SlideShare uma empresa Scribd logo
OXIGENOTERAPIA
Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Definição
• A oxigenoterapia consiste na administração terapêutica
de oxigênio acima da concentração normal ambiental
(21%), com objetivo de manter a oxigenação tecidual
adequada e consequente correção de distúrbios
hipoxêmicos, promovendo uma diminuição da carga de
trabalho no sistema cardiopulmonar.
• Vale ressaltar que alguns nebulizadores, apesar de
utilizarem altos fluxos de oxigênio, os mesmos têm como
objetivo promover névoa, e não necessariamente a
reverter hipoxemia, e sim, partilhar partículas de
medicamentos para reversão de broncoespasmos da
musculatura lisa da árvore brônquica.
Indicações
• Segundo a American Association of Respiratory Care –
AARC, as indicações básicas para a oxigenoterapia são:
- PaO2 < 60mmHg ou SatO2 , 90% em ar ambiente
- SatO2 < 88% durante a deambulação, exercícios ou o
sono em portadores de doenças cardiorrespiratórias
- IAM
- Intoxicação por gases
- Envenenamento por Cianeto
Causas da Hipoxemia
• PaO2 Baixa
• Hipoventilação Alveolar
• Comprometimento da Difusão dos Gases através da
Barreira Alvéolo-capilar e Relação V/Q desigual
• Desvio
Baixa Pressão Parcial de O2 Inspirado
(PaO2)
• Se a pressão parcial de oxigênio inspirado é baixa, então
uma quantidade reduzida de O2 é fornecida nas trocas
gasosas em nível alveolar.
• A PIO2 diminuída pode ser em decorrência de uma baixa
oferta do gás ou simplesmente como resultado de uma
baixa pressão barométrica. (Alpinistas em Grandes
Altitudes). Nesta caso a PIO2 pode ser reduzida mesmo
os pulmões do indivíduo sendo normais.
Hipoventilação Alveolar
• Se a ventilação alveolar é baixa, pode haver uma
insuficiência de O2 entregue à estas estruturas a cada
minuto, isto pode causar hipoxemia mesmo quando os
pulmões são “normais”, de forma que a causa dessa
hipoventilação alveolar seja extrínseca ao parênquima
pulmonar (obstrução das VAs, depressão do centro
respiratório/controle neural, fraqueza da musculatura
respiratória, obesidade, entre outros)
Comprometimento da Difusão dos Gases
através da Barreira Alvéolo-capilar
• Difusão diminuída através da membrana gás-sangue no
pulmão, como por exemplo, um espessamento da
Barreira Alvéolo-Capilar na LPA/SDRA (hipoxemia
refratária).
• Lei de Fick na difusão dos gases pulmonares afirma que
a velocidade de transferência de um gás através da
lâmina de tecido é proporcional à área do tecido e a
diferença de pressão parcial entre os dois lados, e
inversamente proporcional à espessura do mesmo.
Lei de Fick
Desvio na Circulação (Shunt)
• Desvio do sangue do lado direito para o lado esquerdo da
circulação, de forma que o shunt intracardíaco gera uma
alteração na PaO2, devido uma ateração na oferta de
moléculas de O2.
Manifestações Clínicas da Hipoxemia
Tipos de Sistemas de Oxigenoterapia
• No que concerne à variação de administração de
oxigênio, podemos classificar os sistemas de liberação de
gás em sistemas destinados a liberar concentrações
baixas (<35%), moderadas (35% a 60%) ou altas (>
60%), de forma que essas concentrações irão variar de
acordo com as “profundidade” das incursões respiratórias
de cada indivíduo, quanto maior for uma inspiração,
maior a diluição do O2 fornecido e menor FiO2
necessária.
Tipos de Sistemas de Oxigenoterapia
• Sistemas que forneçam uma parte do gás inspirado
sempre irão produzir uma FiO2 variável, de forma que
para se obter uma FiO2 precisa, necessita-se de um
sistema de alto fluxo ou com reservatório, fazendo-se
necessária uma avaliação prévia a fim de se eleger o
sistema mais adequado àquele paciente.
• Tais sistemas irão variar, podendo ser de alto ou baixo
fluxo, sistema aberto ou fechado e com diferentes
interfaces de administração.
Classificação dos Sistemas de
Oxigenoterapia
• Sistemas de Baixo Fluxo
• Sistemas de Alto Fluxo
Sistemas de Baixo Fluxo
• Fornecem O2 suplementar às VAs diretamente com fluxo
igual ou inferior à 8 l/min.
• Como o fluxo inspiratório do indivíduo adulto
normalmente se sobrepõe à este valor, o oxigênio
ofertado por este tipo de dispositivo de baixo fluxo se dilui
com o ar ambiente, o que resulta em uma FiO2 baixa e
variável.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cânula Nasal:
- Pode causar desconforto e ressecamento
da mucosa nasal, mesmo com dispositivos de umidificação
acoplados.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cânula Nasal (Material e Procedimento)
- Material: Cânula Nasal Dupla Estéril, Umi-
dificador, Extensão, Fluxômetro e Água Destilada.
POR QUE NÃO UTILIZA-SE SORO?
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cânula Nasal (Material e Procedimento)
• Procedimento:
• Lavar as mãos,
• Reunir o material,
• Explicar ao paciente com clareza sobre o procedimento e
sua finalidade,
• Instalar o fluxômetro na rede de O2, colocar AD no copo
umidificador (fechando bem) e conectá-los ao fluxômetro,
• Conectar a extensão ao umidificador,
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cânula Nasal (Material e Procedimento)
• Procedimento:
• Instalar e ajustar a cânula nasal no paciente, evitando
tracionar as asas do nariz,
• Conectar a cânula à extensão, abrir e regular o
fluxômetro,
• Trocar a cânula diariamente,
• Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cateter Nasofaríngeo:
- Este dispositivo deve teoricamente posicionar-se até uma
distância equivalente à úvula, no entanto, seu
posicionamento geralmente se faz às cegas até uma
profundidade igual à distância entre o nariz e o lóbulo da
orelha.
- Como este dispositivo afeta diretamente a produção de
secreções em VAsS, o mesmo deve ser removido e
substituído a cada 8hs e preferencilamente na narina
oposta
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cateter Nasofaríngeo:
• A concentração de O2 neste dispositivo varia de acordo
com o fluxo ofertado por minuto, o tamanho dos seios da
face, FR e o Volume Respiratório do paciente.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cateter Nasofaríngeo:
- Variação da Fluxo/FiO2
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cateter Nasofaríngeo:
• Procedimento:
• Lavar as mãos e reunir o material,
• Explicar o procedimento ao paciente e posicioná-lo
• Instalar o fluxômetro,
• Colocar AD no copo e instalá-lo junto ao fluxômetro,
• Medir o tamanho do cateter da ponta do nariz até o lóbulo
da orelha homolateral à narina na qual o cateter será
introduzido e sinalizar com um esparadrapo,
• Lubrificar o cateter com anestésico de uso tópico
(Xilocaína ou Lidocaína Gel a 2%),
Sistemas de Baixo Fluxo
• Cateter Nasofaríngeo:
• Procedimento:
• Conectar o cateter à extensão, abrir o fluxômetro e
regular o fluxo,
• Trocar o cateter diariamente,
• Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs,
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara Facial
• Existem 3 tipos: Máscara Facial Simples, Máscara Facial
de Reinalação Parcial e Máscara Facial de Não-
reinalação.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara Facial Simples
• O corpo da máscara em si coleta e armazena o O2 entre
as inspirações do paciente e, a expiração se dá através
de orifícios laterais ou pela borda da máscara.
• A variação do fluxo é de 5 à 12 l/min a fim de se obter
uma oxigenação satisfatória.
• Fluxo inferior a 5 l/min a máscara atua como espaço
morto, favorecendo uma reinalação CO2.
• A magnitude de variação da FiO2 depende unicamente
do fluxo de entrada de O2, volume da máscara, extensão
do escape de ar e da FR e Volume Respiratório do
paciente
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara Facial Simples
• Macronebulização com Tenda
Facial
• Máscara Facial Simples com
• orifício lateral
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara de Reinalação Parcial
• Sistema não possui válvulas.
• Durante a inspiração o O2 passa diretamente ao paciente
e durante a expiração, parte do ar é armazenado na
bolsa e a outra parte exalada por orifícios laterais.
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara de Reinalação Parcial
Sistemas de Baixo Fluxo
• Máscara de Não-Reinalação
• Impede a reinalação através de válvulas unidirecionais
• Uma válvula inspiratória no topo da Bolsa
• Válvulas Expiratórias cobrem as portas de expiração
sobre o corpo da máscara.
• Durante a inspiração, uma leve pressão negativa fecha
as válvulas expiratórias e impede a diluição aérea, ao
mesmo tempo que a válvula inspiratória se abre mediante
fluxo positivo de O2.
Sistemas de Baixo Fluxo
Sistemas de Alto Fluxo
• Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi)
• O ar é arrastado por força de cisalhamento nos limites do
fluxo de jato de O2 que passa por um orifício, quanto
menor for o diâmetro deste orifício, maior a velocidade do
fluxo e maior a quantidade de ar arrastado.
• A FiO2 é regulada de acordo com a escolha do adaptador
do jato.
• Fluxo acima de 10 l/min não aumenta a FiO2.
Sistemas de Alto Fluxo
• Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi)
Sistemas de Alto Fluxo
• Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi)
Efeitos Fisiológicos e Toxicidade do O2
• Os efeitos neurológicos centrais incluindo
tremores, contrações e convulsões tendem a ocorrer
somente quando o paciente for submetido à pressões
supratmosféricas (oxigenoterapia hiperbárica), no
entanto, as respostas pulmonares ocorrem entre 12 e 72
horas de exposição a 100% de O2 inspirado.
OBRIGADO!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
resenfe2013
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
Alexandre Donha
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
resenfe2013
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão - EAP
 Edema Agudo de Pulmão - EAP Edema Agudo de Pulmão - EAP
Edema Agudo de Pulmão - EAP
Marcos Figueiredo
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
Dalila_Marcao
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
Alexandre Donha
 

Mais procurados (20)

Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Oxigenioterapia
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Edema Agudo de Pulmão - EAP
 Edema Agudo de Pulmão - EAP Edema Agudo de Pulmão - EAP
Edema Agudo de Pulmão - EAP
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
 

Semelhante a Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
IsadoraPereira32
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Natha Fisioterapia
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
gengelaOliveira
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
LuzzyLeite
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
LdioBarbosa
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
GlriaBorges3
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
lica301
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
LuizPiedade1
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
lioMiltonPires1
 

Semelhante a Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida (20)

AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutasOxigenoterapia para fisioterapeutas
Oxigenoterapia para fisioterapeutas
 
AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
 
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdfsistema respiratório ufcd 6566.pdf
sistema respiratório ufcd 6566.pdf
 

Mais de José Alexandre Pires de Almeida

Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
José Alexandre Pires de Almeida
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
José Alexandre Pires de Almeida
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
José Alexandre Pires de Almeida
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
José Alexandre Pires de Almeida
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
José Alexandre Pires de Almeida
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia PulmonarAula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
José Alexandre Pires de Almeida
 

Mais de José Alexandre Pires de Almeida (20)

Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia PulmonarAula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Neurotoxoplasmose
 
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
 

Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida

  • 2. Definição • A oxigenoterapia consiste na administração terapêutica de oxigênio acima da concentração normal ambiental (21%), com objetivo de manter a oxigenação tecidual adequada e consequente correção de distúrbios hipoxêmicos, promovendo uma diminuição da carga de trabalho no sistema cardiopulmonar. • Vale ressaltar que alguns nebulizadores, apesar de utilizarem altos fluxos de oxigênio, os mesmos têm como objetivo promover névoa, e não necessariamente a reverter hipoxemia, e sim, partilhar partículas de medicamentos para reversão de broncoespasmos da musculatura lisa da árvore brônquica.
  • 3. Indicações • Segundo a American Association of Respiratory Care – AARC, as indicações básicas para a oxigenoterapia são: - PaO2 < 60mmHg ou SatO2 , 90% em ar ambiente - SatO2 < 88% durante a deambulação, exercícios ou o sono em portadores de doenças cardiorrespiratórias - IAM - Intoxicação por gases - Envenenamento por Cianeto
  • 4. Causas da Hipoxemia • PaO2 Baixa • Hipoventilação Alveolar • Comprometimento da Difusão dos Gases através da Barreira Alvéolo-capilar e Relação V/Q desigual • Desvio
  • 5. Baixa Pressão Parcial de O2 Inspirado (PaO2) • Se a pressão parcial de oxigênio inspirado é baixa, então uma quantidade reduzida de O2 é fornecida nas trocas gasosas em nível alveolar. • A PIO2 diminuída pode ser em decorrência de uma baixa oferta do gás ou simplesmente como resultado de uma baixa pressão barométrica. (Alpinistas em Grandes Altitudes). Nesta caso a PIO2 pode ser reduzida mesmo os pulmões do indivíduo sendo normais.
  • 6. Hipoventilação Alveolar • Se a ventilação alveolar é baixa, pode haver uma insuficiência de O2 entregue à estas estruturas a cada minuto, isto pode causar hipoxemia mesmo quando os pulmões são “normais”, de forma que a causa dessa hipoventilação alveolar seja extrínseca ao parênquima pulmonar (obstrução das VAs, depressão do centro respiratório/controle neural, fraqueza da musculatura respiratória, obesidade, entre outros)
  • 7. Comprometimento da Difusão dos Gases através da Barreira Alvéolo-capilar • Difusão diminuída através da membrana gás-sangue no pulmão, como por exemplo, um espessamento da Barreira Alvéolo-Capilar na LPA/SDRA (hipoxemia refratária). • Lei de Fick na difusão dos gases pulmonares afirma que a velocidade de transferência de um gás através da lâmina de tecido é proporcional à área do tecido e a diferença de pressão parcial entre os dois lados, e inversamente proporcional à espessura do mesmo.
  • 9. Desvio na Circulação (Shunt) • Desvio do sangue do lado direito para o lado esquerdo da circulação, de forma que o shunt intracardíaco gera uma alteração na PaO2, devido uma ateração na oferta de moléculas de O2.
  • 11. Tipos de Sistemas de Oxigenoterapia • No que concerne à variação de administração de oxigênio, podemos classificar os sistemas de liberação de gás em sistemas destinados a liberar concentrações baixas (<35%), moderadas (35% a 60%) ou altas (> 60%), de forma que essas concentrações irão variar de acordo com as “profundidade” das incursões respiratórias de cada indivíduo, quanto maior for uma inspiração, maior a diluição do O2 fornecido e menor FiO2 necessária.
  • 12. Tipos de Sistemas de Oxigenoterapia • Sistemas que forneçam uma parte do gás inspirado sempre irão produzir uma FiO2 variável, de forma que para se obter uma FiO2 precisa, necessita-se de um sistema de alto fluxo ou com reservatório, fazendo-se necessária uma avaliação prévia a fim de se eleger o sistema mais adequado àquele paciente. • Tais sistemas irão variar, podendo ser de alto ou baixo fluxo, sistema aberto ou fechado e com diferentes interfaces de administração.
  • 13. Classificação dos Sistemas de Oxigenoterapia • Sistemas de Baixo Fluxo • Sistemas de Alto Fluxo
  • 14. Sistemas de Baixo Fluxo • Fornecem O2 suplementar às VAs diretamente com fluxo igual ou inferior à 8 l/min. • Como o fluxo inspiratório do indivíduo adulto normalmente se sobrepõe à este valor, o oxigênio ofertado por este tipo de dispositivo de baixo fluxo se dilui com o ar ambiente, o que resulta em uma FiO2 baixa e variável.
  • 15. Sistemas de Baixo Fluxo • Cânula Nasal: - Pode causar desconforto e ressecamento da mucosa nasal, mesmo com dispositivos de umidificação acoplados.
  • 16. Sistemas de Baixo Fluxo • Cânula Nasal (Material e Procedimento) - Material: Cânula Nasal Dupla Estéril, Umi- dificador, Extensão, Fluxômetro e Água Destilada. POR QUE NÃO UTILIZA-SE SORO?
  • 17. Sistemas de Baixo Fluxo • Cânula Nasal (Material e Procedimento) • Procedimento: • Lavar as mãos, • Reunir o material, • Explicar ao paciente com clareza sobre o procedimento e sua finalidade, • Instalar o fluxômetro na rede de O2, colocar AD no copo umidificador (fechando bem) e conectá-los ao fluxômetro, • Conectar a extensão ao umidificador,
  • 18. Sistemas de Baixo Fluxo • Cânula Nasal (Material e Procedimento) • Procedimento: • Instalar e ajustar a cânula nasal no paciente, evitando tracionar as asas do nariz, • Conectar a cânula à extensão, abrir e regular o fluxômetro, • Trocar a cânula diariamente, • Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs.
  • 19. Sistemas de Baixo Fluxo • Cateter Nasofaríngeo: - Este dispositivo deve teoricamente posicionar-se até uma distância equivalente à úvula, no entanto, seu posicionamento geralmente se faz às cegas até uma profundidade igual à distância entre o nariz e o lóbulo da orelha. - Como este dispositivo afeta diretamente a produção de secreções em VAsS, o mesmo deve ser removido e substituído a cada 8hs e preferencilamente na narina oposta
  • 20. Sistemas de Baixo Fluxo • Cateter Nasofaríngeo: • A concentração de O2 neste dispositivo varia de acordo com o fluxo ofertado por minuto, o tamanho dos seios da face, FR e o Volume Respiratório do paciente.
  • 21. Sistemas de Baixo Fluxo • Cateter Nasofaríngeo: - Variação da Fluxo/FiO2
  • 22. Sistemas de Baixo Fluxo • Cateter Nasofaríngeo: • Procedimento: • Lavar as mãos e reunir o material, • Explicar o procedimento ao paciente e posicioná-lo • Instalar o fluxômetro, • Colocar AD no copo e instalá-lo junto ao fluxômetro, • Medir o tamanho do cateter da ponta do nariz até o lóbulo da orelha homolateral à narina na qual o cateter será introduzido e sinalizar com um esparadrapo, • Lubrificar o cateter com anestésico de uso tópico (Xilocaína ou Lidocaína Gel a 2%),
  • 23. Sistemas de Baixo Fluxo • Cateter Nasofaríngeo: • Procedimento: • Conectar o cateter à extensão, abrir o fluxômetro e regular o fluxo, • Trocar o cateter diariamente, • Trocar o umidificador e a extensão a cada 48hs,
  • 24. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara Facial • Existem 3 tipos: Máscara Facial Simples, Máscara Facial de Reinalação Parcial e Máscara Facial de Não- reinalação.
  • 25. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara Facial Simples • O corpo da máscara em si coleta e armazena o O2 entre as inspirações do paciente e, a expiração se dá através de orifícios laterais ou pela borda da máscara. • A variação do fluxo é de 5 à 12 l/min a fim de se obter uma oxigenação satisfatória. • Fluxo inferior a 5 l/min a máscara atua como espaço morto, favorecendo uma reinalação CO2. • A magnitude de variação da FiO2 depende unicamente do fluxo de entrada de O2, volume da máscara, extensão do escape de ar e da FR e Volume Respiratório do paciente
  • 26. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara Facial Simples • Macronebulização com Tenda Facial • Máscara Facial Simples com • orifício lateral
  • 27. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara de Reinalação Parcial • Sistema não possui válvulas. • Durante a inspiração o O2 passa diretamente ao paciente e durante a expiração, parte do ar é armazenado na bolsa e a outra parte exalada por orifícios laterais.
  • 28. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara de Reinalação Parcial
  • 29. Sistemas de Baixo Fluxo • Máscara de Não-Reinalação • Impede a reinalação através de válvulas unidirecionais • Uma válvula inspiratória no topo da Bolsa • Válvulas Expiratórias cobrem as portas de expiração sobre o corpo da máscara. • Durante a inspiração, uma leve pressão negativa fecha as válvulas expiratórias e impede a diluição aérea, ao mesmo tempo que a válvula inspiratória se abre mediante fluxo positivo de O2.
  • 31. Sistemas de Alto Fluxo • Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi) • O ar é arrastado por força de cisalhamento nos limites do fluxo de jato de O2 que passa por um orifício, quanto menor for o diâmetro deste orifício, maior a velocidade do fluxo e maior a quantidade de ar arrastado. • A FiO2 é regulada de acordo com a escolha do adaptador do jato. • Fluxo acima de 10 l/min não aumenta a FiO2.
  • 32. Sistemas de Alto Fluxo • Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi)
  • 33. Sistemas de Alto Fluxo • Máscara de Arrastamento de Ar (Sistema Venturi)
  • 34. Efeitos Fisiológicos e Toxicidade do O2 • Os efeitos neurológicos centrais incluindo tremores, contrações e convulsões tendem a ocorrer somente quando o paciente for submetido à pressões supratmosféricas (oxigenoterapia hiperbárica), no entanto, as respostas pulmonares ocorrem entre 12 e 72 horas de exposição a 100% de O2 inspirado.