SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia
Por: Pedro Silva
Estatuto e Papel
Estatuto (direitos)
Comportamentos que um indivíduo espera dos
outros tendo em conta a sua posição no grupo
Papel (deveres)
Comportamento que os outros esperam de nós em
função do estatuto que possuímos.
Estatuto Papel
Depende
Crianças Selvagens
Características
● Vivem isolados do contacto humano.
● Não desenvolvem capacidades e
competências do ser humano como a
linguagem verbal e raciocínio.
● Não assumem a posição bípede
● São incapazes de se emocionarem ou
reconhecerem as emoções nos outros.
Auto-organização
Em psicologia, designa a auto regulação, mas também a capacidade que o ser humano
tem de criar as suas próprias normas e os seus próprios fins.
Diversidade humana
Diferenças interpessoais que resultam da diversidade biológica, funcional, cultural e
social, bem como da forma subjetiva como cada ser humano faz a gestão desta
multiplicidade de fatores.
Mente
Conjunto dinâmico de processos conativos, cognitivos e emocionais, onde se conjugam
fenômenos conscientes e inconscientes. É na mente que ocorre toda a atividade
psíquica e a criação da noção do Eu, como um sistema a mente não se limita a captar a
informação do exterior mas também a atribuir um significado a esta em função da
qualidade da rede neuronal, das experiências passadas e influências sociais e culturais.
Isto confere a mente um caráter único, subjetivo e pessoal.
Processos Cognitivos
Conjunto de mecanismo que um organismo ativa para a adquirir, conservar e explorar
a informação.
Processos Emocionais
Referem-se aos aspectos afetivos, positivos ou negativos que acompanham as nossas
vivências.
Processos Conativos
Processos emocionais envolvidos na ação deliberada e intencional.
São os processos que dão sentido à ação humana, correspondem à dimensão emocional
da vida psíquica que implica visar algo, mantendo-nos em tensão e em esforço com
vista a um meio ou fim.
Pensamento
É uma operação contínua da mente que nos ajuda a resolver problemas, tomada de
decisões, aprender, raciocinar, ajuizar e planificar o futuro...
Percepção
É a interpretação e organização dos dados sensoriais, pelo qual formamos o
conhecimento de um objeto.
Aprendizagem
Alteração do comportamento de um organismo que resulta da influência do meio e se
traduz no aumento das possibilidade de ação, de forma relativamente estável e
perdurável.
Aprendizagem não associativa ou por repetição
Consiste na sensitização (repetição ou na experiência sensorial) e na habituação.
Aprendizagem associativa
É mais complexa e relacionada com estímulos e respostas.
Podemos identificar:
● Condicionamento Clássico (Pavlov)
● Condicionamento Operante (Skinner)
Condicionamento Clássico (Pavlov)
Aprendizagem é feita por associação entre
estímulos e respostas
● Respostas Inatas
● Respostas condicionadas
Exemplo: Reflexo, reação automática,
sujeito passivo.
Condicionamento Operante (Skinner)
Aprendemos consoante as consequências (reforços positivos e negativos)
Exemplo: voluntário, sujeito ativo.
Condicionamento
Operante
Reforço Positivo
(recompensa)
Reforço Negativo
(põe fim a uma situação)
Castigo
(procura-se evitar o
comportamento)
Aprendizagem social (Bandura)
Por observação e imitação é uma modificação do indivíduo através da observação de
uma sequência de comportamentos e imitação dos mesmos. Por Modelação.
Aprendizagem com recurso a símbolos e representações
A aprendizagem com recurso a símbolos e representações permite adquirir
conhecimentos ou adquirir procedimentos e competências.
Fatores que influenciam a aprendizagem
● Motivação
● Concentração
● Compreensão
● Organização
Fatores que influenciam a aprendizagem da leitura e da
escrita.
● Domínio da linguagem oral
● Estabilidade psicologica
● Saúde
● Ambiente Social e Cultural (própicio)
Reforço direto
Em que o observador é reforçado ao reproduzir o que observou.
Reforço Indireto ou Vicariante
A aprendizagem ocorre pela observação do comportamento das outras pessoas e das
consequências deles decorrentes.
Auto-reforço
Em que o sujeito controla os seus próprios reforços.
Memória
É a capacidade através do qual codificamos, armazenamos e recuperamos a
informação.
Etapas da memorização
Codificação: A informação é adquirida e interpretada no cérebro.
Armazenamento: As informações são arquivadas na memória.
Recuperação: Ativação de um conteúdo anteriormente armazenado.
Memória a curto prazo
A memória a curto prazo é considerada o centro da consciência, na medida em que é
nela que se encontra os nossos pensamentos, as informações e as lembranças que em
determinado momento estamos a utilizar.
A sua função é reter temporariamente a informação esta tem uma duração de 1 a 3
minutos. E númerica de cerca de 8 números.
Memória a longo prazo
Esta confere-nos a capacidade de recordar uma quantidade substancial de informação
durante períodos bastante longos horas, dias, meses, anos ou até para sempre e é
praticamente ilimitada.
Esquecimento
Desaparecimento dos dados anteriormente armazenados, essencial à aprendizagem.
Fatores do esquecimento
● Deterioração
● Doença (Esclerose, Demência, Alzheimer)
● Lesão ou dano cerebral (devido a um acidente ou cirurgia)
● Velhice
● Altos níveis de stress
● Consumo de drogas (cocaína e álcool)
● Seleção: Acontece por falta de atenção ou sentido da informação
● Motivação (Freud), esquecemos inconscientemente aquilo que não queremos
recordar por nos trazer dor.
Esquecimento motivado (Freud)
Segundo Freud esquecemos inconscientemente aquilo que não queremos recordar por
nos trazer dor.
As experiências são reprimidas ou recalcadas (afastadas da consciência), para evitar
angústia e ansiedade.
Emoção e Razão
A emoção e razão estão interligadas. As emoções, sentimentos e afetividade vão
interferir/apoiar a razão na tomada de decisão.
É através das nossas escolhas/decisões que o cérebro ativa tanto a emoção como a
reflexão de forma a responder adequadamente às situações apresentadas.
Processos Emocionais
● Afetos
● Emoções
● Sentimentos
Afetos
São relativos a um estado psiquico, positivo ou negativo num julgamento ou avaliação
que nos leva a aproximar do que nos faz sentir bem e afastar do que nos faz sentir mal.
É uma situação imediata e subjetiva que temos em relação a uma pessoa, situação ou
objeto.
Emoções
São reações corporais observáveis, públicas e intensas automáticas e conscientes, mas
normalmente inconscientes, são de breve duração, podem ser positivas e negativas e de
diferentes intensidades normalmente de grande intensidade.
As emoções são tão importantes porque: alertam-nos para o perigo, ajudam-nos a criar
laços com os outros (empatia, solidariedade) e influenciam a nossa tomada de decisão.
Sem Emoções Indiferentes
Não reagir perante o
perigo/stress/alerta
Sentimento
Tipo de afeto que corresponde a estados psíquicos mais íntimos e privados,
relativamente estáveis e de intensidade moderada, que se prolongam no tempo.
Envolve a tomada de consciência e interiorização da forma como somos afetados por
esta ou por aquela realidade.
Exemplo: fadiga, excitação, harmonia.
Emoções primárias (universais)
São chamadas de emoções base pois são inatas e universais
Exemplos: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Nojo e Surpresa.
Emoções Secundárias (sociais)
São adquiridas ou aprendidas num contexto social e envolvem uma avaliação cognitiva
dos acontecimentos.
Exemplo: Vergonha, Ciúme, Culpa ou Orgulho.
Emoções de Fundo
Influenciam as emoções primárias e secundárias e são vividas por um curto período de
tempo.
Exemplo: bem-estar, mal-estar, calma ou tensão.
Diferentes perspectivas sobre as emoções
● Perspectiva evolutiva (Darwin e de Paul Ekman)
● Perspectiva fisiológica(séc. XIX)
● Perspectiva cognitivista(séc. XX)
● Perspectiva culturalista(séc. XX)
● Perspectiva de António Damásio
Perspectiva evolutiva (Darwin e de Paul Ekman)
Segundo Darwin as emoções têm uma relação direta com a evolução da espécie.
Existem apenas emoções básicas/primárias que tem uma função evolutiva ou
adaptativa no ser humano.
Na década de 60, Paul Ekman apresenta que entre as diferentes culturas existem 6
expressões faciais comuns: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Nojo e Surpresa.
Perspectiva fisiológica(séc. XIX)
É defendida por William James considera que as emoções são reflexas e subjetivas,
resultado das percepções do estado do corpo, ou das mudanças orgânicas, provocadas
por estímulos particulares.
Perspectiva cognitivista(séc. XX)
Defende que as emoções são determinadas por uma interpretação cognitiva e a
avaliação pessoal das situações.
Exemplo: Se acho alguém agressivo interpreto o que ele faz é sempre agressivo, então
perante esse alguém reajo sempre para me defender.
Perspectiva culturalista(séc. XX)
As emoções são comportamentos aprendidos e adquiridos assim como a linguagem no
processos de socialização. Variam na sua forma de expressão conforme as culturas.
Perspectiva de António Damásio
Tanto a razão como a emoção estão na base dos processos de decisão. A emoção não
pode ser separada da razão.
Marcador Somático
Mecanismo biofisiológico que marca positivamente ou negativamente diferentes
cursos de ação disponíveis, facilitando a tomada de decisão.
Intenção
É o que dá um propósito/sentido ao que sentimos, fazemos e pensamos.
Tendência
É um “impulso espontâneo que orienta a conduta do indivíduo”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A estrutura da mente
A estrutura da menteA estrutura da mente
A estrutura da mente
Luis De Sousa Rodrigues
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
Endriely Teodoro
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
Andréa Forgiarni Cechin
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
Henrique Vieira
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
Rosana Leite
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivoPiaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
Instituto Consciência GO
 

Mais procurados (20)

A estrutura da mente
A estrutura da menteA estrutura da mente
A estrutura da mente
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento Linguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivoPiaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 

Destaque

Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
Apresentacao curso cetra ta setembro.2013Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
Yngrid Bandeira
 
Aula 01.3 objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
Aula 01.3  objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunosAula 01.3  objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
Aula 01.3 objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
hendsonsantana
 
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: PsicologiaPapel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
Erasmo Ruiz
 
Psicologia do comportamento
Psicologia do comportamentoPsicologia do comportamento
Psicologia do comportamento
Liliane Ennes
 
02 estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização02  estudo do comportamento individual na organização
02 estudo do comportamento individual na organização
airtonrbr
 
Design do Comportamento Humano
Design do Comportamento HumanoDesign do Comportamento Humano
Design do Comportamento Humano
UTFPR
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Julio Pascoal
 
psicologia pastoral
psicologia pastoralpsicologia pastoral
psicologia pastoral
faculdadeteologica
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
Filipe Leal
 
psicologia e liderança
psicologia e liderançapsicologia e liderança
psicologia e liderança
faculdadeteologica
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
Adrianadiasbrito
 
introdução á psicanálise
introdução á psicanáliseintrodução á psicanálise
introdução á psicanálise
faculdadeteologica
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
psicologiaisecensa
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
Silvia Revez
 
introdução à psicologia
introdução à psicologiaintrodução à psicologia
introdução à psicologia
faculdadeteologica
 
aconselhamento pastoral
aconselhamento pastoralaconselhamento pastoral
aconselhamento pastoral
faculdadeteologica
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologia
GLEYDSON ROCHA
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.
Nuno Pereira
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 

Destaque (20)

Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
Apresentacao curso cetra ta setembro.2013Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
Apresentacao curso cetra ta setembro.2013
 
Aula 01.3 objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
Aula 01.3  objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunosAula 01.3  objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
Aula 01.3 objeto de estudo da psico- subjetividade- texto alunos
 
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: PsicologiaPapel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
Papel da equipe multiprofissional nos cuidados paliativos: Psicologia
 
Psicologia do comportamento
Psicologia do comportamentoPsicologia do comportamento
Psicologia do comportamento
 
02 estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização02  estudo do comportamento individual na organização
02 estudo do comportamento individual na organização
 
Design do Comportamento Humano
Design do Comportamento HumanoDesign do Comportamento Humano
Design do Comportamento Humano
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
 
psicologia pastoral
psicologia pastoralpsicologia pastoral
psicologia pastoral
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
 
psicologia e liderança
psicologia e liderançapsicologia e liderança
psicologia e liderança
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
introdução á psicanálise
introdução á psicanáliseintrodução á psicanálise
introdução á psicanálise
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 
introdução à psicologia
introdução à psicologiaintrodução à psicologia
introdução à psicologia
 
aconselhamento pastoral
aconselhamento pastoralaconselhamento pastoral
aconselhamento pastoral
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologia
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 

Semelhante a Psicologia

Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
CarolinaQ Sousa
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
BeatrizSousa577457
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
PAULO RICARDO FERREIRA
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
fcodacruz1919
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Amone Matandaudje
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
Marlene Gomes
 
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - PsicologiaProcessos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
profdeniseismarsi
 
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Smar Brasil
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
Alexandre Rivero
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
thaissamaia
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Caio Maximino
 
amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdf
ssuser5c8e4f
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
Aulas Abel
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
CarlaFreire34
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
psicologiaazambuja
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
lourivalcaburite
 
1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional
Denise A Morelli Ribeiro
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
Rolando Almeida
 

Semelhante a Psicologia (20)

Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
 
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - PsicologiaProcessos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
 
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
Relações Familiares, o Papel das Emoções (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Fut...
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
amente-resumos.pdf
amente-resumos.pdfamente-resumos.pdf
amente-resumos.pdf
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
 
1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 

Psicologia

  • 2. Estatuto e Papel Estatuto (direitos) Comportamentos que um indivíduo espera dos outros tendo em conta a sua posição no grupo Papel (deveres) Comportamento que os outros esperam de nós em função do estatuto que possuímos. Estatuto Papel Depende
  • 3. Crianças Selvagens Características ● Vivem isolados do contacto humano. ● Não desenvolvem capacidades e competências do ser humano como a linguagem verbal e raciocínio. ● Não assumem a posição bípede ● São incapazes de se emocionarem ou reconhecerem as emoções nos outros.
  • 4. Auto-organização Em psicologia, designa a auto regulação, mas também a capacidade que o ser humano tem de criar as suas próprias normas e os seus próprios fins.
  • 5. Diversidade humana Diferenças interpessoais que resultam da diversidade biológica, funcional, cultural e social, bem como da forma subjetiva como cada ser humano faz a gestão desta multiplicidade de fatores.
  • 6. Mente Conjunto dinâmico de processos conativos, cognitivos e emocionais, onde se conjugam fenômenos conscientes e inconscientes. É na mente que ocorre toda a atividade psíquica e a criação da noção do Eu, como um sistema a mente não se limita a captar a informação do exterior mas também a atribuir um significado a esta em função da qualidade da rede neuronal, das experiências passadas e influências sociais e culturais. Isto confere a mente um caráter único, subjetivo e pessoal.
  • 7. Processos Cognitivos Conjunto de mecanismo que um organismo ativa para a adquirir, conservar e explorar a informação.
  • 8. Processos Emocionais Referem-se aos aspectos afetivos, positivos ou negativos que acompanham as nossas vivências.
  • 9. Processos Conativos Processos emocionais envolvidos na ação deliberada e intencional. São os processos que dão sentido à ação humana, correspondem à dimensão emocional da vida psíquica que implica visar algo, mantendo-nos em tensão e em esforço com vista a um meio ou fim.
  • 10. Pensamento É uma operação contínua da mente que nos ajuda a resolver problemas, tomada de decisões, aprender, raciocinar, ajuizar e planificar o futuro...
  • 11. Percepção É a interpretação e organização dos dados sensoriais, pelo qual formamos o conhecimento de um objeto.
  • 12. Aprendizagem Alteração do comportamento de um organismo que resulta da influência do meio e se traduz no aumento das possibilidade de ação, de forma relativamente estável e perdurável.
  • 13. Aprendizagem não associativa ou por repetição Consiste na sensitização (repetição ou na experiência sensorial) e na habituação.
  • 14. Aprendizagem associativa É mais complexa e relacionada com estímulos e respostas. Podemos identificar: ● Condicionamento Clássico (Pavlov) ● Condicionamento Operante (Skinner)
  • 15. Condicionamento Clássico (Pavlov) Aprendizagem é feita por associação entre estímulos e respostas ● Respostas Inatas ● Respostas condicionadas Exemplo: Reflexo, reação automática, sujeito passivo.
  • 16. Condicionamento Operante (Skinner) Aprendemos consoante as consequências (reforços positivos e negativos) Exemplo: voluntário, sujeito ativo. Condicionamento Operante Reforço Positivo (recompensa) Reforço Negativo (põe fim a uma situação) Castigo (procura-se evitar o comportamento)
  • 17. Aprendizagem social (Bandura) Por observação e imitação é uma modificação do indivíduo através da observação de uma sequência de comportamentos e imitação dos mesmos. Por Modelação.
  • 18. Aprendizagem com recurso a símbolos e representações A aprendizagem com recurso a símbolos e representações permite adquirir conhecimentos ou adquirir procedimentos e competências.
  • 19. Fatores que influenciam a aprendizagem ● Motivação ● Concentração ● Compreensão ● Organização
  • 20. Fatores que influenciam a aprendizagem da leitura e da escrita. ● Domínio da linguagem oral ● Estabilidade psicologica ● Saúde ● Ambiente Social e Cultural (própicio)
  • 21. Reforço direto Em que o observador é reforçado ao reproduzir o que observou.
  • 22. Reforço Indireto ou Vicariante A aprendizagem ocorre pela observação do comportamento das outras pessoas e das consequências deles decorrentes.
  • 23. Auto-reforço Em que o sujeito controla os seus próprios reforços.
  • 24. Memória É a capacidade através do qual codificamos, armazenamos e recuperamos a informação.
  • 25. Etapas da memorização Codificação: A informação é adquirida e interpretada no cérebro. Armazenamento: As informações são arquivadas na memória. Recuperação: Ativação de um conteúdo anteriormente armazenado.
  • 26. Memória a curto prazo A memória a curto prazo é considerada o centro da consciência, na medida em que é nela que se encontra os nossos pensamentos, as informações e as lembranças que em determinado momento estamos a utilizar. A sua função é reter temporariamente a informação esta tem uma duração de 1 a 3 minutos. E númerica de cerca de 8 números.
  • 27. Memória a longo prazo Esta confere-nos a capacidade de recordar uma quantidade substancial de informação durante períodos bastante longos horas, dias, meses, anos ou até para sempre e é praticamente ilimitada.
  • 28. Esquecimento Desaparecimento dos dados anteriormente armazenados, essencial à aprendizagem.
  • 29. Fatores do esquecimento ● Deterioração ● Doença (Esclerose, Demência, Alzheimer) ● Lesão ou dano cerebral (devido a um acidente ou cirurgia) ● Velhice ● Altos níveis de stress ● Consumo de drogas (cocaína e álcool) ● Seleção: Acontece por falta de atenção ou sentido da informação ● Motivação (Freud), esquecemos inconscientemente aquilo que não queremos recordar por nos trazer dor.
  • 30. Esquecimento motivado (Freud) Segundo Freud esquecemos inconscientemente aquilo que não queremos recordar por nos trazer dor. As experiências são reprimidas ou recalcadas (afastadas da consciência), para evitar angústia e ansiedade.
  • 31. Emoção e Razão A emoção e razão estão interligadas. As emoções, sentimentos e afetividade vão interferir/apoiar a razão na tomada de decisão. É através das nossas escolhas/decisões que o cérebro ativa tanto a emoção como a reflexão de forma a responder adequadamente às situações apresentadas.
  • 32. Processos Emocionais ● Afetos ● Emoções ● Sentimentos
  • 33. Afetos São relativos a um estado psiquico, positivo ou negativo num julgamento ou avaliação que nos leva a aproximar do que nos faz sentir bem e afastar do que nos faz sentir mal. É uma situação imediata e subjetiva que temos em relação a uma pessoa, situação ou objeto.
  • 34. Emoções São reações corporais observáveis, públicas e intensas automáticas e conscientes, mas normalmente inconscientes, são de breve duração, podem ser positivas e negativas e de diferentes intensidades normalmente de grande intensidade. As emoções são tão importantes porque: alertam-nos para o perigo, ajudam-nos a criar laços com os outros (empatia, solidariedade) e influenciam a nossa tomada de decisão. Sem Emoções Indiferentes Não reagir perante o perigo/stress/alerta
  • 35. Sentimento Tipo de afeto que corresponde a estados psíquicos mais íntimos e privados, relativamente estáveis e de intensidade moderada, que se prolongam no tempo. Envolve a tomada de consciência e interiorização da forma como somos afetados por esta ou por aquela realidade. Exemplo: fadiga, excitação, harmonia.
  • 36. Emoções primárias (universais) São chamadas de emoções base pois são inatas e universais Exemplos: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Nojo e Surpresa.
  • 37. Emoções Secundárias (sociais) São adquiridas ou aprendidas num contexto social e envolvem uma avaliação cognitiva dos acontecimentos. Exemplo: Vergonha, Ciúme, Culpa ou Orgulho.
  • 38. Emoções de Fundo Influenciam as emoções primárias e secundárias e são vividas por um curto período de tempo. Exemplo: bem-estar, mal-estar, calma ou tensão.
  • 39. Diferentes perspectivas sobre as emoções ● Perspectiva evolutiva (Darwin e de Paul Ekman) ● Perspectiva fisiológica(séc. XIX) ● Perspectiva cognitivista(séc. XX) ● Perspectiva culturalista(séc. XX) ● Perspectiva de António Damásio
  • 40. Perspectiva evolutiva (Darwin e de Paul Ekman) Segundo Darwin as emoções têm uma relação direta com a evolução da espécie. Existem apenas emoções básicas/primárias que tem uma função evolutiva ou adaptativa no ser humano. Na década de 60, Paul Ekman apresenta que entre as diferentes culturas existem 6 expressões faciais comuns: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Nojo e Surpresa.
  • 41. Perspectiva fisiológica(séc. XIX) É defendida por William James considera que as emoções são reflexas e subjetivas, resultado das percepções do estado do corpo, ou das mudanças orgânicas, provocadas por estímulos particulares.
  • 42. Perspectiva cognitivista(séc. XX) Defende que as emoções são determinadas por uma interpretação cognitiva e a avaliação pessoal das situações. Exemplo: Se acho alguém agressivo interpreto o que ele faz é sempre agressivo, então perante esse alguém reajo sempre para me defender.
  • 43. Perspectiva culturalista(séc. XX) As emoções são comportamentos aprendidos e adquiridos assim como a linguagem no processos de socialização. Variam na sua forma de expressão conforme as culturas.
  • 44. Perspectiva de António Damásio Tanto a razão como a emoção estão na base dos processos de decisão. A emoção não pode ser separada da razão.
  • 45. Marcador Somático Mecanismo biofisiológico que marca positivamente ou negativamente diferentes cursos de ação disponíveis, facilitando a tomada de decisão.
  • 46. Intenção É o que dá um propósito/sentido ao que sentimos, fazemos e pensamos.
  • 47. Tendência É um “impulso espontâneo que orienta a conduta do indivíduo”.