SlideShare uma empresa Scribd logo
SUPORTE VENTILATÓRIO
Aula ministrada por Licenciando Enfermeira
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
FAETEC
OXIGENIOTERAPIA
Definição
• Oxigenoterapia é a administração de oxigênio
medicinal em concentrações maiores que
aquelas do ar ambiente, visando tratar ou
prevenir os sintomas ou manifestações de
hipóxia.
• Objetivos: atenuar a hipoxemia e a hipóxia
tecidual, mantendo a SaO2 entre 90 a 92%
em pelo menos.
Modos de administrar O2:
• Nebulização
• Aspiração de vias aéreas
• Manuseio da cânula de Guedel
• Limpeza de traqueostomia
Oxigênio pode ser administrado
em 2 formas
– Canalizado – nos hospitais com instalações onde
existe um deposito externo e um sistema de
distribuição para todo o hospital.
– Cilindros – de vários tamanhos , utilizados nos
casos de transporte e em residência dos
pacientes.
Critério para indicação do O2:
• Manifestações da hipóxia (diminuição de
oxigênio):
• quando a pressão parcial do O2 no sangue
estiver abaixo de 60 mmHg, em repouso e no
ar ambiente.
SINAIS E SINTOMA
Dispneia
Angustia
Agitação
Cianose nos lábios e extremidades
Desorientação
Fluxo Inspiratório O2
• 1L/min-------------24%
• 2L/min-------------28%
• 3L/min-------------32%
• 4L/min-------------36%
• 5 a 6L/min--------40-44%
• 7 a 8L/min--------45-48%
Modos de administrar O2:
• cânula nasal:
• cateter nasofaríngeo:
• máscara facial: com reservatório; com
dispositivo Venturi, comum.
• tendas de oxigênio: mais utilizada em
neonatal e pediatria.
Artefatos para OxigenoterapiaArtefatos para Oxigenoterapia
Complicações:
• atelectasias
• ressecamento de mucosa nasal e
traqueobrônquica
• grave hipoventilação
• depressão respiratória
• toxicidade bronco-pulmonar.
Verificação geral
• O paciente apresenta aparência de conforto;
• Existe dificuldade ventilatória ou prejuízo na
perfusão periférica;
• Como é o estado emocional e psicológico do
paciente, ele se encontra ansioso, deprimido,
desorientado ou orientado;
• Avaliar nível de consciência do paciente ou
resposta à sedação;
• Associar quadro ventilatório com parâmetros
hemodinâmicos do paciente;
• Optar por medidas preventivas, evitando que
se instale infecção respiratória aguda (IRA).
Escolha dos pacientes:
• Indicação absoluta (pelo menos 2 dos
critérios a seguir):
• desconforto respiratório com dispnéia
moderada ou grave,
• PH < 7,35 e O2 > 45 mmHg;
• Frequência respiratória > 25 rpm (adulto)
• Contra-indicações:
• Absolutas: parada respiratória; instabilidade
cardiovascular (choque, arritmias graves, IAM com
edema pulmonar); paciente não colaborativo; pós-
operatório recente de cirurgia facial, esofágica ou
gástrica; trauma ou queimadura facial; risco de
aspiração e dificuldade de manipulação de
secreções; incapacidade de manter permeabilidade
de vias aéreas; alterações anatômicas da nasofaringe
• Relativas: ansiedade extrema; obesidade mórbida;
secreção abundante; síndrome da angustia
respiratória aguda com hipoxemia grave.
UTILIZAÇÃO DE MÁSCARA COM CPAP
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Cuidados com a mascara:
• Implica necessariamente em ajustar adequadamente a
pressão de fixação da mascara face.
• Quanto maior for a pressão de fixação da mascara a face,
menor será a tolerância ao seu uso e maior a chance de
ocorrer lesões traumáticas da pele pelo contato direto da
mascara.
• Por outro lado, grandes vazamentos de ar causam incomodo,
alem de risco de ressecamento da córnea do paciente.
• Dá-se preferência as mascaras transparentes, pois permitem
a visualização de secreção ou vomito.
Necessidade de Intubação
Traqueal
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Combitubo
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Método Alternativo
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Bird ST 8400Bird ST 8400
Assistência deAssistência de
Enfermagem DuranteEnfermagem Durante
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Aspectos PráticosAspectos Práticos
Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem
 Observar fixação do tubo adequada e trocaObservar fixação do tubo adequada e troca
quando necessário;quando necessário;
 Fixar tubo no centro da cavidade oral;Fixar tubo no centro da cavidade oral;
 Atentar para nº do tubo na comissura;Atentar para nº do tubo na comissura;
 Verificar pressão doVerificar pressão do cuff:cuff:
– Insuflação do baloneteInsuflação do balonete
Pressão ideal do cuff – mínima necessáriaPressão ideal do cuff – mínima necessária
– Pressão > 30cmH2O -Pressão > 30cmH2O - ↑↓↑↓ fluxofluxo
– Pressão > 37cmH2O – cessa fluxoPressão > 37cmH2O – cessa fluxo
““Cuffometro”Cuffometro”
Ausculta e escapeAusculta e escape
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem
 Realizar corretamente técnica de aspiração viasRealizar corretamente técnica de aspiração vias
aéreas:aéreas:
Aspiração abertaAspiração aberta
Aspiração fechada:Aspiração fechada:
Escolher adequadamente o nEscolher adequadamente o n° do cateter para aspiração;° do cateter para aspiração;
 Posicionar o paciente no leito em, no mínimo, 30Posicionar o paciente no leito em, no mínimo, 30°°;
 Realizar higiene oral adequada frequentemente;Realizar higiene oral adequada frequentemente;
 Avaliar radiografia torácica;Avaliar radiografia torácica;
Artefatos Usados DuranteArtefatos Usados Durante
Ventilação MecanicaVentilação Mecanica
Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem
 Monitorar mecânica respiratória (principalmenteMonitorar mecânica respiratória (principalmente
durante procedimentos);durante procedimentos);
 Identificar posicionamento de cateter para dietaIdentificar posicionamento de cateter para dieta
enteral;enteral;
 Testar posição do cateter antes de administraçãoTestar posição do cateter antes de administração
de dietas e medicação;de dietas e medicação;
 Identificar “briga” do doente com o ventilador;Identificar “briga” do doente com o ventilador;
 Verificar se modo ventilatório está de acordo comVerificar se modo ventilatório está de acordo com
estado clínico do doente;estado clínico do doente;
Obrigada!Obrigada!
Ferreira_auxiliadora@ig.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
RayaneCristina40
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Suporte básico de vida
Suporte básico de vida Suporte básico de vida
Suporte básico de vida
DiegoAugusto86
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
resenfe2013
 
Oxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirinoOxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirino
Conceição Quirino
 
CPAP NASAL
CPAP NASALCPAP NASAL
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânicaAssistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
Alexandre Donha
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Markus Fiuza
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
MILLE19
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
Fernando Dias
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
aspiração-convertido.pptx
aspiração-convertido.pptxaspiração-convertido.pptx
aspiração-convertido.pptx
AnaCarolinaAlves84
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
Patricia Nunes
 

Mais procurados (20)

OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Oxigenioterapia
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vida Suporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Oxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirinoOxigenioterapia por conceição quirino
Oxigenioterapia por conceição quirino
 
CPAP NASAL
CPAP NASALCPAP NASAL
CPAP NASAL
 
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânicaAssistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
aspiração-convertido.pptx
aspiração-convertido.pptxaspiração-convertido.pptx
aspiração-convertido.pptx
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
 

Semelhante a Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)

1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
lukeni2015
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
prontoatendimentohbm
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
JotaBSN
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Sara
SaraSara
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Pcr
PcrPcr
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
Luciane Santana
 
Sara
SaraSara
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Fatima Braga
 

Semelhante a Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual) (20)

1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Curso 42
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNica
 

Último

Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 

Último (9)

Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 

Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)

  • 1. SUPORTE VENTILATÓRIO Aula ministrada por Licenciando Enfermeira Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira FAETEC
  • 3. Definição • Oxigenoterapia é a administração de oxigênio medicinal em concentrações maiores que aquelas do ar ambiente, visando tratar ou prevenir os sintomas ou manifestações de hipóxia. • Objetivos: atenuar a hipoxemia e a hipóxia tecidual, mantendo a SaO2 entre 90 a 92% em pelo menos.
  • 4. Modos de administrar O2: • Nebulização • Aspiração de vias aéreas • Manuseio da cânula de Guedel • Limpeza de traqueostomia
  • 5. Oxigênio pode ser administrado em 2 formas – Canalizado – nos hospitais com instalações onde existe um deposito externo e um sistema de distribuição para todo o hospital. – Cilindros – de vários tamanhos , utilizados nos casos de transporte e em residência dos pacientes.
  • 6. Critério para indicação do O2: • Manifestações da hipóxia (diminuição de oxigênio): • quando a pressão parcial do O2 no sangue estiver abaixo de 60 mmHg, em repouso e no ar ambiente.
  • 7. SINAIS E SINTOMA Dispneia Angustia Agitação Cianose nos lábios e extremidades Desorientação
  • 8. Fluxo Inspiratório O2 • 1L/min-------------24% • 2L/min-------------28% • 3L/min-------------32% • 4L/min-------------36% • 5 a 6L/min--------40-44% • 7 a 8L/min--------45-48%
  • 9. Modos de administrar O2: • cânula nasal: • cateter nasofaríngeo: • máscara facial: com reservatório; com dispositivo Venturi, comum. • tendas de oxigênio: mais utilizada em neonatal e pediatria.
  • 11. Complicações: • atelectasias • ressecamento de mucosa nasal e traqueobrônquica • grave hipoventilação • depressão respiratória • toxicidade bronco-pulmonar.
  • 12. Verificação geral • O paciente apresenta aparência de conforto; • Existe dificuldade ventilatória ou prejuízo na perfusão periférica; • Como é o estado emocional e psicológico do paciente, ele se encontra ansioso, deprimido, desorientado ou orientado;
  • 13. • Avaliar nível de consciência do paciente ou resposta à sedação; • Associar quadro ventilatório com parâmetros hemodinâmicos do paciente; • Optar por medidas preventivas, evitando que se instale infecção respiratória aguda (IRA).
  • 14. Escolha dos pacientes: • Indicação absoluta (pelo menos 2 dos critérios a seguir): • desconforto respiratório com dispnéia moderada ou grave, • PH < 7,35 e O2 > 45 mmHg; • Frequência respiratória > 25 rpm (adulto)
  • 15. • Contra-indicações: • Absolutas: parada respiratória; instabilidade cardiovascular (choque, arritmias graves, IAM com edema pulmonar); paciente não colaborativo; pós- operatório recente de cirurgia facial, esofágica ou gástrica; trauma ou queimadura facial; risco de aspiração e dificuldade de manipulação de secreções; incapacidade de manter permeabilidade de vias aéreas; alterações anatômicas da nasofaringe • Relativas: ansiedade extrema; obesidade mórbida; secreção abundante; síndrome da angustia respiratória aguda com hipoxemia grave.
  • 19. Cuidados com a mascara: • Implica necessariamente em ajustar adequadamente a pressão de fixação da mascara face. • Quanto maior for a pressão de fixação da mascara a face, menor será a tolerância ao seu uso e maior a chance de ocorrer lesões traumáticas da pele pelo contato direto da mascara. • Por outro lado, grandes vazamentos de ar causam incomodo, alem de risco de ressecamento da córnea do paciente. • Dá-se preferência as mascaras transparentes, pois permitem a visualização de secreção ou vomito.
  • 29. Bird ST 8400Bird ST 8400
  • 30. Assistência deAssistência de Enfermagem DuranteEnfermagem Durante Ventilação MecânicaVentilação Mecânica Aspectos PráticosAspectos Práticos
  • 31. Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem  Observar fixação do tubo adequada e trocaObservar fixação do tubo adequada e troca quando necessário;quando necessário;  Fixar tubo no centro da cavidade oral;Fixar tubo no centro da cavidade oral;  Atentar para nº do tubo na comissura;Atentar para nº do tubo na comissura;  Verificar pressão doVerificar pressão do cuff:cuff: – Insuflação do baloneteInsuflação do balonete Pressão ideal do cuff – mínima necessáriaPressão ideal do cuff – mínima necessária – Pressão > 30cmH2O -Pressão > 30cmH2O - ↑↓↑↓ fluxofluxo – Pressão > 37cmH2O – cessa fluxoPressão > 37cmH2O – cessa fluxo ““Cuffometro”Cuffometro” Ausculta e escapeAusculta e escape
  • 33. Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem  Realizar corretamente técnica de aspiração viasRealizar corretamente técnica de aspiração vias aéreas:aéreas: Aspiração abertaAspiração aberta Aspiração fechada:Aspiração fechada: Escolher adequadamente o nEscolher adequadamente o n° do cateter para aspiração;° do cateter para aspiração;  Posicionar o paciente no leito em, no mínimo, 30Posicionar o paciente no leito em, no mínimo, 30°°;  Realizar higiene oral adequada frequentemente;Realizar higiene oral adequada frequentemente;  Avaliar radiografia torácica;Avaliar radiografia torácica;
  • 34. Artefatos Usados DuranteArtefatos Usados Durante Ventilação MecanicaVentilação Mecanica
  • 35. Cuidados de EnfermagemCuidados de Enfermagem  Monitorar mecânica respiratória (principalmenteMonitorar mecânica respiratória (principalmente durante procedimentos);durante procedimentos);  Identificar posicionamento de cateter para dietaIdentificar posicionamento de cateter para dieta enteral;enteral;  Testar posição do cateter antes de administraçãoTestar posição do cateter antes de administração de dietas e medicação;de dietas e medicação;  Identificar “briga” do doente com o ventilador;Identificar “briga” do doente com o ventilador;  Verificar se modo ventilatório está de acordo comVerificar se modo ventilatório está de acordo com estado clínico do doente;estado clínico do doente;