SlideShare uma empresa Scribd logo
OXIGENOTERAPIA
Enfº Residente Renata Melo
Abril,2013
Anatomia do sistema respiratório
-Faringe
- Laringe
• A laringe é um
órgão curto que
conecta a faringe
com a traquéia.
-Traquéia e brônquios
Bronquíolos
Circulação Pulmonar
Fisiologia do sistema respiratório
-Ventilação
Fisiologia do sistema respiratório
-Difusão e Perfusão
Oxigenoterapia
• A oxigenoterapia consiste na administração de oxigênio
suplementar com o intuito de elevar ou manter a saturação
de oxigênio acima de 90%, corrigindo os danos da
hipoxemia.
• A hipóxia celular pode ser causada pela diminuição da
quantidade de oxigênio no gás inspirado (exposição a
elevadas altitudes), diminuição da ventilação alveolar,
alterações na relação ventilação/perfusão, alterações de
transferência gasosa, decréscimo no gasto cardíaco, em
situações de choque hipovolêmico e diminuição ou
alterações moleculares da hemoglobina.
Oxigenoterapia
• Parâmetros para administração de O2:
• Segundo a “American Association for Respiratory Care”
(AARC), as indicações básicas de oxigenoterapia são:
-PaO2 < 60 mmHg ou Sat O2 < 90 % (em ar ambiente)
- Sat O2 < 88% durante a deambulação, exercício ou sono
em portadores de doenças cardiorrespiratórias.
-IAM
-Intoxicação por gases (monóxido de carbono)
-Envenenamento por cianeto
• Avaliação de Enfermagem considera: nível de
consciência, sinais vitais, coloração dos leitos ungueais,
SatO2.
Tipos de oxigenoterapia
• Sistemas de baixo fluxo
• Sistemas de alto fluxo
• A seleção do dispositivo baseia-se na FIO2
desejada.
Sistemas de baixo fluxo
Os dispositivos de O2 de baixo fluxo, suprem
taxas de fluxo menores que o volume inspiratório
do paciente.
Ex:
• Cânula nasal(tipo óculos)
• Cateter nasofaríngeo
• Máscara simples
Cânula nasal
• É utilizado, quando
o paciente requer
uma concentração
baixa ou média de
oxigênio.
• As velocidades de
fluxo superiores a 6
e 8l/min podem
levar a deglutição de
ar e o ressecamento
da mucosa nasal e
faríngea.
Material necessário
• Cânula nasal
dupla estéril;
• Umidificador;
• Extensão;
• Fluxômetro;
• Água destilada
Cateter nasofaríngeo
• Raramente é
utilizado, mas pode
ser prescrito na
terapia de curto
prazo, para
administrar baixas
e moderadas
concentrações de
O2.
• Deve ser
substituído por um
novo a cada 8h.
Material utilizado
• Cateter
nasofaríngeo
estéril
• Esparadrapo
• Gaze
• Lubrificante
• Umidificador
• Extensão
• Fluxômetro
• Água destilada
Máscara simples
• O corpo da máscara
em si coleta e armazena
oxigênio entre as
inspirações do paciente
e, a expiração se faz
através de orifícios
laterais ou pela própria
borda da máscara.
• Com fluxos inferiores
a 5l/min, o volume da
máscara atua como
espaço morto e provoca
a reinalação do CO2.
Material utilizado
• Máscara facial
simples
• Umidificador
• Extensão
• Fluxômetro
• Água destilada
Sistemas de alto fluxo
Os dispositivos de alto fluxo de oxigênio
suprem taxas de fluxo suficientemente elevadas
para acomodar duas ou três vezes o volume
inspiratório do paciente.
Ex:
• Venturi
Venturi
• É o método mais
confiável e exato para
administrar
concentrações exatas
de oxigênio através de
meios não-invasivos.
• Ela é utilizada
principalmente para
pacientes com DPOC.
• A máscara de
Venturi emprega o
princípio de Bernoulli .
FiO2 50% 40% 35% 28% 24%
Vazã
o(lp
m)
15 12 8 6 4
Material utilizado
• Válvula de acordo
com FiO2
• Traquéia
corrugada
• Extensor
• Umidificador
• Fluxômetro
• Água destilada
Tempo de Exposição (h) Resposta Fisiológica
12-24 Traqueobronquite; tosse seca;dor
torácica subesternal; diminuição da
clearence
mucociliar; diminuição da capacidade
vital
24-30 Parestesias; náuseas; vômitos;
alteração da síntese protéica nas
células endoteliais;
alterações na função celular;
30-48 Diminuição da complacência
pulmonar; aumento da P(A-a)O2;
diminuição da
capacidade de difusão.
48-60 Inativação do surfactante; edema
alveolar por aumento da
permeabilidade
> 60 SDRA: morte
Aspiração
• Geralmente é necessário aspirar as secreções do
paciente por causa da eficácia diminuída do
mecanismo de tosse.
• A aspiração é realizada quando os sons
respiratórios adventícios são detectados ou
sempre que as secreções estiverem nitidamente
presentes.
Material utilizado
• Sonda de aspiração
• Extensor
• Luvas estéreis
• Óculos de proteção
• Soro fisiológico estéril
• Copo de aspiração
• Gaze
Nebulização
• Durante a nebulização,
forma-se uma nuvem de
aerossol que será
aspirado pelo paciente.
• Favorece o processo de
fluidificação das
secreções presentes nas
vias aéreas.
• Meio de administração
de medicamentos, como
broncodilatadores.
Material Utilizado
• Fluxômetro
• Máscara simples
• Copo nebulizador
• Extensão plástica
• Água destilada
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
Deylane Melo
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
Luciane Santana
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Drenos
DrenosDrenos

Mais procurados (20)

Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 

Semelhante a Oxigenoterapia

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
gengelaOliveira
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Natha Fisioterapia
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
lioMiltonPires1
 
Oxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).pptOxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).ppt
cursoenfermagemtecni
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
Alexandre Donha
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
lioMiltonPires1
 
resp2zoot.ppt
resp2zoot.pptresp2zoot.ppt
resp2zoot.ppt
VinciusFernandes55
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
LdioBarbosa
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
LuzzyLeite
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
GlriaBorges3
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas  Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Leandro de Carvalho
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 

Semelhante a Oxigenoterapia (20)

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
 
Oxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).pptOxigenoterapia (2).ppt
Oxigenoterapia (2).ppt
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
 
resp2zoot.ppt
resp2zoot.pptresp2zoot.ppt
resp2zoot.ppt
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas  Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 

Último

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 

Último (6)

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 

Oxigenoterapia

  • 2. Anatomia do sistema respiratório -Faringe
  • 3. - Laringe • A laringe é um órgão curto que conecta a faringe com a traquéia.
  • 7. Fisiologia do sistema respiratório -Ventilação
  • 8. Fisiologia do sistema respiratório -Difusão e Perfusão
  • 9. Oxigenoterapia • A oxigenoterapia consiste na administração de oxigênio suplementar com o intuito de elevar ou manter a saturação de oxigênio acima de 90%, corrigindo os danos da hipoxemia. • A hipóxia celular pode ser causada pela diminuição da quantidade de oxigênio no gás inspirado (exposição a elevadas altitudes), diminuição da ventilação alveolar, alterações na relação ventilação/perfusão, alterações de transferência gasosa, decréscimo no gasto cardíaco, em situações de choque hipovolêmico e diminuição ou alterações moleculares da hemoglobina.
  • 10. Oxigenoterapia • Parâmetros para administração de O2: • Segundo a “American Association for Respiratory Care” (AARC), as indicações básicas de oxigenoterapia são: -PaO2 < 60 mmHg ou Sat O2 < 90 % (em ar ambiente) - Sat O2 < 88% durante a deambulação, exercício ou sono em portadores de doenças cardiorrespiratórias. -IAM -Intoxicação por gases (monóxido de carbono) -Envenenamento por cianeto • Avaliação de Enfermagem considera: nível de consciência, sinais vitais, coloração dos leitos ungueais, SatO2.
  • 11. Tipos de oxigenoterapia • Sistemas de baixo fluxo • Sistemas de alto fluxo • A seleção do dispositivo baseia-se na FIO2 desejada.
  • 12. Sistemas de baixo fluxo Os dispositivos de O2 de baixo fluxo, suprem taxas de fluxo menores que o volume inspiratório do paciente. Ex: • Cânula nasal(tipo óculos) • Cateter nasofaríngeo • Máscara simples
  • 13. Cânula nasal • É utilizado, quando o paciente requer uma concentração baixa ou média de oxigênio. • As velocidades de fluxo superiores a 6 e 8l/min podem levar a deglutição de ar e o ressecamento da mucosa nasal e faríngea.
  • 14. Material necessário • Cânula nasal dupla estéril; • Umidificador; • Extensão; • Fluxômetro; • Água destilada
  • 15. Cateter nasofaríngeo • Raramente é utilizado, mas pode ser prescrito na terapia de curto prazo, para administrar baixas e moderadas concentrações de O2. • Deve ser substituído por um novo a cada 8h.
  • 16. Material utilizado • Cateter nasofaríngeo estéril • Esparadrapo • Gaze • Lubrificante • Umidificador • Extensão • Fluxômetro • Água destilada
  • 17. Máscara simples • O corpo da máscara em si coleta e armazena oxigênio entre as inspirações do paciente e, a expiração se faz através de orifícios laterais ou pela própria borda da máscara. • Com fluxos inferiores a 5l/min, o volume da máscara atua como espaço morto e provoca a reinalação do CO2.
  • 18. Material utilizado • Máscara facial simples • Umidificador • Extensão • Fluxômetro • Água destilada
  • 19. Sistemas de alto fluxo Os dispositivos de alto fluxo de oxigênio suprem taxas de fluxo suficientemente elevadas para acomodar duas ou três vezes o volume inspiratório do paciente. Ex: • Venturi
  • 20. Venturi • É o método mais confiável e exato para administrar concentrações exatas de oxigênio através de meios não-invasivos. • Ela é utilizada principalmente para pacientes com DPOC. • A máscara de Venturi emprega o princípio de Bernoulli . FiO2 50% 40% 35% 28% 24% Vazã o(lp m) 15 12 8 6 4
  • 21. Material utilizado • Válvula de acordo com FiO2 • Traquéia corrugada • Extensor • Umidificador • Fluxômetro • Água destilada
  • 22. Tempo de Exposição (h) Resposta Fisiológica 12-24 Traqueobronquite; tosse seca;dor torácica subesternal; diminuição da clearence mucociliar; diminuição da capacidade vital 24-30 Parestesias; náuseas; vômitos; alteração da síntese protéica nas células endoteliais; alterações na função celular; 30-48 Diminuição da complacência pulmonar; aumento da P(A-a)O2; diminuição da capacidade de difusão. 48-60 Inativação do surfactante; edema alveolar por aumento da permeabilidade > 60 SDRA: morte
  • 23. Aspiração • Geralmente é necessário aspirar as secreções do paciente por causa da eficácia diminuída do mecanismo de tosse. • A aspiração é realizada quando os sons respiratórios adventícios são detectados ou sempre que as secreções estiverem nitidamente presentes.
  • 24. Material utilizado • Sonda de aspiração • Extensor • Luvas estéreis • Óculos de proteção • Soro fisiológico estéril • Copo de aspiração • Gaze
  • 25. Nebulização • Durante a nebulização, forma-se uma nuvem de aerossol que será aspirado pelo paciente. • Favorece o processo de fluidificação das secreções presentes nas vias aéreas. • Meio de administração de medicamentos, como broncodilatadores.
  • 26. Material Utilizado • Fluxômetro • Máscara simples • Copo nebulizador • Extensão plástica • Água destilada