SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
A Grécia

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
Civilização grega, 7º ano

2
Fotografias e mapa da Grécia

Civilização grega, 7º ano

3
Existirão muitos terrenos férteis na Grécia?

Cerca de 80% do território da Grécia é montanhoso e pouco
produtivo em termos agrícolas;
A costa grega é muito recortada e com um grande número de ilhas,
o que levou os gregos a desenvolverem atividades ligadas ao mar.

Civilização grega, 7º ano

4
A falta de terrenos férteis levou os gregos a emigrarem e a
fundarem colónias

A pobreza do solo grego levou à fundação de colónias, no Mar
Mediterrâneo e no Mar Negro.
Estas colónias mantinham uma forte ligação (cultural, linguística,
comercial e religiosa) à Grécia, o que contribuiu para a difusão da
cultura grega.

Civilização grega, 7º ano

5
O terreno montanhoso dificultava as comunicações entre as
diversas cidades gregas.
Os gregos não formaram um estado unificado, estavam divididos em
territórios independentes.
Cada cidade procurava ser autossuficiente.
As cidades gregas entravam em guerra frequentemente umas com
as outras.

Civilização grega, 7º ano

6
Surgiram as cidades-estado (pólis)
Cidades com governo, leis, governo e exército próprio.
Os gregos tinham a mesma cultura, língua, culturas e costumes mas
estavam divididos em cidades-estado.

Civilização grega, 7º ano

7
Constituição de uma cidade-estado
A – Acrópole: parte alta da cidade. Centro religioso (principais
templos da cidade). Zona de defesa em caso de ataque.
B – Ágora: parte baixa da cidade. Praça pública. Zona de comércio e
da administração pública (governo da cidade).
C – Zona rural: campos, bosques e aldeias que abasteciam a cidade
com produtos agrícolas.

Civilização grega, 7º ano

8
No século V a.c., Atenas tornou-se a principal cidade-estado grega.
Que fatores contribuíram para essa situação?
Posição geográfica privilegiada, perto do mar. O porto do Pireu era
um dos mais importantes centros de comercio da Grécia;
A península da Ática era uma zona fértil (vinha, oliveira, figueira, mel
e gado;
Artesanato muito desenvolvido. Grande centro comercial e de
construção naval.

Mapa da cidade-estado de Atenas

Civilização grega, 7º ano

9
A principal atividade económica da cidade de Atenas era o
comércio. Produziam objetos de cerâmica, armas e tinham uma
forte indústria de construção naval;
Utilizavam nas trocas a moeda (dracma);
As suas exportações eram realizadas através do porto do Pireu.

Civilização grega, 7º ano

10
Em Atenas desenvolveu-se uma economia comercial (a principal
atividade económica era o comércio), marítima (o comércio era
realizado principalmente por mar) e monetária (a moeda era
utilizada nas trocas).

Barco de guerra

Vaso de cerâmica grego
Civilização grega, 7º ano

11
Em 480 a.c., formou-se uma vasta coligação de cidades gregas (Liga
de Delos), criada para se defenderem dos Persas.
A sede da coligação era a ilha de Delos e, no início, era onde estava
guardado o tesouro da Liga.
Mais tarde o tesouro foi transferido para Atenas que liderava esta
coligação. Muitas cidades passaram a pagar-lhe um tributo
(imposto).

Civilização grega, 7º ano

12
A sociedade ateniense no século V a.c. criou um novo sistema
político a que deu o nome de democracia.
Demos= povo
Cracia= poder

Só os cidadãos podiam participar na vida política.
Cidadão= individuo do sexo masculino, com mais de 18 anos e filho
de pai e mãe ateniense

Civilização grega, 7º ano

13
Eram excluídos da vida política:
As mulheres. Tinham direitos muito limitados. Viviam na
dependência dos pais ou dos maridos;
Os metecos (gregos nascidos noutras cidade gregas) eram
considerados estrangeiros. Pagavam impostos e eram obrigados a
prestar serviço militar. Não podiam possuir terras;
Escravos. Não tinham direitos, eram propriedade dos seus donos.

famílias dos cidadãos (33%)
Metecos 13%
Escravos 42%
Cidadãos 12%

Civilização grega, 7º ano

14
Imperfeições da democracia ateniense:
Em Atenas só os cidadãos podiam participar na vida política
(minoria dos seus habitantes);
A existência de escravos;
Condenação ao ostracismo (exílio) e à morte;
Limitações à liberdade de expressão.
No entanto os atenienses criaram um novo regime político que irá
influenciar os modernos regimes democráticos que se inspiraram
no sistema político de Atenas.

Civilização grega, 7º ano

15
A vida quotidiana dos atenienses

A vida quotidiana dos cidadãos variava conforme as atividades que
exerciam:
Os cidadãos que possuíam terras viviam no campo explorando as
suas propriedades com o trabalho de escravos;
Os cidadãos que viviam na cidade dedicavam-se à política,
reuniam-se e discutiam os negócios políticos da cidade;
A tarde era dedicada ao lazer, nomeadamente frequentar o
ginásio, uma máxima dos gregos era “Mente sã em corpo são”;
No final da tarde iniciava-se a principal refeição do dia.

Civilização grega, 7º ano

16
Os metecos dedicavam-se às atividades artesanais e ao comércio;
Na educação os rapazes eram ensinados a serem bons cidadãos e as
raparigas eram ensinadas pela mãe na parte feminina da casa, o
gineceu;
As casas gregas eram organizadas em volta de um pátio central.

Civilização grega, 7º ano

17
Os gregos eram politeístas, acreditavam em vários deuses;
Os deuses gregos eram antropomórficos,
os deuses tinham forma e características humanas;
O que distinguia os deuses dos homens era a capacidade da
invisibilidade, de adquirirem diferentes formas e de serem
imortais.

Civilização grega, 7º ano

18
Na religião grega para além dos deuses existiam os heróis, seres
humanos que realizaram feitos heroicos e eram recompensados
pelos deuses;
Os mitos eram as histórias sobre os deuses e heróis;
O conjunto dessas histórias é a mitologia grega;
O culto cívico era realizado nos templos da cidade;
O culto pan-helénico era realizado nos principais santuários da
Grécia, como Delfos ou Olímpia

Civilização grega, 7º ano

19
Os Jogos eram um forma de os gregos prestarem culto aos seus
deuses;
Os Jogos Olímpicos foram os mais importantes. Eram realizados de
4 em 4 anos, na cidade de Olímpia, em honra de Zeus;
Existiam várias provas, a mais importante era a do pentatlo, o
vencedor era considerado um herói;
O calendário grego começava no ano 776 a.c., data dos primeiros
Jogos Olímpicos.

Civilização grega, 7º ano

20
O teatro ligam-se às festas em honra do deus Dionísio.
Na tragédia representavam-se as vidas dos deuses e heróis;
A comédia era uma representação em que se ridicularizavam a
vida do quotidiano e da política.

Civilização grega, 7º ano

21
Os gregos foram dos primeiros povos que procuraram explicações
naturais para os fenómenos da Natureza;
O desejo de conhecer o Homem e o Mundo levou-os a criar a
filosofia;
Filosofia= philos(amigo)+sophia(sabedoria);
Os gregos desenvolveram o conhecimento em várias áreas como a
História, Medicina, Astronomia, Física e Matemática;
Os principais filósofos gregos foram: Sócrates, Platão e Aristóteles.

Sócrates

Civilização grega, 7º ano

22
A arte clássica (grega) apresenta três características fundamentais:
harmonia, equilíbrio e proporção;
O objetivo da arte para os gregos era atingir a beleza, isto é, a
perfeição;
“Até as coisas úteis deviam ser belas”;
É uma arte “à medida do homem”.
“Arte à medida do Homem”, isto quer dizer que as obras de arte
não deviam ser monumentais, mas sim proporcionais, harmoniosas
e belas.
Pártenon, Nashville, Tennessee,
EUA.
Uma reconstituição do Pártenon,
feita nos anos 30 do século XX.

Civilização grega, 7º ano

23
O templo era o tipo de construção mais importante;
Os gregos criaram modelos de construção, as ordens
arquitetónicas;
Ordem arquitetónica: conjunto de regras e proporções a que
deviam obedecer a construção dos templos.
Existiam três ordens arquitetónicas: dórica, jónica e coríntia.
Atena Niké

Civilização grega, 7º ano

Pártenon

24
As três ordens arquitetónicas

Civilização grega, 7º ano

25
A ordem dórica, é a mais antiga, mais simples e mais robusta.
A ordem jónica é a mais elegante.
A ordem coríntia é a mais recente e mais decorada.

Civilização grega, 7º ano

26
A escultura representa o ideal grego de perfeição do corpo humano.

Lisipo, Apoxiomenos

Míron, Discóbolo
Civilização grega, 7º ano

27
Características da escultura grega:
Procura do ideal de beleza e perfeição, representação do corpo
humano de forma idealizada, segundo um ideal de proporções, o
cânone;

O cânone de Policleto

Civilização grega, 7º ano

28
Naturalismo, as esculturas procuram imitar a Natureza;
Serenidade, as esculturas não revelam sentimentos.
Praxíteles, Hermes e Dionísio

Praxíteles, Afrodite
Civilização grega, 7º ano

29
A pintura grega perdeu-se quase por completo, só existem as
pinturas realizadas em vasos de cerâmica;
Estas pinturas dão-nos um retrato da vida quotidiana dos gregos;
Para além da cerâmica produziram mobiliário, ourivesaria, armas,
etc.

Civilização grega, 7º ano

30
Civilização grega, 7º ano

31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iTeresa Maia
 
Correção do Teste de Avaliação_Civilização Grega
Correção do Teste de Avaliação_Civilização GregaCorreção do Teste de Avaliação_Civilização Grega
Correção do Teste de Avaliação_Civilização GregaPatrícia Morais
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século vCarla Freitas
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa romaAna Barreiros
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIIICarla Freitas
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXTeresa Maia
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundoVítor Santos
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romanacattonia
 
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correçãovaltervnunes
 
Os gregos no seculo v a.c.
Os gregos no seculo v a.c.Os gregos no seculo v a.c.
Os gregos no seculo v a.c.Alzira Soares
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Lucas Nunes
 

Mais procurados (20)

O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
Correção do Teste de Avaliação_Civilização Grega
Correção do Teste de Avaliação_Civilização GregaCorreção do Teste de Avaliação_Civilização Grega
Correção do Teste de Avaliação_Civilização Grega
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
2.º teste 7 a 2014 2015 - correção
 
Os gregos no seculo v a.c.
Os gregos no seculo v a.c.Os gregos no seculo v a.c.
Os gregos no seculo v a.c.
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia
 

Destaque

Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v aTeresa Maia
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiAna Barreiros
 
16 queda do império, invasões e civilização islâmica
16   queda do império, invasões e civilização islâmica16   queda do império, invasões e civilização islâmica
16 queda do império, invasões e civilização islâmicaCarla Freitas
 
Roma Imperial
Roma ImperialRoma Imperial
Roma Imperialeb23ja
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIINelson Faustino
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoCarlos Vieira
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana eb23ja
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Rainha Maga
 
D2 cultura arte_religião
D2 cultura arte_religiãoD2 cultura arte_religião
D2 cultura arte_religiãoVítor Santos
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípciaVítor Santos
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaVítor Santos
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiVítor Santos
 

Destaque (20)

Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v a
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
16 queda do império, invasões e civilização islâmica
16   queda do império, invasões e civilização islâmica16   queda do império, invasões e civilização islâmica
16 queda do império, invasões e civilização islâmica
 
Roma Asterix
Roma Asterix Roma Asterix
Roma Asterix
 
Invasões
InvasõesInvasões
Invasões
 
Roma Imperial
Roma ImperialRoma Imperial
Roma Imperial
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Ficha grécia
Ficha gréciaFicha grécia
Ficha grécia
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
 
D2 cultura arte_religião
D2 cultura arte_religiãoD2 cultura arte_religião
D2 cultura arte_religião
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
Classes sociais
Classes sociaisClasses sociais
Classes sociais
 
Atenas
AtenasAtenas
Atenas
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
 

Semelhante a A grécia (20)

Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
Os Gregos
Os GregosOs Gregos
Os Gregos
 
GréCia No SéCulo V A C
GréCia No SéCulo V A CGréCia No SéCulo V A C
GréCia No SéCulo V A C
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
GréCia Antiga
GréCia AntigaGréCia Antiga
GréCia Antiga
 
Gregos
GregosGregos
Gregos
 
Grécia antig apps
Grécia antig appsGrécia antig apps
Grécia antig apps
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
GréCia Antiga2
GréCia Antiga2GréCia Antiga2
GréCia Antiga2
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A cultura da ágora
A cultura da ágoraA cultura da ágora
A cultura da ágora
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
A CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO GregaA CivilizaçãO Grega
A CivilizaçãO Grega
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 

Último (20)

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

A grécia

  • 3. Fotografias e mapa da Grécia Civilização grega, 7º ano 3
  • 4. Existirão muitos terrenos férteis na Grécia? Cerca de 80% do território da Grécia é montanhoso e pouco produtivo em termos agrícolas; A costa grega é muito recortada e com um grande número de ilhas, o que levou os gregos a desenvolverem atividades ligadas ao mar. Civilização grega, 7º ano 4
  • 5. A falta de terrenos férteis levou os gregos a emigrarem e a fundarem colónias A pobreza do solo grego levou à fundação de colónias, no Mar Mediterrâneo e no Mar Negro. Estas colónias mantinham uma forte ligação (cultural, linguística, comercial e religiosa) à Grécia, o que contribuiu para a difusão da cultura grega. Civilização grega, 7º ano 5
  • 6. O terreno montanhoso dificultava as comunicações entre as diversas cidades gregas. Os gregos não formaram um estado unificado, estavam divididos em territórios independentes. Cada cidade procurava ser autossuficiente. As cidades gregas entravam em guerra frequentemente umas com as outras. Civilização grega, 7º ano 6
  • 7. Surgiram as cidades-estado (pólis) Cidades com governo, leis, governo e exército próprio. Os gregos tinham a mesma cultura, língua, culturas e costumes mas estavam divididos em cidades-estado. Civilização grega, 7º ano 7
  • 8. Constituição de uma cidade-estado A – Acrópole: parte alta da cidade. Centro religioso (principais templos da cidade). Zona de defesa em caso de ataque. B – Ágora: parte baixa da cidade. Praça pública. Zona de comércio e da administração pública (governo da cidade). C – Zona rural: campos, bosques e aldeias que abasteciam a cidade com produtos agrícolas. Civilização grega, 7º ano 8
  • 9. No século V a.c., Atenas tornou-se a principal cidade-estado grega. Que fatores contribuíram para essa situação? Posição geográfica privilegiada, perto do mar. O porto do Pireu era um dos mais importantes centros de comercio da Grécia; A península da Ática era uma zona fértil (vinha, oliveira, figueira, mel e gado; Artesanato muito desenvolvido. Grande centro comercial e de construção naval. Mapa da cidade-estado de Atenas Civilização grega, 7º ano 9
  • 10. A principal atividade económica da cidade de Atenas era o comércio. Produziam objetos de cerâmica, armas e tinham uma forte indústria de construção naval; Utilizavam nas trocas a moeda (dracma); As suas exportações eram realizadas através do porto do Pireu. Civilização grega, 7º ano 10
  • 11. Em Atenas desenvolveu-se uma economia comercial (a principal atividade económica era o comércio), marítima (o comércio era realizado principalmente por mar) e monetária (a moeda era utilizada nas trocas). Barco de guerra Vaso de cerâmica grego Civilização grega, 7º ano 11
  • 12. Em 480 a.c., formou-se uma vasta coligação de cidades gregas (Liga de Delos), criada para se defenderem dos Persas. A sede da coligação era a ilha de Delos e, no início, era onde estava guardado o tesouro da Liga. Mais tarde o tesouro foi transferido para Atenas que liderava esta coligação. Muitas cidades passaram a pagar-lhe um tributo (imposto). Civilização grega, 7º ano 12
  • 13. A sociedade ateniense no século V a.c. criou um novo sistema político a que deu o nome de democracia. Demos= povo Cracia= poder Só os cidadãos podiam participar na vida política. Cidadão= individuo do sexo masculino, com mais de 18 anos e filho de pai e mãe ateniense Civilização grega, 7º ano 13
  • 14. Eram excluídos da vida política: As mulheres. Tinham direitos muito limitados. Viviam na dependência dos pais ou dos maridos; Os metecos (gregos nascidos noutras cidade gregas) eram considerados estrangeiros. Pagavam impostos e eram obrigados a prestar serviço militar. Não podiam possuir terras; Escravos. Não tinham direitos, eram propriedade dos seus donos. famílias dos cidadãos (33%) Metecos 13% Escravos 42% Cidadãos 12% Civilização grega, 7º ano 14
  • 15. Imperfeições da democracia ateniense: Em Atenas só os cidadãos podiam participar na vida política (minoria dos seus habitantes); A existência de escravos; Condenação ao ostracismo (exílio) e à morte; Limitações à liberdade de expressão. No entanto os atenienses criaram um novo regime político que irá influenciar os modernos regimes democráticos que se inspiraram no sistema político de Atenas. Civilização grega, 7º ano 15
  • 16. A vida quotidiana dos atenienses A vida quotidiana dos cidadãos variava conforme as atividades que exerciam: Os cidadãos que possuíam terras viviam no campo explorando as suas propriedades com o trabalho de escravos; Os cidadãos que viviam na cidade dedicavam-se à política, reuniam-se e discutiam os negócios políticos da cidade; A tarde era dedicada ao lazer, nomeadamente frequentar o ginásio, uma máxima dos gregos era “Mente sã em corpo são”; No final da tarde iniciava-se a principal refeição do dia. Civilização grega, 7º ano 16
  • 17. Os metecos dedicavam-se às atividades artesanais e ao comércio; Na educação os rapazes eram ensinados a serem bons cidadãos e as raparigas eram ensinadas pela mãe na parte feminina da casa, o gineceu; As casas gregas eram organizadas em volta de um pátio central. Civilização grega, 7º ano 17
  • 18. Os gregos eram politeístas, acreditavam em vários deuses; Os deuses gregos eram antropomórficos, os deuses tinham forma e características humanas; O que distinguia os deuses dos homens era a capacidade da invisibilidade, de adquirirem diferentes formas e de serem imortais. Civilização grega, 7º ano 18
  • 19. Na religião grega para além dos deuses existiam os heróis, seres humanos que realizaram feitos heroicos e eram recompensados pelos deuses; Os mitos eram as histórias sobre os deuses e heróis; O conjunto dessas histórias é a mitologia grega; O culto cívico era realizado nos templos da cidade; O culto pan-helénico era realizado nos principais santuários da Grécia, como Delfos ou Olímpia Civilização grega, 7º ano 19
  • 20. Os Jogos eram um forma de os gregos prestarem culto aos seus deuses; Os Jogos Olímpicos foram os mais importantes. Eram realizados de 4 em 4 anos, na cidade de Olímpia, em honra de Zeus; Existiam várias provas, a mais importante era a do pentatlo, o vencedor era considerado um herói; O calendário grego começava no ano 776 a.c., data dos primeiros Jogos Olímpicos. Civilização grega, 7º ano 20
  • 21. O teatro ligam-se às festas em honra do deus Dionísio. Na tragédia representavam-se as vidas dos deuses e heróis; A comédia era uma representação em que se ridicularizavam a vida do quotidiano e da política. Civilização grega, 7º ano 21
  • 22. Os gregos foram dos primeiros povos que procuraram explicações naturais para os fenómenos da Natureza; O desejo de conhecer o Homem e o Mundo levou-os a criar a filosofia; Filosofia= philos(amigo)+sophia(sabedoria); Os gregos desenvolveram o conhecimento em várias áreas como a História, Medicina, Astronomia, Física e Matemática; Os principais filósofos gregos foram: Sócrates, Platão e Aristóteles. Sócrates Civilização grega, 7º ano 22
  • 23. A arte clássica (grega) apresenta três características fundamentais: harmonia, equilíbrio e proporção; O objetivo da arte para os gregos era atingir a beleza, isto é, a perfeição; “Até as coisas úteis deviam ser belas”; É uma arte “à medida do homem”. “Arte à medida do Homem”, isto quer dizer que as obras de arte não deviam ser monumentais, mas sim proporcionais, harmoniosas e belas. Pártenon, Nashville, Tennessee, EUA. Uma reconstituição do Pártenon, feita nos anos 30 do século XX. Civilização grega, 7º ano 23
  • 24. O templo era o tipo de construção mais importante; Os gregos criaram modelos de construção, as ordens arquitetónicas; Ordem arquitetónica: conjunto de regras e proporções a que deviam obedecer a construção dos templos. Existiam três ordens arquitetónicas: dórica, jónica e coríntia. Atena Niké Civilização grega, 7º ano Pártenon 24
  • 25. As três ordens arquitetónicas Civilização grega, 7º ano 25
  • 26. A ordem dórica, é a mais antiga, mais simples e mais robusta. A ordem jónica é a mais elegante. A ordem coríntia é a mais recente e mais decorada. Civilização grega, 7º ano 26
  • 27. A escultura representa o ideal grego de perfeição do corpo humano. Lisipo, Apoxiomenos Míron, Discóbolo Civilização grega, 7º ano 27
  • 28. Características da escultura grega: Procura do ideal de beleza e perfeição, representação do corpo humano de forma idealizada, segundo um ideal de proporções, o cânone; O cânone de Policleto Civilização grega, 7º ano 28
  • 29. Naturalismo, as esculturas procuram imitar a Natureza; Serenidade, as esculturas não revelam sentimentos. Praxíteles, Hermes e Dionísio Praxíteles, Afrodite Civilização grega, 7º ano 29
  • 30. A pintura grega perdeu-se quase por completo, só existem as pinturas realizadas em vasos de cerâmica; Estas pinturas dão-nos um retrato da vida quotidiana dos gregos; Para além da cerâmica produziram mobiliário, ourivesaria, armas, etc. Civilização grega, 7º ano 30