SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
O QUE É
CIÊNCIA?
PROFESSOR ÍTALO COLARES
CARACTERÍSTICAS DO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
• A ciência aspira pela OBJETIVIDADE ao tentar
superar as conclusões subjetivas marcadas
pela nossa sensibilidade ou idiossincrasias.
• Os cientistas trabalham com HIPÓTESES
TESTÁVEIS, que podem ser submetidas à
experimentação, de modo a serem
confirmadas ou rejeitadas. Ou seja, a ciência é
constituída por corpos de conhecimento
organizado cujas investigações sistemáticas
estão empiricamente fundamentadas pelo
controle dos fatos.
• Uma vez confirmadas, as explicações
científicas são formuladas em ENUNCIADOS
• A objetividade da ciência também decorre da
sua LINGUAGEM RIGOROSA. Esse rigor
aumenta com a aplicação da matemática e a
utilização de instrumentos de medida.
OS MITOS DA CIÊNCIA
• Nos últimos quatro
séculos, a ciência e a
tecnologia foram capazes
de alterar a face do
mundo, com mudanças
tão radicais como nunca
se teve notícia antes. Era
inevitável que se criasse
uma aura em torno desse
saber e desse poder,
fazendo surgir, lá onde se
pensava apenas existirem
as luzes da razão,
O MITO DO
CIENTIFICISMO
• A confiança total na ciência pressupõe apenas a
racionalidade científica, como se ela fosse a única
resposta às perguntas que fazemos. Essa
valorização da ciência começou com a celebração
de seus primeiros sucessos práticos e atingiu seu
ápice no século XIX, com o filósofo francês
Augusto Comte, fundador do positivismo.
• Os críticos desse exagerado otimismo acusam o
cientificismo de ser responsável por uma visão
distorcida tanto da natureza quanto do ser humano.
• MAX WEBER percebeu que a formalização da
razão, tendo em vista o rendimento e a eficácia,
caminha ao lado do desencantamento do mundo,
• Os pensadores da
Escola de Frankfurt,
como HORKHEIMER e
ADORNO, criticaram a
predominância da
razão instrumental e
controladora –
responsável por
reduzir a atuação
humana ao campo da
eficácia, além de fazer
esquecer que a
NEUTRALIDADE
CIENTÍFICA
• A ciência é um tipo de saber capaz de
superar a subjetividade do próprio cientista
e os preconceitos do senso comum. O rigor
do método permite atingir um alto grau de
objetividade, porque seus procedimentos e
produtos podem ser verificados com
isenção pela comunidade científica.
• Muitos pensam que as pesquisas científicas
não sofrem influência social ou política e
visam apenas ao conhecimento puro e
desinteressado. Por considerar a atividade
• Uma das funções da filosofia é
analisar os fundamentos da ciência. O
próprio cientista já está na verdade
colocando questões propriamente
filosóficas quando se pergunta em que
consiste o conhecimento cientifico,
qual o seu alcance, qual a validade do
método que utiliza e qual é sua
responsabilidade no que se refere às
consequências das descobertas. Por
FILOSOFIA
• Além disso, a filosofia busca
recuperar a visão de totalidade,
perdida diante da multiplicação das
ciências particulares e da valorização
do mundo dos "especialistas". É a
filosofia que, diante do saber e do
poder, avalia se estes estão a serviço
do homem ou contra ele, isto é, se
servem para seu crescimento
espiritual ou se o degradam, se

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Net Viva
 

Mais procurados (20)

Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Ciência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciaisCiência - conceitos iniciais
Ciência - conceitos iniciais
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Ciencia
CienciaCiencia
Ciencia
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSCSlide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
Slide de Iniciação Científica - 2º e 3º do ensino médio da EEJNSC
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Filosofia ciencia
Filosofia   cienciaFilosofia   ciencia
Filosofia ciencia
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 

Destaque

A ciencia através dos tempos
A ciencia através dos temposA ciencia através dos tempos
A ciencia através dos tempos
Monica Alves
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da ciencia
Jarimbaa
 
A filosofia X ciência
A filosofia X ciência A filosofia X ciência
A filosofia X ciência
Thaiane Muniz
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
mluisavalente
 

Destaque (20)

A evolução da ciência
A evolução da ciênciaA evolução da ciência
A evolução da ciência
 
A ciencia através dos tempos
A ciencia através dos temposA ciencia através dos tempos
A ciencia através dos tempos
 
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciênciaConhecimento científico evolução metodologia ciência
Conhecimento científico evolução metodologia ciência
 
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
 
Filosofia da Ciência
Filosofia da CiênciaFilosofia da Ciência
Filosofia da Ciência
 
Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?Resumo - O que é Ciência afinal?
Resumo - O que é Ciência afinal?
 
Filosofia da ciencia
Filosofia da cienciaFilosofia da ciencia
Filosofia da ciencia
 
Resumo o que é ciencia
Resumo o que é cienciaResumo o que é ciencia
Resumo o que é ciencia
 
Linha do tempo ciencias
Linha do tempo cienciasLinha do tempo ciencias
Linha do tempo ciencias
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da ciencia
 
A filosofia X ciência
A filosofia X ciência A filosofia X ciência
A filosofia X ciência
 
CIÊNCIA, O PODER E OS RISCOS
CIÊNCIA, O PODER E OS RISCOSCIÊNCIA, O PODER E OS RISCOS
CIÊNCIA, O PODER E OS RISCOS
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
 
Ciência antiga e medieval
Ciência antiga e medievalCiência antiga e medieval
Ciência antiga e medieval
 
Conhecimento e Ciência
Conhecimento e CiênciaConhecimento e Ciência
Conhecimento e Ciência
 
História e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensinoHistória e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensino
 
2. a ciencia antiga
2. a ciencia antiga2. a ciencia antiga
2. a ciencia antiga
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Ciência, introdução.
Ciência, introdução.Ciência, introdução.
Ciência, introdução.
 
A ciência e os seus limites
A ciência e os seus limitesA ciência e os seus limites
A ciência e os seus limites
 

Semelhante a O que é ciência

Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Luiz Eduardo
 
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
TharykBatatinha
 
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1  - ciência.. construção de conhecimentoAula 1  - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
aula123456
 
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
Maria Luiza Morais
 
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
Suelen Piccinin
 

Semelhante a O que é ciência (20)

DIFERENTES FORMAS CONHECIMENTO CIENTIFICO.pdf
DIFERENTES FORMAS CONHECIMENTO CIENTIFICO.pdfDIFERENTES FORMAS CONHECIMENTO CIENTIFICO.pdf
DIFERENTES FORMAS CONHECIMENTO CIENTIFICO.pdf
 
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
 
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
slides_-_tutor_externo_SLIDES_UNIDADE_01_INTRODUÇÃO_A_EDUCAÇÃO_FISICA_18_01_2...
 
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1  - ciência.. construção de conhecimentoAula 1  - ciência.. construção de conhecimento
Aula 1 - ciência.. construção de conhecimento
 
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
1 metodostec- aula-01-- o conhecimento científico
 
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagensCiência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
 
Aula 01 e 02
Aula 01 e 02Aula 01 e 02
Aula 01 e 02
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
 
V dfilo cap9p_conhecimento_científico
V dfilo cap9p_conhecimento_científicoV dfilo cap9p_conhecimento_científico
V dfilo cap9p_conhecimento_científico
 
1 slides.pdf
1 slides.pdf1 slides.pdf
1 slides.pdf
 
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
 
Metodologia científica
Metodologia científica Metodologia científica
Metodologia científica
 
Metodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos BásicosMetodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos Básicos
 
Metodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos BásicosMetodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos Básicos
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Apresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptxApresentacao de MEP.pptx
Apresentacao de MEP.pptx
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Senso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptxSenso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptx
 
Aula sobre Gestão da biodiversidade.pptx
Aula sobre Gestão da biodiversidade.pptxAula sobre Gestão da biodiversidade.pptx
Aula sobre Gestão da biodiversidade.pptx
 

Mais de Italo Colares

O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
Italo Colares
 

Mais de Italo Colares (20)

Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
 
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
 
Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
 
Filosofia introdução
Filosofia   introduçãoFilosofia   introdução
Filosofia introdução
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
 
Cultura no Plural
Cultura no PluralCultura no Plural
Cultura no Plural
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
 
Unificações europeias
Unificações europeias Unificações europeias
Unificações europeias
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
 
Violência e concórdia
Violência e concórdiaViolência e concórdia
Violência e concórdia
 
Desafio democrático
Desafio democráticoDesafio democrático
Desafio democrático
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Periodo entre guerras
Periodo entre guerrasPeriodo entre guerras
Periodo entre guerras
 
O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
 
Instituicoes Sociais
Instituicoes SociaisInstituicoes Sociais
Instituicoes Sociais
 
O estado contemporaneo
O estado contemporaneoO estado contemporaneo
O estado contemporaneo
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

O que é ciência

  • 2. CARACTERÍSTICAS DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO • A ciência aspira pela OBJETIVIDADE ao tentar superar as conclusões subjetivas marcadas pela nossa sensibilidade ou idiossincrasias. • Os cientistas trabalham com HIPÓTESES TESTÁVEIS, que podem ser submetidas à experimentação, de modo a serem confirmadas ou rejeitadas. Ou seja, a ciência é constituída por corpos de conhecimento organizado cujas investigações sistemáticas estão empiricamente fundamentadas pelo controle dos fatos. • Uma vez confirmadas, as explicações científicas são formuladas em ENUNCIADOS
  • 3. • A objetividade da ciência também decorre da sua LINGUAGEM RIGOROSA. Esse rigor aumenta com a aplicação da matemática e a utilização de instrumentos de medida.
  • 4. OS MITOS DA CIÊNCIA • Nos últimos quatro séculos, a ciência e a tecnologia foram capazes de alterar a face do mundo, com mudanças tão radicais como nunca se teve notícia antes. Era inevitável que se criasse uma aura em torno desse saber e desse poder, fazendo surgir, lá onde se pensava apenas existirem as luzes da razão,
  • 5. O MITO DO CIENTIFICISMO • A confiança total na ciência pressupõe apenas a racionalidade científica, como se ela fosse a única resposta às perguntas que fazemos. Essa valorização da ciência começou com a celebração de seus primeiros sucessos práticos e atingiu seu ápice no século XIX, com o filósofo francês Augusto Comte, fundador do positivismo. • Os críticos desse exagerado otimismo acusam o cientificismo de ser responsável por uma visão distorcida tanto da natureza quanto do ser humano. • MAX WEBER percebeu que a formalização da razão, tendo em vista o rendimento e a eficácia, caminha ao lado do desencantamento do mundo,
  • 6. • Os pensadores da Escola de Frankfurt, como HORKHEIMER e ADORNO, criticaram a predominância da razão instrumental e controladora – responsável por reduzir a atuação humana ao campo da eficácia, além de fazer esquecer que a
  • 7. NEUTRALIDADE CIENTÍFICA • A ciência é um tipo de saber capaz de superar a subjetividade do próprio cientista e os preconceitos do senso comum. O rigor do método permite atingir um alto grau de objetividade, porque seus procedimentos e produtos podem ser verificados com isenção pela comunidade científica. • Muitos pensam que as pesquisas científicas não sofrem influência social ou política e visam apenas ao conhecimento puro e desinteressado. Por considerar a atividade
  • 8. • Uma das funções da filosofia é analisar os fundamentos da ciência. O próprio cientista já está na verdade colocando questões propriamente filosóficas quando se pergunta em que consiste o conhecimento cientifico, qual o seu alcance, qual a validade do método que utiliza e qual é sua responsabilidade no que se refere às consequências das descobertas. Por FILOSOFIA
  • 9. • Além disso, a filosofia busca recuperar a visão de totalidade, perdida diante da multiplicação das ciências particulares e da valorização do mundo dos "especialistas". É a filosofia que, diante do saber e do poder, avalia se estes estão a serviço do homem ou contra ele, isto é, se servem para seu crescimento espiritual ou se o degradam, se