SlideShare uma empresa Scribd logo
A Supremacia da Antiga
Igreja Católica Imperial,
313-590
O Cristianismo nos
Claustros
No período da gradual decadência interna do
Império Romano, o monasticismo exerceu um
forte apelo para muitos que prontamente
renunciaram à sociedade em favor do claustro.
Esse movimento tem suas origens no século
IV, quando leigos em número cada vez maior
começaram a se retirar, abandonando a vida
em sociedade. Ao final do século VI, o
monasticismo já tinha profundas raízes tanto
na Igreja Ocidental quanto Oriental.
A doutrina dualista sobre a carne e o espírito;
Os pais da Igreja Primitiva, como Orígenes,
Cipriano, Tertuliano e Jerônimo, viam o
celibato como a interpretação correta de
passagens como 1Co 7;
Determinadas tendências psicológicas
fortaleceram o desejo por uma vida
monásticas;
A crescente decadência moral tornou o
monasticismo um refúgio, era uma espécie de
crítica viva à sociedade de então;
A geografia também merece alguma atenção
como um dos fatores responsáveis pelo
surgimento do monasticismo.
Quatro estágios antes do seu aparecimento na
civilização:
Práticas ascéticas eram vividas dentro da Igreja;
Muitos resolveram deixar a vida em sociedade para
viver como anacoretas ou eremitas;
A vida dos eremitas atraía outros, que passavam a
morar em lugares próximos a eles e sob sua
liderança;
Passaram a se organizar em comunidades dentro
de mosteiros.
Antônio (250-356) é geralmente visto como o
fundador do monasticismo;
Nem todos os monges eremitas eram equilibrados
como Antônio e seus seguidores;
É o caso de Simeão Estilita (390-459);
Pacômio (290-346), organizou o primeiro mosteiro
por volta do ano 320;
Basílio de Cesaréia (330-379) muito fez para
popularizar a organização monástica em
comunidades.
No Ocidente o monasticismo tomou uma direção
mais prática, rejeitando o ócio e deplorando os
atos meramente ascéticos;
É creditada geralmente a Atanásio a introdução
ao monasticismo no Ocidente;
Martinho de Tours, Jerônimo, Agostinho e
Ambrósio escreveram em favor ao
monasticismo;
O grande líder do monasticismo ocidental foi
Bento de Núrsia (480-543);
Em 529, Bento de Núrsia fundou o mosteiro
Monte Cassino;
Em pouco tempo vários mosteiros estavam sob
sua liderança;
Dentro desses mosteiros imperava a ordem que
ensinava a pobreza, a castidade e a obediência,
que se constituiu numa das mais importantes
ordens da Idade Média.
Contribuíram para o avanço da agricultura;
Os monges limpavam as florestas, drenavam os
pântanos, abriam estradas e cultivavam sementes e
viveiros;
Os mosteiros ajudaram a manter viva a erudição na
Idade Média;
Os monges foram os missionários da Igreja medieval;
Os mosteiros eram um refúgio para os que
precisavam de ajuda;
Com o isolamento perdeu-se a contribuição de
importantes homens e mulheres;
O celibato gerou uma padrão de moralidade
diferente entre os monges e o homem comum;
Favoreceu a arrogância espiritual;
Contribuiu para o rápido desenvolvimento de
uma organização hierárquica centralizada na
Igreja.
História da Igreja #15
História da Igreja #15
História da Igreja #15
História da Igreja #15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Igreja #4
História da Igreja #4História da Igreja #4
História da Igreja #4
Respirando Deus
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2
Respirando Deus
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
Léo Mendonça
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iii
Léo Mendonça
 
06b ist - eclesiologia iii
06b   ist - eclesiologia iii06b   ist - eclesiologia iii
06b ist - eclesiologia iii
Léo Mendonça
 
06a ist - história da igreja iv
06a   ist - história da igreja iv06a   ist - história da igreja iv
06a ist - história da igreja iv
Léo Mendonça
 
História da Igreja #5
História da Igreja #5História da Igreja #5
História da Igreja #5
Respirando Deus
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
Léo Mendonça
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geral
Glauco Gonçalves
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
Léo Mendonça
 
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
Léo Mendonça
 
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Raniere Menezes
 
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVALCRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
Jorge Luiz dos Santos
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
cattonia
 
Pais da-igreja
Pais da-igrejaPais da-igreja
Pais da-igreja
Vinícius Antonio Sousa
 
Origem e Difusão do Cristianismo
Origem e Difusão do CristianismoOrigem e Difusão do Cristianismo
Origem e Difusão do Cristianismo
Patrícia Morais
 

Mais procurados (20)

História da Igreja #4
História da Igreja #4História da Igreja #4
História da Igreja #4
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iii
 
06b ist - eclesiologia iii
06b   ist - eclesiologia iii06b   ist - eclesiologia iii
06b ist - eclesiologia iii
 
06a ist - história da igreja iv
06a   ist - história da igreja iv06a   ist - história da igreja iv
06a ist - história da igreja iv
 
História da Igreja #5
História da Igreja #5História da Igreja #5
História da Igreja #5
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
 
História da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geralHistória da Igreja - Visão geral
História da Igreja - Visão geral
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
 
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
 
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
 
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVALCRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
CRISTIANISMO ANTIGO E MEDIEVAL
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Pais da-igreja
Pais da-igrejaPais da-igreja
Pais da-igreja
 
Origem e Difusão do Cristianismo
Origem e Difusão do CristianismoOrigem e Difusão do Cristianismo
Origem e Difusão do Cristianismo
 

Semelhante a História da Igreja #15

Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasilSeminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Robson Rocha
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Idade media licao 3
Idade media licao 3Idade media licao 3
Idade media licao 3
Renato Santos
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
Tiago Silva
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
JosJunqueira1
 
A história da ordem de santo agostinho
A história da ordem de santo agostinhoA história da ordem de santo agostinho
A história da ordem de santo agostinho
ESEP
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
PIB Penha
 
Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2
semnazarenovirtual
 
Igreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdfIgreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdf
JammersonSoares2
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Klaus Newman
 
História da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romanaHistória da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romana
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A reforma e contrarreforma
A reforma e contrarreformaA reforma e contrarreforma
A reforma e contrarreforma
Matheus Augusto
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
Nelson Ramalhoto
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
PIB Penha
 
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
INOVAR CLUB
 
08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas
Luiza Dayana
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
In Nomine Dei
In Nomine DeiIn Nomine Dei
In Nomine Dei
Isabel Brito
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
Cecília Gomes
 
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptxSão João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
Martin M Flynn
 

Semelhante a História da Igreja #15 (20)

Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasilSeminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Idade media licao 3
Idade media licao 3Idade media licao 3
Idade media licao 3
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
A história da ordem de santo agostinho
A história da ordem de santo agostinhoA história da ordem de santo agostinho
A história da ordem de santo agostinho
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
 
Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2
 
Igreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdfIgreja Antiga Slides.pdf
Igreja Antiga Slides.pdf
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
 
História da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romanaHistória da igreja católica apostólica romana
História da igreja católica apostólica romana
 
A reforma e contrarreforma
A reforma e contrarreformaA reforma e contrarreforma
A reforma e contrarreforma
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
 
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
 
08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
In Nomine Dei
In Nomine DeiIn Nomine Dei
In Nomine Dei
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
 
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptxSão João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
São João Crisóstomo, Patriarca de Constantinopla.pptx
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de PerdãoEncontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (18)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de PerdãoEncontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
 

Último

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (18)

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

História da Igreja #15

  • 1. A Supremacia da Antiga Igreja Católica Imperial, 313-590 O Cristianismo nos Claustros
  • 2. No período da gradual decadência interna do Império Romano, o monasticismo exerceu um forte apelo para muitos que prontamente renunciaram à sociedade em favor do claustro. Esse movimento tem suas origens no século IV, quando leigos em número cada vez maior começaram a se retirar, abandonando a vida em sociedade. Ao final do século VI, o monasticismo já tinha profundas raízes tanto na Igreja Ocidental quanto Oriental.
  • 3.
  • 4. A doutrina dualista sobre a carne e o espírito; Os pais da Igreja Primitiva, como Orígenes, Cipriano, Tertuliano e Jerônimo, viam o celibato como a interpretação correta de passagens como 1Co 7; Determinadas tendências psicológicas fortaleceram o desejo por uma vida monásticas;
  • 5. A crescente decadência moral tornou o monasticismo um refúgio, era uma espécie de crítica viva à sociedade de então; A geografia também merece alguma atenção como um dos fatores responsáveis pelo surgimento do monasticismo.
  • 6.
  • 7. Quatro estágios antes do seu aparecimento na civilização: Práticas ascéticas eram vividas dentro da Igreja; Muitos resolveram deixar a vida em sociedade para viver como anacoretas ou eremitas; A vida dos eremitas atraía outros, que passavam a morar em lugares próximos a eles e sob sua liderança; Passaram a se organizar em comunidades dentro de mosteiros.
  • 8. Antônio (250-356) é geralmente visto como o fundador do monasticismo; Nem todos os monges eremitas eram equilibrados como Antônio e seus seguidores; É o caso de Simeão Estilita (390-459); Pacômio (290-346), organizou o primeiro mosteiro por volta do ano 320; Basílio de Cesaréia (330-379) muito fez para popularizar a organização monástica em comunidades.
  • 9. No Ocidente o monasticismo tomou uma direção mais prática, rejeitando o ócio e deplorando os atos meramente ascéticos; É creditada geralmente a Atanásio a introdução ao monasticismo no Ocidente; Martinho de Tours, Jerônimo, Agostinho e Ambrósio escreveram em favor ao monasticismo; O grande líder do monasticismo ocidental foi Bento de Núrsia (480-543);
  • 10. Em 529, Bento de Núrsia fundou o mosteiro Monte Cassino; Em pouco tempo vários mosteiros estavam sob sua liderança; Dentro desses mosteiros imperava a ordem que ensinava a pobreza, a castidade e a obediência, que se constituiu numa das mais importantes ordens da Idade Média.
  • 11.
  • 12. Contribuíram para o avanço da agricultura; Os monges limpavam as florestas, drenavam os pântanos, abriam estradas e cultivavam sementes e viveiros; Os mosteiros ajudaram a manter viva a erudição na Idade Média; Os monges foram os missionários da Igreja medieval; Os mosteiros eram um refúgio para os que precisavam de ajuda;
  • 13. Com o isolamento perdeu-se a contribuição de importantes homens e mulheres; O celibato gerou uma padrão de moralidade diferente entre os monges e o homem comum; Favoreceu a arrogância espiritual; Contribuiu para o rápido desenvolvimento de uma organização hierárquica centralizada na Igreja.

Notas do Editor

  1. Nem todos os cristãos receberam da mesma forma as mudanças que ocorreram na igreja depois da paz de Constantino. Enquanto uns viam as novas circunstâncias como cumprimento do plano de Deus, outros se entristeceram profundamente com o estado que a igreja havia chegado. A porta estreita que Jesus havia ensinado tinha se tornado tão larga que uma multidão se apressava em passar por ela. Não havia mais a preocupação com o ensino, o batismo correto, bispos brigando por posições de prestígio, ricos e poderosos querendo dominar a vida da igreja. O joio crescia mais que o trigo. Como ser cristãos nessa circunstâncias? A resposta de muitos foi fugir da sociedade, abandonar tudo e subjugar o corpo e as paixões que levam a tentação. Ao mesmo tempo que milhares estavam entrando para a igreja, outros milhares procuravam a santidade na solidão.
  2. O auge do monasticismo ocorre nos séculos X e XI, seu último grande momento foi com o surgimento dos jesuítas na Contra-Reforma do séxulo XVI. Entretanto, esse movimento exerce até hoje um papel importante na vida da Igreja Católica Romana.
  3. Os movimentos gnósticos e neoplatonistas deixaram marcas dentro da igreja cristã, influenciando a doutrina que considerava a carne má e o espírito bom. É possível até hoje dentro dos evangélicos essas ideias presentes. Esses pais entenderam que a bíblia recomendava o celibato, e fugir do mundo ajudava a pessoa a crucificar a carne e seus desejos, e desenvolver uma vida espiritual por meio da meditação e por um comportamento disciplinado. Em tempos de crise há sempre uma tendência em fugir das adversidades, muitos trocaram a sociedade pelo mosteiro como uma forma de fugir dessa contaminação moral que existia nesses dias. Também, por meio da paz de Constantino, houve o fim do martírio, mas muitos cristãos verdadeiros almejavam isso, e encontraram um substituto psicológico no monasticismo. As práticas pagãs que estavam entrando na igreja, levaram muitos crentes verdadeiros a verem o monasticismo como um refúgio.
  4. 1) 2) O movimento inicia no Egito, nas margens do rio Nilo, onde haviam várias cavernas que eram propícias para o indivíduo se isolar da sociedade. Pequenas hortas, junto com a fartura de alimento vinda do próprio Nilo, tornava fácil a alimentação para as pessoas. Além disso a proximidade do deserto estimulava a meditação.
  5. Anacoreta: vive em isolamento Eremita: faz isso por penitência
  6. Conta-se que aos 20 anos ele vendeu seus bens, deu o dinheiro aos pobres e se retirou para morar em uma caverna no Egito. Era conhecido por sua santidade e logo atraiu a atenção de outras pessoas que passaram a viver perto dele em outras cavernas. Conta-se sobre Macário, um monge que se arrependeu de ter matado um mosquito e que por causa disso resolveu viver em um pântano por seis meses deixando-se ser picado pelos insetos. Era comum os monges queimarem, ou arrancarem, os dedos das mãos por causa da tentação. Outros viviam em campos e pastavam como bois. Teve um chamado Amom que ficou conhecido por nunca ter se despido ou tomado banho. Um outro andou nu por 50 anos. O mais conhecido de todos, depois de viver enterrado até o pescoço por vários meses, resolveu alcançar a santidade sentando-se numa estaca. Diz que ele passou mais de trinta anos no topo de uma coluna de 18 metros, perto de Antioquia. Depois de viver por 12 anos como eremita, organizou um mosteiro nas margens do Nilo. Em pouco tempo 7 mil monges estavam sob a sua liderança. Os princípios base do seu monastério era: simplicidade de vida, trabalho, devoção e obediência. Basílio deu um sentido mais útil e social ao monasticismo, ordenou que trabalhassem, orassem, lessem a bíblia e praticassem boas obras. Desencorajou o asceticismo extremado. Cada vez mais pessoas aderiram a esse estilo de vida, logo haviam mais de 100 mosteiros em meados do IV século.
  7. O clima mais frio tornou o isolamento individual uma impossibilidade. - O que ajudou a popularizar o monasticismo dentro do império Romano. Pra se ter uma ideia, as obras de Jerônimo sobre o estilo de vida monástico eram considerados nessa época próximos em importância à bíblia. Bento se chocou com a vida pecaminosa em Roma e passou a viver como um eremita por volta do ano 500.
  8. permaneceu em atividade até a Segunda guerra mundial, quando foi bombardeado. Seguiam um plano de organização, trabalho e culto. Cada mosteiro era independente e auto-suficiente, dividiam o dia em leitura – adoração e trabalho. Esse modelo foi levado para a Inglaterra, Alemanha e França, se tornou modelo padrão no Ocidente por volta do ano 1.000.
  9. Os mosteiros eram como uma universidade de agronomia, desenvolveram diversos métodos de plantio e cultivo. Os fazendeiros vizinhos acabavam por adotar as melhores técnicas que viam os monges usar. Quando o império Romano foi tomado pelos bárbaros a vida urbana praticamente desapareceu, entre os anos 500-1000. As escolas nos mosteiros era a única opção para quem quisesse uma educação superior. Os monges também se ocupavam em copiar os manuscritos. Eles saiam para fundar novos mosteiros, nisso, tribos inteiras acabavam por se converter ao cristianismo. Quem precisava de hospitalização eram bem cuidados no mosteiro. Recebiam os viajantes cansados. Aqueles que não aguentavam mais o mundanismo.
  10. Muitas pessoas que poderiam fazer diferença nesse tempo tão necessitado de padrão moral, acabavam se isolando. Não havia herança de padrão, apenas o homem comum tinha filhos, isso impossibilitava a criação de filhos melhores. Havia um sentimento orgulhoso pelo estilo de vida que levavam. Os mosteiro logo começaram a acumular riquezas, logo o ócio, a avareza e a glutonaria se infliltraram. Uma vez que os monges deviam obediência aos superiores, que por sua vez, obedeciam ao papa.
  11. Dois eremitas, do lado, Simeão o Estilita
  12. Claustro
  13. Mosteiro de Monte Cassino fundado por Bento de Núrcia em 529