPAP estão relacionados ao ↑ pressão intratorácica (estabilização de VA’s e alvéolos, troca gasosa mais efetiva); Melhora da complacência pulmonar; ↓ Raw de VA’s (↓ trabalho dos músculos respiratórios); ↓ Pré carga, devido ↓ do retorno venoso; Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 20. Ventilador mecânico convencional: Podem ser usados para realizarem VNI a partir de uma interface não invasiva, utilizando-se das modalidades comumente conhecidas como a pressão controlada, volume controlado ou PSV. PSV é a modalidade mais utilizada na prática, pois favorece uma melhor sincronia paciente/ventilador. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 22. Mecanismo da PSV: Pelo ajuste da sensibilidade, o ventilador reconhece o esforço muscular do paciente »»» abertura da válvula inspiratória do ventilador »»» envia uma pressão constante que se soma à pressão muscular gerada pelo pcte »»» vencem os componentes resistidos e elásticos do sistema respiratório »»» garantindo a ventilação. À medida que a inspiração transcorre »»» ↓fluxo de ar enviado ao pcte até que se finde a inspiração (ciclagem). Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 23. Mecanismo modo pressão assisto-controlada: Mecanismo de funcionamento é o mesmo da PSV, mas a ciclagem é a tempo, ou seja, a Pressão determinada pelo fisioterapeuta se mantém cte até o término do tempo inspiratório programado. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 24. Obs1: Os benefícios da PSV e Pressão controlada está no nível pressórico enviado ao pcte que ↓ o trabalho dos músculos respiratórios. Obs2: Escape de ar compromete o funcionamento da PSV: Não permite pressurização adequada do sistema respiratório; Prolonga o Ti da máquina »»» assincronia pacte/ventilador. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 25. Ventilador mecânico com módulo de interface não invasiva: Ventiladores mais modernos; Conseguem compensar certo escape de ar e reduzir as assincronias e, portanto, melhor adaptação do paciente ao ventilador; Alguns permitem no display o ajuste da interface ventilatória, TOT ou máscara. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 26. Ventiladores específicos para VNI: Comumente usados para tratar a apneia obstrutiva do sono, pctes domiciliares (Ex: Dças neurodegenerativas - ELA), etc... Exemplo: Binível (BIPAP®) A suplementação de O2 em uma parte desses aparelhos é realizada sem precisão da FiO2, pois não possuem um blender; Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 28. A maioria disponibiliza 03 modos ventilatórios: a. Modo espontâneo: disparo realizado exclusivamente pelo pcte; b. Modo espontâneo/tempo: uma FR e o Ti são ajustados como segurança para garantir a ventilação; c. Modo tempo: semelhante ao modo controlado do ventilador convencional, onde o disparo é determinado somente pelo ajuste da FR, a ciclagem pelo ajuste do Ti e o esforço muscular do pcte ñ é reconhecido. Escolha do ventilador e modo ventilatório
  • 29. São oferecidos 02 níveis pressóricos constantes: IPAP – Inspiratory Positive Airway Pressure: Nível pressórico liberado durante a detecção de um esforço muscular do pcte ou com um critério de tempo; EPAP – Expiratory Positive Airway Pressure : Nível pressórico enviado qdo os critérios de ciclagem são atingidos; A queda do fluxo no sistema é a forma mais comum de ciclagem; EPAP < IPAP para criar uma ∆P que é a variação de suporte oferecida ao pcte para vencer os componentes elásticos e resistidos; Binível (BIPAP®)
  • 30. Monitorização pcte: • PA/ Sinais de perfusão periférica • FC, FR, AP. • Sinais de esforço respiratório (mm acessórios/respiração paradoxal) • Gases arteriais, SpO2 (oximetria) • Oriente o pacte qto aos objetivos da VNI e posicione -o em fowler acima 30º • Limpe a pele da face e adapte à interface mais adequada já conectado a rede de O2 assegurando SpO2> 90%; • Utilize um sistema binivelado (PSV) iniciando com PS/IPAP entre 8 e 12 cmH2O e PEEP/EPAP entre 3 e 5 cmH2O. • IR hipoxêmica • IR hipercápnica • PS/IPAP: Incremente a pressão de acordo com a FR, m. acessório, dispneia, sincronia resp (conforto) • PEEP/EPAP: a partir de 10cmH2O assegurando melhor SpO2 c menor FiO2 • PS/IPAP: Incremente a pressão de acordo com a FR, m. acessório, dispneia, sincronia resp (conforto) • PEEP/EPAP: entre 5 e 8 cmH2O. Verifique se o conforto foi alcançado. • Nova avaliação pós 1h • Ñ houve melhora clínica: IOT + VMI • Houve melhora: manter VNI + intercalar com resp. espontânea a cada 2hs.