SlideShare uma empresa Scribd logo
A HISTÓRIA DA
IGREJA
FILIPE NEVES
UM PANORAMA
HISTÓRICO
LEITURA
DATA: 05/08
HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO
 O judaísmo da dispersão e o mundo Greco romano - PÁGINAS 20-30
 A perseguição de Nero - PÁGINAS 52-58
HTC - HISTÓRIA DA TEOLOGIA CRISTÃ
 Clemente de Roma - PÁGINAS 41-43
FILIPE NEVES
GL 4.4
“vindo porém
a plenitude
do tempo,
Deus enviou
seu filho...”
Porque?
FILIPE NEVES
EXPANSÃO
FILIPE NEVES
UNIDADE POLÍTICA ROMANA
EXCELENTES
ESTRADAS
ROMA
FILIPE NEVES
GRÉCIA
A LÍNGUA GREGA
FILIPE NEVES
O ANTIGO
TESTAMENTO E O
JUDAISMO
SINAGOGAS
MONOTEÍSMO
A.T. COMO BASE
PARA O
EVANGELHO FILIPE NEVES
ONDE
ACONTECEU A
EXPANSÃO?
JERUSALÉ
M
ANTIOQUI
A
ROMA
FILIPE NEVES
PERSONAGENS DE DESTAQUE
Pedro – Roma
João – Ásia Menor
Tiago (João) - Tradição Espanhola
Tiago (Jesus) - Jerusalém
André - Ásia Menor e Grécia
Judas Tadeu - Pérsia
Mateus - Etiópia
Tomé – Índia
Filipe – Nações Bárbaras
Marcos – Egito
Simão – Jerusalém
Bartolomeu - Indianos
FILIPE NEVES
PERSONAGENS DE DESTAQUE
Clemente de
Roma
BISPO DE ROMA
FILIPE NEVES
PERSONAGENS DE DESTAQUE
Nero
IMPERADOR
ROMANO
FILIPE NEVES
PERSONAGENS DE DESTAQUE
Inácio
BISPO DE
ANTIOQUIA
FILIPE NEVES
O FATO QUE MARCOU A
HISTÓRIA DA IGREJA
Destruição do Templo de
Jerusalém
FILIPE NEVES
EXPANSÃO
FILIPE NEVES
OPOSIÇAO E
REAÇÃO
2° SÉCULO
FILIPE NEVES
RUMORES POPULARES
ENVOLVIMENTO COM ORGIAS
UNIÕES INCESTUOSAS
CANIBALISMO
FILIPE NEVES
DOUTRINAS ATACADAS
NATUREZA DE DEUS
NASCIMENTO VIRGINAL DE
JESUS
DIVINDADE DE JESUS
FILIPE NEVES
'ALEXÂMENES ADORA
A DEUS'
FILIPE NEVES
RESPEITO: “LONGE DE NÓS DIZER
QUE OS CRISTÃOS SEJAM HOMENS
HOMENS POSSUIDORES DE CULTURA
CULTURA OU SABEDORIA OU
CRÍTICA, SEU OBJETIVO É
CONVENCER APENAS AS PESSOAS
PESSOAS SEM VALOR E
DESPREZÍVEIS, IMBECIS, ESCRAVOS,
ESCRAVOS, MULHERES POBRES E
CRIANÇAS [...] ESSAS SÃO AS
ÚNICAS PESSOAS QUE ELES
CONSEGUEM TRANSFORMAR EM
CRENTES”
FILIPE NEVES
POR VOLTA DO ANO 250 D.C.
CERCA DE TRINTA MIL
CRISTÃOS VIVIAM EM ROMA! A
MAIORIA DELES VINHA DE
CLASSES MAIS POBRES [...] OS
CRISTÃOS FALAVAM EM GREGO,
A LÍNGUA DOS ESCRAVOS E
POBRES [...] DAS CLASSES MAIS
ELEVADAS, FALAVAM LATIM.
(SHELLEY, PP35)FILIPE NEVES
REAÇÃO DA
IGREJA
APOLOGISTAS
escritores cristãos do
século II que
procuravam defender
o cristianismo contra
oponentes pagãos.
FILIPE NEVES
REAÇÃO DA
IGREJA Acreditamos que nenhum
mal poderá ser feito, a
menos que sejamos
sentenciados malfeitores
ou comprovadamente
iníquos, e tu podes até
nos matar, mas não
ferir”.
Justino, o mártir na época do
martírio de Policarpo de Esmirna –FILIPE NEVES
QUAIS SÃO OS
ATAQUES EXTERNOS
NOS DIAS DE HOJE?
Igreja
moçambican
a
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 12/08
HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO
 O depósito da fé - PÁGINAS 95-108
SD – SERVOS DE DEUS
 IRINEU DE LION
FILIPE NEVES
TESTE
1. Qual o nome do período do século 2
2. Cite um rumor popular sobre os
cristãos
3. Cite uma doutrina cristã atacada pelos
incrédulos
4. Qual o nome daqueles que defendiam
a igreja dos ataques pagãos
FILIPE NEVES
PRIMEIRAS
HERESIAS
MONTANISM
O
MARCIONISM
O
GNOSTICISM FILIPE NEVES
GNOSTICISMO
“João fazia parte de
um grupo com
“ensinos secreto”
(Olson, 70)
- Tradição oral secreta
- Negavam a encarnação
- Excluíam a vida e a
morte história e física
de Jesus
FILIPE NEVES
REAÇÃO DA
IGREJA
POLEMISTAS
Pastores do século II
que procuravam
defender o
cristianismo contra as
heresias.
FILIPE NEVES
IRINEU DE LION
DEMONSTRAÇÃO
DA FÉ APOSTÓLICA
“O erro nunca se
apresenta em toda sua
nua crueza, a fim de não
ser descoberto. Antes
veste-se elegantemente,
para que os incautos
creiam que é mais
verdadeiro do que a FILIPE NEVES
PORQUE LUTAR
CONTRA A HERESIA
FILIPE NEVES
PORQUE LUTAR CONTRA A
HERESIA
“Se os gnóstivos tivessem vencido, os
cristãos teriam abandonado sua inestimável
herança do judaísmo. A robusta mensagem
do cristianismo para todos os homens ter-
se-ia reduzido a uma discussão de poucos,
e Cristo não seria mais o modelo humano,
o segundo Adão. Estaríamos perdidos entre
muitos deuses de misteriosas religiões”
(Shelley, 66)
A preocupação não é
intelectual é espiritual. A
preocupação não é FILIPE NEVES
O CREDO APOSTÓLICO
Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, Criador do
Céu e da terra.
Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso
Senhor, o qual foi concebido por obra do
Espírito Santo; nasceu da virgem Maria;
padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi
crucificado, morto e sepultado; ressurgiu dos
mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está
sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso,
donde há de vir para julgar os vivos e os
mortos.
Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja
Universal; na comunhão dos santos; na
remissão dos pecados; na ressurreição do FILIPE NEVES
O EPISCOPADO
SUCESSORES DOS
APÓSTOLOS
O PRIMEIRO ENTRE OS
IGUAIS (ROMA)
FILIPE NEVES
O CÂNON DO NT
FILIPE NEVES
O CÂNON DO
NT
•VERIFICAÇÃO HISTÓRICA
DE SUA AUTORIA
•INFLUÊNCIA APOSTÓLICA
•CONSCIÊNCIA UNIVERSAL
DA IGREJA DIRIGIDA PELO
ESPIRITO SANTO
FILIPE NEVES
Clemente de
Roma (+- 100
d.C)
Marcião (140
d.C)
Principais
Bispos e Pais
(170 d.C)
Atanásio
(373 d.C)
Concílio:
Hipona e
Cartago (393-
7 d.C.)
O livro “Os
profetas e
Apóstolos”
(Profetas AT
contrapondo
os apóstolos
do NT)
O primeiro a
definir um
livro para a
igreja, mas
por causa do
seu
entendimento
errado do AT e
dos judeus ele
editou as
cartas do
apóstolos,
inclusive de
Paulo.
Preocupando-
se em retirar
os “elementos
judaizantes”.
Continha
Cânon
muratório –
Alistava os
quatro
evangelhos,
Atos e os
demais livros
contidos no
NT, com
exceção de
Hebreus,
Tiago e 1 e
2Pedro. Mas,
acrescentava
“A sabedoria
de Salomão”.
Relacionou
com clareza
os 27 livros
do NT como
canônicos.
Definiu o
cânon do NT e
assim
consolidou-o
na igreja ao
longo dos
séculos.
FILIPE NEVES
3 SÉCULO -
PERSEGUIÇÃO
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO
Nero
Domicia
no
Trajan
o
Marc
o
Aurel
i
Séti
mo
Sever
o
Déci
o
Diocleci
ano
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 1°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 1°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 2°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 2°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 3°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 3°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HIST. DA PERSEGUIÇÃO – INÍCIO 4°
SÉC
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO
Nero
Domic
iano
Trajan
o
Marco
Auréli
o
Sétimo
Severo
Décio
Dioclecian
o
FILIPE NEVES
PERGUNTAS PARA PESQUISA
1. Quem eram os
“confessores”?
2. O que ficou
estabelecido no Sínodo
de Cartago em relação à
questão da restauração
dos caídos? FILIPE NEVES
O QUE DÉCIO ORDENOU?
• Todos deveriam ter um
“certificado” como prova de
sacrifício diante dos deuses e
queima de incenso diante da
estátua do Imperador
• Aqueles que não fizessem não
teriam o “certificado” e seriam
torturados.
FILIPE NEVES
CONFESSORES
• Aqueles que foram torturados por
não sacrificar diante dos deuses e
não queimar incenso diante da
estátua de César.
• Muitos terminaram no martírio,
mas os que sobreviveram foram
chamados de “Confessores”.
• “Os confessores” se tornaram uma
nova dignidade na igreja trazendoFILIPE NEVES
CAÍDOS
• Alguns sucumbiram diante da
perseguição
• Os caídos tinham graus diferentes:
alguns conseguiram o certificado
sem sacrificar outros conseguiram
mediante sacrifício.
• Diante do prestígio dos
“confessores” alguns pensavam que
eles tinha autoridade para restaurar
à comunhão da igreja os caídos.FILIPE NEVES
O QUE FAZER COM OS
CAÍDOS?• Alguns desejaram que os caídos fossem
admitidos imediatamente, baseados no seu
arrependimento
• Um sínodo (reunião dos bispos) foi convocado
por Cipriano de Cartago.
• Aqueles que haviam comprado e obtido
certificado podiam ser admitidos à comunhão
imediatamente se mostrassem arrependimento.
• Os que haviam sacrificado só seriam admitidos
no seu leito de morte.
• Os que haviam sacrificado e não se
arrependeram não seriam admitidos jamais.
• Os membros do Clero que haviam sacrificadoFILIPE NEVES
CIPRIANO DE CARTAGO
• Queira que a igreja estivesse de acordo em
tudo
• Por isso disse, sabendo que a igreja é o corpo
de Cristo, que “Fora da igreja não há salvação”
• Já que havia tido uma divisão na igreja por
causa do confessores Cipriano luta para manter
a unidade da igreja com esse sínodo.
• Apesar do sínodo, ainda houveram
controvérsias e a questão dos que pecavam
depois do seu batismo dividiu a igreja
ocidental. Diante das diversas ações com os
caídos surgiu todo o sistema penitencial. FILIPE NEVES
EDITO DE
TOLERÂNCIA
311 d.C
Em seu leito de morte
Galério concede
“perdão” aos cristãos
em troca deles
orarem para seu
Deus
abençoar Roma.
FILIPE NEVES
TESTE
1. QUAL O NOME DOS QUATRO PERÍODOS VISTO ATÉ
AGORA?
2. QUAL ERA O NOME DAQUELES CRISTÃOS
PERSEGUIDOS E TORTURADOS QUE NÃO QUEIMARAM
INCENSO AO IMPERADOR NEM OFERECERAM
SACRIFÍCIOS E CONSEQUENTEMENTE NÃO RECEBERAM
OS CERTIFICADOS DO IMPÉRIO?
3. QUAL O NOME DO IMPERADOR QUE FAVORECEU OS
CRISTÃOS E MUDOU A HISTÓRIA DO CRISTIANISMO?
4. CITE DUAS MUDANÇAS QUE OCORRERAM POR CAUSA
DA CONVERSÃO DO IMPERADOR?
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 09/09
HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO
CRISTIANISMO – A ERA DOS GIGANTES
O IMPACTO DE CONSTANTINO
PÁG 15-55 OU PAG 121
SD – SERVOS DE DEUS
ATÁNASIO DE ALEXANDRIA – PP 53
FILIPE NEVES
4º SÉC. | OFICIALIZAÇÃO |
FILIPE NEVES
Constantino
Este homem
dividiu a
história do
cristianismo
FILIPE NEVES
Batalha da Ponte
Mílvio
Constantino
X
Majêncio
FILIPE NEVES
“COM ESTE SINAL
VENCERÁS!”
Visão
autêntica
ou
oportunis
mo
político? “In hoc signoFILIPE NEVES
FILIPE NEVES
CONSTANTINO VENCE E ASSUME O IMPÉRIO
ROMANO!
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
"O imperador César Flávio Constantino, o
maior, piedoso, e abençoado Augusto:
porque ele, inspirado pela divindade, e (pela)
grandeza de sua mente, foi lançado a partir do
(contra o) tirano e todos os seus partidários,
enquanto seu exército e (venceu) somente pela força
das armas.
O Senado e Povo de Roma têm dedicado este arco (a)
você, decorado com triunfos ".
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
Cerca de
15% da
população
mundial
FILIPE NEVES
1. LEGALIZAÇÃO DO
CRISTIANISMO
Em 313, o agora, Imperador Constantino
legaliza o cristianismo no Império
através da promulgação do “Édito de
Milão”.
Agora o cristianismo é mais uma religião
aceita no Império.
FILIPE NEVES
OBSERVAÇÃO
Constantino não oficializou o
cristianismo, ele apenas legalizou.
Teodósio I (381) é quem oficializa a
religião cristã. Assim, com a
oficialização passa a ser a única religião
permitida no Império e as demais
passam a ser perseguidas. FILIPE NEVES
2. UNIÃO IGREJA-ESTADO
A Igreja que antes era perseguida agora
passa a ser “popular”.
A Igreja cristã passa a ser dos ricos e
poderosos.
FILIPE NEVES
2. UNIÃO IGREJA-ESTADO
Dá-se origem a Era Constantiniana.
A religião do Imperador passa a ser a
religião do povo.
 Este tipo de imposição da religião só será
interrompido em 1791 com a 1ª emenda (EUA) que
diz que o estado não pode mais interferir na religião
do povo.
FILIPE NEVES
3. A SEPARAÇÃO DO “DIA DO
SOL” COMO O DIA DE CULTO
O domingo passa a ser o dia de descanso e
culto.
Antes de 312 a igreja se reunia no
domingo, mas o domingo continuava sendo
um dia de trabalho normal, por isso os
cristãos se reuniam de madrugada antes do
trabalho.
FILIPE NEVES
4. O SUBSÍDIO DA IGREJA
PELO ESTADO
O Estado passa a bancar a Igreja.
O dízimo vai para o estado que repassa
para a Igreja.
O líder da igreja passa a ser um
funcionário público.
FILIPE NEVES
4. O SUBSÍDIO DA IGREJA
PELO ESTADO
Começa-se as construções das
pomposas basílicas – para que os ricos e
poderosos pudessem entrar e cultuar.
Afinal, o Imperador e os poderosos não
poderiam ir num lugar qualquer, ou na
casa se um qualquer.
FILIPE NEVES
A BASÍLICA DO SANTO SEPULCRO
FILIPE NEVES
5. ALTERAÇÃO DA LITURGIA
DO CULTO
A liturgia precisava de uma
reformulação.
O Imperador e os poderosos não
poderiam ficar ouvindo cânticos
entoados por pessoas não profissionais
e desafinadas.
FILIPE NEVES
5. ALTERAÇÃO DA LITURGIA
DO CULTO
Assim, a liturgia passa a necessitar de
grandes cantores e músicos contratados
pelo Estado.
A igreja para de cantar (até a Reforma),
pois quem cantava eram os coristas.
FILIPE NEVES
6. INTERFERÊNCIA ESTATAL
NAS DECISÕES TEOLÓGICAS
Quem assina as confissões de fé passa a
ser o Imperador.
O que os Imperadores decidissem era a
lei.
FILIPE NEVES
POR TUDO ISSO, PODEMOS
DIZER QUE:
Quando Constantino assume o Império
Romano nasce também a Igreja
Católica Imperial.
FILIPE NEVES
1. CEGA QUANTO AOS
FUTUROS PROBLEMAS
A igreja estava encantada com o que estava acontecendo.
Durante 300 anos os cristãos foram perseguidos, se
reuniram em casas, cemitérios… mas agora, eram aceitos, e
“abençoados” com os recursos do Império.
De fato, muitos teólogos começaram a pensar que já se
tratava da consumação do Reino de Deus na terra.
FILIPE NEVES
SURGIMENTO DO MONASTICISMO
Fuga do mundanismo
da igreja
Radical
Isolamento
Locais
mais procurados
FILIPE NEVES
PRINCIPAIS TEÓLOGOS DO SÉC. 4.
FILIPE NEVES
ATANÁSIO DE ALEXANDRIA
(293-373)
Bispo de
Alexandria.
FILIPE NEVES
AMBRÓSIO DE
MILÃO (340-
397)
Influenciou e encaminhou Agostinho na fé
cristã
FILIPE NEVES
JOÃO CRISÓSTOMO
(347-407)
Bispo de
Constantinopla.
FILIPE NEVES
séc. 4Questões teológicas
FILIPE NEVES
A
CONTROVÉRSI
AS NA IGREJA
Constantino
queria que a
igreja fosse “o
cimento do
império”, e por
isso qualquer
divisão nela
podia ameaçar a
unidade do
império. FILIPE NEVES
Ano
Disputa
Herege
Igreja
Nicéia
Constanti
nopla
Éfeso
Calce-
dônia
325 381 431 451
Cristo é
co-eterno
com o Pai?
Jesus=corpo
humano e
mente divina
qeotokos
Jesus= uma
única natu-
reza:divina
Ario Apolinário Nestorio Êutico
Arianos Igreja
nestoriana
Monofisitas
Armênia, etíope
Copta e síria
Vitalinos
CONCÍLIOS
FILIPE NEVES
ARIANISMO
Em 318 surge o Arianismo.
Ário era um presbítero em Alexandria. Sendo que o bispo
desta cidade era Alexandre.
A igreja de Alexandria contava ainda com uma diácono
chamado Atanásio.
Todos estes eram cristãos sinceros.
FILIPE NEVES
ARIANISMO
A igreja estava unida, indo
bem, mas um homem, Ário,
com boas intenções, tentando
explicar a trindade, vem com
uma tese herege, conhecida
FILIPE NEVES
ARIANISMO
Na tentativa de explicar a Trindade, Ário
propõe que Jesus era:
“criatura perfeita, criada antes
de todas as eras”
Com esta declaração a Igreja se divide.
FILIPE NEVES
ARIANISMO
Assim, em 325, Constantino convoca na
cidade de Nicéia (onde estava morando
provisoriamente) um Concílio.
Porém, Ário não poderia estar presente
pois não era bispo. Assim, Eusébio de
Nicomedia é convocado para defendê-lo.
FILIPE NEVES
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E
SER GERADO?
Criar = fazer – dar origem a algo de
natureza distinta.
Gerar = ser o pai de – dar origem a algo da
mesma natureza.
 O que o ser humano cria é uma estátua, mas gera
é um filho.
 O Deus cria não é divino, mas o que ele gera é.
FILIPE NEVES
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E
SER GERADO?
Texto 1 - Colossenses 1.15
Prototokos (primeiro gerado)
Protoktistos (primeiro criado)
Prototokos – dois sentidos:
 Literal – o primeiro a nascer (Lc 2.7)
 Figurado – o superior, o que tem a proeminência
(Rm 8.29; Cl 1.15; Hb 1.6; Ap 1.5)
FILIPE NEVES
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E
SER GERADO?
Texto 2 – Apocalipse 3.14
Princípio – αρχη
Primeiro no tempo, ordem ou lugar; Causa
prévia; Governante; Autoridade; Príncipe;
Esquina (ponto de partida)
Em Ap 3.14 devemos entender arche como a
origem da criação e não como o primeiro a ser
criado. FILIPE NEVES
Cremos em um Deus Pai Todo Poderoso, Criador de todas
as coisas visíveis e invisíveis. E em um só Jesus Cristo, o
Filho de Deus, gerado como o Unigênito do Pai, isto é, da
substância do Pai; Deus de Deus; Luz da luz; Deus
verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado não feito;
consubstancial com o Pai; mediante o qual todas as coisas
foram feitas, tanto as que estão nos céus como as que
estão na terra; que para nós humanos e para a nossa
salvação desceu e se fez carne, se fez homem, e sofreu, e
ressuscitou ao terceiro dia, e virá para julgar os vivos e os
mortos. Cremos no Espírito Santo. Aos que dizem, pois,
que houve quando o Filho não existia, e que antes de ser
concebido não existia, e que foi feito das coisas que não
são, ou que foi formado de outra substância ou essência,
ou que é uma criatura ou que é mutável ou variável, a
estes a igreja católica anematiza.
CREDO DE NICÉIA
FILIPE NEVES
“PERCA SUA
CABEÇA PARA
ENTENDER A
TRINDADE, PERCA
SUA ALMA SE
NEGAR A
TRINDADE”
FILIPE NEVES
Ano
Disputa
Herege
Igreja
Nicéia
Constanti
nopla
Éfeso
Calce-
dônia
325 381 431 451
Cristo é
co-eterno
com o Pai?
Jesus=corpo
humano e
mente divina
qeotokos
Jesus= uma
única natu-
reza:divina
Ario Apolinário Nestorio Êutico
Arianos Igreja
nestoriana
Monofisitas
Armênia, etíope
Copta e síria
Vitalinos
CONCÍLIOS
FILIPE NEVES
Nós cremos em um Deus, o Pai Todo Poderoso, criador do céu e
da terra e de todas as coisas visíveis e invisíveis.
E em um Senhor Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, gerado
do Pai Antes de todas as eras, luz de luz, verdadeiro Deus do
verdadeiro Deus, Gerado, não criado, de uma substância
(homoousios) com o Pai. Por Ele Todas as coisas foram feitas.
Por nós homens e para a nossa salvação Ele desceu dos céus, foi
feito carne do Espírito Santo e Maria, a virgem, e tornou-se
homem. Ele foi crucificado por nós sob Pôncio Pilatos, sofreu; e
foi sepultado. Ele ressuscitou novamente ao terceiro dia, de
acordo com As Escrituras e ascendeu aos céus. Ele assenta-se à
direita do Pai e virá novamente com glória para julgar os vivos e
os mortos. Seu reino não terá fim.
E no Espírito Santo, o Senhor e doador da vida, que procede do
Pai. Junto com o Pai e o Filho Ele é adorado e glorificado. Ele
falou através dos Profetas.
E em uma santa igreja católica e apostólica.
CREDO DE CONSTANTINOPLA
FILIPE NEVES
Ano
Disputa
Herege
Igreja
Nicéia
Constanti
nopla
Éfeso
Calce-
dônia
325 381 431 451
Cristo é
co-eterno
com o Pai?
Jesus=corpo
humano e
mente divina
qeotokos
Jesus= uma
única natu-
reza:divina
Ario Apolinário Nestorio Êutico
Arianos Igreja
nestoriana
Monofisitas
Armênia, etíope
Copta e síria
Vitalinos
CONCÍLIOS
FILIPE NEVES
Fórmula da União
Nós confessamos, portanto, que o nosso Senhor Jesus Cristo como unigênit
filho de Deus, é perfeito Deus e perfeito homem, consistindo de uma alma
acional e um corpo. Ele foi gerado do Pai antes de todas as eras, como Deu
e nos últimos dias, por nós e para a nossa salvação, ele foi gerado de Maria
irgem, como homem. Ele é de uma substância (homoousios) com o Pai, co
Deus, e de uma substância (homoousios) conosco, como homem. Porque h
ma união de duas naturezas e portanto, nós confessamos um Cristo, um Fil
um Senhor.
acordo com esta compreensão da união inconfundível, nós confessamos q
santa virgem é theotokos, porque Deus, o verbo foi encarnado e tornou-s
mem e desta concepção ele uniu-se a si mesmo no templo que recebeu de
FILIPE NEVES
Ano
Disputa
Herege
Igreja
Nicéia
Constanti
nopla
Éfeso
Calce-
dônia
325 381 431 451
Cristo é
co-eterno
com o Pai?
Jesus=corpo
humano e
mente divina
qeotokos
Jesus= uma
única natu-
reza:divina
Ario Apolinário Nestorio Êutico
Arianos Igreja
nestoriana
Monofisitas
Armênia, etíope
Copta e síria
Vitalinos
CONCÍLIOS
FILIPE NEVES
Credo de Fé de
Calcedônia
indo, pois, os santos Pais, ensinamos todos a uma voz que deve ser confessado um
esmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, o qual é perfeito em divindade e perfeito em
dade; verdadeiro Deus e verdadeiro homem, de alma racional e corpo; consubstan
o Pai de acordo com a divindade, e assim mesmo consubstancial conosco, de acord
humanidade; semelhante a nós em tudo, porém, sem pecado; gerado pelo Pai ante
culos de acordo com a divindade, e nos últimos dias, por nós e para a nossa salvaç
gem Maria,mãe de Deus (theotokos), segundo a humanidade; um e o mesmo Cristo
e Senhor Unigênito, em duas naturezas, sem confusão, sem mutação, sem divisão,
separação, sem que despareça a diferença das naturezas por causa da união, mas
ndo as propriedades de cada natureza, e unindo-as em uma pessoa e hipóstasis; n
ido ou partido em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho Unigênito, Deus Verbo e
or Jesus Cristo, como foi dito acerca dele pelos profetas de antigamente e o próprio
Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos Pais nos transmitiu.
FILIPE NEVES
O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO IV
FILIPE NEVES
O fato do século que definiu a história
Atanásio “fecha” o Cânon do NT
367
Existem, pois no Antigo Testamento, vinte e dois
livros… Não é tedioso falar novamente dos [livros]
do Novo Testamento. Estes são os quatro Evangelhos,
segundo Mateus, Marcos, Lucas e João. Em seguida, os
Atos dos Apóstolos e as sete Epístolas (chamadas
católicas) a saber, de Tiago, uma; de Pedro, duas, de
João, três; depois destas, uma de Judas. Além disso,
existem catorze epístolas de Paulo… E também o
Apocalipse de João.
39a. Carta das Festividades
FILIPE NEVES
TESTE
1. Quais foram os quatro
principais concílios?
2. Qual o nome do bispo que,
ano 367, confirmou quais eram
os livros do N.T.?
3. Qual é o erro doutrinário de
Ário?
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 23/09
HdC – HISTÓRIA DO CRISTIANISMO
AO ALCANCE DE TODOS
CAP 11, 12 E 14
FILIPE NEVES
TESTE – 5° SÉCULO
1. Qual o tema do 5° século?
2. Quem foi o primeiro PAPA?
3. Cite dois erros doutrinários
do 5° Século
4. Cite duas consequências das
invasões bárbaras
FILIPE NEVES
AMPLIAÇÃO DO
PODER DO PAPADO
6°
seculo
FILIPE NEVES
O MONASTICISMO
BENTO
DE
NÚRSIAFILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
HISTÓRIA DA IGREJA MEDIEVAL
SÉC. VII AO XVIFILIPE NEVES
RESUMO
OCIDENTE ORIENTE
Fortalecimento da Igreja
Católica – a Igreja
conseguirá a supremacia
sobre o Império
Perda de território para o
Islamismo
Igreja corrompida –
começam a surgir alguns
reformadores
Luta do Império pela
sobrevivência.
Rompimento definitivo da Igreja do Ocidente
com a Igreja do Oriente
FILIPE NEVES
7º SÉC. | A EXPANSÃO MUÇULMANA
FILIPE NEVES
O islamismo foi a última das três religiões monoteístas
do mundo.
Com seu surgimento e expansão a igreja do Oriente
sofre grandemente ao perder território para os
muçulmanos.
Isto vai enfraquecer a Igreja do Oriente.
A EXPANSÃO MUÇULMANA
FILIPE NEVES
Surge na península árabe com Maomé.
Maomé entra em contato com o cristianismo e judaísmo
através de uma viagem que faz à Síria e a Palestina
conhecendo assim o monoteísmo.
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
Em 610 sentiu o chamado divino para
proclamar o monoteísmo entre os árabes.
FILIPE NEVES
3 anos
pregando
• 12 convertidos
Fuga para
Medina
• Por se opor a idolatria, foi obrigado a fugir de
Meca (sua cidade natal) para Medina em 622.
622
• Ano da fuga para Medina e ano que marca o
início da ERA ISLÂMICA
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
FILIPE NEVES
Em Medina ele se casa com uma viúva muito rica e monta um
exército de mercenários.
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
A partir daí o poder de Maomé só aumenta e
ele começa a conquistar as cidades da Arábia.
FILIPE NEVES
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
•Maomé conquista Meca, tornando-
se, senhor de quase toda a Arábia.630
•Morte de Maomé
632
•O califa Omar assume a liderança
dos islâmicos.632
FILIPE NEVES
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
•a Síria é conquistada. Antioquia é
dominada pelos muçulmanos.635
•a Palestina é conquitada. Jerusalém
é dominada pelos muçulmanos.638
•o Egito é conquistado. Alexandria é
dominada pelos mulçumanos.642
FILIPE NEVES
SURGIMENTO DO ISLAMISMO
• a Pérsia (atual Irã) é conquistada.
652
• Cartago, no norte da África é conquitada.
695
• a Espanha é conquistada.
• Toda a península ibérica começa a ser
conquistada.
711
FILIPE NEVES
A EXPANSÃO DO
ISLAMISMO
63
5
63
8
630
642
652
695
711
FILIPE NEVES
O AVANÇO É REFREADOO Imperador,
Leão, o
Isaurico,
impede a
invasão ao
oriente do
continente
FILIPE NEVES
O AVANÇO É REFREADO
Carlos
Martel,
impede o
avanço
islâmico no
Ocidente.
FILIPE NEVES
O AVANÇO É REFREADO
732 – os exércitos
de Carlos Martelo
derrotam os
muçulmanos em
Tours, na Batalha de
Poitiers, e impedem
o avanço islâmico na
parte ocidental do FILIPE NEVES
É a principal fonte
da religião
muçulmana.
Esta obra é três
vezes maior que o
Novo Testamento.
Contém 114
capítulos.
O livro é repetitivo e
desorganizado. FILIPE NEVES
ALCORÃO
PRINCIPAIS PERSONAGENS DO SÉC. 7.
FILIPE NEVES
MAOMÉ
(570-
632)Fundador
do
Islâmism
o
FILIPE NEVES
OMAR
(586-644)
Grande líder e consquistador muçulmano
(634-644)
FILIPE NEVES
QUESTÕES TEOLÓGICAS DO SÉC. 7.
FILIPE NEVES
PRINCIPAIS DOUTRINAS
MUÇULMANAS
Crença numa única divindade, Alá – revelado no
Alcorão para Maomé.
Profetas: Abraão, Moisés e Cristo, sendo Maomé
o último e maior de todos.
Fatalismo – propõe uma submissão passiva à
vontade de Alá.
Após julgamento os homens gozarão um paraíso
sensual ou o horror do inferno.
FILIPE NEVES
CINCO PILARES DO ISLÃ
Confissão
de que
Alá é
Deus e
Maomé é
o seu
Profeta
Oração
Cinco
vezes por
dia com a
face
voltada
para
Meca.
Dar
esmolas
aos
pobres
Jejum
durante
o mês
do
Ramadã
Visita ao
menos
uma vez
na vida à
Meca
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
DIMENSÕES OPRESSIVAS DO
ISLÃ
Divórcio
Poligamia
Véu
FILIPE NEVES
CONSEQUÊNCIAS DO ISLAMISMO
FILIPE NEVES
1. ENFRAQUECIMENTO DA
IGREJA CRISTÃ DO ORIENTE
As principais Igreja cristãs do Oriente
(Jerusalém, Antioquia, Alexandria e
Cartago) deixam de pertencer ao
cristianismo, sorando apenas a igreja de
Constantinopla.
FILIPE NEVES
2. FORTALECIMENTO DE
ROMA E CONSTANTINOPLA
As duas últimas grandes sés do
cristianismo
FILIPE NEVES
3. AUMENTO DO PODER E
INFLUÊNCIA DO BISPO DE
ROMAA influência do bispo de Roma torna-se
ainda maior no Ocidente, pois o poder e a
influência da Igreja Oriental praticamente
desaparecem.
FILIPE NEVES
4. É DIVIDIDO NO SÉCULO VIII
EM DOIS GRUPOS
PRINCIPAIS:Os Xiitas e os Sunitas
FILIPE NEVES
5. O CRISTIANISMO DEIXA DE
SER UMA FÉ MEDITERRÂNEA E
VOLTADA PARA O ORIENTE
E passa a ser uma fé basicamente
europeia e voltada para o ocidente.
FILIPE NEVES
6. MAIS QUE UMA RELIGIÃO,
UMA CULTURA
Por onde se espalha leva seu conjunto de
valores culturais e leis.
FILIPE NEVES
O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO VII
FILIPE NEVES
CONSTRUÇÃO DA MESQUITA
DE OMAR (691)
A CONSTRUÇÃO DA
MESQUITA
IMPOSSIBILITOU
(IMPOSSIBILITA) A
RECONTRUÇÃO DO
TEMPLO EM JERUSALÉM.
FILIPE NEVES
LIÇÕES DO SÉC. VII
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
MAIS QUE UMA AMEAÇA, HOJE
UMA REALIDADE.
PRECISAMOS ESTAR PRONTOS
PARA PREGAR E DEFENDER O
EVANGELHO PARA OS
MUÇULMANOS…
FILIPE NEVES
TESTE
1. que fundou o islamismo?
2. Qual é o centro da sua
pregação?
3. Em que ano se inicia o
calendário islâmico?
4. Qual a consequência da
igreja do ocidente e do oriente?
FILIPE NEVES
TRABALHO FINAL
- ESCOLHER UM PERSONAGEM DA
IGREJA IMPORTANTE
- PESQUISA
- TÓPICOS
 HISTÓRIA – ESTUDOS, CIDADE ONDE NASCEU, FAMILIA,
ACONTECIMENTOS IMPORTANTES
 TEOLOGIA – QUAL FOI SUA GRANDE LUTA TEOLOGICA?
ENTENDA E INTERAJA.
 DEVOCIONAL – QUAIS ERAM SUAS PRÁTICAS
DEVOCIONAIS? HÁ REGISTROS?
 CONCLUSÃO: QUAIS SÃO AS IMPLICAÇÕES E
APLICAÇÕES PARA SUA VIDA?
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 28/10
HIC – HISTÓRIA ILUSTRADA DO
CRISTIANISMO
CAP 7 – SOB O REGIME DOS
CAROLÍNGIOS
HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO
ALCANCE DE TODOS
CAP. 18 E 19
FILIPE NEVES
A EXPANSÃO TERRITORIAL DO
PAPADO
8º
Século
FILIPE NEVES
Do séc. 5 a meados do séc. 8 não
houve no Ocidente algum governo civil
forte que impusesse a paz e a justiça.
O povos bárbaros que governavam
territórios no Ocidente nunca
conseguiram de fato se estabelecer
como liderança sólida.
O CONTEXTO POLÍTICO DA
EUROPA OCIDENTAL NO SÉC.
VIII
FILIPE NEVES
Mas em Roma, o líder da Igreja
continuava a ter seu poder e influência
em constante ascensão.
Porém, por maior que fosse a influência
do Bispo de Roma, este poder
continuava limitado a cidade de Roma.
O CONTEXTO POLÍTICO DA
EUROPA OCIDENTAL NO SÉC.
VIII
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
Rei Franco conquistador da Gália.
Se converte ao cristianismo em 496.
Clóvis dá início à:
O REINO DOS FRANCOS
CLÓVIS
(466-511)
Dinastia Merovíngia
FILIPE NEVES
Os sucessores de Clóvis não tinham habilidades
políticas.
Delegam o poder aos prefeitos do
Palácio.
O REINO DOS FRANCOS
A Dinastia Merovíngia
A Dinastia Carolíngia
FILIPE NEVES
Pepino de Heristal
Carlos Martelo
Pepino, o breve
O REINO DOS FRANCOS
A Dinastia MerovíngiaA Dinastia Carolíngia
FILIPE NEVES
O PAGAMENTO DA DÍVIDA
Quando Pepino, o breve, é rei
sobre os francos, os
lombardios invadem a cidade
de Roma.
O papa Estevão II pede ajuda
FILIPE NEVES
O PAGAMENTO DA DÍVIDA
Os francos derrotam os lombardios em
756 e tomam os territórios dominados
por eles na região central da Itália.
Estes territórios são doados ao Papa.
Para justificar o domínio dos territórios
o Papa propõe que o território fosse
dado à São Pedro. FILIPE NEVES
OS ESTADOS PAPAIS
Os papas romanos passam a administrar
um grande território.
Esta “doação” foi o fundamento dos
Estados Papais que o Papado Romano
manteve ininterrupto até a união da
Patrimônio de São Pedro
FILIPE NEVES
OS
ESTADOS
PAPAIS
De Roma à
Ravena
FILIPE NEVES
IS PERSONAGENS DO SÉC. 8.
FILIPE NEVES
CARLOS
MARTELO
(689-742)
Prefeito Franco (714-741) que derrotou
os muçulmanos
FILIPE NEVES
PEPINO, O BREVE (714-
758)
Rei franco
(741-758) que
faz a doação
dos Estados
Papais.
FILIPE NEVES
O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO VIII
FILIPE NEVES
A vitória de
Carlos martelo
impediu o
avanço e
provavelmente a
contista
muçulmana de
toda a Europa.
A VITÓRIA DE CARLOS
MARTELO
FILIPE NEVES
TESTE
1. Quais são as duas dinastias
importantes do século 8°?
2. Quem se proclamou Rei dos francos e
foi abençoado pelo Papa?
3. Qual foi o grande benefício que a
Igreja Catolica Apostolica Romana
recebeu?
4. Quem derrotou os muçulmanos
impedindo o avanço no ocidente?
FILIPE NEVES
CONSOLIDAÇÃO DO
PODER PAPAL
9°
século
FILIPE NEVES
O GOVERNO DE CARLOS
MAGNO
FILIPE NEVES
A COROAÇÃO DE CARLOS
MAGNO
No natal de 800, com
Carlos Magno ajoelhado
diante do altar, o papa
Leão III colocou a coroa
sobre a sua cabeça e o
declarou imperador dos
romanos. FILIPE NEVES
SUAS CONQUISTAS E
HISTÓRIA
FILIPE NEVES
OS PILARES DO REINADO DE
CARLOS MAGNO
 PODER MILITAR PARA
ESMAGAR SEUS INIMIGOS
 PODER RELIGIOSO PARA
DIRIGIR A ALMA DO SEU
POVO
 PODER INTELECTUAL PARA
INSTRUIR ALMA E MENTE
FILIPE NEVES
UM EXEMPLO DESSES
PILARES
Na conquista da
Saxônia construiu
monastérios e
promulgou leis
severas contra o
paganismo. Comer
carne durante a
Quaresma, cremar os
mortos e fingir que
eram batizados eram
ofensas punidas com
a morte.FILIPE NEVES
RENASCENÇA CAROLÍNGIA
FILIPE NEVES
O ESTABELECIMENTO DA
CRISTANDADE
O ideal simbolizado pela
cooperação entre Carlos Magno e o
papa Leão III foi uma visão
integrada da vida em que tudo - a
política, as práticas religiosas, as
relações econômicas e outras
questões – estava baseada na fé
cristã conforme transmitida pela
Igreja Católica Romana e protegida
pela ação dos governantes FILIPE NEVES
DEFINIÇÃO DE
CRISTANDADE
UNIÃO DOS INTERESSES
RELIGIOSOS E
INTERESSES
MUNDANOS.
FILIPE NEVES
CRISTANDADE
Na teoria medieval, a igreja e o
Estado eram dois aspectos da
cristandade; a primeira
representando a sociedade cristã
organizada para garantir as
bênçãos espirituais, o segundo
representando a mesma sociedade
unida para garantir justiça e bem-
estar. Teoricamente, igreja e Estado
viviam em interação harmoniosa,
cada parte com o propósito de FILIPE NEVES
O CONCEITO DE SALVAÇÃO
NO CONTEXTO DA
CRISTANDADE
Definição de Sacramento
segundo a Igreja Católica:
É algum rito instituído
por Cristo ou pela Igreja,
como sinal externo e
visível de uma graça
interna e invisível. FILIPE NEVES
O CONCEITO DE SALVAÇÃO
NO CONTEXTO DA
CRISTANDADE
Os sacramentos
atuavam em prol da
SALVAÇÃO dos que
delas participavam.
FILIPE NEVES
Ordenação: Sacramento para o sacerdócio
Extrema unção: Sacramento para a morte
Matrimônio: Sacramento para a formação da familia
Eucaristia: Sacramento para a nutrição espiritual
Penitência: Sacramento das confissões de pecados
Confirmação: Sacramento da maioridade
Batismo: Sacramento para o nascimento
FILIPE NEVES
PERSONAGENS DE
DESTAQUE
CARLOS MAGNO (742-
814)
LEÃO III (796-816)
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 28/10
HIC – HISTÓRIA ILUSTRADA DO
CRISTIANISMO
CAP 7 – SOB O REGIME DOS
CAROLÍNGIOS
O sistema feudal e a
atividade teológica – 152-
161 FILIPE NEVES
DETERIORAÇÃO DO
CRISTIANISMO
10° SÉCULO
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
A TERRA E NÃO
O DINHEIRO
VEIO A SER A
PRINCIPAL
FONTE DE
RIQUEZA. O
PROPÓSITO DE
TODO GRANDE
PROPRIETÁRIO
ERA
AUMENTAR AS
TERRAS.
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
VIKIN
GS
“UM
SÉCULO
ESCURO
DE FERRO
E
CHUMBO” FILIPE NEVES
REALIDADE DA IGREJA
DURANTE ESTE PERIODO
1. OS LIDERES RELIGIOSOS
PAPA NICOLAU I – UM PAPADO DE PODER (FALSOS
DECRETOS) EM BUSCA DA PAZ
“Se te declaras inocente do crime de adultério, pelo que
o papa Nicolau te excomungou, e prometes nunca mais
ter relações ilícitas com a malafamada Waldrada, então te
aproxima com fé, e toma este sacramento para remissão
dos teus pecados. Porém se estás pensando em voltar a
te revolveres no pecado de adultério, não o recebas, para
que não provoqueis o terrível juízo de Deus”
FILIPE NEVES
Os líderes
religiosos
A
sociedade
cristã
As
crenças
“cristãs”
FILIPE NEVES
REALIDADE DA IGREJA
DURANTE ESTE PERIODO
1. OS LIDERES RELIGIOSOS
A partir de Nicolau I os papas se
sucedem uns aos outros de maneira
muito rápida.
Não faltaram papas que foram
estrangulados ou morreram de fome na
prisão que os sucessores os colocaram.
Uma luta pelo poder.
Leitura HIC 180-181
FILIPE NEVES
OTTO – IMPERADOR
GERMÂNICO
FILIPE NEVES
VLADIMIR ADOTA O
CRISTIANISMO NA RUSSIA -
988
FILIPE NEVES
VLADIMIR ADOTA O
CRISTIANISMO NA RUSSIA -
988
FILIPE NEVES
1. QUAL O TEMA DO 9° E
10°SÉCULO?
2. CITE DOIS SACRAMENTOS
3. QUEM FOI O REI MAIS
IMPORTANTE DESSE
PERÍODO?
4. O QUE FOI O TRATADO DE
VERDUN?
5. QUAIS AS CLASSES DO
FEUDALISMO
6. QUAL O POVO BÁRBARO
QUE DOMINA SOBRE O ROMA
NO 10° SÉCULO? FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 11/11
HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO
ALCANCE DE TODOS
CAP. 20 21 22
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
REAÇÃO DA IGREJA
11° ao 13° SÉCULO
FILIPE NEVES
REFORMA MONÁSTICA
1. ORDEM CLUNIACENSE
2. ORDEM CISTIRCENSE
3. OS VALDENSES
(REFORMISTAS DA
REFORMA)
4. FRANCISCANOS
5. DOMINICANOS
FILIPE NEVES
VALDENSES
1. Criam na Bíblia como autoridade
absoluta
2. Rejeitavam cultos aos santos
3. Pregavam na língua do povo
4. Rejeitavam a confissão auricular
5. Aceitavam o Batismo e Ceia como
sacramentos
6. Ordenavam leigos para o
ministério FILIPE NEVES
SIMONIA
“COMPRA OU VENDA
DE OFÍCIO
RELIGIOSO (TERMO
ORIGINA-SE EM
SIMÃO – AT 8.9-25)
FILIPE NEVES
SIMONIA CELIBATO ECLESIÁSTICO
NEPOTISMO INVESTIDURA LEIGA
REFORMA
ECLESIÁSTICA
FILIPE NEVES
A REFORMA DO PAPADO
O iniciador (1049-
1054)
O maior reformador
(1073-1085)
FILIPE NEVES
REFORMA PAPAL DE –
GREGORIO VII
Teocracia – O papa como vice-regente de Deus
A Igreja Romana devia seus fundamentos a Deus
somente
Só o pontífice romano seria chamado de
universal
O papa tinha plena autoridade sobre todos os
bispos
Seus pés seriam beijados por todos os príncipes
O papa poderia depor imperadores
O papa poderia livrar pessoas de obediência aosFILIPE NEVES
INOCENCIO III
FILIPE NEVES
INQUISIÇÃO
FILIPE NEVES
INTERTIDO E EXCOMUNHÃO
FILIPE NEVES
REFORMA GEOGRÁFICA - AS
CRUZADAS
FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
“OS PAPAS NUNCA
CONSIDERARAM DUAS
VERDADES BÁSICAS DAS
QUAIS NÃO DEVEMOS NOS
ESQUECER JAMAIS: AS MAIS
ALTAS SATISFAÇÕES DO
CRISTIANISMO NÃO SÃO
GARANTIDAS PELA POSSE DE
LUGARES ESPECIAIS, E A
ESPADA NUNCA FOI A
MANEIRA QUE DEUS USOU
PARA AMPLIAR A IGREJA DE
CRISTO” SHELLEY FILIPE NEVES
REFORMA TEOLÓGICA -
ESCOLASTICISMO
FILIPE NEVES
O CISMA DO ORIENTE – 1054
FILIPE NEVES
LEITURA
DATA: 18/11
HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO
ALCANCE DE TODOS
CAP. 23
SD – John Wycliff
FILIPE NEVES
DIVISÃO DA
IGREJA
14°
SÉCULO
FILIPE NEVES
O CATIVEIRO “BABILÔNICO”
DA IGREJAFILIPE NEVES
INOCÊNCIO
III
Bonifácio VIII
Filipe, o Belo,
rei da França
Clemente V
Avignon
1309 até o
ano 1377
CATIVEIRO
BABILÔNICO
FILIPE NEVES
A HISTÓRIA DO DECLINIO DA
IDADE MÉDIA – 1300-1500
 Bonifácio VIII – “amplo e irrestrito perdão de todos os
pecados”
“Eu sou césar. Eu sou imperador” - “acumulando dinheiro infinito”
As pessoas estavam começando a se acostumar com a ideia
de nação
A terra começa a ser menos importante
Filipe, o Belo e Eduardo I – Taxar o clero dentro dos seus
domínios
Bonifácio – “Clericis laicos”
“Jesus Cristo, dizia ele, não deu autoridade temporal” –
Filipe, o Belo FILIPE NEVES
FILIPE NEVES
Gregório XI
Urbano VI
cardeais
Clemente
Avignon X Itália
Cardeais
O GRANDE CISMA DO OCIDEN
FILIPE NEVES
JOHN WYCLIFFE
FILIPE NEVES
UM MUNDO EM
TRANSFORMAÇÃO
15° SÉCULO
FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
IGREJA
 Os Místicos
“O misticismo foi uma reação contra a
tendência racionalista dos escolásticos.
Geralmente surgem movimentos que
enfatizam o relacionamento subjetivo do
homem com Deus como resposta a um
outro movimento que enfatiza o aspecto
intelectual ou racional.”
Catarina de
FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
IGREJA
 Os Pré-reformadores
Homens que tentaram fazer a
Igreja voltar ao ideal do Novo
Testamento.
Wycliffe, Huss e
Savonarola. FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
EUROPA ORIENTAL
 Situação da Igreja Ortodoxa
Grega
A Queda do Império Bizantino
O Surgimento da Igreja
Ortodoxa Russa
FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
EUROPA OCIDENTAL
 Os muçulmanos são expulsos
da Espanha
A Espanha descobre a América
Vasco da Gama descobre o
caminho para as Índias
FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
CULTURA
 RENASCENTISMO
Definição:
É o período de reorientação
cultural, entre 1350 e 1650, em
que os homens trocaram a
compreensão religiosa e
medieval da vida por uma visão
individualista, secular e
moderna. FILIPE NEVES
TRANSFORMAÇÃO NA
CULTURA
Como esta visão influenciou o homem medieval?
1. O homem deixou de ter uma visão teocêntrica da vida (Deus é o
centro de todas as coisas) para uma vida antropocêntrica (o homem
se torna o centro).
2. As classes médias urbanas (burguesia) tornaram-se mais
importantes do que a velha sociedade agrária do período feudal.
3. O comércio passou a ter mais importância do que a agricultura como
meio de subsistência.
4. Adotou-se uma forma humanista, otimista e experimental de ver as
coisas desta vida.
5. O homem não deixou de ser religioso, mas havia um divórcio entre a
vida religiosa e sua vida diária.
6. A espiritualidade passou para um plano secundário da religião
formal. FILIPE NEVES
O FIM DA IGREJA MEDIEVAL
FILIPE NEVES
O FATO QUE MARCOU O
SÉCULO
Gutenberg produz a 1° Bíblia
Impressa
1456
FILIPE NEVES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Depravação Total
Depravação TotalDepravação Total
Depravação Total
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)
Daniel Junior
 
Panorama do NT - 3João
Panorama do NT - 3JoãoPanorama do NT - 3João
Panorama do NT - 3João
Respirando Deus
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
RODRIGO FERREIRA
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
Daniel Junior
 
Atos
AtosAtos
Apostila historia da igreja denise - ibadep
Apostila historia da igreja   denise - ibadepApostila historia da igreja   denise - ibadep
Apostila historia da igreja denise - ibadep
Jaqueline Dias
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
UEPB
 
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Roberto Trindade
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
2º Aula de História da Igreja
2º Aula de História da Igreja2º Aula de História da Igreja
2º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 

Mais procurados (20)

Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Depravação Total
Depravação TotalDepravação Total
Depravação Total
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)Filipenses (Estudo 1)
Filipenses (Estudo 1)
 
Panorama do NT - 3João
Panorama do NT - 3JoãoPanorama do NT - 3João
Panorama do NT - 3João
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Apostila historia da igreja denise - ibadep
Apostila historia da igreja   denise - ibadepApostila historia da igreja   denise - ibadep
Apostila historia da igreja denise - ibadep
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
CURSO EETAD -
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
2º Aula de História da Igreja
2º Aula de História da Igreja2º Aula de História da Igreja
2º Aula de História da Igreja
 

Semelhante a A história da igreja cristã

Igreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdfIgreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdf
JammersonSoares2
 
Fiéis até o fim
Fiéis até o fimFiéis até o fim
Fiéis até o fim
Alípio Vallim
 
A igreja de jesus cristo
A igreja de jesus cristoA igreja de jesus cristo
A igreja de jesus cristo
Lia Porto
 
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIELLIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
Natalino das Neves Neves
 
Lição 01: Paulo e a Igreja em Filipos
Lição 01:  Paulo e a Igreja em FiliposLição 01:  Paulo e a Igreja em Filipos
Lição 01: Paulo e a Igreja em Filipos
João Paulo Silva Mendes
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
Pastor W. Costa
 
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
PIB Penha - SP
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
PIB Penha
 
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
PIB Penha - SP
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
PIB Penha
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade   aula 01Mediunidade   aula 01
Mediunidade aula 01
Augusto Luvisotto
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
PIB Penha - SP
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01
Mauricio Borges
 
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus CristoProvas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Eder L. Souza
 
A Conversão de Paulo
A Conversão de PauloA Conversão de Paulo
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
PIB Penha - SP
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
Natalino das Neves Neves
 
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptxHISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
JesusManuelNinachoqu
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
PIB Penha - SP
 

Semelhante a A história da igreja cristã (20)

Igreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdfIgreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdf
 
Fiéis até o fim
Fiéis até o fimFiéis até o fim
Fiéis até o fim
 
A igreja de jesus cristo
A igreja de jesus cristoA igreja de jesus cristo
A igreja de jesus cristo
 
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIELLIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
LIÇÃO 13 - O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
 
Lição 01: Paulo e a Igreja em Filipos
Lição 01:  Paulo e a Igreja em FiliposLição 01:  Paulo e a Igreja em Filipos
Lição 01: Paulo e a Igreja em Filipos
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
 
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
9 - O Cristianismo na idade media 1- as Cruzadas.pptx
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade   aula 01Mediunidade   aula 01
Mediunidade aula 01
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01
 
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus CristoProvas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
Provas extra bíblicas da existência de Jesus Cristo
 
A Conversão de Paulo
A Conversão de PauloA Conversão de Paulo
A Conversão de Paulo
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
 
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptxHISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
HISTÓRIA DA IGREJA 2.pptx
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
 

Último

Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 

Último (20)

Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 

A história da igreja cristã

  • 1. A HISTÓRIA DA IGREJA FILIPE NEVES UM PANORAMA HISTÓRICO
  • 2. LEITURA DATA: 05/08 HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO  O judaísmo da dispersão e o mundo Greco romano - PÁGINAS 20-30  A perseguição de Nero - PÁGINAS 52-58 HTC - HISTÓRIA DA TEOLOGIA CRISTÃ  Clemente de Roma - PÁGINAS 41-43 FILIPE NEVES
  • 3. GL 4.4 “vindo porém a plenitude do tempo, Deus enviou seu filho...” Porque? FILIPE NEVES
  • 7. O ANTIGO TESTAMENTO E O JUDAISMO SINAGOGAS MONOTEÍSMO A.T. COMO BASE PARA O EVANGELHO FILIPE NEVES
  • 9. PERSONAGENS DE DESTAQUE Pedro – Roma João – Ásia Menor Tiago (João) - Tradição Espanhola Tiago (Jesus) - Jerusalém André - Ásia Menor e Grécia Judas Tadeu - Pérsia Mateus - Etiópia Tomé – Índia Filipe – Nações Bárbaras Marcos – Egito Simão – Jerusalém Bartolomeu - Indianos FILIPE NEVES
  • 10. PERSONAGENS DE DESTAQUE Clemente de Roma BISPO DE ROMA FILIPE NEVES
  • 12. PERSONAGENS DE DESTAQUE Inácio BISPO DE ANTIOQUIA FILIPE NEVES
  • 13. O FATO QUE MARCOU A HISTÓRIA DA IGREJA Destruição do Templo de Jerusalém FILIPE NEVES
  • 16. RUMORES POPULARES ENVOLVIMENTO COM ORGIAS UNIÕES INCESTUOSAS CANIBALISMO FILIPE NEVES
  • 17. DOUTRINAS ATACADAS NATUREZA DE DEUS NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS DIVINDADE DE JESUS FILIPE NEVES
  • 19. RESPEITO: “LONGE DE NÓS DIZER QUE OS CRISTÃOS SEJAM HOMENS HOMENS POSSUIDORES DE CULTURA CULTURA OU SABEDORIA OU CRÍTICA, SEU OBJETIVO É CONVENCER APENAS AS PESSOAS PESSOAS SEM VALOR E DESPREZÍVEIS, IMBECIS, ESCRAVOS, ESCRAVOS, MULHERES POBRES E CRIANÇAS [...] ESSAS SÃO AS ÚNICAS PESSOAS QUE ELES CONSEGUEM TRANSFORMAR EM CRENTES” FILIPE NEVES
  • 20. POR VOLTA DO ANO 250 D.C. CERCA DE TRINTA MIL CRISTÃOS VIVIAM EM ROMA! A MAIORIA DELES VINHA DE CLASSES MAIS POBRES [...] OS CRISTÃOS FALAVAM EM GREGO, A LÍNGUA DOS ESCRAVOS E POBRES [...] DAS CLASSES MAIS ELEVADAS, FALAVAM LATIM. (SHELLEY, PP35)FILIPE NEVES
  • 21. REAÇÃO DA IGREJA APOLOGISTAS escritores cristãos do século II que procuravam defender o cristianismo contra oponentes pagãos. FILIPE NEVES
  • 22. REAÇÃO DA IGREJA Acreditamos que nenhum mal poderá ser feito, a menos que sejamos sentenciados malfeitores ou comprovadamente iníquos, e tu podes até nos matar, mas não ferir”. Justino, o mártir na época do martírio de Policarpo de Esmirna –FILIPE NEVES
  • 23. QUAIS SÃO OS ATAQUES EXTERNOS NOS DIAS DE HOJE? Igreja moçambican a FILIPE NEVES
  • 24. LEITURA DATA: 12/08 HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO  O depósito da fé - PÁGINAS 95-108 SD – SERVOS DE DEUS  IRINEU DE LION FILIPE NEVES
  • 25. TESTE 1. Qual o nome do período do século 2 2. Cite um rumor popular sobre os cristãos 3. Cite uma doutrina cristã atacada pelos incrédulos 4. Qual o nome daqueles que defendiam a igreja dos ataques pagãos FILIPE NEVES
  • 27. GNOSTICISMO “João fazia parte de um grupo com “ensinos secreto” (Olson, 70) - Tradição oral secreta - Negavam a encarnação - Excluíam a vida e a morte história e física de Jesus FILIPE NEVES
  • 28. REAÇÃO DA IGREJA POLEMISTAS Pastores do século II que procuravam defender o cristianismo contra as heresias. FILIPE NEVES
  • 29. IRINEU DE LION DEMONSTRAÇÃO DA FÉ APOSTÓLICA “O erro nunca se apresenta em toda sua nua crueza, a fim de não ser descoberto. Antes veste-se elegantemente, para que os incautos creiam que é mais verdadeiro do que a FILIPE NEVES
  • 30. PORQUE LUTAR CONTRA A HERESIA FILIPE NEVES
  • 31. PORQUE LUTAR CONTRA A HERESIA “Se os gnóstivos tivessem vencido, os cristãos teriam abandonado sua inestimável herança do judaísmo. A robusta mensagem do cristianismo para todos os homens ter- se-ia reduzido a uma discussão de poucos, e Cristo não seria mais o modelo humano, o segundo Adão. Estaríamos perdidos entre muitos deuses de misteriosas religiões” (Shelley, 66) A preocupação não é intelectual é espiritual. A preocupação não é FILIPE NEVES
  • 32. O CREDO APOSTÓLICO Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, Criador do Céu e da terra. Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do FILIPE NEVES
  • 33. O EPISCOPADO SUCESSORES DOS APÓSTOLOS O PRIMEIRO ENTRE OS IGUAIS (ROMA) FILIPE NEVES
  • 34. O CÂNON DO NT FILIPE NEVES
  • 35. O CÂNON DO NT •VERIFICAÇÃO HISTÓRICA DE SUA AUTORIA •INFLUÊNCIA APOSTÓLICA •CONSCIÊNCIA UNIVERSAL DA IGREJA DIRIGIDA PELO ESPIRITO SANTO FILIPE NEVES
  • 36. Clemente de Roma (+- 100 d.C) Marcião (140 d.C) Principais Bispos e Pais (170 d.C) Atanásio (373 d.C) Concílio: Hipona e Cartago (393- 7 d.C.) O livro “Os profetas e Apóstolos” (Profetas AT contrapondo os apóstolos do NT) O primeiro a definir um livro para a igreja, mas por causa do seu entendimento errado do AT e dos judeus ele editou as cartas do apóstolos, inclusive de Paulo. Preocupando- se em retirar os “elementos judaizantes”. Continha Cânon muratório – Alistava os quatro evangelhos, Atos e os demais livros contidos no NT, com exceção de Hebreus, Tiago e 1 e 2Pedro. Mas, acrescentava “A sabedoria de Salomão”. Relacionou com clareza os 27 livros do NT como canônicos. Definiu o cânon do NT e assim consolidou-o na igreja ao longo dos séculos. FILIPE NEVES
  • 39. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 1° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 40. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 1° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 41. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 2° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 42. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 2° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 43. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 3° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 44. HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO – 3° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 45. HIST. DA PERSEGUIÇÃO – INÍCIO 4° SÉC Nero Domic iano Trajan o Marco Auréli o Sétimo Severo Décio Dioclecian o FILIPE NEVES
  • 47. PERGUNTAS PARA PESQUISA 1. Quem eram os “confessores”? 2. O que ficou estabelecido no Sínodo de Cartago em relação à questão da restauração dos caídos? FILIPE NEVES
  • 48. O QUE DÉCIO ORDENOU? • Todos deveriam ter um “certificado” como prova de sacrifício diante dos deuses e queima de incenso diante da estátua do Imperador • Aqueles que não fizessem não teriam o “certificado” e seriam torturados. FILIPE NEVES
  • 49. CONFESSORES • Aqueles que foram torturados por não sacrificar diante dos deuses e não queimar incenso diante da estátua de César. • Muitos terminaram no martírio, mas os que sobreviveram foram chamados de “Confessores”. • “Os confessores” se tornaram uma nova dignidade na igreja trazendoFILIPE NEVES
  • 50. CAÍDOS • Alguns sucumbiram diante da perseguição • Os caídos tinham graus diferentes: alguns conseguiram o certificado sem sacrificar outros conseguiram mediante sacrifício. • Diante do prestígio dos “confessores” alguns pensavam que eles tinha autoridade para restaurar à comunhão da igreja os caídos.FILIPE NEVES
  • 51. O QUE FAZER COM OS CAÍDOS?• Alguns desejaram que os caídos fossem admitidos imediatamente, baseados no seu arrependimento • Um sínodo (reunião dos bispos) foi convocado por Cipriano de Cartago. • Aqueles que haviam comprado e obtido certificado podiam ser admitidos à comunhão imediatamente se mostrassem arrependimento. • Os que haviam sacrificado só seriam admitidos no seu leito de morte. • Os que haviam sacrificado e não se arrependeram não seriam admitidos jamais. • Os membros do Clero que haviam sacrificadoFILIPE NEVES
  • 52. CIPRIANO DE CARTAGO • Queira que a igreja estivesse de acordo em tudo • Por isso disse, sabendo que a igreja é o corpo de Cristo, que “Fora da igreja não há salvação” • Já que havia tido uma divisão na igreja por causa do confessores Cipriano luta para manter a unidade da igreja com esse sínodo. • Apesar do sínodo, ainda houveram controvérsias e a questão dos que pecavam depois do seu batismo dividiu a igreja ocidental. Diante das diversas ações com os caídos surgiu todo o sistema penitencial. FILIPE NEVES
  • 53. EDITO DE TOLERÂNCIA 311 d.C Em seu leito de morte Galério concede “perdão” aos cristãos em troca deles orarem para seu Deus abençoar Roma. FILIPE NEVES
  • 54. TESTE 1. QUAL O NOME DOS QUATRO PERÍODOS VISTO ATÉ AGORA? 2. QUAL ERA O NOME DAQUELES CRISTÃOS PERSEGUIDOS E TORTURADOS QUE NÃO QUEIMARAM INCENSO AO IMPERADOR NEM OFERECERAM SACRIFÍCIOS E CONSEQUENTEMENTE NÃO RECEBERAM OS CERTIFICADOS DO IMPÉRIO? 3. QUAL O NOME DO IMPERADOR QUE FAVORECEU OS CRISTÃOS E MUDOU A HISTÓRIA DO CRISTIANISMO? 4. CITE DUAS MUDANÇAS QUE OCORRERAM POR CAUSA DA CONVERSÃO DO IMPERADOR? FILIPE NEVES
  • 55. LEITURA DATA: 09/09 HIC - HITÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO – A ERA DOS GIGANTES O IMPACTO DE CONSTANTINO PÁG 15-55 OU PAG 121 SD – SERVOS DE DEUS ATÁNASIO DE ALEXANDRIA – PP 53 FILIPE NEVES
  • 56. 4º SÉC. | OFICIALIZAÇÃO | FILIPE NEVES
  • 57. Constantino Este homem dividiu a história do cristianismo FILIPE NEVES
  • 61. CONSTANTINO VENCE E ASSUME O IMPÉRIO ROMANO! FILIPE NEVES
  • 64. "O imperador César Flávio Constantino, o maior, piedoso, e abençoado Augusto: porque ele, inspirado pela divindade, e (pela) grandeza de sua mente, foi lançado a partir do (contra o) tirano e todos os seus partidários, enquanto seu exército e (venceu) somente pela força das armas. O Senado e Povo de Roma têm dedicado este arco (a) você, decorado com triunfos ". FILIPE NEVES
  • 67. 1. LEGALIZAÇÃO DO CRISTIANISMO Em 313, o agora, Imperador Constantino legaliza o cristianismo no Império através da promulgação do “Édito de Milão”. Agora o cristianismo é mais uma religião aceita no Império. FILIPE NEVES
  • 68. OBSERVAÇÃO Constantino não oficializou o cristianismo, ele apenas legalizou. Teodósio I (381) é quem oficializa a religião cristã. Assim, com a oficialização passa a ser a única religião permitida no Império e as demais passam a ser perseguidas. FILIPE NEVES
  • 69. 2. UNIÃO IGREJA-ESTADO A Igreja que antes era perseguida agora passa a ser “popular”. A Igreja cristã passa a ser dos ricos e poderosos. FILIPE NEVES
  • 70. 2. UNIÃO IGREJA-ESTADO Dá-se origem a Era Constantiniana. A religião do Imperador passa a ser a religião do povo.  Este tipo de imposição da religião só será interrompido em 1791 com a 1ª emenda (EUA) que diz que o estado não pode mais interferir na religião do povo. FILIPE NEVES
  • 71. 3. A SEPARAÇÃO DO “DIA DO SOL” COMO O DIA DE CULTO O domingo passa a ser o dia de descanso e culto. Antes de 312 a igreja se reunia no domingo, mas o domingo continuava sendo um dia de trabalho normal, por isso os cristãos se reuniam de madrugada antes do trabalho. FILIPE NEVES
  • 72. 4. O SUBSÍDIO DA IGREJA PELO ESTADO O Estado passa a bancar a Igreja. O dízimo vai para o estado que repassa para a Igreja. O líder da igreja passa a ser um funcionário público. FILIPE NEVES
  • 73. 4. O SUBSÍDIO DA IGREJA PELO ESTADO Começa-se as construções das pomposas basílicas – para que os ricos e poderosos pudessem entrar e cultuar. Afinal, o Imperador e os poderosos não poderiam ir num lugar qualquer, ou na casa se um qualquer. FILIPE NEVES
  • 74. A BASÍLICA DO SANTO SEPULCRO FILIPE NEVES
  • 75. 5. ALTERAÇÃO DA LITURGIA DO CULTO A liturgia precisava de uma reformulação. O Imperador e os poderosos não poderiam ficar ouvindo cânticos entoados por pessoas não profissionais e desafinadas. FILIPE NEVES
  • 76. 5. ALTERAÇÃO DA LITURGIA DO CULTO Assim, a liturgia passa a necessitar de grandes cantores e músicos contratados pelo Estado. A igreja para de cantar (até a Reforma), pois quem cantava eram os coristas. FILIPE NEVES
  • 77. 6. INTERFERÊNCIA ESTATAL NAS DECISÕES TEOLÓGICAS Quem assina as confissões de fé passa a ser o Imperador. O que os Imperadores decidissem era a lei. FILIPE NEVES
  • 78. POR TUDO ISSO, PODEMOS DIZER QUE: Quando Constantino assume o Império Romano nasce também a Igreja Católica Imperial. FILIPE NEVES
  • 79. 1. CEGA QUANTO AOS FUTUROS PROBLEMAS A igreja estava encantada com o que estava acontecendo. Durante 300 anos os cristãos foram perseguidos, se reuniram em casas, cemitérios… mas agora, eram aceitos, e “abençoados” com os recursos do Império. De fato, muitos teólogos começaram a pensar que já se tratava da consumação do Reino de Deus na terra. FILIPE NEVES
  • 80. SURGIMENTO DO MONASTICISMO Fuga do mundanismo da igreja Radical Isolamento Locais mais procurados FILIPE NEVES
  • 81. PRINCIPAIS TEÓLOGOS DO SÉC. 4. FILIPE NEVES
  • 82. ATANÁSIO DE ALEXANDRIA (293-373) Bispo de Alexandria. FILIPE NEVES
  • 83. AMBRÓSIO DE MILÃO (340- 397) Influenciou e encaminhou Agostinho na fé cristã FILIPE NEVES
  • 86. A CONTROVÉRSI AS NA IGREJA Constantino queria que a igreja fosse “o cimento do império”, e por isso qualquer divisão nela podia ameaçar a unidade do império. FILIPE NEVES
  • 87. Ano Disputa Herege Igreja Nicéia Constanti nopla Éfeso Calce- dônia 325 381 431 451 Cristo é co-eterno com o Pai? Jesus=corpo humano e mente divina qeotokos Jesus= uma única natu- reza:divina Ario Apolinário Nestorio Êutico Arianos Igreja nestoriana Monofisitas Armênia, etíope Copta e síria Vitalinos CONCÍLIOS FILIPE NEVES
  • 88. ARIANISMO Em 318 surge o Arianismo. Ário era um presbítero em Alexandria. Sendo que o bispo desta cidade era Alexandre. A igreja de Alexandria contava ainda com uma diácono chamado Atanásio. Todos estes eram cristãos sinceros. FILIPE NEVES
  • 89. ARIANISMO A igreja estava unida, indo bem, mas um homem, Ário, com boas intenções, tentando explicar a trindade, vem com uma tese herege, conhecida FILIPE NEVES
  • 90. ARIANISMO Na tentativa de explicar a Trindade, Ário propõe que Jesus era: “criatura perfeita, criada antes de todas as eras” Com esta declaração a Igreja se divide. FILIPE NEVES
  • 91. ARIANISMO Assim, em 325, Constantino convoca na cidade de Nicéia (onde estava morando provisoriamente) um Concílio. Porém, Ário não poderia estar presente pois não era bispo. Assim, Eusébio de Nicomedia é convocado para defendê-lo. FILIPE NEVES
  • 92. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E SER GERADO? Criar = fazer – dar origem a algo de natureza distinta. Gerar = ser o pai de – dar origem a algo da mesma natureza.  O que o ser humano cria é uma estátua, mas gera é um filho.  O Deus cria não é divino, mas o que ele gera é. FILIPE NEVES
  • 93. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E SER GERADO? Texto 1 - Colossenses 1.15 Prototokos (primeiro gerado) Protoktistos (primeiro criado) Prototokos – dois sentidos:  Literal – o primeiro a nascer (Lc 2.7)  Figurado – o superior, o que tem a proeminência (Rm 8.29; Cl 1.15; Hb 1.6; Ap 1.5) FILIPE NEVES
  • 94. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SER CRIADO E SER GERADO? Texto 2 – Apocalipse 3.14 Princípio – αρχη Primeiro no tempo, ordem ou lugar; Causa prévia; Governante; Autoridade; Príncipe; Esquina (ponto de partida) Em Ap 3.14 devemos entender arche como a origem da criação e não como o primeiro a ser criado. FILIPE NEVES
  • 95. Cremos em um Deus Pai Todo Poderoso, Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em um só Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado como o Unigênito do Pai, isto é, da substância do Pai; Deus de Deus; Luz da luz; Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado não feito; consubstancial com o Pai; mediante o qual todas as coisas foram feitas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra; que para nós humanos e para a nossa salvação desceu e se fez carne, se fez homem, e sofreu, e ressuscitou ao terceiro dia, e virá para julgar os vivos e os mortos. Cremos no Espírito Santo. Aos que dizem, pois, que houve quando o Filho não existia, e que antes de ser concebido não existia, e que foi feito das coisas que não são, ou que foi formado de outra substância ou essência, ou que é uma criatura ou que é mutável ou variável, a estes a igreja católica anematiza. CREDO DE NICÉIA FILIPE NEVES
  • 96. “PERCA SUA CABEÇA PARA ENTENDER A TRINDADE, PERCA SUA ALMA SE NEGAR A TRINDADE” FILIPE NEVES
  • 97. Ano Disputa Herege Igreja Nicéia Constanti nopla Éfeso Calce- dônia 325 381 431 451 Cristo é co-eterno com o Pai? Jesus=corpo humano e mente divina qeotokos Jesus= uma única natu- reza:divina Ario Apolinário Nestorio Êutico Arianos Igreja nestoriana Monofisitas Armênia, etíope Copta e síria Vitalinos CONCÍLIOS FILIPE NEVES
  • 98. Nós cremos em um Deus, o Pai Todo Poderoso, criador do céu e da terra e de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em um Senhor Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, gerado do Pai Antes de todas as eras, luz de luz, verdadeiro Deus do verdadeiro Deus, Gerado, não criado, de uma substância (homoousios) com o Pai. Por Ele Todas as coisas foram feitas. Por nós homens e para a nossa salvação Ele desceu dos céus, foi feito carne do Espírito Santo e Maria, a virgem, e tornou-se homem. Ele foi crucificado por nós sob Pôncio Pilatos, sofreu; e foi sepultado. Ele ressuscitou novamente ao terceiro dia, de acordo com As Escrituras e ascendeu aos céus. Ele assenta-se à direita do Pai e virá novamente com glória para julgar os vivos e os mortos. Seu reino não terá fim. E no Espírito Santo, o Senhor e doador da vida, que procede do Pai. Junto com o Pai e o Filho Ele é adorado e glorificado. Ele falou através dos Profetas. E em uma santa igreja católica e apostólica. CREDO DE CONSTANTINOPLA FILIPE NEVES
  • 99. Ano Disputa Herege Igreja Nicéia Constanti nopla Éfeso Calce- dônia 325 381 431 451 Cristo é co-eterno com o Pai? Jesus=corpo humano e mente divina qeotokos Jesus= uma única natu- reza:divina Ario Apolinário Nestorio Êutico Arianos Igreja nestoriana Monofisitas Armênia, etíope Copta e síria Vitalinos CONCÍLIOS FILIPE NEVES
  • 100. Fórmula da União Nós confessamos, portanto, que o nosso Senhor Jesus Cristo como unigênit filho de Deus, é perfeito Deus e perfeito homem, consistindo de uma alma acional e um corpo. Ele foi gerado do Pai antes de todas as eras, como Deu e nos últimos dias, por nós e para a nossa salvação, ele foi gerado de Maria irgem, como homem. Ele é de uma substância (homoousios) com o Pai, co Deus, e de uma substância (homoousios) conosco, como homem. Porque h ma união de duas naturezas e portanto, nós confessamos um Cristo, um Fil um Senhor. acordo com esta compreensão da união inconfundível, nós confessamos q santa virgem é theotokos, porque Deus, o verbo foi encarnado e tornou-s mem e desta concepção ele uniu-se a si mesmo no templo que recebeu de FILIPE NEVES
  • 101. Ano Disputa Herege Igreja Nicéia Constanti nopla Éfeso Calce- dônia 325 381 431 451 Cristo é co-eterno com o Pai? Jesus=corpo humano e mente divina qeotokos Jesus= uma única natu- reza:divina Ario Apolinário Nestorio Êutico Arianos Igreja nestoriana Monofisitas Armênia, etíope Copta e síria Vitalinos CONCÍLIOS FILIPE NEVES
  • 102. Credo de Fé de Calcedônia indo, pois, os santos Pais, ensinamos todos a uma voz que deve ser confessado um esmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, o qual é perfeito em divindade e perfeito em dade; verdadeiro Deus e verdadeiro homem, de alma racional e corpo; consubstan o Pai de acordo com a divindade, e assim mesmo consubstancial conosco, de acord humanidade; semelhante a nós em tudo, porém, sem pecado; gerado pelo Pai ante culos de acordo com a divindade, e nos últimos dias, por nós e para a nossa salvaç gem Maria,mãe de Deus (theotokos), segundo a humanidade; um e o mesmo Cristo e Senhor Unigênito, em duas naturezas, sem confusão, sem mutação, sem divisão, separação, sem que despareça a diferença das naturezas por causa da união, mas ndo as propriedades de cada natureza, e unindo-as em uma pessoa e hipóstasis; n ido ou partido em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho Unigênito, Deus Verbo e or Jesus Cristo, como foi dito acerca dele pelos profetas de antigamente e o próprio Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos Pais nos transmitiu. FILIPE NEVES
  • 103. O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO IV FILIPE NEVES
  • 104. O fato do século que definiu a história Atanásio “fecha” o Cânon do NT 367 Existem, pois no Antigo Testamento, vinte e dois livros… Não é tedioso falar novamente dos [livros] do Novo Testamento. Estes são os quatro Evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João. Em seguida, os Atos dos Apóstolos e as sete Epístolas (chamadas católicas) a saber, de Tiago, uma; de Pedro, duas, de João, três; depois destas, uma de Judas. Além disso, existem catorze epístolas de Paulo… E também o Apocalipse de João. 39a. Carta das Festividades FILIPE NEVES
  • 105. TESTE 1. Quais foram os quatro principais concílios? 2. Qual o nome do bispo que, ano 367, confirmou quais eram os livros do N.T.? 3. Qual é o erro doutrinário de Ário? FILIPE NEVES
  • 107. LEITURA DATA: 23/09 HdC – HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO ALCANCE DE TODOS CAP 11, 12 E 14 FILIPE NEVES
  • 108. TESTE – 5° SÉCULO 1. Qual o tema do 5° século? 2. Quem foi o primeiro PAPA? 3. Cite dois erros doutrinários do 5° Século 4. Cite duas consequências das invasões bárbaras FILIPE NEVES
  • 109. AMPLIAÇÃO DO PODER DO PAPADO 6° seculo FILIPE NEVES
  • 115. HISTÓRIA DA IGREJA MEDIEVAL SÉC. VII AO XVIFILIPE NEVES
  • 116. RESUMO OCIDENTE ORIENTE Fortalecimento da Igreja Católica – a Igreja conseguirá a supremacia sobre o Império Perda de território para o Islamismo Igreja corrompida – começam a surgir alguns reformadores Luta do Império pela sobrevivência. Rompimento definitivo da Igreja do Ocidente com a Igreja do Oriente FILIPE NEVES
  • 117. 7º SÉC. | A EXPANSÃO MUÇULMANA FILIPE NEVES
  • 118. O islamismo foi a última das três religiões monoteístas do mundo. Com seu surgimento e expansão a igreja do Oriente sofre grandemente ao perder território para os muçulmanos. Isto vai enfraquecer a Igreja do Oriente. A EXPANSÃO MUÇULMANA FILIPE NEVES
  • 119. Surge na península árabe com Maomé. Maomé entra em contato com o cristianismo e judaísmo através de uma viagem que faz à Síria e a Palestina conhecendo assim o monoteísmo. SURGIMENTO DO ISLAMISMO Em 610 sentiu o chamado divino para proclamar o monoteísmo entre os árabes. FILIPE NEVES
  • 120. 3 anos pregando • 12 convertidos Fuga para Medina • Por se opor a idolatria, foi obrigado a fugir de Meca (sua cidade natal) para Medina em 622. 622 • Ano da fuga para Medina e ano que marca o início da ERA ISLÂMICA SURGIMENTO DO ISLAMISMO FILIPE NEVES
  • 121. Em Medina ele se casa com uma viúva muito rica e monta um exército de mercenários. SURGIMENTO DO ISLAMISMO A partir daí o poder de Maomé só aumenta e ele começa a conquistar as cidades da Arábia. FILIPE NEVES
  • 122. SURGIMENTO DO ISLAMISMO •Maomé conquista Meca, tornando- se, senhor de quase toda a Arábia.630 •Morte de Maomé 632 •O califa Omar assume a liderança dos islâmicos.632 FILIPE NEVES
  • 123. SURGIMENTO DO ISLAMISMO •a Síria é conquistada. Antioquia é dominada pelos muçulmanos.635 •a Palestina é conquitada. Jerusalém é dominada pelos muçulmanos.638 •o Egito é conquistado. Alexandria é dominada pelos mulçumanos.642 FILIPE NEVES
  • 124. SURGIMENTO DO ISLAMISMO • a Pérsia (atual Irã) é conquistada. 652 • Cartago, no norte da África é conquitada. 695 • a Espanha é conquistada. • Toda a península ibérica começa a ser conquistada. 711 FILIPE NEVES
  • 126. O AVANÇO É REFREADOO Imperador, Leão, o Isaurico, impede a invasão ao oriente do continente FILIPE NEVES
  • 127. O AVANÇO É REFREADO Carlos Martel, impede o avanço islâmico no Ocidente. FILIPE NEVES
  • 128. O AVANÇO É REFREADO 732 – os exércitos de Carlos Martelo derrotam os muçulmanos em Tours, na Batalha de Poitiers, e impedem o avanço islâmico na parte ocidental do FILIPE NEVES
  • 129. É a principal fonte da religião muçulmana. Esta obra é três vezes maior que o Novo Testamento. Contém 114 capítulos. O livro é repetitivo e desorganizado. FILIPE NEVES ALCORÃO
  • 130. PRINCIPAIS PERSONAGENS DO SÉC. 7. FILIPE NEVES
  • 132. OMAR (586-644) Grande líder e consquistador muçulmano (634-644) FILIPE NEVES
  • 133. QUESTÕES TEOLÓGICAS DO SÉC. 7. FILIPE NEVES
  • 134. PRINCIPAIS DOUTRINAS MUÇULMANAS Crença numa única divindade, Alá – revelado no Alcorão para Maomé. Profetas: Abraão, Moisés e Cristo, sendo Maomé o último e maior de todos. Fatalismo – propõe uma submissão passiva à vontade de Alá. Após julgamento os homens gozarão um paraíso sensual ou o horror do inferno. FILIPE NEVES
  • 135. CINCO PILARES DO ISLÃ Confissão de que Alá é Deus e Maomé é o seu Profeta Oração Cinco vezes por dia com a face voltada para Meca. Dar esmolas aos pobres Jejum durante o mês do Ramadã Visita ao menos uma vez na vida à Meca FILIPE NEVES
  • 140. 1. ENFRAQUECIMENTO DA IGREJA CRISTÃ DO ORIENTE As principais Igreja cristãs do Oriente (Jerusalém, Antioquia, Alexandria e Cartago) deixam de pertencer ao cristianismo, sorando apenas a igreja de Constantinopla. FILIPE NEVES
  • 141. 2. FORTALECIMENTO DE ROMA E CONSTANTINOPLA As duas últimas grandes sés do cristianismo FILIPE NEVES
  • 142. 3. AUMENTO DO PODER E INFLUÊNCIA DO BISPO DE ROMAA influência do bispo de Roma torna-se ainda maior no Ocidente, pois o poder e a influência da Igreja Oriental praticamente desaparecem. FILIPE NEVES
  • 143. 4. É DIVIDIDO NO SÉCULO VIII EM DOIS GRUPOS PRINCIPAIS:Os Xiitas e os Sunitas FILIPE NEVES
  • 144. 5. O CRISTIANISMO DEIXA DE SER UMA FÉ MEDITERRÂNEA E VOLTADA PARA O ORIENTE E passa a ser uma fé basicamente europeia e voltada para o ocidente. FILIPE NEVES
  • 145. 6. MAIS QUE UMA RELIGIÃO, UMA CULTURA Por onde se espalha leva seu conjunto de valores culturais e leis. FILIPE NEVES
  • 146. O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO VII FILIPE NEVES
  • 147. CONSTRUÇÃO DA MESQUITA DE OMAR (691) A CONSTRUÇÃO DA MESQUITA IMPOSSIBILITOU (IMPOSSIBILITA) A RECONTRUÇÃO DO TEMPLO EM JERUSALÉM. FILIPE NEVES
  • 148. LIÇÕES DO SÉC. VII FILIPE NEVES
  • 151. MAIS QUE UMA AMEAÇA, HOJE UMA REALIDADE. PRECISAMOS ESTAR PRONTOS PARA PREGAR E DEFENDER O EVANGELHO PARA OS MUÇULMANOS… FILIPE NEVES
  • 152. TESTE 1. que fundou o islamismo? 2. Qual é o centro da sua pregação? 3. Em que ano se inicia o calendário islâmico? 4. Qual a consequência da igreja do ocidente e do oriente? FILIPE NEVES
  • 153. TRABALHO FINAL - ESCOLHER UM PERSONAGEM DA IGREJA IMPORTANTE - PESQUISA - TÓPICOS  HISTÓRIA – ESTUDOS, CIDADE ONDE NASCEU, FAMILIA, ACONTECIMENTOS IMPORTANTES  TEOLOGIA – QUAL FOI SUA GRANDE LUTA TEOLOGICA? ENTENDA E INTERAJA.  DEVOCIONAL – QUAIS ERAM SUAS PRÁTICAS DEVOCIONAIS? HÁ REGISTROS?  CONCLUSÃO: QUAIS SÃO AS IMPLICAÇÕES E APLICAÇÕES PARA SUA VIDA? FILIPE NEVES
  • 154. LEITURA DATA: 28/10 HIC – HISTÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO CAP 7 – SOB O REGIME DOS CAROLÍNGIOS HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO ALCANCE DE TODOS CAP. 18 E 19 FILIPE NEVES
  • 155. A EXPANSÃO TERRITORIAL DO PAPADO 8º Século FILIPE NEVES
  • 156. Do séc. 5 a meados do séc. 8 não houve no Ocidente algum governo civil forte que impusesse a paz e a justiça. O povos bárbaros que governavam territórios no Ocidente nunca conseguiram de fato se estabelecer como liderança sólida. O CONTEXTO POLÍTICO DA EUROPA OCIDENTAL NO SÉC. VIII FILIPE NEVES
  • 157. Mas em Roma, o líder da Igreja continuava a ter seu poder e influência em constante ascensão. Porém, por maior que fosse a influência do Bispo de Roma, este poder continuava limitado a cidade de Roma. O CONTEXTO POLÍTICO DA EUROPA OCIDENTAL NO SÉC. VIII FILIPE NEVES
  • 159. Rei Franco conquistador da Gália. Se converte ao cristianismo em 496. Clóvis dá início à: O REINO DOS FRANCOS CLÓVIS (466-511) Dinastia Merovíngia FILIPE NEVES
  • 160. Os sucessores de Clóvis não tinham habilidades políticas. Delegam o poder aos prefeitos do Palácio. O REINO DOS FRANCOS A Dinastia Merovíngia A Dinastia Carolíngia FILIPE NEVES
  • 161. Pepino de Heristal Carlos Martelo Pepino, o breve O REINO DOS FRANCOS A Dinastia MerovíngiaA Dinastia Carolíngia FILIPE NEVES
  • 162. O PAGAMENTO DA DÍVIDA Quando Pepino, o breve, é rei sobre os francos, os lombardios invadem a cidade de Roma. O papa Estevão II pede ajuda FILIPE NEVES
  • 163. O PAGAMENTO DA DÍVIDA Os francos derrotam os lombardios em 756 e tomam os territórios dominados por eles na região central da Itália. Estes territórios são doados ao Papa. Para justificar o domínio dos territórios o Papa propõe que o território fosse dado à São Pedro. FILIPE NEVES
  • 164. OS ESTADOS PAPAIS Os papas romanos passam a administrar um grande território. Esta “doação” foi o fundamento dos Estados Papais que o Papado Romano manteve ininterrupto até a união da Patrimônio de São Pedro FILIPE NEVES
  • 166. IS PERSONAGENS DO SÉC. 8. FILIPE NEVES
  • 167. CARLOS MARTELO (689-742) Prefeito Franco (714-741) que derrotou os muçulmanos FILIPE NEVES
  • 168. PEPINO, O BREVE (714- 758) Rei franco (741-758) que faz a doação dos Estados Papais. FILIPE NEVES
  • 169. O FATO PRINCIPAL DO SÉCULO VIII FILIPE NEVES
  • 170. A vitória de Carlos martelo impediu o avanço e provavelmente a contista muçulmana de toda a Europa. A VITÓRIA DE CARLOS MARTELO FILIPE NEVES
  • 171. TESTE 1. Quais são as duas dinastias importantes do século 8°? 2. Quem se proclamou Rei dos francos e foi abençoado pelo Papa? 3. Qual foi o grande benefício que a Igreja Catolica Apostolica Romana recebeu? 4. Quem derrotou os muçulmanos impedindo o avanço no ocidente? FILIPE NEVES
  • 173. O GOVERNO DE CARLOS MAGNO FILIPE NEVES
  • 174. A COROAÇÃO DE CARLOS MAGNO No natal de 800, com Carlos Magno ajoelhado diante do altar, o papa Leão III colocou a coroa sobre a sua cabeça e o declarou imperador dos romanos. FILIPE NEVES
  • 176. OS PILARES DO REINADO DE CARLOS MAGNO  PODER MILITAR PARA ESMAGAR SEUS INIMIGOS  PODER RELIGIOSO PARA DIRIGIR A ALMA DO SEU POVO  PODER INTELECTUAL PARA INSTRUIR ALMA E MENTE FILIPE NEVES
  • 177. UM EXEMPLO DESSES PILARES Na conquista da Saxônia construiu monastérios e promulgou leis severas contra o paganismo. Comer carne durante a Quaresma, cremar os mortos e fingir que eram batizados eram ofensas punidas com a morte.FILIPE NEVES
  • 179. O ESTABELECIMENTO DA CRISTANDADE O ideal simbolizado pela cooperação entre Carlos Magno e o papa Leão III foi uma visão integrada da vida em que tudo - a política, as práticas religiosas, as relações econômicas e outras questões – estava baseada na fé cristã conforme transmitida pela Igreja Católica Romana e protegida pela ação dos governantes FILIPE NEVES
  • 180. DEFINIÇÃO DE CRISTANDADE UNIÃO DOS INTERESSES RELIGIOSOS E INTERESSES MUNDANOS. FILIPE NEVES
  • 181. CRISTANDADE Na teoria medieval, a igreja e o Estado eram dois aspectos da cristandade; a primeira representando a sociedade cristã organizada para garantir as bênçãos espirituais, o segundo representando a mesma sociedade unida para garantir justiça e bem- estar. Teoricamente, igreja e Estado viviam em interação harmoniosa, cada parte com o propósito de FILIPE NEVES
  • 182. O CONCEITO DE SALVAÇÃO NO CONTEXTO DA CRISTANDADE Definição de Sacramento segundo a Igreja Católica: É algum rito instituído por Cristo ou pela Igreja, como sinal externo e visível de uma graça interna e invisível. FILIPE NEVES
  • 183. O CONCEITO DE SALVAÇÃO NO CONTEXTO DA CRISTANDADE Os sacramentos atuavam em prol da SALVAÇÃO dos que delas participavam. FILIPE NEVES
  • 184. Ordenação: Sacramento para o sacerdócio Extrema unção: Sacramento para a morte Matrimônio: Sacramento para a formação da familia Eucaristia: Sacramento para a nutrição espiritual Penitência: Sacramento das confissões de pecados Confirmação: Sacramento da maioridade Batismo: Sacramento para o nascimento FILIPE NEVES
  • 185. PERSONAGENS DE DESTAQUE CARLOS MAGNO (742- 814) LEÃO III (796-816) FILIPE NEVES
  • 187. LEITURA DATA: 28/10 HIC – HISTÓRIA ILUSTRADA DO CRISTIANISMO CAP 7 – SOB O REGIME DOS CAROLÍNGIOS O sistema feudal e a atividade teológica – 152- 161 FILIPE NEVES
  • 190. A TERRA E NÃO O DINHEIRO VEIO A SER A PRINCIPAL FONTE DE RIQUEZA. O PROPÓSITO DE TODO GRANDE PROPRIETÁRIO ERA AUMENTAR AS TERRAS. FILIPE NEVES
  • 193. REALIDADE DA IGREJA DURANTE ESTE PERIODO 1. OS LIDERES RELIGIOSOS PAPA NICOLAU I – UM PAPADO DE PODER (FALSOS DECRETOS) EM BUSCA DA PAZ “Se te declaras inocente do crime de adultério, pelo que o papa Nicolau te excomungou, e prometes nunca mais ter relações ilícitas com a malafamada Waldrada, então te aproxima com fé, e toma este sacramento para remissão dos teus pecados. Porém se estás pensando em voltar a te revolveres no pecado de adultério, não o recebas, para que não provoqueis o terrível juízo de Deus” FILIPE NEVES
  • 195. REALIDADE DA IGREJA DURANTE ESTE PERIODO 1. OS LIDERES RELIGIOSOS A partir de Nicolau I os papas se sucedem uns aos outros de maneira muito rápida. Não faltaram papas que foram estrangulados ou morreram de fome na prisão que os sucessores os colocaram. Uma luta pelo poder. Leitura HIC 180-181 FILIPE NEVES
  • 197. VLADIMIR ADOTA O CRISTIANISMO NA RUSSIA - 988 FILIPE NEVES
  • 198. VLADIMIR ADOTA O CRISTIANISMO NA RUSSIA - 988 FILIPE NEVES
  • 199. 1. QUAL O TEMA DO 9° E 10°SÉCULO? 2. CITE DOIS SACRAMENTOS 3. QUEM FOI O REI MAIS IMPORTANTE DESSE PERÍODO? 4. O QUE FOI O TRATADO DE VERDUN? 5. QUAIS AS CLASSES DO FEUDALISMO 6. QUAL O POVO BÁRBARO QUE DOMINA SOBRE O ROMA NO 10° SÉCULO? FILIPE NEVES
  • 200. LEITURA DATA: 11/11 HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO ALCANCE DE TODOS CAP. 20 21 22 FILIPE NEVES
  • 202. REAÇÃO DA IGREJA 11° ao 13° SÉCULO FILIPE NEVES
  • 203. REFORMA MONÁSTICA 1. ORDEM CLUNIACENSE 2. ORDEM CISTIRCENSE 3. OS VALDENSES (REFORMISTAS DA REFORMA) 4. FRANCISCANOS 5. DOMINICANOS FILIPE NEVES
  • 204. VALDENSES 1. Criam na Bíblia como autoridade absoluta 2. Rejeitavam cultos aos santos 3. Pregavam na língua do povo 4. Rejeitavam a confissão auricular 5. Aceitavam o Batismo e Ceia como sacramentos 6. Ordenavam leigos para o ministério FILIPE NEVES
  • 205. SIMONIA “COMPRA OU VENDA DE OFÍCIO RELIGIOSO (TERMO ORIGINA-SE EM SIMÃO – AT 8.9-25) FILIPE NEVES
  • 206. SIMONIA CELIBATO ECLESIÁSTICO NEPOTISMO INVESTIDURA LEIGA REFORMA ECLESIÁSTICA FILIPE NEVES
  • 207. A REFORMA DO PAPADO O iniciador (1049- 1054) O maior reformador (1073-1085) FILIPE NEVES
  • 208. REFORMA PAPAL DE – GREGORIO VII Teocracia – O papa como vice-regente de Deus A Igreja Romana devia seus fundamentos a Deus somente Só o pontífice romano seria chamado de universal O papa tinha plena autoridade sobre todos os bispos Seus pés seriam beijados por todos os príncipes O papa poderia depor imperadores O papa poderia livrar pessoas de obediência aosFILIPE NEVES
  • 212. REFORMA GEOGRÁFICA - AS CRUZADAS FILIPE NEVES
  • 214. “OS PAPAS NUNCA CONSIDERARAM DUAS VERDADES BÁSICAS DAS QUAIS NÃO DEVEMOS NOS ESQUECER JAMAIS: AS MAIS ALTAS SATISFAÇÕES DO CRISTIANISMO NÃO SÃO GARANTIDAS PELA POSSE DE LUGARES ESPECIAIS, E A ESPADA NUNCA FOI A MANEIRA QUE DEUS USOU PARA AMPLIAR A IGREJA DE CRISTO” SHELLEY FILIPE NEVES
  • 216. O CISMA DO ORIENTE – 1054 FILIPE NEVES
  • 217. LEITURA DATA: 18/11 HISTÓRIA DO CRISTIANISMO AO ALCANCE DE TODOS CAP. 23 SD – John Wycliff FILIPE NEVES
  • 219. O CATIVEIRO “BABILÔNICO” DA IGREJAFILIPE NEVES
  • 220. INOCÊNCIO III Bonifácio VIII Filipe, o Belo, rei da França Clemente V Avignon 1309 até o ano 1377 CATIVEIRO BABILÔNICO FILIPE NEVES
  • 221. A HISTÓRIA DO DECLINIO DA IDADE MÉDIA – 1300-1500  Bonifácio VIII – “amplo e irrestrito perdão de todos os pecados” “Eu sou césar. Eu sou imperador” - “acumulando dinheiro infinito” As pessoas estavam começando a se acostumar com a ideia de nação A terra começa a ser menos importante Filipe, o Belo e Eduardo I – Taxar o clero dentro dos seus domínios Bonifácio – “Clericis laicos” “Jesus Cristo, dizia ele, não deu autoridade temporal” – Filipe, o Belo FILIPE NEVES
  • 223. Gregório XI Urbano VI cardeais Clemente Avignon X Itália Cardeais O GRANDE CISMA DO OCIDEN FILIPE NEVES
  • 225. UM MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO 15° SÉCULO FILIPE NEVES
  • 226. TRANSFORMAÇÃO NA IGREJA  Os Místicos “O misticismo foi uma reação contra a tendência racionalista dos escolásticos. Geralmente surgem movimentos que enfatizam o relacionamento subjetivo do homem com Deus como resposta a um outro movimento que enfatiza o aspecto intelectual ou racional.” Catarina de FILIPE NEVES
  • 227. TRANSFORMAÇÃO NA IGREJA  Os Pré-reformadores Homens que tentaram fazer a Igreja voltar ao ideal do Novo Testamento. Wycliffe, Huss e Savonarola. FILIPE NEVES
  • 228. TRANSFORMAÇÃO NA EUROPA ORIENTAL  Situação da Igreja Ortodoxa Grega A Queda do Império Bizantino O Surgimento da Igreja Ortodoxa Russa FILIPE NEVES
  • 229. TRANSFORMAÇÃO NA EUROPA OCIDENTAL  Os muçulmanos são expulsos da Espanha A Espanha descobre a América Vasco da Gama descobre o caminho para as Índias FILIPE NEVES
  • 230. TRANSFORMAÇÃO NA CULTURA  RENASCENTISMO Definição: É o período de reorientação cultural, entre 1350 e 1650, em que os homens trocaram a compreensão religiosa e medieval da vida por uma visão individualista, secular e moderna. FILIPE NEVES
  • 231. TRANSFORMAÇÃO NA CULTURA Como esta visão influenciou o homem medieval? 1. O homem deixou de ter uma visão teocêntrica da vida (Deus é o centro de todas as coisas) para uma vida antropocêntrica (o homem se torna o centro). 2. As classes médias urbanas (burguesia) tornaram-se mais importantes do que a velha sociedade agrária do período feudal. 3. O comércio passou a ter mais importância do que a agricultura como meio de subsistência. 4. Adotou-se uma forma humanista, otimista e experimental de ver as coisas desta vida. 5. O homem não deixou de ser religioso, mas havia um divórcio entre a vida religiosa e sua vida diária. 6. A espiritualidade passou para um plano secundário da religião formal. FILIPE NEVES
  • 232. O FIM DA IGREJA MEDIEVAL FILIPE NEVES
  • 233. O FATO QUE MARCOU O SÉCULO Gutenberg produz a 1° Bíblia Impressa 1456 FILIPE NEVES

Notas do Editor

  1. - PORQUE É TÃO IMPORTANTE DEFENDER ESSAS DOUTRINAS?
  2. - PORQUE É TÃO IMPORTANTE DEFENDER ESSAS DOUTRINAS?
  3. Servos de Deus - Pg 45 final – Os evangelhos – Século II Pg 43 – “Irineu também citou extensamente o AT e pelo menos 21 dos 27 livros do NT
  4. QUAIS SÃO AS DOUTRINAS DESSE CREDO? PORQUE TANTO SOBRE JESUS? RISCAR COM O AMARELO DO SLIDE...
  5. O SURGIMENTO DE ALGO BOM QUE É DETURPADO PELO HOMEM. * DESENHAR NA LOSA O ESQUEMA DO EPISCOPADO.
  6. .
  7. A PERSEGUIÇÃO FOI CONTÍNUA, MAS SEMPRE LOCAL. A PARTIR DO 3° SÉCULO HOUVE A MAIOR PERSEGUIÇÃO JÁ VISTA SOBRE OS CRISTÃOS. Porque preciso saber disso. Porque isso influencia a teologia e os próximos acontecimentos, incluindo o de constantino.
  8. Local: Roma Causa: Incêndio de Roma Acontecimento: Martírio de Pedro e Paulo
  9. Local: Roma e Ásia menor Causa: Resgate de tradições romanas (culto ao imperador) / Os templos pagãos haviam sido abandonados e que não se encontravam compradores para a carne sacrificada aos ídolos. Acontecimento: Exílio de João
  10. Local: Roma Causa: Decadência da Religião Romana Acontecimento: Morte de Inácio – Não havia uma perseguição a todos, apenas aqueles que eram acusados (formalmente) de serem cristãos
  11. Local: Todo o Império Causa: Superstição devido a desgraças do Império – Muitos acontecimentos naturais que recaiam sobre a crença de que os deuses estavam irados com roma por causa do abandono do culto pagão. Acontecimento: Martírio de Blandina
  12. Local: Todo Império Causa: Culto aos deuses pagãos , Política religiosa sincretista. Acontecimento: Martírio de perpétua e felicidade .
  13. Local: Todo Império Causa: Culto aos deuses pagãos. Os bárbaros estavam mais fortes e inquietos, economia em crise e tradições em desuso. Acontecimento: Os confessores. Aqueles que não sacrificavam diante dos deuses e queimado incenso diante da estátua do imperador. Assim ou os cristãos acatavam ao édito ou subornavam ou eram torturados. Aqueles que sobreviviam eram os confessores. Surgiu então uma questão: O que fazer com os caídos? (DISCUSSÃO)
  14. Local: Todo império Causa: Serviço Militar – Expulsão do exército por não sacrificar aos deuses. Acontecimento: A pior das perseguições. Edifícios Cristãos e livros sagrados destituídos e privação dos direitos civis. As opções eram sucumbir às ameaças, martírios e fuga. É preciso termos isso em mente, porque o próximo acontecimento influenciará muito a teologia.
  15. A PERSEGUIÇÃO FOI CONTÍNUA, MAS SEMPRE LOCAL. A PARTIR DO 3° SÉCULO HOUVE A MAIOR PERSEGUIÇÃO JÁ VISTA SOBRE OS CRISTÃOS. Porque preciso saber disso. Porque isso influencia a teologia e os próximos acontecimentos, incluindo o de constantino.
  16. Após vencer a batalha, constantino constrói o arco do triunfo e “converte-se” ao cristianismo
  17. Em 326, Helena visita Jerusalém a fim de encontrar locais associados aos últimos dias de Jesus Cristo. Ela identificou o local da crucificação (o rochedo chamado Gólgota) e a tumba próxima conhecida como Anastasis ("ressurreição", em grego). Constantino decide construir um santuário apropriado no local, a Igreja do Santo Sepulcro.
  18. EXPLICAR COM UM DESENHO PP HIC 91
  19. Utilizar o desenho dos círculos pequeno e grande para demonstrar a nossa limitação.
  20. O batismo era uma ferramente para que os pagãos conquistados (Saxões) abandonassem suas crenças e seu ardor guerreiro. Eles entendiam que ao batizar-se abandonavam o seu deus e eram abandonados por ele.
  21. Por trás desse ideal estava luta em que realmente mandava: O papa ou o rei.
  22. Lotário e sua corte se apresentaram em Montecasino. Todo os presentes e o Rei tremeram, mas tomaram a comunhão. Pouco depois toda a Europa tremeu sabendo da praga terrível que tinha irrompido na corte do Rei. E que ele e todos os que comungaram morreram naquele dia.
  23. Lotário e sua corte se apresentaram em Montecasino. Todo os presentes e o Rei tremeram, mas tomaram a comunhão. Pouco depois toda a Europa tremeu sabendo da praga terrível que tinha irrompido na corte do Rei. E que ele e todos os que comungaram morreram naquele dia.