SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA IGREJAHISTÓRIA DA IGREJA
ENSINAI – Aula 2ENSINAI – Aula 2
Pb. Lisandro CronjePb. Lisandro Cronje
Tenda da FazendinhaTenda da Fazendinha
HISTÓRIA DA IGREJA
A IGREJA IMPERIAL (313-590)

Em 313, Constantino assume o Império Romano, onde
depois de uma suposta conversão, encerra a perseguição
ao cristianismo.

Diocleciano, seu antecessor, havia reestruturado o império
em “oriente e ocidente”, sendo cada bloco comandando
por um imperador e um vice-imperador (ou césar).

Eles governariam por 20 anos , sendo sucedido pelos
césares mais 20 anos, assim por diante.

Em 286, Diocleciano indicou Maximiano imperador do
ocidente, enquanto ele mesmo governava o oriente. Os
césares eram Constâncio Cloro, pai de Constantino no
oriente e Galério no oriente.
HISTÓRIA DA IGREJA
A IGREJA IMPERIAL (313-590)

Em 305, Galério torna-se imperador do oriente e promove
grande perseguição aos cristãos, mas em 311, seis dias antes de
morrer, promulgou o Édito de Tolerância, permitindo aos
cristãos certa liberdade e paz.

Esta nova situação nova trouxe benefícios e malefícios: trouxe
paz e liberdade aos cristãos, contudo, ela aproxima a igreja do
poder secular e político, marcando o início de seu declínio
moral e espiritual.

A igreja torna-se mais íntima do poder temporal que do poder
do alto, e assim foi até 590. Quando Gregório, o Grande,
assume a liderança da igreja, esta estava enriquecida e
fortalecida politicamente, mas distante do modelo espiritual da
igreja primitiva.
HISTÓRIA DA IGREJA
1. A CONVERSÃO DE CONSTANTINO

Com a morte de Galério, Maxêncio tomou o lugar que se seria e
de Constantino por manobras políticas.

Constantino aliou-se a Licínio e marcha em direção a Roma em
312, para lutar contra Maxêncio.

Durante esta marcha, Constantino viu em sonho um sinal de
uma cruz no céu, brilhante como o sol, na qual esta
escrito:”Com isto vencerás”. Mais tarde ele alegou que o
Próprio Cristo lhe aparecera, segurando uma cruz.

Seguindo seu curso sob estas visões, Constantino vence a
batalha. Ele e Licínio dividem o poder, e em 324 ele destitui seu
antigo aliado assumindo soberano como único governante do
Império Romano.
HISTÓRIA DA IGREJA
1. A CONVERSÃO DE CONSTANTINO
- A conversão de Constantino até hoje é motivo de controvérsia,
podendo ser encarada como oportunismo político, mas é certo que
sob seu governo cessou a perseguição aos cristãos.
- Contudo, sob seu governo, enquanto imperador, detinha o título
se Sumo Sacerdote Pagão (sumo Pontífice da Ordem Babilônica).
- Somente aceitou o batismo em seu leito de morte em 337.
HISTÓRIA DA IGREJA
2. O ÉDITO DE MILÃO

Ao assumir o poder Constantino promulgou o Édito de Milão,
em 313, garantindo aos cristãos a liberdade de culto e
colocando o cristianismo em igualdade com as demais religiões
do império.

Com esse édito, devolveu as propriedades confiscadas durante
as perseguições aos cristãos, trazendo nova era para a igreja,
aproximando-a do estado.
HISTÓRIA DA IGREJA
3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA

Esta nova situação da igreja, trouxe novas leis para favorecê-la.
Após 6 ano do édito de Milão, uma nova lei isentou o clero de
pesados impostos.

Mo mesmo ano em 319, foram proibidos sacrifícios aos deuses
pagãos em casas particulares.

Em 321, a igreja foi autorizada a receber donativos,
equiparando-se aos privilégios de pessoa jurídica.

Haviam templos sendo restaurados e novos em todos os
lugares. Constantino construiu templos magníficos, como a
Basílica de São Pedro em Roma, e a igreja do Santo Sepulcro.

Templos pagãos em forma de basílicas foram consagrados ao
culto cristão, aumentando em todos os lugares o número dos
cristãos.
HISTÓRIA DA IGREJA
3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA
- Contudo, decaia o nível moral dos chamados cristãos. Pouco a
pouco os rituais pagãos foram sendo introduzidos no culto.
- algumas antigas festas pagãs foram introduzidas com nomes
diferentes. Por volta de 405, as imagens dos santos e mártires
começaram a aparecer nos templos como objetos de reverência,
mas não tardaram a ser adorados.
- a adoração a Maria substitui a adoração às deusas Vênus e Diana.
- Gradualmente o dinheiro publico foi enriquecendo as igrejas,
sendo os Bispos tratados como funcionários pagos pelo Estado.
- Domingo foi proclamado dia de descanso e de adoração em todo
o império. Em 321 Constantino havia proibido o funcionamento
dos tribunais aos domingos, exceto para libertação de escravos.
- As crucificações foram abolidas e as gládias proibidas.
HISTÓRIA DA IGREJA
3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA
- Com o fim das perseguições, todos queriam ser membros da
igreja e quase todos foram aceitos, resultando na ascensão da
igreja ao poder.
- Isto foi fatal para o já cambaleante cristianismo, pois já não tinha
o poder para transformar o mundo, mas sendo invadido pelos
pagãos, acomodou-se a eles.
- Embora houvessem alguns que mantinham seu espírito puro, o
clima dominante era de mediocridade e decadência espiritual.
HISTÓRIA DA IGREJA
4. A CONTROVÉRSIA DONATISTA

Na época do Édito de Milão, a igreja no Norte da África achava-
se dividida. O líder rebelde chamado Donato, revindicou sua
parte do dinheiro estatal.

O Sínodo reúne-se em Roma e decide contra os rebeldes,
agravando a situação.

Em 314, reúne-se um grande concílio, validando a consagração
de um bispo de nome Ceciliano, que foi rejeitado pelos
Donatistas.

Estes então consagraram um bispo para si, de nome Majorino, e
depois Donato (que deu nome ao movimento).

O Imperador determina o fechamento de seus templos e o
banimento dos bispos. Cristão perseguindo Cristão.

Esta é apenas uma amostra da política imperial estabelecida por
Constantino para os problemas eclesiásticos.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS

O Império Romano do Séc IV tinha interesse em conservar a
unidade da igreja por ser sua religião oficial, pois ela já vinhe
sendo abalada com divisões e controvérsias doutrinárias. Foi
nesse propósito que se realizaram os concílios.

Os sete primeiros concílios foram realizados entre 325 e 787,
chamados ecumênicos, isto é, universais, pois representavam
toda a igreja. São eles: Niceia I, Constantinopolitano, Éfeso,
Calcedônia, Constantinopolitano II, Constantinopolitano III e
Niceia II.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.1. Niceia I(325)

No início do séc IV, Ário, pastor de Alexandria, começou a
ensinar que Deus é um só e não pode ser conhecido. A igreja
aceitava a doutrina de Tertuliano segundo o qual Deus é uma
única substância que consistia em três pessoas.

Ário convenceu a muitos, principalmente ex-pagãos, que
estavam mais propensos a associar Jesus com os semideuses da
mitologia grega.

O imperador romano Constantino convocou este concílio para
resolver uma controvérsia importante na época que tratava da
relação de Jesus Cristo (Deus Filho) com Deus Pai e para
estabelecer um acordo universal sobre o tema.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.1. Niceia I(325)
- Antes deste concílio, os bispos se reuniam apenas em encontros
regionais como o Concílio de Jerusalém, e jamais havia ocorrido
um encontro universal (ou ecumênico) antes. Mas, desta vez,
representantes vieram de todos os cantos do império, em
viagens custeadas pelo imperador.
- O concílio produziu um credo, o credo niceno original, que
recebeu apoio quase unânime. A doutrina do concílio de um
"Filho unigênito do Pai" (Jesus) como sendo da mesma substância
que o Pai se tornou a pedra fundamental do trinitarianismo
cristão.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.1. Niceia I(325)
- O concílio também tratou do tema da data da Páscoa
(controvérsia da Páscoa), reconheceu o direito da sé de
Alexandria de jurisdição fora de sua própria província e as
prerrogativas das igrejas em Antioquia e em outras províncias.
Ele aprovou também o costume pelo qual a sé de Jerusalém era
honrada, mas sem a distinção de uma sé metropolitana.
5.2. Constantinopolitano(381) – No ano 330, Constantino inaugurou
a cidade de Constantinopla, também chamada Nova Roma,
transferindo a capital do império para esta nova capital.
- Convocado por Teodósio, este concílio alterou o texto aprovado
em Niceia, designando-lhe como 2º lugar em importância
depois de Roma e antes de Alexandria.
- também adaptou o Credo Niceno, desenvolvendo ensinos a cerca
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.2. Constantinopolitano(381)
- do E.S.
- foi condenado o ensino de Apolinário, segundo o qual, na
encarnação, o Logos divino substituíra a alma humana de Cristo.
5.3. Éfeso(431) – Convocado pelo Imperador Teodósio II, do
oriente, e Valentiniano III, do ocidente, discutiu a heresia do
Pelagianismo “que girava em torno da questão de como seres
humanos são salvos”. (ver Livro)
5.4. Calcedônia(451) – O Concílio de Niceia havia definido a
natureza divina de Cristo, faltando explicar sua natureza
humana. O Imperador Marcião convocou este concílio para
dirimir a questão. Contudo, na época a política pesava muito nas
decisões, estando quase sempre Roma e Alexandria alinhadas e
contrárias a Antioquia e Constantinopla.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.4. Calcedônia(451) – Este concílio repudiou a doutrina de
Eutiques conhecida como “monofisismo”, descreveu e delineou a
chamada "União Hipostática" e as duas naturezas de Cristo, a
humana e a divina, e adotou o credo calcedoniano.
5.5. Constantinopolitano II(553) – Este concílio deu nova
interpretação aos decretos de Calcedônia, expressando-os pela
perspectiva alexandrina. Procurou explicar em termos mais
construtivos a maneira que as duas naturezas de Cristo se
uniram para formar uma única pessoa.
- Também condenou o semipelagianismo.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.6. Constantinopolitano III(680-681) – Este concílio condenou o
monotelismo, uma doutrina que vinha ganhando amplo suporte
desde que fora proposta em 638 pelo patriarca Sérgio I de
Constantinopla como uma nova tentativa de apelar aos cristãos
monofisitas afirmando que Jesus encarnado teria duas
naturezas (a divina e a humana), mas teria apenas uma vontade,
a divina.
- A resposta do concilio foi que Cristo tem duas naturezas, então
há duas vontades, a humana e a divina.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.7. Niceia II(787) – Desde o séc IV, os cristãos, na prática adoravam
imagens. Este hábito foi se degradando em baixa superstição,
colocando o cristianismo moral e espiritualmente abaixo dos
muçulmanos, que estavam em alta nessa época.
- O abuso levou o imperador Constantino Coprônimo a convocar um
concílio, reunindo 320 bispos, e condenou o culto as imagens, mas
a imperatriz Irene, regente em nome do filho menor constantino,
convocou o 7º concílio ecumênico em Niceia.
O Concílio fez duas coisas: restaurou o uso de imagens nas igrejas e
nos cultos, e, diferenciou entre “latria”, a adoração que se deve a
Deus, e “dulia”, a veneração inferior que se presta a imagens. No
início, houve confusão no ocidente, porque o latim não possuía
duas palavras para fazer a distinção exata que se fez através dos
termos gregos “latria” e “dulia”.
HISTÓRIA DA IGREJA
5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS
5.7. Niceia II (787) – Também decidiu que a representação figurada de
Cristo, da Virgem Maria, dos Anjos e dos Santos não só era
permitida, como também recomendada.
5.8. O Reconhecimento dos concílios pelos cristãos – As igrejas
ortodoxas acreditam que os primeiros sete concílios ecumênicos
da igreja não dividida, constituem o corpo doutrinário definitivo da
cristandade. Rejeitam qualquer modificação ou acréscimo ao que
foi definido até 787, bem como a doutrina da infalibilidade papal.
- a Igreja Católica defende o processo contínuo das descobertas da
verdade teológica, tendo como válido todos os concílios
realizados após os sete primeiros. Até hoje são 21 concílios
ecumênicos.
- Unanimemente, somente os quatro primeiros são reconhecidos.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA

6.1. Agostinho (354-430) - Agostinho (354-430) - Aurélio
Agostinho nasceu na cidade de Tagaste de Numídia, província
romana ao norte da África, hoje atual região da Argélia, no ano
de 354. Iniciou seus estudos em sua cidade natal, seguindo
depois para Cartago. Ensinou retórica e gramática, tanto no
Norte de África como na Itália. Ficou conhecido como o Filósofo
e Teólogo de Hipona. Polemista capaz, pregador de talento,
administrador episcopal competente, teólogo notável, ele criou
uma filosofia cristã da história que continua válida até hoje em
sua essência.

Inspirado no tratado filosófico, Hortensius, de Cícero,
converteu-se em ardoroso pesquisador da verdade, aderindo ao
maniqueísmo. Com vinte anos, perdeu o pai e ficou sendo o
responsável pelo sustento da família.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.1. Agostinho (354-430)
- Mudou-se para Roma. Sua mãe foi contra a mudança e Agostinho
teve de enganá-la na hora da viagem. De Roma viajou a Milão,
onde foi novamente professor de retórica.
- Foi influenciado pelos estóicos, por Platão e o neoplatonismo,
também estava entre os adeptos do ceticismo. Em Milão,
conheceu Ambrósio que o converteu ao cristianismo. Agostinho
voltou ao norte da África, onde foi ordenado sacerdote e, mais
tarde, consagrado bispo de Hipona. Combateu a heresia
maniqueísta que antes defendia e participou de dois grandes
conflitos religiosos: o Donatismo e o Pelagianismo.
- Sua obra mais conhecida é a autobiografia Confissões, escrito,
possivelmente, em 400. Em A Cidade de Deus (413-426)
formulou uma filosofia teológica da história.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.2. Ambrósio (340-397) – Bispo de Milão, destacou-se por sua luta
contra o arianismo.
- Estabeleceu um padrão musical para sua diocese, que mais tarde
passou a ser conhecido como “Canto Gregoriano”. Por esse
motivo é denominado Pai dos Cânticos.
- Contribuiu para a união da igreja na época em que o Império
Romano desmoronava.
- Escreveu dezenas de tratados, destacando-se De Officiis
Ministrorum, onde aborda o tema da ética dos cléricos.
- Tornou-se bem conhecido por ter sido mentor de Agostinho de
Hipona.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.3. Eusébio de Cesareia (265-340) – Nascido em Cesareia da
Palestina, foi nomeado bispo dessa cidade em 313. foi adepto do
arianismo por certo tempo, porém o imperador Constantino
convenceu-o a aceitar o Credo Niceno.
- Foi Constantino que incumbiu Eusébio de fazer a narração desta
primeira história do Cristianismo, coroando-a com a sua imperial
adesão a Cristo. “A ortodoxia era apenas uma das várias formas
de cristianismo, durante o século III, e pode só ter se tornado
dominante no tempo de Eusébio” (JOHNSON, 2001: 69). Ele é o
autor de importantes obras tais como: "História Eclesiástica",
"Vida de Constantino", Onomasticon (uma enciclopédia bíblica)
entre outras.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.4. Jerônimo (347-420) – é considerado o mais sábio entre os pais
da igreja. Estudou gramática, retórica e filosofia, e conhecia o
hebraico, o grego, o latim e o copta. Erudito das Escrituras e
Tradutor da Bíblia para o Latim. Sua tradução, conhecida como a
Vulgata, ou Bíblia do Povo, foi amplamente utilizada nos séculos
posteriores como compêndio para o estudo da língua latina,
assim como para o estudo das Escrituras.
- Nascido por volta do ano 345 em Aquiléia (Veneza), extremo norte
do Mar Adriático, na Itália, Jerônimo passou a maior parte da sua
juventude em Roma estudando línguas e filosofia. Apesar da
história não relatar pormenores de sua conversão, sabe que se
batizou quando tinha entre dezenove para vinte anos. Logo após,
Jerônimo embarcou em uma peregrinação pelo Império que
levou vinte anos. Também escreveu 24 comentários bíblicos,
entre outras obras.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.3. Eusébio de Cesareia (265-340) – Nascido em Cesareia da
Palestina, foi nomeado bispo dessa cidade em 313. foi adepto do
arianismo por certo tempo, porém o imperador Constantino
convenceu-o a aceitar o Credo Niceno.
- Foi Constantino que incumbiu Eusébio de fazer a narração desta
primeira história do Cristianismo, coroando-a com a sua imperial
adesão a Cristo. “A ortodoxia era apenas uma das várias formas
de cristianismo, durante o século III, e pode só ter se tornado
dominante no tempo de Eusébio” (JOHNSON, 2001: 69). Ele é o
autor de importantes obras tais como: "História Eclesiástica",
"Vida de Constantino", Onomasticon (uma enciclopédia bíblica)
entre outras.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.5. João Crisóstomo (347-407) – Criado em Antioquia, seus grandes
dotes de graça e eloquência como pregador levaram-no a ser
chamado a Constantinopla, onde se tornou patriarca, ou
arcebispo.
- Como os outros Apologistas, ele harmonizou o ensinamento cristão
com a erudição grega, dando novos significados cristãos a antigos
termos filosóficos, como a caridade. Em seus sermões, defendia
uma moralidade que não fizesse qualquer transigência com a
conveniência e a paixão, e uma caridade que conduzisse todos os
cristãos a uma vida apostólica de devoção e de pobreza comunal.
- Essa piedosa mensagem, entretanto, tornou-o impopular na corte
imperial e mesmo entre alguns membros do clero de
Constantinopla, de modo que acabou sendo banido e morreu no
exílio.
HISTÓRIA DA IGREJA
6. OS PAIS DA IGREJA
6.6. Teodoro de Mopsuéstia (350-428) – é considerado “o príncipe
dos exegetas” da antiguidade. Pertencia a escola de Antioquia e,
juntamente com Crisóstomo, insisti em que o texto bíblico devia
ser entendido em seu contexto histórico e gramatical.
HISTÓRIA DA IGREJA
7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA

Como observamos, a Igreja Católica Romana é resultado da
união da igreja do séc.IV com o Império Romano. Deste
processo resultou em uma organização centralizada na pessoa
do para, iniciando um fortalecimento do poder secular dos
bispos, resultante do poderio do bispo de Roma.

Com o declínio do Império Romano, este bispo cresceu em
influência e consolida seu poder durante o bispado de Gregório,
o grande.
7.1. A autoridade dos bispos

Os bispos do século IV tiveram sua autoridade aumentada por
meio dos concílios ecumênicos. Decidindo questões doutrinárias
de toda igreja, ele cresceram em prestígio.
HISTÓRIA DA IGREJA
7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA
7.1. A autoridade dos bispos

Robert Hasting Nichols explica que o processo de centralização
da autoridade na igreja desenvolveu-se com o aparecimento do
bispo, que a princípio era somente o dirigente de uma igreja e
depois tornou-se governador de uma diocese, e posteriormente
os bispos das capitais cresceram mais ainda, chamados bispos
metropolitanos, mais tarde ainda como patriarcas, como os
bispos de Roma, Constantinopla, Alexandria, Antioquia e
Jerusalém.
7.2. O Engrandecimento do bispo de Roma

H. H. Halley: todos os bispos foram igualmente respeitados até
313, quando o bispo de Roma autodenominou-se primus inter
pares...(ler)
HISTÓRIA DA IGREJA
7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA
7.2. O Engrandecimento do bispo de Roma

A transferência da capital para Constantinopla, em 330, deu
grande impulso à consolidação do poder de Roma. Embora
Roma tivesse a primazia como centro do mundo cristão, a figura
do bispo era ofuscada pelo imperador.

Com a mudança da capital para Constantinopla, o bispo de
Roma passou a ser a principal autoridade na antiga capital.

No Séc. V, alegou-se autoridade e sucessão apostólica de Pedro
para o bispo de Roma.
HISTÓRIA DA IGREJA
7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA
7.3. O bispado de Gregório, O Grande

As pretensões de dar ao bispo de Roma a primazia definitiva
sobre os demais bispos foram cimentadas na gestão de Gregório
I, entre 590 a 604. J. N. Akers declara: … (livro)

Considera-se o papado de Gregório I, o Grande, por sias notáveis
qualidades políticas e administrativas, o marco inicial da idade
média.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Adriano Pascoa
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Efesios introdução
Efesios introduçãoEfesios introdução
Efesios introdução
ESTUDANTETEOLOGIA
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Francelia Carvalho Oliveira
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
Sérgio Miguel
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
Andre Nascimento
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns DesafiosLição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Éder Tomé
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Viva a Igreja
 

Mais procurados (20)

Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Efesios introdução
Efesios introduçãoEfesios introdução
Efesios introdução
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns DesafiosLição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 

Destaque

Icaro redimido transparencias
Icaro redimido   transparenciasIcaro redimido   transparencias
Icaro redimido transparencias
Norberto Scavone Augusto
 
Aula 054 fundação da igreja cristã
Aula 054   fundação da igreja cristãAula 054   fundação da igreja cristã
Aula 054 fundação da igreja cristã
Katia Venturini
 
15 origemdo domingo
15 origemdo domingo15 origemdo domingo
15 origemdo domingo
Hezir Henrique
 
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTAA054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
Daniel de Melo
 
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de FilosofiaDo Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Rafael Oliveira
 
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livreHistória da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
Rafael Guedes
 
Origem do Domingo.pps
Origem do Domingo.ppsOrigem do Domingo.pps
Origem do Domingo.pps
Herbert de Carvalho
 
Imperador Constantino
Imperador ConstantinoImperador Constantino
Imperador Constantino
Matilde Garcia
 
Os Grandes Concilios Ecumenicos
Os Grandes Concilios EcumenicosOs Grandes Concilios Ecumenicos
Os Grandes Concilios Ecumenicos
JNR
 
Apresentação sobre páscoa nas religiões
Apresentação sobre páscoa nas religiõesApresentação sobre páscoa nas religiões
Apresentação sobre páscoa nas religiões
Egnaldo Barreto
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
Andre Nascimento
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Fatima Freitas
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue

Destaque (13)

Icaro redimido transparencias
Icaro redimido   transparenciasIcaro redimido   transparencias
Icaro redimido transparencias
 
Aula 054 fundação da igreja cristã
Aula 054   fundação da igreja cristãAula 054   fundação da igreja cristã
Aula 054 fundação da igreja cristã
 
15 origemdo domingo
15 origemdo domingo15 origemdo domingo
15 origemdo domingo
 
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTAA054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
 
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de FilosofiaDo Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
Do Mito ao Renascentismo - Aula de Filosofia
 
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livreHistória da Igreja Nascente: a Igreja livre
História da Igreja Nascente: a Igreja livre
 
Origem do Domingo.pps
Origem do Domingo.ppsOrigem do Domingo.pps
Origem do Domingo.pps
 
Imperador Constantino
Imperador ConstantinoImperador Constantino
Imperador Constantino
 
Os Grandes Concilios Ecumenicos
Os Grandes Concilios EcumenicosOs Grandes Concilios Ecumenicos
Os Grandes Concilios Ecumenicos
 
Apresentação sobre páscoa nas religiões
Apresentação sobre páscoa nas religiõesApresentação sobre páscoa nas religiões
Apresentação sobre páscoa nas religiões
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue
Projeto Dengue
 

Semelhante a Historia da igreja aula 2

Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
REFORMADOR PROTESTANTE
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
PIB Penha
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
PIB Penha
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
PIB Penha - SP
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
JosJunqueira1
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
Concílio de nicéia a condenação dos evangelhos apócrifos
Concílio de nicéia   a condenação dos evangelhos apócrifosConcílio de nicéia   a condenação dos evangelhos apócrifos
Concílio de nicéia a condenação dos evangelhos apócrifos
Alexinaldo Ferreira
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
PIB Penha
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
PIB Penha - SP
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 
18
18 18
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
Glauco Gonçalves
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
Tiago Silva
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
cattonia
 
O catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leituraO catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leitura
Davidson Da Costa Ramos
 
Império Bizantino
Império BizantinoImpério Bizantino
Império Bizantino
Guilherme Drumond
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
geografiahistoria2013
 
História da Igreja
História da IgrejaHistória da Igreja
História da Igreja
rodrigobcaldas
 

Semelhante a Historia da igreja aula 2 (20)

Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
O big brother de roma
O big brother de romaO big brother de roma
O big brother de roma
 
30a atos
30a atos30a atos
30a atos
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
 
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
8 - O Cristianismo na idade média 1-8ª aula.pptx
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
Concílio de nicéia a condenação dos evangelhos apócrifos
Concílio de nicéia   a condenação dos evangelhos apócrifosConcílio de nicéia   a condenação dos evangelhos apócrifos
Concílio de nicéia a condenação dos evangelhos apócrifos
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
18
18 18
18
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
 
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
O catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leituraO catolicismo romano para leitura
O catolicismo romano para leitura
 
Império Bizantino
Império BizantinoImpério Bizantino
Império Bizantino
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
História da Igreja
História da IgrejaHistória da Igreja
História da Igreja
 

Mais de Lisanro Cronje

PANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.pptPANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
Lisanro Cronje
 
PANORAMA_DO_AT_2.ppt
PANORAMA_DO_AT_2.pptPANORAMA_DO_AT_2.ppt
PANORAMA_DO_AT_2.ppt
Lisanro Cronje
 
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.pptPANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
Lisanro Cronje
 
PANORAMA_DO_AT_3.ppt
PANORAMA_DO_AT_3.pptPANORAMA_DO_AT_3.ppt
PANORAMA_DO_AT_3.ppt
Lisanro Cronje
 
Panorama do nt 4
Panorama do nt 4Panorama do nt 4
Panorama do nt 4
Lisanro Cronje
 
Panorama do nt 3
Panorama do nt 3Panorama do nt 3
Panorama do nt 3
Lisanro Cronje
 
Panorama do nt 2
Panorama do nt 2Panorama do nt 2
Panorama do nt 2
Lisanro Cronje
 
Panorama do nt 1
Panorama do nt 1Panorama do nt 1
Panorama do nt 1
Lisanro Cronje
 
Panorama do at 4
Panorama do at 4Panorama do at 4
Panorama do at 4
Lisanro Cronje
 
Panorama do at 3
Panorama do at 3Panorama do at 3
Panorama do at 3
Lisanro Cronje
 
Panorama do at 1 Ensinai
Panorama do at 1 EnsinaiPanorama do at 1 Ensinai
Panorama do at 1 Ensinai
Lisanro Cronje
 
Panorama do at 2
Panorama do at 2Panorama do at 2
Panorama do at 2
Lisanro Cronje
 

Mais de Lisanro Cronje (12)

PANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.pptPANORAMA_DO_AT_4.ppt
PANORAMA_DO_AT_4.ppt
 
PANORAMA_DO_AT_2.ppt
PANORAMA_DO_AT_2.pptPANORAMA_DO_AT_2.ppt
PANORAMA_DO_AT_2.ppt
 
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.pptPANORAMA_DO_AT_1.ppt
PANORAMA_DO_AT_1.ppt
 
PANORAMA_DO_AT_3.ppt
PANORAMA_DO_AT_3.pptPANORAMA_DO_AT_3.ppt
PANORAMA_DO_AT_3.ppt
 
Panorama do nt 4
Panorama do nt 4Panorama do nt 4
Panorama do nt 4
 
Panorama do nt 3
Panorama do nt 3Panorama do nt 3
Panorama do nt 3
 
Panorama do nt 2
Panorama do nt 2Panorama do nt 2
Panorama do nt 2
 
Panorama do nt 1
Panorama do nt 1Panorama do nt 1
Panorama do nt 1
 
Panorama do at 4
Panorama do at 4Panorama do at 4
Panorama do at 4
 
Panorama do at 3
Panorama do at 3Panorama do at 3
Panorama do at 3
 
Panorama do at 1 Ensinai
Panorama do at 1 EnsinaiPanorama do at 1 Ensinai
Panorama do at 1 Ensinai
 
Panorama do at 2
Panorama do at 2Panorama do at 2
Panorama do at 2
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 

Historia da igreja aula 2

  • 1. HISTÓRIA DA IGREJAHISTÓRIA DA IGREJA ENSINAI – Aula 2ENSINAI – Aula 2 Pb. Lisandro CronjePb. Lisandro Cronje Tenda da FazendinhaTenda da Fazendinha
  • 2. HISTÓRIA DA IGREJA A IGREJA IMPERIAL (313-590)  Em 313, Constantino assume o Império Romano, onde depois de uma suposta conversão, encerra a perseguição ao cristianismo.  Diocleciano, seu antecessor, havia reestruturado o império em “oriente e ocidente”, sendo cada bloco comandando por um imperador e um vice-imperador (ou césar).  Eles governariam por 20 anos , sendo sucedido pelos césares mais 20 anos, assim por diante.  Em 286, Diocleciano indicou Maximiano imperador do ocidente, enquanto ele mesmo governava o oriente. Os césares eram Constâncio Cloro, pai de Constantino no oriente e Galério no oriente.
  • 3. HISTÓRIA DA IGREJA A IGREJA IMPERIAL (313-590)  Em 305, Galério torna-se imperador do oriente e promove grande perseguição aos cristãos, mas em 311, seis dias antes de morrer, promulgou o Édito de Tolerância, permitindo aos cristãos certa liberdade e paz.  Esta nova situação nova trouxe benefícios e malefícios: trouxe paz e liberdade aos cristãos, contudo, ela aproxima a igreja do poder secular e político, marcando o início de seu declínio moral e espiritual.  A igreja torna-se mais íntima do poder temporal que do poder do alto, e assim foi até 590. Quando Gregório, o Grande, assume a liderança da igreja, esta estava enriquecida e fortalecida politicamente, mas distante do modelo espiritual da igreja primitiva.
  • 4. HISTÓRIA DA IGREJA 1. A CONVERSÃO DE CONSTANTINO  Com a morte de Galério, Maxêncio tomou o lugar que se seria e de Constantino por manobras políticas.  Constantino aliou-se a Licínio e marcha em direção a Roma em 312, para lutar contra Maxêncio.  Durante esta marcha, Constantino viu em sonho um sinal de uma cruz no céu, brilhante como o sol, na qual esta escrito:”Com isto vencerás”. Mais tarde ele alegou que o Próprio Cristo lhe aparecera, segurando uma cruz.  Seguindo seu curso sob estas visões, Constantino vence a batalha. Ele e Licínio dividem o poder, e em 324 ele destitui seu antigo aliado assumindo soberano como único governante do Império Romano.
  • 5. HISTÓRIA DA IGREJA 1. A CONVERSÃO DE CONSTANTINO - A conversão de Constantino até hoje é motivo de controvérsia, podendo ser encarada como oportunismo político, mas é certo que sob seu governo cessou a perseguição aos cristãos. - Contudo, sob seu governo, enquanto imperador, detinha o título se Sumo Sacerdote Pagão (sumo Pontífice da Ordem Babilônica). - Somente aceitou o batismo em seu leito de morte em 337.
  • 6. HISTÓRIA DA IGREJA 2. O ÉDITO DE MILÃO  Ao assumir o poder Constantino promulgou o Édito de Milão, em 313, garantindo aos cristãos a liberdade de culto e colocando o cristianismo em igualdade com as demais religiões do império.  Com esse édito, devolveu as propriedades confiscadas durante as perseguições aos cristãos, trazendo nova era para a igreja, aproximando-a do estado.
  • 7. HISTÓRIA DA IGREJA 3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA  Esta nova situação da igreja, trouxe novas leis para favorecê-la. Após 6 ano do édito de Milão, uma nova lei isentou o clero de pesados impostos.  Mo mesmo ano em 319, foram proibidos sacrifícios aos deuses pagãos em casas particulares.  Em 321, a igreja foi autorizada a receber donativos, equiparando-se aos privilégios de pessoa jurídica.  Haviam templos sendo restaurados e novos em todos os lugares. Constantino construiu templos magníficos, como a Basílica de São Pedro em Roma, e a igreja do Santo Sepulcro.  Templos pagãos em forma de basílicas foram consagrados ao culto cristão, aumentando em todos os lugares o número dos cristãos.
  • 8. HISTÓRIA DA IGREJA 3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA - Contudo, decaia o nível moral dos chamados cristãos. Pouco a pouco os rituais pagãos foram sendo introduzidos no culto. - algumas antigas festas pagãs foram introduzidas com nomes diferentes. Por volta de 405, as imagens dos santos e mártires começaram a aparecer nos templos como objetos de reverência, mas não tardaram a ser adorados. - a adoração a Maria substitui a adoração às deusas Vênus e Diana. - Gradualmente o dinheiro publico foi enriquecendo as igrejas, sendo os Bispos tratados como funcionários pagos pelo Estado. - Domingo foi proclamado dia de descanso e de adoração em todo o império. Em 321 Constantino havia proibido o funcionamento dos tribunais aos domingos, exceto para libertação de escravos. - As crucificações foram abolidas e as gládias proibidas.
  • 9. HISTÓRIA DA IGREJA 3. A NOVA SITUAÇÃO DA IGREJA - Com o fim das perseguições, todos queriam ser membros da igreja e quase todos foram aceitos, resultando na ascensão da igreja ao poder. - Isto foi fatal para o já cambaleante cristianismo, pois já não tinha o poder para transformar o mundo, mas sendo invadido pelos pagãos, acomodou-se a eles. - Embora houvessem alguns que mantinham seu espírito puro, o clima dominante era de mediocridade e decadência espiritual.
  • 10. HISTÓRIA DA IGREJA 4. A CONTROVÉRSIA DONATISTA  Na época do Édito de Milão, a igreja no Norte da África achava- se dividida. O líder rebelde chamado Donato, revindicou sua parte do dinheiro estatal.  O Sínodo reúne-se em Roma e decide contra os rebeldes, agravando a situação.  Em 314, reúne-se um grande concílio, validando a consagração de um bispo de nome Ceciliano, que foi rejeitado pelos Donatistas.  Estes então consagraram um bispo para si, de nome Majorino, e depois Donato (que deu nome ao movimento).  O Imperador determina o fechamento de seus templos e o banimento dos bispos. Cristão perseguindo Cristão.  Esta é apenas uma amostra da política imperial estabelecida por Constantino para os problemas eclesiásticos.
  • 11. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS  O Império Romano do Séc IV tinha interesse em conservar a unidade da igreja por ser sua religião oficial, pois ela já vinhe sendo abalada com divisões e controvérsias doutrinárias. Foi nesse propósito que se realizaram os concílios.  Os sete primeiros concílios foram realizados entre 325 e 787, chamados ecumênicos, isto é, universais, pois representavam toda a igreja. São eles: Niceia I, Constantinopolitano, Éfeso, Calcedônia, Constantinopolitano II, Constantinopolitano III e Niceia II.
  • 12. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.1. Niceia I(325)  No início do séc IV, Ário, pastor de Alexandria, começou a ensinar que Deus é um só e não pode ser conhecido. A igreja aceitava a doutrina de Tertuliano segundo o qual Deus é uma única substância que consistia em três pessoas.  Ário convenceu a muitos, principalmente ex-pagãos, que estavam mais propensos a associar Jesus com os semideuses da mitologia grega.  O imperador romano Constantino convocou este concílio para resolver uma controvérsia importante na época que tratava da relação de Jesus Cristo (Deus Filho) com Deus Pai e para estabelecer um acordo universal sobre o tema.
  • 13. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.1. Niceia I(325) - Antes deste concílio, os bispos se reuniam apenas em encontros regionais como o Concílio de Jerusalém, e jamais havia ocorrido um encontro universal (ou ecumênico) antes. Mas, desta vez, representantes vieram de todos os cantos do império, em viagens custeadas pelo imperador. - O concílio produziu um credo, o credo niceno original, que recebeu apoio quase unânime. A doutrina do concílio de um "Filho unigênito do Pai" (Jesus) como sendo da mesma substância que o Pai se tornou a pedra fundamental do trinitarianismo cristão.
  • 14. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.1. Niceia I(325) - O concílio também tratou do tema da data da Páscoa (controvérsia da Páscoa), reconheceu o direito da sé de Alexandria de jurisdição fora de sua própria província e as prerrogativas das igrejas em Antioquia e em outras províncias. Ele aprovou também o costume pelo qual a sé de Jerusalém era honrada, mas sem a distinção de uma sé metropolitana. 5.2. Constantinopolitano(381) – No ano 330, Constantino inaugurou a cidade de Constantinopla, também chamada Nova Roma, transferindo a capital do império para esta nova capital. - Convocado por Teodósio, este concílio alterou o texto aprovado em Niceia, designando-lhe como 2º lugar em importância depois de Roma e antes de Alexandria. - também adaptou o Credo Niceno, desenvolvendo ensinos a cerca
  • 15. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.2. Constantinopolitano(381) - do E.S. - foi condenado o ensino de Apolinário, segundo o qual, na encarnação, o Logos divino substituíra a alma humana de Cristo. 5.3. Éfeso(431) – Convocado pelo Imperador Teodósio II, do oriente, e Valentiniano III, do ocidente, discutiu a heresia do Pelagianismo “que girava em torno da questão de como seres humanos são salvos”. (ver Livro) 5.4. Calcedônia(451) – O Concílio de Niceia havia definido a natureza divina de Cristo, faltando explicar sua natureza humana. O Imperador Marcião convocou este concílio para dirimir a questão. Contudo, na época a política pesava muito nas decisões, estando quase sempre Roma e Alexandria alinhadas e contrárias a Antioquia e Constantinopla.
  • 16. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.4. Calcedônia(451) – Este concílio repudiou a doutrina de Eutiques conhecida como “monofisismo”, descreveu e delineou a chamada "União Hipostática" e as duas naturezas de Cristo, a humana e a divina, e adotou o credo calcedoniano. 5.5. Constantinopolitano II(553) – Este concílio deu nova interpretação aos decretos de Calcedônia, expressando-os pela perspectiva alexandrina. Procurou explicar em termos mais construtivos a maneira que as duas naturezas de Cristo se uniram para formar uma única pessoa. - Também condenou o semipelagianismo.
  • 17. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.6. Constantinopolitano III(680-681) – Este concílio condenou o monotelismo, uma doutrina que vinha ganhando amplo suporte desde que fora proposta em 638 pelo patriarca Sérgio I de Constantinopla como uma nova tentativa de apelar aos cristãos monofisitas afirmando que Jesus encarnado teria duas naturezas (a divina e a humana), mas teria apenas uma vontade, a divina. - A resposta do concilio foi que Cristo tem duas naturezas, então há duas vontades, a humana e a divina.
  • 18. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.7. Niceia II(787) – Desde o séc IV, os cristãos, na prática adoravam imagens. Este hábito foi se degradando em baixa superstição, colocando o cristianismo moral e espiritualmente abaixo dos muçulmanos, que estavam em alta nessa época. - O abuso levou o imperador Constantino Coprônimo a convocar um concílio, reunindo 320 bispos, e condenou o culto as imagens, mas a imperatriz Irene, regente em nome do filho menor constantino, convocou o 7º concílio ecumênico em Niceia. O Concílio fez duas coisas: restaurou o uso de imagens nas igrejas e nos cultos, e, diferenciou entre “latria”, a adoração que se deve a Deus, e “dulia”, a veneração inferior que se presta a imagens. No início, houve confusão no ocidente, porque o latim não possuía duas palavras para fazer a distinção exata que se fez através dos termos gregos “latria” e “dulia”.
  • 19. HISTÓRIA DA IGREJA 5. OS SETE CONCÍLIOS ECUMÊNICOS 5.7. Niceia II (787) – Também decidiu que a representação figurada de Cristo, da Virgem Maria, dos Anjos e dos Santos não só era permitida, como também recomendada. 5.8. O Reconhecimento dos concílios pelos cristãos – As igrejas ortodoxas acreditam que os primeiros sete concílios ecumênicos da igreja não dividida, constituem o corpo doutrinário definitivo da cristandade. Rejeitam qualquer modificação ou acréscimo ao que foi definido até 787, bem como a doutrina da infalibilidade papal. - a Igreja Católica defende o processo contínuo das descobertas da verdade teológica, tendo como válido todos os concílios realizados após os sete primeiros. Até hoje são 21 concílios ecumênicos. - Unanimemente, somente os quatro primeiros são reconhecidos.
  • 20. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA  6.1. Agostinho (354-430) - Agostinho (354-430) - Aurélio Agostinho nasceu na cidade de Tagaste de Numídia, província romana ao norte da África, hoje atual região da Argélia, no ano de 354. Iniciou seus estudos em sua cidade natal, seguindo depois para Cartago. Ensinou retórica e gramática, tanto no Norte de África como na Itália. Ficou conhecido como o Filósofo e Teólogo de Hipona. Polemista capaz, pregador de talento, administrador episcopal competente, teólogo notável, ele criou uma filosofia cristã da história que continua válida até hoje em sua essência.  Inspirado no tratado filosófico, Hortensius, de Cícero, converteu-se em ardoroso pesquisador da verdade, aderindo ao maniqueísmo. Com vinte anos, perdeu o pai e ficou sendo o responsável pelo sustento da família.
  • 21. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.1. Agostinho (354-430) - Mudou-se para Roma. Sua mãe foi contra a mudança e Agostinho teve de enganá-la na hora da viagem. De Roma viajou a Milão, onde foi novamente professor de retórica. - Foi influenciado pelos estóicos, por Platão e o neoplatonismo, também estava entre os adeptos do ceticismo. Em Milão, conheceu Ambrósio que o converteu ao cristianismo. Agostinho voltou ao norte da África, onde foi ordenado sacerdote e, mais tarde, consagrado bispo de Hipona. Combateu a heresia maniqueísta que antes defendia e participou de dois grandes conflitos religiosos: o Donatismo e o Pelagianismo. - Sua obra mais conhecida é a autobiografia Confissões, escrito, possivelmente, em 400. Em A Cidade de Deus (413-426) formulou uma filosofia teológica da história.
  • 22. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.2. Ambrósio (340-397) – Bispo de Milão, destacou-se por sua luta contra o arianismo. - Estabeleceu um padrão musical para sua diocese, que mais tarde passou a ser conhecido como “Canto Gregoriano”. Por esse motivo é denominado Pai dos Cânticos. - Contribuiu para a união da igreja na época em que o Império Romano desmoronava. - Escreveu dezenas de tratados, destacando-se De Officiis Ministrorum, onde aborda o tema da ética dos cléricos. - Tornou-se bem conhecido por ter sido mentor de Agostinho de Hipona.
  • 23. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.3. Eusébio de Cesareia (265-340) – Nascido em Cesareia da Palestina, foi nomeado bispo dessa cidade em 313. foi adepto do arianismo por certo tempo, porém o imperador Constantino convenceu-o a aceitar o Credo Niceno. - Foi Constantino que incumbiu Eusébio de fazer a narração desta primeira história do Cristianismo, coroando-a com a sua imperial adesão a Cristo. “A ortodoxia era apenas uma das várias formas de cristianismo, durante o século III, e pode só ter se tornado dominante no tempo de Eusébio” (JOHNSON, 2001: 69). Ele é o autor de importantes obras tais como: "História Eclesiástica", "Vida de Constantino", Onomasticon (uma enciclopédia bíblica) entre outras.
  • 24. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.4. Jerônimo (347-420) – é considerado o mais sábio entre os pais da igreja. Estudou gramática, retórica e filosofia, e conhecia o hebraico, o grego, o latim e o copta. Erudito das Escrituras e Tradutor da Bíblia para o Latim. Sua tradução, conhecida como a Vulgata, ou Bíblia do Povo, foi amplamente utilizada nos séculos posteriores como compêndio para o estudo da língua latina, assim como para o estudo das Escrituras. - Nascido por volta do ano 345 em Aquiléia (Veneza), extremo norte do Mar Adriático, na Itália, Jerônimo passou a maior parte da sua juventude em Roma estudando línguas e filosofia. Apesar da história não relatar pormenores de sua conversão, sabe que se batizou quando tinha entre dezenove para vinte anos. Logo após, Jerônimo embarcou em uma peregrinação pelo Império que levou vinte anos. Também escreveu 24 comentários bíblicos, entre outras obras.
  • 25. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.3. Eusébio de Cesareia (265-340) – Nascido em Cesareia da Palestina, foi nomeado bispo dessa cidade em 313. foi adepto do arianismo por certo tempo, porém o imperador Constantino convenceu-o a aceitar o Credo Niceno. - Foi Constantino que incumbiu Eusébio de fazer a narração desta primeira história do Cristianismo, coroando-a com a sua imperial adesão a Cristo. “A ortodoxia era apenas uma das várias formas de cristianismo, durante o século III, e pode só ter se tornado dominante no tempo de Eusébio” (JOHNSON, 2001: 69). Ele é o autor de importantes obras tais como: "História Eclesiástica", "Vida de Constantino", Onomasticon (uma enciclopédia bíblica) entre outras.
  • 26. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.5. João Crisóstomo (347-407) – Criado em Antioquia, seus grandes dotes de graça e eloquência como pregador levaram-no a ser chamado a Constantinopla, onde se tornou patriarca, ou arcebispo. - Como os outros Apologistas, ele harmonizou o ensinamento cristão com a erudição grega, dando novos significados cristãos a antigos termos filosóficos, como a caridade. Em seus sermões, defendia uma moralidade que não fizesse qualquer transigência com a conveniência e a paixão, e uma caridade que conduzisse todos os cristãos a uma vida apostólica de devoção e de pobreza comunal. - Essa piedosa mensagem, entretanto, tornou-o impopular na corte imperial e mesmo entre alguns membros do clero de Constantinopla, de modo que acabou sendo banido e morreu no exílio.
  • 27. HISTÓRIA DA IGREJA 6. OS PAIS DA IGREJA 6.6. Teodoro de Mopsuéstia (350-428) – é considerado “o príncipe dos exegetas” da antiguidade. Pertencia a escola de Antioquia e, juntamente com Crisóstomo, insisti em que o texto bíblico devia ser entendido em seu contexto histórico e gramatical.
  • 28. HISTÓRIA DA IGREJA 7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA  Como observamos, a Igreja Católica Romana é resultado da união da igreja do séc.IV com o Império Romano. Deste processo resultou em uma organização centralizada na pessoa do para, iniciando um fortalecimento do poder secular dos bispos, resultante do poderio do bispo de Roma.  Com o declínio do Império Romano, este bispo cresceu em influência e consolida seu poder durante o bispado de Gregório, o grande. 7.1. A autoridade dos bispos  Os bispos do século IV tiveram sua autoridade aumentada por meio dos concílios ecumênicos. Decidindo questões doutrinárias de toda igreja, ele cresceram em prestígio.
  • 29. HISTÓRIA DA IGREJA 7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA 7.1. A autoridade dos bispos  Robert Hasting Nichols explica que o processo de centralização da autoridade na igreja desenvolveu-se com o aparecimento do bispo, que a princípio era somente o dirigente de uma igreja e depois tornou-se governador de uma diocese, e posteriormente os bispos das capitais cresceram mais ainda, chamados bispos metropolitanos, mais tarde ainda como patriarcas, como os bispos de Roma, Constantinopla, Alexandria, Antioquia e Jerusalém. 7.2. O Engrandecimento do bispo de Roma  H. H. Halley: todos os bispos foram igualmente respeitados até 313, quando o bispo de Roma autodenominou-se primus inter pares...(ler)
  • 30. HISTÓRIA DA IGREJA 7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA 7.2. O Engrandecimento do bispo de Roma  A transferência da capital para Constantinopla, em 330, deu grande impulso à consolidação do poder de Roma. Embora Roma tivesse a primazia como centro do mundo cristão, a figura do bispo era ofuscada pelo imperador.  Com a mudança da capital para Constantinopla, o bispo de Roma passou a ser a principal autoridade na antiga capital.  No Séc. V, alegou-se autoridade e sucessão apostólica de Pedro para o bispo de Roma.
  • 31. HISTÓRIA DA IGREJA 7. A IGREJA CATÓLICA ROMANA 7.3. O bispado de Gregório, O Grande  As pretensões de dar ao bispo de Roma a primazia definitiva sobre os demais bispos foram cimentadas na gestão de Gregório I, entre 590 a 604. J. N. Akers declara: … (livro)  Considera-se o papado de Gregório I, o Grande, por sias notáveis qualidades políticas e administrativas, o marco inicial da idade média.