SlideShare uma empresa Scribd logo
AS EMOÇÕES
 
EMOÇÃO EMOÇÃO : uma reacção complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reacções fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afectivas, sentimentais e em expressões faciais
EMOÇÕES, AFECTOS E SENTIMENTOS ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DAS EMOÇÕES : Tempo : a emoção tem um princípio e um fim. Intensidade : cada emoção tem um tipo de intensidade. Alterações corporais :  traduzem-se em várias manifestações corporais. Causas e Objectos : as emoções têm sempre uma causa e direccionam-se sempre para um objecto. Versatilidade : aparecem e desaparecem com rapidez. Polaridade : podem ser positivas ou negativas. Reacções : são sempre uma reacção a algo. Interpretação : traduz uma interpretação dos factos.
TIPOS DE EMOÇÕES EMOÇÕES PRIMÁRIAS   ou universais – alegria, tristeza, medo, cólera… Estão presentes em todas as culturas e aparecem muito cedo na vida do ser humano. Assentam numa base inata e o seu aparecimento não depende da aprendizagem. EMOÇÕES SECUNDÁRIAS   ou sociais – vergonha, ciúme, culpa ou orgulho. Foram construídas sobre as emoções iniciais e implicam o recurso a aprendizagens feitas.  EMOÇÕES DE FUNDO  – bem-estar, mal-estar, calma ou tensão.
 
AFECTOS E SENTIMENTOS Os  afectos  têm a ver com aquilo que nos afecta, são algo de que somos dotados. São tendências para responder positiva ou negativamente a experiências emocionais relacionadas com objectos ou pessoas. Exprimem-se através das emoções e têm uma ligação especial com o passado, com experiências e vivências (as  emoções  estão ligadas sobretudo com situações presentes).
AFECTOS E SENTIMENTOS Os  sentimentos  são, em geral, experiências privadas que, ao contrário das emoções, não podem ser observados por outras pessoas. As  emoções  estão na base dos sentimentos. As emoções acontecem e passam, podendo voltar desde que um estímulo as desencadeie; os sentimentos ficam e acompanham-nos ao longo do tempo com maior ou menor intensidade.
 
FASES DOS SENTIMENTOS (segundo António Damásio) O ESTADO DA EMOÇÃO : a emoção pode ser desencadeada e experimentada de forma inconsciente. O ESTADO DO SENTIMENTO : pode ser representado de forma não consciente. O ESTADO DE SENTIMENTO TORNADO CONSCIENTE :  conhecido pelo organismo que experimenta a emoção e o sentimento.
COMPONENTES DAS EMOÇÕES COMPONENTE COGNITIVA : o conhecimento dos factos que estão na base do acontecimento que despoletou a emoção. COMPONENTE AVALIATIVA : a reacção à situação é feita em função de interesses e valores pessoais. COMPONENTE FISIOLÓGICA : a emoção apresenta manifestações orgânicas COMPONENTE EXPRESSIVA : a emoção traduz-se num conjunto de expressões corporais. COMPONENTE COMPORTAMENTAL : o estado emocional desencadeia um conjunto de comportamentos. COMPONENTE SUBJECTIVA : a emoção está sempre associada a um estado afectivo.
PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA EVOLUTIVA  – Darwin Darwin distingue  seis emoções primárias  ou universais: a alegria, a tristeza, a surpresa, a cólera, o desgosto e o medo. Todas esta emoções apresentam  manifestações   fisiológicas : a postura corporal, as expressões faciais, os movimentos… Darwin considera que as emoções desempenham um  papel adaptativo  fundamental na história da espécie humana, sendo determinantes na nossa capacidade e sobrevivência.
PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA FISIOLÓGICA –  William James As  emoções  resultam das percepções dos  estados corporais  e das  mudanças orgânicas  provocadas por estímulos particulares.. Os estímulos produzem alterações orgânicas que, por sua vez, geram emoções. Esta teoria tem como suporte uma relação entre o corpo e a mente.
PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA COGNITIVISTA  A  emoção  é determinada pelo modo como  representamos  a situação e pela  avaliação  pessoal que lhe damos. Esta interpretação depende dos nossos quadros cognitivos e da nossa história pessoal, que nos conduzem numa interpretação da situação.
PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA CULTURALISTA A cada cultura correspondem diferentes emoções e diferentes formas de as expressar. Cada cultura tem o seu conjunto de regras que especificam o tipo de emoções que se podem manifestar nas diferentes situações, e os comportamentos adequados para exprimirem as diferentes emoções. Todos os que pertencem à mesma cultura partilham uma  linguagem da emoção.
 
 
 
A RAZÃO E A EMOÇÃO Para  Damásio , a tomada de decisão implica duas vias complementares: A representação das consequências de uma opção é disponibilizada pelo raciocínio: avaliação da situação, levantamento das opções, comparações lógicas… A percepção da situação provoca a activação de experiências emocionais experimentadas anteriormente em situações semelhantes. As emoções são, portanto, processos indispensáveis no acto de decidir
A RAZÃO E A EMOÇÃO MARCADOR SOMÁTICO  Marcador somático  é um mecanismo automatizado que suporta as nossas decisões, apesar de não tomarem as decisões por nós. Por mais simples que a decisão seja, existe sempre uma emoção associada à escolha feita. Assim, Damásio estabelece uma ligação entre o tipo de situação e o estado somático, isto é, o estado do corpo.. Os marcadores somáticos informam o cérebro sobre as decisões a tomar. O nosso pensamento tem portanto necessidade das emoções para ser eficaz.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
Jorge Barbosa
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
Processos cognitivos1
Processos cognitivos1Processos cognitivos1
Processos cognitivos1
anamatos66
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
Alexandre Rivero
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
MENTE
MENTEMENTE
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
norberto faria
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
Vitor Manuel de Carvalho
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
Dalila Melo
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
Ana Felizardo
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
psicologiaazambuja
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
Clécio Doroteu
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
Processos cognitivos1
Processos cognitivos1Processos cognitivos1
Processos cognitivos1
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
A CONAÇÃO
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 

Destaque

Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
Silvia Revez
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
Leonardo Pereira
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
Graça Maciel
 
A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3
Graça Maciel
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
guest6d35e1
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
Tarcillo Armindo Schmaedecke
 
Os seguidores de Jesus - n.14
Os seguidores de Jesus - n.14Os seguidores de Jesus - n.14
Os seguidores de Jesus - n.14
Graça Maciel
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimento
joja2001
 
A ObsessãO E A DesobsessãO
A ObsessãO E A DesobsessãOA ObsessãO E A DesobsessãO
A ObsessãO E A DesobsessãO
Roque Souza
 
Surgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismoSurgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismo
Graça Maciel
 
Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16
Graça Maciel
 
Saude integral
Saude integralSaude integral
Saude integral
Andre Luiz Campos
 
Como Jesus dialogava - n.19
Como Jesus dialogava - n.19Como Jesus dialogava - n.19
Como Jesus dialogava - n.19
Graça Maciel
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10
Graça Maciel
 
O templo e as sinagogas - n 10
O templo e as sinagogas - n 10O templo e as sinagogas - n 10
O templo e as sinagogas - n 10
Graça Maciel
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
Anderson Santos
 
A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15
Graça Maciel
 
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Graça Maciel
 
Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17
Graça Maciel
 

Destaque (20)

Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
Jesus o Cristo de Deus (2) - n.12
 
A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
 
Os seguidores de Jesus - n.14
Os seguidores de Jesus - n.14Os seguidores de Jesus - n.14
Os seguidores de Jesus - n.14
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimento
 
A ObsessãO E A DesobsessãO
A ObsessãO E A DesobsessãOA ObsessãO E A DesobsessãO
A ObsessãO E A DesobsessãO
 
Surgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismoSurgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismo
 
Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16
 
Saude integral
Saude integralSaude integral
Saude integral
 
Como Jesus dialogava - n.19
Como Jesus dialogava - n.19Como Jesus dialogava - n.19
Como Jesus dialogava - n.19
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10
 
O templo e as sinagogas - n 10
O templo e as sinagogas - n 10O templo e as sinagogas - n 10
O templo e as sinagogas - n 10
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
 
A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15
 
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
 
Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17
 

Semelhante a AS EMOÇÕES

EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
BeatrizSousa577457
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
CarlaFreire34
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
Rolando Almeida
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
PAULO RICARDO FERREIRA
 
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptxPsicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
BeatrizVieira226546
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
Graça Martins
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
Lucas Almeida Sá
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
bia_chersoni
 
Emoção
EmoçãoEmoção
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
fcodacruz1919
 
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
António Moreira
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
Robson Barcelos
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
Robson Barcelos
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema
PlusJuh
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
thaissamaia
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
Pedro Silva
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
CarolinaQ Sousa
 
Emoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos NegóciosEmoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos Negócios
Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a AS EMOÇÕES (20)

EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptxPsicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
 
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
 
Emoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos NegóciosEmoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos Negócios
 

Mais de Vitor Manuel de Carvalho

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
Vitor Manuel de Carvalho
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
Vitor Manuel de Carvalho
 
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
Vitor Manuel de Carvalho
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
Vitor Manuel de Carvalho
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
Vitor Manuel de Carvalho
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
Vitor Manuel de Carvalho
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
Vitor Manuel de Carvalho
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
Vitor Manuel de Carvalho
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Vitor Manuel de Carvalho
 
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIALEXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
Vitor Manuel de Carvalho
 
Mutações
MutaçõesMutações

Mais de Vitor Manuel de Carvalho (20)

PSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADAPSICOLOGIA APLICADA
PSICOLOGIA APLICADA
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
PLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURAPLANO NACIONAL DE LEITURA
PLANO NACIONAL DE LEITURA
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
SLIDE IN
SLIDE INSLIDE IN
SLIDE IN
 
Finalistas 2011
Finalistas 2011Finalistas 2011
Finalistas 2011
 
Benalmadena 2011
Benalmadena 2011Benalmadena 2011
Benalmadena 2011
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Imunidade
ImunidadeImunidade
Imunidade
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOSREGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ALUNOS
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
 
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTOMODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
MODELO ECOLÓGICO DO DESENVOLVIMENTO
 
Gestao do tempo..
Gestao do tempo..Gestao do tempo..
Gestao do tempo..
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
 
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIALEXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 

AS EMOÇÕES

  • 2.  
  • 3. EMOÇÃO EMOÇÃO : uma reacção complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reacções fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afectivas, sentimentais e em expressões faciais
  • 4. EMOÇÕES, AFECTOS E SENTIMENTOS ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DAS EMOÇÕES : Tempo : a emoção tem um princípio e um fim. Intensidade : cada emoção tem um tipo de intensidade. Alterações corporais : traduzem-se em várias manifestações corporais. Causas e Objectos : as emoções têm sempre uma causa e direccionam-se sempre para um objecto. Versatilidade : aparecem e desaparecem com rapidez. Polaridade : podem ser positivas ou negativas. Reacções : são sempre uma reacção a algo. Interpretação : traduz uma interpretação dos factos.
  • 5. TIPOS DE EMOÇÕES EMOÇÕES PRIMÁRIAS ou universais – alegria, tristeza, medo, cólera… Estão presentes em todas as culturas e aparecem muito cedo na vida do ser humano. Assentam numa base inata e o seu aparecimento não depende da aprendizagem. EMOÇÕES SECUNDÁRIAS ou sociais – vergonha, ciúme, culpa ou orgulho. Foram construídas sobre as emoções iniciais e implicam o recurso a aprendizagens feitas. EMOÇÕES DE FUNDO – bem-estar, mal-estar, calma ou tensão.
  • 6.  
  • 7. AFECTOS E SENTIMENTOS Os afectos têm a ver com aquilo que nos afecta, são algo de que somos dotados. São tendências para responder positiva ou negativamente a experiências emocionais relacionadas com objectos ou pessoas. Exprimem-se através das emoções e têm uma ligação especial com o passado, com experiências e vivências (as emoções estão ligadas sobretudo com situações presentes).
  • 8. AFECTOS E SENTIMENTOS Os sentimentos são, em geral, experiências privadas que, ao contrário das emoções, não podem ser observados por outras pessoas. As emoções estão na base dos sentimentos. As emoções acontecem e passam, podendo voltar desde que um estímulo as desencadeie; os sentimentos ficam e acompanham-nos ao longo do tempo com maior ou menor intensidade.
  • 9.  
  • 10. FASES DOS SENTIMENTOS (segundo António Damásio) O ESTADO DA EMOÇÃO : a emoção pode ser desencadeada e experimentada de forma inconsciente. O ESTADO DO SENTIMENTO : pode ser representado de forma não consciente. O ESTADO DE SENTIMENTO TORNADO CONSCIENTE : conhecido pelo organismo que experimenta a emoção e o sentimento.
  • 11. COMPONENTES DAS EMOÇÕES COMPONENTE COGNITIVA : o conhecimento dos factos que estão na base do acontecimento que despoletou a emoção. COMPONENTE AVALIATIVA : a reacção à situação é feita em função de interesses e valores pessoais. COMPONENTE FISIOLÓGICA : a emoção apresenta manifestações orgânicas COMPONENTE EXPRESSIVA : a emoção traduz-se num conjunto de expressões corporais. COMPONENTE COMPORTAMENTAL : o estado emocional desencadeia um conjunto de comportamentos. COMPONENTE SUBJECTIVA : a emoção está sempre associada a um estado afectivo.
  • 12. PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA EVOLUTIVA – Darwin Darwin distingue seis emoções primárias ou universais: a alegria, a tristeza, a surpresa, a cólera, o desgosto e o medo. Todas esta emoções apresentam manifestações fisiológicas : a postura corporal, as expressões faciais, os movimentos… Darwin considera que as emoções desempenham um papel adaptativo fundamental na história da espécie humana, sendo determinantes na nossa capacidade e sobrevivência.
  • 13. PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA FISIOLÓGICA – William James As emoções resultam das percepções dos estados corporais e das mudanças orgânicas provocadas por estímulos particulares.. Os estímulos produzem alterações orgânicas que, por sua vez, geram emoções. Esta teoria tem como suporte uma relação entre o corpo e a mente.
  • 14. PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA COGNITIVISTA A emoção é determinada pelo modo como representamos a situação e pela avaliação pessoal que lhe damos. Esta interpretação depende dos nossos quadros cognitivos e da nossa história pessoal, que nos conduzem numa interpretação da situação.
  • 15. PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES PERSPECTIVA CULTURALISTA A cada cultura correspondem diferentes emoções e diferentes formas de as expressar. Cada cultura tem o seu conjunto de regras que especificam o tipo de emoções que se podem manifestar nas diferentes situações, e os comportamentos adequados para exprimirem as diferentes emoções. Todos os que pertencem à mesma cultura partilham uma linguagem da emoção.
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. A RAZÃO E A EMOÇÃO Para Damásio , a tomada de decisão implica duas vias complementares: A representação das consequências de uma opção é disponibilizada pelo raciocínio: avaliação da situação, levantamento das opções, comparações lógicas… A percepção da situação provoca a activação de experiências emocionais experimentadas anteriormente em situações semelhantes. As emoções são, portanto, processos indispensáveis no acto de decidir
  • 20. A RAZÃO E A EMOÇÃO MARCADOR SOMÁTICO Marcador somático é um mecanismo automatizado que suporta as nossas decisões, apesar de não tomarem as decisões por nós. Por mais simples que a decisão seja, existe sempre uma emoção associada à escolha feita. Assim, Damásio estabelece uma ligação entre o tipo de situação e o estado somático, isto é, o estado do corpo.. Os marcadores somáticos informam o cérebro sobre as decisões a tomar. O nosso pensamento tem portanto necessidade das emoções para ser eficaz.
  • 21.