SlideShare uma empresa Scribd logo
Oxigenoterapia
PROFESSOR : ALEXANDRE
(fonte : POP ENFERMAGEM HGV 2012, Manual Procedimentos padrão do Corem
DF 2012, Manual do Técnico de Enfermagem)
CONCEITO
 O oxigênio (O²) é fonte de vidafonte de vida do ser
humano devendo ser administrado em
concentrações que variam de 21% a21% a
100%100% dependendo da necessidade do
paciente, visando manter a pressão
parcial de O² dentro dos parâmetros da
normalidade.
DEFINIÇÕES IMPORTANTES
Saturação de O2 : quantidade de O2 na Hb
comparada à quantidade presente se Hb
estivesse totalmente saturada.
normal no Rn - 85 a 95 %.
normal adulto - acima de 90%
Fração inspirada de O2 : % de O2
ambiental
Fio2 = 20 + 4 x O2 ofertado
OBJETIVOSOBJETIVOS
 Facilitar trocas gasosas;
 Manter viabilidade tecidual
corpórea;
 Manter os níveis de PaO²,
prevenindo os efeitos da hipóxia
e hiperoxia.
 Diminuir o trabalho respiratório
evitando fadiga muscular.
INDICAÇÕESINDICAÇÕES
OXIGENIOTERAPIAOXIGENIOTERAPIA
1. Alteração da freqüência e
padrão da respiração;
2. Hipoxemia(diminuição da concentração de
oxigênio na corrente sangüínea arterial.)
3. Hipóxia(diminuição da oferta de oxigênio aos
tecidos).
TIPOS DE HIPÓXIA
 Hipóxia hipoxemica:
 Diminuição no nível de oxigênio no sangue decorrente da diminuição da
difusão do oxigênio nos tecidos
 Hipóxia circulatória:
 È resultante da inadequada circulação capilar.
 Hipóxia anêmica:
 É decorrente da diminuição da concentração das células de
hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio.
 Hipóxia histotóxica:
 Ocorre quando uma substancia tóxica, interfere na
capacidade dos tecidos utilizar o oxigênio(cianureto).
QUANDO ACONTECE
EFEITO TÓXICO
 Terapia maior que 50%;
 Período superior á 48horas;
 Fisiologia da toxidade
 Não é bem definida:
 Relacionada com a destruição e diminuição
surfactante;
 Formação da membrana hialina e ao
desenvolvimento do edema pulmonar sem origem
cardíaca.
SEMIOLOGIA TOXIDADE DO
OXIGÊNIO
 Angustia subesternal;
 Parestesia;
 Dispnéia;
 Inquietação;
 Fadiga;
 Mal estar;
 Dificuldade respiratória;
 Infiltrados alveolares detectados no
RX de tórax.
COMPLICAÇÕES TECIDUAIS
OXIGENIOTERAPIA
 Fibroplasia retrolental:
 Retinopatia do recém nascido; a maioria dos casos
regride espontaneamente, no entanto alguns evoluem
com amaurose definitiva.
 Displasia broncopulmonar:
 Pneumonia crônica da prematuridade.
OXIGENIOTERAPIA
 Oxigênio é um medicamento.
 Deve ser prescrito pelo médico.
 Enfermagem tem autonomia nas
urgências e emergência:métodos não
invasivos.
 Prevenir a toxidade é função da
equipe.
 Minimizar o tempo exposição e
oferta.
 Iniciar o desmame o quanto antes
possível.
MÉTODOS NÃO INVASIVOS
 A-Baixo fluxo:
 É utilizado em situação de baixo risco, pois o paciente
irá inspirar parcialmente o gás, o que não fornece
concentração exata do oxigênio respirado.
 1-CATETER NASAL/ CATETER OROFARÍNGEO/
CÂNULA NASAL.
 2-MÁSCARAS:
 Máscara facial simples (névoa ou nebulização contínua);
 Máscara de reinalação parcial;
 Máscara de não reinalação;
MÉTODOS NÃO
INVANSIVO
 B-Sistema de alto fluxo:
 Cateter transtraqueal;
 Máscara de Venturi;
 Máscara laríngea;
 Capacete;
 Tenda de Oxigênio;
 Ventilação manual (VPP), ventilação por pressão
positiva;
 Máscara CPAP.
MÉTODOS INVASIVOS
 Combitubo;
 Ventilação pulmonar mecânica
efetivada;
 Traqueo-ventilação direta.
SEMIOLÓGIA INDICATIVA
OXIGENIOTERAPIA
 Hipotensão arterial;
 Diminuição da perfusão periférica;
 Cianose de extremidades;
 Pele fria;
 Alteração do nível de consciência (agitado,
confuso, prostrado, irritabilidade);
 Esforço respiratório;
 Alteração da freqüência respiratória,
associada ao esforço respiratório.
DISPOSITIVOS BAIXO FLUXO
 CATETER NASAL/ CÂNULA
NASAL/CATETER OROFARÍNGEO.
 O cateter nasal
 Dispositivo de polietileno ou silicone em formato
de óculos instalado através das narinas.

Cânula nasal
 Material plástico maleável e descartável; sua
introdução deve ser respeitada através da
mensuração entre a aba da orelha e ápice do
nariz.

A cânula orofaríngea
 Material é igual ao nasal comum.O que diferencia
é a forma de instalação: via oral e até a laringe.
INDICAÇÃO BAIXO FLUXO
Dispnéia leves
Queda de saturação
sustentável >85% <90%.
Baixo risco de hipoxemia.
CATETER E CÂNULAS
 Vantagens
 Segura, simples, facilmente
tolerada pelo paciente;
 Baixo custo, devido a uma
oferta menor de gás;
 Permite conversação e
ingestão de alimentos;
 Facilita a mobilização do
paciente no leito;
 Descartável.
 Desvantagens
 Concentração de FiO² é
variável;
 Não pode ser utilizada em
caso de obstrução de vias
aéreas;
 Causa cefaléia e
ressecamento de mucosas
se oferta de fluxo maior
que 6l/min.;
 Desloca-se facilmente, por
isso esta contra indicado
em paciente agitados e
confusos.
MÁSCARAS
 Facial Simples/ Névoa e/ou nebulização
contínua
 O oxigênio flui através de um portal/prolongamento no fundo da máscara e
o CO² é exalando através dos portais de expiração.
 Máscara de reinalação parcial
 O oxigênio ofertado é inspirado através de uma bolsa reservatória
juntamente com ar atmosférico.
 MÁCARA DE NÃO-REINALAÇÃO
 Neste método durante a inspiração, a válvula inspiratória se abre
direcionando o oxigênio de dentro da bolsa para máscara, quando
da expiração o gás deixa a máscara através das válvulas
expiratória e vai para atmosfera.
INDICAÇÕES MÁSCARA
 PACIENTES COM QUEDA DE SATURAÇÃO
MODERADA
 Sat. O² entre 75% e 87%;
 ALTERAÇÃO PADRÃO RESPIRATÓRIO
 Freqüência respiratória >50% do seu valor normal
 ESFORÇO RESPIRATÓRIO MODERADO;
 Batimento de asa de Nariz, esforço intercostal com
retração de fúrcula.
 PERFUSÃO PERIFÉRICA DIMINUIDA.
MÁSCARAS
 Vantagens
 Quantidade de litros de
oxigênio mínimo 06
l/min. á 08l/min.
 Pode ser administrado
de 40% á 75% FiO².
 Barata;
 Simples de usar;
 Desvantagens
 Esquenta a face do
cliente;
 Adaptação incomoda;
 Em situação de vômitos
o paciente pode bronco
aspirar.
 Adaptação ruim;
 FiO² variável;
 Deve ser removida para
se alimentar
SISTEMA DE ALTO FLUXO
NÃO INVASIVO
 Cateter transtraqueal/ Traqueo-ventilação
direta;
 Máscara de Venturi;
 Máscara laríngea;
 Capacete;
 Máscara CPAP;
 Tenda de Oxigênio;
 Ventilação manual (VPP), ventilação por
pressão positiva;
CATETER TRANSTRAQUEAL/
TRAQUEO-VENTILAÇÃO
DIRETA
 È um método utilizado no paciente
portador de traqueostomia, onde
um cateter comum é colocado
diretamente no orifício traqueal
através da cânula de
traqueotomia.
CATETER TRANSTRAQUEAL/
TRAQUEO-VENTILAÇÃO DIRETA
 VANTAGENS
 Baixo volume de
oxigênio de 01 á 04
litros;
 Quando bem adaptado o
desperdício é mínimo;
 A concentração de
oxigênio ofertado vai de
60 á 100%;
 Mais confortável ao
paciente podendo ser
ocultado pela roupa.
 DESVANTAGENS
 Requer limpeza
freqüente e regular;
 Exige intervenção
cirúrgica;
 Quando do excesso de
secreção corre maior
risco de obstrução
MÁSCARA DE VENTURI
 É um método muito utilizado nos dias
atual devido sua eficácia e
resolutividade rápida, extremamente
confiável, permite um fluxo constante
de ar ambiente misturado com o fluxo
de oxigênio.
MÁSCARA DE VENTURI
 Vantagens
 Precisão na concentração de
oxigênio, independente dom
padrão respiratório;
 A FiO² pode ser alterada a
qualquer momento,
simplesmente regulando o
botão da válvula ou
trocando a mesma;
 Não resseca mucosas;
 Pode ser acrescentados
fluídos e ou aerossóis.
 Fornece baixos níveis de
oxigênio
 Desvantagens
 Deve ser removida para
alimentação;
 Alguns pacientes sentem-se
sufocado devido à pressão
facial.
CAPACETE/CÂMPANULA/
HOOD
 É um dispositivo de oxigenioterapia de
acrílico transparente, podendo ser
usado dentro da incubadora onde o RN
recebe concentração ideal de oxigênio;
podendo ser usado ainda em lactentes,
crianças e jovens.
 Tamanho varia de acordo com estatura
e peso da criança, sendo dimensionado
seu tamanho por litros.
CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO
Ar
l/mi
n
0 1 2 3 4 5 6 7
O²
l/mi
n
8 7 6 5 4 3 2 1
Sa
t.
100
%
90
%
80
%
70
%
60
%
50
%
40
%
30
%
CAPACETE/CÂMPANULA/
HOOD
 Vantagens
 Melhor visibilidade do
RN;
 Concentração fornecida
é ideal;
 Saturação de FiO² pode
variar de 30% a 100%;
 Custo acessível;
 Facilidade de instalação.
 Desvantagens
 Restringir mobilidade do
RN e/ou lactente;
 Risco de bronco
aspiração em caso de
vômitos;
 Risco maior de toxidade
retina.
CPAP
 Neste método o paciente pode respirar
espontaneamente, mantendo pressão
positiva nas vias respiratórias, com ou
sem a ventilação mecânica.
CPAP
 Vantagens:
 Melhora de maneira não
invasiva a oxigenação arterial,
 Aumenta a capacidade residual;
 Diminui o risco de ventilação
mecânica;
 O paciente pode falar e tossir
sem diminuir a pressão positiva
alveolar.
 Desvantagens:
 Ajuste firme, o que causa
desconforto;
 Interfere na ingestão de
alimentos;
 Maior risco de bronco
aspiração;
 Risco para pneumotórax,
 Diminuição do débito cardíaco,
 Distensão gástrica;
 Contra indicado na doença
pulmonar obstrutiva crônica e
baixo débito cardíaco ou
pneumotórax de tensão.
 Risco de lesão em rima nasal.
COMPLICAÇÕES DO CPAP
 Pneumotoráx;
 Obstrução nasal;
 Distensão gástrica;
 Necrose nasal;
 Necrose de septo nasal.
PROCEDIEMNTO DEPROCEDIEMNTO DE
INSTALAÇÃOINSTALAÇÃO
 Ajuste o gorro na cabeça;
 Fixar o gorro com velco de forma evitar que
escorregue: altura temporal;
 Insira o adaptador na abertura do
umidificador e no tubo inspiratório (se
necessário conecte o sistema num umdificador
apropriado);
 Regule o fluxo de gás para 05 e/ou 10 l/min;
PROCEDIMENTOS DE
INSTALAÇÃO
 Ajuste a FiO² de acordo com
necessidade da criança;
 Conecte o tubo expiratório (azul) no
gerador de pressão;
 Lubrifique asa nasal e insira pronga
cuidadosamente;
 Corte o velco restante e fixo as
traquéia ao lado ( região parietal
D/E);
 Conecte luer-lock ao monitor de
pressão.

ORIENTAÇÕES GERAISORIENTAÇÕES GERAIS
 CPAP- utilizar apenas com geradores de pressão
inspiratória e expiratória.
 Monitorização contínua;
 Contra indicada em apnéias/ hipotensão arterial
secundária e hipovolemia;
 Certifique continuamente das conexões estejam
seguras
TENDA DE OXIGÊNIO
 Método pouco ultrapassado
 Necessita de grandes fluxos de gases, acima de 15
l/min,
 Apresenta grandes variações na FiO² durante
manipulação da criança, pode aumentar a concentração
de dióxido de carbono,
 Proporciona uma baixa concentração de oxigênio,
máximo de 30%,
 Necessita do uso de gelo seco para manter o gás
umidificado, o que pode causar choque hipotérmico na
criança
 Alto custo ocasionado pelo desperdício do oxigênio e
custo do gelo seco; embora, o método seja barato.
VENTILAÇÃO POR PRESSÃO
POSITIVA-VPP
 Método de curta duração, utilizado para
oxigenar paciente através de um sistema
de ventilação por pressão positiva
 Composto:
 Fluxometros,
 Extensão de oxigênio (borracha de silicone)
 Ambú,
 Máscara facial,
 Válvula expiratória
 Bolsa reservatória,
 Normalmente aplicada em paciente com risco eminente de morte.
VENTILAÇÃO POR PRESSÃO
POSITIVA-VPP
 Vantagens:
 Fornece 100% de
oxigênio;
 Fácil aplicabilidade;
 Baixo custo;
 Desvantagens:
 Necessita de
treinamento e
habilidade técnica na
execução;
 Método indicado para
situações exclusivas
de urgência e
emergenciais;
INDICAÇÃO VPP
 Na recepção do recém nascido após o
nascimento, como apoio ao período de
transição intra-extra uterino;
 Durante a aspiração traqueo-naso-oral
com paciente em ventilação mecânica;
 Apnéias transitórias até intubação;
 Reanimação cardiorespiratória
ORIENTAÇÕES GERAIS NA OXIGENIOTERAPIA
 Cheque e teste todo material antes da sua
instalação, válvula com defeito pode causar
intoxicação pelo dióxido de carbono e sufocação;
 Desobstrua vias aéreas e hidratem mucosas antes
de instalar qualquer um dos dispositivos
 Registrar horário de início da oxigenioterapia e
saturação de oxigênio antes da terapia iniciada;
 Certifique-se sempre de que a vedação da
máscara esta adequada;
ORIENTAÇÕES GERAIS NA
OXIGENIOTERAPIA
 Depois da instalação de qualquer um
dos dispositivos, uma hora após
recomenda-se que seja verificado a
oximetria de pulso e sinais vitais
gerais;
 Oriente sua equipe a respeito dos
sinais de hipoxemia e hipercapnemia;
 Realize inspeção de derme facial
detectando ocorrência de lesões.
ORIENTAÇÕES GERAIS NA
OXIGENIOTERAPIA
 Observar e anotar de 2/2h, perfusão periférica,
freqüência respiratória e padrão respiratório,
bem como, demais sinais vitais.
 Lembre-se que oxigenioterapia de longa
duração deve ser úmida, esteja atento quanto
ao reservatório, mantido com água destilada,
caso exista, aquecedor seria o ideal.
 Cabe ao enfermeiro avaliar e discutir com
equipe e médico momento ideal para iniciar
desmame da oxigenioterapia
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
gengelaOliveira
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
RayaneCristina40
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
Luciane Santana
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
resenfe2013
 
Aula de gasometria
Aula de gasometriaAula de gasometria
Aula de gasometria
ThatyanaMugica
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
Luana Silva
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
Patricia Cardoso
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 

Mais procurados (20)

AULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptxAULA-oxigenoterapia.pptx
AULA-oxigenoterapia.pptx
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
Suporte+ventilat+ôrio+mec+énico (atual)
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Oxigeneoterapia
OxigeneoterapiaOxigeneoterapia
Oxigeneoterapia
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
 
Aula de gasometria
Aula de gasometriaAula de gasometria
Aula de gasometria
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Oxigenioterapia
OxigenioterapiaOxigenioterapia
Oxigenioterapia
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 

Semelhante a Oxigenioterapia2

aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
THIALYMARIASILVADACU
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
GlriaBorges3
 
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
LarissaSousa17469
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
JotaBSN
 
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptxATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
ThiagoLevy7
 
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
Tereza Cristina Silva
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
LuzzyLeite
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
ctisaolucascopacabana
 
CPAP NASAL
CPAP NASALCPAP NASAL
AULA_CPAPNASAL.ppt
AULA_CPAPNASAL.pptAULA_CPAPNASAL.ppt
AULA_CPAPNASAL.ppt
TobiasdSantos1
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
EduardoMachado777773
 
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Fatima Braga
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
prontoatendimentohbm
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
JoaraSilva1
 

Semelhante a Oxigenioterapia2 (20)

aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapiaaula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
aula-oxigenoterapia.pptxtiposdeoxigenoterapia
 
3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf3 Oxigenoterapia.pdf
3 Oxigenoterapia.pdf
 
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensivaOxigenoterapia Unidade terapia intensiva
Oxigenoterapia Unidade terapia intensiva
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
 
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptxATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
ATENDIMENTO AO AFOGADO .pptx
 
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
1 orientacoes sobre_o_manuseio_do_paciente_com_pneumonia_e_insuficiencia_resp...
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
Suporte Ventilatorio para enfermagem técnica (atual)
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti oxigenoterapia aula uti
oxigenoterapia aula uti
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
 
CPAP NASAL
CPAP NASALCPAP NASAL
CPAP NASAL
 
AULA_CPAPNASAL.ppt
AULA_CPAPNASAL.pptAULA_CPAPNASAL.ppt
AULA_CPAPNASAL.ppt
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNica
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
 
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIASAULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
AULA OXIGENOTERAPIA, TIPOS DE CATETERES E VIAS
 

Mais de Alexandre Donha

Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2
Alexandre Donha
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
Alexandre Donha
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
Alexandre Donha
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
Alexandre Donha
 
Ovace
OvaceOvace
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
Alexandre Donha
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
Alexandre Donha
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Alexandre Donha
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Alexandre Donha
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Alexandre Donha
 
Questões aula 1
Questões aula 1Questões aula 1
Questões aula 1
Alexandre Donha
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
Alexandre Donha
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
Alexandre Donha
 

Mais de Alexandre Donha (17)

Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1Anatomia corpo humano parte 1
Anatomia corpo humano parte 1
 
Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8Anatomia corpo humano parte 8
Anatomia corpo humano parte 8
 
Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7Anatomia corpo humano parte 7
Anatomia corpo humano parte 7
 
Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2Anatomia corpo humano parte 2
Anatomia corpo humano parte 2
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
 
Intoxicação
IntoxicaçãoIntoxicação
Intoxicação
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Questões aula 1
Questões aula 1Questões aula 1
Questões aula 1
 
Aerossolterapia
AerossolterapiaAerossolterapia
Aerossolterapia
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
 

Oxigenioterapia2

  • 1. Oxigenoterapia PROFESSOR : ALEXANDRE (fonte : POP ENFERMAGEM HGV 2012, Manual Procedimentos padrão do Corem DF 2012, Manual do Técnico de Enfermagem)
  • 2. CONCEITO  O oxigênio (O²) é fonte de vidafonte de vida do ser humano devendo ser administrado em concentrações que variam de 21% a21% a 100%100% dependendo da necessidade do paciente, visando manter a pressão parcial de O² dentro dos parâmetros da normalidade.
  • 3. DEFINIÇÕES IMPORTANTES Saturação de O2 : quantidade de O2 na Hb comparada à quantidade presente se Hb estivesse totalmente saturada. normal no Rn - 85 a 95 %. normal adulto - acima de 90% Fração inspirada de O2 : % de O2 ambiental Fio2 = 20 + 4 x O2 ofertado
  • 4. OBJETIVOSOBJETIVOS  Facilitar trocas gasosas;  Manter viabilidade tecidual corpórea;  Manter os níveis de PaO², prevenindo os efeitos da hipóxia e hiperoxia.  Diminuir o trabalho respiratório evitando fadiga muscular.
  • 5. INDICAÇÕESINDICAÇÕES OXIGENIOTERAPIAOXIGENIOTERAPIA 1. Alteração da freqüência e padrão da respiração; 2. Hipoxemia(diminuição da concentração de oxigênio na corrente sangüínea arterial.) 3. Hipóxia(diminuição da oferta de oxigênio aos tecidos).
  • 6. TIPOS DE HIPÓXIA  Hipóxia hipoxemica:  Diminuição no nível de oxigênio no sangue decorrente da diminuição da difusão do oxigênio nos tecidos  Hipóxia circulatória:  È resultante da inadequada circulação capilar.  Hipóxia anêmica:  É decorrente da diminuição da concentração das células de hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio.  Hipóxia histotóxica:  Ocorre quando uma substancia tóxica, interfere na capacidade dos tecidos utilizar o oxigênio(cianureto).
  • 7. QUANDO ACONTECE EFEITO TÓXICO  Terapia maior que 50%;  Período superior á 48horas;  Fisiologia da toxidade  Não é bem definida:  Relacionada com a destruição e diminuição surfactante;  Formação da membrana hialina e ao desenvolvimento do edema pulmonar sem origem cardíaca.
  • 8. SEMIOLOGIA TOXIDADE DO OXIGÊNIO  Angustia subesternal;  Parestesia;  Dispnéia;  Inquietação;  Fadiga;  Mal estar;  Dificuldade respiratória;  Infiltrados alveolares detectados no RX de tórax.
  • 9. COMPLICAÇÕES TECIDUAIS OXIGENIOTERAPIA  Fibroplasia retrolental:  Retinopatia do recém nascido; a maioria dos casos regride espontaneamente, no entanto alguns evoluem com amaurose definitiva.  Displasia broncopulmonar:  Pneumonia crônica da prematuridade.
  • 10. OXIGENIOTERAPIA  Oxigênio é um medicamento.  Deve ser prescrito pelo médico.  Enfermagem tem autonomia nas urgências e emergência:métodos não invasivos.  Prevenir a toxidade é função da equipe.  Minimizar o tempo exposição e oferta.  Iniciar o desmame o quanto antes possível.
  • 11. MÉTODOS NÃO INVASIVOS  A-Baixo fluxo:  É utilizado em situação de baixo risco, pois o paciente irá inspirar parcialmente o gás, o que não fornece concentração exata do oxigênio respirado.  1-CATETER NASAL/ CATETER OROFARÍNGEO/ CÂNULA NASAL.  2-MÁSCARAS:  Máscara facial simples (névoa ou nebulização contínua);  Máscara de reinalação parcial;  Máscara de não reinalação;
  • 12. MÉTODOS NÃO INVANSIVO  B-Sistema de alto fluxo:  Cateter transtraqueal;  Máscara de Venturi;  Máscara laríngea;  Capacete;  Tenda de Oxigênio;  Ventilação manual (VPP), ventilação por pressão positiva;  Máscara CPAP.
  • 13. MÉTODOS INVASIVOS  Combitubo;  Ventilação pulmonar mecânica efetivada;  Traqueo-ventilação direta.
  • 14. SEMIOLÓGIA INDICATIVA OXIGENIOTERAPIA  Hipotensão arterial;  Diminuição da perfusão periférica;  Cianose de extremidades;  Pele fria;  Alteração do nível de consciência (agitado, confuso, prostrado, irritabilidade);  Esforço respiratório;  Alteração da freqüência respiratória, associada ao esforço respiratório.
  • 15. DISPOSITIVOS BAIXO FLUXO  CATETER NASAL/ CÂNULA NASAL/CATETER OROFARÍNGEO.  O cateter nasal  Dispositivo de polietileno ou silicone em formato de óculos instalado através das narinas.  Cânula nasal  Material plástico maleável e descartável; sua introdução deve ser respeitada através da mensuração entre a aba da orelha e ápice do nariz.  A cânula orofaríngea  Material é igual ao nasal comum.O que diferencia é a forma de instalação: via oral e até a laringe.
  • 16. INDICAÇÃO BAIXO FLUXO Dispnéia leves Queda de saturação sustentável >85% <90%. Baixo risco de hipoxemia.
  • 17. CATETER E CÂNULAS  Vantagens  Segura, simples, facilmente tolerada pelo paciente;  Baixo custo, devido a uma oferta menor de gás;  Permite conversação e ingestão de alimentos;  Facilita a mobilização do paciente no leito;  Descartável.  Desvantagens  Concentração de FiO² é variável;  Não pode ser utilizada em caso de obstrução de vias aéreas;  Causa cefaléia e ressecamento de mucosas se oferta de fluxo maior que 6l/min.;  Desloca-se facilmente, por isso esta contra indicado em paciente agitados e confusos.
  • 18. MÁSCARAS  Facial Simples/ Névoa e/ou nebulização contínua  O oxigênio flui através de um portal/prolongamento no fundo da máscara e o CO² é exalando através dos portais de expiração.  Máscara de reinalação parcial  O oxigênio ofertado é inspirado através de uma bolsa reservatória juntamente com ar atmosférico.  MÁCARA DE NÃO-REINALAÇÃO  Neste método durante a inspiração, a válvula inspiratória se abre direcionando o oxigênio de dentro da bolsa para máscara, quando da expiração o gás deixa a máscara através das válvulas expiratória e vai para atmosfera.
  • 19. INDICAÇÕES MÁSCARA  PACIENTES COM QUEDA DE SATURAÇÃO MODERADA  Sat. O² entre 75% e 87%;  ALTERAÇÃO PADRÃO RESPIRATÓRIO  Freqüência respiratória >50% do seu valor normal  ESFORÇO RESPIRATÓRIO MODERADO;  Batimento de asa de Nariz, esforço intercostal com retração de fúrcula.  PERFUSÃO PERIFÉRICA DIMINUIDA.
  • 20. MÁSCARAS  Vantagens  Quantidade de litros de oxigênio mínimo 06 l/min. á 08l/min.  Pode ser administrado de 40% á 75% FiO².  Barata;  Simples de usar;  Desvantagens  Esquenta a face do cliente;  Adaptação incomoda;  Em situação de vômitos o paciente pode bronco aspirar.  Adaptação ruim;  FiO² variável;  Deve ser removida para se alimentar
  • 21. SISTEMA DE ALTO FLUXO NÃO INVASIVO  Cateter transtraqueal/ Traqueo-ventilação direta;  Máscara de Venturi;  Máscara laríngea;  Capacete;  Máscara CPAP;  Tenda de Oxigênio;  Ventilação manual (VPP), ventilação por pressão positiva;
  • 22. CATETER TRANSTRAQUEAL/ TRAQUEO-VENTILAÇÃO DIRETA  È um método utilizado no paciente portador de traqueostomia, onde um cateter comum é colocado diretamente no orifício traqueal através da cânula de traqueotomia.
  • 23. CATETER TRANSTRAQUEAL/ TRAQUEO-VENTILAÇÃO DIRETA  VANTAGENS  Baixo volume de oxigênio de 01 á 04 litros;  Quando bem adaptado o desperdício é mínimo;  A concentração de oxigênio ofertado vai de 60 á 100%;  Mais confortável ao paciente podendo ser ocultado pela roupa.  DESVANTAGENS  Requer limpeza freqüente e regular;  Exige intervenção cirúrgica;  Quando do excesso de secreção corre maior risco de obstrução
  • 24. MÁSCARA DE VENTURI  É um método muito utilizado nos dias atual devido sua eficácia e resolutividade rápida, extremamente confiável, permite um fluxo constante de ar ambiente misturado com o fluxo de oxigênio.
  • 25. MÁSCARA DE VENTURI  Vantagens  Precisão na concentração de oxigênio, independente dom padrão respiratório;  A FiO² pode ser alterada a qualquer momento, simplesmente regulando o botão da válvula ou trocando a mesma;  Não resseca mucosas;  Pode ser acrescentados fluídos e ou aerossóis.  Fornece baixos níveis de oxigênio  Desvantagens  Deve ser removida para alimentação;  Alguns pacientes sentem-se sufocado devido à pressão facial.
  • 26. CAPACETE/CÂMPANULA/ HOOD  É um dispositivo de oxigenioterapia de acrílico transparente, podendo ser usado dentro da incubadora onde o RN recebe concentração ideal de oxigênio; podendo ser usado ainda em lactentes, crianças e jovens.  Tamanho varia de acordo com estatura e peso da criança, sendo dimensionado seu tamanho por litros.
  • 27. CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO Ar l/mi n 0 1 2 3 4 5 6 7 O² l/mi n 8 7 6 5 4 3 2 1 Sa t. 100 % 90 % 80 % 70 % 60 % 50 % 40 % 30 %
  • 28. CAPACETE/CÂMPANULA/ HOOD  Vantagens  Melhor visibilidade do RN;  Concentração fornecida é ideal;  Saturação de FiO² pode variar de 30% a 100%;  Custo acessível;  Facilidade de instalação.  Desvantagens  Restringir mobilidade do RN e/ou lactente;  Risco de bronco aspiração em caso de vômitos;  Risco maior de toxidade retina.
  • 29. CPAP  Neste método o paciente pode respirar espontaneamente, mantendo pressão positiva nas vias respiratórias, com ou sem a ventilação mecânica.
  • 30. CPAP  Vantagens:  Melhora de maneira não invasiva a oxigenação arterial,  Aumenta a capacidade residual;  Diminui o risco de ventilação mecânica;  O paciente pode falar e tossir sem diminuir a pressão positiva alveolar.  Desvantagens:  Ajuste firme, o que causa desconforto;  Interfere na ingestão de alimentos;  Maior risco de bronco aspiração;  Risco para pneumotórax,  Diminuição do débito cardíaco,  Distensão gástrica;  Contra indicado na doença pulmonar obstrutiva crônica e baixo débito cardíaco ou pneumotórax de tensão.  Risco de lesão em rima nasal.
  • 31. COMPLICAÇÕES DO CPAP  Pneumotoráx;  Obstrução nasal;  Distensão gástrica;  Necrose nasal;  Necrose de septo nasal.
  • 32. PROCEDIEMNTO DEPROCEDIEMNTO DE INSTALAÇÃOINSTALAÇÃO  Ajuste o gorro na cabeça;  Fixar o gorro com velco de forma evitar que escorregue: altura temporal;  Insira o adaptador na abertura do umidificador e no tubo inspiratório (se necessário conecte o sistema num umdificador apropriado);  Regule o fluxo de gás para 05 e/ou 10 l/min;
  • 33. PROCEDIMENTOS DE INSTALAÇÃO  Ajuste a FiO² de acordo com necessidade da criança;  Conecte o tubo expiratório (azul) no gerador de pressão;  Lubrifique asa nasal e insira pronga cuidadosamente;  Corte o velco restante e fixo as traquéia ao lado ( região parietal D/E);  Conecte luer-lock ao monitor de pressão. 
  • 34. ORIENTAÇÕES GERAISORIENTAÇÕES GERAIS  CPAP- utilizar apenas com geradores de pressão inspiratória e expiratória.  Monitorização contínua;  Contra indicada em apnéias/ hipotensão arterial secundária e hipovolemia;  Certifique continuamente das conexões estejam seguras
  • 35. TENDA DE OXIGÊNIO  Método pouco ultrapassado  Necessita de grandes fluxos de gases, acima de 15 l/min,  Apresenta grandes variações na FiO² durante manipulação da criança, pode aumentar a concentração de dióxido de carbono,  Proporciona uma baixa concentração de oxigênio, máximo de 30%,  Necessita do uso de gelo seco para manter o gás umidificado, o que pode causar choque hipotérmico na criança  Alto custo ocasionado pelo desperdício do oxigênio e custo do gelo seco; embora, o método seja barato.
  • 36. VENTILAÇÃO POR PRESSÃO POSITIVA-VPP  Método de curta duração, utilizado para oxigenar paciente através de um sistema de ventilação por pressão positiva  Composto:  Fluxometros,  Extensão de oxigênio (borracha de silicone)  Ambú,  Máscara facial,  Válvula expiratória  Bolsa reservatória,  Normalmente aplicada em paciente com risco eminente de morte.
  • 37. VENTILAÇÃO POR PRESSÃO POSITIVA-VPP  Vantagens:  Fornece 100% de oxigênio;  Fácil aplicabilidade;  Baixo custo;  Desvantagens:  Necessita de treinamento e habilidade técnica na execução;  Método indicado para situações exclusivas de urgência e emergenciais;
  • 38. INDICAÇÃO VPP  Na recepção do recém nascido após o nascimento, como apoio ao período de transição intra-extra uterino;  Durante a aspiração traqueo-naso-oral com paciente em ventilação mecânica;  Apnéias transitórias até intubação;  Reanimação cardiorespiratória
  • 39. ORIENTAÇÕES GERAIS NA OXIGENIOTERAPIA  Cheque e teste todo material antes da sua instalação, válvula com defeito pode causar intoxicação pelo dióxido de carbono e sufocação;  Desobstrua vias aéreas e hidratem mucosas antes de instalar qualquer um dos dispositivos  Registrar horário de início da oxigenioterapia e saturação de oxigênio antes da terapia iniciada;  Certifique-se sempre de que a vedação da máscara esta adequada;
  • 40. ORIENTAÇÕES GERAIS NA OXIGENIOTERAPIA  Depois da instalação de qualquer um dos dispositivos, uma hora após recomenda-se que seja verificado a oximetria de pulso e sinais vitais gerais;  Oriente sua equipe a respeito dos sinais de hipoxemia e hipercapnemia;  Realize inspeção de derme facial detectando ocorrência de lesões.
  • 41. ORIENTAÇÕES GERAIS NA OXIGENIOTERAPIA  Observar e anotar de 2/2h, perfusão periférica, freqüência respiratória e padrão respiratório, bem como, demais sinais vitais.  Lembre-se que oxigenioterapia de longa duração deve ser úmida, esteja atento quanto ao reservatório, mantido com água destilada, caso exista, aquecedor seria o ideal.  Cabe ao enfermeiro avaliar e discutir com equipe e médico momento ideal para iniciar desmame da oxigenioterapia