SlideShare uma empresa Scribd logo
OS PURITANOS
Escola Bíblica IBLM 2018
O QUE OS
PURITANOS FAZIAM
MELHOR
Os Puritanos Como Realmente Eram
A VIDA
TEOCÊNTRICA
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Vida Teocêntrica
◦O senso puritano de prioridades na vida foi uma
de suas maiores forças;
◦Os puritanos sabiam que apenas Deus pode
satisfazer as pessoas permanentemente e no
nível mais profundo;
“Os homens em geral tomam suas medidas da observação
da providência externa: se há paz e fartura externas, eles
os chamam dias felizes; no desconforto e problemas
externos, eles os chamam dias maus. Mas nós temos uma
regra melhor e mais segura para os cristãos... Quanto mais
de Cristo um povo goza, mais felizes são, e quanto menos
Ele é conhecido e reconhecido no seu grande desígnio de
meditação, maior é a infelicidade de tal povo.”
Samuel Willard
A Vida Teocêntrica
◦Deleite na presença de Deus foi o que os
puritanos buscaram e encontraram;
◦Para os puritanos, a vida teocêntrica significava
fazer da busca pela santidade espiritual e moral o
grande negócio da vida;
A Vida Teocêntrica
◦O caráter do Puritanismo foi determinado por
suas prioridades espirituais; os puritanos se
preocupavam com os grandes assuntos – a glória
de Deus, a renovação da alma humana em
Cristo, o perdão dos pecados, a vida eterna, a
amizade de Deus e a vida santa.
TODA A VIDA É
DE DEUS
Os Puritanos Como Realmente Eram
Toda a Vida é de Deus
◦Os puritanos viviam simultaneamente em dois
mundos;
◦Os puritanos foram determinados em tornar as
coisas terrenas em divinas, não proibindo-as,
mas infundindo-as de santidade. Nenhuma área
da vida estava isenta de tal infusão;
“Não apenas minha vida espiritual,
mas até minha vida civil neste mundo,
e toda a vida que vivo, é pela fé no
Filho de Deus: ele não isenta qualquer
parte da vida da agência da fé.”
John Cotton
Toda a Vida é de Deus
◦Essa visão puritana impactou a família, o
trabalho diário pessoal e até mesmo a
política se tornou uma parte da vida cristã;
◦A santidade em toda fase da vida de uma
pessoa era o objetivo puritano.
VENDO DEUS NO
LUGAR COMUM
Os Puritanos Como Realmente Eram
Vendo Deus no Lugar Comum
◦Para os puritanos, tudo na vida tornou-se um
indicador de Deus e um condutor de graça;
◦A santidade do comum foi um tema puritano
constante;
◦Para eles, qualquer coisa na vida pode tornar-se
canal da graça de Deus;
Vendo Deus no Lugar Comum
◦A visão puritana de santidade do comum jazia
em parte num extraordinário sendo da
providência de Deus;
◦Em suma, não havia lugar onde os puritanos
não pudessem potencialmente encontrar a Deus.
A IMPORTÂNCIA
DA VIDA
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Importância da Vida
◦Richard Baxter aconselhou: “Escreve sobre a porta
de tua loja e sobre o teu quarto: ‘Deverei estar no
céu ou no inferno para sempre’, ou ‘este é o tempo
sobre o qual depende a minha vida infinita’”;
◦Juntamente com o potencial da vida para o bem,
havia uma consciência do perigo da vida;
O perigo da vida estimulou Richard
Sibbes a escrever que “são ateus
zombadores os que brincam com a religião,
como se não fosse uma grande questão...
Portanto, o caráter do verdadeiro professor é
ser esforçado para fazer avançar sua religião
no curso de Cristo, no curso da religião, deverá
ser ardente e fervoroso.”
VIVENDO NUM
ESPÍRITO DE
EXPECTATIVA
Os Puritanos Como Realmente Eram
Vivendo Num Espírito de
Expectativa
◦Os puritanos regozijavam-se com esperanças no
que se estendia à sua frente;
◦Edward Johnson disse: “O inverno passou, a
chuva parou e se foi... não temam porque seu
número é apenas pequeno, reúnam-se nas igrejas e
deixem Cristo ser seu rei.”
Vivendo Num Espírito de
Expectativa
◦A visão geral dos puritanos não era nada menos
do que uma sociedade totalmente reformada
baseada em princípios bíblicos;
◦Num nível mais pessoal, o temperamento puritano
foi marcado por uma forte expectativa do que
Deus enviaria a seguir;
Vivendo Num Espírito de
Expectativa
◦Os puritanos possuíam um espírito ativo que
influenciou profundamente a maneira de
conceberem a vida cristã;
◦O espetáculo de uma vida cristã sem esforço
não continha nenhum atrativo para os puritanos.
“O cristianismo não é uma profissão ou um
emprego sedentário, nem consiste em meros
negativos... Sentar quieto lhe fará perder o céu,
da mesma forma como se corresse dele... Se o
caminho para o céu não for muito mais difícil
do que o mundo imagina, então Cristo e seus
apóstolos não sabiam o caminho, ou doutra
forma nos enganaram.” Richard Baxter
O IMPULSO PRÁTICO
NO PURITANISMO
Os Puritanos Como Realmente Eram
O Impulso Prático no
Puritanismo
◦Para os puritanos, a marca do verdadeiro
cristianismo era que fazia uma diferença em
como as pessoas de fato vivem;
◦Este impulso prática permeou o pensamento
puritano em muitas áreas;
O Impulso Prático no
Puritanismo
◦A inclinação prática do puritanismo o
levou a enfatizar a natureza experiencial
da fé cristã;
◦“A experiência é a vida de um cristão”,
disse Richard Sibbes.
RETORNANDO
AO BÁSICO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Retornando ao Básico
◦Os puritanos tinham um jeito de chegar à raiz de uma
questão;
◦O resultado era uma ênfase na “religião do coração” como
distinta dos rituais externos;
◦A preocupação com a religião do coração deu às pessoas uma
nova ética em que a motivação interna era tomar uma ação
moral ou imoral;
“Você deve lidar com as coisas do
mundo e não se corromper por elas,
tendo afeições puras, mas quando você
tem cobiça desordenada por qualquer
coisa, então ela profana seu espírito.”
John Preston
A VIDA CRISTÃ
EQUILIBRADA
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Vida Cristã Equilibrada
◦Os puritanos conseguiram um equilíbrio entre vários aspectos
da fé cristã que, através da história, sempre foram divididos:
◦Mente e coração
◦Teoria e prática
◦O paradoxo de como viver nesse mundo
◦Os aspectos ativos e contemplativos da vida cristã
◦A tensão entre as obras humanas e a graça de Deus
A SIMPLICIDADE
QUE DIGNIFICA
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Simplicidade Que Dignifica
◦De modos significativos o puritanismo foi uma
busca pela simplicidade:
◦No culto
◦Na arquitetura
◦No estilo de vida pessoal
◦Na teologia
UM FUNDAMENTO
SEGURO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Um Fundamento Seguro
◦Os puritanos eram pessoas confiantes mesmo na
derrota, porque sabiam que eram parte de algo
muito maior do que eles mesmos;
◦As convicções puritanas sobre qualquer tópico
estavam enraizadas na Bíblia como a revelação
fidedigna de Deus;
“A Palavra de Deus precisa ser nossa
regra e esquadro mediante o qual
esquadrinhamos e encaixamos todas as
nossas ações; e de acordo com a direção
recebida, devemos fazer as coisas ou
deixar de fazê-las.” William Perkins
Um Fundamento Seguro
◦O caráter de Deus também era o
fundamento do pensamento e da ação
puritana;
◦Os puritanos viam-se como peregrinos
numa jornada até Deus e até o céu.
“É coisa pequena a teus olhos ser
amado por Deus? Cristão, crê nisto e
pensa nisto. Serás eternamente seguro
nos braços daquele amor que foi desde
sempre e que se estenderá eternamente.”
Richard Baxter

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Roberto Trindade
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
Vandeir Monteiro Mendes
 
Série Igreja A igreja que queremos ser
Série Igreja   A igreja que queremos serSérie Igreja   A igreja que queremos ser
Série Igreja A igreja que queremos ser
Eid Marques
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
Icm Bela Vista
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
Livro De Romanos
Livro De RomanosLivro De Romanos
Livro De Romanos
melquisedeque Chagas
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Éder Tomé
 
Degraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritualDegraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritual
Eduardo Maciel
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Márcio Martins
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutórioEscatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutório
Viva a Igreja
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
José Carlos Polozi
 
O tribunal de cristo e os galardões
O tribunal de cristo e os galardõesO tribunal de cristo e os galardões
O tribunal de cristo e os galardões
Márcio Martins
 
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo AmericanoHistória da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
Andre Nascimento
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 

Mais procurados (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
 
Série Igreja A igreja que queremos ser
Série Igreja   A igreja que queremos serSérie Igreja   A igreja que queremos ser
Série Igreja A igreja que queremos ser
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
Livro De Romanos
Livro De RomanosLivro De Romanos
Livro De Romanos
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Degraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritualDegraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritual
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutórioEscatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutório
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
 
O tribunal de cristo e os galardões
O tribunal de cristo e os galardõesO tribunal de cristo e os galardões
O tribunal de cristo e os galardões
 
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo AmericanoHistória da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
História da Igreja II: Aula 7: Cristianismo Americano
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #06

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
Silas Roberto Nogueira
 
Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
uriank
 
Gaudere et exsultate
Gaudere et exsultateGaudere et exsultate
Gaudere et exsultate
Jose Cosme
 
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Silas Roberto Nogueira
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
Cursilho Ged Taguatinga Df
 
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
Silas Roberto Nogueira
 
A visão puritana da santidade (joel beeke)
A visão puritana da santidade (joel beeke)A visão puritana da santidade (joel beeke)
A visão puritana da santidade (joel beeke)
Deusdete Soares
 
LICAO 7 - SANTIDADE.pdf
LICAO 7 - SANTIDADE.pdfLICAO 7 - SANTIDADE.pdf
LICAO 7 - SANTIDADE.pdf
AndersonCristianoPer
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e IntegridadeLição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Éder Tomé
 
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptxestudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
GeusneyAlice
 
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologiasLBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
Natalino das Neves Neves
 
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
Maressa Almeida
 
Os legados da reforma protestante 2 de 9
Os legados da reforma protestante 2 de 9Os legados da reforma protestante 2 de 9
Os legados da reforma protestante 2 de 9
Pedro Siena
 
Relativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaRelativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igreja
Fulvio Leite
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
Download espírito santo - o deus que vive em nós
Download espírito santo - o deus que vive em nósDownload espírito santo - o deus que vive em nós
Download espírito santo - o deus que vive em nós
Luiza Dayana
 
Santidade e arrebatamento
Santidade e arrebatamentoSantidade e arrebatamento
Santidade e arrebatamento
Netto Pregador
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #06 (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
 
Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
 
Gaudere et exsultate
Gaudere et exsultateGaudere et exsultate
Gaudere et exsultate
 
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
 
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
Boletim cbg n°_24_15_junho_2014
 
A visão puritana da santidade (joel beeke)
A visão puritana da santidade (joel beeke)A visão puritana da santidade (joel beeke)
A visão puritana da santidade (joel beeke)
 
LICAO 7 - SANTIDADE.pdf
LICAO 7 - SANTIDADE.pdfLICAO 7 - SANTIDADE.pdf
LICAO 7 - SANTIDADE.pdf
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e IntegridadeLição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
Lição 3 - Vivendo em Santidade e Integridade
 
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptxestudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
 
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologiasLBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
LBJ LIÇÃO 2 - A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias
 
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
7264327 a-sindrome-de-pilatos-paulo-bueno
 
Os legados da reforma protestante 2 de 9
Os legados da reforma protestante 2 de 9Os legados da reforma protestante 2 de 9
Os legados da reforma protestante 2 de 9
 
Relativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igrejaRelativismo dentro da igreja
Relativismo dentro da igreja
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
Download espírito santo - o deus que vive em nós
Download espírito santo - o deus que vive em nósDownload espírito santo - o deus que vive em nós
Download espírito santo - o deus que vive em nós
 
Santidade e arrebatamento
Santidade e arrebatamentoSantidade e arrebatamento
Santidade e arrebatamento
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
Respirando Deus
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
 

Último

Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 

Último (18)

Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06

  • 2. O QUE OS PURITANOS FAZIAM MELHOR Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 3. A VIDA TEOCÊNTRICA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 4. A Vida Teocêntrica ◦O senso puritano de prioridades na vida foi uma de suas maiores forças; ◦Os puritanos sabiam que apenas Deus pode satisfazer as pessoas permanentemente e no nível mais profundo;
  • 5. “Os homens em geral tomam suas medidas da observação da providência externa: se há paz e fartura externas, eles os chamam dias felizes; no desconforto e problemas externos, eles os chamam dias maus. Mas nós temos uma regra melhor e mais segura para os cristãos... Quanto mais de Cristo um povo goza, mais felizes são, e quanto menos Ele é conhecido e reconhecido no seu grande desígnio de meditação, maior é a infelicidade de tal povo.” Samuel Willard
  • 6. A Vida Teocêntrica ◦Deleite na presença de Deus foi o que os puritanos buscaram e encontraram; ◦Para os puritanos, a vida teocêntrica significava fazer da busca pela santidade espiritual e moral o grande negócio da vida;
  • 7. A Vida Teocêntrica ◦O caráter do Puritanismo foi determinado por suas prioridades espirituais; os puritanos se preocupavam com os grandes assuntos – a glória de Deus, a renovação da alma humana em Cristo, o perdão dos pecados, a vida eterna, a amizade de Deus e a vida santa.
  • 8. TODA A VIDA É DE DEUS Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 9. Toda a Vida é de Deus ◦Os puritanos viviam simultaneamente em dois mundos; ◦Os puritanos foram determinados em tornar as coisas terrenas em divinas, não proibindo-as, mas infundindo-as de santidade. Nenhuma área da vida estava isenta de tal infusão;
  • 10. “Não apenas minha vida espiritual, mas até minha vida civil neste mundo, e toda a vida que vivo, é pela fé no Filho de Deus: ele não isenta qualquer parte da vida da agência da fé.” John Cotton
  • 11. Toda a Vida é de Deus ◦Essa visão puritana impactou a família, o trabalho diário pessoal e até mesmo a política se tornou uma parte da vida cristã; ◦A santidade em toda fase da vida de uma pessoa era o objetivo puritano.
  • 12. VENDO DEUS NO LUGAR COMUM Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 13. Vendo Deus no Lugar Comum ◦Para os puritanos, tudo na vida tornou-se um indicador de Deus e um condutor de graça; ◦A santidade do comum foi um tema puritano constante; ◦Para eles, qualquer coisa na vida pode tornar-se canal da graça de Deus;
  • 14. Vendo Deus no Lugar Comum ◦A visão puritana de santidade do comum jazia em parte num extraordinário sendo da providência de Deus; ◦Em suma, não havia lugar onde os puritanos não pudessem potencialmente encontrar a Deus.
  • 15. A IMPORTÂNCIA DA VIDA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 16. A Importância da Vida ◦Richard Baxter aconselhou: “Escreve sobre a porta de tua loja e sobre o teu quarto: ‘Deverei estar no céu ou no inferno para sempre’, ou ‘este é o tempo sobre o qual depende a minha vida infinita’”; ◦Juntamente com o potencial da vida para o bem, havia uma consciência do perigo da vida;
  • 17. O perigo da vida estimulou Richard Sibbes a escrever que “são ateus zombadores os que brincam com a religião, como se não fosse uma grande questão... Portanto, o caráter do verdadeiro professor é ser esforçado para fazer avançar sua religião no curso de Cristo, no curso da religião, deverá ser ardente e fervoroso.”
  • 18. VIVENDO NUM ESPÍRITO DE EXPECTATIVA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 19. Vivendo Num Espírito de Expectativa ◦Os puritanos regozijavam-se com esperanças no que se estendia à sua frente; ◦Edward Johnson disse: “O inverno passou, a chuva parou e se foi... não temam porque seu número é apenas pequeno, reúnam-se nas igrejas e deixem Cristo ser seu rei.”
  • 20. Vivendo Num Espírito de Expectativa ◦A visão geral dos puritanos não era nada menos do que uma sociedade totalmente reformada baseada em princípios bíblicos; ◦Num nível mais pessoal, o temperamento puritano foi marcado por uma forte expectativa do que Deus enviaria a seguir;
  • 21. Vivendo Num Espírito de Expectativa ◦Os puritanos possuíam um espírito ativo que influenciou profundamente a maneira de conceberem a vida cristã; ◦O espetáculo de uma vida cristã sem esforço não continha nenhum atrativo para os puritanos.
  • 22. “O cristianismo não é uma profissão ou um emprego sedentário, nem consiste em meros negativos... Sentar quieto lhe fará perder o céu, da mesma forma como se corresse dele... Se o caminho para o céu não for muito mais difícil do que o mundo imagina, então Cristo e seus apóstolos não sabiam o caminho, ou doutra forma nos enganaram.” Richard Baxter
  • 23. O IMPULSO PRÁTICO NO PURITANISMO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 24. O Impulso Prático no Puritanismo ◦Para os puritanos, a marca do verdadeiro cristianismo era que fazia uma diferença em como as pessoas de fato vivem; ◦Este impulso prática permeou o pensamento puritano em muitas áreas;
  • 25. O Impulso Prático no Puritanismo ◦A inclinação prática do puritanismo o levou a enfatizar a natureza experiencial da fé cristã; ◦“A experiência é a vida de um cristão”, disse Richard Sibbes.
  • 26. RETORNANDO AO BÁSICO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 27. Retornando ao Básico ◦Os puritanos tinham um jeito de chegar à raiz de uma questão; ◦O resultado era uma ênfase na “religião do coração” como distinta dos rituais externos; ◦A preocupação com a religião do coração deu às pessoas uma nova ética em que a motivação interna era tomar uma ação moral ou imoral;
  • 28. “Você deve lidar com as coisas do mundo e não se corromper por elas, tendo afeições puras, mas quando você tem cobiça desordenada por qualquer coisa, então ela profana seu espírito.” John Preston
  • 29. A VIDA CRISTÃ EQUILIBRADA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 30. A Vida Cristã Equilibrada ◦Os puritanos conseguiram um equilíbrio entre vários aspectos da fé cristã que, através da história, sempre foram divididos: ◦Mente e coração ◦Teoria e prática ◦O paradoxo de como viver nesse mundo ◦Os aspectos ativos e contemplativos da vida cristã ◦A tensão entre as obras humanas e a graça de Deus
  • 31. A SIMPLICIDADE QUE DIGNIFICA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 32. A Simplicidade Que Dignifica ◦De modos significativos o puritanismo foi uma busca pela simplicidade: ◦No culto ◦Na arquitetura ◦No estilo de vida pessoal ◦Na teologia
  • 33. UM FUNDAMENTO SEGURO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 34. Um Fundamento Seguro ◦Os puritanos eram pessoas confiantes mesmo na derrota, porque sabiam que eram parte de algo muito maior do que eles mesmos; ◦As convicções puritanas sobre qualquer tópico estavam enraizadas na Bíblia como a revelação fidedigna de Deus;
  • 35. “A Palavra de Deus precisa ser nossa regra e esquadro mediante o qual esquadrinhamos e encaixamos todas as nossas ações; e de acordo com a direção recebida, devemos fazer as coisas ou deixar de fazê-las.” William Perkins
  • 36. Um Fundamento Seguro ◦O caráter de Deus também era o fundamento do pensamento e da ação puritana; ◦Os puritanos viam-se como peregrinos numa jornada até Deus e até o céu.
  • 37. “É coisa pequena a teus olhos ser amado por Deus? Cristão, crê nisto e pensa nisto. Serás eternamente seguro nos braços daquele amor que foi desde sempre e que se estenderá eternamente.” Richard Baxter

Notas do Editor

  1. Colocar Deus em primeiro e valorizar tudo o mais em relação a Ele foi a maneira como os puritanos organizaram as suas vidas. Eles entenderam que o coração do homem só encontra sossego, descanso, no conforto da salvação.
  2. O fator mais importante da vida era espiritual e não material.
  3. Se tinha algo a ser nutrido para os cristãos era o exercício constante de encontrar alegria em Deus. Thomas Watson dizia que um sinal seguro de ser um filho de Deus é o deleitar-se muito em estar na presença de Deus. Ter alegria em pensar em Deus, falar de Deus, orar a Ele e encontrar a Deus por meio da sua Palavra e ordenanças. Buscar um padrão elevado e santidade, tanto espiritual como moral, era para o puritano uma obrigação em meio a uma geração corrupta e pervertida.
  4. O mundo espiritual invisível e o mundo físico da existência terrena. Para eles os dois mundo eram igualmente reais, e não havia separação da vida entre sagrado e secular. Toda a vida era sagrada. Isso rompeu com a visão medieval de vida religiosa e secular. -
  5. - Deus não deve estar acima de nós em uma coisa e abaixo em outra, mas Ele deve estar acima de nós em tudo.
  6. Eles olhavam para todos os aspectos da vida debaixo da doutrina da soberania de Deus. Eles viam Deus trabalhando nas circunstâncias corriqueiras do dia a dia. Isso estimulou os puritanos a terem o costume de escrever diários, onde eles relatavam as experiências com Deus na “leiteria, no estábulo, no celeiro e lugares parecidos onde Deus visitou sua alma” (Palavras de John Bunyan). Não existe eventos triviais, para eles atividades simples como “um homem amar sua mulher e filhos” são atos graciosos de grande importância aos olhos de Deus. Um exemplo, no diário de um jovem, Robert Blair ele conta que um dia olhando pela janela viu o sol brilhando claramente e uma vaca com o úbere cheio; aí ele lembrou de que o sol foi feito por Deus para dar a luz e a vaca para dar leite, o que o fez dar-se conta do pouco que entendia sobre o propósito da sua própria vida.
  7. Mais um motivo, segundo eles, para manterem diários, fazer listas com todas as providências para meditarem na bondade de Deus e na fidelidade Dele. Eles estavam sempre prontos ao que Richard Baxter chamou de “uma gota de glória” que Deus poderia permitir que caísse sobre suas almas.
  8. Parece ser a consequência natural de você valorizar o comum, você acaba automaticamente dando muito mais importância para a sua vida aqui nesse mundo.
  9. - Eles estavam muito alertas e cientes de que a maneira como vivessem nessa vida influenciaria a maneira como passariam toda a eternidade.
  10. - -
  11. Eles não se importavam com desvantagem numérica, diziam que assim como uma pequena vela pode acender mil outras, a luz dos princípios bíblicos que eles carregavam, também poderia acender uma nação. Maravilhados com a ideia do que Deus fará amanhã? Estou ansioso para saber.
  12. Eles diziam que “sem correr, brigar, suar, combater, não se toma o céu”. Ou que o cristão não deveria pensar em ir para o céu em um colchão de penas. Se forem discípulos de Cristo, devem tomar a cruz dele, e ela os fará suar. Isso simplesmente não correspondia ao que eles sabiam sobre viver em um mundo caído.
  13. Os cristãos devem falar pela vida assim como falam pelas palavras, devemos viver a religião da mesma forma como falamos de religião. Os cristãos deveriam escrever suas próprias resoluções e buscar viver segunda elas.
  14. Por mais incrível que isso possa parecer, os puritanos valorizavam muito a experiência pessoal, somente o intelectual não era suficiente. Eles diziam que ao sentir calor sabemos que o fogo é quente; provando o mel, sabemos que ele é doce. A fé sentida deveria a evidência da fé histórica.
  15. Da mesma forma que valorizavam a experiência, eles eram profundamente desconfiados de atos externos como prova de religiosidade verdadeira. A história interna que as pessoas contam para Deus indicam com precisão o que elas realmente são do que a história externa que contam ao mundo. Se o coração for santo tudo será santo. Lembram da bem-aventurança de domingo? Bem-aventurados os de coração limpo. Essa era a preocupação principal dos puritanos, o coração.
  16. Intelectual e sentimento, a experiência de maneira equilibrada. Toda teoria tinha que ser prática, do contrário para que serve? Eles tanto aceitavam como rejeitavam esse mundo. Era o mundo de Deus, onde Ele nos colocou com uma missão, porém tinham todo o cuidado com as coisas desse mundo que é mau, em certo sentido, a queda está aí presente. Davam máxima atenção à leitura bíblica e a meditação individual. O puritano adorava estar bem retirado do mundo, mas seguir com suas causas nesse mesmo mundo em obediência a Deus. Nossa responsabilidade humana e Deus agindo soberanamente.
  17. Os puritanos não eram apenas homens com boas ideias e coragem acima da média. Nenhuma estrutura é mais forte do que seu fundamento, o grande diferencial puritano era o seu sólido fundamento.
  18. - Quanta diferença faz na vida de uma pessoa quando ele enxerga a Palavra de Deus como a perfeita e absoluta regra para a sua vida?
  19. Procuravam agir de acordo com justiça, misericórdia, santidade, amor, de acordo com os atributos de Deus. Talvez o ponto mais notável da vida dos puritanos.