SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
Unidade 2- O modelo romano 
2.2- A afirmação imperial de uma cultura urbana 
pragmática; 
2.2.3- A fixação de modelos artísticos. 
Estagiária: Solange Pacheco
 Que condições proporcionaram a grande atividade 
construtiva dos romanos? 
• A paz prolongada; 
• A prosperidade económica; 
As cidades do império romano enriqueceram-se com:
 Fóruns
 Templos
 Aquedutos
 Teatros
 Construções comemorativas 
Arcos de Triunfo Pórticos Colunas
A arquitetura romana possui forte influência grega, 
tendo sido adotadas ordens arquitetónicas helénicas: 
 Dórica; 
 Jónica; 
 Coríntia (esta era a mais utilizada); 
Contudo, os Romanos possuiam mais liberdade 
nas suas construções, pois utilizavam caraterísticas de 
várias ordens no mesmo edificio. Desta forma, criou 
se a ordem compósita.
 Verifica-se maior 
influência grega no 
alçado e na 
simplicidade das 
plantas; 
 Os Romanos realçam 
a imponência dos 
monumentos através 
da construção do 
podium; (doc 18)
 Os artistas romanos souberam tirar partido 
das diversas técnicas e diferentes materiais; 
 Não se limitavam à utilização de pedra 
cortada e sobreposta; 
 A natureza prática dos romanos fê-los utilizar 
materiais mais baratos e versáteis como o 
betão e tijolo;
 As esculturas do 
frontão e do 
friso foram 
substituídas por 
simples 
dedicatórias que 
indica os 
objetivos e as 
circunstâncias 
da construção 
do monumento. 
(doc. 20, p 101)
A construção em betão, 
tornou-se uma mais valia: 
 Era mais barato; 
 Maior solidez; 
 Maior adaptabilidade ao 
espaço; 
 Mais prático no processo 
de construção- era 
vazado em moldes que 
posteriormente eram 
retirados; Templo de Diana, Évora 
século III d.C
 Estes materiais eram 
cobertos por 
revestimentos 
mais ricos como 
mármore e outras 
pedras que elevavam 
a grandiosidade e 
monumentalidade 
das construções;
Aliando a versalidade dos materiais, os Romanos 
tornaram-se exímios na utilização de elementos 
tais como: 
 arco de volta perfeita;
Abóbodas de berço 
Sé de Lisboa 
Abóbodas de aresta
 Os espaços interiores 
majestosos e 
grandiosos eram o 
cenário perfeito para 
as cerimónias solenes 
e oficiais onde se 
exaltava o poder e 
glória romana;
 Pouco utilizado pelos 
gregos, o arco permite 
maior distribuição do peso 
exercido nas colunas que 
podiam espaçar-se, criando 
grandes vãos entre elas; 
 Verificou-se um 
apuramento técnico que 
culminou na edificação de 
grandes e suptuosas cúpulas 
(exemplo o Panteão);
 A arquitetura romana não se baseava 
exclusivamente, na adoração de deuses e do 
imperador; 
 O seu sentido prático e urbano é visivel por todo o 
império, como se pode verificar pelas construções 
de aquedutos, fóruns, teatros, anfiteatros, 
bibliotecas e termas; 
 A grandiosidade das construções encontra-se 
aliada ao sentimento propagandista do grande 
império romano. A suptuosidade e grandiosidade 
arquitetónica era alvo de admiração pelos povos, 
incluindo os povos conquistados, como se pode 
constatar pelas construções comemorativas como: 
os arcos de triunfo, as colunas e pórticos.
 Arcos de triunfo 
 Pórticos; 
 Colunas; 
Estas construções comemorativas possuíam efeito 
decorativo que promovia a exaltação do poder Imperial.
 As construções, ruas e 
casas romanas estavam 
repletas de esculturas; 
 As cidades mais pequenas 
imitavam a capital (Roma); 
 Contudo, os escultores 
romanos não apresentam o 
mesmo nível de inovação 
que os arquitetos, 
deixando se levar pelas 
caraterísticas helénicas; 
 Era frequente os cidadãos 
abastados encomendarem 
réplicas das obras gregas;
 Contudo, a sua postura altera-se quando se procura 
retratar a sua imagem e preservá-la para a 
prosperidade. 
 As feições do rosto; 
 A expressão do olhar; 
 Movimento dos cabelos; 
São alvo de elevada 
minúcia, detalhe e 
fidelidade 
(realismo).
 Os romanos 
apostaram fortemente no 
relevo que era usado 
como elemento 
decorativo; 
 Atribuiram a função de 
narrar os grandes feitos 
do povo romano e 
exaltar as qualidades 
dos seus chefes; 
Coluna de Trajano
 Os artistas gregos representavam, na maioria 
da vezes episódios mitológicos, os romanos 
tinham como objetivo principal, eternizar, em 
pedra, episódios relevantes da história 
romana: 
 Feitos militares; 
 Eventos religiosos; 
 Alusões imperiais; 
 Referências à paz e prosperidade 
do império. 
Relevo 
histórico-narrativo
O relevo histórico-narrativo era utilizado em colunas, 
sarcófagos e em arcos de triunfo.
 Leitura e análise das páginas 99-103 do manual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo atenienseEscoladocs
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizadaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalSusana Simões
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romanoVítor Santos
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibéricaMaria Cristina Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 

Destaque

O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O CristianismoAEDFL
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoMariana Neves
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 

Destaque (7)

O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O Cristianismo
 
A cultura romana 1
A cultura romana 1A cultura romana 1
A cultura romana 1
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 

Semelhante a Arquitetura e Escultura Romana

Semelhante a Arquitetura e Escultura Romana (20)

Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
A cultura do senado
A cultura  do senadoA cultura  do senado
A cultura do senado
 
4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
Arte Romana www.professorpalmito.com.br
Arte Romana www.professorpalmito.com.brArte Romana www.professorpalmito.com.br
Arte Romana www.professorpalmito.com.br
 
A Arte Em Roma Laysa
A Arte Em Roma   LaysaA Arte Em Roma   Laysa
A Arte Em Roma Laysa
 
A Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsicaA Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsica
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
A Arte em Roma
A Arte em RomaA Arte em Roma
A Arte em Roma
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
A arte do império romano
A arte do império romanoA arte do império romano
A arte do império romano
 
54405582 aula-06-arquitetura-romana
54405582 aula-06-arquitetura-romana54405582 aula-06-arquitetura-romana
54405582 aula-06-arquitetura-romana
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
A arte em roma
A arte em romaA arte em roma
A arte em roma
 
A Arte romana
A Arte romanaA Arte romana
A Arte romana
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direitoNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperadorNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015 (9)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 
Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Arquitetura e Escultura Romana

  • 1. Unidade 2- O modelo romano 2.2- A afirmação imperial de uma cultura urbana pragmática; 2.2.3- A fixação de modelos artísticos. Estagiária: Solange Pacheco
  • 2.
  • 3.  Que condições proporcionaram a grande atividade construtiva dos romanos? • A paz prolongada; • A prosperidade económica; As cidades do império romano enriqueceram-se com:
  • 8.  Construções comemorativas Arcos de Triunfo Pórticos Colunas
  • 9. A arquitetura romana possui forte influência grega, tendo sido adotadas ordens arquitetónicas helénicas:  Dórica;  Jónica;  Coríntia (esta era a mais utilizada); Contudo, os Romanos possuiam mais liberdade nas suas construções, pois utilizavam caraterísticas de várias ordens no mesmo edificio. Desta forma, criou se a ordem compósita.
  • 10.
  • 11.  Verifica-se maior influência grega no alçado e na simplicidade das plantas;  Os Romanos realçam a imponência dos monumentos através da construção do podium; (doc 18)
  • 12.  Os artistas romanos souberam tirar partido das diversas técnicas e diferentes materiais;  Não se limitavam à utilização de pedra cortada e sobreposta;  A natureza prática dos romanos fê-los utilizar materiais mais baratos e versáteis como o betão e tijolo;
  • 13.  As esculturas do frontão e do friso foram substituídas por simples dedicatórias que indica os objetivos e as circunstâncias da construção do monumento. (doc. 20, p 101)
  • 14. A construção em betão, tornou-se uma mais valia:  Era mais barato;  Maior solidez;  Maior adaptabilidade ao espaço;  Mais prático no processo de construção- era vazado em moldes que posteriormente eram retirados; Templo de Diana, Évora século III d.C
  • 15.  Estes materiais eram cobertos por revestimentos mais ricos como mármore e outras pedras que elevavam a grandiosidade e monumentalidade das construções;
  • 16. Aliando a versalidade dos materiais, os Romanos tornaram-se exímios na utilização de elementos tais como:  arco de volta perfeita;
  • 17. Abóbodas de berço Sé de Lisboa Abóbodas de aresta
  • 18.  Os espaços interiores majestosos e grandiosos eram o cenário perfeito para as cerimónias solenes e oficiais onde se exaltava o poder e glória romana;
  • 19.  Pouco utilizado pelos gregos, o arco permite maior distribuição do peso exercido nas colunas que podiam espaçar-se, criando grandes vãos entre elas;  Verificou-se um apuramento técnico que culminou na edificação de grandes e suptuosas cúpulas (exemplo o Panteão);
  • 20.  A arquitetura romana não se baseava exclusivamente, na adoração de deuses e do imperador;  O seu sentido prático e urbano é visivel por todo o império, como se pode verificar pelas construções de aquedutos, fóruns, teatros, anfiteatros, bibliotecas e termas;  A grandiosidade das construções encontra-se aliada ao sentimento propagandista do grande império romano. A suptuosidade e grandiosidade arquitetónica era alvo de admiração pelos povos, incluindo os povos conquistados, como se pode constatar pelas construções comemorativas como: os arcos de triunfo, as colunas e pórticos.
  • 21.  Arcos de triunfo  Pórticos;  Colunas; Estas construções comemorativas possuíam efeito decorativo que promovia a exaltação do poder Imperial.
  • 22.  As construções, ruas e casas romanas estavam repletas de esculturas;  As cidades mais pequenas imitavam a capital (Roma);  Contudo, os escultores romanos não apresentam o mesmo nível de inovação que os arquitetos, deixando se levar pelas caraterísticas helénicas;  Era frequente os cidadãos abastados encomendarem réplicas das obras gregas;
  • 23.  Contudo, a sua postura altera-se quando se procura retratar a sua imagem e preservá-la para a prosperidade.  As feições do rosto;  A expressão do olhar;  Movimento dos cabelos; São alvo de elevada minúcia, detalhe e fidelidade (realismo).
  • 24.  Os romanos apostaram fortemente no relevo que era usado como elemento decorativo;  Atribuiram a função de narrar os grandes feitos do povo romano e exaltar as qualidades dos seus chefes; Coluna de Trajano
  • 25.  Os artistas gregos representavam, na maioria da vezes episódios mitológicos, os romanos tinham como objetivo principal, eternizar, em pedra, episódios relevantes da história romana:  Feitos militares;  Eventos religiosos;  Alusões imperiais;  Referências à paz e prosperidade do império. Relevo histórico-narrativo
  • 26. O relevo histórico-narrativo era utilizado em colunas, sarcófagos e em arcos de triunfo.
  • 27.  Leitura e análise das páginas 99-103 do manual.