SlideShare uma empresa Scribd logo
A Supremacia da Antiga
Igreja Católica Imperial,
313-590
A Era de Ouro dos Pais da
Igreja
Os Pais Apostólicos, apologistas ou
polemistas, eram conhecidos como
Pais Antenicenos. Nesse estudo
veremos os Pais Pós-Nicenos, Pais
que atuaram entre os Concílios de
Nicéia (325) e de Calcedônia (451).
Expositor e Orador (347-407)
“…suportemos generosamente
todas as adversidades que
sobrevierem. Se Deus as
permite, é porque são úteis
para nós.”
Cem anos depois de sua morte, João de
Constantinopla recebeu o título pelo qual é
conhecido: João Crisótomo – o homem da boca
de ouro.
Monge acima de tudo, antes disso foi advogado,
educado em Antioquia.
Antusa, mãe de João, era uma cristã fervorosa,
e amava seu filho com amor profundo e
possessivo.
Por conta disso, João organiza um mosteiro em
sua própria casa.
Depois da morte de sua mãe, ele foi viver entre os
monges das montanhas da Síria.
Depois de seis anos João retorna a Antioquia onde foi
ordenado diácono e, pouco depois, presbítero.
Quando o bispado de Constantinopla ficou vago em
397, João foi obrigado por ordem imperial a ocupar o
cargo.
Constantinopla era cidade rica, dada ao luxo e às
intrigas políticas. Os habitantes ricos de
Constantinopla queriam adaptar o evangelho aos
seus próprios luxos e comodidades.
Por isso, o boca de ouro trovejava do púlpito:
“Esse freio de ouro na boca do teu cavalo, esse
aro de ouro no braço do teu escravo, esses
adornos dourados em teus sapatos são sinal de
que estás roubando o órfão e matando de fome a
viúva. Depois de morreres, quem passar pela tua
casa dirás: Com quantas lágrimas ele construiu
esse palácio? Quantos órfãos se viram nus,
quantas viúvas, injuriadas, quantos operários
receberam salários injustos? Assim, nem mesmo
a morte te livrará dos teus acusadores.”
Os poderosos não podiam tolerar aquela voz que do
púlpito da igreja de Santa Sofia, convocava-os para
obediência absoluta ao evangelho que diziam crer.
Eudóxia, a esposa do imperador, não via com bons
olhos o crescente poder do bispo.
Era necessário fazer calar aquele monge do deserto
que clamava na cidade.
Na viagem para seu segundo exílio sentiu que
chegara o momento de morrer, e terminou sua vida
com seu sermão mais curto e eloquente: “Glórias a
Deus por tudo. Amém.”
Exegeta (350-428)
“Eles inventam contos
tolos em suas próprias
mentes e dão à sua
insensatez o nome de
‘alegoria’”
Estudou a Bíblia por 10 anos com Diodoro de
Tarso.
Ordenado presbítero em Antioquia em 383,
tornou-se bispo da Mopsuéstia, na Cicília, em
torno de 392.
Chamado de “o príncipe dos exegetas antigos”.
Se opôs ao sistema alegórico de interpretação e
prepôs uma compreensão que levasse em conta
a gramática e a formação histórica do texto, a
fim de descobrir o sentido que o autor quis dar.
Deu atenção ao contexto imediato e remoto
do texto.
Escreveu comentários sobre livros da Bíblia
como as cartas aos colossenses e aos
tessalonicenses.
Tanto as obras de Teodoro, quanto as de
Crisóstomo, contrastava vigorosamente com
as forçadas interpretações da Bíblia geradas
pelo uso do método alegórico de
interpretação.
Historiador da Igreja (260-
340)
“Se olho para o oriente, se
olho para o ocidente, se olho
por toda, a terra, e até se olho
para o céu, sempre e em
qualquer lugar eu vejo o Bem-
aventurado Constantino
dirigindo o mesmo império.”
Considerado o pai da História da Igreja.
Tomou um lugar de honra à direita de
Constantino no Concílio de Nicéia.
Sua maior obra é a História
Eclesiástica.
A obra histórica de Eusébio foi
continuada por dois sucessores,
entretanto, sem o mesmo padrão de
Comentarista e Tradutor
(331-420)
“Talvez me culpes
secretamente por eu atacar
alguém pelas costas. Confesso
francamente que me deixo
levar pela indignação. Não
posso ouvir esses sacrilégios
pacientemente.”
Natural de Veneza, foi batizado em 360 e
durante vários anos dedicou-se aos estudos.
Em 386 foi para a Palestina onde viveu num
retiro monástico em Belém por quase 35 anos.
A maior obra de Jerônimo foi uma tradução
latina da Bíblia conhecida como Vulgata.
Essa versão tem sido amplamente usada pela
Igreja Ocidental e foi, até recentemente, a única
Bíblia oficial da Igreja Católica Romana desde o
Concílio de Trento.
Mesmo conhecido como “São Jerônimo”, sua
santidade não foi humilde, amável e doce, mas
orgulhosa, grosseira e amarga.
Entre muitas pessoas que foram objeto dos seus
ataques impiedosos, estavam não só os hereges, os
ignorantes e os hipócritas, mas também João
Crisóstomo, Ambrósio de Milão, Basílio de Cesaréia e
Agostinho de Hipona.
Os que se atreviam a criticá-lo, ele dizia que eram
simplesmente “asnos de duas pernas”.
Apesar disso Jerônimo conquistou um lugar entre os
gigantes do cristianismo do século IV.
Administrador e Pregador
(339-397)
“Deus incluiu todos na
incredulidade, a fim de usar de
misericórdia para com todos, de
modo que a graça não seja daquele
que quer, ou daquele que corre, e
sim do Deus que mostra
misericórdia, para que não
justifiques a ti mesmo, mas
atribuas tudo a Deus que te
chamou.”
Demonstrou grande capacidade nos campos da
administração eclesiástica, pregação e teologia.
Sua família pertencia aos altos círculos
imperiais de Roma.
Com a morte do bispo de Milão, em 374, o povo
pediu unanimemente a sua ascensão ao cargo.
Ambrósio queria que o Estado e seus dirigentes
respeitassem a Igreja, não contrariando os
direitos legítimos da Igreja no reino espiritual.
Embora suas exposições práticas da Bíblia
tenham sido prejudicadas pelo uso do método
alegórico, Ambrósio foi um talentoso pregador.
Sua pregação foi um instrumento para levar
Agostinho ao conhecimento do cristianismo,
resultando mais tarde na salvação deste.
Possivelmente foi ele que introduziu o cântico de
hinos e a salmodia antifonal na Igreja ocidental.
Foi um teólogo de grande talento, embora só
tenha estudado teologia depois de ordenado
bispo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Igreja #7
História da Igreja #7História da Igreja #7
História da Igreja #7
Respirando Deus
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
Andre Nascimento
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
Daniel Junior
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
Moisés Sampaio
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)
Aniel Wagner Cruz
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
Andre Nascimento
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
A teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo pauloA teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo paulo
THiago Bit
 
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
fogotv
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
Alberto Simonton
 
Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
Magrão Silva
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
ricardosantista
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

História da Igreja #7
História da Igreja #7História da Igreja #7
História da Igreja #7
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
A teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo pauloA teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo paulo
 
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
HistóRia Da Igreja Pdf Modulo 1
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
 
Periodo interbiblico
Periodo interbiblicoPeriodo interbiblico
Periodo interbiblico
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
 

Semelhante a História da Igreja #13

St Ambrósio de Milão
St Ambrósio de MilãoSt Ambrósio de Milão
St Ambrósio de Milão
João Pereira
 
St inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O TeóforoSt inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O Teóforo
João Pereira
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
Andre Nascimento
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
Viva a Igreja
 
6- Patristica.pptx
6- Patristica.pptx6- Patristica.pptx
6- Patristica.pptx
PIB Penha - SP
 
Carta a um maçom
Carta a um maçomCarta a um maçom
Carta a um maçom
Leonardo Toledo
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
PIB Penha
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
Andre Nascimento
 
Confiabilidade Bíblica
Confiabilidade BíblicaConfiabilidade Bíblica
Confiabilidade Bíblica
guest665361
 
O catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leituraO catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leitura
Davidson Da Costa Ramos
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
PIB Penha
 
A.origem.do.cristianismo
A.origem.do.cristianismoA.origem.do.cristianismo
A.origem.do.cristianismo
Firmino justino
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
PIB Penha - SP
 
A questão sobre_ario
A questão sobre_arioA questão sobre_ario
A questão sobre_ario
netirfreitas
 
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdfO_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
VictorSiqueira36
 
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADOAMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
William law e o monaquismo na igreja anglicana
William law e o monaquismo na igreja anglicanaWilliam law e o monaquismo na igreja anglicana
William law e o monaquismo na igreja anglicana
Victor Hugo de Oliveira Marques
 
Dramas da obsessão (cefak)
Dramas da obsessão (cefak)Dramas da obsessão (cefak)
Dramas da obsessão (cefak)
PontoDeLuz
 
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até RomaT200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
GersonPrates
 

Semelhante a História da Igreja #13 (20)

St Ambrósio de Milão
St Ambrósio de MilãoSt Ambrósio de Milão
St Ambrósio de Milão
 
St inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O TeóforoSt inácio de Antioquia, O Teóforo
St inácio de Antioquia, O Teóforo
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
6- Patristica.pptx
6- Patristica.pptx6- Patristica.pptx
6- Patristica.pptx
 
Carta a um maçom
Carta a um maçomCarta a um maçom
Carta a um maçom
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
 
Confiabilidade Bíblica
Confiabilidade BíblicaConfiabilidade Bíblica
Confiabilidade Bíblica
 
O catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leituraO catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leitura
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
 
A.origem.do.cristianismo
A.origem.do.cristianismoA.origem.do.cristianismo
A.origem.do.cristianismo
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
 
A questão sobre_ario
A questão sobre_arioA questão sobre_ario
A questão sobre_ario
 
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdfO_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
O_legado_de_Roma_Iluminando_a_idade_das-51-89.pdf
 
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADOAMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
 
William law e o monaquismo na igreja anglicana
William law e o monaquismo na igreja anglicanaWilliam law e o monaquismo na igreja anglicana
William law e o monaquismo na igreja anglicana
 
Dramas da obsessão (cefak)
Dramas da obsessão (cefak)Dramas da obsessão (cefak)
Dramas da obsessão (cefak)
 
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até RomaT200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 

Último

Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 

Último (10)

Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 

História da Igreja #13

  • 1. A Supremacia da Antiga Igreja Católica Imperial, 313-590 A Era de Ouro dos Pais da Igreja
  • 2. Os Pais Apostólicos, apologistas ou polemistas, eram conhecidos como Pais Antenicenos. Nesse estudo veremos os Pais Pós-Nicenos, Pais que atuaram entre os Concílios de Nicéia (325) e de Calcedônia (451).
  • 3.
  • 4. Expositor e Orador (347-407) “…suportemos generosamente todas as adversidades que sobrevierem. Se Deus as permite, é porque são úteis para nós.”
  • 5. Cem anos depois de sua morte, João de Constantinopla recebeu o título pelo qual é conhecido: João Crisótomo – o homem da boca de ouro. Monge acima de tudo, antes disso foi advogado, educado em Antioquia. Antusa, mãe de João, era uma cristã fervorosa, e amava seu filho com amor profundo e possessivo. Por conta disso, João organiza um mosteiro em sua própria casa.
  • 6. Depois da morte de sua mãe, ele foi viver entre os monges das montanhas da Síria. Depois de seis anos João retorna a Antioquia onde foi ordenado diácono e, pouco depois, presbítero. Quando o bispado de Constantinopla ficou vago em 397, João foi obrigado por ordem imperial a ocupar o cargo. Constantinopla era cidade rica, dada ao luxo e às intrigas políticas. Os habitantes ricos de Constantinopla queriam adaptar o evangelho aos seus próprios luxos e comodidades.
  • 7. Por isso, o boca de ouro trovejava do púlpito: “Esse freio de ouro na boca do teu cavalo, esse aro de ouro no braço do teu escravo, esses adornos dourados em teus sapatos são sinal de que estás roubando o órfão e matando de fome a viúva. Depois de morreres, quem passar pela tua casa dirás: Com quantas lágrimas ele construiu esse palácio? Quantos órfãos se viram nus, quantas viúvas, injuriadas, quantos operários receberam salários injustos? Assim, nem mesmo a morte te livrará dos teus acusadores.”
  • 8. Os poderosos não podiam tolerar aquela voz que do púlpito da igreja de Santa Sofia, convocava-os para obediência absoluta ao evangelho que diziam crer. Eudóxia, a esposa do imperador, não via com bons olhos o crescente poder do bispo. Era necessário fazer calar aquele monge do deserto que clamava na cidade. Na viagem para seu segundo exílio sentiu que chegara o momento de morrer, e terminou sua vida com seu sermão mais curto e eloquente: “Glórias a Deus por tudo. Amém.”
  • 9. Exegeta (350-428) “Eles inventam contos tolos em suas próprias mentes e dão à sua insensatez o nome de ‘alegoria’”
  • 10. Estudou a Bíblia por 10 anos com Diodoro de Tarso. Ordenado presbítero em Antioquia em 383, tornou-se bispo da Mopsuéstia, na Cicília, em torno de 392. Chamado de “o príncipe dos exegetas antigos”. Se opôs ao sistema alegórico de interpretação e prepôs uma compreensão que levasse em conta a gramática e a formação histórica do texto, a fim de descobrir o sentido que o autor quis dar.
  • 11. Deu atenção ao contexto imediato e remoto do texto. Escreveu comentários sobre livros da Bíblia como as cartas aos colossenses e aos tessalonicenses. Tanto as obras de Teodoro, quanto as de Crisóstomo, contrastava vigorosamente com as forçadas interpretações da Bíblia geradas pelo uso do método alegórico de interpretação.
  • 12. Historiador da Igreja (260- 340) “Se olho para o oriente, se olho para o ocidente, se olho por toda, a terra, e até se olho para o céu, sempre e em qualquer lugar eu vejo o Bem- aventurado Constantino dirigindo o mesmo império.”
  • 13. Considerado o pai da História da Igreja. Tomou um lugar de honra à direita de Constantino no Concílio de Nicéia. Sua maior obra é a História Eclesiástica. A obra histórica de Eusébio foi continuada por dois sucessores, entretanto, sem o mesmo padrão de
  • 14.
  • 15. Comentarista e Tradutor (331-420) “Talvez me culpes secretamente por eu atacar alguém pelas costas. Confesso francamente que me deixo levar pela indignação. Não posso ouvir esses sacrilégios pacientemente.”
  • 16. Natural de Veneza, foi batizado em 360 e durante vários anos dedicou-se aos estudos. Em 386 foi para a Palestina onde viveu num retiro monástico em Belém por quase 35 anos. A maior obra de Jerônimo foi uma tradução latina da Bíblia conhecida como Vulgata. Essa versão tem sido amplamente usada pela Igreja Ocidental e foi, até recentemente, a única Bíblia oficial da Igreja Católica Romana desde o Concílio de Trento.
  • 17. Mesmo conhecido como “São Jerônimo”, sua santidade não foi humilde, amável e doce, mas orgulhosa, grosseira e amarga. Entre muitas pessoas que foram objeto dos seus ataques impiedosos, estavam não só os hereges, os ignorantes e os hipócritas, mas também João Crisóstomo, Ambrósio de Milão, Basílio de Cesaréia e Agostinho de Hipona. Os que se atreviam a criticá-lo, ele dizia que eram simplesmente “asnos de duas pernas”. Apesar disso Jerônimo conquistou um lugar entre os gigantes do cristianismo do século IV.
  • 18. Administrador e Pregador (339-397) “Deus incluiu todos na incredulidade, a fim de usar de misericórdia para com todos, de modo que a graça não seja daquele que quer, ou daquele que corre, e sim do Deus que mostra misericórdia, para que não justifiques a ti mesmo, mas atribuas tudo a Deus que te chamou.”
  • 19. Demonstrou grande capacidade nos campos da administração eclesiástica, pregação e teologia. Sua família pertencia aos altos círculos imperiais de Roma. Com a morte do bispo de Milão, em 374, o povo pediu unanimemente a sua ascensão ao cargo. Ambrósio queria que o Estado e seus dirigentes respeitassem a Igreja, não contrariando os direitos legítimos da Igreja no reino espiritual.
  • 20. Embora suas exposições práticas da Bíblia tenham sido prejudicadas pelo uso do método alegórico, Ambrósio foi um talentoso pregador. Sua pregação foi um instrumento para levar Agostinho ao conhecimento do cristianismo, resultando mais tarde na salvação deste. Possivelmente foi ele que introduziu o cântico de hinos e a salmodia antifonal na Igreja ocidental. Foi um teólogo de grande talento, embora só tenha estudado teologia depois de ordenado bispo.

Notas do Editor

  1. Nesse período nós já vimos o contexto histórico, a partir de 313 por meio do imperador Constantino o Estado passa a intervir nas questões da igreja, além disso nesse período houve a invasão dos povos bárbaros no império romano, o que também trouxe consequências para a igreja, em especial as muitas práticas pagãs que acabaram adentrando a igreja. Vimos também o contexto teológico, esse foi um período de muito debate sobre a natureza de Cristo, natureza do Espírito Santo e também sobre o processo de salvação do homem, com destaque para o debate entre Agostinho e o monge Pelágio. Hoje veremos os homens que Deus levantou nesse período para defender a fé cristã, chamados de Pais pós-niscenos.
  2. Esses pais que veremos hoje, eles procuraram estudar a bíblia em bases mais científicas, eles aprofundaram muito a produção teológica nesse período. Qual foi o grande Pai da Igreja desse período? Santo Agostinho. Teremos uma aula somente nele na próxima semana.
  3. Diferença entre as igrejas do oriente e ocidente? Basicamente a língua. No oriente a fala era grega. No Ocidente a fala era o latim.
  4. Era cearense, descrito com uma cabeça avantajada, uma testa grande e rugosa, olhos profundos e baixa estatura.
  5. Nesse século, as pessoas já haviam ouvido grandes pregadores, Ambrósio de Milão, Gregório de Nazianzo, mas João foi chamado de o gigante acima dos gigantes. Ele foi educado por uma famoso orador pagão, chamado Libânio, isso explica em parte toda a capacidade oratória de João. Decidiu se batizar com 20 anos, passou por três anos de preparação para o batismo. Depois ele comunicou a sua mãe que gostaria de ser um monge, o que deixou a mãe em parafuso, ela fez ele prometer que jamais a abandonaria enquanto ela estivesse viva. Arrumou 3 amigos para viver no mosteiro em sua casa até que sua mão morre.
  6. Ficou nesse lugar 4 anos aprendendo a disciplina monástica e mais 2 praticando em completo isolamento. Ele reconhece que a vida monástica não era o melhor preparo para a vida pastoral, ele escreveu que muitos dos monges não conseguiam se adaptar ao novo estilo de vida como sacerdote ou bispo. Aqui ele começa a pregar e a sua fama logo se espalhou por toda a igreja de fala grega. Sua popularidade era tão grande que as autoridade armam uma arapuca, fizeram um convite para ele visitar Constantinopla quando chegaram lá eles simplesmente o consagraram como bispo. Os poderosos que fizeram todo um esquema para João não ter como recusar o cargo de bispo em Constantinopla, logo se arrependeram disso. João começa o seu trabalho reformando a vida do clero. Os sacerdotes tinham casa de mulheres que eles chamavam de irmãs espirituais, outros eram muito ricos, viviam em tanto luxo quanto os grandes civis daquela cidade. João proíbe essas “irmãs espirituais”, as finanças da igreja passam por um controle detalhado, os objetos de luxo no palácio do bispo foram vendidos e o dinheiro doado aos pobres. Tudo isso fez com que João fosse amado por alguns, mas odiado por outros.
  7. Só que a reforma não poderia ficar só no clero, todo cristão deveria viver de acordo com o evangelho: Era a voz do cristianismo primitivo que não se dobrava às tentações do cristianismo imperial. Era um gigante que fazia a cidade tremer.
  8. Eutrópico, a pessoa que fez com que João fosse nomeado bispo, esperava receber certos favores de João, mas ele tratava Eutrópico como mais uma pessoa na qual ele precisava pregar o evangelho. O resultado é que Eutrópico se arrependeu, não dos seus pecados, mas de ter mandado buscar João em Antioquia. O povo amava João, e isso despertou a atenção do império. Então a imperatriz faz donativos especiais à igreja, para ver se deixavam João mais amistoso, qual foi a reação de João? Agradeceu, mas continuou pregando como antes. A imperatriz recorreu a métodos mais diretos. Armaram um complô para destituir João do seu cargo. O povo se indignou, a situação ficou tensa, as ruas estavam cheias de pessoas prontas para uma rebelião, ao ponto dos soldados do império não conseguirem sequer aparecer em público. Então, pelo bem da segurança das pessoas, João aceita o exílio. Ele é enviado para uma aldeia remota, mas não muito distante, onde ele começa a escrever e continua a sua forte influência por meio dos seus escritos. Os inimigos de João decidem então enviá-lo a um exílio mais longe, nas margens do mar Negro, com a instrução de que os soldados não precisavam se preocupar com a sua integridade física, nem se ele chegaria vivo no seu destino.
  9. Essa formação foi possível por ter nascido em uma família rica - - -
  10. Ele organizou uma biblioteca em Cesaréia, era um estudante interessado, lia bastante, o seu trabalho ajudou a preservar tanto escritos da literatura profana, quando a literatura sacra. Muitas obras teriam se perdido se não fosse o trabalho desse homem. Foi ele que escreveu o Credo de Cesaréia, que depois o Concílio de Nicéia modificou e aceitou. Um panorama de história da igreja dos tempos apostólicos até 324. Essa obra é útil até hoje. Dois leigos, Sócrates e Sozômeno.
  11. Essa frase demonstra um pouco da personalidade de Jerônimo
  12. Viajou para estudo por Roma e pelas cidades da Gália, na década seguinte ele visitou Antioquia onde adotou a vida monástica, onde aprendeu o hebraico. Foi para a Palestina graças a generosidade de Paula, uma rica senhora romana a quem ele havia ensinado hebraico. - -
  13. Levava uma vida extremamente rígida, ele se dizia muito tentado pelas lembranças e sonhos com as dançarinas de Roma, por isso ele castigava o próprio corpo, andava sujo e tentava ocupar ao máximo a sua mente com o estudo das letras, principalmente o hebraico. - - -
  14. Por incrível que parece ele só passa a estudar teologia quando é nomeado bispo de Milão. Seu pai era prefeito da Gália, e ele logo alcançou o cargo de governador imperial da área em torno da cidade de Milão O povo pediu unanimemente que ele assumisse o cargo, e ele considerou ser um chamado de Deus, só ai que ele começou a estudar a bíblia e teologia. Ambrósio se levantou contra o imperador Teodósio, conta-se que em 390 Teodósio reuniu o povo de Tessalônica em uma praça, cujo o governador havia sido assassinado, e ordenou o massacre deles. Quando Teodósio veio a igreja tomar a ceia, Ambrósio negou, disse que só admitiria que ele voltasse para participar da comunhão, quando ele humildemente e publicamente se arrependesse desse ato.
  15. - - Antífona é uma melodia curta. Canto antifonal é um tipo de canto gregoriano, que consiste na alternância nas vozes, entre dois corpos corais. -