SlideShare uma empresa Scribd logo
OS PURITANOS
Escola Bíblica IBLM 2018
DINHEIRO
Os Puritanos Como Realmente Eram
A Ética Protestante e o Espírito
do Capitalismo
◦Livro de Max Weber, 1930;
◦Weber encontrou muitas conexões entre o
movimento protestante e o capitalismo
moderno;
◦Porém, a tese de Weber produziu alguns
resultados infelizes.
O DINHEIRO É BOM
OU RUIM?
Os Puritanos Como Realmente Eram
O Dinheiro é Bom ou Ruim?
◦A visão católica medieval dizia que a pobreza é
inerentemente virtuosa;
◦O ponto de partida do pensamento reformado sobre
o dinheiro e os bens era de que essas coisas, em
princípio, eram boas;
◦Os puritanos concordaram com Calvino que “o
dinheiro em si é bom”;
“As riquezas são consistentes com a
santidade, e quanto mais um homem
tem, mais condições tem de fazer o
bem, se Deus lhe dá um coração para
isso.” Samuel Willard
O Dinheiro é Bom ou Ruim?
◦Ao afirmar as virtudes do dinheiro, os puritanos
acharam necessário defender os aspectos legítimos
do dinheiro contra as suas depreciações;
◦Os puritanos não sentiam culpa com relação a
ganhar dinheiro; ganhar dinheiro era uma forma de
mordomia;
O Dinheiro é Bom ou Ruim?
◦Por que os puritanos estavam tão certos de
que o dinheiro era algo bom?
◦Principalmente porque criam que o dinheiro e
riquezas eram presentes de Deus;
◦Os puritanos dissociavam a ideia do mérito
humano.
O Dinheiro é Bom ou Ruim?
◦Uma extensão desse pensamento foi a defesa dos
puritanos pela propriedade privada;
◦Entretanto, os puritanos desprezavam aqueles
que confundem a prosperidade exterior com a
verdadeira felicidade.
“Assim, pode-se dizer de nossa prosperidade exterior que,
sendo que Deus tem dado tão grande encorajamento,
podemos de boa vontade nos deleitar com os outros nas
coisas que são boas. Mas devemos descobrir que o nosso
abraçar entusiástico da doutrina de Deus e do amor a ela
e o esforço para em boa consciência apreciar a redenção de
Cristo é o que faz nossas vidas alegres, pois isso não pode
por qualquer malícia do homem ou do diabo ser tomado
de nós.” Richard Rogers
E QUANTO À
POBREZA?
Os Puritanos Como Realmente Eram
E Quanto à Pobreza?
◦Se as riquezas são uma bênção de Deus, então a
pobreza deve ser uma maldição e um sinal do
desfavor de Deus – certo?
◦Em primeiro lugar, os puritanos discordavam de que
a santidade é uma garantia de sucesso;
◦O contrário também é verdadeiro: o sucesso não é
sinal de santidade;
“A verdadeira santidade é geralmente
acompanhada de perseguição... Os
santos não têm carta de isenção de
provações... Sua piedade não lhe
protegerá dos sofrimentos.” Thomas
Watson
E Quanto à Pobreza?
◦A pobreza não é necessariamente algo mau ou
vergonhoso;
◦Os puritanos alegaram que a pobreza pode
muito bem ser o modo de Deus abençoar ou
ensinar espiritualmente uma pessoa;
“A pobreza trabalha para o bem dos filhos de
Deus. Ela enfraquece suas cobiças. Ela
aumenta suas graças. “Pobre no mundo, rico
na fé” (Tiago 2.5). A pobreza tende à
oração. Depois que Deus poda as asas de seus
filhos pela pobreza, eles voam velozes ao trono
da graça.” Thomas Watson
E Quanto à Pobreza?
◦Os puritanos foram cuidadosos ao se distinguirem
do ensino católico sobre a pobreza como algo
meritório;
◦Eles não idealizaram a pobreza como algo a ser
buscado;
◦Também rejeitaram a ética do descaso, que se
contenta com deixar os pobres permaneceram
pobres.
“A pobreza também tem suas tentações...
Pois mesmo os pobres podem angustiar-se
com o amor àquela riqueza e abundância
que nunca alcançam; e podem perecer por
amar demasiadamente o mundo os que
ainda não prosperaram no mundo.”
Richard Baxter
OS PERIGOS DA
RIQUEZA
Os Puritanos Como Realmente Eram
Os Perigos da Riqueza
◦Para nossa grande surpresa, os puritanos viram uma
relação inversa entre riqueza e a santidade;
◦As razões por que o dinheiro é perigoso:
◦O dinheiro pode substituir Deus;
◦Instilam confiança no eu em vez de em Deus;
◦Absorve tanto a energia, quanto o tempo de uma pessoa;
◦Gera um apetite que nunca pode satisfazer.
“A experiência mostra que é algo fácil em
meio aos negócios seculares perder a vida e o
poder da religião, nada restando disso senão
apenas a forma externa, como se fosse o
cadáver ou a casca, tendo o mundanismo
carcomido o miolo, tendo consumido a própria
alma e a vida da santidade.” Richard
Mather
Os Perigos da Riqueza
◦Se o dinheiro é tão perigoso assim, não deveria uma
pessoa simplesmente evitá-lo?
◦O antídoto aos pecados que a riqueza pode trazer é
desobstruir-se da devoção à riqueza;
◦Em suma, o meio de evitar os perigos do dinheiro é
colocar em primeiro lugar as primeiras coisas.
“No comércio, na agricultura ou em qualquer
outro empreendimento lucrativo, estamos
acostumados a dizer de um homem que ficou rico
que ele fez uso do seu tempo; mas quando o céu e
a comunhão com Deus no dia a dia, e uma vida
santa e o conforto de uma morte cheia de gozo
estão em vista, com que alegria se deveria remir o
tempo para estas coisas?” Richard Baxter
O IDEAL PURITANO
DE MODERAÇÃO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Quanto é o Bastante?
◦Para os puritanos, a questão crucial não era o valor
da renda de uma pessoa, mas quanto era gasto
consigo mesmo;
◦Devemos buscar o contentamento em nossa
condição atual;
◦A moderação como objetivo;
Quanto é o Bastante?
◦Inimigos da moderação:
◦A ganância pela riqueza;
◦Os “vícios da riqueza”:
◦Comer em excesso;
◦Gastos excessivos com esportes e recreação;
◦Prédios suntuosos desnecessários.
Quanto é o Bastante?
◦Chaves para viver moderadamente:
◦Estar contente com um estilo de vida moderado;
◦A habilidade de voluntariamente definir limites a nossos
gastos;
◦Pôr riqueza e bens na perspectiva de que o espiritual e o
eterno são mais dignos de nosso tempo e atenção que o
físico e o temporal.
PARA QUE É O
DINHEIRO?
Os Puritanos Como Realmente Eram
Para Que é o Dinheiro?
◦É um bem social, não uma propriedade privada;
◦Quais são os fins ou as utilidades do dinheiro?
Os puritanos podem falar sobre si sobre o
assunto:
Para Que é o Dinheiro?
◦“As riquezas podem nos capacitar a aliviar nossos irmãos
carentes e promover boas obras para a igreja e para o
Estado.”
◦“Dinheiro existe para a glória de Deus e o bem dos outros.”
◦“Os filhos de Deus buscam o uso espiritual daquelas coisas
que as pessoas do mundo usam carnalmente.”
Para Que é o Dinheiro?
◦A perspectiva puritana originava-se de uma firme
convicção de que as pessoas são mordomos do
que Deus lhes confiou;
◦Esta teoria da mordomia fornece um teste
seguro sobre se as pessoas estão gastando seu
dinheiro bem ou pobremente.
“Se você desejou riquezas apenas para o serviço do
seu Senhor e as tem usado para Ele, e pode
verdadeiramente dar este testemunho de que as dispôs
não para o prazer ou o orgulho desnecessários da
carne, mas para suprir a si mesmo, sua família e a
outros para o serviço de Deus..., de acordo com a
vontade dEle, e para uso dEle, então deve esperar a
recompensa de servo bom e fiel.” Richard Baxter
CRÍTICA PURITANA DAS
ATITUDES MODERNAS EM
RELAÇÃO AO DINHEIRO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Crítica Puritana das Atitudes
Modernas
◦Crítica Puritana da ética do sucesso;
◦Crítica Puritana da pessoa autorrealizada;
◦Crítica Puritana da moderna ética dos negócios;
◦Crítica Puritana da filosofia da “vida simples”;
◦Crítica Puritana do socialismo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O mandamento do amor
O mandamento do amorO mandamento do amor
O mandamento do amor
Fulvio Leite
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Respirando Deus
 
Maria Dogmas e doutrinas.pptx
Maria Dogmas e doutrinas.pptxMaria Dogmas e doutrinas.pptx
Maria Dogmas e doutrinas.pptx
JailsonAndersen
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
Gcom digital factory
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
Jasiel Oliveira
 
Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico
mbsilva1971
 
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
ALTAIR GERMANO
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Rodrigo F Menegatti
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Respirando Deus
 
O que foi o Concílio Vaticano II
O que foi o Concílio Vaticano IIO que foi o Concílio Vaticano II
O que foi o Concílio Vaticano II
Pedronobrega1
 
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruzMaria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Afonso Murad (FAJE)
 
Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
Antonio Filho
 
Lição 7 - O Altar sempre Aceso
Lição 7 - O Altar sempre AcesoLição 7 - O Altar sempre Aceso
Lição 7 - O Altar sempre Aceso
Éder Tomé
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
Fábio Vasconcelos
 
Culto a virgem maria
Culto a virgem mariaCulto a virgem maria
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptx
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptxFormação paroquial para coroinhas - 01.pptx
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptx
AlisonRodrigues29
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Éder Tomé
 
Teologia contemporanea
Teologia contemporaneaTeologia contemporanea
Teologia contemporanea
Antonio Rodrigues
 
Milagres Eucaristicos
Milagres EucaristicosMilagres Eucaristicos
Milagres Eucaristicos
carlosedvargas
 

Mais procurados (20)

O mandamento do amor
O mandamento do amorO mandamento do amor
O mandamento do amor
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
Escola Bíblica: Os Puritanos - #01
 
Maria Dogmas e doutrinas.pptx
Maria Dogmas e doutrinas.pptxMaria Dogmas e doutrinas.pptx
Maria Dogmas e doutrinas.pptx
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
 
Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico
 
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
OS DESAFIOS ATUAIS DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
 
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia Apresentação 2 Coríntios - Teologia
Apresentação 2 Coríntios - Teologia
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
Escola Bíblica: Os Puritanos - #06
 
O que foi o Concílio Vaticano II
O que foi o Concílio Vaticano IIO que foi o Concílio Vaticano II
O que foi o Concílio Vaticano II
 
Maria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruzMaria nas bodas de Caná e na cruz
Maria nas bodas de Caná e na cruz
 
Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)Por que crer na bíblia(01)
Por que crer na bíblia(01)
 
Lição 7 - O Altar sempre Aceso
Lição 7 - O Altar sempre AcesoLição 7 - O Altar sempre Aceso
Lição 7 - O Altar sempre Aceso
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
 
Culto a virgem maria
Culto a virgem mariaCulto a virgem maria
Culto a virgem maria
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptx
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptxFormação paroquial para coroinhas - 01.pptx
Formação paroquial para coroinhas - 01.pptx
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
Teologia contemporanea
Teologia contemporaneaTeologia contemporanea
Teologia contemporanea
 
Milagres Eucaristicos
Milagres EucaristicosMilagres Eucaristicos
Milagres Eucaristicos
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #03

O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiro
IPB706Sul
 
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptxcaptuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
AnnaPaula5710
 
Teologia da Prosperidade
Teologia da ProsperidadeTeologia da Prosperidade
Teologia da Prosperidade
RODRIGO FERREIRA
 
FINANÇAS E CONSUMISMO
FINANÇAS E CONSUMISMOFINANÇAS E CONSUMISMO
FINANÇAS E CONSUMISMO
Enerliz
 
Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?
Quenia Damata
 
Dizimo CERTO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
Dizimo CERTO  xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...Dizimo CERTO  xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
Dizimo CERTO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
lindalva da cruz
 
Texto07 paradebate teologiadaprosperidade
Texto07 paradebate teologiadaprosperidadeTexto07 paradebate teologiadaprosperidade
Texto07 paradebate teologiadaprosperidade
Geusy Lene
 
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidadeLivro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
DanielleSueli
 
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessárioLição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
Éder Tomé
 
Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
uriank
 
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSISTODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
Helio Diniz
 
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
José Luiz Silva Pinto
 
C1325 dois senhores
C1325 dois senhoresC1325 dois senhores
C1325 dois senhores
Paroquia Arronches
 
Dois senhores
Dois senhoresDois senhores
Dois senhores
pr_afsalbergaria
 
Lição 10 - A Mordomia das Finanças
Lição 10 - A Mordomia das FinançasLição 10 - A Mordomia das Finanças
Lição 10 - A Mordomia das Finanças
Éder Tomé
 
Viver com sabedoria
Viver com sabedoriaViver com sabedoria
Viver com sabedoria
Helio Cruz
 
Investindo Na Vida Eterna.pdf
Investindo Na Vida Eterna.pdfInvestindo Na Vida Eterna.pdf
Investindo Na Vida Eterna.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Dinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e PoderDinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e Poder
marckmel
 
Mensagens para a sua alma 2009
Mensagens para a sua alma   2009Mensagens para a sua alma   2009
Mensagens para a sua alma 2009
Elcio Cunha
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Francisco Barbosa
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #03 (20)

O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiro
 
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptxcaptuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
captuloxvi-evangelho-anna certo.pptx
 
Teologia da Prosperidade
Teologia da ProsperidadeTeologia da Prosperidade
Teologia da Prosperidade
 
FINANÇAS E CONSUMISMO
FINANÇAS E CONSUMISMOFINANÇAS E CONSUMISMO
FINANÇAS E CONSUMISMO
 
Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?
 
Dizimo CERTO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
Dizimo CERTO  xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...Dizimo CERTO  xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
Dizimo CERTO xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
 
Texto07 paradebate teologiadaprosperidade
Texto07 paradebate teologiadaprosperidadeTexto07 paradebate teologiadaprosperidade
Texto07 paradebate teologiadaprosperidade
 
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidadeLivro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
 
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessárioLição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
Lição 2 – Nem pobreza e nem riqueza, mas o necessário
 
Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
 
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSISTODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
 
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
 
C1325 dois senhores
C1325 dois senhoresC1325 dois senhores
C1325 dois senhores
 
Dois senhores
Dois senhoresDois senhores
Dois senhores
 
Lição 10 - A Mordomia das Finanças
Lição 10 - A Mordomia das FinançasLição 10 - A Mordomia das Finanças
Lição 10 - A Mordomia das Finanças
 
Viver com sabedoria
Viver com sabedoriaViver com sabedoria
Viver com sabedoria
 
Investindo Na Vida Eterna.pdf
Investindo Na Vida Eterna.pdfInvestindo Na Vida Eterna.pdf
Investindo Na Vida Eterna.pdf
 
Dinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e PoderDinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e Poder
 
Mensagens para a sua alma 2009
Mensagens para a sua alma   2009Mensagens para a sua alma   2009
Mensagens para a sua alma 2009
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Respirando Deus
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
Respirando Deus
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
Escola Bíblica: Os Puritanos - #05
 
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
Escola Bíblica: Os Puritanos - #02
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
 

Último

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 

Escola Bíblica: Os Puritanos - #03

  • 2. DINHEIRO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 3. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo ◦Livro de Max Weber, 1930; ◦Weber encontrou muitas conexões entre o movimento protestante e o capitalismo moderno; ◦Porém, a tese de Weber produziu alguns resultados infelizes.
  • 4. O DINHEIRO É BOM OU RUIM? Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 5. O Dinheiro é Bom ou Ruim? ◦A visão católica medieval dizia que a pobreza é inerentemente virtuosa; ◦O ponto de partida do pensamento reformado sobre o dinheiro e os bens era de que essas coisas, em princípio, eram boas; ◦Os puritanos concordaram com Calvino que “o dinheiro em si é bom”;
  • 6. “As riquezas são consistentes com a santidade, e quanto mais um homem tem, mais condições tem de fazer o bem, se Deus lhe dá um coração para isso.” Samuel Willard
  • 7. O Dinheiro é Bom ou Ruim? ◦Ao afirmar as virtudes do dinheiro, os puritanos acharam necessário defender os aspectos legítimos do dinheiro contra as suas depreciações; ◦Os puritanos não sentiam culpa com relação a ganhar dinheiro; ganhar dinheiro era uma forma de mordomia;
  • 8. O Dinheiro é Bom ou Ruim? ◦Por que os puritanos estavam tão certos de que o dinheiro era algo bom? ◦Principalmente porque criam que o dinheiro e riquezas eram presentes de Deus; ◦Os puritanos dissociavam a ideia do mérito humano.
  • 9. O Dinheiro é Bom ou Ruim? ◦Uma extensão desse pensamento foi a defesa dos puritanos pela propriedade privada; ◦Entretanto, os puritanos desprezavam aqueles que confundem a prosperidade exterior com a verdadeira felicidade.
  • 10. “Assim, pode-se dizer de nossa prosperidade exterior que, sendo que Deus tem dado tão grande encorajamento, podemos de boa vontade nos deleitar com os outros nas coisas que são boas. Mas devemos descobrir que o nosso abraçar entusiástico da doutrina de Deus e do amor a ela e o esforço para em boa consciência apreciar a redenção de Cristo é o que faz nossas vidas alegres, pois isso não pode por qualquer malícia do homem ou do diabo ser tomado de nós.” Richard Rogers
  • 11. E QUANTO À POBREZA? Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 12. E Quanto à Pobreza? ◦Se as riquezas são uma bênção de Deus, então a pobreza deve ser uma maldição e um sinal do desfavor de Deus – certo? ◦Em primeiro lugar, os puritanos discordavam de que a santidade é uma garantia de sucesso; ◦O contrário também é verdadeiro: o sucesso não é sinal de santidade;
  • 13. “A verdadeira santidade é geralmente acompanhada de perseguição... Os santos não têm carta de isenção de provações... Sua piedade não lhe protegerá dos sofrimentos.” Thomas Watson
  • 14. E Quanto à Pobreza? ◦A pobreza não é necessariamente algo mau ou vergonhoso; ◦Os puritanos alegaram que a pobreza pode muito bem ser o modo de Deus abençoar ou ensinar espiritualmente uma pessoa;
  • 15. “A pobreza trabalha para o bem dos filhos de Deus. Ela enfraquece suas cobiças. Ela aumenta suas graças. “Pobre no mundo, rico na fé” (Tiago 2.5). A pobreza tende à oração. Depois que Deus poda as asas de seus filhos pela pobreza, eles voam velozes ao trono da graça.” Thomas Watson
  • 16. E Quanto à Pobreza? ◦Os puritanos foram cuidadosos ao se distinguirem do ensino católico sobre a pobreza como algo meritório; ◦Eles não idealizaram a pobreza como algo a ser buscado; ◦Também rejeitaram a ética do descaso, que se contenta com deixar os pobres permaneceram pobres.
  • 17. “A pobreza também tem suas tentações... Pois mesmo os pobres podem angustiar-se com o amor àquela riqueza e abundância que nunca alcançam; e podem perecer por amar demasiadamente o mundo os que ainda não prosperaram no mundo.” Richard Baxter
  • 18. OS PERIGOS DA RIQUEZA Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 19. Os Perigos da Riqueza ◦Para nossa grande surpresa, os puritanos viram uma relação inversa entre riqueza e a santidade; ◦As razões por que o dinheiro é perigoso: ◦O dinheiro pode substituir Deus; ◦Instilam confiança no eu em vez de em Deus; ◦Absorve tanto a energia, quanto o tempo de uma pessoa; ◦Gera um apetite que nunca pode satisfazer.
  • 20. “A experiência mostra que é algo fácil em meio aos negócios seculares perder a vida e o poder da religião, nada restando disso senão apenas a forma externa, como se fosse o cadáver ou a casca, tendo o mundanismo carcomido o miolo, tendo consumido a própria alma e a vida da santidade.” Richard Mather
  • 21. Os Perigos da Riqueza ◦Se o dinheiro é tão perigoso assim, não deveria uma pessoa simplesmente evitá-lo? ◦O antídoto aos pecados que a riqueza pode trazer é desobstruir-se da devoção à riqueza; ◦Em suma, o meio de evitar os perigos do dinheiro é colocar em primeiro lugar as primeiras coisas.
  • 22. “No comércio, na agricultura ou em qualquer outro empreendimento lucrativo, estamos acostumados a dizer de um homem que ficou rico que ele fez uso do seu tempo; mas quando o céu e a comunhão com Deus no dia a dia, e uma vida santa e o conforto de uma morte cheia de gozo estão em vista, com que alegria se deveria remir o tempo para estas coisas?” Richard Baxter
  • 23. O IDEAL PURITANO DE MODERAÇÃO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 24. Quanto é o Bastante? ◦Para os puritanos, a questão crucial não era o valor da renda de uma pessoa, mas quanto era gasto consigo mesmo; ◦Devemos buscar o contentamento em nossa condição atual; ◦A moderação como objetivo;
  • 25. Quanto é o Bastante? ◦Inimigos da moderação: ◦A ganância pela riqueza; ◦Os “vícios da riqueza”: ◦Comer em excesso; ◦Gastos excessivos com esportes e recreação; ◦Prédios suntuosos desnecessários.
  • 26. Quanto é o Bastante? ◦Chaves para viver moderadamente: ◦Estar contente com um estilo de vida moderado; ◦A habilidade de voluntariamente definir limites a nossos gastos; ◦Pôr riqueza e bens na perspectiva de que o espiritual e o eterno são mais dignos de nosso tempo e atenção que o físico e o temporal.
  • 27. PARA QUE É O DINHEIRO? Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 28. Para Que é o Dinheiro? ◦É um bem social, não uma propriedade privada; ◦Quais são os fins ou as utilidades do dinheiro? Os puritanos podem falar sobre si sobre o assunto:
  • 29. Para Que é o Dinheiro? ◦“As riquezas podem nos capacitar a aliviar nossos irmãos carentes e promover boas obras para a igreja e para o Estado.” ◦“Dinheiro existe para a glória de Deus e o bem dos outros.” ◦“Os filhos de Deus buscam o uso espiritual daquelas coisas que as pessoas do mundo usam carnalmente.”
  • 30. Para Que é o Dinheiro? ◦A perspectiva puritana originava-se de uma firme convicção de que as pessoas são mordomos do que Deus lhes confiou; ◦Esta teoria da mordomia fornece um teste seguro sobre se as pessoas estão gastando seu dinheiro bem ou pobremente.
  • 31. “Se você desejou riquezas apenas para o serviço do seu Senhor e as tem usado para Ele, e pode verdadeiramente dar este testemunho de que as dispôs não para o prazer ou o orgulho desnecessários da carne, mas para suprir a si mesmo, sua família e a outros para o serviço de Deus..., de acordo com a vontade dEle, e para uso dEle, então deve esperar a recompensa de servo bom e fiel.” Richard Baxter
  • 32. CRÍTICA PURITANA DAS ATITUDES MODERNAS EM RELAÇÃO AO DINHEIRO Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 33. Crítica Puritana das Atitudes Modernas ◦Crítica Puritana da ética do sucesso; ◦Crítica Puritana da pessoa autorrealizada; ◦Crítica Puritana da moderna ética dos negócios; ◦Crítica Puritana da filosofia da “vida simples”; ◦Crítica Puritana do socialismo.

Notas do Editor

  1. Esse foi um dos livros mais influentes e controversos do nosso século, o nome do livro é A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo – Cia das Letras. Max Weber diz que o aparecimento do comércio da classe média ocorreu principalmente entre os protestantes. A crença de servia a Deus em seu chamado pessoal secular, uma tendência de viver vidas disciplinadas, ênfase no trabalho árduo e uma boa consciência referente ao ganho de dinheiro. Os protestantes passaram a carregar a imagem de ter colocado o lucro como o grande objetivo da vida, de terem acumulado riquezas e de terem aprovado todo o tipo de competição nos negócios. A conclusão é que a tese de Weber era uma boa ideia que acabou pervertendo seriamente a verdade.
  2. Lembram dos monges no período medieval? Eles faziam voto de pobreza, por causa desse tipo de pensamento. Os reformadores não viam dessa forma, inclusive Lutero, monge, ele não pensava dessa forma. - Nos nossos dias, além disso, ele é necessário. O problema está na maneira de pensar sobre o dinheiro, no que fazer com ele.
  3. Existem pregações puritanas especificamente nesse assunto no qual eles afirmam que a posse de bens, por exemplo, deve ser vista como bênção de Deus quando essas forem bem usadas, que amontoar tesouros não é simplesmente proibido, mas que a Palavra permite em um certo sentido. Richard Baxter disse: “Se Deus lhe mostrar um meio pelo qual possa legalmente ganhar mais do que por outro meio (sem prejuízo à sua alma, ou à qualquer outra), se você o recusa e escolhe o meio menos lucrativo, você cruza uma fronteira do seu chamado e recusa-se a ser o mordomo de Deus”. Como seria se as grandes riquezas estivessem nas mãos dos verdadeiros cristãos nesse mundo? Exemplo do Francis Chan.
  4. A propriedade privada se fundamenta não apenas do direito humano mas também no direito natural e divino. Tem uma história sobre um puritano chamado John Hull, foi um dos primeiros príncipes mercantes dos EUA, ele certa vez perdeu seus navios para os holandeses, então encontrou consolo na providência de Deus, disse assim: “A perda do meu patrimônio não será nada, se agradar ao Senhor aproximar de Si minha alma e desprendê-la dos confortos da criatura”. Mais tarde ele teve seus cavalos roubados, John Hull reagiu na perspectiva da posse privada disse que “o faria saber que são, pela boa providência de Deus, meus.” -
  5. Errado, segundo os puritanos. Inclusive eles afirmavam que a verdadeira santidade é geralmente acompanhada de perseguição. Se as riquezas não são evidências do amor de Deus, assim também a pobreza não é sinal da sua raiva ou ódio.
  6. Eles diziam que a pobreza várias vezes é enviada por Deus aos santos, ou como correção, ou provação ou ambos. -
  7. Eles denunciaram os votos de pobreza dos monges dizendo que era loucura, superstição, tentando alcançar méritos diante de Deus. Eles julgaram que a pobreza não é um meio seguro de se evitar a tentação. O homem rico deve confortar o pobre pela liberalidade. Eles diziam que Deus ao enviar riquezas, também enviaria homens pobres para serem ajudados por ela.
  8. Em vez de considerar o sucesso sempre como um sinal de aprovação de Deus ou da sua própria virtude, os puritanos estavam muito mais dispostos a olhar a prosperidade como uma tentação.
  9. Não, eles diziam que não devemos jogar fora a bolsa, mas a cobiça. Baxter dizia que devemos deixar as coisas terrenas como trajes externos, mas Deus e a sua glória junto do coração. -
  10. O ideal é a moderação. “O estado médio preserva-nos do esquecimento de Deus, da ausência da religião e da impureza.” Isso deveria ser buscado para evitar a cobiça. Devemos ser habilidosos em voluntariamente definir limites a nossos gastos. Perkins escreveu: “O homem pode de boa consciência desejar e buscar bens necessários, mas não deve desejar e buscar bens mais do que necessários, pois, se o faz, peca.”
  11. Sua principal finalidade é o bem-estar de todos na sociedade, não o prazer pessoal da pessoa.
  12. A convicção de que a prosperidade material é o valor máximo na vida e que o valor de uma pessoa pode ser medido por padrões materiais e sociais. Uma pessoa realizada é aquela que ficou rica e famosa através dos seus próprios esforços. Ética puritana era a ética da graça, prosperidade é dom de Deus. Como o objetivo dos negócios é o lucro, então todo tipo de competição ou prática de venda é aceitável desde que seja legal. Os puritanos não concordariam com isso, eles viam o trabalho como um serviço à sociedade. O materialismo moderno também criou aquelas pessoas que veem a riqueza e os bens como inerentemente corrompidos, por mais que os puritanos se aproximem mais disso do que a aprovação do acumulo de bens, eles certamente não concordariam com isso. Eles eram contra as condenações generalizadas de pessoas com um padrão de vida mais elevado que outras. William Ames escreveu: “Propriedade e diferenças na quantidade de bens são ordenanças de Deus e aprovadas por Ele”.