SlideShare uma empresa Scribd logo
OS PURITANOS
Escola Bíblica IBLM 2018
FAMÍLIA
Os Puritanos Como Realmente Eram
“Tenho observado muitos casais unirem-se em tão
grande paixão que estavam prestes a se devorarem
em amor, mas após uma metade de ano um fugiu do
outro. Conheci pessoas que se tornaram hostis um ao
outro depois de terem cinco ou seis filhos e ficaram
juntos não apenas pelo casamento, mas pelos frutos
da sua união até que se deixaram.”
Martinho Lutero
PARA QUE É A
FAMÍLIA?
Os Puritanos Como Realmente Eram
Para que é a Família?
◦A finalidade primeira da família é glorificar a Deus;
◦Qual a importância de enxergar o propósito da família
como a glória de Deus?
◦Determina o que acontece na família;
◦Fixa as prioridades;
◦Determina o que uma família faz com seu tempo e como
gasta seu dinheiro.
Para que é a Família?
◦Eles criam que a família era a unidade fundamental de
uma sociedade santa;
◦Eles criam que a família também é a realização pessoal
de todos membro da família;
◦Eles viam a família como um chamado, um bem
público e mesmo uma forma de ação social.
“Uma família é como se fosse uma
pequena comunidade, por cujo bom governo
a glória de Deus pode ser promovida; a
comunidade, que é constituída por várias
famílias, beneficiada; e todos que vivem
nessa família podem receber muito conforto
e comodidade.” Robert Cleaver
A LIDERANÇA DO
MARIDO/PAI
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Liderança do Marido/Pai
◦A teoria de família dos puritanos baseava-se numa hierarquia de
autoridade;
◦Para eles, o marido e pai é o líder responsável por tudo o que
acontece e, no fim das contas, responsável por assegurar que as
coisas essenciais estejam acontecendo na família;
◦O papel dado ao marido, de acordo com os puritanos, não é um
bilhete de privilégios, mas um encargo de responsabilidade;
A Liderança do Marido/Pai
◦Duas coisas são exigidas do marido: “amor e sabedoria”;
◦A liderança deve ser baseada no amor.
◦Benjamim Wadsworth escreveu que um bom marido fará: “seu
governo sobre ela tão fácil e suave quanto possível, e lutará mais para ser
amado que temido”.
◦De acordo com Samuel Willard, um bom marido reinará de tal
forma “que sua mulher possa deleitar-se na sua liderança, tendo-a não
como escravidão, mas como liberdade e privilégio”.
O LUGAR DA
ESPOSA/MÃE
Os Puritanos Como Realmente Eram
O Lugar da Esposa/Mãe
◦Na teoria puritana, o correspondente à liderança do marido era
a submissão da esposa;
◦A tarefa da mulher, disse um pregador puritano, é “guiar a casa
e não o marido”;
◦O que significa a submissão para os puritanos? Para eles, essa
hierarquia é uma questão apenas de função e não de valor, um
modelo de gerir a família, não uma avaliação do valor pessoal;
O Lugar da Esposa/Mãe
◦Submissão, para os puritanos, é algo com que a esposa
deve consentir por sua própria iniciativa. Se um marido
tem de forçá-la, a batalha já foi perdida;
◦A ênfase em todas as frases puritanas sobre o assunto
era na atitude da mulher como o elemento crucial.
COMO O PADRÃO DE
AUTORIDADE REALMENTE
FUNCIONOU
Os Puritanos Como Realmente Eram
Como o Padrão de Autoridade
Realmente Funcionou
◦O termo puritano mais comum para definir o
relacionamento era chamar a mulher de uma assistente;
◦Hierarquia não significava que uma mulher não pudesse
debater uma questão com seu marido;
◦Os puritanos criam que há esferas de responsabilidade
numa família e que a mulher é autoridade em algumas
delas;
“Exceções particulares podem ter lugar, se
ela exceder seu marido em prudência e
destreza, e ele contentemente ceder, pois
então uma lei superior e mais natural se
introduz, que os mais sábios deveriam
governar os menos sábios, quer varão quer
varoa.” John Milton
Como o Padrão de Autoridade
Realmente Funcionou
◦A prática da hierarquia não impedia a mulher do ensino
religioso ou da admoestação espiritual a um homem;
◦Mesmo que o marido fosse, em última análise, o cabeça
responsável pela família, ao supervisionar a família no
dia a dia, o marido e a mulher compartilhavam da
autoridade pelo que acontecia.
A RESPONSABILIDADE
DOS PAIS PELOS
FILHOS
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Responsabilidade dos Pais
Pelos Filhos
◦As atitudes puritanas em relação aos filhos estavam
arraigadas na convicção de que estes pertencem a Deus
e são confiados aos pais como mordomia;
◦Richard Mather imaginou os filhos no Dia do Juízo
dirigindo-se aos pais que negligenciaram seu
treinamento:
“Tudo isso que sofremos é por causa de vocês; deveriam
ter-nos ensinado as coisas de Deus, e não o fizeram;
deveriam nos haver impedido de pecar e nos corrigido, e
não o fizeram; vocês foram o meio da nossa corrupção e
culpabilidade originais, e, no entanto, nunca
demonstraram qualquer cuidado competente para
podermos ser livres disto... Ai de nós que tivemos pais
tão carnais e imprudentes, e ai de vocês porque não
tiveram mais compaixão e piedade para evitar a miséria
eterna de seus próprios filhos.”
A Responsabilidade dos Pais
Pelos Filhos
◦Qual é a responsabilidade de um pai para com
um filho?
◦Provisão física;
◦Ensinar seus filhos a trabalhar;
◦Prover treinamento espiritual e moral.
“Antes e acima de tudo, é no conhecimento da
religião cristã que os pais devem educar a seus
filhos... O conhecimento de outras coisas, embora
seja empreendimento tão desejável, nossos filhos
podem chegar à felicidade eterna sem ele... Mas o
conhecimento da santa doutrina nas palavras do
Senhor Jesus Cristo é um milhão de vezes mais
necessário a eles.” Cotton Mather
DISCIPLINANDO
OS FILHOS
Os Puritanos Como Realmente Eram
Disciplinando os Filhos
◦Os puritanos criam que uma parte importante do
treinamento religioso dos filhos consistia na disciplina;
◦De acordo com os puritanos, a obediência no âmbito
da igreja e do Estado dependia da disciplina no lar;
◦Para evitar o abuso no processo da disciplina, os
puritanos enfatizaram a necessidade da disciplina dócil
e de adaptar a disciplina ao temperamento da criança;
Disciplinando os Filhos
◦A regra puritana era de que “os filhos não deveriam
ser deixados à vontade, sem justo fim, a fazer o que
desejassem..., sendo eles incapazes de se governarem”;
◦O custo disso permanece o mesmo para nós hoje:
vigilância, perseverança, tempo, energia física e
emocional;
Disciplinando os Filhos
◦O fundamento teológico para a educação dos filhos
era o pecado original e a depravação inata;
◦A premissa teológica subjacente é que as crianças
estão perdidas e necessitam de conversão;
◦Samuel Willard resumiu a paradoxal atitude puritana
aos filhos quando os chamou de “víboras inocentes”.
“A criancinha que dorme no berço é tanto dócil como
cheia de afeições; e embora seu corpo seja tão pequeno, ele
tem um grande coração e inclina-se totalmente para o
mal... Se esta centelha vier a crescer, vai alastrar-se e
queimar a casa inteira. Pois somos transformados e nos
tornamos bons não por nascimento, mas pela educação...
Portanto, os pais devem ser atentos e prudentes...; eles
devem corrigir e severamente repreender seus filhos por
falarem ou agirem mal.”
ATITUDES PURITANAS EM
RELAÇÃO AO
DESENVOLVIMENTO DA
CRIANÇA
Os Puritanos Como Realmente Eram
Atitudes em Relação ao
Desenvolvimento da Criança
◦Em três questões cruciais os puritanos anteciparam
teorias atuais de desenvolvimento:
◦A importância do treinamento precoce;
◦Os pais devem ensinar mais pelo exemplo que pelas
palavras;
◦A educação eficaz das crianças tem dois lados: um
negativo, outro positivo.
“O grande cuidado de meus santos pais foi
criar-me no zelo e na prudência do Senhor;
pelo que fui guardado de muitas visíveis
insurreições do pecado das quais doutra forma
teria sido culpado; e por isso tive muitas boas
impressões do Espírito de Deus sobre mim,
mesmo em minha infância.” Cotton Mather
A ESPIRITUALIZAÇÃO
DA FAMÍLIA
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Espiritualização da Família
◦A imagem favorita dos puritanos para a família era a
igreja;
◦William Gouge disse que a família é uma “pequena
igreja”, enquanto William Perkins escreveu: “Estas
famílias em que este serviço a Deus é realizado são
como pequenas igrejas; sim, um tipo de Paraíso sobre
a terra.”;
A Espiritualização da Família
◦Os puritanos entendiam que a saúde da igreja depende
do que acontece na família;
◦Para William Cartwright as casas eram os berçários da
igreja;
◦O culto era parte regular da rotina do lar;
◦O catecismo era a técnica que os puritanos achavam mais
eficaz na instrução cristã, sendo que o seu objetivo não
era a memorização, mas a compreensão;
A Espiritualização da Família
◦De acordo com o pensamento puritano, o pai era a
pessoa responsável por orquestrar as atividades
espirituais da família;
◦Outra chave para a espiritualização da família era guardar
a integridade espiritual do casamento;
◦A igreja puritana em Boston, assumiu o seguinte
compromisso:
“Prometemos, pela ajuda de cristo, que nos
esforçaremos para andar diante de Deus em
nossas casas, com um coração perfeito; e que
manteremos o culto ali continuamente, de
acordo como Ele requer em sua Palavra, tanto
com respeito à oração como à leitura das
Escrituras, para que a Palavra de Cristo
possa habitar ricamente em nós.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
Moisés Sampaio
 
Depravação Total
Depravação TotalDepravação Total
Depravação Total
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
Cleudson Corrêa
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
Primeira Igreja Batista de Joinville
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deusCurso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Presbítero Neves Leal
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
Carlos Cirleno Neves
 
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
José Silva
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
ALTAIR GERMANO
 
QUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTOQUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTO
ASD Remanescentes
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
14 periodo da igreja primitiva
14  periodo da igreja primitiva14  periodo da igreja primitiva
14 periodo da igreja primitiva
PIB Penha
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
frpoverello
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
Luciana Lisboa
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
Dagmar Wendt
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
Pastor W. Costa
 
2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas 2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas
Márcio Pereira
 
ÉTica cristã slides aula 3
ÉTica cristã   slides aula 3ÉTica cristã   slides aula 3
ÉTica cristã slides aula 3
Jose Ventura
 
Regimento interno obreiros
Regimento interno obreirosRegimento interno obreiros
Regimento interno obreiros
FrancivaldoGonalves
 

Mais procurados (20)

E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
 
Depravação Total
Depravação TotalDepravação Total
Depravação Total
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deusCurso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deus
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
 
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
Citações de ellen g. white que o seu pastor não faz a menor questão que você ...
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
 
QUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTOQUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTO
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
14 periodo da igreja primitiva
14  periodo da igreja primitiva14  periodo da igreja primitiva
14 periodo da igreja primitiva
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 
2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas 2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas
 
ÉTica cristã slides aula 3
ÉTica cristã   slides aula 3ÉTica cristã   slides aula 3
ÉTica cristã slides aula 3
 
Regimento interno obreiros
Regimento interno obreirosRegimento interno obreiros
Regimento interno obreiros
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #04

A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
Sebastião Luiz Chagas
 
família estudo em guaira
família estudo em guairafamília estudo em guaira
família estudo em guaira
JonatasMLopes
 
O Lar Adventista - Estudo 02
O Lar Adventista - Estudo 02O Lar Adventista - Estudo 02
O Lar Adventista - Estudo 02
Pr. Delmar Fonseca
 
Sexualidade1
Sexualidade1Sexualidade1
Sexualidade1
Luiz Barreto
 
A FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De DeusA FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De Deus
Maria Thereza Tosta Camillo
 
O Lar Adventista
O Lar AdventistaO Lar Adventista
O Lar Adventista
Sérgio Ventura
 
O Lar Adventista, (pdf)
O Lar Adventista, (pdf)O Lar Adventista, (pdf)
O Lar Adventista, (pdf)
guest7bdf1f1
 
Guia da Família
Guia da FamíliaGuia da Família
Guia da Família
Carlos Janes
 
Guia da familia
Guia da familiaGuia da familia
Guia da familia
Solange Dal'Evedove
 
A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastra
emrcja
 
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x BíblicaCasamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
Respirando Deus
 
Lição 12: Culto Doméstico
Lição 12: Culto DomésticoLição 12: Culto Doméstico
Lição 12: Culto Doméstico
Escol Dominical
 
Boletim Jovem Maio 2013
Boletim Jovem Maio 2013Boletim Jovem Maio 2013
Boletim Jovem Maio 2013
willams
 
Livrinho e preparacao para-o-batismo
Livrinho e preparacao para-o-batismoLivrinho e preparacao para-o-batismo
Livrinho e preparacao para-o-batismo
torrasko
 
Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013
willams
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismo
torrasko
 
aconselhamento e orientação pastoral
aconselhamento e orientação pastoralaconselhamento e orientação pastoral
aconselhamento e orientação pastoral
Deniserma
 
A família e as mudanças que afetam os
A família e as mudanças que afetam osA família e as mudanças que afetam os
A família e as mudanças que afetam os
Marcos Patricio Patricio
 
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsxPaternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
AMCFestas
 
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
Natalino das Neves Neves
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #04 (20)

A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
 
família estudo em guaira
família estudo em guairafamília estudo em guaira
família estudo em guaira
 
O Lar Adventista - Estudo 02
O Lar Adventista - Estudo 02O Lar Adventista - Estudo 02
O Lar Adventista - Estudo 02
 
Sexualidade1
Sexualidade1Sexualidade1
Sexualidade1
 
A FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De DeusA FamíLia No Plano De Deus
A FamíLia No Plano De Deus
 
O Lar Adventista
O Lar AdventistaO Lar Adventista
O Lar Adventista
 
O Lar Adventista, (pdf)
O Lar Adventista, (pdf)O Lar Adventista, (pdf)
O Lar Adventista, (pdf)
 
Guia da Família
Guia da FamíliaGuia da Família
Guia da Família
 
Guia da familia
Guia da familiaGuia da familia
Guia da familia
 
A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastra
 
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x BíblicaCasamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica
 
Lição 12: Culto Doméstico
Lição 12: Culto DomésticoLição 12: Culto Doméstico
Lição 12: Culto Doméstico
 
Boletim Jovem Maio 2013
Boletim Jovem Maio 2013Boletim Jovem Maio 2013
Boletim Jovem Maio 2013
 
Livrinho e preparacao para-o-batismo
Livrinho e preparacao para-o-batismoLivrinho e preparacao para-o-batismo
Livrinho e preparacao para-o-batismo
 
Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013
 
Livrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismoLivrinho encontros de preparação batismo
Livrinho encontros de preparação batismo
 
aconselhamento e orientação pastoral
aconselhamento e orientação pastoralaconselhamento e orientação pastoral
aconselhamento e orientação pastoral
 
A família e as mudanças que afetam os
A família e as mudanças que afetam osA família e as mudanças que afetam os
A família e as mudanças que afetam os
 
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsxPaternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
Paternidade Responsável 16.03.2019 (3).ppsx
 
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque2013   1 tri - lição 4 - a família sob ataque
2013 1 tri - lição 4 - a família sob ataque
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 

Último

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 

Último (16)

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 

Escola Bíblica: Os Puritanos - #04

  • 2. FAMÍLIA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 3. “Tenho observado muitos casais unirem-se em tão grande paixão que estavam prestes a se devorarem em amor, mas após uma metade de ano um fugiu do outro. Conheci pessoas que se tornaram hostis um ao outro depois de terem cinco ou seis filhos e ficaram juntos não apenas pelo casamento, mas pelos frutos da sua união até que se deixaram.” Martinho Lutero
  • 4. PARA QUE É A FAMÍLIA? Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 5. Para que é a Família? ◦A finalidade primeira da família é glorificar a Deus; ◦Qual a importância de enxergar o propósito da família como a glória de Deus? ◦Determina o que acontece na família; ◦Fixa as prioridades; ◦Determina o que uma família faz com seu tempo e como gasta seu dinheiro.
  • 6. Para que é a Família? ◦Eles criam que a família era a unidade fundamental de uma sociedade santa; ◦Eles criam que a família também é a realização pessoal de todos membro da família; ◦Eles viam a família como um chamado, um bem público e mesmo uma forma de ação social.
  • 7. “Uma família é como se fosse uma pequena comunidade, por cujo bom governo a glória de Deus pode ser promovida; a comunidade, que é constituída por várias famílias, beneficiada; e todos que vivem nessa família podem receber muito conforto e comodidade.” Robert Cleaver
  • 8. A LIDERANÇA DO MARIDO/PAI Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 9. A Liderança do Marido/Pai ◦A teoria de família dos puritanos baseava-se numa hierarquia de autoridade; ◦Para eles, o marido e pai é o líder responsável por tudo o que acontece e, no fim das contas, responsável por assegurar que as coisas essenciais estejam acontecendo na família; ◦O papel dado ao marido, de acordo com os puritanos, não é um bilhete de privilégios, mas um encargo de responsabilidade;
  • 10. A Liderança do Marido/Pai ◦Duas coisas são exigidas do marido: “amor e sabedoria”; ◦A liderança deve ser baseada no amor. ◦Benjamim Wadsworth escreveu que um bom marido fará: “seu governo sobre ela tão fácil e suave quanto possível, e lutará mais para ser amado que temido”. ◦De acordo com Samuel Willard, um bom marido reinará de tal forma “que sua mulher possa deleitar-se na sua liderança, tendo-a não como escravidão, mas como liberdade e privilégio”.
  • 11. O LUGAR DA ESPOSA/MÃE Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 12. O Lugar da Esposa/Mãe ◦Na teoria puritana, o correspondente à liderança do marido era a submissão da esposa; ◦A tarefa da mulher, disse um pregador puritano, é “guiar a casa e não o marido”; ◦O que significa a submissão para os puritanos? Para eles, essa hierarquia é uma questão apenas de função e não de valor, um modelo de gerir a família, não uma avaliação do valor pessoal;
  • 13. O Lugar da Esposa/Mãe ◦Submissão, para os puritanos, é algo com que a esposa deve consentir por sua própria iniciativa. Se um marido tem de forçá-la, a batalha já foi perdida; ◦A ênfase em todas as frases puritanas sobre o assunto era na atitude da mulher como o elemento crucial.
  • 14. COMO O PADRÃO DE AUTORIDADE REALMENTE FUNCIONOU Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 15. Como o Padrão de Autoridade Realmente Funcionou ◦O termo puritano mais comum para definir o relacionamento era chamar a mulher de uma assistente; ◦Hierarquia não significava que uma mulher não pudesse debater uma questão com seu marido; ◦Os puritanos criam que há esferas de responsabilidade numa família e que a mulher é autoridade em algumas delas;
  • 16. “Exceções particulares podem ter lugar, se ela exceder seu marido em prudência e destreza, e ele contentemente ceder, pois então uma lei superior e mais natural se introduz, que os mais sábios deveriam governar os menos sábios, quer varão quer varoa.” John Milton
  • 17. Como o Padrão de Autoridade Realmente Funcionou ◦A prática da hierarquia não impedia a mulher do ensino religioso ou da admoestação espiritual a um homem; ◦Mesmo que o marido fosse, em última análise, o cabeça responsável pela família, ao supervisionar a família no dia a dia, o marido e a mulher compartilhavam da autoridade pelo que acontecia.
  • 18. A RESPONSABILIDADE DOS PAIS PELOS FILHOS Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 19. A Responsabilidade dos Pais Pelos Filhos ◦As atitudes puritanas em relação aos filhos estavam arraigadas na convicção de que estes pertencem a Deus e são confiados aos pais como mordomia; ◦Richard Mather imaginou os filhos no Dia do Juízo dirigindo-se aos pais que negligenciaram seu treinamento:
  • 20. “Tudo isso que sofremos é por causa de vocês; deveriam ter-nos ensinado as coisas de Deus, e não o fizeram; deveriam nos haver impedido de pecar e nos corrigido, e não o fizeram; vocês foram o meio da nossa corrupção e culpabilidade originais, e, no entanto, nunca demonstraram qualquer cuidado competente para podermos ser livres disto... Ai de nós que tivemos pais tão carnais e imprudentes, e ai de vocês porque não tiveram mais compaixão e piedade para evitar a miséria eterna de seus próprios filhos.”
  • 21. A Responsabilidade dos Pais Pelos Filhos ◦Qual é a responsabilidade de um pai para com um filho? ◦Provisão física; ◦Ensinar seus filhos a trabalhar; ◦Prover treinamento espiritual e moral.
  • 22. “Antes e acima de tudo, é no conhecimento da religião cristã que os pais devem educar a seus filhos... O conhecimento de outras coisas, embora seja empreendimento tão desejável, nossos filhos podem chegar à felicidade eterna sem ele... Mas o conhecimento da santa doutrina nas palavras do Senhor Jesus Cristo é um milhão de vezes mais necessário a eles.” Cotton Mather
  • 24. Disciplinando os Filhos ◦Os puritanos criam que uma parte importante do treinamento religioso dos filhos consistia na disciplina; ◦De acordo com os puritanos, a obediência no âmbito da igreja e do Estado dependia da disciplina no lar; ◦Para evitar o abuso no processo da disciplina, os puritanos enfatizaram a necessidade da disciplina dócil e de adaptar a disciplina ao temperamento da criança;
  • 25. Disciplinando os Filhos ◦A regra puritana era de que “os filhos não deveriam ser deixados à vontade, sem justo fim, a fazer o que desejassem..., sendo eles incapazes de se governarem”; ◦O custo disso permanece o mesmo para nós hoje: vigilância, perseverança, tempo, energia física e emocional;
  • 26. Disciplinando os Filhos ◦O fundamento teológico para a educação dos filhos era o pecado original e a depravação inata; ◦A premissa teológica subjacente é que as crianças estão perdidas e necessitam de conversão; ◦Samuel Willard resumiu a paradoxal atitude puritana aos filhos quando os chamou de “víboras inocentes”.
  • 27. “A criancinha que dorme no berço é tanto dócil como cheia de afeições; e embora seu corpo seja tão pequeno, ele tem um grande coração e inclina-se totalmente para o mal... Se esta centelha vier a crescer, vai alastrar-se e queimar a casa inteira. Pois somos transformados e nos tornamos bons não por nascimento, mas pela educação... Portanto, os pais devem ser atentos e prudentes...; eles devem corrigir e severamente repreender seus filhos por falarem ou agirem mal.”
  • 28. ATITUDES PURITANAS EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 29. Atitudes em Relação ao Desenvolvimento da Criança ◦Em três questões cruciais os puritanos anteciparam teorias atuais de desenvolvimento: ◦A importância do treinamento precoce; ◦Os pais devem ensinar mais pelo exemplo que pelas palavras; ◦A educação eficaz das crianças tem dois lados: um negativo, outro positivo.
  • 30. “O grande cuidado de meus santos pais foi criar-me no zelo e na prudência do Senhor; pelo que fui guardado de muitas visíveis insurreições do pecado das quais doutra forma teria sido culpado; e por isso tive muitas boas impressões do Espírito de Deus sobre mim, mesmo em minha infância.” Cotton Mather
  • 31. A ESPIRITUALIZAÇÃO DA FAMÍLIA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 32. A Espiritualização da Família ◦A imagem favorita dos puritanos para a família era a igreja; ◦William Gouge disse que a família é uma “pequena igreja”, enquanto William Perkins escreveu: “Estas famílias em que este serviço a Deus é realizado são como pequenas igrejas; sim, um tipo de Paraíso sobre a terra.”;
  • 33. A Espiritualização da Família ◦Os puritanos entendiam que a saúde da igreja depende do que acontece na família; ◦Para William Cartwright as casas eram os berçários da igreja; ◦O culto era parte regular da rotina do lar; ◦O catecismo era a técnica que os puritanos achavam mais eficaz na instrução cristã, sendo que o seu objetivo não era a memorização, mas a compreensão;
  • 34. A Espiritualização da Família ◦De acordo com o pensamento puritano, o pai era a pessoa responsável por orquestrar as atividades espirituais da família; ◦Outra chave para a espiritualização da família era guardar a integridade espiritual do casamento; ◦A igreja puritana em Boston, assumiu o seguinte compromisso:
  • 35. “Prometemos, pela ajuda de cristo, que nos esforçaremos para andar diante de Deus em nossas casas, com um coração perfeito; e que manteremos o culto ali continuamente, de acordo como Ele requer em sua Palavra, tanto com respeito à oração como à leitura das Escrituras, para que a Palavra de Cristo possa habitar ricamente em nós.”

Notas do Editor

  1. Uma frase bem atual para iniciarmos a visão puritana sobre família. Quem seria o autor dessa frase?
  2. Os puritanos conheciam 1Co 10.31. -
  3. Tudo estaria bem na sociedade se as famílias estivessem bem ajustadas. Quando a família estivesse em uma má disciplina, toda a sociedade estaria mal disciplinada. Para eles, Deus providenciou o casamento e a família para que os problemas que recaem sobre nós possam ser aliviados com o conforto e a ajuda um dos outros. -
  4. Eles aceitavam a autoridade do homem como um mandamento bíblico. - Não era uma autorização para apenas ficar dizendo o que os outros precisam fazer.
  5. - Semelhante ao amor de quem? De Cristo pela sua Igreja. - -
  6. Da mesma forma que a liderança do homem foi instituída por Deus, da mesma forma, eles entendiam que a submissão da mulher era um mandamento bíblico e se sujeitavam a isso. - -
  7. - Eles defendiam a igualdade espiritual e social da mulher, na família porém, havia uma hierarquia instituída por Deus na qual as mulheres deveriam se sujeitar.
  8. A mulher não é uma serva, mas uma ajudadora, conselheira e consoladora. Submissão não significava que a mulher era menos inteligentes que os homens. Eles diziam inclusive que o marido só deveria ser obedecido se pudesse sustentar o seu ponto de vista pela bíblia. A mulher, depois do marido, era a autoridade sobre os filhos e sobre os servos da casa. Samuel Sewall registrou em seu diário que delegava as finanças da família para a esposa porque ela tinha uma capacidade maior para tratar de negócios.
  9. Mulheres podem e devem em particular e familiarmente exortar a outros. O governo da família pertencia ao marido e à mulher.
  10. Thomas Watson escreveu que os pais cristãos se esforçaram para que seus filhos sejam mais filhos de Deus do que seus. -
  11. A disciplina envolvia restringir as inclinações negativas. Frase de um puritano sobre isso: “os jovens não se importarão muito com o que é dito pelos ministros públicos, se não forem instruídos no lar; nem considerarão boas as leis feitas pela autoridade civil, se não são bem aconselhados e governados no lar.” As crianças têm naturezas distintas entre si.
  12. Havia muito claro a ideia da responsabilidade dos pais sobre os filhos. -
  13. - - -
  14. - - - Os pais devem dobrar a vontade naturalmente inclinada da criança, mas nutrir e encorajar seu espírito. A tarefa negativa é corrigir, reprovar. A positiva é ensinar, encorajar, valorizar as qualidades.
  15. A união de cristãos combinando-se para melhor adorar e servir a Deus. -
  16. - Para eles a igreja não era um substituto para a vida religiosa da família, mas uma extensão. Era comum dois cultos diários no lar. -
  17. - Marido e mulher deveriam promover um ao outro um padrão espiritual elevado para que toda a família fosse firmemente cristã. -