SlideShare uma empresa Scribd logo
Lição 03


                      TERCEIRO PERÍODO:
                       A IGREJA IMPERIAL
     Do Édito de Constantino a queda de
                      Roma, 313 à 476 d.C.


Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
 LEITURA BÍBLICA ~ IIPe 2. 20-22

20 Porquanto se, depois de terem escapado das
corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e
Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos
nelas e vencidos, tornou-se o último estado pior do
que o primeiro.
21 Porque melhor lhes fora não conhecerem o
caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-
se do santo mandamento que lhes fora dado;
22 Deste modo sobreveio-lhes o que por um
verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu
próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de
lama.
ESBOÇO

 INTRODUÇÃO

 I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUAS
CONSEQUÊNCIAS
1. Pontos Positivos; 2. Pontos Negativos; 3. Resultados da
União da Igreja com o Estado; 4. O Culto na Igreja.

 II HERESIAS
1. Arianismo; 2. Apolinarianismo; 3. Pelagianismo

 III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO
1. Atanásio (293 –373); 2. Ambrósio de Milão (340 – 407); 3.
João Crisóstomo ( 345 – 407); 4. Agostinho (354 – 430).
 CONCLUSÃO
INTRODUÇÃO

 Neste período um fato notável foi a cessação das
perseguições contra o cristianismo. Quando Diocleciano
abdicou o trono em 305, em favor de Galério, a religião cristã
era terminantemente proibida. A pena para os que professavam
o nome de Cristo era tortura e morte. Entretanto algumas
décadas mais tarde, no governo de Teodósio, o cristianismo
foi elevado à condição de religião oficial do Império Romano.

 No ano 313, o Imperador Constantino, considerado
primeiro imperador cristão, proclamou o Édito de Milão
fazendo      cessar    as  perseguições      religiosas   no
império, principalmente contra os cristãos, tornando legal a
sua prática e adoração.
 O vasto império romano foi rapidamente transformado de
pagão que era em um império cristão, por decreto.
Aparentemente, no início do quarto século, os antigos deuses
estavam arraigados na reverência do mundo romano;
porém, antes que esse século chegasse ao fim, os templos
haviam sido transformados em templos cristãos. O Império
Romano era cristão.
 Em toda parte os bispos
governavam as igrejas, porém
uma        pergunta    surgia
constantemente:        Quem
governará os bispos? Esse
questionamento lançaria as
bases do governo eclesiástico
central, em Roma.
I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUAS
               CONSEQUÊNCIAS
 Assim é conhecido o
documento que, publicado em
313, e atribuído ao imperador
romano,             Constantino
Magno, concedia a liberdade
de           credo           aos
cristãos, abolindo, concomitan
temente, o culto imperial.
 No entanto, o cristianismo
deixou de ser inimigo deste
mundo, e dele se tornou um
feliz participante. Os cultos de
adoração aumentaram em
esplendor, é certo, porém eram
menos espirituais e menos
sinceros do que no passado.
 Aos poucos as festas
pagãs            foram
incorporadas aos rituais
da Igreja, porém com
novos nomes que se
“adequassem”         ao
cristianismo.         A
adoração a Vênus e
Diana foi substituída
pela adoração à virgem
Maria. As imagens dos
mártires começaram a
aparecer            nos
templos, como objeto
de reverência.
1. Pontos Positivos
 Fim das perseguições
 Cessação dos sacrifícios pagãos
 Instituição do domingo como dia de descanso


2. Pontos Negativos
 Todos na igreja por decreto
 Costumes pagãos introduzidos na igreja
 Mundanismo, secularismo
 Dedicação de templos pagãos ao culto cristão

3. Resultados da União da Igreja com o Estado
 Interferência do Imperador no governo da igreja
 Privilégios concedidos ao clero
 Instituição do domingo como dia de descanso
 Doações oficiais às igrejas
4. O Culto na Igreja

 A celebração da
Eucaristia tornou-se uma
cerimônia      imponente,
com formas fixas, com
muita atenção dispensada
aos detalhes, tornando
enfática a idéia de que o
sacramento      era   um
sacrifício oferecido pelo
sacerdote a favor do
povo, sacrifício eficaz
para salvação, tornando a
pregação            menos
importante.
 Muitíssimos pagãos entraram na igreja sem conversão. O
culto dos santos é um exemplo frisante dessa tendência. Era
natural que se atribuísse veneração aos mártires e a outros
homens e mulheres, famosos por sua santidade. Para essa
gente que estava acostumada aos deuses das suas cidades e aos
seus lugares sagrados, e que não estava bastante
cristianizada, a veneração dos santos transformou-se
rapidamente em adoração.
 Os santos passaram a ser considerados como pequenas
divindades cuja intercessão era valiosa diante de Deus. Os
lugares onde nasceram e viveram passaram a ser considerados
santos. Surgiram as peregrinações. Começaram a venerar
relíquias, partes de corpos e objetos que pertecenram aos
santos e a tributar a esses objetos poderes miraculosos. Tudo
isto foi fácil para aqueles que ainda persistiam nas supertições
do paganismo. A idéia do culto aos santos foi mais acentuada
no caso da Virgem Maria.
II HERESIAS
1. Arianismo
 Fundada no século IV por Ario, um presbítero
de Alexandria, no Egito.
          A          sua          doutrina          baseava-se
essencialmente no princípio da negação de Cristo como di-
vindade. Para eles Cristo era uma criatura elevada, por ser filho
de Deus, mas CRIATURA.
 A Igreja estava ainda
em processo de discussão
de suas doutrinas e
dogmas.       Um      dos
principais assuntos nessa
época era a existência da
Trindade, ou seja, o
mistério de Deus Uno e
Trino ao mesmo tempo.
 Diante desta situação foi realizado o primei-ro concílio
ecumênico da história, con-vocado pelo imperador
Constantino, em 325. Teve como objetivo solucionar os
problemas que dividiam a cristandade causados pelo
arianismo.
             O ARIANISMO AINDA EXISTE?
 Os T.J, por exemplo, trazem filosofias bem semelhantes
ao pensamento principal do arianismo. A Igreja Mundial
do Poder de Deus, também defende o pensamento de
que Jesus não existe desde sempre e para sempre, “Ele é a
imagem do Deus invisível, a encarnação do verbo. Mas ele
não é sempiterno, é eterno. O pai que é Deus é
sempiterno, aquele que antes dele nunca existiu como
ele, nem existirá depois dele, sempre existiu e sempre
existirá. A primeira obra dele foi Jesus Cristo”. (Valdemiro
2. Apolinarianismo
 Nascido por volta de 310, este bispo de Laodicéia
ensinava que, na encarnação, o logos de Deus veio a
ocupar o lugar da psique humana, restringindo assim a
humanidade de Jesus ao corpo físico.

 A doutrina de Apolinário foi condenada pelo Concílio
de Constantinopla em 381 a.C.

 Esta heresia do IV século ensinava que o Filho de Deus
não assumiu por completo a natureza humana, e que o
processo de encarnação limitou-se a induzir o Logos a
ocupar o lugar da psique de Jesus. Segundo tal doutrina,
Jesus não passaria de meio homem e meio Deus.
 Hoje em dia existem diversas seitas que subtraem algo
da pessoa de Jesus, seja sua natureza humana ou divina.

 Por exemplo: a Maçonaria diz ser Jesus somente mais
um fundador de religião, ao lado de diversos outros
"grandes                                    homens".

 A LBV subtrai de Jesus sua natureza humana, dizendo
que este possuiu apenas um corpo aparente ou fluídico;
também negam a divindade, afirmando que Ele não é
Deus,         tampouco           afirmou         sê-lo.

 T.J dizem que Jesus é um anjo. Seriam Jesus e o arcanjo
Miguel as mesmas pessoas.

 Os Kardecistas dizem que Jesus foi um médium de
Deus.
3. Pelagianismo
 Promovida por Pelágio, clérigo britânico do século
IV, sustenta basicamente que todo homem é totalmente
responsável pela sua própria salvação e portanto, não
necessita da graça divina. Pois todo homem nasce
"moralmente neutro", sendo capaz, por si mesmo, sem
qualquer influência divina, de salvar-se quando assim o
desejar.

 Agostinho combateu o pelagianismo defendendo que o
pecado original de Adão foi herdado por toda a
humanidade e que, mesmo que o homem caído retenha a
habilidade para escolher, ele está escravizado ao pecado e
não pode não pecar. Por outro lado, Pelágio insistia que a
queda de Adão afetara apenas a Adão.
 O resultado dessa discussão teve fim no ano de 529, no
Concílio de Oranges, e a Igreja deu razão a Santo
Agostinho. Pelágio por sua vez, não abriu mão da sua
crença herege e por isso acabou sendo excomungado junto
com muitos de seus seguidores.




 Refutação:
   Sl 51:5
  Rm 5:12
III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO
1. Atanásio (293 –373)
Patriarca de Alexandria, foi um dos mais destacados pais
da Igreja. Ainda diácono, contribuiu decisivamente para a
condenação da heresia ariana em 325 no Concílio de
Nicéia.

2. Ambrósio de Milão (340 – 407)
Teólogo e líder da Igreja, foi preceptor de Agostinho, a
quem discipulou e batizou. Era honrado por todos não
somente como intelectual, mas principalmente como
amoroso pastor de almas. Agostinho, em suas
confissões, mostra-o como um homem de Deus
dedicadíssimo aos estudos. Em suas obras, procurou
combater energicamente o arianismo.
3. João Crisóstomo ( 345 – 407)
Foi um teólogo e escritor cristão, arcebispo
de Constantinopla. Pela sua inflamada
retórica,   ficou      conhecido       como
Crisóstomo (que em grego significa boca de
ouro).

4. Agostinho (354 – 430)
Bispo de Hipona, Agostinho (354-430) é
considerado o maior teólogo da Igreja
Primitiva.     Grande      intérprete     e
sistematizador         das       doutrinas
cristãs, deixou mais de 600 obras, entre as
quais         Confissões,       Santíssima
Trindade, Cidade de Deus, Narrações Sobre
IV ALGUNS ACONTECIMENTOS
 367: Concílio de Hipo: Ratificação dos 66 livros da
Bíblia.
 386: São Jerônimo prepara a tradução latina da Bíblia
(Vulgata).
 400: Maria passa a ser considerada "mãe de Deus" e os
católicos começam a interceder pelos mortos.
 431: instituição do culto a Maria no Concílio de Éfeso.
 451: Surge a doutrina da virgindade perpétua de Maria.
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
CONCLUSÃO
       Este foi o período que marcou a aparente vitória da
igreja, porém vimos aqui o fracasso desta instituição
paganizada, o momento em que a pseudo igreja entrou
por outro caminho.
       No próximo assunto veremos o Quarto Período
dessa história, dez séculos de distanciamento dos
princípios, doutrinas e práticas bíblicas. Um período de
protestos por uma práxis, na Igreja, que correspondesse
aos ditames da Palavra de Deus.
                                                      Soli Deo gloria!



                                                Ir. Adriano Pascoa
                           e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com
                     Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Sergio Silva
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Adriano Pascoa
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Adriano Pascoa
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
Joao Franca
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
rodrigocristao84
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Viva a Igreja
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
Andre Nascimento
 

Mais procurados (20)

A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
IGREJA PRESBITERIANA - O GOVERNO DA IGREJA
 
Estudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismoEstudo sobre evangelismo
Estudo sobre evangelismo
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
 

Semelhante a Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial

Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
Wesley Arruda
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
Pastor W. Costa
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
PIBJA
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
PIB Penha
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
Léo Mendonça
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
PIB Penha - SP
 
Igreja católica desmascarada
Igreja católica desmascaradaIgreja católica desmascarada
Igreja católica desmascarada
REFORMADOR PROTESTANTE
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
PIB Penha
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
Iran Teixeira
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
PIB Penha
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Thais Madureira
 
Jesus viveu-na-india-holger kersten
Jesus viveu-na-india-holger kerstenJesus viveu-na-india-holger kersten
Jesus viveu-na-india-holger kersten
Taís Alcântara
 
DOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIADOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIA
ESCRIBAVALDEMIR
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
PIB Penha
 
Classes in English/Portugese
Classes in English/PortugeseClasses in English/Portugese
Classes in English/Portugese
evidenceforchristianity
 
DOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIADOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIA
Menezes Scribe
 
História da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romanaHistória da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romana
REFORMADOR PROTESTANTE
 
seitas e heresias 01 apologeica.pdf
seitas e heresias 01 apologeica.pdfseitas e heresias 01 apologeica.pdf
seitas e heresias 01 apologeica.pdf
rafaellemos86
 
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
Tema 6   seitas e heresias - parte 2Tema 6   seitas e heresias - parte 2
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
magnao2
 

Semelhante a Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial (20)

Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
 
Igreja católica desmascarada
Igreja católica desmascaradaIgreja católica desmascarada
Igreja católica desmascarada
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
 
Jesus viveu-na-india-holger kersten
Jesus viveu-na-india-holger kerstenJesus viveu-na-india-holger kersten
Jesus viveu-na-india-holger kersten
 
DOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIADOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIA
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
 
Classes in English/Portugese
Classes in English/PortugeseClasses in English/Portugese
Classes in English/Portugese
 
DOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIADOGMATOLOGIA
DOGMATOLOGIA
 
História da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romanaHistória da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romana
 
seitas e heresias 01 apologeica.pdf
seitas e heresias 01 apologeica.pdfseitas e heresias 01 apologeica.pdf
seitas e heresias 01 apologeica.pdf
 
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
Tema 6   seitas e heresias - parte 2Tema 6   seitas e heresias - parte 2
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 

Último (20)

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 

Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial

  • 1. Lição 03 TERCEIRO PERÍODO: A IGREJA IMPERIAL Do Édito de Constantino a queda de Roma, 313 à 476 d.C. Fonte: História da Igreja: dos primórdios à atualidade (IBUHT)
  • 2.  LEITURA BÍBLICA ~ IIPe 2. 20-22 20 Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se o último estado pior do que o primeiro. 21 Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem- se do santo mandamento que lhes fora dado; 22 Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama.
  • 3. ESBOÇO  INTRODUÇÃO  I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUAS CONSEQUÊNCIAS 1. Pontos Positivos; 2. Pontos Negativos; 3. Resultados da União da Igreja com o Estado; 4. O Culto na Igreja.  II HERESIAS 1. Arianismo; 2. Apolinarianismo; 3. Pelagianismo  III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO 1. Atanásio (293 –373); 2. Ambrósio de Milão (340 – 407); 3. João Crisóstomo ( 345 – 407); 4. Agostinho (354 – 430).  CONCLUSÃO
  • 4. INTRODUÇÃO  Neste período um fato notável foi a cessação das perseguições contra o cristianismo. Quando Diocleciano abdicou o trono em 305, em favor de Galério, a religião cristã era terminantemente proibida. A pena para os que professavam o nome de Cristo era tortura e morte. Entretanto algumas décadas mais tarde, no governo de Teodósio, o cristianismo foi elevado à condição de religião oficial do Império Romano.  No ano 313, o Imperador Constantino, considerado primeiro imperador cristão, proclamou o Édito de Milão fazendo cessar as perseguições religiosas no império, principalmente contra os cristãos, tornando legal a sua prática e adoração.
  • 5.  O vasto império romano foi rapidamente transformado de pagão que era em um império cristão, por decreto. Aparentemente, no início do quarto século, os antigos deuses estavam arraigados na reverência do mundo romano; porém, antes que esse século chegasse ao fim, os templos haviam sido transformados em templos cristãos. O Império Romano era cristão.  Em toda parte os bispos governavam as igrejas, porém uma pergunta surgia constantemente: Quem governará os bispos? Esse questionamento lançaria as bases do governo eclesiástico central, em Roma.
  • 6. I O ÉDITO DE CONSTANTINO E SUAS CONSEQUÊNCIAS  Assim é conhecido o documento que, publicado em 313, e atribuído ao imperador romano, Constantino Magno, concedia a liberdade de credo aos cristãos, abolindo, concomitan temente, o culto imperial.  No entanto, o cristianismo deixou de ser inimigo deste mundo, e dele se tornou um feliz participante. Os cultos de adoração aumentaram em esplendor, é certo, porém eram menos espirituais e menos sinceros do que no passado.
  • 7.  Aos poucos as festas pagãs foram incorporadas aos rituais da Igreja, porém com novos nomes que se “adequassem” ao cristianismo. A adoração a Vênus e Diana foi substituída pela adoração à virgem Maria. As imagens dos mártires começaram a aparecer nos templos, como objeto de reverência.
  • 8. 1. Pontos Positivos  Fim das perseguições  Cessação dos sacrifícios pagãos  Instituição do domingo como dia de descanso 2. Pontos Negativos  Todos na igreja por decreto  Costumes pagãos introduzidos na igreja  Mundanismo, secularismo  Dedicação de templos pagãos ao culto cristão 3. Resultados da União da Igreja com o Estado  Interferência do Imperador no governo da igreja  Privilégios concedidos ao clero  Instituição do domingo como dia de descanso  Doações oficiais às igrejas
  • 9. 4. O Culto na Igreja  A celebração da Eucaristia tornou-se uma cerimônia imponente, com formas fixas, com muita atenção dispensada aos detalhes, tornando enfática a idéia de que o sacramento era um sacrifício oferecido pelo sacerdote a favor do povo, sacrifício eficaz para salvação, tornando a pregação menos importante.
  • 10.  Muitíssimos pagãos entraram na igreja sem conversão. O culto dos santos é um exemplo frisante dessa tendência. Era natural que se atribuísse veneração aos mártires e a outros homens e mulheres, famosos por sua santidade. Para essa gente que estava acostumada aos deuses das suas cidades e aos seus lugares sagrados, e que não estava bastante cristianizada, a veneração dos santos transformou-se rapidamente em adoração.
  • 11.  Os santos passaram a ser considerados como pequenas divindades cuja intercessão era valiosa diante de Deus. Os lugares onde nasceram e viveram passaram a ser considerados santos. Surgiram as peregrinações. Começaram a venerar relíquias, partes de corpos e objetos que pertecenram aos santos e a tributar a esses objetos poderes miraculosos. Tudo isto foi fácil para aqueles que ainda persistiam nas supertições do paganismo. A idéia do culto aos santos foi mais acentuada no caso da Virgem Maria.
  • 12. II HERESIAS 1. Arianismo  Fundada no século IV por Ario, um presbítero de Alexandria, no Egito.  A sua doutrina baseava-se essencialmente no princípio da negação de Cristo como di- vindade. Para eles Cristo era uma criatura elevada, por ser filho de Deus, mas CRIATURA.  A Igreja estava ainda em processo de discussão de suas doutrinas e dogmas. Um dos principais assuntos nessa época era a existência da Trindade, ou seja, o mistério de Deus Uno e Trino ao mesmo tempo.
  • 13.  Diante desta situação foi realizado o primei-ro concílio ecumênico da história, con-vocado pelo imperador Constantino, em 325. Teve como objetivo solucionar os problemas que dividiam a cristandade causados pelo arianismo. O ARIANISMO AINDA EXISTE?  Os T.J, por exemplo, trazem filosofias bem semelhantes ao pensamento principal do arianismo. A Igreja Mundial do Poder de Deus, também defende o pensamento de que Jesus não existe desde sempre e para sempre, “Ele é a imagem do Deus invisível, a encarnação do verbo. Mas ele não é sempiterno, é eterno. O pai que é Deus é sempiterno, aquele que antes dele nunca existiu como ele, nem existirá depois dele, sempre existiu e sempre existirá. A primeira obra dele foi Jesus Cristo”. (Valdemiro
  • 14. 2. Apolinarianismo  Nascido por volta de 310, este bispo de Laodicéia ensinava que, na encarnação, o logos de Deus veio a ocupar o lugar da psique humana, restringindo assim a humanidade de Jesus ao corpo físico.  A doutrina de Apolinário foi condenada pelo Concílio de Constantinopla em 381 a.C.  Esta heresia do IV século ensinava que o Filho de Deus não assumiu por completo a natureza humana, e que o processo de encarnação limitou-se a induzir o Logos a ocupar o lugar da psique de Jesus. Segundo tal doutrina, Jesus não passaria de meio homem e meio Deus.
  • 15.  Hoje em dia existem diversas seitas que subtraem algo da pessoa de Jesus, seja sua natureza humana ou divina.  Por exemplo: a Maçonaria diz ser Jesus somente mais um fundador de religião, ao lado de diversos outros "grandes homens".  A LBV subtrai de Jesus sua natureza humana, dizendo que este possuiu apenas um corpo aparente ou fluídico; também negam a divindade, afirmando que Ele não é Deus, tampouco afirmou sê-lo.  T.J dizem que Jesus é um anjo. Seriam Jesus e o arcanjo Miguel as mesmas pessoas.  Os Kardecistas dizem que Jesus foi um médium de Deus.
  • 16. 3. Pelagianismo  Promovida por Pelágio, clérigo britânico do século IV, sustenta basicamente que todo homem é totalmente responsável pela sua própria salvação e portanto, não necessita da graça divina. Pois todo homem nasce "moralmente neutro", sendo capaz, por si mesmo, sem qualquer influência divina, de salvar-se quando assim o desejar.  Agostinho combateu o pelagianismo defendendo que o pecado original de Adão foi herdado por toda a humanidade e que, mesmo que o homem caído retenha a habilidade para escolher, ele está escravizado ao pecado e não pode não pecar. Por outro lado, Pelágio insistia que a queda de Adão afetara apenas a Adão.
  • 17.  O resultado dessa discussão teve fim no ano de 529, no Concílio de Oranges, e a Igreja deu razão a Santo Agostinho. Pelágio por sua vez, não abriu mão da sua crença herege e por isso acabou sendo excomungado junto com muitos de seus seguidores. Refutação:  Sl 51:5  Rm 5:12
  • 18. III PRINCIPAIS LÍDERES DO PERÍODO 1. Atanásio (293 –373) Patriarca de Alexandria, foi um dos mais destacados pais da Igreja. Ainda diácono, contribuiu decisivamente para a condenação da heresia ariana em 325 no Concílio de Nicéia. 2. Ambrósio de Milão (340 – 407) Teólogo e líder da Igreja, foi preceptor de Agostinho, a quem discipulou e batizou. Era honrado por todos não somente como intelectual, mas principalmente como amoroso pastor de almas. Agostinho, em suas confissões, mostra-o como um homem de Deus dedicadíssimo aos estudos. Em suas obras, procurou combater energicamente o arianismo.
  • 19. 3. João Crisóstomo ( 345 – 407) Foi um teólogo e escritor cristão, arcebispo de Constantinopla. Pela sua inflamada retórica, ficou conhecido como Crisóstomo (que em grego significa boca de ouro). 4. Agostinho (354 – 430) Bispo de Hipona, Agostinho (354-430) é considerado o maior teólogo da Igreja Primitiva. Grande intérprete e sistematizador das doutrinas cristãs, deixou mais de 600 obras, entre as quais Confissões, Santíssima Trindade, Cidade de Deus, Narrações Sobre
  • 20. IV ALGUNS ACONTECIMENTOS  367: Concílio de Hipo: Ratificação dos 66 livros da Bíblia.  386: São Jerônimo prepara a tradução latina da Bíblia (Vulgata).  400: Maria passa a ser considerada "mãe de Deus" e os católicos começam a interceder pelos mortos.  431: instituição do culto a Maria no Concílio de Éfeso.  451: Surge a doutrina da virgindade perpétua de Maria.
  • 22. CONCLUSÃO Este foi o período que marcou a aparente vitória da igreja, porém vimos aqui o fracasso desta instituição paganizada, o momento em que a pseudo igreja entrou por outro caminho. No próximo assunto veremos o Quarto Período dessa história, dez séculos de distanciamento dos princípios, doutrinas e práticas bíblicas. Um período de protestos por uma práxis, na Igreja, que correspondesse aos ditames da Palavra de Deus. Soli Deo gloria! Ir. Adriano Pascoa e-mail e msn: adrianoiuris@hotmail.com Facebook: http://www.facebook.com/adrianoiuris