SlideShare uma empresa Scribd logo
A Supremacia da Antiga
Igreja Católica Imperial,
313-590
O Guardião da Graça
Filósofo e Teólogo (354-430)
“Quando pensava em consagrar-
me por inteiro ao seu serviço,
Deus meu, […] era eu quem queria
faze-lo, e eu quem não queria faze-
lo. Era eu mesmo. E, porque não
queria de todo, nem de todo não
queria, lutava comigo mesmo e me
rasgava em pedaços..”
A peregrinação de Agostinho em direção à fé cristã é
um confronto com perguntas que refletem os
conflitos espirituais de muitos cristãos modernos:
A Escritura é realmente a fonte última de autoridade
para as nossas crenças?
Como podemos interpretar corretamente a Escritura?
Como o pecado tem afetado a personalidade humana?
Se Deus é bom, por que o mundo está cheio de tanto
mal?
O que é o mal, e como ele entrou no mundo?
Por que nos encontrando amando as coisas erradas
com tanta frequência?
Como podemos aprender a amar o bem?
Agostinho nasceu em 354 no povoado
de Tagaste, no norte da África.
Seu pai era um oficial romano e pagão.
Sua mãe, Mônica, era cristã fervorosa.
Seus pais tentaram lhe oferecer a
melhor educação possível, o enviaram
primeiro a Madaura, a cidade mais
próxima e, posteriormente, a Cartago.
Chegou aos 17 anos em Cartago,
centro político, econômico e cultural da
África de fala latina.
Não se descuidou dos estudos, mas
logo começou a desfrutar também dos
diversos prazeres que Cartago lhe
oferecia.
A matéria estudada por Agostinho era
a retórica.
Durante seus estudos Agostinho convenceu-se
de que o bom falar não era suficiente. Era
necessário buscar a verdade.
Essa busca pela verdade acabou levando
Agostinho até o maniqueísmo.
O maniqueísmo parecia ser a resposta para
as dúvidas de Agostinho, que estavam
centradas em dois pontos:
As Escrituras cristãs;
A origem do mal.
Agostinho se tornou maniqueu, mas ainda
restavam dúvidas e, por isso, durante nove
anos ele foi um ouvinte questionador.
Quando ele expressava as suas dúvidas, os o
maniqueístas diziam que seus
questionamentos eram profundos demais, e
que o grande mestre maniqueu, chamado
Fausto, lhe daria as respostas tanto
esperadas.
Quando a tão esperada visita finalmente
chegou, Fausto provou ser uma farsa.
Desiludido, Agostinho decidiu conduzir
sua busca pela verdade por outros
caminhos.
Decide sair de Cartago e ir pra Roma e,
posteriormente, Milão.
Em Milão, Agostinho se tornou
neoplatônico.
Mas, uma dúvida ainda martelava a cabeça
de Agostinho: Como podiam as Escrituras,
com sua linguagem rude e suas histórias de
violência e roubo, ser a Palavra de Deus?
Foi nesse ponto que Ambrósio de Milão
entra em cena.
A partir de então, as dificuldades
intelectuais estavam resolvidas. Mas havia
outras. Agostinho não se tornaria cristão
facilmente.
Agostinho estava convicto de que, caso se
tornasse cristão, teria que renunciar à sua
carreira de professor de retórica e a todas as
suas ambições e usufruto dos prazeres sensuais.
Ele mesmo conta que a sua constante oração
era: “Dá-me castidade e continência, mas não
logo”.
Então, Agostinho passa por uma experiência no
jardim de Milão que muda os rumos da sua
vida. Em resultado disso, a posteridade o
conhece como “Santo Agostinho”.
Depois da sua conversão, Agostinho
começou a dar os passos necessários que
sua decisão implicava:
Batismo
Renunciou ao cargo de professor
Regressou ao norte da África
Em Tagaste, vendeu a maior parte das
suas propriedades e deu o dinheiro aos
pobres
Em 395, Agostinho é ordenado, contra a
sua vontade, a bispo da cidade de Hipona.
Como ministro e bispo, Agostinho
continuou levando vida semelhante à que
levara em Casicíaco.
Como parte das responsabilidades
pastorais, Agostinho escreveu uma série de
obras que fizeram dele o teólogo mais
importante da igreja ocidental desde o
tempo do apóstolo Paulo.
Muitas das suas obras eram dirigidas contra
os maniqueus.
Nesses escritos Agostinho fala da autoridade
das Escrituras, da origem do mal e do livre-
arbítrio.
Parte da sua tarefa teológica consistiu também
em refutar o donatismo.
Foi contra os pelagianos que Agostinho
escreveu suas obras teológicas mais
importantes.
A soteriologia de Agostinho fluiu de suas
convicções sobre a depravação total do homem
após a queda e da soberania de Deus na
salvação.
Enquanto Pelágio elevou a capacidade do
homem caído, Agostinho se opôs a isso,
assinalando ao homem caído seu devido lugar.
Enquanto Pelágio minimizou e comprometeu a
soberania divina, Agostinho engrandeceu a
suprema autoridade e a graça irresistível de
Deus na salvação.
Confissões (397)
Uma das mais populares e profundas obras
de todos os tempos.
É a mais antiga autobiografia em
existência.
Escrito na forma de uma oração, ele
combina devaneios espirituais com ensinos
doutrinais.
Traça a jornada espiritual de Agostinho, o
Da Graça e Do Livre-Arbítrio (426-427)
Afirmou a graça de Deus e o livre-arbítrio do
homem.
Para Agostinho, o pecado de Adão mergulhou o
gênero humano na morte espiritual.
Dessa forma, a vontade humana está morta
para as coisas de Deus.
O homem só pode fazer o que agrada a Deus
pela graça.
É pela graça, por divina iniciativa e divina
capacitação, que os pecadores creem.
Da Trindade (399-419)
Uma compilação de quinze livros escritos num
período de vinte anos.
Foi o primeiro tratado sobre a Trindade escrito
por um teólogo do Ocidente.
Agostinho refuta as heresias dos arianos e dos
sabelianos.
Aborda as relações intertrinitárias e defende a
igualdade do Filho e do Espírito Santo com o
Pai.
Existe um só Deus, porém três pessoas que são
A Cidade de Deus (413)
Agostinho tentou fortalecer a fé dos crentes
escrevendo essa obra.
Se tornou um clássico, contrasta “a cidade de
Deus” – a igreja dos santos – com “a cidade do
homem” – o mundo inconverso.
Aborda a criação, o tempo, a origem do mal, a
liberdade humana, o conhecimento divino do
futuro, a ressurreição do corpo, o juízo final, a
felicidade, a encarnação, o pecado, a graça, o
perdão e outros tópicos.
Da Doutrina Cristã (396-427)
Apresenta seu ponto de vista sobre a
Escritura, a hermenêutica e a pregação.
Delineou as preparações que equipam o
intérprete da Escritura para entender e
explicar corretamente a mensagem cristã.
O livro articula sua abordagem da exposição
bíblica e da instrução catequética.
Da Predestinação dos Santos (428)
Aborda a eleição para a salvação.
Nesse livro, Agostinho articulou
cuidadosamente a soberania de Deus em
sua graça salvífica.
Essa obra provaria ser um esforço definidor
na apresentação que Agostinho faz da graça
soberana.
História da Igreja #14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 
História da Igreja #1
História da Igreja #1História da Igreja #1
História da Igreja #1
Respirando Deus
 
História da Igreja #4
História da Igreja #4História da Igreja #4
História da Igreja #4
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #3
História da Igreja #3História da Igreja #3
História da Igreja #3
Respirando Deus
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2
Respirando Deus
 
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livreHistória da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
Rafael Guedes
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
Léo Mendonça
 
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais ApostólicosHistória da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
Andre Nascimento
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
Andre Nascimento
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
Pais da-igreja
Pais da-igrejaPais da-igreja
Pais da-igreja
Vinícius Antonio Sousa
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
PIB Penha
 
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
Andre Nascimento
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
PIB Penha
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
Léo Mendonça
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
PIB Penha
 

Mais procurados (20)

História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 
História da Igreja #1
História da Igreja #1História da Igreja #1
História da Igreja #1
 
História da Igreja #4
História da Igreja #4História da Igreja #4
História da Igreja #4
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #3
História da Igreja #3História da Igreja #3
História da Igreja #3
 
História da Igreja - #2
História da Igreja - #2História da Igreja - #2
História da Igreja - #2
 
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livreHistória da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
 
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais ApostólicosHistória da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
Pais da-igreja
Pais da-igrejaPais da-igreja
Pais da-igreja
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
 
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos RacionalistasHistória da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
História da Igreja II: Aula 8: Movimentos Racionalistas
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
 

Semelhante a História da Igreja #14

A filosofia medieval
A filosofia medievalA filosofia medieval
A filosofia medieval
Cleudyanny Fontenelle
 
O livre arbítrio santo agostinho
O livre arbítrio   santo agostinhoO livre arbítrio   santo agostinho
O livre arbítrio santo agostinho
Jessé Ferreira
 
Santo agostinho o livre arbítrio
Santo agostinho   o livre arbítrioSanto agostinho   o livre arbítrio
Santo agostinho o livre arbítrio
alunouece
 
O livre arbítrio
O livre arbítrioO livre arbítrio
O livre arbítrio
Mauro RS
 
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
O reino da luz é interno
O reino da luz é internoO reino da luz é interno
O reino da luz é interno
Dalila Melo
 
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Virna Salgado Barra
 
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Roberto Rabat Chame
 
Paulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moralPaulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moral
LUCAS CANAVARRO
 
Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)
uriank
 
As cartas de_paulo
As cartas de_pauloAs cartas de_paulo
As cartas de_paulo
Ana Cristina Freitas
 
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADOAMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdfSanto Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
Amanda Keiko Kasai Cafiero
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média
Luci Bonini
 
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado BarraPrincípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Virna Salgado Barra
 
A fê protestante.
A fê protestante.A fê protestante.
A fê protestante.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Espiritismo e catolicismo
Espiritismo e catolicismoEspiritismo e catolicismo
Espiritismo e catolicismo
Candice Gunther
 
Santo agostinho
Santo agostinhoSanto agostinho
Santo agostinho
flaviaborba6
 
Carta a um maçom
Carta a um maçomCarta a um maçom
Carta a um maçom
Leonardo Toledo
 
Introdução ao Agostinismo
Introdução ao AgostinismoIntrodução ao Agostinismo
Introdução ao Agostinismo
CursoDeFerias
 

Semelhante a História da Igreja #14 (20)

A filosofia medieval
A filosofia medievalA filosofia medieval
A filosofia medieval
 
O livre arbítrio santo agostinho
O livre arbítrio   santo agostinhoO livre arbítrio   santo agostinho
O livre arbítrio santo agostinho
 
Santo agostinho o livre arbítrio
Santo agostinho   o livre arbítrioSanto agostinho   o livre arbítrio
Santo agostinho o livre arbítrio
 
O livre arbítrio
O livre arbítrioO livre arbítrio
O livre arbítrio
 
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
 
O reino da luz é interno
O reino da luz é internoO reino da luz é interno
O reino da luz é interno
 
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
Uma análise reflexiva sobre Agostinho de Hipona e os Maniqueus - Virna Salgad...
 
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
Agrissênior Notícias Nº 567 an 12 abril 2016.
 
Paulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moralPaulo exemplo de transformação moral
Paulo exemplo de transformação moral
 
Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)
 
As cartas de_paulo
As cartas de_pauloAs cartas de_paulo
As cartas de_paulo
 
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADOAMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
AMBRÓSIO DE MILÃO - ILUSTRADO E COMENTADO
 
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdfSanto Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
Santo Agostinho - filósofo e teólogo cristão .pdf
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média
 
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado BarraPrincípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
Princípios da Filosofia Agostiniana por Virna Salgado Barra
 
A fê protestante.
A fê protestante.A fê protestante.
A fê protestante.
 
Espiritismo e catolicismo
Espiritismo e catolicismoEspiritismo e catolicismo
Espiritismo e catolicismo
 
Santo agostinho
Santo agostinhoSanto agostinho
Santo agostinho
 
Carta a um maçom
Carta a um maçomCarta a um maçom
Carta a um maçom
 
Introdução ao Agostinismo
Introdução ao AgostinismoIntrodução ao Agostinismo
Introdução ao Agostinismo
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de PerdãoEncontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (18)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
Escola Bíblica: Os Puritanos - #03
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de PerdãoEncontro de Casais: Necessidade de Perdão
Encontro de Casais: Necessidade de Perdão
 

Último

Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 

Último (10)

Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 

História da Igreja #14

  • 1. A Supremacia da Antiga Igreja Católica Imperial, 313-590 O Guardião da Graça
  • 2.
  • 3. Filósofo e Teólogo (354-430) “Quando pensava em consagrar- me por inteiro ao seu serviço, Deus meu, […] era eu quem queria faze-lo, e eu quem não queria faze- lo. Era eu mesmo. E, porque não queria de todo, nem de todo não queria, lutava comigo mesmo e me rasgava em pedaços..”
  • 4. A peregrinação de Agostinho em direção à fé cristã é um confronto com perguntas que refletem os conflitos espirituais de muitos cristãos modernos: A Escritura é realmente a fonte última de autoridade para as nossas crenças? Como podemos interpretar corretamente a Escritura? Como o pecado tem afetado a personalidade humana? Se Deus é bom, por que o mundo está cheio de tanto mal? O que é o mal, e como ele entrou no mundo? Por que nos encontrando amando as coisas erradas com tanta frequência? Como podemos aprender a amar o bem?
  • 5. Agostinho nasceu em 354 no povoado de Tagaste, no norte da África. Seu pai era um oficial romano e pagão. Sua mãe, Mônica, era cristã fervorosa. Seus pais tentaram lhe oferecer a melhor educação possível, o enviaram primeiro a Madaura, a cidade mais próxima e, posteriormente, a Cartago.
  • 6. Chegou aos 17 anos em Cartago, centro político, econômico e cultural da África de fala latina. Não se descuidou dos estudos, mas logo começou a desfrutar também dos diversos prazeres que Cartago lhe oferecia. A matéria estudada por Agostinho era a retórica.
  • 7. Durante seus estudos Agostinho convenceu-se de que o bom falar não era suficiente. Era necessário buscar a verdade. Essa busca pela verdade acabou levando Agostinho até o maniqueísmo. O maniqueísmo parecia ser a resposta para as dúvidas de Agostinho, que estavam centradas em dois pontos: As Escrituras cristãs; A origem do mal.
  • 8. Agostinho se tornou maniqueu, mas ainda restavam dúvidas e, por isso, durante nove anos ele foi um ouvinte questionador. Quando ele expressava as suas dúvidas, os o maniqueístas diziam que seus questionamentos eram profundos demais, e que o grande mestre maniqueu, chamado Fausto, lhe daria as respostas tanto esperadas.
  • 9. Quando a tão esperada visita finalmente chegou, Fausto provou ser uma farsa. Desiludido, Agostinho decidiu conduzir sua busca pela verdade por outros caminhos. Decide sair de Cartago e ir pra Roma e, posteriormente, Milão. Em Milão, Agostinho se tornou neoplatônico.
  • 10. Mas, uma dúvida ainda martelava a cabeça de Agostinho: Como podiam as Escrituras, com sua linguagem rude e suas histórias de violência e roubo, ser a Palavra de Deus? Foi nesse ponto que Ambrósio de Milão entra em cena. A partir de então, as dificuldades intelectuais estavam resolvidas. Mas havia outras. Agostinho não se tornaria cristão facilmente.
  • 11. Agostinho estava convicto de que, caso se tornasse cristão, teria que renunciar à sua carreira de professor de retórica e a todas as suas ambições e usufruto dos prazeres sensuais. Ele mesmo conta que a sua constante oração era: “Dá-me castidade e continência, mas não logo”. Então, Agostinho passa por uma experiência no jardim de Milão que muda os rumos da sua vida. Em resultado disso, a posteridade o conhece como “Santo Agostinho”.
  • 12. Depois da sua conversão, Agostinho começou a dar os passos necessários que sua decisão implicava: Batismo Renunciou ao cargo de professor Regressou ao norte da África Em Tagaste, vendeu a maior parte das suas propriedades e deu o dinheiro aos pobres
  • 13. Em 395, Agostinho é ordenado, contra a sua vontade, a bispo da cidade de Hipona. Como ministro e bispo, Agostinho continuou levando vida semelhante à que levara em Casicíaco. Como parte das responsabilidades pastorais, Agostinho escreveu uma série de obras que fizeram dele o teólogo mais importante da igreja ocidental desde o tempo do apóstolo Paulo.
  • 14. Muitas das suas obras eram dirigidas contra os maniqueus. Nesses escritos Agostinho fala da autoridade das Escrituras, da origem do mal e do livre- arbítrio. Parte da sua tarefa teológica consistiu também em refutar o donatismo. Foi contra os pelagianos que Agostinho escreveu suas obras teológicas mais importantes.
  • 15. A soteriologia de Agostinho fluiu de suas convicções sobre a depravação total do homem após a queda e da soberania de Deus na salvação. Enquanto Pelágio elevou a capacidade do homem caído, Agostinho se opôs a isso, assinalando ao homem caído seu devido lugar. Enquanto Pelágio minimizou e comprometeu a soberania divina, Agostinho engrandeceu a suprema autoridade e a graça irresistível de Deus na salvação.
  • 16. Confissões (397) Uma das mais populares e profundas obras de todos os tempos. É a mais antiga autobiografia em existência. Escrito na forma de uma oração, ele combina devaneios espirituais com ensinos doutrinais. Traça a jornada espiritual de Agostinho, o
  • 17. Da Graça e Do Livre-Arbítrio (426-427) Afirmou a graça de Deus e o livre-arbítrio do homem. Para Agostinho, o pecado de Adão mergulhou o gênero humano na morte espiritual. Dessa forma, a vontade humana está morta para as coisas de Deus. O homem só pode fazer o que agrada a Deus pela graça. É pela graça, por divina iniciativa e divina capacitação, que os pecadores creem.
  • 18. Da Trindade (399-419) Uma compilação de quinze livros escritos num período de vinte anos. Foi o primeiro tratado sobre a Trindade escrito por um teólogo do Ocidente. Agostinho refuta as heresias dos arianos e dos sabelianos. Aborda as relações intertrinitárias e defende a igualdade do Filho e do Espírito Santo com o Pai. Existe um só Deus, porém três pessoas que são
  • 19. A Cidade de Deus (413) Agostinho tentou fortalecer a fé dos crentes escrevendo essa obra. Se tornou um clássico, contrasta “a cidade de Deus” – a igreja dos santos – com “a cidade do homem” – o mundo inconverso. Aborda a criação, o tempo, a origem do mal, a liberdade humana, o conhecimento divino do futuro, a ressurreição do corpo, o juízo final, a felicidade, a encarnação, o pecado, a graça, o perdão e outros tópicos.
  • 20. Da Doutrina Cristã (396-427) Apresenta seu ponto de vista sobre a Escritura, a hermenêutica e a pregação. Delineou as preparações que equipam o intérprete da Escritura para entender e explicar corretamente a mensagem cristã. O livro articula sua abordagem da exposição bíblica e da instrução catequética.
  • 21. Da Predestinação dos Santos (428) Aborda a eleição para a salvação. Nesse livro, Agostinho articulou cuidadosamente a soberania de Deus em sua graça salvífica. Essa obra provaria ser um esforço definidor na apresentação que Agostinho faz da graça soberana.

Notas do Editor

  1. - Era um oficial romano de um escalão inferior, aparentemente Agostinho não teve um relacionamento muito íntimo com seu pai, tendo em vista que ele o cita muito pouco em suas obras. Orava muito pela conversão do marido e filho, o que acontece com ambos. Foi muito próxima e importante na vida de Agostinho, boa parte da sua vida adulta foi vivida a sombra da sua mãe. Os pais perceberam uma inteligência incomum e fizeram todo o possível para dar uma boa educação.
  2. - Nesse desfrute dos prazeres da vida ele conhece uma mulher com a qual passou a conviver, e da qual teve seu único filho, Adeodato. Essa matéria servia para preparar advogados e funcionários públicos. A matéria ensinava as pessoas a falar de maneira elegante e convincente, sem se importar se o que era dito era certo ou não. Os professores de filosofia que se preocupavam com a natureza da verdade, os de retórica se preocupavam somente com o falar bem.
  3. Foi lendo as obras de Cicero, um orador, que também era um filósofo, Agostinho se convenceu que apenas falar bem não era suficiente, era necessário buscar a verdade. Fundada por Mani na metade do século 3, um dualismo espírito x matéria, bom x mal, Deus x diabo, um aperfeiçoamento do gnosticismo do século 1. 1. Do ponto de vista da retórica a Palavra de Deus era uma série de escritos pouco elegantes e até mesmo bárbaros, muitos episódios de violência, enfim. Boa parte da propaganda maniqueísta consistia em ridicularizar as Escrituras, criticavam e zombavam desse estilo presente na bíblia. 3) 2. Mônica, sua mãe havia ensinado a Agostinho que só havia um Deus bom. Mas Agostinho olhava para si mesmo, para o seu redor, e se perguntava de onde vinha todo esse mal. O maniqueísmo parecia ter a resposta também, essa fusão espírito x matéria, bom x mal.
  4. Dentro do maniqueísmo havia uma separação entre os chamados “ouvintes” e os “perfeitos”, Agostinho se recusava passar para a classe dos “perfeitos” pois ainda tinha muitas dúvidas. -
  5. O conhecimento de Fausto não era maior do que os demais líderes do maniqueísmo. Houve também aqui uma desilusão com seus alunos em Cartago, o que motivou ainda mais uma mudança em sua vida. Forma uma nova turma em Roma, mas esses seus alunos não o pagavam e o que fez com que ele resolvesse mudar novamente, agora para Milão. O neoplatonismo crê que existe um princípio único do qual provém toda a realidade, uma boa maneira de ilustrar é a ideia de jogar pedrinha na água, forma-se círculos, as realidades mais próximas do centro do círculo são superiores, enquanto as realidades mais distantes são inferiores.
  6. - Como professor de retórica, foi ouvir a pregação do famoso bispo. Ambrósio possuía a fama de ser um bom orador, mas com o passar do tempo Agostinho prestava cada vez menos atenção na maneira que Ambrósio falava e começou a dar mais atenção no que Ambrósio falava. Ambrósio, apesar do usar o método alegórico, foi capaz de convencer Agostinho da riqueza e do valor das Escrituras.
  7. Esse último ponto era a principal dificuldade que ainda o detinha. Ele queria se tornar um cristão, mas ainda não. Ele conta que um dia estava de baixo de uma figueira no jardim de Milão, clamando a Deus: “Até quando Senhor?” Amanhã, sempre amanhã?” Por que não acaba com a minha imundice nesse exato momento? Diz que ele ouviu uma criança brincando, jogando algum jogo infantil e ela dizia repetidamente: “Toma e lê, toma e lê, toma e lê” Ele havia cabado de jogar fora um manuscrico contendo Romanos 13.13,14 que estava lendo, nesse exato momento ele decidiu por se dedicar totalmente a fé cristã.
  8. Foi batizado por Ambrósio, que aparentemente não viu nada de especial nesse novo convertido. - Junto com um grupo de amigos e com sua mãe. Mônica havia acompanhado boa parte de suas viagens pois ficou viúva e desde então dedicou a sua vida a fé e a cuidar do seu filho. Foi ela que convenceu agostinho a abandonar sua concubina e ficou com o seu filho, Adeodato, que volta com eles para o norte da África. Só que no porto Mônica adoce e morre, o que faz com que Agostinho e seus companheiros ficasse ainda vários meses em Roma, antes de ir definitivamente para a África. Aqui ele vive com seus amigos e filhos, não levam uma vida como monges, mas sim uma vida disciplinada e dedicada ao estudo, devoção e meditação na Palavra de Deus.
  9. Foi ordenado contra a sua vontade. Casicíaco era como Agostinho chama o local que ele vivia em Tagaste. -
  10. Como ele mesmo havia contribuído para o maniqueísmo ele se sentiu na obrigação de refutar as doutrinas que antes ele defendera. Ele defende o livre-arbítrio de antes da queda para justificar a origem do mal. Ele refuta a ideia de que a validade dos sacramentos depende da virtude moral da pessoa que os administra. -