SlideShare uma empresa Scribd logo
OS PURITANOS
Escola Bíblica IBLM 2018
TRABALHO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Pano de Fundo: Divisão Entre
Sagrado e Secular
◦Tipos de trabalho: “sagrado” e “secular”;
◦Eusébio escreveu no quarto século:
“Dois modos de vida foram dados pela lei de Cristo à sua
igreja. Um está acima da natureza e além do viver
humano comum... Inteira e permanentemente separado da
vida habitual comum da humanidade, dedica-se somente ao
serviço de Deus... Tal é então a forma perfeita da vida
cristã. E o outro, mais humilde, mais humano, permite aos
homens... Ter mentalidade para a lavoura, para o comércio
e os outros interesses mais seculares do que a religião... E
um tipo de grau secundário de piedade é atribuído a eles.”
A Santidade de Todos os Tipos
Legítimos de Trabalho
◦Martinho Lutero e Calvino derrubaram a divisão
“sagrado” e “secular”;
◦William Tyndale disse: “há uma diferença entre lavar
louças e pregar a Palavra de Deus; mas, no tocante a agradar
a Deus, nenhuma em absoluto.”
◦Esta rejeição da dicotomia no trabalho teve
implicações de longo alcance;
A Santidade de Todos os Tipos
Legítimos de Trabalho
◦Toda tarefa de valor, integra a vocação com a
vida espiritual de um cristão;
◦Todo trabalho é uma arena para glorificação e
obediência a Deus;
◦Todo trabalho é local de expressão do amor
pessoal ao seu próximo;
“A fé encoraja um homem em seu chamado por mais
simples e difícil. A tais empregos simples um coração
carnal não sabe como submeter-se; mas agora a fé
havendo-nos convocado, se requer algum emprego
simples, encoraja-nos nele. Assim a fé dispõe-se a
abraçar qualquer serviço simples que faz parte do seu
chamado, no qual um coração carnal ficaria
envergonhado de ser visto.” John Cotton
A Santidade de Todos os Tipos
Legítimos de Trabalho
◦Os puritanos revolucionaram as atitudes em relação
ao trabalho diário quando levantaram a possibilidade
de que “cada passo e aspecto do seu ofício é
santificado”;
◦Para os puritanos era absurdo que homens de
negócios deixavam a sua religião em casa e
comercializavam todo o dia sem sua religião.
O CONCEITO
PURITANO DE
CHAMADO
Os Puritanos Como Realmente Eram
O Conceito Puritano de
Chamado
◦Para os puritanos, todo cristão tem um chamado;
◦O chamado em relação ao trabalho nasce nas
doutrinas da Eleição e da Providência Divina;
◦Um efeito desse conceito é fazer do trabalhador um
mordomo que serve a Deus;
◦Outro efeito é que esse conceito leva ao
contentamento pessoal no trabalho;
“Um homem, portanto, que serve a Deus
no serviço aos homens, faz seu trabalho
como na presença de Deus, como quem tem
uma ocupação celestial em mãos, e, por isso,
confortavelmente, sabendo que Deus aprova
seu caminho e trabalho.” John Cotton
“Um cristão deveria seguir sua ocupação com
contentamento. É favor singular de Deus a um
homem que este possa atender à sua ocupação com
contentamento e satisfação. Seu negócio neste
assunto está entravado com quaisquer dificuldades
ou inconveniências? O contentamento sob essas
dificuldades não é parte pequena da sua
homenagem àquele Deus que lhe colocou onde você
está.” Cotton Mather
O Conceito Puritano de
Chamado
◦Pergunta: Se todos têm um chamado, como as
pessoas podem saber para o que foram
chamadas?
◦Os puritanos desenvolveram uma metodologia
para determinar seu chamado sem mistificarem o
processo;
O Conceito Puritano de
Chamado
◦Determinando seu chamado:
◦Dotes e inclinações internas;
◦Circunstâncias externas;
◦Conselho de pais, guardiões ou magistrados;
◦Circunstâncias naturais, a educação e os dons
adquiridos.
“Um cristão deveria seguir sua ocupação
com contentamento. Um cristão não deveria
ser muito ligeiro em abandonar seu
chamado. Muitos homens, simplesmente por
cobiça e por descontentamento, abandonam
seus negócios.” Cotton Mather
O Conceito Puritano de
Chamado
◦Resumindo a ideia Puritana de chamado:
◦Providência de Deus;
◦Trabalho como resposta de um mordomo de
Deus;
◦Contentamento com as tarefas pessoais;
◦Lealdade à vocação pessoal.
A MOTIVAÇÃO E AS
RECOMPENSAS DO
TRABALHO
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Motivação e as Recompensas
◦As recompensas do trabalho eram
principalmente morais e espirituais;
◦William Perkins afirmou que o principal fim das
nossas vidas é servir a Deus no serviço aos
homens e nos afazeres de nossos chamados;
◦E quanto ao trabalho como fonte de renda?
“Alguns homens talvez dirão: O que? Não
devemos labutar nossos chamados para manter
nossas famílias? Respondo: isto deve ser feito,
embora não seja este o escopo e a finalidade de
nossas vidas. A verdadeira finalidade de
nossas vidas é prestar serviço a Deus no serviço
ao homem.” William Perkins
“Escolha aquele emprego ou chamado no
qual você pode ser mais útil a Deus. Não
escolha aquele no qual possa ser mais rico
ou ilustre no mundo, mas aquele no qual
possa fazer maior bem e manter-se longe de
pecar.” Richard Baxter
“Profanam suas vidas e chamados os que se
aplicam à aquisição de honras, prazeres,
benefícios, comodidades do mundo etc., pois
assim vivemos para outro fim diferente do que
Deus indicou, e desse modo servimos a nós
mesmos, e, por conseguinte, nem servimos a
Deus nem aos homens.” William Perkins
A Motivação e as Recompensas
◦Sucesso é benção de Deus, não algo
conquistado;
◦O estilo de vida puritano tendia a fazer as
pessoas relativamente prósperas;
◦Os puritanos viam sua riqueza como um bem
social, não como propriedade pessoal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito SantoMeu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Thatiane Machado da Silva
 
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja AdventistaEllen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
ASD Remanescentes
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 3 ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
Lição 3   ebd jesus e os grupos político religiosos de sua épocaLição 3   ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
Lição 3 ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
ASD Remanescentes
 
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
Moisés Sampaio
 
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de GálatasExposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Helio De Oliveira Silva
 
Secularismo
SecularismoSecularismo
Secularismo
cursospantokrator
 
Mordomia Cristã
Mordomia CristãMordomia Cristã
Mordomia Cristã
Rogério Nunes
 
A Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a CiênciaA Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a Ciência
André Luiz Marques
 
Espiritismo - Seitas e Heresias
Espiritismo - Seitas e HeresiasEspiritismo - Seitas e Heresias
Espiritismo - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
Respirando Deus
 
Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.
ASD Remanescentes
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
Moisés Sampaio
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
Marcelo Gonçalves
 

Mais procurados (20)

A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito SantoMeu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito Santo
 
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja AdventistaEllen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
Ellen White alerta sobre Mudanças nas Crenças da Igreja Adventista
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
Lição 3 ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
Lição 3   ebd jesus e os grupos político religiosos de sua épocaLição 3   ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
Lição 3 ebd jesus e os grupos político religiosos de sua época
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
 
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
A IASD não é Babilônia, nem Filha dela. é Irmã!
 
6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus6. sinais da volta de jesus
6. sinais da volta de jesus
 
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de GálatasExposição 01 = A Mensagem de Gálatas
Exposição 01 = A Mensagem de Gálatas
 
Secularismo
SecularismoSecularismo
Secularismo
 
Mordomia Cristã
Mordomia CristãMordomia Cristã
Mordomia Cristã
 
A Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a CiênciaA Bíblia e a Ciência
A Bíblia e a Ciência
 
Espiritismo - Seitas e Heresias
Espiritismo - Seitas e HeresiasEspiritismo - Seitas e Heresias
Espiritismo - Seitas e Heresias
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
 
Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #02

Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
uriank
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
Silas Roberto Nogueira
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptxestudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
GeusneyAlice
 
Razões da nossa fé lição 9
Razões da nossa fé   lição 9Razões da nossa fé   lição 9
Razões da nossa fé lição 9
Mariângela Domeniche Perdomo
 
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdfJ C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
FbioBezerra18
 
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Silas Roberto Nogueira
 
Ponha em ordem seu mundo interior
Ponha em ordem seu mundo interiorPonha em ordem seu mundo interior
Ponha em ordem seu mundo interior
Lucienne Eluan
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
boasnovassena
 
Apostila 4
Apostila 4Apostila 4
Apostila 4
Joao Rumpel
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
foldinhalf
 
Jovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - VocaçãoJovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - Vocação
uriank
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
Joel Silva
 
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptxTEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
Nivaldo R. Santos
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Ricardo819
 
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
Joel Silva
 
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
Silas Roberto Nogueira
 
O que significa ser crente
O que significa ser crenteO que significa ser crente

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #02 (20)

Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptxestudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
estudos-no-breve-catecismo-de-westminster-leonard-t-van-horn-1.pptx
 
Razões da nossa fé lição 9
Razões da nossa fé   lição 9Razões da nossa fé   lição 9
Razões da nossa fé lição 9
 
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdfJ C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
J C Ryle - Adoração, Prioridade, Princípos.pdf
 
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
Boletim cbg n°_25_22_junho_2014
 
Ponha em ordem seu mundo interior
Ponha em ordem seu mundo interiorPonha em ordem seu mundo interior
Ponha em ordem seu mundo interior
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Apostila 4
Apostila 4Apostila 4
Apostila 4
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Jovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - VocaçãoJovens Estudo 6 - Vocação
Jovens Estudo 6 - Vocação
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
 
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptxTEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
TEOLOGIA PASTORAL - EBO TIRADENTE.pptx
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
 
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
 
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
Boletim cbg n° 20_18_maio_2014
 
O que significa ser crente
O que significa ser crenteO que significa ser crente
O que significa ser crente
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
Respirando Deus
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
 

Último

DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 

Último (16)

DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 

Escola Bíblica: Os Puritanos - #02

  • 2. TRABALHO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 3. Pano de Fundo: Divisão Entre Sagrado e Secular ◦Tipos de trabalho: “sagrado” e “secular”; ◦Eusébio escreveu no quarto século:
  • 4. “Dois modos de vida foram dados pela lei de Cristo à sua igreja. Um está acima da natureza e além do viver humano comum... Inteira e permanentemente separado da vida habitual comum da humanidade, dedica-se somente ao serviço de Deus... Tal é então a forma perfeita da vida cristã. E o outro, mais humilde, mais humano, permite aos homens... Ter mentalidade para a lavoura, para o comércio e os outros interesses mais seculares do que a religião... E um tipo de grau secundário de piedade é atribuído a eles.”
  • 5. A Santidade de Todos os Tipos Legítimos de Trabalho ◦Martinho Lutero e Calvino derrubaram a divisão “sagrado” e “secular”; ◦William Tyndale disse: “há uma diferença entre lavar louças e pregar a Palavra de Deus; mas, no tocante a agradar a Deus, nenhuma em absoluto.” ◦Esta rejeição da dicotomia no trabalho teve implicações de longo alcance;
  • 6. A Santidade de Todos os Tipos Legítimos de Trabalho ◦Toda tarefa de valor, integra a vocação com a vida espiritual de um cristão; ◦Todo trabalho é uma arena para glorificação e obediência a Deus; ◦Todo trabalho é local de expressão do amor pessoal ao seu próximo;
  • 7. “A fé encoraja um homem em seu chamado por mais simples e difícil. A tais empregos simples um coração carnal não sabe como submeter-se; mas agora a fé havendo-nos convocado, se requer algum emprego simples, encoraja-nos nele. Assim a fé dispõe-se a abraçar qualquer serviço simples que faz parte do seu chamado, no qual um coração carnal ficaria envergonhado de ser visto.” John Cotton
  • 8. A Santidade de Todos os Tipos Legítimos de Trabalho ◦Os puritanos revolucionaram as atitudes em relação ao trabalho diário quando levantaram a possibilidade de que “cada passo e aspecto do seu ofício é santificado”; ◦Para os puritanos era absurdo que homens de negócios deixavam a sua religião em casa e comercializavam todo o dia sem sua religião.
  • 9. O CONCEITO PURITANO DE CHAMADO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 10. O Conceito Puritano de Chamado ◦Para os puritanos, todo cristão tem um chamado; ◦O chamado em relação ao trabalho nasce nas doutrinas da Eleição e da Providência Divina; ◦Um efeito desse conceito é fazer do trabalhador um mordomo que serve a Deus; ◦Outro efeito é que esse conceito leva ao contentamento pessoal no trabalho;
  • 11. “Um homem, portanto, que serve a Deus no serviço aos homens, faz seu trabalho como na presença de Deus, como quem tem uma ocupação celestial em mãos, e, por isso, confortavelmente, sabendo que Deus aprova seu caminho e trabalho.” John Cotton
  • 12. “Um cristão deveria seguir sua ocupação com contentamento. É favor singular de Deus a um homem que este possa atender à sua ocupação com contentamento e satisfação. Seu negócio neste assunto está entravado com quaisquer dificuldades ou inconveniências? O contentamento sob essas dificuldades não é parte pequena da sua homenagem àquele Deus que lhe colocou onde você está.” Cotton Mather
  • 13. O Conceito Puritano de Chamado ◦Pergunta: Se todos têm um chamado, como as pessoas podem saber para o que foram chamadas? ◦Os puritanos desenvolveram uma metodologia para determinar seu chamado sem mistificarem o processo;
  • 14. O Conceito Puritano de Chamado ◦Determinando seu chamado: ◦Dotes e inclinações internas; ◦Circunstâncias externas; ◦Conselho de pais, guardiões ou magistrados; ◦Circunstâncias naturais, a educação e os dons adquiridos.
  • 15. “Um cristão deveria seguir sua ocupação com contentamento. Um cristão não deveria ser muito ligeiro em abandonar seu chamado. Muitos homens, simplesmente por cobiça e por descontentamento, abandonam seus negócios.” Cotton Mather
  • 16. O Conceito Puritano de Chamado ◦Resumindo a ideia Puritana de chamado: ◦Providência de Deus; ◦Trabalho como resposta de um mordomo de Deus; ◦Contentamento com as tarefas pessoais; ◦Lealdade à vocação pessoal.
  • 17. A MOTIVAÇÃO E AS RECOMPENSAS DO TRABALHO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 18. A Motivação e as Recompensas ◦As recompensas do trabalho eram principalmente morais e espirituais; ◦William Perkins afirmou que o principal fim das nossas vidas é servir a Deus no serviço aos homens e nos afazeres de nossos chamados; ◦E quanto ao trabalho como fonte de renda?
  • 19. “Alguns homens talvez dirão: O que? Não devemos labutar nossos chamados para manter nossas famílias? Respondo: isto deve ser feito, embora não seja este o escopo e a finalidade de nossas vidas. A verdadeira finalidade de nossas vidas é prestar serviço a Deus no serviço ao homem.” William Perkins
  • 20. “Escolha aquele emprego ou chamado no qual você pode ser mais útil a Deus. Não escolha aquele no qual possa ser mais rico ou ilustre no mundo, mas aquele no qual possa fazer maior bem e manter-se longe de pecar.” Richard Baxter
  • 21. “Profanam suas vidas e chamados os que se aplicam à aquisição de honras, prazeres, benefícios, comodidades do mundo etc., pois assim vivemos para outro fim diferente do que Deus indicou, e desse modo servimos a nós mesmos, e, por conseguinte, nem servimos a Deus nem aos homens.” William Perkins
  • 22. A Motivação e as Recompensas ◦Sucesso é benção de Deus, não algo conquistado; ◦O estilo de vida puritano tendia a fazer as pessoas relativamente prósperas; ◦Os puritanos viam sua riqueza como um bem social, não como propriedade pessoal.

Notas do Editor

  1. Para nós, brasileiros, o movimento puritano é um desconhecido. Eles não fazem parte da nossa história, mas para a história norte americana, a história a Inglaterra, Escócia, Irlanda, e outros países europeus, eles são bem conhecidos. Existem algumas expressões que se tornaram comuns relacionadas a esse movimento, como por exemplo a frase “ética puritana”, ou a ética puritana no trabalho. Se falarmos isso para nós aqui, entenderemos como algo positivo, porém a expressão usada nesses países que mencionei essa expressão é sinônimo de vício em trabalho, competitividade, busca pelo sucesso profissional, escravos do emprego, etc.
  2. Durante séculos foi costume dividir o trabalho nessas duas categorias. Qual trabalho era sagrado? Os que eram feitos para fins religiosos. Quais trabalhos eram seculares? Todos os outros. Nós podemos ver essa mentalidade nas palavra de Eusébio de Cesaréia.
  3. Esse tipo de pensamento se tornou uma das principais características do catolicismo romano medieval. Isso foi exatamente o que os puritanos rejeitaram como ponto inicial do seu pensamento acerca do trabalho.
  4. Ninguém mais que Lutero derrubou essa ideia de que os monges e freiras tinham um trabalho mais santo do que a dona de casa e o comerciante. Calvino vai acrescentar peso para o argumento de Lutero, e os puritanos seguiram na mesma direção desses dois grandes teólogos. Você percebe essa ideia presente na mente dos Puritanos nas palavras de Tyndale. Como Tyndale, William Perkins disse que o trabalho de um pastor guardando ovelhas é tão bom diante de Deus do que a ação de um juiz ao sentenciar, de um magistrado ao regulamentar, ou de um ministro ao pregar. -
  5. - - Os puritanos gostavam de usar o exemplo de Cristo, que mesmo sendo o Salvador do mundo, o Rei acima de todo rei, não se envergonhou de ter trabalhado como marceneiro, uma tão simples ocupação. Eles diziam que Cristo, ao fazer isso, santificou todo o tipo de ocupações.
  6. John Cotton, foi um puritano que esteve entre os que migraram para os Estados Unidos, Massachussetts.
  7. Para os puritanos, toda a vida era de Deus, mesmo os atos mais simples, como um homem amar sua mulher e filhos, mesmo o varrer a casa ou guardar as ovelhas, tudo era uma forma de devoção religiosa a Deus. Eles diziam que um homem quando é chamado para ser cristão não deve rejeitar todos os empregos seculares e se dedicar completamente à oração e contemplação, mas deve se dedicar a ambos os chamados, seguindo àquele junto a esse.
  8. Seguir esse chamado é obedecer a Deus, o efeito disso é que esse pensamento torna o trabalho uma forma de corresponder a Deus. A ênfase puritana nessas doutrinas tornou fácil afirmar que todo cristão tem um chamado. O trabalho deixa de ser impessoal, o trabalho passar a ser um meio pelo qual uma pessoa vive a sua relação pessoal com Deus. Seja qual for o nosso trabalho, nós servimos à Cristo neles. Se o chamado de um cristão vem de Deus, então o cristão deve seguir a sua ocupação com contentamento, o senso de chamado leva o cristão ao contentamento.
  9. Cotton Mather, teve grande influência social e política na Inglaterra, também veio para os Estados Unidos.
  10. - -
  11. - - - - Eles acreditavam que se você estivesse na ocupação certa, Deus lhe equiparia para realizar o seu trabalho. Ex. cantor fanho.
  12. Coquei essa frase para mostrar o ponto final do conceito de chamado dos puritanos.
  13. Hoje o trabalho é visto como? Como o caminho para riquezas e posses, então o valor é conferido sob esta perspectiva. Para os puritanos o trabalho glorificava Deus e beneficiava a sociedade. Os puritanos seguiram essa linha, que o trabalho não era para o nosso benefício, mas para podermos beneficiar aos outros. Realmente o conceito bíblico de serviço, somos chamados como cristãos para servir, esse conceito é magnificamente transmitido para o trabalho, na visão dos puritanos. Para essa pergunta foi deixar os próprios puritanos responderem:
  14. Teólogo inglês bastante influente.
  15. Um dos líder do movimento puritano.
  16. Eles diziam que toda vez que a palavra “recompensa” passar pela nossa mente, devemos compreender que é a extrema grandeza da bondade divina em relação a nós. Que o homem de negócios nunca deveria dizer que seus próprios esforços foram os responsáveis pelo sucesso. Trabalho duro, simplicidade e baixo consumo = resultado prosperidade. Porém a diferença estava em como eles enxergavam a riqueza pessoal. Eles usavam os recursos em prol da sociedade, do bem comum.