SlideShare uma empresa Scribd logo
Memória
Trabalho realizado por:
Ana Felizardo & Rafaela Carvalho
PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS
PROF VILCIELE DAMASCENO
Introdução
A nossa relação com o meio exterior não faria
sentido senão tivéssemos uma forma de registar e
relembrar os resultados das nossas interações.
Criar, reter e recordar representam etapas
importantes e necessárias no processamento de
informação e dizem respeito essencialmente á
memória.
Estas três operações são interdependentes pelo
que o sistema de memorização só funcionará
corretamente se conseguirmos codificar, armazenar
e recuperar a informação.
A memória é a habilidade de adquirir e conservar informação ou representações de experiências
com base nos processos mentais de codificação, retenção e recuperação. É um campo complexo
de processos baseados em mecanismos biológicos e psicológicos.
A memória requer uma grande quantidade de energia mental e danifica-se com a idade. É um
processo que conecta pedaços de lembranças e conhecimentos com um objetivo de ajudar a tomar
decisões diárias.
O que é a memória?
Como funciona a
memória?
Como a
informação
chega à
memória
Codificação
(criação)
Transformação
das informações
do meio em
representações e
códigos
Como é que a
informação é
mantida na
memória?
Armazenamento
(retenção)
Arquivamento de
informação
Como a
informação é
trazida a
memória?
Recuperação
(recordação)
Acesso á
informação
armazenada
As teorias do processamento de informação normalmente dividem a memória em três
compartimentos/subsistemas:
1. Memória sensorial;
2. Memória de curto prazo;
3. Memória de longo prazo;
Estes três tipos de memória diferem entre si nomeadamente quanto á sua natureza, período de
permanência da informação e capacidade de armazenamento.
Tipos de memória
Tipos de memória
(Memória sensorial)
Natureza: Permite conservar as
características físicas de algum objeto
captado pelos nossos órgãos sensoriais
durante frações de segundo. Por exemplo
a memória sensorial visual contribuí para a
nossa perceção de movimento e é através
da memória auditiva que conseguimos
perceber palavras e frases.
Período de permanência: Milissegundos.
Base biológica: redes sensoriais.
Tipos de memória
(Memória de curto prazo)
Natureza: Constituí uma unidade processador ativa e extremamente útil, funciona como o
centro da consciência humana. Permite não apenas a exploração de informação da
memória sensorial como também ajuda a manter presente a informação que se encontra
guardada na memória a longo prazo.
Período de permanência: Cerca de 20 segundos.
Base biológica: Hipocampo e Lobo frontal.
Tipos de memória
(Memória de longo prazo)
Natureza: Armazena os conhecimentos que possuímos de nós mesmos e do mundo
durante longos períodos de tempo.
Período de permanência: Minutos, horas, dias, meses, anos.
Base biológica: Diferentes partes do córtex cerebral.
Ferramentas da memória
Ferramentas da memória
(Atenção)
Fixação da mente num determinado objeto. É
um estado de consciência em que os nossos
sentidos estão focados em certos aspetos do
ambiente. Podemos falar de atenção seletiva e
de atenção dividida.
Ferramentas da memória
Para que a informação não desapareça rapidamente e possa ser
transferida da memória sensorial para a memória de curto prazo é
necessário o envolvimento da atenção que é um conceito amplo que
incluí vários processos, correspondendo, de forma simples, à
capacidade de nos focarmos num evento ou situação.
No campo da psicologia referimo-nos às propriedades seletivas da
atenção quando queremos mencionar a capacidade nos
concentrarmos em alguns estímulos e ignorarmos outros.
Ferramentas da
memória
Atenção seletiva: É a que nos permite fazer tarefas simples, como ler um livro ou
conversar com um amigo.
Atenção dividida: Quando tentamos focar os nossos sentidos em mais do que um
estímulo ou quando intercalamos a nossa atenção com outra tarefa. Um exemplo
deste tipo de atenção é quando usamos o telemóvel e caminhamos ao mesmo
tempo.
A atenção é um fenómeno cognitivo fundamental que se relaciona com
outros processos, a sua importância e complexidade são tais que por vezes é
difícil distinguir o âmbito da atenção do âmbito da perceção e da memória.
Ferramentas da
memória
Como já referimos é então graças a atenção que as
informações captadas são transferidas para a
memória a curto prazo, mas esta não é um simples
sistema temporário de armazenamento, mas sim
como uma unidade processadora funciona como o
centro da consciência, isto é, uma memória de
trabalho.
Permite a exploração de informação da memória
sensorial como contribuí também para manter
presente a informação que se encontra guardada
na memória a longo prazo.
Ferramentas da
memória
Perceção, atenção e memória
são processos que precisamos
ativar para realizar estas tarefas.
TRANSTORNO DO DÉFICIT DE
ATENÇÃO
Os quadros de Distúrbio do Deficit
de Atenção são ocasionados por
uma disfunção neurológica, que
afeta o funcionamento do córtex pré-
frontal. Essa é a
área do cérebro responsável pela
atenção, organização, controle de
impulsos e capacidade de expressar
sentimentos, entre outras. Tal
disfunção se dá, em parte,
pela deficiência do neurotransmissor
Dopamina.
Memória de longo prazo
Memória de longo prazo
Da mesma forma que a atenção é fundamental para que a informação
possa seguir o seu curso até a memória de curto prazo, a repetição
ajuda que a mesma seja mantida neste sistema e a recuperação é
necessária para que possamos aceder à informação arquivada na
memória de longo prazo.
Memória de longo prazo
Informação sensorial
Memória sensorial
A informação á
qual não se presta
atenção e é
perdida
Memória de
curto prazo
atenção
A informação
que não é
repetida é
perdida
repetição
Memória de longo
prazo
recuperação
Alguma informação
pode ser perdida
com o passar do
tempo
Memória de longo prazo
Dos três tipos de memória que referimos, a memória a longo
prazo é a que se aproxima mais daquilo a que habitualmente
chamamos memória. É relativamente permanente e
constituída a partir de todas as modalidades dos sentidos,
armazenando os conhecimentos que possuímos de nós
mesmo e do mundo durante longos períodos de tempo.
Como por exemplo o nosso nome, os locais em que vivemos,
as pessoas que amamos, os livros que lemos, etc.
Memória de longo prazo
Por norma, os cientistas dividem as memórias de longo prazo em dois
tipos: implícitas e explícitas.
As memórias implícitas incluem procedimentos e ações. São coisas que
sabemos mas nas quais não pensamos de forma consciente, são hábitos e
capacidades motoras, como andar de bicicleta.
As memórias explícitas incluem factos e proposições. Dizem respeito ás
coisas que sabemos por termos lembrança, como a cor da nossa cama ou
os acontecimentos de ontem á tarde. Distingue-se entre memória
episódica (relativa á nossa narrativa e história pessoal) e memória
semântica (associada ao conceito de cultura geral).
Elizabeth Loftus
A memória humana, no entanto, está muito longe de ser um registo fotográfico fiel
e objetivo dos factos e acontecimentos do nosso mundo. O nosso cérebro esquece-
se frequentemente (isso aumenta progressivamente com a idade), faz distorções,
falsas atribuições, etc.
A memória é constantemente modificada, ela é constituída e reconstituída a
cada instante, sofrendo influencias da edução que recebemos, da comunicação
que temos com os outros, da nossa interpretação pessoal dos acontecimentos e
dos factos. Pode também ser influenciada pela leitura dos meios de comunicação
social, os nosso valores e anseios.
Basicamente pela imagem que temos de nós próprios e do mundo que nos rodeia.
Elizabeth Loftus
• A memória, o esquecimento e a imaginação
caminham lado a lado na construção das
nossas lembranças pessoais.
• A psicóloga Elizabeth Loftus defende
exatamente isso, que investiga desde
1970,a falibilidade da memória humana.
Psicóloga norte-americana, atualmente
professora na universidade da
Califórnia. Doutorou-se em 1970
na universidade de Stanford, a mesma é
conhecida pela sua extensa pesquisa
sobre a falibilidade e permeabilidade
da memória humana e pelos contributos
que tem dado ás psicologias criminais,
forenses e do direito.
Elizabeth Loftus
Os sete pecados da memória
Outro psicólogo que contribuiu para o nosso conhecimento atual da
memória foi o psicólogo Daniel Schacter, que identificou em 1999 o
que designou como “os sete pecados da memória”. Estes pecados
são erros da memória, uma espécie de preço que pagamos por
sermos capazes de recordar.
Os sete pecados
da memória
Daniel Schacter: Psicólogo norte-
americano, atualmente professor
na universidade de Harvard. O
seu trabalho tem
incidido fundamentalmente nos
aspetos biológicos e psicológicos
da memória
Os sete pecados da memória​ Exemplo​
Transitoriedade (esqueciment
o)​
Redução ou detrimento da memória
com o passar do tempo​
Esquecer o enredo de um filme que vimos ou de
um livro que lemos​
Desatenção (esquecimento)​ Redução da memória por
não termos prestado
atenção suficiente​
Esquecer o que era para fazer no trabalho de
casa por não prestarmos atenção á aula ou
esquecer onde deixamos as chaves​
Bloqueio (esquecimento)​ Incapacidade de
recordar informações necessárias​
Ser incapaz de recordar o nome de uma pessoa
que conhecemos perfeitamente.​
Má atribuição (distorção)​ Atribuição de uma memória á fonte
errada​
Cruzar-se com alguém famoso na rua e achar
que é uma pessoa conhecida nossa​
Sugestionabilidade (distorção
)​
Alteração de uma memória devido a
informações falsas/enganadoras​
Desenvolver uma falsa memória a partir de uma
história que ouvimos.​
Viés (distorção)​ Influencia de conhecimentos atuais
sobre as memórias​
Recordar as nossas atitudes passadas como
sendo semelhantes ás atuais.​
Persistência (indesejado)​ Ressurgimento das
memórias indesejadas ou
perturbadoras​
Recordar constantemente uma gafe que se
cometeu​
Esquecimento
Como vimos na tabela muitos dos pecados da memória
prendem-se com o esquecimento. Mas porque é que
esquecemos?
Existem várias explicações para o esquecimento. Umas
referem a possibilidade de ter havido uma codificação
ineficaz da informação (e assim, na verdade não é
esquecimento porque a informação nunca chegou a ser
memorizada), outras apontam para uma
simples falha momentânea do nosso processo de
evocação (seria como se depois de “reiniciarmos” o nosso
sistema tudo voltasse ao normal), outras ainda sugerem
que pode estar ligado a lesões que danificam não só os
sistemas de recuperação de memórias como os de
geração de novas memórias.
Esquecimento
Apesar de todas estas possíveis explicações existem
duas grandes teorias sobre o esquecimento, que são as
mais aceites;
Teoria da interferência; na qual se defende que há uma
competição entre informação, isto é, que as novas
informações se intrometem levando-nos a distorcer ou
esquecer as anteriores.
Teoria da degradação; que postula que o fragmento
original da informação vai, por si só, desaparecendo
gradativamente, como um risco de tinta que
se desvanece com o tempo, a menos que façamos algo
para o manter intacto.
Caso de Clive Wearing
Em 1985, o musico e maestro
britânico Clive Wearning contraiu
uma infeção que lhe danificou uma
parte importante dos lobos
temporal e frontal, deixando-o,
com uma memória de menos de
dez segundos. Clive é um dos mais
severos casos de amnésia, é
incapaz de reconhecer pessoas ou
de recordar o que foi dito
momentos antes. A sua vida é um
eterno presente.
Porém no meio de um deserto
de lembranças, a habilidade e
memória musicais do maestro
mantiveram-se intactas.
Conclusão
Compreendemos agora que a memória é algo bastante complexo, e ao contrario do que
pensávamos inicialmente ela não é um tipo de gravador que guarda os acontecimentos
intactos, a memória falha com frequência e isso acentuasse á medida que a nossa idade
avança.
Também podemos por vezes lamentar o que esquecimento, por exemplo
quando esquecemos os conteúdos de algum teste, mas não ser capaz de esquecer pode
ser bastante perturbador, sem o esquecimento não podemos continuar a recordar.
Concluindo, apesar de ainda não compreendermos completamente o funcionamento do
nosso cérebro, conseguimos perceber que este é um “computador” bastante sofisticado
que conseguiu desenvolver os seus próprios meios para assegurar o seu bom
funcionamento.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf

Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Amone Matandaudje
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Memoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdfMemoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdf
RabeloRaquel
 
A Memória 12ºANO
A Memória 12ºANOA Memória 12ºANO
A Memória 12ºANO
Gateira
 
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de AprendizagemA Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Tipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoriaTipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoria
Marcelo Anjos
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Mara Silvia Fonseca Fonseca
 
A memória
A  memóriaA  memória
A memoria
A memoriaA memoria
A memoria
Marcelo Anjos
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
IFRS - Campus Sertão
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização
Sergio Manjate
 
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagemNeuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Rosane Jeronymo
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
Pedro Alcario
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
RafaelaQueiros
 
Memória e Aprendizagem
Memória e AprendizagemMemória e Aprendizagem
Memória e Aprendizagem
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barros
tvf
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
Liliam Da Paixão
 
Trabalho psicologia
Trabalho psicologiaTrabalho psicologia
Trabalho psicologia
CaitoJorgeMurabiua2
 
Memoria armazenagem
Memoria armazenagemMemoria armazenagem
Memoria armazenagem
Beatriz Ligabue
 

Semelhante a PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf (20)

Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
 
Memoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdfMemoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdf
 
A Memória 12ºANO
A Memória 12ºANOA Memória 12ºANO
A Memória 12ºANO
 
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de AprendizagemA Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
 
Tipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoriaTipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoria
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
 
A memória
A  memóriaA  memória
A memória
 
A memoria
A memoriaA memoria
A memoria
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização
 
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagemNeuro pp. slides  6. 1 dificuldades na linguagem
Neuro pp. slides 6. 1 dificuldades na linguagem
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
Memória e Aprendizagem
Memória e AprendizagemMemória e Aprendizagem
Memória e Aprendizagem
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barros
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
 
Trabalho psicologia
Trabalho psicologiaTrabalho psicologia
Trabalho psicologia
 
Memoria armazenagem
Memoria armazenagemMemoria armazenagem
Memoria armazenagem
 

Mais de vilcielepazebem

PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervençãoPSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
vilcielepazebem
 
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptxPsicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
vilcielepazebem
 
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdfprocessos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
vilcielepazebem
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
vilcielepazebem
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
vilcielepazebem
 
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologia
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologiaAula 03 - O campo grupal aula de psicologia
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologia
vilcielepazebem
 
TDAH em ADULTOS Módulo 6 Q
TDAH em ADULTOS Módulo 6                        QTDAH em ADULTOS Módulo 6                        Q
TDAH em ADULTOS Módulo 6 Q
vilcielepazebem
 
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.pptQuestionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
vilcielepazebem
 
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
vilcielepazebem
 
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
vilcielepazebem
 

Mais de vilcielepazebem (10)

PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervençãoPSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
PSICOLOGIA SOCIAL-1 projeto de intervenção
 
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptxPsicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
Psicologia e comunidade capitulo 3XXXX.pptx
 
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdfprocessos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
processos psicológicos MOTIVAÇÃO E VIDA AFETIVA.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologia
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologiaAula 03 - O campo grupal aula de psicologia
Aula 03 - O campo grupal aula de psicologia
 
TDAH em ADULTOS Módulo 6 Q
TDAH em ADULTOS Módulo 6                        QTDAH em ADULTOS Módulo 6                        Q
TDAH em ADULTOS Módulo 6 Q
 
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.pptQuestionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
Questionário+de+Avaliação+Tipológica+-++QUATI++aula+03+++de+setembro++lab+2.ppt
 
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
1562007792Ebook_-_Novas_Abordagens_em_Sade_Mental_1 (1).pdf
 
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
1550516313Ebook_-_A_sade_mental_na_ateno_bsica.pdf
 

Último

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf

  • 1. Memória Trabalho realizado por: Ana Felizardo & Rafaela Carvalho PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS PROF VILCIELE DAMASCENO
  • 2. Introdução A nossa relação com o meio exterior não faria sentido senão tivéssemos uma forma de registar e relembrar os resultados das nossas interações. Criar, reter e recordar representam etapas importantes e necessárias no processamento de informação e dizem respeito essencialmente á memória. Estas três operações são interdependentes pelo que o sistema de memorização só funcionará corretamente se conseguirmos codificar, armazenar e recuperar a informação.
  • 3. A memória é a habilidade de adquirir e conservar informação ou representações de experiências com base nos processos mentais de codificação, retenção e recuperação. É um campo complexo de processos baseados em mecanismos biológicos e psicológicos. A memória requer uma grande quantidade de energia mental e danifica-se com a idade. É um processo que conecta pedaços de lembranças e conhecimentos com um objetivo de ajudar a tomar decisões diárias. O que é a memória?
  • 4. Como funciona a memória? Como a informação chega à memória Codificação (criação) Transformação das informações do meio em representações e códigos Como é que a informação é mantida na memória? Armazenamento (retenção) Arquivamento de informação Como a informação é trazida a memória? Recuperação (recordação) Acesso á informação armazenada
  • 5. As teorias do processamento de informação normalmente dividem a memória em três compartimentos/subsistemas: 1. Memória sensorial; 2. Memória de curto prazo; 3. Memória de longo prazo; Estes três tipos de memória diferem entre si nomeadamente quanto á sua natureza, período de permanência da informação e capacidade de armazenamento. Tipos de memória
  • 6. Tipos de memória (Memória sensorial) Natureza: Permite conservar as características físicas de algum objeto captado pelos nossos órgãos sensoriais durante frações de segundo. Por exemplo a memória sensorial visual contribuí para a nossa perceção de movimento e é através da memória auditiva que conseguimos perceber palavras e frases. Período de permanência: Milissegundos. Base biológica: redes sensoriais.
  • 7. Tipos de memória (Memória de curto prazo) Natureza: Constituí uma unidade processador ativa e extremamente útil, funciona como o centro da consciência humana. Permite não apenas a exploração de informação da memória sensorial como também ajuda a manter presente a informação que se encontra guardada na memória a longo prazo. Período de permanência: Cerca de 20 segundos. Base biológica: Hipocampo e Lobo frontal.
  • 8. Tipos de memória (Memória de longo prazo) Natureza: Armazena os conhecimentos que possuímos de nós mesmos e do mundo durante longos períodos de tempo. Período de permanência: Minutos, horas, dias, meses, anos. Base biológica: Diferentes partes do córtex cerebral.
  • 10. Ferramentas da memória (Atenção) Fixação da mente num determinado objeto. É um estado de consciência em que os nossos sentidos estão focados em certos aspetos do ambiente. Podemos falar de atenção seletiva e de atenção dividida.
  • 11. Ferramentas da memória Para que a informação não desapareça rapidamente e possa ser transferida da memória sensorial para a memória de curto prazo é necessário o envolvimento da atenção que é um conceito amplo que incluí vários processos, correspondendo, de forma simples, à capacidade de nos focarmos num evento ou situação. No campo da psicologia referimo-nos às propriedades seletivas da atenção quando queremos mencionar a capacidade nos concentrarmos em alguns estímulos e ignorarmos outros.
  • 12. Ferramentas da memória Atenção seletiva: É a que nos permite fazer tarefas simples, como ler um livro ou conversar com um amigo. Atenção dividida: Quando tentamos focar os nossos sentidos em mais do que um estímulo ou quando intercalamos a nossa atenção com outra tarefa. Um exemplo deste tipo de atenção é quando usamos o telemóvel e caminhamos ao mesmo tempo. A atenção é um fenómeno cognitivo fundamental que se relaciona com outros processos, a sua importância e complexidade são tais que por vezes é difícil distinguir o âmbito da atenção do âmbito da perceção e da memória.
  • 13. Ferramentas da memória Como já referimos é então graças a atenção que as informações captadas são transferidas para a memória a curto prazo, mas esta não é um simples sistema temporário de armazenamento, mas sim como uma unidade processadora funciona como o centro da consciência, isto é, uma memória de trabalho. Permite a exploração de informação da memória sensorial como contribuí também para manter presente a informação que se encontra guardada na memória a longo prazo.
  • 14. Ferramentas da memória Perceção, atenção e memória são processos que precisamos ativar para realizar estas tarefas.
  • 15. TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO Os quadros de Distúrbio do Deficit de Atenção são ocasionados por uma disfunção neurológica, que afeta o funcionamento do córtex pré- frontal. Essa é a área do cérebro responsável pela atenção, organização, controle de impulsos e capacidade de expressar sentimentos, entre outras. Tal disfunção se dá, em parte, pela deficiência do neurotransmissor Dopamina.
  • 17. Memória de longo prazo Da mesma forma que a atenção é fundamental para que a informação possa seguir o seu curso até a memória de curto prazo, a repetição ajuda que a mesma seja mantida neste sistema e a recuperação é necessária para que possamos aceder à informação arquivada na memória de longo prazo.
  • 18. Memória de longo prazo Informação sensorial Memória sensorial A informação á qual não se presta atenção e é perdida Memória de curto prazo atenção A informação que não é repetida é perdida repetição Memória de longo prazo recuperação Alguma informação pode ser perdida com o passar do tempo
  • 19. Memória de longo prazo Dos três tipos de memória que referimos, a memória a longo prazo é a que se aproxima mais daquilo a que habitualmente chamamos memória. É relativamente permanente e constituída a partir de todas as modalidades dos sentidos, armazenando os conhecimentos que possuímos de nós mesmo e do mundo durante longos períodos de tempo. Como por exemplo o nosso nome, os locais em que vivemos, as pessoas que amamos, os livros que lemos, etc.
  • 20. Memória de longo prazo Por norma, os cientistas dividem as memórias de longo prazo em dois tipos: implícitas e explícitas. As memórias implícitas incluem procedimentos e ações. São coisas que sabemos mas nas quais não pensamos de forma consciente, são hábitos e capacidades motoras, como andar de bicicleta. As memórias explícitas incluem factos e proposições. Dizem respeito ás coisas que sabemos por termos lembrança, como a cor da nossa cama ou os acontecimentos de ontem á tarde. Distingue-se entre memória episódica (relativa á nossa narrativa e história pessoal) e memória semântica (associada ao conceito de cultura geral).
  • 21. Elizabeth Loftus A memória humana, no entanto, está muito longe de ser um registo fotográfico fiel e objetivo dos factos e acontecimentos do nosso mundo. O nosso cérebro esquece- se frequentemente (isso aumenta progressivamente com a idade), faz distorções, falsas atribuições, etc. A memória é constantemente modificada, ela é constituída e reconstituída a cada instante, sofrendo influencias da edução que recebemos, da comunicação que temos com os outros, da nossa interpretação pessoal dos acontecimentos e dos factos. Pode também ser influenciada pela leitura dos meios de comunicação social, os nosso valores e anseios. Basicamente pela imagem que temos de nós próprios e do mundo que nos rodeia.
  • 22. Elizabeth Loftus • A memória, o esquecimento e a imaginação caminham lado a lado na construção das nossas lembranças pessoais. • A psicóloga Elizabeth Loftus defende exatamente isso, que investiga desde 1970,a falibilidade da memória humana. Psicóloga norte-americana, atualmente professora na universidade da Califórnia. Doutorou-se em 1970 na universidade de Stanford, a mesma é conhecida pela sua extensa pesquisa sobre a falibilidade e permeabilidade da memória humana e pelos contributos que tem dado ás psicologias criminais, forenses e do direito.
  • 24. Os sete pecados da memória Outro psicólogo que contribuiu para o nosso conhecimento atual da memória foi o psicólogo Daniel Schacter, que identificou em 1999 o que designou como “os sete pecados da memória”. Estes pecados são erros da memória, uma espécie de preço que pagamos por sermos capazes de recordar.
  • 25. Os sete pecados da memória Daniel Schacter: Psicólogo norte- americano, atualmente professor na universidade de Harvard. O seu trabalho tem incidido fundamentalmente nos aspetos biológicos e psicológicos da memória
  • 26. Os sete pecados da memória​ Exemplo​ Transitoriedade (esqueciment o)​ Redução ou detrimento da memória com o passar do tempo​ Esquecer o enredo de um filme que vimos ou de um livro que lemos​ Desatenção (esquecimento)​ Redução da memória por não termos prestado atenção suficiente​ Esquecer o que era para fazer no trabalho de casa por não prestarmos atenção á aula ou esquecer onde deixamos as chaves​ Bloqueio (esquecimento)​ Incapacidade de recordar informações necessárias​ Ser incapaz de recordar o nome de uma pessoa que conhecemos perfeitamente.​ Má atribuição (distorção)​ Atribuição de uma memória á fonte errada​ Cruzar-se com alguém famoso na rua e achar que é uma pessoa conhecida nossa​ Sugestionabilidade (distorção )​ Alteração de uma memória devido a informações falsas/enganadoras​ Desenvolver uma falsa memória a partir de uma história que ouvimos.​ Viés (distorção)​ Influencia de conhecimentos atuais sobre as memórias​ Recordar as nossas atitudes passadas como sendo semelhantes ás atuais.​ Persistência (indesejado)​ Ressurgimento das memórias indesejadas ou perturbadoras​ Recordar constantemente uma gafe que se cometeu​
  • 27. Esquecimento Como vimos na tabela muitos dos pecados da memória prendem-se com o esquecimento. Mas porque é que esquecemos? Existem várias explicações para o esquecimento. Umas referem a possibilidade de ter havido uma codificação ineficaz da informação (e assim, na verdade não é esquecimento porque a informação nunca chegou a ser memorizada), outras apontam para uma simples falha momentânea do nosso processo de evocação (seria como se depois de “reiniciarmos” o nosso sistema tudo voltasse ao normal), outras ainda sugerem que pode estar ligado a lesões que danificam não só os sistemas de recuperação de memórias como os de geração de novas memórias.
  • 28. Esquecimento Apesar de todas estas possíveis explicações existem duas grandes teorias sobre o esquecimento, que são as mais aceites; Teoria da interferência; na qual se defende que há uma competição entre informação, isto é, que as novas informações se intrometem levando-nos a distorcer ou esquecer as anteriores. Teoria da degradação; que postula que o fragmento original da informação vai, por si só, desaparecendo gradativamente, como um risco de tinta que se desvanece com o tempo, a menos que façamos algo para o manter intacto.
  • 29. Caso de Clive Wearing Em 1985, o musico e maestro britânico Clive Wearning contraiu uma infeção que lhe danificou uma parte importante dos lobos temporal e frontal, deixando-o, com uma memória de menos de dez segundos. Clive é um dos mais severos casos de amnésia, é incapaz de reconhecer pessoas ou de recordar o que foi dito momentos antes. A sua vida é um eterno presente. Porém no meio de um deserto de lembranças, a habilidade e memória musicais do maestro mantiveram-se intactas.
  • 30. Conclusão Compreendemos agora que a memória é algo bastante complexo, e ao contrario do que pensávamos inicialmente ela não é um tipo de gravador que guarda os acontecimentos intactos, a memória falha com frequência e isso acentuasse á medida que a nossa idade avança. Também podemos por vezes lamentar o que esquecimento, por exemplo quando esquecemos os conteúdos de algum teste, mas não ser capaz de esquecer pode ser bastante perturbador, sem o esquecimento não podemos continuar a recordar. Concluindo, apesar de ainda não compreendermos completamente o funcionamento do nosso cérebro, conseguimos perceber que este é um “computador” bastante sofisticado que conseguiu desenvolver os seus próprios meios para assegurar o seu bom funcionamento.