SlideShare uma empresa Scribd logo
Ventilação Mecânica para
Enfermeiros
Acácio Bernardino | Abílio Cardoso Teixeira | Fábio Vieira | Paula Meireis | Rui Pereira (curso_ci@sci.com.pt)
Ventilação Mecânica
Ventilação Mecânica
Conteúdo Diapositivo
Ventilação Invasiva
História
VM: Objectivos/ Princípios
Modos de VMI
Efeitos Adversos
Monitorização
Cuidados de Enfermagem
Desmame ventilatório
Casos Práticos
Ventilação Não Invasiva
Benefícios
Indicações/ Contra-indicações
Complicações
Limitações
Papel de Enfermagem4
Ventilação Mecânica - E agora?
 O Ventilador é um “bicho de 7 cabeças”?
 Apenas é possível aplicar VM a um doente com TOT?
 Só é possível aplicar VMI a doentes sedados?
 Ventilação não invasiva é considerada Ventilação Mecânica?
 O ventilador está a alarmar, o que está a acontecer?
 Como Enfermeiros, teremos que estar atentos, somente, às
informações do ventilador?
5
História
 1as referências: história bíblica e egípcia (Cawley, 2007).
 No entanto, a referência mais crível no que à respiração artificial concerne surge com
Galeno (175 AC): uso de um fole para insuflar os pulmões de um animal morto.
 Séculos XIV-XIX: experimentam respiração artificial (Versalius, Hooke, Tossach,
Priestley, Brodie e Dalziel), expondo as base da ventilação mecânica prática.
 Pulmão de aço (desenvolvido por Dalziel em 1838 e melhorado por Bebedor e Shaw
em 1929): eficácia como forma não-invasiva de ventilação mecânica de pacientes
com vias aéreas normais, como aqueles com poliomielite.
ccat.sas.upenn.edu
6
 Avanços Tecnológicos:
Pulmowrap (J. H. Emerson Co, Cambridge, MA)
e Hayek Oscillator (Breasy Medical Equipment Ltd., Londres)
 1960-70: ventilador ciclado por volume e dois dispositivos de ciclagem por pressão,
incluindo os ventiladores Bennett e Bird: parâmetros rudimentares, adequados às
exigências ventilatórias básicas.
 Inicio da década de 70: Ohio 560 e Bennett MA-I – controlados electronicamente
(selecção de modo de ventilação, fácil leitura dos painéis informativos, fracção exacta
de oxigénio inspirado (FiO2), "respiração de suspiro fisiológica”, PEEP e sistemas
sonoros de alarme.
 Novos ventiladores
História
7
Ventilação Invasiva
Ir para:
Sumário
VI
VNI
Casos Práticos
Indicações
 Reanimação devido à paragem cardio-
respiratória;
 Hipoventilação e Apneia;
 Insuficiência respiratória devido a
doença pulmonar intrínseca e
hipoxémia ;
 Falência mecânica do aparelho
respiratório;
 Prevenção de complicações
respiratórias;
 Redução do trabalho muscular
respiratório e fadiga muscular
Carvalho,C;Júnior,C;Franca,S(2007)
9
VM: Objectivos
 manutenção das trocas gasosas ;
 correcção da hipoxémia e da acidose respiratória associada à hipercápnia;
 aliviar o trabalho da musculatura respiratória;
 reverter ou evitar a fadiga da musculatura respiratória;
 diminuir o consumo de oxigénio, reduzindo o desconforto respiratório;
 permitir a aplicação de terapêuticas específicas .
10
VM: Princípios Gerais
 Uso de prótese introduzida na via aérea
 Insuflam as vias respiratórias com volumes de ar (volume corrente)
 Geram gradiente de pressão entre vias aéreas superiores e alvéolos;
 Três Conceitos Principais: Trigger, Limites, Ciclagem
 Parâmetros reguláveis:
 Volume Corrente ( 4 – 12 ml / Kg)
 Concentração de O2 (FiO2) 21 a 100%;
 Velocidade com que o ar será administrado (fluxo inspiratório)
 O número de ciclos respiratórios que os pacientes realizam num minuto
(frequência respiratória).
 PEEP – Positive End Expiratory Pressure
11
VM: Fases do Ciclo Ventilatório
1. Fase Inspiratória
 O ventilador insufla os pulmões do doente. No
final, esta pode prolongar-se: pausa inspiratória
(melhora das trocas gasosas);
2. Mudança da fase inspiratória para a fase
expiratória
 Ventilador interrompe a fase inspiratória, iniciando
a fase expiratória;
3. Fase expiratória
 De forma passiva, o ventilador permite o
esvaziamento dos pulmões: parcial (PEEP →
aumentando a capacidade residual funcional);
4. Mudança da fase expiratória para a
inspiratória
 Interrupção da fase expiratória, iniciando a fase
inspiratória (novo ciclo)
12
Modos de VM
 1. Ventilação Controlada
 Não há participação do doente
(ventilador determina todas as
fases da ventilação);
 Controlada por volume ou
pressão;
 Pressão ou volume corrente, FR
e o tempo inspiratório - reguláveis
 Pressão Controlada – depende
da compliance pulmonar,
resistência das vias aéreas e
pulmonar
13
Modos de VM
 2. Assistido-controlado
 Parâmetros como Ventilação Controlada
 O doente acciona o trigger
 Duplo mecanismo duplo de disparo (↑
segurança para o doente): ciclo
controlado entra sempre que o paciente
não disparar o ciclo assistido;
 2 mecanismos de deflagração: tempo
(ajustado no ventilador) e pressão
(depende do esforço inspiratório do
doente);
 Preconiza-se utilizar FR < da frequência
espontânea do doente (de forma a que
os ciclos controlados sejam a
excepção).
14
Modos de VM
 3. Mandatório intermitente
 Combinação de ventilação
controlada e/ou assistida
intercalada com ventilações
espontâneas do doente;
 Ciclos controlados ou assistidos são
volumétricos e podem ser
desencadeados por tempo (IMV);
Também podem ser desencadeados
por um mecanismo misto de
pressão/tempo em que o ventilador
não entra durante um período em
que o paciente esteja expirando
(SIMV);
 A respiração espontânea do doente
é auxiliada com recurso a, por ex.,
CPAP (Pressão positiva durante
todo o ciclo) ou PS.
15
Modos de VM
 4. Pressão Assistida
 Ventilador determina o início da
inspiração por um critério de
pressão ou fluxo (iniciado com o
esforço do doente: o disparo é feito
pelo esforço inspiratório do
paciente, de acordo com a
sensibilidade pré-determinada);
 Critério: Pressão - detecção de
uma queda na pressão expiratória
dentro do circuito;
 Critério: Fluxo - detecção de uma
pequena movimentação de ar em
direcção ao doente dentro do
circuito;
 Tempo expiratório e, portanto, a FR:
determinado pelo drive respiratório
do doente.
16
Efeitos Adversos
 Pulmonares
 Barotrauma (aumento da incidência associado a P >40 cm H2O): Enfisema,
pneumomediastino, pneumoperitoneu, Pneumotórax;
 Atelectasias;
 Altas concentrações de Oxigénio inspirado → danos celulares;
 Pneumonia associada à VM
 Cardiovasculares
 ↑ Pressão Intratorácica: ↓ Débito Cardíaco → hipovolémia
 Renais, hepáticos e gastrointestinais
 Pressão positiva: declínio da função renal (↓ débito urinário e excreção de sódio)
 Função hepática afectada pela ↓ do débito cardíaco: ↑ resistencia vascular
hepática e ↑ pressão nas vias biliares)
 ↓ do débito cardíaco e ↑ Pressão venosa gástrica: isquemia da mucosa e
hemorragia secundária.
17
18
Monitorização
Hemodinâmica
Parâmetros Ventilatórios
MCDT
Cuidando…
• Importa sobretudo perceber as razões que levaram ao início do suporte ventilatório…
• …e desenvolver um adequado plano de cuidados que tenha em conta as
características do doente.
19
Desmame Ventilatório
20
Devem-se estabelecer estratégias
para identificar sistematicamente os
pacientes elegíveis para o teste de
respiração espontânea (Grau de
evidência: A)
Pacientes sob ventilação mecânica
recebendo sedativos, particularmente
em infusão contínua, devem ter a
sedação guiada por protocolos e
metas que incluam interrupção diária
da infusão (Grau de evidência: A)
Goldwasser (2007)
Sucesso ou insucesso?
Desmame Ventilatório
21
Factores Condição requerida
Evento agudo que originou a VM Revertido ou controlado
Troca gasosa PaO2 ≥ 60 cmH2O (FIO2 ≤ 0,40 e PEEP ≤ 5 a 8 cmH2O)
Avaliação hemodinâmica Boa perfusão tecidual, independência de vasopressores
(doses baixas e estáveis são toleráveis), sem IC ou arritmias
com repercussão hemodinâmica
Capacidade de iniciar esforço
inspiratório
Sim
Nível de consciência Reactivo a estímulos verbais, sem agitação psicomotora
eficaz
Tosse Sim
Equilíbrio ácido-básico pH ≥ 7,30
Balanço Hídrico Correcção de sobrecarga hídrica
Electrólitos séricos (K, Ca, Mg, P) Valores normais
Intervenção cirúrgica próxima Não
Factores predisponentes ao sucesso do desmame
ventilatório
Ir para:
Sumário
VI
VNI
Casos Práticos
Casos Práticos
Amitai, A; Sinert, R (2009)
Parâmetros Ventilatórios Iniciais em algumas doenças:
22
Ir para:
Sumário
VI
VNI
Casos Práticos
Casos Práticos
Doente de 60 anos, vítima de atropelamento.
Politraumatizado: TCE, fractura cervical,
hemotórax, fractura dos membros inferiores.
Antecedentes: desconhecidos.
CVC + CA + TOT + SOG + SV + Dreno Torácico
+ Dreno aspirativo no MID
23
Suspensa a sedação…
Casos Práticos
Doente de 50 anos, no pós-op. de
transplante hepático
Antecedentes: desconhecidos.
CVC + CSWG + CA + TOT + SNG + SV +
Dreno Abdominal + Dreno de Kherr
24
Pós-operatório imediato sem
intercorrências.
Suspensa a sedação.
Alterado modo ventilatório?
Casos Práticos
25
Doente de 60 anos, no pós-operatório de
Clipagem de Aneurisma Cerebral.
CVC + CA + TOT + SNG + SV + Cat. PIC
Suspensa a sedação para avaliação do
estado de consciência
Alterado modo ventilatório (PA – 14
cmH2O)
Apneia… E agora?
Bibliografia
26
Braz, José et al. - Endotracheal tube cuff pressure: need for precise measurement. Rev Paul Med 1999; 117(6):243-7.
Carvalho, Carlos; Junior, Carlos; Franca, Suelene - Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias. J Bras
Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
Cawley, Michael - Mechanical Ventilation: A Tutorial for Pharmacists. Pharmacotherapy. 2007;27(2):250-266.
Colleen, M et al. - Nutritional Adequacy in Patients Receiving Mechanical Ventilation Who Are Fed Enterally. American Journal of Critical
Care. 2005;14(3):222-231
Durbin, Charles; Perkins, Michael; Moores, Lisa - Should Tracheostomy Be Performed as Early as 72 Hours in Patients Requiring
Prolonged Mechanical Ventilation?. Respiratory Care. 2010 55 (1): 76-87
Frazier, Susan et al - Hemodynamic Changes During Discontinuation of Mechanical Ventilation in Medical Intensive Care Unit Patients. Am
J Crit Care. 2006;15(6):580-593..
Goldwasser, Rosane et al. - Desmame e interrupção da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 128-S 136
Grap, Mary – Not So Trivial Pursuit: Mechanical Ventilation Risk Reduction. American Journal Of Critical Care. 2009; 18 (4): 299-309
Jongerden, Irene et al. - Open and Closed Endotracheal Suction Systems in Mechanically Ventilated Intensive Care Patients: A Meta-
Analysis. Crit Care Med. 2007;35(1):260-270.
Lyerla, Frank et al. – A Nursing Clinical Decision Support System and Potential Predictors of Head-Of-Bed Position For Patients Receiving
Mechanical Ventilation. American Journal of Critical Care. January 2010;19 (1): 39-47
Pádua, Adriana; Martinez, José – Modos de Assistencia Ventilatória. Simpósio: Medicina Intensiva. 2001; 34: 133-142,
Pertab, D. - Principles of mechanical ventilation – a critical review. British Journal of Nursing, 2009. 18 (15): 915-8
Zeitoun, Sandra et al. - Clinical validation of the signs and symptoms and the nature of the respiratory nursing diagnoses in patients under
invasive mechanical ventilation. Journal of Clinical Nursing . 2007;M16:1417–1426
Ventilação Não Invasiva
Ir para:
Sumário
VI
VNI
Casos Práticos
 Que no final desta sessão sejam capazes de:
 Ilustrar as principais indicações e contraindicações da VNI;
 Conhecer as limitações e complicações decorrentes da VNI
 Identificar uma correcta actuação da Equipa Enfermagem.
Objectivos
28
 Evitar entubação endotraqueal
 Descanso músculos respiratórios
 Melhoria das trocas gasosas
 Diminuição das complicações associadas à ventilação invasiva
 Diminuição da duração do internamento na UCI e hospitalar
International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv
positive pressure ventilation in acute respiratory failure
Intensive Care Med 2001; 27; 166-178
Benefícios
29
 Desconforto respiratório com dispneia moderada ou severa/uso de
musculatura acessória/respiração paradoxal
 pH < 7,35 e PaCO2 > 45mmHg
 FR > 25 rpm (adultos)
International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv
positive pressure ventilation in acute respiratory failure
Intensive Care Med 2001; 27; 166-178
Indicações
30
 Paragem cardiorespiratória
 Falência de órgão não respiratório:
 encefalopatia (ECG<10)
 hemorragia gastrointestinal grave
 instabilidade cardiovascular grave
 Dismorfia, trauma ou cirurgia facial
 Obstrução da via aérea superior
 Incapacidade de protecção da via aérea
 Incapacidade de tosse eficaz
 Risco elevado de aspiração
International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv
positive pressure ventilation in acute respiratory failure
Intensive Care Med 2001; 27; 166-178
Contra-Indicações
31
 Úlceras de pressão (asa do nariz) - 2 a 18%
 Conjuntivite e irritação ocular - 16%
 Distensão gástrica e aspiração (P insp > 25 cm H2O)
International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv
positive pressure ventilation in acute respiratory failure
Intensive Care Med 2001; 27; 166-178
Complicaçõs
32
 Selecção inapropriada do doente
 Ausência de “drive” inspiratório
 Falta de colaboração
 Ausência de acesso directo à via aérea
 Ausência de equipa médica e de enfermagem familiarizada com a técnica
 Ausência de vigilância e monitorização
International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv
positive pressure ventilation in acute respiratory failure
Intensive Care Med 2001; 27; 166-178
Limitações
33
 Kit Ventilação
 Máscara facial
 Tubuladura
 Filtro
 Cabresto
 Conexões
 Swivel (incorporado nas máscaras mais recentes)
Material
34
 Relação Enfermeiro/Doente
 Minimizar de complicações associadas (fugas, desconforto)
 Modalidades utilizadas (CPAP e BIPAP)
 Parâmetros reguláveis
 Alarmes
 Conhecimento do equipamento e seu manuseamento antes e após a utilização
 Montagem de circuitos e conexões
 Esterilização – Como enviar/receber o material?
Cuidando… e não só!
35
Ir para:
Sumário
VI
VNI
Casos Práticos
36
1. Uma das principais indicações da Ventilação Mecânica (VM) é para doentes desorientados.
2. A VM apenas pressupõe que o Enfermeiro monitorize os parâmetros ventilatórios.
3. A VMI apenas é possível em doentes com tubo orotraqueal.
4. É passível usar Ventilação Não Invasiva (VNI) num doente em PCR.
5. A VM Invasiva permite reverter ou evitar a fadiga da musculatura respiratória.
6. Pressão Assistida significa que o Enfermeiro assiste o Ventilador no fornecimento de Oxigénio ao doente.
7. Num doente conectado ao Ventilador em modo de PA é extremamente importante monitorizar a Pressão.
8. Num doente conectado ao Ventilador em modo de VC é importante monitorizar as Pressões.
9. Em PA é possível regular a frequência respiratória.
10. Uma das indicações da VMI é na prevenção de complicações respiratórias.
11. A VNI é uma alternativa à VMI por ser mais barata.
12. O risco de UP (na face) encontra-se presente na VNI.
13. Na VMI apenas são parâmetros reguláveis o volume, a FR e o fiO2.
14. O Ciclo Ventilatório é constituído por 3 fases: Controlado, Assistido e Mandatório Intermitente.
15. Na Ventilação Controlada o doente controla todos os ciclos.
16. Idealmente dever-se-á fornecer a maior concentração de Oxigénio possível.
17. Mais importante que programar o desmame ventilatório é o empirismo inerente ao mesmo.
18. A VNI permite a redução do tempo de internamento em UCI.
19. Na VNI é fundamental a colaboração do doente.
20. Não é contra-indicação absoluta para VNI a obstrução da via aérea superior.
Yes I understand that every life must end, aw huh,..
As we sit alone, I know someday we must go, aw huh,..
I’m a lucky man to count on both hands
The ones I love,..
Some folks just have one,
Others they got none, aw huh,..
Stay with me,..
Let’s just breathe.
Practiced are my sins,
Never gonna let me win, aw huh,..
Under everything, just another human being, aw huh,..
Yeh, I don’t wanna hurt, there’s so much in this world
To make me bleed.
Stay with me,..
You’re all I see.
Did I say that I need you?
Did I say that I want you?
Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,..
No one knows this more than me.
As I come clean.
I wonder everyday
as I look upon your face, aw huh,..
Everything you gave
And nothing you would take, aw huh,..
Nothing you would take,..
Everything you gave.
Did I say that I need you?
Oh, Did I say that I want you?
Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,..
No one know this more than me.
As I come clean.
Nothing you would take,..
everything you gave.
Hold me till I die,..
Meet you on the other side.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
Sandra Regina
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
José Alexandre Pires de Almeida
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Felipe Patrocínio
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
resenfe2013
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
José Alexandre Pires de Almeida
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 

Semelhante a Ventilação Mecânica

Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
Maycon Duarte
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
ctisaolucascopacabana
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
lica301
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
Assistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoriaAssistencia ventilatoria
Curso 42
Curso 42Curso 42
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
Marcela Mihessen
 
VNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorioVNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorio
Anestesiador
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Urovideo.org
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
Urovideo.org
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 

Semelhante a Ventilação Mecânica (20)

Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Assistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoriaAssistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoria
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Curso 42
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
VNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorioVNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorio
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 

Mais de Abilio Cardoso Teixeira

Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Abilio Cardoso Teixeira
 
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Abilio Cardoso Teixeira
 
Comunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivosComunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivos
Abilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados IntensivosNutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados Intensivos
Abilio Cardoso Teixeira
 
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativosNovas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Abilio Cardoso Teixeira
 
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridadesA investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
Abilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relaçãoNutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
Abilio Cardoso Teixeira
 
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
Abilio Cardoso Teixeira
 
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Abilio Cardoso Teixeira
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Abilio Cardoso Teixeira
 
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Abilio Cardoso Teixeira
 
A importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridasA importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridas
Abilio Cardoso Teixeira
 
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivosCiclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
Abilio Cardoso Teixeira
 
Comunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados IntensivosComunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados Intensivos
Abilio Cardoso Teixeira
 
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Abilio Cardoso Teixeira
 
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Abilio Cardoso Teixeira
 
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementaçãoXVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
Abilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Abilio Cardoso Teixeira
 
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetivaAutonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Abilio Cardoso Teixeira
 
Prática Baseada na Evidência
Prática Baseada na EvidênciaPrática Baseada na Evidência
Prática Baseada na Evidência
Abilio Cardoso Teixeira
 

Mais de Abilio Cardoso Teixeira (20)

Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
 
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
 
Comunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivosComunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivos
 
Nutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados IntensivosNutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados Intensivos
 
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativosNovas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
 
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridadesA investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
 
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relaçãoNutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
 
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
 
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
 
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
 
A importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridasA importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridas
 
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivosCiclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
 
Comunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados IntensivosComunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados Intensivos
 
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
 
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
 
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementaçãoXVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
 
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetivaAutonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
 
Prática Baseada na Evidência
Prática Baseada na EvidênciaPrática Baseada na Evidência
Prática Baseada na Evidência
 

Último

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 

Último (7)

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 

Ventilação Mecânica

  • 1. Ventilação Mecânica para Enfermeiros Acácio Bernardino | Abílio Cardoso Teixeira | Fábio Vieira | Paula Meireis | Rui Pereira (curso_ci@sci.com.pt)
  • 4. Conteúdo Diapositivo Ventilação Invasiva História VM: Objectivos/ Princípios Modos de VMI Efeitos Adversos Monitorização Cuidados de Enfermagem Desmame ventilatório Casos Práticos Ventilação Não Invasiva Benefícios Indicações/ Contra-indicações Complicações Limitações Papel de Enfermagem4
  • 5. Ventilação Mecânica - E agora?  O Ventilador é um “bicho de 7 cabeças”?  Apenas é possível aplicar VM a um doente com TOT?  Só é possível aplicar VMI a doentes sedados?  Ventilação não invasiva é considerada Ventilação Mecânica?  O ventilador está a alarmar, o que está a acontecer?  Como Enfermeiros, teremos que estar atentos, somente, às informações do ventilador? 5
  • 6. História  1as referências: história bíblica e egípcia (Cawley, 2007).  No entanto, a referência mais crível no que à respiração artificial concerne surge com Galeno (175 AC): uso de um fole para insuflar os pulmões de um animal morto.  Séculos XIV-XIX: experimentam respiração artificial (Versalius, Hooke, Tossach, Priestley, Brodie e Dalziel), expondo as base da ventilação mecânica prática.  Pulmão de aço (desenvolvido por Dalziel em 1838 e melhorado por Bebedor e Shaw em 1929): eficácia como forma não-invasiva de ventilação mecânica de pacientes com vias aéreas normais, como aqueles com poliomielite. ccat.sas.upenn.edu 6
  • 7.  Avanços Tecnológicos: Pulmowrap (J. H. Emerson Co, Cambridge, MA) e Hayek Oscillator (Breasy Medical Equipment Ltd., Londres)  1960-70: ventilador ciclado por volume e dois dispositivos de ciclagem por pressão, incluindo os ventiladores Bennett e Bird: parâmetros rudimentares, adequados às exigências ventilatórias básicas.  Inicio da década de 70: Ohio 560 e Bennett MA-I – controlados electronicamente (selecção de modo de ventilação, fácil leitura dos painéis informativos, fracção exacta de oxigénio inspirado (FiO2), "respiração de suspiro fisiológica”, PEEP e sistemas sonoros de alarme.  Novos ventiladores História 7
  • 9. Indicações  Reanimação devido à paragem cardio- respiratória;  Hipoventilação e Apneia;  Insuficiência respiratória devido a doença pulmonar intrínseca e hipoxémia ;  Falência mecânica do aparelho respiratório;  Prevenção de complicações respiratórias;  Redução do trabalho muscular respiratório e fadiga muscular Carvalho,C;Júnior,C;Franca,S(2007) 9
  • 10. VM: Objectivos  manutenção das trocas gasosas ;  correcção da hipoxémia e da acidose respiratória associada à hipercápnia;  aliviar o trabalho da musculatura respiratória;  reverter ou evitar a fadiga da musculatura respiratória;  diminuir o consumo de oxigénio, reduzindo o desconforto respiratório;  permitir a aplicação de terapêuticas específicas . 10
  • 11. VM: Princípios Gerais  Uso de prótese introduzida na via aérea  Insuflam as vias respiratórias com volumes de ar (volume corrente)  Geram gradiente de pressão entre vias aéreas superiores e alvéolos;  Três Conceitos Principais: Trigger, Limites, Ciclagem  Parâmetros reguláveis:  Volume Corrente ( 4 – 12 ml / Kg)  Concentração de O2 (FiO2) 21 a 100%;  Velocidade com que o ar será administrado (fluxo inspiratório)  O número de ciclos respiratórios que os pacientes realizam num minuto (frequência respiratória).  PEEP – Positive End Expiratory Pressure 11
  • 12. VM: Fases do Ciclo Ventilatório 1. Fase Inspiratória  O ventilador insufla os pulmões do doente. No final, esta pode prolongar-se: pausa inspiratória (melhora das trocas gasosas); 2. Mudança da fase inspiratória para a fase expiratória  Ventilador interrompe a fase inspiratória, iniciando a fase expiratória; 3. Fase expiratória  De forma passiva, o ventilador permite o esvaziamento dos pulmões: parcial (PEEP → aumentando a capacidade residual funcional); 4. Mudança da fase expiratória para a inspiratória  Interrupção da fase expiratória, iniciando a fase inspiratória (novo ciclo) 12
  • 13. Modos de VM  1. Ventilação Controlada  Não há participação do doente (ventilador determina todas as fases da ventilação);  Controlada por volume ou pressão;  Pressão ou volume corrente, FR e o tempo inspiratório - reguláveis  Pressão Controlada – depende da compliance pulmonar, resistência das vias aéreas e pulmonar 13
  • 14. Modos de VM  2. Assistido-controlado  Parâmetros como Ventilação Controlada  O doente acciona o trigger  Duplo mecanismo duplo de disparo (↑ segurança para o doente): ciclo controlado entra sempre que o paciente não disparar o ciclo assistido;  2 mecanismos de deflagração: tempo (ajustado no ventilador) e pressão (depende do esforço inspiratório do doente);  Preconiza-se utilizar FR < da frequência espontânea do doente (de forma a que os ciclos controlados sejam a excepção). 14
  • 15. Modos de VM  3. Mandatório intermitente  Combinação de ventilação controlada e/ou assistida intercalada com ventilações espontâneas do doente;  Ciclos controlados ou assistidos são volumétricos e podem ser desencadeados por tempo (IMV); Também podem ser desencadeados por um mecanismo misto de pressão/tempo em que o ventilador não entra durante um período em que o paciente esteja expirando (SIMV);  A respiração espontânea do doente é auxiliada com recurso a, por ex., CPAP (Pressão positiva durante todo o ciclo) ou PS. 15
  • 16. Modos de VM  4. Pressão Assistida  Ventilador determina o início da inspiração por um critério de pressão ou fluxo (iniciado com o esforço do doente: o disparo é feito pelo esforço inspiratório do paciente, de acordo com a sensibilidade pré-determinada);  Critério: Pressão - detecção de uma queda na pressão expiratória dentro do circuito;  Critério: Fluxo - detecção de uma pequena movimentação de ar em direcção ao doente dentro do circuito;  Tempo expiratório e, portanto, a FR: determinado pelo drive respiratório do doente. 16
  • 17. Efeitos Adversos  Pulmonares  Barotrauma (aumento da incidência associado a P >40 cm H2O): Enfisema, pneumomediastino, pneumoperitoneu, Pneumotórax;  Atelectasias;  Altas concentrações de Oxigénio inspirado → danos celulares;  Pneumonia associada à VM  Cardiovasculares  ↑ Pressão Intratorácica: ↓ Débito Cardíaco → hipovolémia  Renais, hepáticos e gastrointestinais  Pressão positiva: declínio da função renal (↓ débito urinário e excreção de sódio)  Função hepática afectada pela ↓ do débito cardíaco: ↑ resistencia vascular hepática e ↑ pressão nas vias biliares)  ↓ do débito cardíaco e ↑ Pressão venosa gástrica: isquemia da mucosa e hemorragia secundária. 17
  • 19. Cuidando… • Importa sobretudo perceber as razões que levaram ao início do suporte ventilatório… • …e desenvolver um adequado plano de cuidados que tenha em conta as características do doente. 19
  • 20. Desmame Ventilatório 20 Devem-se estabelecer estratégias para identificar sistematicamente os pacientes elegíveis para o teste de respiração espontânea (Grau de evidência: A) Pacientes sob ventilação mecânica recebendo sedativos, particularmente em infusão contínua, devem ter a sedação guiada por protocolos e metas que incluam interrupção diária da infusão (Grau de evidência: A) Goldwasser (2007) Sucesso ou insucesso?
  • 21. Desmame Ventilatório 21 Factores Condição requerida Evento agudo que originou a VM Revertido ou controlado Troca gasosa PaO2 ≥ 60 cmH2O (FIO2 ≤ 0,40 e PEEP ≤ 5 a 8 cmH2O) Avaliação hemodinâmica Boa perfusão tecidual, independência de vasopressores (doses baixas e estáveis são toleráveis), sem IC ou arritmias com repercussão hemodinâmica Capacidade de iniciar esforço inspiratório Sim Nível de consciência Reactivo a estímulos verbais, sem agitação psicomotora eficaz Tosse Sim Equilíbrio ácido-básico pH ≥ 7,30 Balanço Hídrico Correcção de sobrecarga hídrica Electrólitos séricos (K, Ca, Mg, P) Valores normais Intervenção cirúrgica próxima Não Factores predisponentes ao sucesso do desmame ventilatório Ir para: Sumário VI VNI Casos Práticos
  • 22. Casos Práticos Amitai, A; Sinert, R (2009) Parâmetros Ventilatórios Iniciais em algumas doenças: 22 Ir para: Sumário VI VNI Casos Práticos
  • 23. Casos Práticos Doente de 60 anos, vítima de atropelamento. Politraumatizado: TCE, fractura cervical, hemotórax, fractura dos membros inferiores. Antecedentes: desconhecidos. CVC + CA + TOT + SOG + SV + Dreno Torácico + Dreno aspirativo no MID 23 Suspensa a sedação…
  • 24. Casos Práticos Doente de 50 anos, no pós-op. de transplante hepático Antecedentes: desconhecidos. CVC + CSWG + CA + TOT + SNG + SV + Dreno Abdominal + Dreno de Kherr 24 Pós-operatório imediato sem intercorrências. Suspensa a sedação. Alterado modo ventilatório?
  • 25. Casos Práticos 25 Doente de 60 anos, no pós-operatório de Clipagem de Aneurisma Cerebral. CVC + CA + TOT + SNG + SV + Cat. PIC Suspensa a sedação para avaliação do estado de consciência Alterado modo ventilatório (PA – 14 cmH2O) Apneia… E agora?
  • 26. Bibliografia 26 Braz, José et al. - Endotracheal tube cuff pressure: need for precise measurement. Rev Paul Med 1999; 117(6):243-7. Carvalho, Carlos; Junior, Carlos; Franca, Suelene - Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70 Cawley, Michael - Mechanical Ventilation: A Tutorial for Pharmacists. Pharmacotherapy. 2007;27(2):250-266. Colleen, M et al. - Nutritional Adequacy in Patients Receiving Mechanical Ventilation Who Are Fed Enterally. American Journal of Critical Care. 2005;14(3):222-231 Durbin, Charles; Perkins, Michael; Moores, Lisa - Should Tracheostomy Be Performed as Early as 72 Hours in Patients Requiring Prolonged Mechanical Ventilation?. Respiratory Care. 2010 55 (1): 76-87 Frazier, Susan et al - Hemodynamic Changes During Discontinuation of Mechanical Ventilation in Medical Intensive Care Unit Patients. Am J Crit Care. 2006;15(6):580-593.. Goldwasser, Rosane et al. - Desmame e interrupção da ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 128-S 136 Grap, Mary – Not So Trivial Pursuit: Mechanical Ventilation Risk Reduction. American Journal Of Critical Care. 2009; 18 (4): 299-309 Jongerden, Irene et al. - Open and Closed Endotracheal Suction Systems in Mechanically Ventilated Intensive Care Patients: A Meta- Analysis. Crit Care Med. 2007;35(1):260-270. Lyerla, Frank et al. – A Nursing Clinical Decision Support System and Potential Predictors of Head-Of-Bed Position For Patients Receiving Mechanical Ventilation. American Journal of Critical Care. January 2010;19 (1): 39-47 Pádua, Adriana; Martinez, José – Modos de Assistencia Ventilatória. Simpósio: Medicina Intensiva. 2001; 34: 133-142, Pertab, D. - Principles of mechanical ventilation – a critical review. British Journal of Nursing, 2009. 18 (15): 915-8 Zeitoun, Sandra et al. - Clinical validation of the signs and symptoms and the nature of the respiratory nursing diagnoses in patients under invasive mechanical ventilation. Journal of Clinical Nursing . 2007;M16:1417–1426
  • 27. Ventilação Não Invasiva Ir para: Sumário VI VNI Casos Práticos
  • 28.  Que no final desta sessão sejam capazes de:  Ilustrar as principais indicações e contraindicações da VNI;  Conhecer as limitações e complicações decorrentes da VNI  Identificar uma correcta actuação da Equipa Enfermagem. Objectivos 28
  • 29.  Evitar entubação endotraqueal  Descanso músculos respiratórios  Melhoria das trocas gasosas  Diminuição das complicações associadas à ventilação invasiva  Diminuição da duração do internamento na UCI e hospitalar International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv positive pressure ventilation in acute respiratory failure Intensive Care Med 2001; 27; 166-178 Benefícios 29
  • 30.  Desconforto respiratório com dispneia moderada ou severa/uso de musculatura acessória/respiração paradoxal  pH < 7,35 e PaCO2 > 45mmHg  FR > 25 rpm (adultos) International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv positive pressure ventilation in acute respiratory failure Intensive Care Med 2001; 27; 166-178 Indicações 30
  • 31.  Paragem cardiorespiratória  Falência de órgão não respiratório:  encefalopatia (ECG<10)  hemorragia gastrointestinal grave  instabilidade cardiovascular grave  Dismorfia, trauma ou cirurgia facial  Obstrução da via aérea superior  Incapacidade de protecção da via aérea  Incapacidade de tosse eficaz  Risco elevado de aspiração International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv positive pressure ventilation in acute respiratory failure Intensive Care Med 2001; 27; 166-178 Contra-Indicações 31
  • 32.  Úlceras de pressão (asa do nariz) - 2 a 18%  Conjuntivite e irritação ocular - 16%  Distensão gástrica e aspiração (P insp > 25 cm H2O) International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv positive pressure ventilation in acute respiratory failure Intensive Care Med 2001; 27; 166-178 Complicaçõs 32
  • 33.  Selecção inapropriada do doente  Ausência de “drive” inspiratório  Falta de colaboração  Ausência de acesso directo à via aérea  Ausência de equipa médica e de enfermagem familiarizada com a técnica  Ausência de vigilância e monitorização International Consensus Conference in Intensive Care Medicine: Non Invasiv positive pressure ventilation in acute respiratory failure Intensive Care Med 2001; 27; 166-178 Limitações 33
  • 34.  Kit Ventilação  Máscara facial  Tubuladura  Filtro  Cabresto  Conexões  Swivel (incorporado nas máscaras mais recentes) Material 34
  • 35.  Relação Enfermeiro/Doente  Minimizar de complicações associadas (fugas, desconforto)  Modalidades utilizadas (CPAP e BIPAP)  Parâmetros reguláveis  Alarmes  Conhecimento do equipamento e seu manuseamento antes e após a utilização  Montagem de circuitos e conexões  Esterilização – Como enviar/receber o material? Cuidando… e não só! 35 Ir para: Sumário VI VNI Casos Práticos
  • 36. 36 1. Uma das principais indicações da Ventilação Mecânica (VM) é para doentes desorientados. 2. A VM apenas pressupõe que o Enfermeiro monitorize os parâmetros ventilatórios. 3. A VMI apenas é possível em doentes com tubo orotraqueal. 4. É passível usar Ventilação Não Invasiva (VNI) num doente em PCR. 5. A VM Invasiva permite reverter ou evitar a fadiga da musculatura respiratória. 6. Pressão Assistida significa que o Enfermeiro assiste o Ventilador no fornecimento de Oxigénio ao doente. 7. Num doente conectado ao Ventilador em modo de PA é extremamente importante monitorizar a Pressão. 8. Num doente conectado ao Ventilador em modo de VC é importante monitorizar as Pressões. 9. Em PA é possível regular a frequência respiratória. 10. Uma das indicações da VMI é na prevenção de complicações respiratórias. 11. A VNI é uma alternativa à VMI por ser mais barata. 12. O risco de UP (na face) encontra-se presente na VNI. 13. Na VMI apenas são parâmetros reguláveis o volume, a FR e o fiO2. 14. O Ciclo Ventilatório é constituído por 3 fases: Controlado, Assistido e Mandatório Intermitente. 15. Na Ventilação Controlada o doente controla todos os ciclos. 16. Idealmente dever-se-á fornecer a maior concentração de Oxigénio possível. 17. Mais importante que programar o desmame ventilatório é o empirismo inerente ao mesmo. 18. A VNI permite a redução do tempo de internamento em UCI. 19. Na VNI é fundamental a colaboração do doente. 20. Não é contra-indicação absoluta para VNI a obstrução da via aérea superior.
  • 37. Yes I understand that every life must end, aw huh,.. As we sit alone, I know someday we must go, aw huh,.. I’m a lucky man to count on both hands The ones I love,.. Some folks just have one, Others they got none, aw huh,.. Stay with me,.. Let’s just breathe. Practiced are my sins, Never gonna let me win, aw huh,.. Under everything, just another human being, aw huh,.. Yeh, I don’t wanna hurt, there’s so much in this world To make me bleed. Stay with me,.. You’re all I see. Did I say that I need you? Did I say that I want you? Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,.. No one knows this more than me. As I come clean. I wonder everyday as I look upon your face, aw huh,.. Everything you gave And nothing you would take, aw huh,.. Nothing you would take,.. Everything you gave. Did I say that I need you? Oh, Did I say that I want you? Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,.. No one know this more than me. As I come clean. Nothing you would take,.. everything you gave. Hold me till I die,.. Meet you on the other side.

Notas do Editor

  1. Boa tarde, queria desde já agradecer aos enfermeiros presentes para uma sessão sob a qual se pretende que obtenham uma relação de maior proximidade com a ventilação mecânica. Estão presentes cerca de 40 pessoas aqui com diferentes conhecimentos de ventilação, uma área da responsabilidade médica mas cujo sucesso depende da supervisão contínua que apenas poderá ser realizada pelo nosso grupo profissional.
  2. Tal como no mundo, quando surge uma doença crítica e é necessário o estabelecimento de ventilação mecânica, a sobrevida do doente irá depender e muito da manutenção de uma apropriada função pulmonar.
  3. E em que casos é que esta se deve iniciar? Quando devido a sedação os doentes não estão despertos o suficiente para manter uma apropriada ventilação; quando os doentes estão em coma, por traumatismo severo ou quando simplesmente os queremos calar como o Bush
  4. As primeiras referências sobre ventilação artificial surgiram na bíblia e na história egípcia, no entanto… as teorias de Claudio Galeno, médico do período romano, influenciaram a classe médica durante um milénio…. Entre os séculos XIV e XIX, baseados nos princípios de Galeno, estabeleceram vários princípios da ventilação artificial…..no entanto a aplicação prática da ventilação começou com o pulmão de aço…amplamente usado até aos anos 50, eram ventiladores que funcionavam com pressão negativa
  5. Ventiladores que funcionam sob pressão negativa ainda são usados em casos de desordens neuromusculares, deformações da parede torácica, e hipoventilação central Após anos de estudo nos anos 60 70 surgiram os primeiros ventiladores a funcionar com pressão positiva… Nos anos 70 surgiram os primeiros ventiladores controlados electronicamente…
  6. *1 - aguda, como em pacientes com lesões no centro respiratório, intoxicação ou abuso de drogas e na embolia pulmonar ou crónica nos DPCO em fase de agudização e na obesidade mórbida; *2 - Diminuição da PaO2 resultado das alterações da ventilação/perfusão: vigiar alterações da concentração de hemoglobina (Hb), do débito cardíaco (DC), do conteúdo arterial de oxigênio (CaO2) e as variações do pH sangüíneo; *3 - Fraqueza muscular / Doenças neuromusculares / Paralisia; e comando respiratório instável (trauma craniano, acidente vascular cerebral, intoxicação exógena e abuso de drogas); *4 - Restabelecimento no pós-operatório de cirurgia de abdome superior, torácica de grande porte, deformidade torácica, obesidade mórbida e Parede torácica instável ;
  7. diminuir o consumo de oxigénio……Que se encontra elevado em situações de elevada demanda metabólica
  8. uso de uma prótese introduzida na via aérea – TOT, TNT, TQ por oposição à VNI - máscara como interface entre o paciente e o ventilador artificial Trigger – sinal para a abertura da válvula inspiratória / Limites – regula o fluxo de gás para os pulmões / Ciclagem – interrompe a fase inspiratória permitindo a abertura da válvula expiratória, poderá ser ciclado por volume, pressão ou tempo Volume corrente: 4 – 8 restritivo, 8 – 10 obstrutivo, 10 a 12 normal O FiO2 deve ser o ideal para manter uma PaO2 e SaO2 adequada, quando desconhecido deve começar nos 100 e depois reduzido devido há toxicidade do oxigénio, libertação de metabolitos e mediadores inflamatórios – o acerto faz-se após 20 a 30 minutos da sua alteração através de uma gasimetria. FR – normal ou obstrutivo entre 8 – 15, restritivo 15 – 20 Fluxo – 40 a 60 l/min vão determinar a relação I:E, sendo necessário identificar dois factores, o tempo inspiratório e sua frequência, maior fluxo – menor I, menor fluxo – maior I PEEP – Função de melhorar a ventilação alveolar, normalmente inicia-se com 5 mmHg até se atingirem valores adequados de oxigenação arterial, mas tem riscos – aumenta a pressão intratorácica o que poderá levar ao volutrauma pulmonar e a diminuição do retorno venoso
  9. Não permite um ciclo activado pelo doente, em pacientes a acordar da sedação ou paralisia farmacológica pode ocorrer agitação e "fome de ar", já que eles não podem interagir com o ventilador. A ventilação controlada é utilizada principalmente com os pacientes que não podem gerar um esforço voluntário respiratório
  10. Com um volume pré estabelecido de 500 ml se estiver regulada uma FR de 14 = 7 l/min, com as respirações adicionais do doente ex: FR de 10 = 5 l/min o que irá dar um total de 24 x 500 = 12 l/min o que poderá levar a hiperventilação e alcalose , neste caso será melhor mudar por exemplo para simv.
  11. Yes I understand that every life must end, aw huh,.. As we sit alone, I know someday we must go, aw huh,.. I’m a lucky man to count on both hands The ones I love,.. Some folks just have one, Others they got none, aw huh,.. Stay with me,.. Let’s just breathe. Practiced are my sins, Never gonna let me win, aw huh,.. Under everything, just another human being, aw huh,.. Yeh, I don’t wanna hurt, there’s so much in this world To make me bleed. Stay with me,.. You’re all I see. Did I say that I need you? Did I say that I want you? Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,.. No one knows this more than me. As I come clean. I wonder everyday as I look upon your face, aw huh,.. Everything you gave And nothing you would take, aw huh,.. Nothing you would take,.. Everything you gave. Did I say that I need you? Oh, Did I say that I want you? Oh, if I didn’t now I’m a fool you see,.. No one know this more than me. As I come clean. Nothing you would take,.. everything you gave. Hold me till I die,.. Meet you on the other side.