SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA – Descartes e Kant
 Metodologia a seguir:

     1. Ler atentamente os texto que a seguir se transcrevem.
     2. Responder ao questionário apresentado na folha (pode haver entreajuda).
         Após a realização de todas as questões deve verificar as suas respostas
            consultando os tópicos de correcção.

“ Immanuel Kant nasceu em 1724 em Konigsberg, uma cidade da Prússia ocidental, e era
  filho de um seleiro. Passou aí quase toda a sua vida até morrer com a idade de 80 anos.
  (…) Kant foi também o primeiro dos filósofos que tratámos que leccionava filosofia
  numa universidade. Era professor de filosofia.
- Professor?
- A palavra «filósofo» é usada hoje em dois sentidos diferentes. Por filósofo entendemos
  (…) uma pessoa que procura encontrar as suas próprias respostas para as questões
  filosóficas. Mas um filósofo pode (…) ser um conhecedor da história da filosofia, sem
  desenvolver necessariamente uma filosofia própria.
- E Kant era um conhecedor?
- Em ambas as coisas. (…)
(…) sabemos que os racionalistas consideravam que o fundamento de todo o
  conhecimento humano residia na razão. E sabemos ainda que os empiristas achavam
  que todo o conhecimento sobre o mundo provinha da experiência sensível. (…)
- E com quem é que Kant estava de acordo?
- Ele achava que todos tinham de certa forma razão, mas também que todos estavam
  parcialmente errados.”
                                                                                J. Gaarder
    1.Mostre a importância da dúvida na filosofia cartesiana.
    2.Como prova Descartes a existência de Deus?
    3.Explicite a função da sensibilidade e entendimento na teoria do conhecimento
         kantiana.
    4.Explique a distinção kantiana entre fenómeno e númeno.
  “ Tal como o adulto, a criança não executa acto algum, exterior ou até completamente
  interior, senão movida por um móbil, e esse móbil traduz-se sempre sob a forma de
  uma necessidade (uma necessidade elementar ou um interesse, uma pergunta, etc.).
  Ora, (…) uma necessidade é sempre a manifestação de um equilíbrio: há uma
  necessidade quando alguma coisa, fora ou dentro de nós (no nosso organismo físico ou
  mental) se modificou, sendo preciso reajustar a conduta em função dessa alteração”

                                                                              Jean Piaget

  5.Tempo por base o texto, explicite o sentido da afirmação: «a acção humana é um
       mecanismo de contínuo e perpétuo reajustamento ou de equilibração».




                                TÓPICOS DE CORRECÇÃO

           devem servir como orientadores da sua resposta;
alguns tópicos devem ser desenvolvidos.
  1.Descartes parece querer exagerar na desconfiança para verificar se é mesmo evidente
   e indubitável o que pensamos conhecer – dúvida metódica; ela é um método para
   chegar à verdade, por isso é importante.
   O seu cepticismo inicial é metódico, é visto como uma estratégia para por à prova a
   validade de todo o conhecimento, na tentativa de encontrar uma certeza. Descartes
   não é um filósofo céptico e acabará por admitir que o mundo existe e que podemos
   conhecê-lo, se soubermos usar a forma de conhecimento que entende como
   adequada – o conhecimento racional.
   EXISTIRÁ ALGUMA COISA DA QUAL POSSAMOS TER A CERTEZA?
      Se acreditar que tudo o que penso conhecer não é senão um sonho ou ficção
   produzida por um Deus maligno, restará alguma coisa segura que nem o sonho nem
   esse deus possam transformar em falso?
      Pode ser que não exista nenhuma das coisas que os meus sentidos me mostram,
   pode ser que o meu corpo não exista; porém, mesmo que toda a minha experiência e
   conhecimento sejam resultado da acção de um deus maligno que me engana, o
   próprio facto de estar a ser enganado demonstra que existo, pois se não existisse não
   poderia ser enganado. Se duvido, se sonho, se estou a ser enganado, devo existir para
   poder duvidar, sonhar e ser enganado.
   PENSO, LOGO EXISTO (COGITO, ERGO SUM).

  2.Entre as ideias nele existentes, Descartes descobre a ideia clara e nítida de um ser
   perfeito. Qual a origem desta ideia? Só pode vir de um ser perfeito o qual não pode ser
   apenas uma ideia, mas deve existir como ser autónomo.
          • Este ser não pode ter vindo dos sentidos, pois um tal ser não é visível;
          • Não pode ter origem em nós mesmos, pois somos imperfeitos;
          • Tem de ser uma ideia inata que foi posta em nós por esse tal ser perfeito;
          • Implica a sua existência por não ser possível ter uma ideia de um ser com tão
   grande perfeição e tal ser não existir. Um ser perfeito não seria perfeito se não
   existisse; é que uma das qualidades fundamentais da perfeição é, segundo Descartes, a
   existência.
   Descartes chega, assim, a duas verdades:
   1)existe o eu pensante (o cogito);
   2)existe Deus, um ser perfeito.
   E o mundo existe? Como podemos ter a certeza de que não se trata de um sonho ou
   de uma
   simulação produzida por um deus maligno? O mundo existe, pois Deus, ao contrário de
   um génio maligno, não nos engana quando avaliamos a realidade material a partir de
   relações matemáticas quantificáveis. Deus torna-se a garantia de que tudo aquilo que
   conhecemos.
3.O nosso conhecimento provém de 2 fontes: a sensibilidade = capacidade de receber
   representações (receptividade); por seu intermédio os objectos são-nos dados; só ela
   fornece intuições, mas é entendimento que pensa esses objectos e é dele que provêm
   os conceitos. Explicar a quais as formas a priori da sensibilidade e a suas funções).
   Pela 1ª o objecto é-nos dado, pela 2ª ele é pensado. Intuições e conceitos constituem
   os elementos de todo o nosso conhecimento. “Pensamentos sem conteúdo são vazios;
   intuições sem conceitos são cegas”, as 2 faculdades atrás referidas não podem trocar
   de lugar, só pela sua reunião se obtém o conhecimento.
4.Há coisas que podemos conhecer outras que podemos pensar (convém referir alguns
    exemplos). Apenas podemos conhecer o fenómeno, isto é, a representação imagética
    construída pelo sujeito após o trabalho desenvolvido pela sensibilidade e
    entendimento. O númeno = coisa em si = incognoscível.
5.Quando estamos perante um objectoe estese apresenta para ser conhecido “alguma
    coisa, fora ou dentro de nós" há um desequilíbrio que tem que ser reposto. As acções e
    operações que realizamos são integradas em nós, sob a forma de imagens e esquemas
    mentais temos que explicar os processos de construção da inteligência e do
    conhecimento (assimilação, acomodação, equilibração); e porque ” uma necessidade é
    sempre a manifestação de um equilíbrio: há uma necessidade quando alguma coisa (…)
    se modificou, sendo preciso reajustar a conduta em função dessa alteração”, então é
    necessário repor o equilíbrio pois para haver conhecimento há uma construção
    gradual por parte do sujeito que, sucessivamente realiza um “contínuo e perpétuo
    reajustamento”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A função da dúvida
A função da dúvidaA função da dúvida
A função da dúvida
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
António Padrão
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
Isabel Moura
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

A função da dúvida
A função da dúvidaA função da dúvida
A função da dúvida
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 

Destaque

Fil pensamento e ling
Fil   pensamento e lingFil   pensamento e ling
Fil pensamento e ling
mluisavalente
 
Ft 11º arg
Ft   11º argFt   11º arg
Ft 11º arg
mluisavalente
 
Ft lógica nº 2
Ft lógica nº 2Ft lógica nº 2
Ft lógica nº 2
mluisavalente
 
T 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliaçãoT 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliação
mluisavalente
 
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científicoT 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
mluisavalente
 
Proposições categóricas
Proposições categóricasProposições categóricas
Proposições categóricas
Pri Scylla
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Joana Pinto
 
Silogismo categórico - As mais importantes falácias formais
Silogismo categórico    -  As mais importantes falácias formaisSilogismo categórico    -  As mais importantes falácias formais
Silogismo categórico - As mais importantes falácias formais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
mluisavalente
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Jorge Barbosa
 
T 2004
T 2004T 2004
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Joana Pinto
 

Destaque (12)

Fil pensamento e ling
Fil   pensamento e lingFil   pensamento e ling
Fil pensamento e ling
 
Ft 11º arg
Ft   11º argFt   11º arg
Ft 11º arg
 
Ft lógica nº 2
Ft lógica nº 2Ft lógica nº 2
Ft lógica nº 2
 
T 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliaçãoT 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliação
 
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científicoT 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
 
Proposições categóricas
Proposições categóricasProposições categóricas
Proposições categóricas
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
 
Silogismo categórico - As mais importantes falácias formais
Silogismo categórico    -  As mais importantes falácias formaisSilogismo categórico    -  As mais importantes falácias formais
Silogismo categórico - As mais importantes falácias formais
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
T 2004
T 2004T 2004
T 2004
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
 

Semelhante a Ficha de trab + correção descartes

Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex
takahico
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
Erica Frau
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
JorgeNogueira40
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
gildapirescosta
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
barbarapinto1997
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Lair Melo
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
Jorge Barbosa
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
Jorge Barbosa
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
martinho_nuno
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Jorge Barbosa
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 

Semelhante a Ficha de trab + correção descartes (20)

Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex3ano 2bi filosofia_ex
3ano 2bi filosofia_ex
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 

Mais de mluisavalente

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdf
mluisavalente
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
mluisavalente
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
mluisavalente
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zé
mluisavalente
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
mluisavalente
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat campos
mluisavalente
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºb
mluisavalente
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreia
mluisavalente
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertido
mluisavalente
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
mluisavalente
 
Filosofia 11
Filosofia 11Filosofia 11
Filosofia 11
mluisavalente
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
mluisavalente
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
mluisavalente
 
Filosofia jessica
Filosofia jessicaFilosofia jessica
Filosofia jessica
mluisavalente
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
mluisavalente
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
mluisavalente
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
mluisavalente
 
O arauto de salazar
O arauto de salazarO arauto de salazar
O arauto de salazar
mluisavalente
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência
mluisavalente
 
Trabalho: Família e violência doméstica
Trabalho: Família e violência domésticaTrabalho: Família e violência doméstica
Trabalho: Família e violência doméstica
mluisavalente
 

Mais de mluisavalente (20)

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdf
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zé
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat campos
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºb
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreia
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertido
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
 
Filosofia 11
Filosofia 11Filosofia 11
Filosofia 11
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
 
Filosofia jessica
Filosofia jessicaFilosofia jessica
Filosofia jessica
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
 
O arauto de salazar
O arauto de salazarO arauto de salazar
O arauto de salazar
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência
 
Trabalho: Família e violência doméstica
Trabalho: Família e violência domésticaTrabalho: Família e violência doméstica
Trabalho: Família e violência doméstica
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Ficha de trab + correção descartes

  • 1. FILOSOFIA – Descartes e Kant Metodologia a seguir: 1. Ler atentamente os texto que a seguir se transcrevem. 2. Responder ao questionário apresentado na folha (pode haver entreajuda). Após a realização de todas as questões deve verificar as suas respostas consultando os tópicos de correcção. “ Immanuel Kant nasceu em 1724 em Konigsberg, uma cidade da Prússia ocidental, e era filho de um seleiro. Passou aí quase toda a sua vida até morrer com a idade de 80 anos. (…) Kant foi também o primeiro dos filósofos que tratámos que leccionava filosofia numa universidade. Era professor de filosofia. - Professor? - A palavra «filósofo» é usada hoje em dois sentidos diferentes. Por filósofo entendemos (…) uma pessoa que procura encontrar as suas próprias respostas para as questões filosóficas. Mas um filósofo pode (…) ser um conhecedor da história da filosofia, sem desenvolver necessariamente uma filosofia própria. - E Kant era um conhecedor? - Em ambas as coisas. (…) (…) sabemos que os racionalistas consideravam que o fundamento de todo o conhecimento humano residia na razão. E sabemos ainda que os empiristas achavam que todo o conhecimento sobre o mundo provinha da experiência sensível. (…) - E com quem é que Kant estava de acordo? - Ele achava que todos tinham de certa forma razão, mas também que todos estavam parcialmente errados.” J. Gaarder 1.Mostre a importância da dúvida na filosofia cartesiana. 2.Como prova Descartes a existência de Deus? 3.Explicite a função da sensibilidade e entendimento na teoria do conhecimento kantiana. 4.Explique a distinção kantiana entre fenómeno e númeno. “ Tal como o adulto, a criança não executa acto algum, exterior ou até completamente interior, senão movida por um móbil, e esse móbil traduz-se sempre sob a forma de uma necessidade (uma necessidade elementar ou um interesse, uma pergunta, etc.). Ora, (…) uma necessidade é sempre a manifestação de um equilíbrio: há uma necessidade quando alguma coisa, fora ou dentro de nós (no nosso organismo físico ou mental) se modificou, sendo preciso reajustar a conduta em função dessa alteração” Jean Piaget 5.Tempo por base o texto, explicite o sentido da afirmação: «a acção humana é um mecanismo de contínuo e perpétuo reajustamento ou de equilibração». TÓPICOS DE CORRECÇÃO devem servir como orientadores da sua resposta;
  • 2. alguns tópicos devem ser desenvolvidos. 1.Descartes parece querer exagerar na desconfiança para verificar se é mesmo evidente e indubitável o que pensamos conhecer – dúvida metódica; ela é um método para chegar à verdade, por isso é importante. O seu cepticismo inicial é metódico, é visto como uma estratégia para por à prova a validade de todo o conhecimento, na tentativa de encontrar uma certeza. Descartes não é um filósofo céptico e acabará por admitir que o mundo existe e que podemos conhecê-lo, se soubermos usar a forma de conhecimento que entende como adequada – o conhecimento racional. EXISTIRÁ ALGUMA COISA DA QUAL POSSAMOS TER A CERTEZA? Se acreditar que tudo o que penso conhecer não é senão um sonho ou ficção produzida por um Deus maligno, restará alguma coisa segura que nem o sonho nem esse deus possam transformar em falso? Pode ser que não exista nenhuma das coisas que os meus sentidos me mostram, pode ser que o meu corpo não exista; porém, mesmo que toda a minha experiência e conhecimento sejam resultado da acção de um deus maligno que me engana, o próprio facto de estar a ser enganado demonstra que existo, pois se não existisse não poderia ser enganado. Se duvido, se sonho, se estou a ser enganado, devo existir para poder duvidar, sonhar e ser enganado. PENSO, LOGO EXISTO (COGITO, ERGO SUM). 2.Entre as ideias nele existentes, Descartes descobre a ideia clara e nítida de um ser perfeito. Qual a origem desta ideia? Só pode vir de um ser perfeito o qual não pode ser apenas uma ideia, mas deve existir como ser autónomo. • Este ser não pode ter vindo dos sentidos, pois um tal ser não é visível; • Não pode ter origem em nós mesmos, pois somos imperfeitos; • Tem de ser uma ideia inata que foi posta em nós por esse tal ser perfeito; • Implica a sua existência por não ser possível ter uma ideia de um ser com tão grande perfeição e tal ser não existir. Um ser perfeito não seria perfeito se não existisse; é que uma das qualidades fundamentais da perfeição é, segundo Descartes, a existência. Descartes chega, assim, a duas verdades: 1)existe o eu pensante (o cogito); 2)existe Deus, um ser perfeito. E o mundo existe? Como podemos ter a certeza de que não se trata de um sonho ou de uma simulação produzida por um deus maligno? O mundo existe, pois Deus, ao contrário de um génio maligno, não nos engana quando avaliamos a realidade material a partir de relações matemáticas quantificáveis. Deus torna-se a garantia de que tudo aquilo que conhecemos. 3.O nosso conhecimento provém de 2 fontes: a sensibilidade = capacidade de receber representações (receptividade); por seu intermédio os objectos são-nos dados; só ela fornece intuições, mas é entendimento que pensa esses objectos e é dele que provêm os conceitos. Explicar a quais as formas a priori da sensibilidade e a suas funções). Pela 1ª o objecto é-nos dado, pela 2ª ele é pensado. Intuições e conceitos constituem os elementos de todo o nosso conhecimento. “Pensamentos sem conteúdo são vazios; intuições sem conceitos são cegas”, as 2 faculdades atrás referidas não podem trocar de lugar, só pela sua reunião se obtém o conhecimento.
  • 3. 4.Há coisas que podemos conhecer outras que podemos pensar (convém referir alguns exemplos). Apenas podemos conhecer o fenómeno, isto é, a representação imagética construída pelo sujeito após o trabalho desenvolvido pela sensibilidade e entendimento. O númeno = coisa em si = incognoscível. 5.Quando estamos perante um objectoe estese apresenta para ser conhecido “alguma coisa, fora ou dentro de nós" há um desequilíbrio que tem que ser reposto. As acções e operações que realizamos são integradas em nós, sob a forma de imagens e esquemas mentais temos que explicar os processos de construção da inteligência e do conhecimento (assimilação, acomodação, equilibração); e porque ” uma necessidade é sempre a manifestação de um equilíbrio: há uma necessidade quando alguma coisa (…) se modificou, sendo preciso reajustar a conduta em função dessa alteração”, então é necessário repor o equilíbrio pois para haver conhecimento há uma construção gradual por parte do sujeito que, sucessivamente realiza um “contínuo e perpétuo reajustamento”.