SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE
COM SUPORTE RESPIRATÓRIO
Enf Anderson Mesquita
São Jose dos Campos - SP
FASES
VENTILAÇÃO
É o processo de movimento dos gases para dentro e para fora dos
pulmões e exige: coordenação muscular, propriedade elástica
do pulmão/tórax e inervação intacta.
*Inspiração diminuição da pressão pelo aumento da caixa
torácica entrada de ar.
*Expiração aumento da pressão pela diminuição da caixa
torácica saída de ar.
Tipos de respiração
Espontânea
Artificial
Tubo orotraqueal
Traqueostomia
MATERIAIS RESPIRATÓRIOS
• Avaliação a indicação
• Tempo de Utilização
• Cuidados Gerais
• Cateter de oxigênio
• Macronebulização
• Mascara de ventúri
• Mascara com reservatório de 02
SUPORTE RESPIRATÓRIO
Fi02 Fração inspirada de oxigênio/Concentração de 02%
-Ar ambiente  Fi02: 21%
-A concentração máxima de Fi02 depende do tipo de
dispositivo utilizado(ex: Cateter 02 nasal, Kit venturi .
Hipoxemia  Baixa concentração de 02 no sangue.
Hipóxia  Oferta de 02 reduzida ao organismo.
Anóxia  Cessação da oferta de 02 ao organismo.
SUPORTE RESPIRATÓRIO
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Oximetria de Pulso
-Monitorização não-invasiva dos gases
sanguíneos arteriais, demonstrando SatO2;
-Comprimento de onda de luz
específicos(átomos e moléculas);
-Hemoglobina oxigenada e desoxigenada, cada uma possui um
comprimento de onda da luz para ser captado;
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Oximetria de Pulso
-Sat%  Porcentagem de saturação da hemoglobina pelo
oxigênio (Oximetria de pulso ou Gasometria)
Valor de Referência (90 à 99%)
-Indicada para todos os pacientes GRAVES que estejam
recebendo suplementação de oxigênio.
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Oximetria de Pulso
Vantagens:
-Não-invasiva, menos trabalhosa.
-Mais barata
-Menor morbidade, melhor tolerância para paciente.
Fontes de erro:
-Hipotensão (má perfusão periférica), DVA
-Anemia (nível de hemoglobina),
-Artefato de movimentação(agitação psicomotora),
-Pigmentos (esmalte nas unhas),
-Capacidade do paciente em manter a oxigenação.
Aula suporte respiratorio em uti
Dispositivos para oxigenioterapia
A – Cânula nasal
B- Máscara de Venturi
C- Máscara facial de aerosol
D –Máscara facial com reservatório
Dispositivos para oxigenioterapia
Cateter nasal/ Cateter tipo óculos/”pronga”
- Sistema utilizado em pacientes com desconforto respiratório ou distúrbio de
oxigenação mínimos ou ausentes.
- Fornece até 44% de oxigênio em 6 l/min.
- OBS: Para cada 1L de aumento de fluxo de oxigênio,
a Fi02 terá acréscimo de aproximadamente 4%:
Fluxo(L/min) FiO2(%)
1 21 à 24
2 25 à 28
3 29 à 32
4 33 à 36
5 37 à 40
6 41 à 44
Dispositivos para oxigenioterapia
Máscara Venturi
- Utilizado em pacientes que não necessitam de grandes
concentrações de Fi02, em especial, os retentores de CO2,
ex: DPOC.
- A máscaras de venturi pode controlar de modo preciso as
concentrações de oxigênio inspirado.
- As concentrações de oxigênio podem ser ajustadas para:
CONECTOR Fi02 FLUXO (L/min)
Azul 24% 4
Amarelo 28% 4
Branco 31% 4
Verde 35% 6
Vermelho 40% 8
Laranja 50% 12
Dispositivos para oxigenioterapia
Máscara Facial - Macronebulização
- Deve ser utilizado em pacientes que requerem concentrações mais
elevadas de oxigênio.
- Este sistema fornece concentrações de oxigênio em torno de 40%
à 60% em 06L à 10L/min de fluxo.
- O 02 é fornecido em forma de MACRO-NEBULIZAÇÃO, garantindo
alta concentração de O2 e fluidificação da secreção.
-Dispositivo muito utilizado após extubação.
Dispositivos para oxigenioterapia
Máscara facial com reservatório de oxigênio
- Constitui de sistema - máscara mais reservatório,
onde é preenchido por um fluxo constante de 02
com FiO2 acima de 60%.
Para cada aumento de 1L/min de fluxo, superior à 6L/min, a concentração de
oxigênio aumentará em aproximadamente 10%.
- efeito clínico, ex: EAP...
CATETER DE O2
Cânula nasal
3. Oxigenioterapia
FLUJO DE O2 CONCENTRACION DE O2
1 l/min @ 24%
2 l/min @ 28%
3 l/min @ 32%
4 l/min @ 36%
5 l/min @ 40%
Cateter Nasal
MACRONEBULIZAÇÃO DE O2
MASCARA DE VENTÚRI
Aula suporte respiratorio em uti
Equipamento Periodicidade de troca
umidificadores A cada 72h
Inaladores A cada 24h; após uso, guardar próximo
ao leito em embalagem plástica.
Macronebulização Trocar a cada 24h
Máscara de Venturi Trocar a cada 24h
Circuitos de ventilação invasiva e não
invasiva
Trocar em 7 dias ou se sujidade visível ,
mau funcionamento.
Circuitos respiratórios de ventilação
montados e não utilizados pelo paciente
O ventilador que ainda não foi usado
deve ser mantido protegido e pode ser
usado em até 7 dias após a montagem;
após este período, desmontar e
encaminhar ao CME.
MATERIAIS RESPIRATÓRIOS
RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL
• Ventilação Não – Invasiva – Mascara
• Ventilação Invasiva – Tubo Orotraqueal
ENTUBAÇÃO
OROTRAQUEAL
Intubação Traqueal
Indicações gerais de intubação
■ Suporte ventilatório
■ Assegurar patência de vias aéreas
■ Anestesia e cirurgia
■ Aspiração de vias aéreas
■ Proteção de vias aéreas
Intubação Traqueal
Vias de intubação
Orotraqueal
Nasotraqueal
Transtraqueal
Endobrônquica
SUPORTE RESPIRATÓRIO
CÂNULA OROFARÍNGEA ou
CÂNULA DE GUEDEL
CÂNULA OROFARÍNGEA
CÂNULA OROTRAQUEAL
LARINGOSCOPIA
• Laringoscópio
• Lâminas
• Técnica
• Estruturas Visualizadas
LARINGOSCÓPIO
LÂMINAS – Modelo Macintosh
LÂMINAS – Modelos Miller e
Wisconsin
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
video
Aula suporte respiratorio em uti
Iniciar amarração do cadarço, passando-o pela região
occipital, acima das orelhas, continuando pela face até a
metade do lábio superior, onde se dá uma laçada e em
seguida três nós, tipo “trança”.
Passar o cadarço em seguida na parte inferior da cânula
endotraqueal, amarrando-a por baixo e a seguir por cima,
duas ou mais vezes, até que a cânula esteja realmente fixa.
Cortar o cadarço que sobrou com a lâmina de bisturi ou a
tesoura.
Retirar as luvas
Lavar as mãos.
Recompor a unidade e recolher o material.
Deixar o paciente em ordem.
Anotar no prontuário o procedimento feito.
TIPOS DE FIXAÇÃO
Alguns Tipos de Fixação
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
TRAQUEOSTOMIA
• Técnica de respiração artificial, utilizada para
paciente graves, submetidos a cirurgia de
cabeça e pescoço.
• Dificuldade de extubação maior que 10 a 21
dias
TIPOS DE CÂNULAS
CÂNULAS PLÁSTICAS
• PVC (Poli Vinil Cloridre)
• Com ou sem cuff
• Pacientes com indicação de respiração assistida
• Balonetes esféricos e curtos => maior risco de estenose
traqueal
• Obstruem com mais facilidade
CÂNULAS PLÁSTICAS
CÂNULAS PLÁSTICAS
CÂNULAS METÁLICAS
CÂNULAS METÁLICAS
PREPARO – posição do paciente
• Extensão do pescoço
• Coxim entre as escápulas
PREPARO
TÉCNICA CIRÚRGICA
TÉCNICA CIRÚRGICA
video
Cuidados de Enfermagem
• Manutenção da traqueostomia
• Higienização
• Aspiração da TQT
Aspiração de secreções Traqueais
Indicações: presenças de sons adventícios na ausculta,
Movimento audível de secreções.
Complicações: hipoxemia, pcr, arritmias, aumento
Da PIC, infecções, ansiedade.
Aspiração de secreções Traqueais
• É um procedimento que possibilita a remoção
de secreções das vias aéreas por intermédio de
introdução de uma sonda de aspiração no
interior do tubo ou cânula endotraqueal.
Funções
• O objetivo é promover ou manter a
permeabilidade das vias aéreas, prevenir e
auxiliar no tratamento das infecções
respiratórias. Por isso sua aplicação requer
técnica asséptica.
Material
• Sistema de aspiração: rede de vácuo, conectada
por fluxômetro ao frasco de aspiração, ou
aspirador eletrico portátil;
• Frasco coletor intermediário descartável
conectado ao sistema de aspiração ou, na ausência
deste, extensão de látex ou de material
siliconizado;
• Par de luvas estéreis;
• Sonda de aspiração;
• Gaze estéril.
MATERIAIS NECESSÁRIOS
SONDA DE ASPIRAÇÃO SISTEMAABERTO
Aula suporte respiratorio em uti
SONDA DE ASPIRAÇÃO SISTEMA FECHADO
TRACK-CARE
Aula suporte respiratorio em uti
Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS
• Explicar o procedimento ao paciente ou
acompanhante;
• Calçar luvas esteril, abrir uma sonda de
aspiração, conectar a extensão do frasco
intermediário e abrir todo o vácuo.
•
• Abrir a válvula do vácuo com a mão não
dominante;
• Desconectar do tubo o circuito do ventilador
mecânico, deixando suspenso no suporte, sem
contaminar;
• Introduzir a sonda até que ocupe toda a
extensão do tubo ou cânula endotraqueal;
Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS
• Realizar a aspiração as cavidade nasa e oral,
visando á remoção da saliva ou secreções de
VAS, evitando assim a ocorrência de
broncoaspiração. Após a aspiração,
• verificar se o cliente esta ventilando bem,
informá-lo sobre o término do procedimento e
deixá-lo confortável.
• Anotar o procedimento realizador e as
características das secreções aspiradas.
Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
RESUMO
1. Quais são os tipos de respiração?
2. Quais são os matérias respiratórios?
3. Qual o tempo indicado para troca de cada material respiratório
4. Qual a concentração de 02 para cada material respiratório
5. Para realização da aspiração da TOT e TQT são utilizados técnicas?
Explique a técnica
A gasometria consiste na leitura do pH e das pressões parciais
de O2 e CO2 em uma amostra de sangue. A leitura é obtida
pela comparação desses parâmetros na amostra com os
padrões internos do gasômetro.
DEFINIÇÃO
GASOMETRIA ARTERIAL
CO2 + H2O --------> H2CO3 --------> H+ + HCO3
Os íons H+ se associam a moléculas de hemoglobina e de
outras proteínas, enquanto os íons bicarbonato se difundem
para o plasma sanguíneo, onde auxiliam na manutenção do
grau de acidez do sangue.
BIOQUÍMICA RESPIRATÓRIA
Essa amostra pode ser de sangue arterial ou
venoso. Para avaliação da performance pulmonar,
deve ser sempre obtido sangue arterial, se o objetivo
for avaliar apenas a parte metabólica, isso pode ser
feito através de uma gasometria venosa.
ESCOLHA DA AMOSTRA
GASOMETRIA ARTERIAL
INDICAÇÕES
Avaliação de:
– Ventilação (PaCO2)
– Oxigenação (PaO2)
– Condição ácido-básica (pH,PaCO2,HCO3)
GASOMETRIA ARTERIAL
TÉCNICAS DE PUNÇÃO
ARTÉRIA RADIAL
A artéria radial é escolhida por ser uma artéria relativamente
superficial, no entanto, por ser um dos vasos de irrigação da
mão, deve ser avaliada a capacidade de suprimento sanguíneo
pela artéria ulnar. Para tal pode-se avaliar a circulação colateral
pode ser avaliada pelo TESTE DE ALLEN.
GASOMETRIA ARTERIAL
AVALIAR A CIRCULAÇÃO COLATERAL DA MÃO PELA
TÉCNICA DE ALLEN
Teste de Allen comprime-se, simultaneamente,
ambas as artérias, obtendo-se palidez cutânea,. Logo
após, descomprimiu-se, com a mão aberta, a artéria
ulnar, observando-se o tempo de retorno da
coloração palmar, classificando-o em satisfatórios
quando abaixo de 5 segundos e insatisfatório quando
acima disto.
Aula suporte respiratorio em uti
COMPLICAÇÕES
Em geral as complicações, são pouco
freqüentes quando a técnica de coleta é
obedecida, as principais são:
· Dor no local da punção;
· Sangramento e formação de
hematoma;
· Lesão de nervos;
· Outras complicações como: trombose
arterial,espasmos arteriais, embolização,
pseudoaneurisma.
Aula suporte respiratorio em uti
Os distúrbios metabólicos alteram o numerador da
equação, através de diminuição (acidose) ou aumento
(alcalose) no cálculo da concentração de bicarbonato.
Os distúrbios respiratórios interferem com o
denominador da equação, elevando (acidose) ou
reduzindo (alcalose) a PaCO2.
GASOMETRIA ARTERIAL
Os distúrbios metabólicos são compensados,
inicialmente, por alterações na PaCO2
(compensação pulmonar) e, posteriormente,
através de mudanças na excreção renal
de ácidos e na reabsorção de álcalis
(compensação renal).
GASOMETRIA ARTERIAL
PRINCIPAIS PARAMETROS DE UMA GASOMETRIA
pH- Potencial hidrogênior
PAO2 - pressão parcial de oxigênio
PCO2 - pressão parcial de dióxido de carbono
cHCO3
-- concentração de bicarbonato
BE- desvio de base do sangue
SO2 - saturação do oxigênio funcional
- Transporte de CO2 : - 5% - Plasma
- 20% - Hemácias
- 75% - Bicarbonato
Sistemas de Tampão: 2 principais
Sistema respiratório.
Sistema renal.
GASOMETRIA ARTERIAL
PH
Alteração sugere desequilíbrio no sistema respiratório ou
metabólico
Valores normais: entre 7,35 e 7,45
pH < 7,35 = acidose
pH > 7,45 = alcalose
pH>6,8 ou <7,8 é incompatível com vida
PaO2
Exprime a eficácia das trocas gasosas através
da membrana alveolocapilar
Valores normais: de 80 a 100 mmhg
↓ 60 mmhg = hipoxemia severa
PaCO2
Eficácia da ventilação alveolar
Valores normais: de 35 a 45 mmhg
Reflete distúrbios respiratórios do pH
↓PaCO2 = hiperventilação = Alcalose respiratória
↑PaCO2 = hipoventilação = Acidose respiratória
BICARBONATO - HCO3
Concentração depende da função renal
Valores normais: de 22 a 28mMol/l
Reflete distúrbios metabólicos
↓HCO3 = ↓ pH = acidose metabólica
↑HCO3 = ↑ pH = alcalose metabólica
BASE EXCESS - BE
Sinaliza o excesso ou déficit de bases dissolvidas no
plasma sanguíneo
Valores normais: -2 a +2
BE↑ = alcalose
BE↓ = acidose
VALORES DE REFERÊNCIA
Sangue Arterial Sangue Venoso
pH 7.35-7.45 7.31-7.41
pCO2 35-45mmHg 35-40mmHg
pO2 80-100mmHg 35-40mmHg
HCO3 22-28mEq/L 19-25mEq/L
BE +2 a -2 +2 a -2
SO2 > 90 á 99 % 70 -75% da pO2
DISTÚRBIOS ÁCIDO BASE
Acidose respiratória
Alcalose respiratória
Acidose metabólica
Alcalose metabólica
Acidose mista
Alcalose mista
REGRA PRÁTICA
pH
acidose ↓ 7,35 normal 7,45 ↑ alcalose
PaCO2
alcalose ↓ 35 normal 45 ↑acidose
HCO3
acidose ↓ 22 normal 28 ↑ alcalose
GASOMETRIA ARTERIAL
ACIDOSE RESPIRATÓRIA
Acidose: pH ↓ 7,35
Respiratória: PaCO2 ↑ 45mmHg
Hipoventilação ↑ PaCO2 ↓pH = Acidose
ACIDOSE RESPIRATÓRIA
Causas:
– ↓ drive ventilatório (lesão SNC ou inibição por
drogas)
– Obstrução VAs
– Doencas neuromusculares, SARA, TEP, edema
pulmonar, atelectasia]
– VM inadequada
ALCALOSE RESPIRATÓRIA
Alcalose: pH ↑ 7,45
Respiratória: PaCO2 ↓ 35mmHg
Hiperventilação ↓PaCO2 ↑pH = Alcalose
Compensação: ↑ eliminação renal de HCO3
ALCALOSE RESPIRATÓRIA
Causas:
– Dor, ansiedade, febre, grandes altitudes
– Lesão SNC
– VM inadequada
ACIDOSE METABÓLICA
Acidose: pH ↓ 7,35
Metabólica: HCO3 ↓ 22 mEq/L
Causas:
– Insuficiência renal
– Cetoacidose diabética
– Febre, doenças infecciosas
Compensação: Hiperventilação
ALCALOSE METABÓLICA
Alcalose: pH ↑7,45
Metabólica: HCO3 ↑ 28 mEq/L
Causas:
– Insuficiência respiratória crônica (DPOC)
– Oferta excessiva de bicarbonato
– Perda excessiva de conteúdo gástrico
ACIDOSE MISTA
Acidose: pH ↓ 7,35
Mista: PaCO2 ↑ 45mmHg e
HCO3 ↓ 22 mEq/L
Ex: IResp → PaCO2↑ → fadiga respirat.→ ↑ produção
de ácido lático → tamponado pelo HCO3 ↓ = pH ↓
ALCALOSE MISTA
Alcalose: pH ↑ 7,45
Mista: PaCO2 ↓ 35mmHg
HCO3 ↑ 28 mEq/L
Ex: hiperventilação em VMI → PaCO2 ↓ → perda de
suco gástrico por vômito → HCO3 ↑ = pH ↑
ALCALOSE MISTA
Alcalose: pH ↑ 7,45
Mista: PaCO2 ↓ 35mmHg
HCO3 ↑ 28 mEq/L
Ex: hiperventilação em VMI → PaCO2 ↓ → perda de
suco gástrico por vômito → HCO3 ↑ = pH ↑
102
O doente apresenta acidose ou alcalose?
Avaliar o pH
Qual é a alteração primária (metabólica ou respiratória)
Avaliar a pCO2
Se a pCO2 está desviada em sentido oposto
ao da alteração do pH, então o problema
base é respiratório.
INTERPRETAÇÃO
pH= 7,22; pCO2 = 37 mmHg; HCO3
- = 15 mEq/l
pH= 7,48; pCO2 = 52 mmHg; HCO3
- = 36 mEq/l
pH= 7,26; pCO2 = 65 mmHg; HCO3
- = 18 mEq/l
pH= 7,52; pCO2 = 21 mmHg; HCO3
- = 24 mEq/ l
GASOMETRIA ARTERIAL
EXERCÍCIOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
ISCISA
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
Alexandre Donha
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
ValdemilsonVieira
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
RayaneCristina40
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
judicleia silva
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Joseir Saturnino
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Clinica medica protocolo completo
Clinica medica   protocolo completoClinica medica   protocolo completo
Clinica medica protocolo completo
Keila Santos
 

Mais procurados (20)

Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Clinica medica protocolo completo
Clinica medica   protocolo completoClinica medica   protocolo completo
Clinica medica protocolo completo
 

Semelhante a Aula suporte respiratorio em uti

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
resenfe2013
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
EduardoMachado777773
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Giza Carla Nitz
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
resenfe2013
 
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
LarissaSousa17469
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
GlriaBorges3
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
Alexandre Donha
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
prontoatendimentohbm
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
gengelaOliveira
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
Estação aspiração traqueostomia
Estação aspiração traqueostomiaEstação aspiração traqueostomia
Estação aspiração traqueostomia
cuidadoaoadulto
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 

Semelhante a Aula suporte respiratorio em uti (20)

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
Estação aspiração traqueostomia
Estação aspiração traqueostomiaEstação aspiração traqueostomia
Estação aspiração traqueostomia
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 

Último

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 

Aula suporte respiratorio em uti

  • 1. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM SUPORTE RESPIRATÓRIO Enf Anderson Mesquita São Jose dos Campos - SP
  • 2. FASES VENTILAÇÃO É o processo de movimento dos gases para dentro e para fora dos pulmões e exige: coordenação muscular, propriedade elástica do pulmão/tórax e inervação intacta. *Inspiração diminuição da pressão pelo aumento da caixa torácica entrada de ar. *Expiração aumento da pressão pela diminuição da caixa torácica saída de ar.
  • 4. MATERIAIS RESPIRATÓRIOS • Avaliação a indicação • Tempo de Utilização • Cuidados Gerais
  • 5. • Cateter de oxigênio • Macronebulização • Mascara de ventúri • Mascara com reservatório de 02 SUPORTE RESPIRATÓRIO
  • 6. Fi02 Fração inspirada de oxigênio/Concentração de 02% -Ar ambiente  Fi02: 21% -A concentração máxima de Fi02 depende do tipo de dispositivo utilizado(ex: Cateter 02 nasal, Kit venturi . Hipoxemia  Baixa concentração de 02 no sangue. Hipóxia  Oferta de 02 reduzida ao organismo. Anóxia  Cessação da oferta de 02 ao organismo. SUPORTE RESPIRATÓRIO
  • 7. Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva Oximetria de Pulso -Monitorização não-invasiva dos gases sanguíneos arteriais, demonstrando SatO2; -Comprimento de onda de luz específicos(átomos e moléculas); -Hemoglobina oxigenada e desoxigenada, cada uma possui um comprimento de onda da luz para ser captado;
  • 8. Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva Oximetria de Pulso -Sat%  Porcentagem de saturação da hemoglobina pelo oxigênio (Oximetria de pulso ou Gasometria) Valor de Referência (90 à 99%) -Indicada para todos os pacientes GRAVES que estejam recebendo suplementação de oxigênio.
  • 9. Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva Oximetria de Pulso Vantagens: -Não-invasiva, menos trabalhosa. -Mais barata -Menor morbidade, melhor tolerância para paciente. Fontes de erro: -Hipotensão (má perfusão periférica), DVA -Anemia (nível de hemoglobina), -Artefato de movimentação(agitação psicomotora), -Pigmentos (esmalte nas unhas), -Capacidade do paciente em manter a oxigenação.
  • 11. Dispositivos para oxigenioterapia A – Cânula nasal B- Máscara de Venturi C- Máscara facial de aerosol D –Máscara facial com reservatório
  • 12. Dispositivos para oxigenioterapia Cateter nasal/ Cateter tipo óculos/”pronga” - Sistema utilizado em pacientes com desconforto respiratório ou distúrbio de oxigenação mínimos ou ausentes. - Fornece até 44% de oxigênio em 6 l/min. - OBS: Para cada 1L de aumento de fluxo de oxigênio, a Fi02 terá acréscimo de aproximadamente 4%: Fluxo(L/min) FiO2(%) 1 21 à 24 2 25 à 28 3 29 à 32 4 33 à 36 5 37 à 40 6 41 à 44
  • 13. Dispositivos para oxigenioterapia Máscara Venturi - Utilizado em pacientes que não necessitam de grandes concentrações de Fi02, em especial, os retentores de CO2, ex: DPOC. - A máscaras de venturi pode controlar de modo preciso as concentrações de oxigênio inspirado. - As concentrações de oxigênio podem ser ajustadas para: CONECTOR Fi02 FLUXO (L/min) Azul 24% 4 Amarelo 28% 4 Branco 31% 4 Verde 35% 6 Vermelho 40% 8 Laranja 50% 12
  • 14. Dispositivos para oxigenioterapia Máscara Facial - Macronebulização - Deve ser utilizado em pacientes que requerem concentrações mais elevadas de oxigênio. - Este sistema fornece concentrações de oxigênio em torno de 40% à 60% em 06L à 10L/min de fluxo. - O 02 é fornecido em forma de MACRO-NEBULIZAÇÃO, garantindo alta concentração de O2 e fluidificação da secreção. -Dispositivo muito utilizado após extubação.
  • 15. Dispositivos para oxigenioterapia Máscara facial com reservatório de oxigênio - Constitui de sistema - máscara mais reservatório, onde é preenchido por um fluxo constante de 02 com FiO2 acima de 60%. Para cada aumento de 1L/min de fluxo, superior à 6L/min, a concentração de oxigênio aumentará em aproximadamente 10%. - efeito clínico, ex: EAP...
  • 18. 3. Oxigenioterapia FLUJO DE O2 CONCENTRACION DE O2 1 l/min @ 24% 2 l/min @ 28% 3 l/min @ 32% 4 l/min @ 36% 5 l/min @ 40% Cateter Nasal
  • 22. Equipamento Periodicidade de troca umidificadores A cada 72h Inaladores A cada 24h; após uso, guardar próximo ao leito em embalagem plástica. Macronebulização Trocar a cada 24h Máscara de Venturi Trocar a cada 24h Circuitos de ventilação invasiva e não invasiva Trocar em 7 dias ou se sujidade visível , mau funcionamento. Circuitos respiratórios de ventilação montados e não utilizados pelo paciente O ventilador que ainda não foi usado deve ser mantido protegido e pode ser usado em até 7 dias após a montagem; após este período, desmontar e encaminhar ao CME. MATERIAIS RESPIRATÓRIOS
  • 23. RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL • Ventilação Não – Invasiva – Mascara • Ventilação Invasiva – Tubo Orotraqueal
  • 25. Intubação Traqueal Indicações gerais de intubação ■ Suporte ventilatório ■ Assegurar patência de vias aéreas ■ Anestesia e cirurgia ■ Aspiração de vias aéreas ■ Proteção de vias aéreas
  • 26. Intubação Traqueal Vias de intubação Orotraqueal Nasotraqueal Transtraqueal Endobrônquica SUPORTE RESPIRATÓRIO
  • 30. LARINGOSCOPIA • Laringoscópio • Lâminas • Técnica • Estruturas Visualizadas
  • 32. LÂMINAS – Modelo Macintosh
  • 33. LÂMINAS – Modelos Miller e Wisconsin
  • 37. video
  • 39. Iniciar amarração do cadarço, passando-o pela região occipital, acima das orelhas, continuando pela face até a metade do lábio superior, onde se dá uma laçada e em seguida três nós, tipo “trança”. Passar o cadarço em seguida na parte inferior da cânula endotraqueal, amarrando-a por baixo e a seguir por cima, duas ou mais vezes, até que a cânula esteja realmente fixa. Cortar o cadarço que sobrou com a lâmina de bisturi ou a tesoura. Retirar as luvas Lavar as mãos. Recompor a unidade e recolher o material. Deixar o paciente em ordem. Anotar no prontuário o procedimento feito. TIPOS DE FIXAÇÃO
  • 40. Alguns Tipos de Fixação
  • 43. TRAQUEOSTOMIA • Técnica de respiração artificial, utilizada para paciente graves, submetidos a cirurgia de cabeça e pescoço. • Dificuldade de extubação maior que 10 a 21 dias
  • 45. CÂNULAS PLÁSTICAS • PVC (Poli Vinil Cloridre) • Com ou sem cuff • Pacientes com indicação de respiração assistida • Balonetes esféricos e curtos => maior risco de estenose traqueal • Obstruem com mais facilidade
  • 50. PREPARO – posição do paciente • Extensão do pescoço • Coxim entre as escápulas
  • 54. video
  • 55. Cuidados de Enfermagem • Manutenção da traqueostomia • Higienização • Aspiração da TQT
  • 56. Aspiração de secreções Traqueais Indicações: presenças de sons adventícios na ausculta, Movimento audível de secreções. Complicações: hipoxemia, pcr, arritmias, aumento Da PIC, infecções, ansiedade.
  • 57. Aspiração de secreções Traqueais • É um procedimento que possibilita a remoção de secreções das vias aéreas por intermédio de introdução de uma sonda de aspiração no interior do tubo ou cânula endotraqueal.
  • 58. Funções • O objetivo é promover ou manter a permeabilidade das vias aéreas, prevenir e auxiliar no tratamento das infecções respiratórias. Por isso sua aplicação requer técnica asséptica.
  • 59. Material • Sistema de aspiração: rede de vácuo, conectada por fluxômetro ao frasco de aspiração, ou aspirador eletrico portátil; • Frasco coletor intermediário descartável conectado ao sistema de aspiração ou, na ausência deste, extensão de látex ou de material siliconizado; • Par de luvas estéreis; • Sonda de aspiração; • Gaze estéril.
  • 60. MATERIAIS NECESSÁRIOS SONDA DE ASPIRAÇÃO SISTEMAABERTO
  • 62. SONDA DE ASPIRAÇÃO SISTEMA FECHADO TRACK-CARE
  • 64. Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS • Explicar o procedimento ao paciente ou acompanhante; • Calçar luvas esteril, abrir uma sonda de aspiração, conectar a extensão do frasco intermediário e abrir todo o vácuo. •
  • 65. • Abrir a válvula do vácuo com a mão não dominante; • Desconectar do tubo o circuito do ventilador mecânico, deixando suspenso no suporte, sem contaminar; • Introduzir a sonda até que ocupe toda a extensão do tubo ou cânula endotraqueal; Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS
  • 66. • Realizar a aspiração as cavidade nasa e oral, visando á remoção da saliva ou secreções de VAS, evitando assim a ocorrência de broncoaspiração. Após a aspiração, • verificar se o cliente esta ventilando bem, informá-lo sobre o término do procedimento e deixá-lo confortável. • Anotar o procedimento realizador e as características das secreções aspiradas. Cuidados de Enfermagem na aspiração de VAS
  • 71. RESUMO 1. Quais são os tipos de respiração? 2. Quais são os matérias respiratórios? 3. Qual o tempo indicado para troca de cada material respiratório 4. Qual a concentração de 02 para cada material respiratório 5. Para realização da aspiração da TOT e TQT são utilizados técnicas? Explique a técnica
  • 72. A gasometria consiste na leitura do pH e das pressões parciais de O2 e CO2 em uma amostra de sangue. A leitura é obtida pela comparação desses parâmetros na amostra com os padrões internos do gasômetro. DEFINIÇÃO GASOMETRIA ARTERIAL
  • 73. CO2 + H2O --------> H2CO3 --------> H+ + HCO3 Os íons H+ se associam a moléculas de hemoglobina e de outras proteínas, enquanto os íons bicarbonato se difundem para o plasma sanguíneo, onde auxiliam na manutenção do grau de acidez do sangue. BIOQUÍMICA RESPIRATÓRIA
  • 74. Essa amostra pode ser de sangue arterial ou venoso. Para avaliação da performance pulmonar, deve ser sempre obtido sangue arterial, se o objetivo for avaliar apenas a parte metabólica, isso pode ser feito através de uma gasometria venosa. ESCOLHA DA AMOSTRA GASOMETRIA ARTERIAL
  • 75. INDICAÇÕES Avaliação de: – Ventilação (PaCO2) – Oxigenação (PaO2) – Condição ácido-básica (pH,PaCO2,HCO3) GASOMETRIA ARTERIAL
  • 76. TÉCNICAS DE PUNÇÃO ARTÉRIA RADIAL A artéria radial é escolhida por ser uma artéria relativamente superficial, no entanto, por ser um dos vasos de irrigação da mão, deve ser avaliada a capacidade de suprimento sanguíneo pela artéria ulnar. Para tal pode-se avaliar a circulação colateral pode ser avaliada pelo TESTE DE ALLEN. GASOMETRIA ARTERIAL
  • 77. AVALIAR A CIRCULAÇÃO COLATERAL DA MÃO PELA TÉCNICA DE ALLEN Teste de Allen comprime-se, simultaneamente, ambas as artérias, obtendo-se palidez cutânea,. Logo após, descomprimiu-se, com a mão aberta, a artéria ulnar, observando-se o tempo de retorno da coloração palmar, classificando-o em satisfatórios quando abaixo de 5 segundos e insatisfatório quando acima disto.
  • 79. COMPLICAÇÕES Em geral as complicações, são pouco freqüentes quando a técnica de coleta é obedecida, as principais são: · Dor no local da punção; · Sangramento e formação de hematoma; · Lesão de nervos; · Outras complicações como: trombose arterial,espasmos arteriais, embolização, pseudoaneurisma.
  • 81. Os distúrbios metabólicos alteram o numerador da equação, através de diminuição (acidose) ou aumento (alcalose) no cálculo da concentração de bicarbonato. Os distúrbios respiratórios interferem com o denominador da equação, elevando (acidose) ou reduzindo (alcalose) a PaCO2. GASOMETRIA ARTERIAL
  • 82. Os distúrbios metabólicos são compensados, inicialmente, por alterações na PaCO2 (compensação pulmonar) e, posteriormente, através de mudanças na excreção renal de ácidos e na reabsorção de álcalis (compensação renal). GASOMETRIA ARTERIAL
  • 83. PRINCIPAIS PARAMETROS DE UMA GASOMETRIA pH- Potencial hidrogênior PAO2 - pressão parcial de oxigênio PCO2 - pressão parcial de dióxido de carbono cHCO3 -- concentração de bicarbonato BE- desvio de base do sangue SO2 - saturação do oxigênio funcional
  • 84. - Transporte de CO2 : - 5% - Plasma - 20% - Hemácias - 75% - Bicarbonato Sistemas de Tampão: 2 principais Sistema respiratório. Sistema renal. GASOMETRIA ARTERIAL
  • 85. PH Alteração sugere desequilíbrio no sistema respiratório ou metabólico Valores normais: entre 7,35 e 7,45 pH < 7,35 = acidose pH > 7,45 = alcalose pH>6,8 ou <7,8 é incompatível com vida
  • 86. PaO2 Exprime a eficácia das trocas gasosas através da membrana alveolocapilar Valores normais: de 80 a 100 mmhg ↓ 60 mmhg = hipoxemia severa
  • 87. PaCO2 Eficácia da ventilação alveolar Valores normais: de 35 a 45 mmhg Reflete distúrbios respiratórios do pH ↓PaCO2 = hiperventilação = Alcalose respiratória ↑PaCO2 = hipoventilação = Acidose respiratória
  • 88. BICARBONATO - HCO3 Concentração depende da função renal Valores normais: de 22 a 28mMol/l Reflete distúrbios metabólicos ↓HCO3 = ↓ pH = acidose metabólica ↑HCO3 = ↑ pH = alcalose metabólica
  • 89. BASE EXCESS - BE Sinaliza o excesso ou déficit de bases dissolvidas no plasma sanguíneo Valores normais: -2 a +2 BE↑ = alcalose BE↓ = acidose
  • 90. VALORES DE REFERÊNCIA Sangue Arterial Sangue Venoso pH 7.35-7.45 7.31-7.41 pCO2 35-45mmHg 35-40mmHg pO2 80-100mmHg 35-40mmHg HCO3 22-28mEq/L 19-25mEq/L BE +2 a -2 +2 a -2 SO2 > 90 á 99 % 70 -75% da pO2
  • 91. DISTÚRBIOS ÁCIDO BASE Acidose respiratória Alcalose respiratória Acidose metabólica Alcalose metabólica Acidose mista Alcalose mista
  • 92. REGRA PRÁTICA pH acidose ↓ 7,35 normal 7,45 ↑ alcalose PaCO2 alcalose ↓ 35 normal 45 ↑acidose HCO3 acidose ↓ 22 normal 28 ↑ alcalose GASOMETRIA ARTERIAL
  • 93. ACIDOSE RESPIRATÓRIA Acidose: pH ↓ 7,35 Respiratória: PaCO2 ↑ 45mmHg Hipoventilação ↑ PaCO2 ↓pH = Acidose
  • 94. ACIDOSE RESPIRATÓRIA Causas: – ↓ drive ventilatório (lesão SNC ou inibição por drogas) – Obstrução VAs – Doencas neuromusculares, SARA, TEP, edema pulmonar, atelectasia] – VM inadequada
  • 95. ALCALOSE RESPIRATÓRIA Alcalose: pH ↑ 7,45 Respiratória: PaCO2 ↓ 35mmHg Hiperventilação ↓PaCO2 ↑pH = Alcalose Compensação: ↑ eliminação renal de HCO3
  • 96. ALCALOSE RESPIRATÓRIA Causas: – Dor, ansiedade, febre, grandes altitudes – Lesão SNC – VM inadequada
  • 97. ACIDOSE METABÓLICA Acidose: pH ↓ 7,35 Metabólica: HCO3 ↓ 22 mEq/L Causas: – Insuficiência renal – Cetoacidose diabética – Febre, doenças infecciosas Compensação: Hiperventilação
  • 98. ALCALOSE METABÓLICA Alcalose: pH ↑7,45 Metabólica: HCO3 ↑ 28 mEq/L Causas: – Insuficiência respiratória crônica (DPOC) – Oferta excessiva de bicarbonato – Perda excessiva de conteúdo gástrico
  • 99. ACIDOSE MISTA Acidose: pH ↓ 7,35 Mista: PaCO2 ↑ 45mmHg e HCO3 ↓ 22 mEq/L Ex: IResp → PaCO2↑ → fadiga respirat.→ ↑ produção de ácido lático → tamponado pelo HCO3 ↓ = pH ↓
  • 100. ALCALOSE MISTA Alcalose: pH ↑ 7,45 Mista: PaCO2 ↓ 35mmHg HCO3 ↑ 28 mEq/L Ex: hiperventilação em VMI → PaCO2 ↓ → perda de suco gástrico por vômito → HCO3 ↑ = pH ↑
  • 101. ALCALOSE MISTA Alcalose: pH ↑ 7,45 Mista: PaCO2 ↓ 35mmHg HCO3 ↑ 28 mEq/L Ex: hiperventilação em VMI → PaCO2 ↓ → perda de suco gástrico por vômito → HCO3 ↑ = pH ↑
  • 102. 102 O doente apresenta acidose ou alcalose? Avaliar o pH Qual é a alteração primária (metabólica ou respiratória) Avaliar a pCO2 Se a pCO2 está desviada em sentido oposto ao da alteração do pH, então o problema base é respiratório. INTERPRETAÇÃO
  • 103. pH= 7,22; pCO2 = 37 mmHg; HCO3 - = 15 mEq/l pH= 7,48; pCO2 = 52 mmHg; HCO3 - = 36 mEq/l pH= 7,26; pCO2 = 65 mmHg; HCO3 - = 18 mEq/l pH= 7,52; pCO2 = 21 mmHg; HCO3 - = 24 mEq/ l GASOMETRIA ARTERIAL EXERCÍCIOS