SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Ms. Guilherme Terra
Disciplina de Metodologia e Técnica da
                              Pesquisa
 Do  Latim    scientia,   que    significa
 conhecimento.

A    Ciência       é  o     conhecimento
 especialmente obtido e testado através do
 método científico.



                                       Terra, G.
   É a atividade que propõe a aquisição sistemática
    do conhecimento sobre a natureza biológica,
    social e tecnológica.
   A aquisição sistemática é o método científico.
   É a busca de solução a um problema que alguém
    queira saber a resposta.
                                                     Terra, G.
“A principal função da Ciência é o
aperfeiçoamento do conhecimento em
todas as áreas para tornar a existência
humana mais significativa”.

                              (OLIVEIRA, 2000)

                                          Terra, G.
 Do   medo à Ciência.

  Podemos definir três níveis do desenvolvimento
   da inteligência desde os primórdios:

       o medo;
       o misticismo;
       a ciência.



                                             Terra, G.
 Os   seres   humanos     pré-históricos não
 conseguiam    entender   os fenômenos da
 natureza.

 Por
    este motivo, suas reações eram sempre de
 medo.

 Tinham medo das tempestades e de qualquer
 coisa desconhecida.

                                          Terra, G.
 Num segundo momento, a inteligência humana
 evoluiu do medo para a tentativa de explicação
 dos fenômenos.

A explicação encontrada à época era através do
 pensamento mágico, das crenças e das
 superstições.



                                             Terra, G.
 Era,sem dúvida, uma evolução já que tentavam
 explicar o que viam.

 As tempestades passaram a ser fruto de uma ira
 divina, a boa colheita da benevolência dos
 deuses, etc...




                                             Terra, G.
 Como  as explicações místicas não bastavam
 para compreender os fenômenos.

A humanidade evoluiu em busca de respostas
 que pudessem ser comprovadas.

 Nasceentão a ciência metódica, que procura
 sempre uma aproximação com a lógica.


                                         Terra, G.
O ser humano é o único animal com capacidade
 de pensar.

 Esta   característica permite refletir sobre o
 significado de sua própria experiência.

 Capazde transmitir suas descobertas a seus
 descendentes.


                                            Terra, G.
O  desenvolvimento do conhecimento humano
 está ligado à sua característica de viver em
 grupo.

O saber de um indivíduo é transmitido a outro,
 que, por sua vez, aproveita-se deste saber para
 somar outro.

 Assim   evolui a ciência.

                                            Terra, G.
 Os  homens pré-históricos   já   tinham   uma
 produção científica.


 Realizaramdescobertas de novas tecnologias
 para se proteger e melhorar sua condição de
 vida.



                                            Terra, G.
 Ex.: o arco e flecha, construção de suas
 habitações, produziram o fogo, criaram
 instrumentos de pedra, trabalharam o metal
 através do fogo, etc...

 Esses  conhecimentos e descobertas foram
 difundidos ao longo do tempo.



                                        Terra, G.
 Os egípcios já tinham desenvolvido um saber
 técnico evoluído, principalmente nas áreas de
 matemática, geometria e na medicina.

 Osgregos foram os primeiros a buscar o saber
 que não tivesse, necessariamente, uma relação
 com a utilização prática.

   A filosofia.

                                           Terra, G.
 No século XIX (anos 1800) a ciência passou a
 ter uma importância fundamental.

 Tudo   só tinha explicação através da ciência.

O que não fosse científico não correspondesse a
 verdade.



                                                   Terra, G.
A ciência assumiu uma posição quase que
 religiosa diante das explicações dos
 fenômenos          sociais,       biológicos,
 antropológicos, físicos e naturais.




                                           Terra, G.
 Conhecer   é incorporar um conceito novo,
 ou original.

O conhecimento não nasce do vazio e sim
 das experiências que acumulamos em
 nossa vida.


                                        Terra, G.
   O humano é o único ser capaz de criar e transformar o
    conhecimento.

   Os únicos capazes de aplicar o que aprendemos, por
    diversos meios, numa situação de mudança do
    conhecimento.

   Os únicos capazes de criar um sistema de símbolos,
    como a linguagem, e com ele registrar nossas próprias
    experiências e passar para outros seres humanos.


                                                     Terra, G.
 Conhecimento   Empírico

 Conhecimento   Filosófico

 Conhecimento   Teológico

 Conhecimento   Científico

                              Terra, G.
É   o conhecimento obtido ao acaso.

 Não   é científico, metodológico.

 Ex: A luz LED melhora os resultados do
 clareamento clínico.



                                       Terra, G.
É fruto do raciocínio e da reflexão
 humana.

É o conhecimento especulativo sobre
 fenômenos, gerando conceitos subjetivos.

 Exemplo: "O homem é a ponte entre o
 animal e o além-homem" (Friedrich
 Nietzsche)
                                        Terra, G.
 Conhecimento      revelado pela fé divina ou
    crença religiosa.

 Não   pode, por sua origem, ser confirmado
    ou negado.

    Exemplo: Acreditar que alguém foi curado
    por um milagre; que Deus criou o Mundo,
    Arca de Noé, etc...
                                           Terra, G.
É o conhecimento racional, sistemático,
 exato e verificável da realidade.

 Sua   origem está nos procedimentos de
 verificação baseados na metodologia
 científica.

                                     Terra, G.
 Racional   e objetivo;
 Atém-se    aos fatos;
 Explicativo;

 Depende    de investigação metódica rigorosa;
 Requer   exatidão e clareza;
 Verificável   e reprodutível;

                                             Terra, G.
 Utiliza
       métodos objetivos e confiáveis para
 se chegar a “verdade”;

A “verdade” em ciência nunca é absoluta
 ou final, pode ser sempre modificada ou
 substituída;


                                       Terra, G.
A verdade sobre um conhecimento nunca
 é obtida integralmente, mas sim através
 de    modelos     sucessivamente   mais
 próximos;

 Um conhecimento é válido até que novas
 observações ou experimentações o
 substituam.

                                     Terra, G.
É   o conjunto de técnicas e processos utilizados

 pela ciência para formular e resolver problemas

 de aquisição objetiva do conhecimento de

 maneira sistemática.



                                              Terra, G.
É   na pesquisa que utilizaremos diferentes
 instrumentos para se chegar a uma resposta
 mais precisa.

O  instrumento de pesquisa apropriado deverá
 ser definido pelo pesquisador para se atingir os
 resultados ideais.



                                             Terra, G.
 Pesquisa   Experimental

 Pesquisa   Exploratória

 Pesquisa   Social

 Pesquisa   Histórica

 Pesquisa   Teórica

                            Terra, G.
É toda pesquisa que envolve algum tipo
 de experimento.

 Exemplo:
         Resistência à tração de resinas
 Compostas em restaurações tipo classe I.




                                      Terra, G.
É toda pesquisa que busca constatar algo
 num organismo ou num fenômeno.

 Exemplo: Padrão de reabsorção óssea
 após exodontias em maxila anterior por
 meio de tomografias computadorizadas
 dos pacientes da Clínica de Cirurgia da
 Universidade Ibirapuera.
                                      Terra, G.
É toda pesquisa que busca respostas de
 um grupo social.

 Exemplo:Avaliar a frequência da ingestão
 de alimentos cariogênicos pelos pacientes
 atendidos na Clínica Odontológica Infantil
 da Universidade Ibirapuera no ano de
 2010.
                                        Terra, G.
É   toda pesquisa que estuda o passado.

 Conhecida    também como revisão da
 literatura.

 Exemplo: Revisão da literatura do índice
 de   falência   de   implantes    padrão
 Bränemark após 5 anos em função.

                                           Terra, G.
É   toda pesquisa     que   analisa   uma
 determinada teoria.

 Exemplo:   Avaliar a Teoria Hidrodinâmica
 de Brännström na hipersensibilidade
 dentinária.



                                        Terra, G.
Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra

                     Mestre em Odontologia
           Especialista em Implantodontia e Dentística
Professor e Assistente de Coordenação do Curso de Odontologia da
                      Universidade Ibirapuera

                 drguilhermeterra@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
Lucila Pesce
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
Italo Colares
 
Breve História da Ciência
Breve História da CiênciaBreve História da Ciência
Breve História da Ciência
Gonçalo Ferraz
 
Ciência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciaisCiência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciais
Simão Pedro Marinho
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
Maria José Rodrigues
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
maloa
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
Isabella Marra
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
Joao Balbi
 
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSCSlide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Cândido Silva
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
Cláudia Moura
 
Aula 2 metodologia científica
Aula 2   metodologia científicaAula 2   metodologia científica
Aula 2 metodologia científica
Wellington Costa de Oliveira
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
David Daniel Abacar
 
Como formular um problema de pesquisa
Como formular um problema de pesquisaComo formular um problema de pesquisa
Como formular um problema de pesquisa
Laércio Góes
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Nicolau Chaud
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientifico    Conhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
Jarimbaa
 
A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
Emily Almeida
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
Cintia Nogueira de Carvalho
 
Tecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da InformaçaoTecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da Informaçao
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
GernciadeProduodeMat
 

Mais procurados (20)

Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
 
Breve História da Ciência
Breve História da CiênciaBreve História da Ciência
Breve História da Ciência
 
Ciência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciaisCiência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciais
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
 
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSCSlide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
 
Aula 2 metodologia científica
Aula 2   metodologia científicaAula 2   metodologia científica
Aula 2 metodologia científica
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
 
Como formular um problema de pesquisa
Como formular um problema de pesquisaComo formular um problema de pesquisa
Como formular um problema de pesquisa
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientifico    Conhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
A Origem da Vida
A Origem da VidaA Origem da Vida
A Origem da Vida
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
 
Tecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da InformaçaoTecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da Informaçao
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
 

Destaque

Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
profguilhermeterra
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
profguilhermeterra
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
profguilhermeterra
 
éTica em pesquisa
éTica em pesquisaéTica em pesquisa
éTica em pesquisa
profguilhermeterra
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
profguilhermeterra
 
Resolução 196/96
Resolução 196/96Resolução 196/96
Resolução 196/96
profguilhermeterra
 
Oclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusalOclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusal
profguilhermeterra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
profguilhermeterra
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
profguilhermeterra
 
Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
profguilhermeterra
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicos
profguilhermeterra
 
Elementos pré textuais
Elementos pré textuaisElementos pré textuais
Elementos pré textuais
profguilhermeterra
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
profguilhermeterra
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
profguilhermeterra
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
profguilhermeterra
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
profguilhermeterra
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
profguilhermeterra
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
profguilhermeterra
 

Destaque (18)

Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
éTica em pesquisa
éTica em pesquisaéTica em pesquisa
éTica em pesquisa
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
 
Resolução 196/96
Resolução 196/96Resolução 196/96
Resolução 196/96
 
Oclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusalOclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusal
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
Elementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científicoElementos do trabalho científico
Elementos do trabalho científico
 
Tipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicosTipos e partes dos trabalhos científicos
Tipos e partes dos trabalhos científicos
 
Elementos pré textuais
Elementos pré textuaisElementos pré textuais
Elementos pré textuais
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 

Semelhante a Fundamentos do conhecimento científico

Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Teoria pratica cientifica
Teoria pratica cientificaTeoria pratica cientifica
Teoria pratica cientifica
Daniel Andre
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
Elizabete Dias
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
Lavinia de Queiroz
 
Bom introdução metodologia
Bom introdução metodologiaBom introdução metodologia
Bom introdução metodologia
Prefeitura de São Luís
 
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1  - ciência.. construção de conhecimentoAula 1  - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
aula123456
 
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciênciaConhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
Marieta Almeida
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
filo2013
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
Camila Brito
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Gisele Finatti Baraglio
 
Produção do conhecimento
Produção do conhecimentoProdução do conhecimento
Produção do conhecimento
Kaires Braga
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Sinara Duarte
 
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
gica15
 
Apresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptxApresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptx
ssuserbdf8ee
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Edimar Sartoro
 
O QUE É CIÊNCIA.pdf
O QUE É CIÊNCIA.pdfO QUE É CIÊNCIA.pdf
O QUE É CIÊNCIA.pdf
MarineideAmorim1
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
Mauricio Serafim
 
Ciência segundo ander egg
Ciência segundo ander eggCiência segundo ander egg
Ciência segundo ander egg
conceicao1
 
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Luiz Eduardo
 

Semelhante a Fundamentos do conhecimento científico (20)

Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
 
Teoria pratica cientifica
Teoria pratica cientificaTeoria pratica cientifica
Teoria pratica cientifica
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
Bom introdução metodologia
Bom introdução metodologiaBom introdução metodologia
Bom introdução metodologia
 
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1  - ciência.. construção de conhecimentoAula 1  - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
 
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciênciaConhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
 
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimentoIntrodução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
Introdução a filosofia os diversos tipos de conhecimento
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
 
Produção do conhecimento
Produção do conhecimentoProdução do conhecimento
Produção do conhecimento
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
 
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
100776843 hereditariedade-e-a-natureza-da-ciencia
 
Apresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptxApresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptx
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
 
O QUE É CIÊNCIA.pdf
O QUE É CIÊNCIA.pdfO QUE É CIÊNCIA.pdf
O QUE É CIÊNCIA.pdf
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
Ciência segundo ander egg
Ciência segundo ander eggCiência segundo ander egg
Ciência segundo ander egg
 
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
 

Mais de profguilhermeterra

Da orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tccDa orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tcc
profguilhermeterra
 
Periódicos científicos
Periódicos científicosPeriódicos científicos
Periódicos científicos
profguilhermeterra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
profguilhermeterra
 
Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contração
profguilhermeterra
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostas
profguilhermeterra
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
profguilhermeterra
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
profguilhermeterra
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
profguilhermeterra
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
profguilhermeterra
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
profguilhermeterra
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 

Mais de profguilhermeterra (12)

Da orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tccDa orientação à apresentação do tcc
Da orientação à apresentação do tcc
 
Periódicos científicos
Periódicos científicosPeriódicos científicos
Periódicos científicos
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contração
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostas
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

Fundamentos do conhecimento científico

  • 1. Prof. Ms. Guilherme Terra Disciplina de Metodologia e Técnica da Pesquisa
  • 2.  Do Latim scientia, que significa conhecimento. A Ciência é o conhecimento especialmente obtido e testado através do método científico. Terra, G.
  • 3. É a atividade que propõe a aquisição sistemática do conhecimento sobre a natureza biológica, social e tecnológica.  A aquisição sistemática é o método científico.  É a busca de solução a um problema que alguém queira saber a resposta. Terra, G.
  • 4. “A principal função da Ciência é o aperfeiçoamento do conhecimento em todas as áreas para tornar a existência humana mais significativa”. (OLIVEIRA, 2000) Terra, G.
  • 5.  Do medo à Ciência. Podemos definir três níveis do desenvolvimento da inteligência desde os primórdios: o medo; o misticismo; a ciência. Terra, G.
  • 6.  Os seres humanos pré-históricos não conseguiam entender os fenômenos da natureza.  Por este motivo, suas reações eram sempre de medo.  Tinham medo das tempestades e de qualquer coisa desconhecida. Terra, G.
  • 7.  Num segundo momento, a inteligência humana evoluiu do medo para a tentativa de explicação dos fenômenos. A explicação encontrada à época era através do pensamento mágico, das crenças e das superstições. Terra, G.
  • 8.  Era,sem dúvida, uma evolução já que tentavam explicar o que viam.  As tempestades passaram a ser fruto de uma ira divina, a boa colheita da benevolência dos deuses, etc... Terra, G.
  • 9.  Como as explicações místicas não bastavam para compreender os fenômenos. A humanidade evoluiu em busca de respostas que pudessem ser comprovadas.  Nasceentão a ciência metódica, que procura sempre uma aproximação com a lógica. Terra, G.
  • 10. O ser humano é o único animal com capacidade de pensar.  Esta característica permite refletir sobre o significado de sua própria experiência.  Capazde transmitir suas descobertas a seus descendentes. Terra, G.
  • 11. O desenvolvimento do conhecimento humano está ligado à sua característica de viver em grupo. O saber de um indivíduo é transmitido a outro, que, por sua vez, aproveita-se deste saber para somar outro.  Assim evolui a ciência. Terra, G.
  • 12.  Os homens pré-históricos já tinham uma produção científica.  Realizaramdescobertas de novas tecnologias para se proteger e melhorar sua condição de vida. Terra, G.
  • 13.  Ex.: o arco e flecha, construção de suas habitações, produziram o fogo, criaram instrumentos de pedra, trabalharam o metal através do fogo, etc...  Esses conhecimentos e descobertas foram difundidos ao longo do tempo. Terra, G.
  • 14.  Os egípcios já tinham desenvolvido um saber técnico evoluído, principalmente nas áreas de matemática, geometria e na medicina.  Osgregos foram os primeiros a buscar o saber que não tivesse, necessariamente, uma relação com a utilização prática. A filosofia. Terra, G.
  • 15.  No século XIX (anos 1800) a ciência passou a ter uma importância fundamental.  Tudo só tinha explicação através da ciência. O que não fosse científico não correspondesse a verdade. Terra, G.
  • 16. A ciência assumiu uma posição quase que religiosa diante das explicações dos fenômenos sociais, biológicos, antropológicos, físicos e naturais. Terra, G.
  • 17.  Conhecer é incorporar um conceito novo, ou original. O conhecimento não nasce do vazio e sim das experiências que acumulamos em nossa vida. Terra, G.
  • 18. O humano é o único ser capaz de criar e transformar o conhecimento.  Os únicos capazes de aplicar o que aprendemos, por diversos meios, numa situação de mudança do conhecimento.  Os únicos capazes de criar um sistema de símbolos, como a linguagem, e com ele registrar nossas próprias experiências e passar para outros seres humanos. Terra, G.
  • 19.  Conhecimento Empírico  Conhecimento Filosófico  Conhecimento Teológico  Conhecimento Científico Terra, G.
  • 20. É o conhecimento obtido ao acaso.  Não é científico, metodológico.  Ex: A luz LED melhora os resultados do clareamento clínico. Terra, G.
  • 21. É fruto do raciocínio e da reflexão humana. É o conhecimento especulativo sobre fenômenos, gerando conceitos subjetivos.  Exemplo: "O homem é a ponte entre o animal e o além-homem" (Friedrich Nietzsche) Terra, G.
  • 22.  Conhecimento revelado pela fé divina ou crença religiosa.  Não pode, por sua origem, ser confirmado ou negado.  Exemplo: Acreditar que alguém foi curado por um milagre; que Deus criou o Mundo, Arca de Noé, etc... Terra, G.
  • 23. É o conhecimento racional, sistemático, exato e verificável da realidade.  Sua origem está nos procedimentos de verificação baseados na metodologia científica. Terra, G.
  • 24.  Racional e objetivo;  Atém-se aos fatos;  Explicativo;  Depende de investigação metódica rigorosa;  Requer exatidão e clareza;  Verificável e reprodutível; Terra, G.
  • 25.  Utiliza métodos objetivos e confiáveis para se chegar a “verdade”; A “verdade” em ciência nunca é absoluta ou final, pode ser sempre modificada ou substituída; Terra, G.
  • 26. A verdade sobre um conhecimento nunca é obtida integralmente, mas sim através de modelos sucessivamente mais próximos;  Um conhecimento é válido até que novas observações ou experimentações o substituam. Terra, G.
  • 27. É o conjunto de técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição objetiva do conhecimento de maneira sistemática. Terra, G.
  • 28. É na pesquisa que utilizaremos diferentes instrumentos para se chegar a uma resposta mais precisa. O instrumento de pesquisa apropriado deverá ser definido pelo pesquisador para se atingir os resultados ideais. Terra, G.
  • 29.  Pesquisa Experimental  Pesquisa Exploratória  Pesquisa Social  Pesquisa Histórica  Pesquisa Teórica Terra, G.
  • 30. É toda pesquisa que envolve algum tipo de experimento.  Exemplo: Resistência à tração de resinas Compostas em restaurações tipo classe I. Terra, G.
  • 31. É toda pesquisa que busca constatar algo num organismo ou num fenômeno.  Exemplo: Padrão de reabsorção óssea após exodontias em maxila anterior por meio de tomografias computadorizadas dos pacientes da Clínica de Cirurgia da Universidade Ibirapuera. Terra, G.
  • 32. É toda pesquisa que busca respostas de um grupo social.  Exemplo:Avaliar a frequência da ingestão de alimentos cariogênicos pelos pacientes atendidos na Clínica Odontológica Infantil da Universidade Ibirapuera no ano de 2010. Terra, G.
  • 33. É toda pesquisa que estuda o passado.  Conhecida também como revisão da literatura.  Exemplo: Revisão da literatura do índice de falência de implantes padrão Bränemark após 5 anos em função. Terra, G.
  • 34. É toda pesquisa que analisa uma determinada teoria.  Exemplo: Avaliar a Teoria Hidrodinâmica de Brännström na hipersensibilidade dentinária. Terra, G.
  • 35. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra Mestre em Odontologia Especialista em Implantodontia e Dentística Professor e Assistente de Coordenação do Curso de Odontologia da Universidade Ibirapuera drguilhermeterra@yahoo.com.br