SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Imunitário III
Mecanismos de defesa
• Defesas específicas ou imunidade adquirida.




• Imunidade humoral ou imunidade mediada por anticorpos


  • Imunidade celular ou imunidade mediada por células
Defesa específica

É desencadeada alguns dias após o início da invasão de
agentes patogénicos.


É dirigida de uma forma específica e eficaz contra um
determinado agente agressor - antigénio.


Ao contrário do que acontece com a defesa não específica,
a resposta do organismo melhora a cada novo contacto.


Verifica-se especificidade e memória.
Defesa específica
                             ANTIGÉNIOS
Antigénio
Molécula que é capaz de desencadear uma
resposta específica de um linfócito.

Podem ser moléculas pertencentes a vírus,
bactérias, protozoários, parasitas.
Podem ser moléculas estranhas ao organismo
como as que se encontram no pólen, no pêlo
dos animais ou nas células de tecidos
transplantados.

Possui várias regiões capazes de serem reconhecidas pelas células do
sistema imunitário - determinante antigénico ou epítopo.


As principais células que intervêm na defesa específica do organismo são
os linfócitos.
Defesa específica
Defesa específica
Linfócitos B e Linfócitos T
Ambos são produzidos a partir de
células estaminais na medula óssea
(ou no fígado durante o período fetal).

Inicialmente são iguais mas
posteriormente sofrem um processo
de maturação.

Os linfócitos que migram da medula
para o timo dão origem aos linfócitos T
- Imunidade celular -

Os linfócitos que permanecem na medula
óssea e aí continuam o seu processo de
maturação dão origem aos linfócitos B
- Imunidade humoral -
Defesa específica
                         Imunocompetência

     Durante o processo de maturação os
     linfócitos B e T adquirem moléculas
     específicas receptoras de antigénios.

     Passam a ser capazes de participar na
     resposta imunitária e por isso são
     designados por imunocompetentes.


Seguidamente, passam para a circulação sanguínea e linfática e acumulam-se
em órgãos como o baço e os gânglios lifáticos.


Adquirem também a capacidade de distinguir o que é próprio do que é
estranho ao organismo.
Defesa específica



Os linfócitos que
apresentam
receptores para
antigénios próprios
são eliminados, caso
contrário
desenvolver-se-ia
uma acção do sistema
imunitário contra o
próprio organismo.
Defesa específica


Cada pessoa tem
uma grande
diversidade de
linfócitos B e T
com diferentes
receptores
permitindo
reconhecer um
número
incalculável de
antigénios.
Imunidade mediada
  por anticorpos

       ou

imunidade humoral.



                     Linfócito B
Imunidade mediada por anticorpos ou
        imunidade humoral.


A imunidade humoral é
mediada por anticorpos que
circulam no sangue e na linfa e
que são produzidos após o
reconhecimento do antigénio
por linfócitos B.


Um anticorpo é uma proteína
(solúvel) específica, produzida
em resposta à presença de um
antigénio com o qual reage
especificamente.
Imunidade mediada por anticorpos ou
                 imunidade humoral.
                                           1 Os linfócitos B reconhecem
                                             os antigénios através de
                                             receptores específicos.




2 Após a ligação antigénio - receptor,     3 Plasmócitos - de vida
  verifica-se a activação dos linfócitos     relativamente curta produzem
  que possuem esse tipo de receptor;         anticorpos que se difundem
                                             através do sangue e da linfa.
 Os linfócitos multiplicam-se
 originando-se 2 tipos de clones:



4 Células memória -
  permanecem vivas
  durante um longo
  período de tempo,
  prontas a responder
  quando necessário.
Imunidade mediada por anticorpos ou
            imunidade humoral.
                            Anticorpos
Os anticorpos são cadeias polipeptidicas designadas por imunoglobulinas (Ig).


Tem a forma de um Y e são formadas por 4 cadeias polipeptídicas.
2 cadeias pesadas e 2 cadeias leves.

 Possuem:
         Uma região constante, muito semelhante em todas as
         imunoglobulinas

           Uma região variável, distinta e própria de cada tipo de
           anticorpo.
           É nesta região que se estabelece a ligação com o antigénio.
           formando o complexo antigénio-anticorpo.

 Dado a sua forma de Y, cada anticorpo tem 2 regiões variáveis e por isso 2
 locais de ligação ao antigénio.
Imunidade mediada por anticorpos ou
        imunidade humoral.

       Estrutura de um anticorpo.
Imunidade mediada por anticorpos ou
              imunidade humoral.
               Tipos de imunoglobulinas (anticorpos).
                                                                               IgD
     IgG                  IgA                        IgE                     Encontram-se
                                                                             essencialmente na
                                                                             superfície dos
                                                                             linfócitos B,
                                                                             funcionando como
                                                                             receptor de antigénios



                                                                             IgM

Atravessam a          Existem na saliva,       Ligam-se aos basófilos e
placenta e conferem   suor, lágrimas e leite   mastócitos e estimulam a         O facto de ser
imunidade ao feto .   materno.                 libertação de histamina que      formado por 5
                                               pode desencadear reacções        unidades torna-o
                                               alérgicas.                       muito eficaz no
                                                                                combate inicial aos
                                                                                microrganismos
Imunidade mediada por anticorpos ou
           imunidade humoral.
               Reacção antigénio - anticorpo.
Os anticorpos, ao ligarem-se aos antigénios, formam o complexo antigénio-
anticorpo.
Geralmente os anticorpos não reconhecem os antigénios como um todo.
O anticorpo identifica regiões localizadas na superfície de um antigénio
determinantes antigénicos ou epítopos.


    Alguns antigénios tem
    muitos determinantes
    antigénicos diferentes.

    Assim uma simples
    molécula ou uma
    bactéria, por ex. pode
    estimular a produção de
    diferentes anticorpos.
Imunidade mediada por anticorpos ou
            imunidade humoral.
   Os anticorpos actuam sobre os antigénios de várias formas:
Neutralização.
Os anticorpos fixam-se sobre os vírus ou toxinas
bacterianas impedindo-os de penetrar nas células.
Estes complexos podem ser depois
destruídos por fagocitose.


Aglutinação.
Os anticorpos ligam-se aos determinantes antigénicos
formando complexos de grandes dimensões que são
rapidamente fagocitados.


Precipitação.
Processo semelhante à aglutinação mas com moléculas
solúveis, como as toxinas, formando-se complexos
insolúveis que são removidos por
fagocitose.
Imunidade mediada por anticorpos ou
         imunidade humoral.
Os anticorpos actuam sobre os antigénios de várias formas:


Activação do sistema de complemento.
O complexo anticorpo-antigénio activa uma
das proteínas do sistema de complemento e
desencadeia a reacção em cascata que activa
todo o sistema, conduzindo à estimulização de
fagocitose, lise celular e reacção inflamatória.




Estimulação da fagocitose.
Os macrófagos possuem receptores que
reconhecem os anticorpos (especialmente a IgG)
ligados aos antigénios sendo estimulados
a realizar a fagocitose.
Imunidade mediada por anticorpos ou
        imunidade humoral.




                    Actuação
                       dos
                   anticorpos
Imunidade mediada por anticorpos ou
        imunidade humoral.




                     A presença do complexo
                     antigénio-anticorpo
                     amplifica a resposta
                     inflamatória e a eliminação
                     celular já iniciada de uma
                     forma não específica.
Imunidade
  mediada por
    células

       ou

imunidade celular



                    Destruição de célula cancerosa por um linfócito T
Imunidade mediada por células ou
            imunidade celular.

É realizada com base na acção dos linfócitos T,
que têm, também, capacidade de reconhecimento de antigénios.

Tem início com a apresentação do antigénio aos linfócitos T.

   Esta apresentação pode ser realizada por:
   • macrófagos, que fagocitaram agentes patogénicos

   • linfócitos B

   • células infectadas por vírus

   • células cancerosas

   • células dendríticas.


                                                  célula dendrítica.
Imunidade mediada por células ou
               imunidade celular.
Como é feita a apresentação?
Quando os macrófagos fagocitam e digerem agentes patogénicos, formam-se
fragmentos de moléculas com poder antigénico, que se ligam às suas membranas.

Ligam-se às proteínas do complexo principal de histocompatibilidade (MHC) dos
macrófagos formando um complexo antigénio-MHC, que é apresentado aos linfócitos T,
tornando-os activos.
Imunidade mediada por células ou
             imunidade celular.

Uma vez activados, os linfócitos T dividem-se e diferenciam-se em
diferentes tipos de células T.


        • Linfócitos T citolíticos ou T citotóxicos, (Tc)


        • Linfócitos T auxiliares (Th)


        • Linfócitos T memória (Tm)
Imunidade mediada por células ou
              imunidade celular.

       Linfócitos T citolíticos ou T citotóxicos, (Tc) ou CD8

Actuam directamente, reconhecem as células infectadas e células
cancerosas e destroem-nas por indução da lise celular produzindo para
tal compostos químicos tóxicos ( perforina).
Imunidade mediada por células ou
            imunidade celular.
            LinfócitosT auxiliares (Th) ou CD4
Auxiliam tanto na imunidade celular como na imunidade humoral.

Libertam mediadores químicos (citoquinas) que estimulam a
capacidade defensiva de outras células como, fagocitos,
linfócitos B e outros linfócitos T.
Imunidade mediada por células ou
         imunidade celular.
             Linfócitos T memória (Tm)

Células inactivas que ficam aptas a responder a uma nova
exposição ao mesmo antigénio.
Imunidade mediada por células ou
       imunidade celular.
Imunidade mediada por células ou
             imunidade celular.
Os linfócitos T circulam no sangue e na linfa atacando células
infectadas por bactérias, vírus, fungos e protozoários.



Protegem o organismo
contra as suas próprias
células, ou seja as que
se tornaram cancerosas.


                          Interacção entre um linfócito Tc e uma célula cancerosa

      São, também, responsáveis pela rejeição, que ocorre
      quando se efectuam implantes de tecidos (enxertos) ou
      transplantes de órgãos.
Imunidade mediada por células ou
             imunidade celular.
Porque é que ocorre a rejeição dos transplantes?

A rejeição ocorre porque o tecido ou órgão transplantado possui
antigénios na superfície das células, diferentes das do indivíduo
receptor.

Ao detectar a presença de corpos estranhos, os linfócitos T ficam
activos e produzem substâncias capazes de destruir as células
estranhas.
Imunidade mediada por células ou
            imunidade celular.
Para tentar minimizar os efeitos da rejeição

• Tenta-se encontrar um dador que possua a maior identidade
  bioquímica possível com o receptor.
  Para isso, verifica-se a semelhança que existe entre os antigénios do
  complexo maior de histocompatibílidade (MHC).

• Após o transplante, são ministradas drogas que suprimem a
 resposta imunitária.
 Mas como essas drogas são pouco selectivas, tornam os indivíduos
 mais vulneráveis a infecções e ao desenvolvimento de certos tipos
 de cancro.

• Actualmente, a comunidade científica tenta desenvolver drogas
 imunossupressoras mais específicas, procurando inibir apenas os
 tipos de linfócitos que estão envolvidos no processo de rejeição.
Memória imunitária.

               Resposta imunitária primária


O primeiro contacto do organismo com um antigénio origina uma
resposta imunitária primária, durante a qual são activados
linfócitos B e T que se diferenciam em células efectoras e células
de memória.

Eliminado o antigénio, as células efectoras desaparecem, mas as
células de memória permanecem no organismo.
Memória imunitária.

            Resposta imunitária secundária

   Num segundo contacto com o mesmo antigénio, as
   células memória dão origem a uma resposta imunitária
   secundária, mais rápida, intensa e prolongada.




A capacidade do sistema imunitário reconhecer o antigénio e
produzir uma resposta imunitária secundária designa-se
memória imunitária.
Memória imunitária.
Como se explica a existência de mecanismos de memória imunitária?
                                                                 Como o organismo já
                                                                 possui células de
                                                                 memória reage de
                                                                 uma forma mais
                                                                 intensa e rápida,
                                                                 impedindo o
                                                                 aparecimento dos
                                                                 sintomas de doença.
                                                                 Assim, algumas
                                                                 doenças só nos
                                                                 afectam um vez na
                                                                 vida.




  Como a produção de anticorpos requer a         Todo o processo inicia-se novamente
  multiplicação de um determinado linfócito B,   quando em contacto com um novo
  demora alguns dias até que atinja os valores   antigenio, desconhecido para o nosso
  máximos; entretanto, desenvolve-se um estado   organismo.
  infeccioso.
Memória imunitária.

Imunização

A memória imunitária desenvolve-se após um primeiro contacto com
o antigénio, conferindo imunidade ao indivíduo.



A imunidade pode :
  . desenvolver-se naturalmente

  . ser induzida

   - imunidade activa - através das vacinas

   - imunidade passiva - Por administração directa de anticorpos

                        específicos
Memória imunitária.

 Vacinas
Uma vacina é uma solução preparada com antigénios
tornados inofensivos, ex:microrganismos mortos ou
atenuados ou toxinas inactivas.

A vacina desencadeia no organismo uma resposta imunitária
primária e formam-se células de memória.



Soros com anticorpos específicos
Administra-se anticorpos retirados do plasma de indivíduos que já
estiveram em contacto com esse antigénio ou de animais que foram
expostos a esse antigénio - soros imunes.
Ex: tétano, envenenamento resultantes de mordeduras de cobra.
    Nestes casos as toxinas produzidas pelo bacilo do tétano ou da cobra
    tem um efeito fulminante, podendo conduzir à morte antes que
    possam ser produzidos anticorpos.
Interacção das células do
    sistema imunitário
QUESTIONÁRIO
 1. Um antigénio...
    a. é uma bactéria patogénica.
    b. é um vírus.
    c. é uma molécula do próprio organismo.
    d. é uma molécula estranha ao organismo.
X e. todas as opções anteriores são falsas.

 2. A imunidade humoral é da responsabilidade dos...
    a. neutrófilos.
    b. eosinófilos.
    c. basófilos.
X d. linfócitos B.
    e. linfócitos T.

 3. Os anticorpos...
    a. são moléculas estranhas ao organismo.
X b. são moléculas altamente específicas.
    c. fazem parte do sistema de complemento.
    d. ligam-se de forma não específica aos anticorpos.
   e. são um conjunto de moléculas que apenas estimulam a fagocitose.
QUESTIONÁRIO

4. Uma segunda resposta imunitária a uma mesma infecção é sempre
   mais rápida graças à presença de...
  a. linfócitos B.
  b. neutrófilos.
X c. células-memória.
  d. plasmócitos.
  e. macrófagos.


 5 As vacinas são fluidos que...
    a. contêm anticorpos.
    b. contêm agentes patogénicos activos.
    c. não contêm agentes patogénicos.
    d. nunca levam ao desenvolvimento de uma doença.
X   e. contêm agentes patogénicos mortos ou atenuados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específicaSistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específica
Isabel Lopes
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Isabel Lopes
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
trawwr
 
Imunidade humoral
Imunidade humoralImunidade humoral
Imunidade humoral
Livia Santana
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
Crismontalvao
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
Gildo Crispim
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
Annie Oliveira
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
Aninha Alves
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
Lucas Almeida Sá
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário ppt
anabela
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológico
URCA
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
Vitor Manuel de Carvalho
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
Ricardo Portela
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
Cláudia Sofia
 
31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
Leonor Vaz Pereira
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
Janine Rafael
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
LABIMUNO UFBA
 

Mais procurados (20)

Sistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específicaSistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específica
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
 
Imunidade humoral
Imunidade humoralImunidade humoral
Imunidade humoral
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário ppt
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológico
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
 
31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
 

Semelhante a IMUNIDADE III

S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
Pelo Siro
 
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
Teresa Cardoso
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativa
Silas Gouveia
 
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
nuria522
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
guest08fb138a
 
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr
Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO NrMecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr
Nuno Correia
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
Aline Garcia
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
guest5d7719
 
Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Imuno 3
Artur Melo
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
guest5d7719
 
Resposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptxResposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptx
JooSantana94
 
O que é imunologia
O que é imunologiaO que é imunologia
O que é imunologia
Roberta Irvolino
 
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorposFabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
guestd78ba9e
 
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
DavidMurbach1
 
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidadeTecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
whybells
 
Revisão de imunologia
Revisão de imunologiaRevisão de imunologia
Revisão de imunologia
Fabianny Klécia Oliveira
 
6 – imunologia anticorpos1
6 – imunologia   anticorpos16 – imunologia   anticorpos1
6 – imunologia anticorpos1
Nuno Lemos
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
mfernandamb
 
Aula 1 geral hq
Aula 1 geral hqAula 1 geral hq
Aula 1 geral hq
Adila Trubat
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
EmiliaCassia2
 

Semelhante a IMUNIDADE III (20)

S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
10 - Sistema imunitário 2.1.pptx
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativa
 
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
 
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr
Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO NrMecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 
Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Imuno 3
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Resposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptxResposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptx
 
O que é imunologia
O que é imunologiaO que é imunologia
O que é imunologia
 
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorposFabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
 
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
 
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidadeTecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
 
Revisão de imunologia
Revisão de imunologiaRevisão de imunologia
Revisão de imunologia
 
6 – imunologia anticorpos1
6 – imunologia   anticorpos16 – imunologia   anticorpos1
6 – imunologia anticorpos1
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Aula 1 geral hq
Aula 1 geral hqAula 1 geral hq
Aula 1 geral hq
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
Vitor Manuel de Carvalho
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
Vitor Manuel de Carvalho
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
Vitor Manuel de Carvalho
 
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
MENTE
MENTEMENTE
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
Vitor Manuel de Carvalho
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
Vitor Manuel de Carvalho
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
Vitor Manuel de Carvalho
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
Vitor Manuel de Carvalho
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Vitor Manuel de Carvalho
 
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIALEXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
Vitor Manuel de Carvalho
 
Mutações
MutaçõesMutações

Mais de Vitor Manuel de Carvalho (20)

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
A CONAÇÃO
 
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
 
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
SLIDE IN
 
Finalistas 2011
Finalistas 2011Finalistas 2011
Finalistas 2011
 
Benalmadena 2011
Benalmadena 2011Benalmadena 2011
Benalmadena 2011
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
 
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIALEXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 

IMUNIDADE III

  • 2. Mecanismos de defesa • Defesas específicas ou imunidade adquirida. • Imunidade humoral ou imunidade mediada por anticorpos • Imunidade celular ou imunidade mediada por células
  • 3. Defesa específica É desencadeada alguns dias após o início da invasão de agentes patogénicos. É dirigida de uma forma específica e eficaz contra um determinado agente agressor - antigénio. Ao contrário do que acontece com a defesa não específica, a resposta do organismo melhora a cada novo contacto. Verifica-se especificidade e memória.
  • 4. Defesa específica ANTIGÉNIOS Antigénio Molécula que é capaz de desencadear uma resposta específica de um linfócito. Podem ser moléculas pertencentes a vírus, bactérias, protozoários, parasitas. Podem ser moléculas estranhas ao organismo como as que se encontram no pólen, no pêlo dos animais ou nas células de tecidos transplantados. Possui várias regiões capazes de serem reconhecidas pelas células do sistema imunitário - determinante antigénico ou epítopo. As principais células que intervêm na defesa específica do organismo são os linfócitos.
  • 6. Defesa específica Linfócitos B e Linfócitos T Ambos são produzidos a partir de células estaminais na medula óssea (ou no fígado durante o período fetal). Inicialmente são iguais mas posteriormente sofrem um processo de maturação. Os linfócitos que migram da medula para o timo dão origem aos linfócitos T - Imunidade celular - Os linfócitos que permanecem na medula óssea e aí continuam o seu processo de maturação dão origem aos linfócitos B - Imunidade humoral -
  • 7. Defesa específica Imunocompetência Durante o processo de maturação os linfócitos B e T adquirem moléculas específicas receptoras de antigénios. Passam a ser capazes de participar na resposta imunitária e por isso são designados por imunocompetentes. Seguidamente, passam para a circulação sanguínea e linfática e acumulam-se em órgãos como o baço e os gânglios lifáticos. Adquirem também a capacidade de distinguir o que é próprio do que é estranho ao organismo.
  • 8. Defesa específica Os linfócitos que apresentam receptores para antigénios próprios são eliminados, caso contrário desenvolver-se-ia uma acção do sistema imunitário contra o próprio organismo.
  • 9. Defesa específica Cada pessoa tem uma grande diversidade de linfócitos B e T com diferentes receptores permitindo reconhecer um número incalculável de antigénios.
  • 10. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Linfócito B
  • 11. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. A imunidade humoral é mediada por anticorpos que circulam no sangue e na linfa e que são produzidos após o reconhecimento do antigénio por linfócitos B. Um anticorpo é uma proteína (solúvel) específica, produzida em resposta à presença de um antigénio com o qual reage especificamente.
  • 12. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. 1 Os linfócitos B reconhecem os antigénios através de receptores específicos. 2 Após a ligação antigénio - receptor, 3 Plasmócitos - de vida verifica-se a activação dos linfócitos relativamente curta produzem que possuem esse tipo de receptor; anticorpos que se difundem através do sangue e da linfa. Os linfócitos multiplicam-se originando-se 2 tipos de clones: 4 Células memória - permanecem vivas durante um longo período de tempo, prontas a responder quando necessário.
  • 13. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Anticorpos Os anticorpos são cadeias polipeptidicas designadas por imunoglobulinas (Ig). Tem a forma de um Y e são formadas por 4 cadeias polipeptídicas. 2 cadeias pesadas e 2 cadeias leves. Possuem: Uma região constante, muito semelhante em todas as imunoglobulinas Uma região variável, distinta e própria de cada tipo de anticorpo. É nesta região que se estabelece a ligação com o antigénio. formando o complexo antigénio-anticorpo. Dado a sua forma de Y, cada anticorpo tem 2 regiões variáveis e por isso 2 locais de ligação ao antigénio.
  • 14. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Estrutura de um anticorpo.
  • 15. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Tipos de imunoglobulinas (anticorpos). IgD IgG IgA IgE Encontram-se essencialmente na superfície dos linfócitos B, funcionando como receptor de antigénios IgM Atravessam a Existem na saliva, Ligam-se aos basófilos e placenta e conferem suor, lágrimas e leite mastócitos e estimulam a O facto de ser imunidade ao feto . materno. libertação de histamina que formado por 5 pode desencadear reacções unidades torna-o alérgicas. muito eficaz no combate inicial aos microrganismos
  • 16. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Reacção antigénio - anticorpo. Os anticorpos, ao ligarem-se aos antigénios, formam o complexo antigénio- anticorpo. Geralmente os anticorpos não reconhecem os antigénios como um todo. O anticorpo identifica regiões localizadas na superfície de um antigénio determinantes antigénicos ou epítopos. Alguns antigénios tem muitos determinantes antigénicos diferentes. Assim uma simples molécula ou uma bactéria, por ex. pode estimular a produção de diferentes anticorpos.
  • 17. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Os anticorpos actuam sobre os antigénios de várias formas: Neutralização. Os anticorpos fixam-se sobre os vírus ou toxinas bacterianas impedindo-os de penetrar nas células. Estes complexos podem ser depois destruídos por fagocitose. Aglutinação. Os anticorpos ligam-se aos determinantes antigénicos formando complexos de grandes dimensões que são rapidamente fagocitados. Precipitação. Processo semelhante à aglutinação mas com moléculas solúveis, como as toxinas, formando-se complexos insolúveis que são removidos por fagocitose.
  • 18. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Os anticorpos actuam sobre os antigénios de várias formas: Activação do sistema de complemento. O complexo anticorpo-antigénio activa uma das proteínas do sistema de complemento e desencadeia a reacção em cascata que activa todo o sistema, conduzindo à estimulização de fagocitose, lise celular e reacção inflamatória. Estimulação da fagocitose. Os macrófagos possuem receptores que reconhecem os anticorpos (especialmente a IgG) ligados aos antigénios sendo estimulados a realizar a fagocitose.
  • 19. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. Actuação dos anticorpos
  • 20. Imunidade mediada por anticorpos ou imunidade humoral. A presença do complexo antigénio-anticorpo amplifica a resposta inflamatória e a eliminação celular já iniciada de uma forma não específica.
  • 21. Imunidade mediada por células ou imunidade celular Destruição de célula cancerosa por um linfócito T
  • 22. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. É realizada com base na acção dos linfócitos T, que têm, também, capacidade de reconhecimento de antigénios. Tem início com a apresentação do antigénio aos linfócitos T. Esta apresentação pode ser realizada por: • macrófagos, que fagocitaram agentes patogénicos • linfócitos B • células infectadas por vírus • células cancerosas • células dendríticas. célula dendrítica.
  • 23. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Como é feita a apresentação? Quando os macrófagos fagocitam e digerem agentes patogénicos, formam-se fragmentos de moléculas com poder antigénico, que se ligam às suas membranas. Ligam-se às proteínas do complexo principal de histocompatibilidade (MHC) dos macrófagos formando um complexo antigénio-MHC, que é apresentado aos linfócitos T, tornando-os activos.
  • 24. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Uma vez activados, os linfócitos T dividem-se e diferenciam-se em diferentes tipos de células T. • Linfócitos T citolíticos ou T citotóxicos, (Tc) • Linfócitos T auxiliares (Th) • Linfócitos T memória (Tm)
  • 25. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Linfócitos T citolíticos ou T citotóxicos, (Tc) ou CD8 Actuam directamente, reconhecem as células infectadas e células cancerosas e destroem-nas por indução da lise celular produzindo para tal compostos químicos tóxicos ( perforina).
  • 26. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. LinfócitosT auxiliares (Th) ou CD4 Auxiliam tanto na imunidade celular como na imunidade humoral. Libertam mediadores químicos (citoquinas) que estimulam a capacidade defensiva de outras células como, fagocitos, linfócitos B e outros linfócitos T.
  • 27. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Linfócitos T memória (Tm) Células inactivas que ficam aptas a responder a uma nova exposição ao mesmo antigénio.
  • 28. Imunidade mediada por células ou imunidade celular.
  • 29. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Os linfócitos T circulam no sangue e na linfa atacando células infectadas por bactérias, vírus, fungos e protozoários. Protegem o organismo contra as suas próprias células, ou seja as que se tornaram cancerosas. Interacção entre um linfócito Tc e uma célula cancerosa São, também, responsáveis pela rejeição, que ocorre quando se efectuam implantes de tecidos (enxertos) ou transplantes de órgãos.
  • 30. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Porque é que ocorre a rejeição dos transplantes? A rejeição ocorre porque o tecido ou órgão transplantado possui antigénios na superfície das células, diferentes das do indivíduo receptor. Ao detectar a presença de corpos estranhos, os linfócitos T ficam activos e produzem substâncias capazes de destruir as células estranhas.
  • 31. Imunidade mediada por células ou imunidade celular. Para tentar minimizar os efeitos da rejeição • Tenta-se encontrar um dador que possua a maior identidade bioquímica possível com o receptor. Para isso, verifica-se a semelhança que existe entre os antigénios do complexo maior de histocompatibílidade (MHC). • Após o transplante, são ministradas drogas que suprimem a resposta imunitária. Mas como essas drogas são pouco selectivas, tornam os indivíduos mais vulneráveis a infecções e ao desenvolvimento de certos tipos de cancro. • Actualmente, a comunidade científica tenta desenvolver drogas imunossupressoras mais específicas, procurando inibir apenas os tipos de linfócitos que estão envolvidos no processo de rejeição.
  • 32. Memória imunitária. Resposta imunitária primária O primeiro contacto do organismo com um antigénio origina uma resposta imunitária primária, durante a qual são activados linfócitos B e T que se diferenciam em células efectoras e células de memória. Eliminado o antigénio, as células efectoras desaparecem, mas as células de memória permanecem no organismo.
  • 33. Memória imunitária. Resposta imunitária secundária Num segundo contacto com o mesmo antigénio, as células memória dão origem a uma resposta imunitária secundária, mais rápida, intensa e prolongada. A capacidade do sistema imunitário reconhecer o antigénio e produzir uma resposta imunitária secundária designa-se memória imunitária.
  • 34. Memória imunitária. Como se explica a existência de mecanismos de memória imunitária? Como o organismo já possui células de memória reage de uma forma mais intensa e rápida, impedindo o aparecimento dos sintomas de doença. Assim, algumas doenças só nos afectam um vez na vida. Como a produção de anticorpos requer a Todo o processo inicia-se novamente multiplicação de um determinado linfócito B, quando em contacto com um novo demora alguns dias até que atinja os valores antigenio, desconhecido para o nosso máximos; entretanto, desenvolve-se um estado organismo. infeccioso.
  • 35. Memória imunitária. Imunização A memória imunitária desenvolve-se após um primeiro contacto com o antigénio, conferindo imunidade ao indivíduo. A imunidade pode : . desenvolver-se naturalmente . ser induzida - imunidade activa - através das vacinas - imunidade passiva - Por administração directa de anticorpos específicos
  • 36. Memória imunitária. Vacinas Uma vacina é uma solução preparada com antigénios tornados inofensivos, ex:microrganismos mortos ou atenuados ou toxinas inactivas. A vacina desencadeia no organismo uma resposta imunitária primária e formam-se células de memória. Soros com anticorpos específicos Administra-se anticorpos retirados do plasma de indivíduos que já estiveram em contacto com esse antigénio ou de animais que foram expostos a esse antigénio - soros imunes. Ex: tétano, envenenamento resultantes de mordeduras de cobra. Nestes casos as toxinas produzidas pelo bacilo do tétano ou da cobra tem um efeito fulminante, podendo conduzir à morte antes que possam ser produzidos anticorpos.
  • 37. Interacção das células do sistema imunitário
  • 38. QUESTIONÁRIO 1. Um antigénio... a. é uma bactéria patogénica. b. é um vírus. c. é uma molécula do próprio organismo. d. é uma molécula estranha ao organismo. X e. todas as opções anteriores são falsas. 2. A imunidade humoral é da responsabilidade dos... a. neutrófilos. b. eosinófilos. c. basófilos. X d. linfócitos B. e. linfócitos T. 3. Os anticorpos... a. são moléculas estranhas ao organismo. X b. são moléculas altamente específicas. c. fazem parte do sistema de complemento. d. ligam-se de forma não específica aos anticorpos. e. são um conjunto de moléculas que apenas estimulam a fagocitose.
  • 39. QUESTIONÁRIO 4. Uma segunda resposta imunitária a uma mesma infecção é sempre mais rápida graças à presença de... a. linfócitos B. b. neutrófilos. X c. células-memória. d. plasmócitos. e. macrófagos. 5 As vacinas são fluidos que... a. contêm anticorpos. b. contêm agentes patogénicos activos. c. não contêm agentes patogénicos. d. nunca levam ao desenvolvimento de uma doença. X e. contêm agentes patogénicos mortos ou atenuados.