SlideShare uma empresa Scribd logo
História da Igreja
Medieval (590-1517)
O Primeiro Papa Medieval
A consagração de Gregório I como
bispo de Roma constitui um divisor de
águas entre o período antigo da
história da Igreja e o período
medieval.
Na Era Medieval o Império Romano
fragmentou-se em três porções: a
África do Norte muçulmana, o
Império Bizantino asiático e as
regiões europeias sob domínio papal.
Uma civilização europeia ocidental
distinta emergiu do cristianismo e dos
fundamentos clássicos.
O termo Idade Média foi inicialmente usado
por Christopher Kellner (1634-1680);
Ele caracterizava os anos entre 325-1453 de
Idade Média por causa de sua aparente
esterilidade e da ausência da influência
clássica;
Entretanto, somente o período do ano 500 ao
1000, podem ser considerados como Idade
das Trevas;
Os historiadores modernos estudiosos desse
período, têm mostrado que a Era Medieval
conheceu um certo progresso;
Já para a Igreja Católica Romana, esse
período foi a “era de ouro” da história
humana;
Os historiadores protestantes consideram a
Idade Média um vale de sombras onde a
Igreja pura da era antiga da história da
Igreja foi corrompida;
Devemos considerar que a história medieval
da Igreja se desenrolou numa arena muito
mais ampla que a da Igreja Antiga;
Também é verdade que a Era Moderna deve
muito à Idade Média;
Com tudo isso em mente, ficará
extremamente evidente a importância de
Gregório I, símbolo do novo mundo
medieval.
Foi durante a “Era das Trevas” que o papado
começou a surgir com a força que o
caracterizou em séculos posteriores.
O termo “papa” significa simplesmente
“papai”, sendo, portanto, um termo de
carinho e respeito;
Na época antiga, ele era usado para qualquer
bispo distinto, sem importar se ele era ou não
bispo de Roma;
A questão mais importante não é a origem do
termo “papa”, mas de que maneira o bispo de
Roma chegou a desfrutar da autoridade que teve
durante a Idade Média, e que ainda tem na Igreja
Católica Romana;
As origens do bispado romano se perderam na
penumbra da história;
Todo o período que vai desde a perseguição de
Nero em 64 até a Primeira Epístola de Clemente,
em 96, o que sabemos do bispado romano é pouco
ou nada;
Durante os primeiros séculos da história da
igreja, o centro do cristianismo esteve no Oriente,
bispos de cidades como Antioquia e Alexandria
tinham muito mais importância que o bispo de
Roma;
No Ocidente de fala latina, a direção teológica e
espiritual também não esteve em Roma, mas na
África latina, que contribuiu com Tertuliano,
Cipriano e Agostinho;
Essa situação apenas muda quando o Império
aceitou a fé cristã;
Como Roma era, pelo menos de nome, a
capital do Império, a igreja e o bispo dessa
cidade logo se viram em posição de destaque;
Depois que houve a invasão dos bárbaros, o
Império no Ocidente desapareceu, e a igreja
veio a ser a guardiã do que restava da velha
civilização. Por isso, o patriarca de Roma, o
papa, chegou a ter grande prestígio e
autoridade.
Nasceu nos turbulentos tempos em que o
Império Oriental, sob a liderança de
Justiniano, buscava reconquistar a metade
ocidental do Império que fora perdida para as
tribos teutônicas;
Nascido em uma família tradicional, nobre e
rica de Roma, Gregório recebeu uma
formação jurídica que o prepararia para a
vida pública;
Em 573, foi escolhido prefeito de Roma, uma
posição de importância e honra;
Tornou-se monge, depois que sua mãe, Silvia,
entrara para um convento após a morte do
esposo;
De 578 a 585, foi embaixador do bispo de
Roma em Constantinopla;
Na sua volta a Roma, foi escolhido como
abade do mosteiro de Santo André;
Quando o papa Pelágio morreu na epidemia de
590, Gregório foi escolhido para substituí-lo;
Gregório foi um dos mais nobres líderes da Igreja
Romana, seu epitáfio foi “o Cônsul de Deus”;
A maior obra de Gregório foi aumentar o poder do
bispo de Roma;
Embora não reivindicasse para si o título de
papa, exerceu todos os poderes e prerrogativas
dos papas posteriores;
Em 602 uma revolução levou um novo Imperador,
Focas, ao trono de Constantinopla. Focas,
reconheceu o bispo de Roma como “o chefe de
todas as igrejas”;
Embora Gregório descartasse o título de chefe
supremo da Igreja, não permitiu que ninguém
reivindicasse esse título e exerceu o poder papal
de fato;
Gregório possuía grande interesse pela obra
missionária no seu tempo;
Tornou o episcopado de Roma um dos mais ricos
da Igreja de seu tempo, graças a seu excelente
trabalho como administrador;
Quando o rei Lombardo, que era ariano, ameaçou
Roma numa ocasião durante o pontificado de
Gregório, este foi capaz de juntar tropas e forçar o
governante lombardo a aceitar a paz e abandonar
o arianismo;
Gregório foi ainda um grande pregador, escritor e
teólogo extraordinário;
O pontificado de Gregório é um marco
fundamental na transição da Igreja Antiga
para a Medieval;
Criou o sistema da Igreja institucionalizada
da Idade Média, seus sucessores edificaram
sobre os fundamentos que ele deixou;
Ele sistematizou a doutrina e fez da Igreja
uma potência na área política.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Matheus Rocha
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
Moisés Sampaio
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
André Rocha
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
Marcelo Gonçalves
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
Romulo Roosemberg
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADEMILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
Leonam dos Santos
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
Catequese Anjos dos Céus
 
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva HumildeLição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
Éder Tomé
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
Moisés Sampaio
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADEMILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
MILÊNIO, JUÍZO FINAL E ETERNIDADE
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
 
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva HumildeLição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
Lição 11 - Maria, Mãe de Jesus - uma serva Humilde
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 

Semelhante a História da Igreja #16

08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
Tiago Silva
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
Andre Nascimento
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
JosJunqueira1
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
Neemias Torres
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
Léo Mendonça
 
Organização das crenças
Organização das crençasOrganização das crenças
Organização das crenças
gabrielaRamos372414
 
Catolicismo romano
Catolicismo romanoCatolicismo romano
Catolicismo romano
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
Nelson Ramalhoto
 
2 a igreja medieval
2 a igreja medieval2 a igreja medieval
2 a igreja medieval
Cindiane Módolo Pico
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
A história secreta da igreja
A história secreta da igrejaA história secreta da igreja
A história secreta da igreja
Ezio Gama
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452
Ivan De Oliveira Santos
 
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
denisemoda
 
Cristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slidesCristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slides
Joel Marins
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
João Medeiros
 

Semelhante a História da Igreja #16 (20)

08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
 
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
História da Igreja I: Aula 8: Império e Cristianismo Latino Teutônico (1/2)
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO NOVO TESTAMENTO - Broadus Bavid Bale PARTE 3
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
 
Organização das crenças
Organização das crençasOrganização das crenças
Organização das crenças
 
Catolicismo romano
Catolicismo romanoCatolicismo romano
Catolicismo romano
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
2 a igreja medieval
2 a igreja medieval2 a igreja medieval
2 a igreja medieval
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
A história secreta da igreja
A história secreta da igrejaA história secreta da igreja
A história secreta da igreja
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452
 
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
33636183 roberto-constanza-o-governo-da-igreja-e-o-sistema-presbiteriano
 
Cristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slidesCristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slides
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 

Último (10)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 

História da Igreja #16

  • 1. História da Igreja Medieval (590-1517) O Primeiro Papa Medieval
  • 2. A consagração de Gregório I como bispo de Roma constitui um divisor de águas entre o período antigo da história da Igreja e o período medieval.
  • 3. Na Era Medieval o Império Romano fragmentou-se em três porções: a África do Norte muçulmana, o Império Bizantino asiático e as regiões europeias sob domínio papal. Uma civilização europeia ocidental distinta emergiu do cristianismo e dos fundamentos clássicos.
  • 4.
  • 5. O termo Idade Média foi inicialmente usado por Christopher Kellner (1634-1680); Ele caracterizava os anos entre 325-1453 de Idade Média por causa de sua aparente esterilidade e da ausência da influência clássica; Entretanto, somente o período do ano 500 ao 1000, podem ser considerados como Idade das Trevas;
  • 6. Os historiadores modernos estudiosos desse período, têm mostrado que a Era Medieval conheceu um certo progresso; Já para a Igreja Católica Romana, esse período foi a “era de ouro” da história humana; Os historiadores protestantes consideram a Idade Média um vale de sombras onde a Igreja pura da era antiga da história da Igreja foi corrompida;
  • 7. Devemos considerar que a história medieval da Igreja se desenrolou numa arena muito mais ampla que a da Igreja Antiga; Também é verdade que a Era Moderna deve muito à Idade Média; Com tudo isso em mente, ficará extremamente evidente a importância de Gregório I, símbolo do novo mundo medieval.
  • 8.
  • 9. Foi durante a “Era das Trevas” que o papado começou a surgir com a força que o caracterizou em séculos posteriores. O termo “papa” significa simplesmente “papai”, sendo, portanto, um termo de carinho e respeito; Na época antiga, ele era usado para qualquer bispo distinto, sem importar se ele era ou não bispo de Roma;
  • 10. A questão mais importante não é a origem do termo “papa”, mas de que maneira o bispo de Roma chegou a desfrutar da autoridade que teve durante a Idade Média, e que ainda tem na Igreja Católica Romana; As origens do bispado romano se perderam na penumbra da história; Todo o período que vai desde a perseguição de Nero em 64 até a Primeira Epístola de Clemente, em 96, o que sabemos do bispado romano é pouco ou nada;
  • 11. Durante os primeiros séculos da história da igreja, o centro do cristianismo esteve no Oriente, bispos de cidades como Antioquia e Alexandria tinham muito mais importância que o bispo de Roma; No Ocidente de fala latina, a direção teológica e espiritual também não esteve em Roma, mas na África latina, que contribuiu com Tertuliano, Cipriano e Agostinho; Essa situação apenas muda quando o Império aceitou a fé cristã;
  • 12. Como Roma era, pelo menos de nome, a capital do Império, a igreja e o bispo dessa cidade logo se viram em posição de destaque; Depois que houve a invasão dos bárbaros, o Império no Ocidente desapareceu, e a igreja veio a ser a guardiã do que restava da velha civilização. Por isso, o patriarca de Roma, o papa, chegou a ter grande prestígio e autoridade.
  • 13.
  • 14. Nasceu nos turbulentos tempos em que o Império Oriental, sob a liderança de Justiniano, buscava reconquistar a metade ocidental do Império que fora perdida para as tribos teutônicas; Nascido em uma família tradicional, nobre e rica de Roma, Gregório recebeu uma formação jurídica que o prepararia para a vida pública;
  • 15. Em 573, foi escolhido prefeito de Roma, uma posição de importância e honra; Tornou-se monge, depois que sua mãe, Silvia, entrara para um convento após a morte do esposo; De 578 a 585, foi embaixador do bispo de Roma em Constantinopla; Na sua volta a Roma, foi escolhido como abade do mosteiro de Santo André;
  • 16. Quando o papa Pelágio morreu na epidemia de 590, Gregório foi escolhido para substituí-lo; Gregório foi um dos mais nobres líderes da Igreja Romana, seu epitáfio foi “o Cônsul de Deus”; A maior obra de Gregório foi aumentar o poder do bispo de Roma; Embora não reivindicasse para si o título de papa, exerceu todos os poderes e prerrogativas dos papas posteriores;
  • 17. Em 602 uma revolução levou um novo Imperador, Focas, ao trono de Constantinopla. Focas, reconheceu o bispo de Roma como “o chefe de todas as igrejas”; Embora Gregório descartasse o título de chefe supremo da Igreja, não permitiu que ninguém reivindicasse esse título e exerceu o poder papal de fato; Gregório possuía grande interesse pela obra missionária no seu tempo;
  • 18. Tornou o episcopado de Roma um dos mais ricos da Igreja de seu tempo, graças a seu excelente trabalho como administrador; Quando o rei Lombardo, que era ariano, ameaçou Roma numa ocasião durante o pontificado de Gregório, este foi capaz de juntar tropas e forçar o governante lombardo a aceitar a paz e abandonar o arianismo; Gregório foi ainda um grande pregador, escritor e teólogo extraordinário;
  • 19. O pontificado de Gregório é um marco fundamental na transição da Igreja Antiga para a Medieval; Criou o sistema da Igreja institucionalizada da Idade Média, seus sucessores edificaram sobre os fundamentos que ele deixou; Ele sistematizou a doutrina e fez da Igreja uma potência na área política.

Notas do Editor

  1. Os historiadores tendem a divergir quanto as datas do início ao fim da chamada idade média. No nosso estudo, estamos considerando o período de 590-1517, por conta da consagração de Gregório I que marca uma nova era de poder para a Igreja no Ocidente, principalmente uma mudança papal. E o fim da idade média 1517, pois nesse ano começam as atividades reformadoras de Lutero, que marcou a inauguração de um novo tempo para a igreja.
  2. Carolíngio = Carlos Magno
  3. Escritor, publicou num livro no ano 1669. Nesse livro ele dividiu a história do Ocidente em três períodos, história antiga, idade média e história moderna. Desde então, os historiadores têm usado o termo Idade Média para se referir a esse período. Mas, mesmo nesse período não foi um tempo de ausência total de cultura, isso por conta dos mosteiros que tiveram uma contribuição intelectual significativa.
  4. Por muito tempo, esse período foi visto como uma fenda no tempo que separou o período clássico do moderno, por isso o nome “idade das trevas”. Esse progresso veio por meio da Igreja Ocidental que cumpriu com seu papel cultural e religioso. Segundo os pensadores católicos foi o período posterior ao paganismo e anterior ao protestantismo, a igreja reinava soberana, não havia o caos religioso moderno nem o paganismo dos tempos antigos. Para os protestantes a era da história moderna, que começou com Lutero, é uma era que resgatou os ideais da Igreja do Novo Testamento, a igreja antiga, que havia se perdido, principalmente, nesse período da idade média.
  5. A história da humanidade havia avançado muito, os diversos povos que haviam se convertido ao cristianismo. Estamos falando de um novo tempo. Houve a tentativa, nesse período, de estabelecer uma civilização cristã. Onde a cultura era transformada pelo cristianismo. Isso parece ter se perdido nos tempos modernos. Gregório I foi um marco para o seu tempo, do porte de Agostinho, num período onde a Igreja passa a ser dominada pelo bispo de Roma.
  6. 1) - 2) – 3) Há documentos antigos que citam Papa Cipriano de Cartago, Papa Atanásio de Alexandria. Inclusive, mesmo quando o termo acabou ficando exclusivamente para o Bispo de Roma, em várias parte da Igreja Oriental ele continuou sendo usado com mais liberalidade.
  7. - A maioria dos historiadores, tanto católicos quanto protestantes, concordam que Pedro esteve em Roma, e, provavelmente morreu nessa cidade durante a perseguição de Nero. Porém, não existe nenhum documento antigo que diga que Pedro transferiu sua autoridade apostólica a seus sucessores. Além disso, as listas antigas que enumeram os primeiros bispos de Roma não coincidem. Algumas dizem que Clemente sucedeu Pedro, outras dizem que Clemente foi o terceiro bispo depois de Pedro. Isso leva a crer que o bispado de Roma, no seu princípio não foi monárquico, isto é só um bispo. Deve ter sido um bispado colegiado, vários pastores comandavam a igreja na cidade.
  8. - - -
  9. Em todo o império, a igreja começou a se organizar de acordo com os padrões estabelecidos pelo Estado. Logo, onde haviam cidades com jurisdição política sobre as outras, isso começou a acontecer na esfera eclesiástica, as igrejas de certas cidades tinham autoridade sobre as outras. A igreja se viu organizada em cinco patriarcados: Jerusalém, Antioquia, Alexandria, Constantinopla e Roma. Por isso, podemos concluir que o papado é muito mais uma influencia política do que apostólica. Parece que o bispo de Roma assumiu além da figura do líder religioso, a figura do imperador, do líder de Estado.
  10. Era tão respeitado como mestre na Igreja Ocidental que nos quadros ele é sempre retratado com uma pomba, símbolo do ES comunicando-lhe a verdade divina diretamente em seus ouvidos.
  11. Bandos de saqueadores, doenças, fome, eram comuns naqueles dias. Estudou bastante latim, mas não sabia hebraico nem grego. Conhecia bem os escritos de Ambrósio, Jerônimo e Agostinho.
  12. Logo depois disso abriu mão da fortuna que tinha herdado do seu pai. Gregório usou esse patrimônio para construir 7 mosteiros na Itália, o maior deles era no próprio palácio que o pai dele morava. - Fundado por ele mesmo. Abade – superior em uma ordem religiosa.
  13. - A sua renúncia à grande riqueza herdada impressionou sua geração. Humilde, se intitulava como “o servo dos servos de Deus”. Missionário zeloso, foi instrumento na conquista dos ingleses para o cristianismo. Administrador extremamente competente. Pontos negativos: era muito supersticioso, sua formação teológica foi prejudicada por não conhecer as línguas originais, curioso é que ele não se propôs nem a aprender grego. - Afirmou a supremacia do bispo de Roma. Indicou outros bispos e enviou o pálio, a estola de ofício, aqueles que ele indicava.
  14. - - Enviou vários missionários, essas missões organizados por ele tinha também como característica à submissão à Igreja de Roma.
  15. - - Seus sermões eram práticos, salientavam a humildade e a piedade. Mas seus sermões eram prejudicados pelo uso excessivo de alegorias, erro comum para a época. Escreveu um comentário do livro de Jó, onde ele descreve Jó como um tipo de Cristo. Construiu os fundamentos da teologia da igreja romana, que só foi alterado por Tomás de Aquino no século XI. Homem herda o pecado como uma doença que todos estão sujeitos, mas não herda a culpa como dizia Agostinho Aceitava a predestinação, limitando aos eleitos. A graça não era irresistível, pois se baseava na presciência de Deus, e em alguns casos nos méritos dos homens. Defendia a ideias da boas obras e do purgatório com um lugar de preparação para o céu. Defendia a inspiração verbal da bíblia, mas dava a tradição o mesmo peso dela.