SlideShare uma empresa Scribd logo
OS PURITANOS
Escola Bíblica IBLM 2018
FALSO OU
VERDADEIRO?
Os Puritanos Como Realmente Eram
Falso ou Verdadeiro?
◦Os puritanos eram contra o sexo.
◦Os puritanos nunca riam e eram contrários à diversão.
◦Os puritanos vestiam roupas sem cor, fora de moda.
◦Os puritanos eram contrários ao esporte e à recreação.
◦Os puritanos eram gananciosos, viciados no trabalho;
faziam qualquer coisa para enriquecer.
Falso ou Verdadeiro?
◦Os puritanos eram hostis às artes.
◦Os puritanos eram excessivamente emotivos e
desprezavam a razão.
◦O puritanismo foi um movimento antiquado que atraía
apenas pessoas com mais de setenta anos, vítimas de
cansaço.
Falso ou Verdadeiro?
◦Os puritanos eram intolerantes com as pessoas que
discordavam deles.
◦Os puritanos eram extremamente rígidos.
◦Os puritanos reprimiam em nome da religião
sentimentos humanos normais.
Falso ou Verdadeiro?
◦Os puritanos eram moralistas legalistas que julgavam as
pessoas apenas pela sua conduta externa.
◦Os puritanos entregavam-se a muita autoaversão.
◦Os puritanos eram pessoas incultas que se opunham à
educação.
PRINCIPAIS
CARACTERÍSTICAS
DO PURITANISMO
Os Puritanos Como Realmente Eram
Características do Puritanismo
◦Era um movimento religioso;
◦Possuía uma forte consciência moral;
◦Foi um movimento de reforma;
◦Foi um movimento de protesto;
◦Foi um movimento internacional;
Características do Puritanismo
◦Era um movimento de uma minoria perseguida;
◦Foi um movimento no qual a Bíblia era central
em relação a tudo;
◦Foi um movimento erudito altamente literário;
◦Foi um movimento político e econômico.
PRINCIPAIS
DOUTRINAS
PURITANAS
Os Puritanos Como Realmente Eram
Doutrinas Puritanas
◦Doutrinariamente, os puritanos eram calvinistas,
como eram a maioria dos separatistas e dos
anglicanos até a época do Arcebispo Laud.
◦A doutrina da graça permeava o pensamento
puritano desde a salvação até a prosperidade
material.
Doutrinas Puritanas
◦Para os puritanos, a regeneração pessoal, ou a
conversão, era “a raiz da questão”.
◦O conceito de pacto era a base de todos os
relacionamentos para os puritanos.
◦A Escritura era para os puritanos a autoridade
final para a crença e para a prática religiosa.
Doutrinas Puritanas
◦Os puritanos tinham uma doutrina da criação
completamente desenvolvida.
◦Relacionada à essa doutrina estava a forte ênfase na
providência de Deus.
◦Uma aplicação da providência divina estava o chamado
de Deus à vida de cada cristão, divido entre um chamado
geral e um chamado particular.
◦A última doutrina de destaque é a visão da pessoa.
GOSTOS E
ANTIPATIAS DOS
PURITANOS
Os Puritanos Como Realmente Eram
Termos Positivos do Vocabulário
Puritano
◦Reforma
◦Santo
◦Bem organizado
◦Culto
◦Simples
◦Sério
◦Puro
◦Sagrado
◦Verdadeiro
◦Disciplina
Termos Negativos do
Vocabulário Puritano
◦Tradição
◦Superstição
◦Tirania
◦Frieza
◦Tedioso
◦Mediocridade
◦Ociosidade
◦Profano
◦Farra
◦Descontrole
Atividades Preferidas
◦Ler a Bíblia;
◦Ouvir sermões;
◦Assistir a estudos bíblicos e reuniões de oração;
◦Conversar com cristãos de pensamentos
semelhantes;
◦Trabalho árduo.
UM RETRATO DO
“PURITANO TÍPICO”
Os Puritanos Como Realmente Eram
O Puritano Típico
◦Era casado e tinha uma família
◦A família era bem organizada e hierárquica
◦A Educação das crianças e o culto familiar
eram prioridades
O Puritano Típico
◦A vida religiosa girava em torno da
igreja local
◦Por meio do culto coletivo a doutrina era
inculcada e as crianças eram catequizadas
◦Reuniões no meio da semana eram parte
comum da vida da igreja
O Puritano Típico
◦A rotina semanal do puritano típico
era ocupadíssima
◦Para o puritano o trabalho árduo era uma
virtude
◦O ponto alto da semana era o domingo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TRINDADE - DEUS UNO E TRINO
TRINDADE - DEUS UNO E TRINOTRINDADE - DEUS UNO E TRINO
TRINDADE - DEUS UNO E TRINO
Paulo David
 
Os 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito SantoOs 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito Santo
Roberto Trindade
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
I tessalonicenses
I tessalonicensesI tessalonicenses
I tessalonicenses
Luiz Augusto
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Nehemias Santos
 
O tabernaculo
O tabernaculoO tabernaculo
O tabernaculo
Adrieli Garaffa
 
Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.
ASD Remanescentes
 
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito SantoMeu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Thatiane Machado da Silva
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamentoIntrodução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Francelia Carvalho Oliveira
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
Dagmar Wendt
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
Lisanro Cronje
 
Estudo em 1 coríntios
Estudo em 1 coríntiosEstudo em 1 coríntios
Estudo em 1 coríntios
Vilmar Nascimento
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Uma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostalUma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostal
Valmir Nascimento Milomem Santos
 
A Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo PauloA Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo Paulo
IBC Fortaleza
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
Moisés Sampaio
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
Luciana Lisboa
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
Afonso Murad (FAJE)
 

Mais procurados (20)

TRINDADE - DEUS UNO E TRINO
TRINDADE - DEUS UNO E TRINOTRINDADE - DEUS UNO E TRINO
TRINDADE - DEUS UNO E TRINO
 
Os 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito SantoOs 9 dons do Espírito Santo
Os 9 dons do Espírito Santo
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
I tessalonicenses
I tessalonicensesI tessalonicenses
I tessalonicenses
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
 
O tabernaculo
O tabernaculoO tabernaculo
O tabernaculo
 
Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.Profecias Cumpridas de Ellen White.
Profecias Cumpridas de Ellen White.
 
Meu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito SantoMeu corpo é templo do Espírito Santo
Meu corpo é templo do Espírito Santo
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamentoIntrodução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
 
Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2Historia da igreja aula 2
Historia da igreja aula 2
 
Estudo em 1 coríntios
Estudo em 1 coríntiosEstudo em 1 coríntios
Estudo em 1 coríntios
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Uma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostalUma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostal
 
A Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo PauloA Vida do Apóstolo Paulo
A Vida do Apóstolo Paulo
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
 
Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1Introdução à Teologia Sistemática 1
Introdução à Teologia Sistemática 1
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #01

Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originaisJovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
uriank
 
Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013
Silas Roberto Nogueira
 
Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013
Silas Roberto Nogueira
 
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
Daniel de Melo
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
Silas Roberto Nogueira
 
Catequese indigenista e libertação indígena
Catequese indigenista e libertação indígenaCatequese indigenista e libertação indígena
Catequese indigenista e libertação indígena
Red Eclesial Panamazónica
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
luciano
 
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
Alberto Bittencourt
 
Jornal pioneiro
Jornal pioneiroJornal pioneiro
Jornal pioneiro
Anne Clea Lima
 
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
Paula Rodrigues
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
Fernanda Picao
 
Ser espírita
Ser espíritaSer espírita
Ser espírita
Sônia Marques
 

Semelhante a Escola Bíblica: Os Puritanos - #01 (12)

Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originaisJovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
 
Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013
 
Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013Boletim cbg 16_mar_2013
Boletim cbg 16_mar_2013
 
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
 
Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014Boletim cbg 23_mar_2014
Boletim cbg 23_mar_2014
 
Catequese indigenista e libertação indígena
Catequese indigenista e libertação indígenaCatequese indigenista e libertação indígena
Catequese indigenista e libertação indígena
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
ROTARY - COMPROMISSO COM A PAZ
 
Jornal pioneiro
Jornal pioneiroJornal pioneiro
Jornal pioneiro
 
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
%80%a0%a6%c9tica e religi%80%a0%a6%e3o
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
 
Ser espírita
Ser espíritaSer espírita
Ser espírita
 

Mais de Respirando Deus

Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Respirando Deus
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
Respirando Deus
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
Respirando Deus
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
Respirando Deus
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
Respirando Deus
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
Respirando Deus
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
Respirando Deus
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
Respirando Deus
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
Respirando Deus
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
Respirando Deus
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
Respirando Deus
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
Respirando Deus
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
Respirando Deus
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
Respirando Deus
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
Respirando Deus
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
Respirando Deus
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
Respirando Deus
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
Respirando Deus
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
Respirando Deus
 

Mais de Respirando Deus (20)

Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
Escola Bíblica: Os Puritanos - #04
 
História da Igreja #25
História da Igreja #25História da Igreja #25
História da Igreja #25
 
História da Igreja #24
História da Igreja #24História da Igreja #24
História da Igreja #24
 
História da Igreja #23
História da Igreja #23História da Igreja #23
História da Igreja #23
 
História da Igreja #22
História da Igreja #22História da Igreja #22
História da Igreja #22
 
História da Igreja #21
História da Igreja #21História da Igreja #21
História da Igreja #21
 
Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018Calendário de Eventos IBLM 2018
Calendário de Eventos IBLM 2018
 
História da Igreja #20
História da Igreja #20História da Igreja #20
História da Igreja #20
 
História da Igreja #19
História da Igreja #19História da Igreja #19
História da Igreja #19
 
História da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As CruzadasHistória da Igreja #18 - As Cruzadas
História da Igreja #18 - As Cruzadas
 
História da Igreja #17
História da Igreja #17História da Igreja #17
História da Igreja #17
 
História da Igreja #16
História da Igreja #16História da Igreja #16
História da Igreja #16
 
História da Igreja #15
História da Igreja #15História da Igreja #15
História da Igreja #15
 
História da Igreja #14
História da Igreja #14História da Igreja #14
História da Igreja #14
 
História da Igreja #13
História da Igreja #13História da Igreja #13
História da Igreja #13
 
História da Igreja #12
História da Igreja #12História da Igreja #12
História da Igreja #12
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
História da Igreja #10
História da Igreja #10História da Igreja #10
História da Igreja #10
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
 
História da Igreja #8
História da Igreja #8História da Igreja #8
História da Igreja #8
 

Último

Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 

Escola Bíblica: Os Puritanos - #01

  • 2. FALSO OU VERDADEIRO? Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 3. Falso ou Verdadeiro? ◦Os puritanos eram contra o sexo. ◦Os puritanos nunca riam e eram contrários à diversão. ◦Os puritanos vestiam roupas sem cor, fora de moda. ◦Os puritanos eram contrários ao esporte e à recreação. ◦Os puritanos eram gananciosos, viciados no trabalho; faziam qualquer coisa para enriquecer.
  • 4. Falso ou Verdadeiro? ◦Os puritanos eram hostis às artes. ◦Os puritanos eram excessivamente emotivos e desprezavam a razão. ◦O puritanismo foi um movimento antiquado que atraía apenas pessoas com mais de setenta anos, vítimas de cansaço.
  • 5. Falso ou Verdadeiro? ◦Os puritanos eram intolerantes com as pessoas que discordavam deles. ◦Os puritanos eram extremamente rígidos. ◦Os puritanos reprimiam em nome da religião sentimentos humanos normais.
  • 6. Falso ou Verdadeiro? ◦Os puritanos eram moralistas legalistas que julgavam as pessoas apenas pela sua conduta externa. ◦Os puritanos entregavam-se a muita autoaversão. ◦Os puritanos eram pessoas incultas que se opunham à educação.
  • 8. Características do Puritanismo ◦Era um movimento religioso; ◦Possuía uma forte consciência moral; ◦Foi um movimento de reforma; ◦Foi um movimento de protesto; ◦Foi um movimento internacional;
  • 9. Características do Puritanismo ◦Era um movimento de uma minoria perseguida; ◦Foi um movimento no qual a Bíblia era central em relação a tudo; ◦Foi um movimento erudito altamente literário; ◦Foi um movimento político e econômico.
  • 11. Doutrinas Puritanas ◦Doutrinariamente, os puritanos eram calvinistas, como eram a maioria dos separatistas e dos anglicanos até a época do Arcebispo Laud. ◦A doutrina da graça permeava o pensamento puritano desde a salvação até a prosperidade material.
  • 12. Doutrinas Puritanas ◦Para os puritanos, a regeneração pessoal, ou a conversão, era “a raiz da questão”. ◦O conceito de pacto era a base de todos os relacionamentos para os puritanos. ◦A Escritura era para os puritanos a autoridade final para a crença e para a prática religiosa.
  • 13. Doutrinas Puritanas ◦Os puritanos tinham uma doutrina da criação completamente desenvolvida. ◦Relacionada à essa doutrina estava a forte ênfase na providência de Deus. ◦Uma aplicação da providência divina estava o chamado de Deus à vida de cada cristão, divido entre um chamado geral e um chamado particular. ◦A última doutrina de destaque é a visão da pessoa.
  • 14. GOSTOS E ANTIPATIAS DOS PURITANOS Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 15. Termos Positivos do Vocabulário Puritano ◦Reforma ◦Santo ◦Bem organizado ◦Culto ◦Simples ◦Sério ◦Puro ◦Sagrado ◦Verdadeiro ◦Disciplina
  • 16. Termos Negativos do Vocabulário Puritano ◦Tradição ◦Superstição ◦Tirania ◦Frieza ◦Tedioso ◦Mediocridade ◦Ociosidade ◦Profano ◦Farra ◦Descontrole
  • 17. Atividades Preferidas ◦Ler a Bíblia; ◦Ouvir sermões; ◦Assistir a estudos bíblicos e reuniões de oração; ◦Conversar com cristãos de pensamentos semelhantes; ◦Trabalho árduo.
  • 18. UM RETRATO DO “PURITANO TÍPICO” Os Puritanos Como Realmente Eram
  • 19. O Puritano Típico ◦Era casado e tinha uma família ◦A família era bem organizada e hierárquica ◦A Educação das crianças e o culto familiar eram prioridades
  • 20. O Puritano Típico ◦A vida religiosa girava em torno da igreja local ◦Por meio do culto coletivo a doutrina era inculcada e as crianças eram catequizadas ◦Reuniões no meio da semana eram parte comum da vida da igreja
  • 21. O Puritano Típico ◦A rotina semanal do puritano típico era ocupadíssima ◦Para o puritano o trabalho árduo era uma virtude ◦O ponto alto da semana era o domingo

Notas do Editor

  1. Os puritanos foram muito difamados durante o século 20, muitas acusações foram atribuídas a esse grupo. O que pretendo aqui é ver as acusações mais comuns e observar se são acusações verdadeiras ou infundadas.
  2. Ridículo. Os puritanos mais renomados sempre afirmaram que a relação sexual era um dos atos mais essenciais e apropriados ao casamento. Que isso era um dos deveres entre esposo e esposa, um dever essencial do casamento. Parcialmente verdadeiro. Os puritanos eram pessoas realmente sérias, mas que buscavam a alegria no trabalho, no comer, e principalmente encontrar alegria no Senhor. Falso. Os puritanos se vestiam de acordo com os costumes do seu tempo. O preto carregava um tom de dignidade e formalidade, como hoje, e era o padrão das roupas de domingo e ocasiões especiais. Falso na maior parte das vezes. Um pastor puritano disse que os cristãos deveriam desfrutar das recreações com liberdade e gratidão à Deus que as permite para o nosso revigoramento. Mas é verdade que os puritanos proibiam toda a recreação no domingo. Os puritanos eram adeptos da caça, pesca, boliche, natação, arco e flecha, patinação, um esporte tipo futebol americano, música e leitura. Falso. Os puritanos falavam muito sobre o perigo das riquezas. Por outro lado, eles criam que o trabalho era uma virtude moral, que a ociosidade era um vício e que deveríamos manter um padrão de baixo consumo para evitar dívidas.
  3. Parcialmente verdadeiro. Pois de fato eles retiraram a música e a arte das igrejas, mas como uma objeção ao culto e à cerimônia católica. Os puritanos removeram os órgãos e pinturas das igrejas, mas as compravam para uso particular em suas casas. Totalmente falso. Eles sempre buscaram o equilíbrio entre o coração e a mente. Falso. O puritanismo foi um movimento jovem. C S Lewis chama os primeiros puritanos de “jovens vorazes, intelectuais progressistas, muito elegantes e atualizados.” Basta vermos a declaração de um Arcebispo anglicanos em 1583 “Vocês não passam de garotos comparados a nós, que estudamos teologia antes de vocês nascerem”.
  4. Verdadeiro para os nossos padrões, mas normal para aquele tempo. Nenhum grupo dos séculos 16 e 17 estava preparado para conceder tolerância religiosa e política. Havia uma igreja e um governo oficial, e os dissidentes eram punidos por sua divergência. Verdadeiro. Vejam algumas autoacusações encontradas no diário de um puritano chamado Samuel Ward, coisas que ele considerava ofensa contra Deus: ir para a cama sem orar, cair no sono sem que seu último pensamento fosse sobre Deus, indisposição para orar, não se preparar adequadamente para o domingo no sábado de noite, comer sem moderação, rir sem moderação, falar sobre assuntos impróprios no domingo como o dia de descanso. Falso. Os puritanos eram calorosamente humanos em seus sentimentos. John Bunyan escreveu sobre a sua prisão: “A separação de minha esposa e de meus pobres filhos sempre foi para mim neste lugar como remover a minha carne de meus ossos.”
  5. Falso na maioria das vezes. Os puritanos originais, sempre nutriram uma desconfiança das aparências externas, diziam que não podemos confiar em pureza exterior, é necessário ser puro de coração. Parcialmente verdadeiro. Escreveu um puritano: “Um cristão deve pensar humildemente de si mesmo e ser cheio de reflexões de humilhação própria e autoaversão. Abominando-se continuamente, e sendo muito sensível às suas próprias circunstâncias repugnantes, um cristão faz o que é muito agradável ao céu.” Absolutamente falso. Nenhum movimento na história foi tão zeloso pela educação como os puritanos. O puritanismo é descrito como um movimento de santos cultos, um movimento dos intelectuais religiosos da época. Os puritanos quando desceram em Masachusetts estabeleceram sua primeira universidade (Harvard) apenas seis anos após o seu desembarque. Essa colônia possuía mais de 100 graduados em Oxford e Cambridge.
  6. O puritanismo foi parte do movimento da reforma protestante na Inglaterra. Assumiu a primeira forma de um movimento organizado nos anos de 1560 sob o reinado da Rainha Elisabeth.
  7. O movimento foi povoado de pessoas obcecadas por Deus. Para os puritanos, a questão do certo ou errado era mais importante do que qualquer outra. O objetivo era mudar algo que já existia. Reformar um país, reformar a religião, reformar as famílias, e reformar a vida pecaminosa. Como era o movimento protestante em geral. Protestavam contra as posturas do catolicismo, do anglicanismo, do trabalho em geral, do uso do dinheiro, do culto público, os puritanos protestavam contra todo e qualquer elemento social. A migração foi uma característica do puritanismo, principal influência foi na América.
  8. Embora desfrutassem de grande influência dentro da sociedade, eles nunca foram maioria numérica. Foram hostilizados, perseguidos no tempo da Rainha Elisabeth. A autoridade final de crença e prática. Foi um movimento intimamente ligado às universidades. Eles diziam: “se morrer a universidade, as igrejas não viverão por muito tempo depois disso.” Isso é mais claro para nós hoje, do que talvez fosse para eles na época. Ao se opor contra o estado, ao enfatizar o trabalho, o ganho honesto, eles favoreceram o crescimento do capitalismo.
  9. Ou seja, criam na soberania de Deus, na salvação pela fé em Cristo, na eleição para a salvação, na graça irresistível, na depravação total, etc. A graça de Deus é a fonte de todo o benefício humano e não se pode adquirir nada por mérito humano.
  10. A conversão estava intimamente ligada a santificação, para ele essas duas coisas formavam a salvação. O pacto de um relacionamento mútuo de confiança e obrigação. Um pacto era estabelecido entre Deus e o homem, Deus concedia a salvação, que em retorno requeria a obediência e a fidelidade humana. Tradição base do protestantismo.
  11. A criação é boa, tudo é santo. Um puritano disse que um cristão pode considerar sua loja um lugar tão santo quanto a sua capela. Eles repudiavam a dicotomia sagrado-profano. Eles viam Deus nos eventos de todo o dia. O chamado geral era ser um cristão redimido e santo em todas as áreas da vida. O chamado particular era Deus dirigindo uma pessoa a um trabalho ou carreira específicos na vida. Eles criam no pecado original e na depravação total, por outro lado, nutriam uma visão elevada do valor do indivíduo transformado pela graça de Deus.
  12. Qualquer movimento pode ser identificado por seus gostos ou antipatias. O vocabulário puritano falam muito sobre o seu temperamento.